História A voz do meu coração - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Chiyo Shuzenji (Recovery Girl), Dabi, Denki Kaminari, Eijirou Kirishima, Enji Todoroki (Endeavor), Fumikage Tokoyami, Hanta Sero, Hitoshi Shinsou, Inko Midoriya, Izuku Midoriya (Deku), Katsuki Bakugou, Kurogiri, Kyoka Jiro, Mashirao Ojiro, Mina Ashido, Minoru Mineta, Momo Yaoyorozu, Ochako Uraraka (Uravity), Tomura Shigaraki, Toru Hagakure, Toshinori Yagi (All Might), Tsuyu Asui, Yuga Aoyama
Tags Bakudeku, Kirikami, Todomomo
Visualizações 58
Palavras 1.833
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Lemon, LGBT, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi pessoal! Finalmente postei. Desculpem a demora mas estou escrevendo várias histórias ao mesmo tempo e me enrolo. Desculpe.

Boa Leitura.

Capítulo 8 - Finalmente te encontrei pequena.


-Não verdade não. É apenas um caso novo. Recebemos uma denúncia anônima dizendo que ouviu gritos e choros em um galpão no fim da cidade. Aparentavam ser de uma criança, provavelmente uma menina.-Ele disse e olhei para Deku.-Amanhã quero vocês dois aqui as 05:30 em ponto.-Ele desligou.

-Temos um caso novo. Receberam uma notícia anônima. Yagi vai nos contar tudo melhor amanhã. Temos que ir, precisamos acordar bem cedo.-Falei e Izuku afirmou sorrindo.

-Tchal pessoal!-Nós despedimos de todos. Deixei Deku em casa e fui para a minha. Me deitei na cama após tomar banho e caí no sono rápido.

Acordei no dia seguinte às 04:30. Me vesti com o uniforme do trabalho e saí de casa. Fui buscar Deku e assim que cheguei lá o vi saindo. Ele entrou no carro e me deu um selinho. Fomos direto para a delegacia. Entramos na sala de Yagi e o vimos lendo uma papelada.

-Chegaram bem na hora.-Toshinori nos pediu para sentar e assim fizemos.-Como relatei ao Katsuki ontem, recebemos uma denúncia anônima dizendo que havia ouvido gritos e um choro alto de criança em um galpão, provavelmente uma menina. Para confirmar que a denúncia é real, mandaremos 2 policiais para vigiarem o galpão durante o dia, caso seja algo real, vocês dois irão salvar a provável menina e trazer o sequestrador. Se possível a levem diretamente para o hospital caso esteja muito machucada.-O loiro maior explicou e eu e Izuku afirmamos.

Saímos da sala recebendo alguns olhares e sorrisos. Deku estava com um pequeno bico na boca enquanto pensava no nosso provável salvamento. Eu apenas estava pensativo. Quero salvar essa criança, assim ao menos posso me sentir um pouco melhor sobre Eri...

O dia se passou rápido, eu e Deku descansamos bastante. Ao anoitecer recebemos uma mensagem de Yagi afirmando que a denúncia era verdadeira. Eu e Izuku fomos para o galpão e ouvimos gritos e um choro alto, como já era de se esperar.

-Deku.-Chamei e o mesmo me olhou.-Eu vou entrar primeiro, quero que você entre ao meu sinal e pegue a criança, saia daqui e não me espere.

-Mas Kacchan...-Ele iria protestar. O olhei sério e o mesmo se calou.

-Faça o que eu pedi por favor... Eu vou ficar bem.-Sorri para ele e o mesmo retribuiu afirmando. Me deu um selinho e entrei no galpão aos poucos. Caminhei a passos lentos, achei um homem e mandei o sinal para Deku entrar.-PARADO É A POLÍCIA!-Gritei, eu estava um pouco nervoso e não sabia o que falar. O homem jogou uma faca na minha direção mas desviei com agilidades

-Vá embora! Não tem nada aqui para você!-O homem disse.-O que quer comigo?!

-Te prender talvez?-Falei irônico.

O homem veio para cima de mim e suspirei aliviado ao ver Deku sair correndo do galpão. Comecei uma luta um tanto fácil com o homem, ele jogou diversas facas de uma só vez na minha direção, uma atingiu meu braço, mas ignorei a dor e atirei no homem. A bala pegou no seu ombro o fezendo cair no chão, tirei a faca do braço e fui até ele.

-Você está preso.-Suspirei aliviado e quando saí do galpão me surpreendi ao ver algumas viaturas alí. Yagi apareceu sorrindo e se aproximou após levarem o homem.

-Parabéns! Izuku levou a menina para o hospital do centro, vou te levar até lá para se cuidar.-Ele disse e afirmei.

Entramos em uma viatura da polícia e fomos até o hospital. Quando chegamos lá fui atendido rápido, levei 5 pontos, nada de mais. Quando encontrei Deku ele estava sentado mexendo no celular, revirei os olhos e sentei ao seu lado.

-A menina está bem?-Perguntei e ele afirmou.

-Vai ficar aqui por um mês em observação. Depois vamos levar ela até a delegacia para fazer algumas perguntas. Aparentemente a menina tem 4 anos.-Ele disse e suspirei.

-Vamos para casa, Yagi cuida de tudo.-Ele afirmou.

-Você se machucou muito?-Ele perguntou olhando para os pontos.

-Não, só tenho que tomar cuidado para não abrir a ferida.-Sorri e ele sorriu.

-Vamos pra casa, hoje você dorme comigo.-Deku ordenou e eu ri.

Fomos para casa e os dias foram se passando calmamente. No momento eu estou na delegacia, cheguei um pouco atrasado e a menininha já está sendo questionada. Eu estou esperando, Deku também está dentro da sala com a menina. Esse mês foi bastante corrido e com vários casos, foi extremamente gratificante.

-Kacchan?-Ouvi a voz do Midoriya. Não o olhei estava preocupado com a menina, estou tentando achar algo sobre ela.

-Sim?-Falei.

-A menina não fala nada, só canta uma música que ninguém conhece e fica chamando "papai" toda hora... Yagi vai trazer ela aqui para ver se alguém reconhece ela.-Ele disse e o olhei sorrindo.

-Vai dar tudo certo.-Dei um beijo na sua testa e ele afirmou.

-Katsuki.-Yagi apareceu.-Ninguém conseguiu nada. Entre lá sozinho, vamos esperar do lado de fora. Estaremos te observando da câmera, mas não vamos conseguir te ouvir por um tempo já que o Josh cometeu um erro!-Ele revirou os olhos e eu afirmei.-Eke vai concertar logo, então poderemos te ouvir em pouco tempo.

Fui até a sala sobre o olhar de todos os policiais. Eu ainda estava em fase de teste apesar da experiência, talvez não conseguisse nada. Abri a porta e parei ao ouvir a voz da criança e a música que a mesma cantava. Se chamava Pai de Menina, eu amava aquela música. Ela é mais conhecida no Brasil, já que o cantor é de lá.

-O meu mundo azul foi ficando aos poucos cor de rosa, quando um pedacinho de gente que cabia em minha mão transbordou de amor meu coração...-Entrei sem que a menina notasse e meus olhos marejaram. Ela estava ali.

Cabelos platinados até o fim da cintura, olhos vermelhos e a pele branquinha. Meus olhos marejaram e mordi o lábio inferior.

-Tudo em mim mudou ,bem melhor que ontem, com certeza, hoje sou. Aprendi ver coisas que nem todo homem vê, só quem é pai de menina pra entender...-Ela continuou. Eu sorri começando a ouvir sussurros. Concertaram o som, agora eu ouvia os policiais e o mesmo acontecia com eles.

-O que está havendo?-Deku sussurrou.-Que música é essa?!

-Não quero nem pensar quando surgir o assunto namorar, eu sei que ainda é cedo. Eu juro, dá medo mas vou estar contigo. Eu sou teu pai e teu melhor amigo.-Comecei a cantar e a menina me olhou surpresa. Seus olhos marejaram e ela sorriu com a boca tremendo. Ouvi murmúrios pelo fone de ouvido.

-O que é isso?!-Yagi disse surpreso.

-P-Papai...?-Ela se levantou da cadeira aos poucos chorando. Me ajoelhei no chão sorrindo pequeno, mas também chorava.

-Ei pequena... Não vai dar um abraço no papai não?-Perguntei.

-PAPAI!-Ela correu desesperada até mim. Pulou no meu colo e me abraçou.-Papai...

-Quando acordar e não me ver, fica triste não, tente entender. Pede pro papai do Céu me proteger. Vou estar fazendo o mesmo por você...-A afastei ainda cantando e ela me olhou.-O meu mundo azul... 'tá completamente cor de rosa.-Terminei a música e os policiais entraram na sala.

-Papai...-Eri fungou.-Eu quero comer...-Sorrimos ainda chorando. Ela se levantou ficando de pé no meu colo e deu um beijo na minha bochecha.

-Claro meu amor...-Dei um beijo na sua testa e escutei uma tosse falsa. Olhei para cima e vi todos me olhando, sorri pequeno e enxuguei minha lágrimas, fiz o mesmo com Eri. Deku se aproximou relutante.

-O que está acontecendo?-Ele perguntou.-Você não me traiu não né?-Eu pude ver lágrimas se formarem em seus olhos.

-Não. Eri é adotada.-Sorri pequeno.

-Como assim?-Yagi ficou ao lado de Deku.

-Eu tinha um namorado, que futuramente vai ser meu noivo, ele gosta muito de crianças sabe...-Dei um selinho no Deku.-Adotei Aiko quatro anos atrás, mas a sequestraram.-Suspirei.-Fou na época em que eu fui para o hospital e quase fiquei sem andar.

-Papai, esse é o seu macho? Aquela árvore andante das fotos.-Eu ri ao ver a cara indignada do Deku.

-É ele sim.

-Ele é bonito.-Eri o olhou maliciosa.-Você e o papai já transaram?-Todos se calaram. Yagi me olhou mortalmente e eu e Deku coramos muito.

-Eri!-A repreendi.-O que você andou aprendendo menina? Cadê sua inocência?!

-Está guardada.-Ela sorriu maliciosa.-Fizeram?

-NÃO!-Dissemos juntos e vi os policiais se segurarem para não rir, Yagi suspirou e Deku virou de costas.

-Mas vontade não falta.-Completei e todos começaram a rir ao ver a cara de raiva do Yagi e a chocada do Izuku.

-Kacchan!-Ele me deu um soco no braço.

-Ai!-O olhei com um bico. Ele sorriu de canto e me puxou para um beijo.

-Ok pessoal! Chega!-Eri disse e eu ri.

-Vamos para a casa da vovó hoje. Você ainda tem que conhecer seus outros avós.-Falei e ela afirmou pulando no colo do Deku. Ela fez uma careta e me olhou.

-Papai, por que o corpo dele é menos quente que o seu? Digo, o dele é quente, mas o seu é um quente aconchegante, o dele eu não sei...-Ela começou a falar.

-Eu concordo.-Deku sorriu de canto saindo da sala com Eri nos braços. Os policiais me olharam nesse instante.

-É sério isso? Minha filha vai me trocar pelo meu namorado e meu namorado vai me trocar por minha filha?!-Falei incrédulo.-Que merda!-Saí dali emburrado e vi os dois brincando.

Fomos para a casa de Fumiko. Inko já estava lá junto de Rayden, Satoro e Yagi veio conosco. Pedi para que Eri ficasse escondida enquanto entrávamos na casa.

-Mãe?-Chamei vendo Deku sentar ao lado de seus pais.-Eu quero uma ajuda aqui...

-Claro!-Ela disse se levantando e veio até mim. A abracei e dei um beijo na sua bochecha.

-Primeiro, quero que arrume tudo para o meu casamento com o Izuku, o pedido eu já preparei a um tempo. Segundo, quero que dê um abraço na Eri, ela estava com saudades.-Sussurrei rápido.

-Eri?-Ela disse de olhos arregalados. A menor apareceu sorrindo.-Minha netinha!-Ela gritou chamando a atenção e foi abraçar a menor que ria bastante.

Depois desse dia todos foram apresentados a Eri, menos meus amigos, isso seria uma surpresa. Ontem eu fiz o tão famoso pedido de casamento a Izuku. Ele obviamente aceitou. Nesse mesmo dia quase fomos para a cama nus, mas lembramos da Eri e nada aconteceu, apenas dormimos.

Depois de uns dois dias Fumiko me ligou avisando que os convites para o casamento já estavam prontos e foram entregues. Eu disse tudo a Deku, ele ficou animado e surpreso por Fumiko aceitar arrumar o nosso casamento e a festa de comemoração. Rayden ficou com a tão famosa "Lua de Mel". Ele disse que era o presente para nós.

Agora eu estava olhando ao redor, esperando para que tudo comece. Estou muito ansioso e com certo medo.


Notas Finais


Oi pessoal! Espero que tenham gostado do capítulo de hoje. Aconteceu muito rápido, eu sei. Mas me digam, o que acharam da Eri ser filha deles hum?

No momento estou pesquisando como se faz um casamento. Eu nunca fui em um, você já foram? Qual a melhor parte dele? Sou curiosa dependendo do assunto...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...