1. Spirit Fanfics >
  2. A Whole New World - Imagine Hawks >
  3. Chapter XL

História A Whole New World - Imagine Hawks - Capítulo 41


Escrita por:


Notas do Autor


Ontem n teve capítulo por motivos de perrengue na minha vida
Mas hj tem

Bjos

Terça TALVEZ tenha

Capítulo 41 - Chapter XL


Fanfic / Fanfiction A Whole New World - Imagine Hawks - Capítulo 41 - Chapter XL

Acordei naquela manhã de segunda-feira com um sentimento de que hoje estava começando uma nova etapa da minha vida. As coisas realmente pareciam estar com um clima mais leve. Eu respirava melhor, sentia o ar entrar por inteiro em meus pulmões e isso de certa forma me confortava muito. 

Com uma única exceção de Koji. 

Eu sei que ele ainda está chateado por eu não ter comparecido ao enterro da vovó — e acreditem quando eu digo que é um sentimento que dói igual um corte de papel entre os dedos, pode ser pequeno, mas a dor é intensa demais. Não o culpo, afinal, ela era membro da nossa família e, querendo ou não, ela foi uma grande peça importante pra todo esse quebra-cabeça genealógico que ninguém conseguiu montar perfeitamente. 

Eu queria que ele notasse que eu estava me sentindo mal com essa perda — eu realmente estava . Mas ele me ignorou a manhã toda, desde casa, até o caminho na escola. 

Diferente da mamãe e do papai que estavam de bem, muito embora mantivessem um semblante de chateação devido ao acontecimento trágico que pegou todos nós de surpresa. 

Eu estava abalada, mas tentava não demonstrar isso fisicamente, duvido que a vovó fosse querer isso. Então, eu só reprimia um sentimento reclusivo de existência e pensava em como continuar vivendo era importante. 

A minha vida toda eu apenas existia para um motivo em específico, agora eu entendo o que é realmente viver. Existe uma linha tênue entre esses desvios psicológicos e eu sentia que estava mais pra cá do que pra lá. Eu me sentia um pouco perdida porque sempre seguia uma linha reta, agora que meus caminhos se dividiram e, consequentemente, se ampliaram eu enxergava um acervo de decisões e finais alternativos. 

Eu andava por ali às cegas com um certo incômodo na barriga por medo de estar fazendo algo errado. Mas a vida é isso, se errou e tem a possibilidade de consertar seu erro, o faça, caso não, tentar novamente sempre é uma boa opção. 

 

Eram sete e quinze e, como de costume, Marie e eu estávamos de encontrinhos no auditório para continuarmos o treino de teclado. Eu sou tão grata à ela por estar me auxiliando e por ter paciência comigo. Estas pequenas situações são cenários que eu nunca imaginei estar presenciando um dia e, apesar de usar palavras rasas, eu me sentia uma pessoa normal que agora enxergava coisas boas em pequenos detalhes. 

 

Ok, por mais que Marie seja paciente comigo, às vezes eu sinto que ela tem vontade de fazer carinho na minha cabeça com o teclado porque eu sou bem desastrada e acabo pressionando as teclas muito forte.

Estávamos em silêncio, nada muito constrangedor, apenas porque não tínhamos nada pra falar enquanto caminhávamos pelo imenso vazio entre colunas de cadeiras fofas e perfeitamente enfileiradas do auditório.

— Sinto muito pela sua avó… — Ela quebrou o silẽncio, sem o menor jeito, talvez ela não esteja acostumada com condolências. — Espero que tenham tido ótimos momentos, avós são incríveis.

— Eu concordo. — Digo e logo um filme passa na minha cabeça. — Mesmo que eu não me lembre de algumas coisas, acho que carrego um pouco da sua essência… E legado. Sinto ela aqui comigo. — Marie sorriu e eu limpei a garganta, tentando quebrar o clima. — Antes que eu me esqueça, pega essa coisa de volta! — Retirei da mochila o maldito livro. 

— Você leu? — Ela disse manhosa e tomou o mesmo de minhas mãos, eu enxerguei um brilho no seu olhar e eu apenas franzi o cenho. — Então eu acho que fui útil alguma vez! — Continuou com seu jeito alegre e contagiante. 

 

— Você sempre é. — Larguei minha bolsa em uma cadeira qualquer e ela copiou o meu ato. — Você me ajuda em tanto, espero um dia retribuir a você. 

— Você é a primeira pessoa que me diz isso. Meus amigos no colegial me chamavam de chata, eu parei de ser assim por um tempo. Fiquei mais reservada, evitava falar… Mas não se pode reprimir quem você realmente é. Uma hora explode! — Ela fez um bico e uma onomatopeia de explosão enquanto gesticulava com as duas mãos. — Você entende, né? Eu simplesmente pensei ‘’não dá mais’’ e voltei a ser eu mesma. Fiquei sozinha, mas não acompanhada de pessoas que não gostam de mim. — Encarou-me profundamente em busca de compreensão.  

Marie às vezes consegue ser bem intensa. 

— Em parte, sim. — Respondi caminhando até o palco, indo de encontro ao teclado. — Mas eu não tive muitos amigos, não tinha a quem fingir ser algo que não sou. Com exceção da minha família, eu acho que criei uma personalidade pra ocasiões onde estamos juntos, foi tipo uma evolução.  

— E uma auto-defesa — Ela completou. — Mas enfim, vamos ver como esses dedos estão! 

Fez uma menção para que eu tocasse nas teclas e assim o fiz. Recuperei algumas memórias de acordes e logo comecei. 

Wherever we’re standing, i won’t take you for granted, ‘cause we never we’ll never know when… When we’ll run out of time. So i’m gonna love you, like i’m gonna lose you… — Tentei criar uma coordenação motora para dedilhar e cantar ao mesmo tempo. Às vezes eu confundia, mas me esforçava ao máximo pra sair tudo perfeito. Finalizei a encarando, esperando por alguma aprovação. 

— Já conversamos sobre isso, mas… Não acha que deveria escolher uma música menos… Melancólica?  

— O que há de errado com essa? — Perguntei arqueando a sobrancelha. 

— Tudo! Parece música de funeral, desculpa falar. ‘’Vou te amar como se fosse te perder.’’ — Após dizer isso, suas sobrancelhas se uniram em uma indignação profunda. — Tipo, não!? Nada disso… 

— Ela quer dizer que vai amar ele numa intensidade profunda, qual o problema nisso? — Perguntei uma última vez. 

— Sai, sai! — Ordenou e eu obedeci. Ela sentou-se no banco e colocou seus dedos sobre as teclas, ela se preparava como uma profissional. Seus dedos eram ágeis e logo uma melodia pouco familiar começou a se formar. — … I need a hero, i’m holding out for a hero ‘till the end of the night. He’s gotta be strong and he’s gotta be fast and he’s gotta be fresh from the fight… — Ela finalizou e eu estava de sobrancelhas erguidas. 

— Nada mal… Mas acho que ainda quero manter a minha primeira.  Não achei essa muito… Romântica. 

— É o tipo de música que eu tocaria se tivesse uma namorada heroína — Ela continuou dedilhando o teclado. — Hayabusa tem alguma amiga? Quando você me apresentar pra ele, quem sabe, a gente acabe fazendo um encontro duplo. 

Até quando eu vou guardar isso dela? Quer dizer… Que mal tem ela saber disso? Somos amigas, amigas compartilham esse tipo de segredo, ainda mais quando você deposita total confiança sobre ela. Porém, ela sabe o seu real nome visto que eu não me preocupei em ocultá-lo de ninguém, até porque, eu também não fazia ideia de que chegaríamos nesse nível… 

— [nome]! Vamos pra aula. — Ela disse estalando os dedos na minha frente, tentando me trazer de volta à realidade. 

— Eu estive pensando… — Comentei pegando minha mochila pela alça e Marie me encarou curiosa. Ela arregalou seus olhos como se dissesse ‘’vai, fala logo!’’ e eu mordi o lábio inferior nervosa. — Esquece, vamos logo pra aula. Era só um pensamento bobo. — Dei de ombros e ela relaxou os seus, que antes estavam tensionados graças ao meu suspense. 

— Eu odeio você. — Ela murmurou enquanto caminhávamos juntas para a saída do auditório.  

— Não seja assim, é só que eu preciso encontrar as palavras certas. — Ao sairmos da sala, todos pareciam estar bastante eufóricos com alguma coisa. O evento de hoje, provavelmente. 

‘’Cara! Nem acredito que o All Might se aposentou… Estamos ferrados.’’ Disse alguém em tom de ironia. 

‘’Aposto que o Endeavor dá conta do trabalho. Ele também é super forte.’’ 

‘’É, mas não é tão carismático quanto o All Might. Ele virou o número um agora só porque ele era o segundo antes. Quem merecia primeiro lugar seria o Hawks, definitivamente.’’ 

‘’O que acha disso, Tim?’’ 

— Eu acho que ele merece ser número dois, quer dizer, não é uma colocação nem baixa e nem muito alta… — A garota de cabelos verdes comentou brevemente com uma mão na cabeça, ela parecia meio neutra quanto ao que aconteceria hoje.  

— Você tem uma convivência melhor com ele, não tem mais nada a dizer? Queremos respostas! 

— Ele é bastante ocupado, isso é fato, mas ele se orgulha da sua posição. 

Ele se orgulha, mas não acho que ele se importe com essas numerações ridículas. Ele só quer fazer o trabalho dele e pronto… Eu deveria parar de prestar atenção na conversa desse povo, mas a tal Timothy parecia extremamente desconfortável e incerta no que dizia. 

Ok, por que será, né? 

Durante a aula, todos pareciam bastante descontraídos. Pode parecer um evento bobo, mas funciona igual em premiações de artistas famosos, algumas pessoas ficam eufóricas e outras nem tanto, bem, a sala estava dividida nisso. Marie mexia a cabeça tentando achar uma oportunidade para se meter na conversa dos garotos e falar o quão interessada ela estava no assunto e eu só queria manter os olhos focados no meu caderno com algumas poucas palavras rabiscadas. 

— Que droga, eu queria conversar com esses garotos… — Ela apoiou a cabeça na mão e revirou os olhos. — Mas eu não acho uma oportunidade de falar com eles. 

— Vai logo antes que o professor implique com eles e mande eles calarem a boca. — Sugeri bem humorada. — Você consegue se enturmar rápido, por que ali seria diferente? 

— Não quero te deixar sozinha. 

— É só por alguns minutos, vá lá. — Ordenei apontando para o grupinho. Ela suspirou fundo e assentiu com a cabeça, logo se levantando e marchando até lá. 

Ela realmente conseguiu, em menos de um minuto já estava rindo com eles e falando sobre os heróis que todos iriam ver hoje. 

Isso é um grande evento, afinal, é o top dez do Japão inteiro, não é qualquer evento. Eu sei um pouco disso porque eu assisti a alguns vídeos cortados na internet mostrando todos os rankings anteriores. Eu não era apaixonada por heróis ou algo do tipo, era só para matar a curiosidade sobre como esse ciclo funciona. 

Quem diria que eu estaria ansiosa pra assistir essa apresentação pela primeira vez e ao vivo, ainda por cima?Eu nunca imaginei que um dia isso aconteceria pra dizer a verdade, e agora eu estava feliz por ver ele. 

*** 

O primeiro ranking sem All Might, todos pareciam chocados com essa informação… 

Estávamos todos no refeitório, pela primeira vez em algum tempo eu ouço menos vozes ecoando pelo ambiente, talvez todos estejam animados para o evento que começa daqui alguns minutos.  

Marie estava na minha frente com um suco de caixinha em uma mão enquanto na outra ela buscava o celular e o colocava em cima da mesa, bem no meio, para que nós duas possamos ver, eu comia um sanduíche qualquer que não tinha gosto de algo em específico. 

Meu Deuuuuus… — Marie disse nervosa ao notar que a sua internet estava horrível para acompanhar a transmissão. Ela desligava e ligava o wi-fi loucamente numa falha tentativa de fazer funcionar. — Que droga! — Ela continuou falando de um jeito manhoso. — Faltam alguns minutos pra começar e nada… 

— Tenha um pouco de paciência. — Pedi, mordendo um pedaço do meu sanduíche.

— Pra você é fácil falar, nem quer assistir! — Ela batucou a mesa, impaciente. 

— Quem disse que não? — Deixei de morder meu sanduíche para encarar ela nos olhos. — Eu quero ver sim! 

— Você nem parece animada quando falamos sobre isso. 

— Meu namorado vai estar lá, eu preciso assistir. — Coloquei o sanduíche delicadamente sobre a mesa e cruzei os braços. 

— O quê? A não ser que ele esteja no ranking, vai ser impossível ver ele na plateia. — Ela falou de um jeito bem humorado. — Olha só, está carregando enfim! 

— Sobre isso… — Quando estava criando coragem, logo a sua internet parece querer funcionar e eu sou interrompida pela repórter que cobria a matéria.  

"Estamos fazendo a abertura completa do Hero Billboard Japan, um evento dos maiores heróis japoneses! O número de incidentes resolvidos, o nível de contribuição à sociedade e popularidade! São elementos agregados duas vezes ao ano e o ranking dos heróis é montado a partir disso. Se você conseguir elevar o seu nome entre os mais populares, você pode se tornar um herói que consiga trazer paz e felicidade às pessoas! Sem contar que estamos sem um símbolo da paz, no momento. É uma grande oportunidade para novos heróis se apossarem desse título tão importante. 

Com a aposentadoria de All Might, os cidadãos japoneses estão à espera de alguém que possa suprir essa grande necessidade. Quem será o próximo? 

É o primeiro evento que os heróis aparecem no local de apresentação. Alguma coisa parece ter mudado! Deem uma olhada…" 

A câmera foca num grande palco vazio e, aos poucos, os heróis vão aparecendo. 

"Em posição de número dez, o herói dragão: Ryukyu!" 

A bela moça acena de modo tímido enquanto sorri. 

"Na nona posição, temos aquele que se recusa a sucumbir à idade! O herói de Armadura; Yoroimusha!" 

A câmera foca no herói e eu automaticamente penso em um capitão de navio pirata graças a sua longa barba. 

Algumas pessoas ao nosso redor estavam concentradas na apresentação, alguns com fones de ouvidos e olhos vidrados, outros em grupos cheios. 

"Oitava posição, aquele que está em todos os comerciais de sabão em pó, o herói que lava: Wash!" 

Ele era literalmente uma máquina de lavar. 

— Nos comerciais eu achava que era uma máquina de lavar de verdade… — Marie comentou desapontada e eu segurei o riso. — Não imaginava que isso fosse um herói.  

— Não o subestime! — Falei risonha. 

"Em sétimo lugar, a estrela em ascensão; Kamui da floresta!" 

O herói de madeira... Algumas meninas soltaram um gritinho ao vê-lo ser o destaque na câmera e eu ri da situação. Lembrei que Kim tem uma figura de ação desse heróis. 

— Eu vejo ele em muitas notícias! Uhul!  — Marie comentou contente, dando pequenos pulinhos na cadeira.  

"Estar no mesmo time que Kamui é uma honra! Eu me sinto muito corajosa e ao mesmo tempo bastante orgulhosa dele." 

Era uma entrevista com a Mount Lady, aquela heroína que fica gigante. Eu vejo muito ela por aí, sendo modelo em revistas e garota propaganda. Não conheço muito seu trabalho como pro hero, mas acredito que seja ótimo. 

— Fala sério que temos uma máquina de lavar no top dez… A Mount Lady merecia estar aí. — Minha amiga pareceu incomodada. — Se eu pudesse organizar esses rankings, colocaria ela com certeza! Ela é incrível.  

"O que tem a dizer sobre os boatos que vocês têm um caso?" 

"Sem comentários…" 

Meu Deus, se fizerem esse tipo de pergunta ao Keigo? Eu morreria… Com certeza ele não responderia também… Ele não é muito de falar da vida pessoal dele nesses eventos, eu acho. Muitas pessoas devem estar assistindo essa transmissão, duvido que ele abra a boca pra falar sobre essas fofocas recentes, afinal, ele fica quieto pra me manter segura. 

— Céus, a Mount Lady está na frente dela e ela pergunta sobre relacionamentos? — Agora foi a minha vez de ficar indignada.  

— Você tem razão. — Ela concordou comigo. — Na estreia dela, ela derrotou um vilão com apenas um chute! — Revirou os olhos. — Merecia mais do que esse tipo de pergunta. 

"Número seis, o Herói escudo, Crust!" 

— Tenho um tio que se parece com ele… — Marie comentou aleatoriamente e eu a encarei segurando um riso. 

"E subindo a quinta posição, temos o Herói Coelho: Mirko!" 

A mulher entra com o queixo erguido, extremamente confiante, enquanto para no meio do palco com um sorriso de orelha a orelha. 

Já vi ela tantas vezes que me sinto intimidada… Pessoalmente ela tem cara de ser mais durona. 

— Patroa… — Marie disse sorrindo. — Se ela me chutasse eu acho que eu seria a pessoa mais feliz do mundo…  

— Você 'tá babando um pouco. — Apontei para o seu rosto. 

"Quarta posição, o ninja da vida real, Edgeshot!" 

"Parece que o índice de aprovação dos heróis depois do incidente de Kamino subiu muito!" 

— O que aconteceu em Kamino mesmo? — Perguntei.  

— Quando os heróis descobriram o esconderijo da liga dos vilões e resgataram aquele garoto da Yuuei… Eu acho? 

"E agora vamos para o top três!" 

— É agora! — Marie disse animada, aumentando ainda mais o som do seu aparelho telefônico.  

"Em terceira posição, apesar de estar em uma pausa, ele ainda continua estancado em seu ranking! O herói das Fibras, Best Jeanist! Estamos todos no aguardo do seu retorno!" 

O mesmo não compareceu ao evento, acho que Best estava doente ou algo do tipo, mas fico feliz que ele continue firme com o seu placar." 

A segunda posição estava se aproximando… Senti meu estômago arder, eu estava ansiosa para vê-lo e não evitei mostrar um sorriso bobo. 

Nem percebi que todos ao meu redor também estavam tensos e ansiosos para a apresentação do novo número dois, ficou um silêncio de repente. 

"Ele alega pegar leve, mas é muito feroz num ritmo incrível. Consegue salvar a todos com as mãos no bolso de forma relaxada. Ele que agora assume o segundo lugar, o herói de Asas: Hawks!" 

O foco da câmera agora era Keigo, eu pude notar todos ao redor de nós eufóricos e alegres. 

— Nem acredito! — Marie diz extremamente animada enquanto me puxa pelo braço. Eu só consigo prestar atenção nele e em como ele está tão relaxado num momento como esse, parece até outra pessoa. — Ei, ei! Acorda pra vida! 

— Desculpa. — Balancei a cabeça, me tirando dos meus rodeios. 

— Você falou que eu babei, mas olha só a sua cara! — Disse caçoando de mim. — Não deixa a Timothy te ver. — Marie me olhou por cima, tentando enxergar a garota que estava uma mesa atrás da gente. — Seu namorado é muito bom, Tim! — Ela fez um sinal positivo com o dedão e eu apenas baixei a cabeça. 

— Cala a boca! — Pedi. — Não estou babando. 

— Tudo bem, ter crush em gente famosa é normal. — Ela deu de ombros. — Eu mesma tenho muitos. 

— Marie, ele não é meu crush. — Falei quase involuntariamente e ela me encarou com os olhos arregalados. 

’E finalmente, tomando a posição do antigo Número Um, temos o Herói das Chamas: Endeavor!’’  

Voltamos nossa atenção para o celular. 

— Se ele falar alguma coisa eu desligo o celular — Marie rangeu os dentes. — Ele é tipo um lobo solitário, mas é arrogante e frio… 

— Nunca tinha ouvido falar desse lado do Endeavor. — Comentei. 

Infelizmente o sinal tocou e não tivemos tempo de assistir tudo. Marie desligou o seu celular contra a sua vontade e começamos a caminhar juntas até a nossa sala de aula. 

— Conseguiu ver o seu namorado lá? 

— Sim. — Respondi olhando para baixo. 

— Você disse que tentaria me mostrar ele. — Falou emburrada. 

— Mas você viu ele. — Marie tombou a cabeça confusa e eu revirei os olhos. 

— Não me lembro… — Continuou confusa. — Me diga logo de uma vez! Não me diga que é a máquina de lavar… 

— Você, ao mesmo tempo que raciocina rápido, é bem lerda. 

— Não me lembro de ter prestado atenção em alguém que parece um pássaro — Ela diz bastante pensativa e eu revirei os olhos. — Me dê mais dicas! — Pediu manhosamente. 

— Vamos logo pra sala. 

*** 

Tive que voltar sozinha pra casa hoje porque Koji ficaria até mais tarde na faculdade fazendo alguma coisa no curso dele. 

Eu poderia dizer a Marie quem é o dito cujo o qual ela pensa tanto até seus neurônios queimarem, mas eu prefiro que ela descubra por conta própria, porque se eu mesma contar, duvido muito que ela vá acreditar em mim. 

Hoje eu não trabalho, Íris me deu dois dias de repouso e assim eu ficarei. Talvez eu me sinta um pouco agoniada, mas são só dois dias, será rapidinho. 

Uma ideia surgiu em minha cabeça e eu rapidamente dei meia volta nos meus passos e estava com um local em mente. 

É uma ideia meio arriscada, porque eu não sei muito bem como vou achar o que eu quero, mas eu iria. 

Em menos de vinte minutos eu estava perto do cemitério. Sim, eu iria visitar o túmulo da vovó, talvez seja uma situação arriscada porque eu sequer sei onde ele se encontra, mas eu acho que é uma boa escolha. É o jeito de me redimir e me despedir direito dela. 

Logo as grades foram se materializando, indicando que eu estava perto do cemitério, honestamente não sou muito fã, embora seja um local calmo e tranquilo, me sinto um pouco estranha. Mas ok, passei pelos portões, sentindo um friozinho na espinha ao observar todas aquelas lápides enfileiradas com flores e velas acesas sobre a terra. As lápides japonesas são bem tradicionais, parecem mais um pedestal do que qualquer outra coisa. 

De repente, o céu parece ter escurecido, não tinha sinal de chuva alguma, estava apenas parcialmente nublado com alguns raios de sol atravessando as nuvens finas. 

Passando por várias, fui até uma casinha que possuía um livro, tipo uma enciclopédia com todos os nomes e localizações. Rapidamente o peguei, folheei suas páginas procurando pelo nome da minha vózinha. Demorei a encontrar, meus olhos estavam cansados e enjoados de tanto ver os mesmos nomes se repetindo, eu tinha que procurar bem. 

Até que eu o encontrei. Heiki Shizuka. 

De acordo com esse livro, ela deve estar enterrada bem…  

Aqui. 

Encarei a lápide com seus kanjis escritos e engoli a seco. 

Eu não havia comprado nem um buquê, ou velas e incenso para acender. 

Passei a mão na grande pedra esculpida e senti o úmido e o áspero da mesma num só toque.  

Eu voltaria um pouco tarde pra casa porque o cemitério é longe, mas se eu explicar o motivo, talvez alguém entenda.  

Tem tanta coisa que eu ainda queria que a senhora visse… Eu sei que nos afastamos por causa do tempo, mas eu ainda tenho memórias curtas de quando eu era criança. E agora, quando eu fui passar alguns dias com a tia Olly e o Yoshi, criamos novas. 

Não vou esquecer de quando observamos as crianças se sujando de terra e quando ouvimos música clássica no meu telefone porque a sua vitrola quebrou. Eu vou levá-la ao conserto, eu prometo. 

Não tinha mais palavras, fiz uma pequena oração para ajudar o seu espírito a encontrar a luz e dei meia volta para ir embora. Ok, agora eu me sinto menos mal, consegui me despedir dela. 

— Tudo bem por aí? — Meu corpo gelou ao ouvir algo no pé do meu ouvido. Eu estava sozinha ali naquele ambiente e logo senti que poderia vomitar todo meu lanche da faculdade.  

Involuntariamente minha mão voou até a direção da voz, acertando seu rosto em cheio. 

— Ai. — Foi a única coisa que ele resmungou e levou sua mão até a bochecha. — Definitivamente não estava preparado, mas tudo bem. É bom te ver também.  

Era Keigo, quem mais poderia ser? 

— Desculpadesculpadesculpa — Repeti desesperadamente o segurando. — Keigo, eu acabei de sair do cemitério e você aparece do nada desse jeito! — O repreendi.  

— É mais forte que eu — Ele disse levantando seus óculos. — Algum problema? Por que você estava lá? 

— Ah… Minha avó morreu e eu não fui ao enterro. Mas tudo bem, acho que agora compensei de algum jeito.  

Ele ficou quieto e sem reação.  

— Sinto muito? — Ele disse meio confuso. Talvez ele não esteja familiarizado com essas coisas. 

— Ela gostou de você, disse que você é uma boa pessoa. — Relembrei do momento que tivemos aquela conversa sobre o passado da mamãe. — Queria que ela pudesse ver nós dois juntos. 

— Olha… Eu tenho certeza que ela está. — Disse de modo reconfortante e eu ri levemente, sentindo meu rosto arder com as suas palavras.  

Ficamos em silêncio, parados no meio da calçada.  

— Acho melhor sairmos daqui, senão vamos chamar muita atenção. — Ele segurou meu ombro, me forçando a caminhar junto com ele.  

— Você não tem que ir trabalhar?  

— Posso te levar pra casa e ficar de olho na cidade ao mesmo tempo. — Sorriu como se fosse uma coisa simples. — Aliás, você me viu hoje na televisão? 

— Vi, não terminei de ver porque o sinal tocou e tive que voltar pra sala. 

— Eu 'tava incrível, né? — Disse se exibindo. 

— Claro. — Respondi com um sorriso de canto. — A Mirko também estava incrível. — Falei de modo provocativo.  

Passamos o caminho todo trocando provocações e consequentemente chamando atenção de algumas pessoas.  

Talvez elas estejam pensando: meu Deus o que ela 'tá fazendo? Enchendo o saco do pobre Hawks? 

Não, era ele que enchia o meu. 

Tivemos que lidar com uma multidão de pessoas que se formou perto dele, eu me afastei um pouco apenas esperando que ele atendesse a todos. Eu observava aquilo de um jeito sorridente e bobo, era engraçado ver ele lidando com muita gente ao mesmo tempo, ainda sendo simpático e gentil, sorrindo para os quatro cantos. 

Talvez ele realmente seja a pessoa certa.


Notas Finais


Ke lindos

Versão q a marie canto: https://youtu.be/XrN5mAbjsGo

Tomara que esse capítulo saia certo, aff

entao.. oi galera do tik tok. To de olho em vcs ta?? Pfv vamos ter senso, minhas fanfics n sao headcanons pra vcs sairem colocando cenas daqui adoidadas..... tirando isso obg a quem divulga <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...