1. Spirit Fanfics >
  2. A vingança de um tira >
  3. Sonho americano

História A vingança de um tira - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oi, pessoal desculpa não estar fazendo cap de 'garoto de borracha' mas até lá leiam essa fic que me deu ideia ontem obrigado a todos, boa leitura

(") para significar alguma frase de alguém que está falando

([ ]) é quando alguém está narrando alguma coisa da história

(\xxx/) corta para uma outra cena

Capítulo 1 - Sonho americano


Fanfic / Fanfiction A vingança de um tira - Capítulo 1 - Sonho americano

CIDADE DE NOVA YORK: DIAS ATUAIS 

A cidade estava em nevasca, podia se ouvir um helicóptero voando até um prédio.

"Unidade 10.5 repito unidade 10.5"

"Ouvimos tiros vindo do telhado tiroteio em andamento"

Logo depois disso é ouvido o som das serenes da polícia dirigindo até o prédio.

"Preciso de unidades extras agora! Policial em perigo repito policial em perigo"

"Chamando as unidades 5.6"

                         \xxx/ 

[Estavam todos mortos o último tiro foi um ponto de exclamação e tudo que avia acontecido até agora tirei meu dedo do gatilho estava tudo acabado]

É mostrado um homem de 28 anos, cabelos verde sardas esverdeadas usando um casaco preto e uma sniper nas mãos.

                

[Para que isso faça algum sentido preciso voltar 3 anos atrás para a noite em que a dor começou.]

[Na época eu ainda estava na polícia, polícia de Nova York, no distrito central de Manhattan, a cozinha do inferno.]

"Então quando vira trabalhar para mim detetive midorya?"

"Você me faria trabalhar disfarçado em um buraco qualquer, desculpa denki mas Melissa e a neném vem primeiro"

"Veja...meu último cigarro, faz mal para o bebe"

"Sempre o velho izuku, um típico escoteiro"

"Até mais denki"

"A balada de quinta a noite, ainda está de pé certo?"

" é claro! pode contar comigo"

                             \xxx/ 

                            

[A vida era boa.]

[O sol se pondo em um belo dia de verão, o cheiro de gramado recém-cortado, sons de crianças brincando.]

[Uma casa a bera do rio de Nova jersey, uma bela esposa e uma garotinha]

[ o sonho americano virou realidade]

Entro na entrada e abro a maçãneta 

"Melissa cheguei!"

[Mas os sonhos tem o péssimo hábito de se tornarem pesadelos quando menos se imagina]

[O sol se pos com a arrogância de sempre, o crepúsculo deslizou pelo céu carregado de previsões]

NOVA JERSEY: TRÊS ANOS TRÁS  

"Melissa querida, tem alguém em casa?"

[Não gostei do jeito que o espetáculo começou, aviam me dado a primeira poltrona da casa no meio da primeira fila]

Andando um pouco da entrada numa parede vejo um rabisco

[Uma horrível pixação avia sido feita na parede, uma predisão das coisas que estariam por vir, era uma seringa para viciados. Um símbolo mágico cheio de significados diabólicos]

Ando mais um pouco e vejo uma bagunça guarda-roupas  está caindo no chão um dos espelhos está quebrado e vi umas gotas de sangue na parede, uma coisa não era certa ali, por isso fiquei armado, agora o telefone toca vou até ele e atender.

"Ouça, alguém invadiu minha casa ligue agora mesmo para polícia."

"É da residência dos midorya?"

"Sim, alguém invadiu minha...ainda estão aqui você precisa.../"ótimo, temo não poder ajuda-lo" 

KLIK!

"Quem está falando? Alô?"

Depois da ligação anônima vou andando da sala de estar até as escadas e começo a ouvir gritos.

"não! Meu bebê não!"

"Melissa!"

Depois de ouvir a voz de minha esposa vou correndo até ver um cara saindo da porta do quarto de minha filha, ele era careca e estava usando um manto verde e falava coisas sem sentido como "ele  está vindo com a carne dos anjos condenados" nessa hora minha pistola pra ele.

"Parado! Polícia de Nova York"

Mas ele não me escuta ele tenta puxar algo do manto, ele possivelmente pegaria uma arma então eu atiro ele o eliminado, nisso aparece outro, ele tenta atirar mas erra o tiro e o mato.

Entro no quarto da bebê e vejo....meu... Deus....não!....meu Deus...não!, vejo a bebê toda coberta de sangue, com todo esse desespero vou correndo até o quarto dos gritos de Melissa, vejo outro invasor e o mato na hora, olho pro lado e vejo melissa morta, cheio de sangue na cama

"Ah deus não, ah querida."

Eu seguro ela e grito com todo o meu desespero.

"NÃOOOOO!"

                           \xxx/

[Isso foi a três anos, tudo foi destruindo num piscar de olhos.]

[Os viciados estava dopados com uma droga sintética até então desconhecida, valquiria, "V".]

[Depois do funeral, Eu disse ao denki que estava pedindo transferência para o DEA]

[Levamos três longos anos para conseguir uma brecha no caso valquiria.]

[Finalmente há três meses, um informante nós deu a dica de que shigaraki lupino um chefe mafioso da família shigaraki estava traficando a droga.]

[Então eu comecei a trabalhar disfarçado, infiltrado na pior família mafiosa de Nova York.]

                            \xxx/

[Entrei vindo do frio e do escuro, do lado de fora a cidade era um monstro cruel.]

[O caminho foi aberto para mim lentamente desde a menor arraia até os grandes peixes, tentando chegar a origem da droga.]

[Denki e D.D eram os meus únicos contatos no DEA, os únicos  nesta cidade decrépita que sabiam onde eu estava.]

Peguei o telefone para ouvir o correio de voz do D.D de agora.

"D.D falando, algo urgente aconteceu com shigaraki lupino, você precisa se encontrar com denki imediatamente na estação da rua roscoe."

[Eu não via denki desde que comecei a trabalhar disfarçado]

[Lá fora, a temperatura estava caindo depressa. Estava mais frio que o próprio coração do diabo chovendo pedras de gelo, como se o ceu estivesse preste a cair]

[Todos procuravam abrigo como se não houve-se amanhã]

[E as coisas não melhoraram nada quando entrei no metrô]

Continua...


Notas Finais


Bom é isso, obrigado gente espero que tenham gostado


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...