1. Spirit Fanfics >
  2. Abandoned Places - Roads Untraveled >
  3. O Último a Cair

História Abandoned Places - Roads Untraveled - Capítulo 28


Escrita por: e Miss_Shadows


Notas do Autor


Sabe quando você está tão hypado pra alguma coisa que não se aguenta? É eu também não! Os dois capítulos pra frente desse já tão prontos mas eu tive que soltar! Não me aguentei cara! DEsculpa! Eu sei que vocês esperavam ele semana que vem, desculpa! Mas... aturem!

ps: Recomendo fortemente que ouçam a música "Saturn - Sleeping at Last" ele deu ideia pro cap todo, tirando a primeira parte que foi "Awaken - League of Legends". Espero que gostem e claro, não me matem

Capítulo 28 - O Último a Cair


O dia anterior havia sido um inferno, os pesadelos atormentaram Sasuke durante toda a noite. Ele via cenas repetidas da morte dos pais, da morte de Kabuto e Orochimaru. Já deviam ser cerca de 5:40 da manhã quando o moreno desistiu de dormir, se sentando na cama e respirando fundo, encarando todo o quarto. Por três anos viveu ali calmamente e agora deveria sair... Logo o rapaz se levantou, calçando os coturnos pesados e a calça especial, a mesma já vinha com joelheiras, o que deixava o descanso em alguns lugares bem fácil. Quando colocou a camisa ele parou, havia ouvido algo... Sasuke caminhou até a sacada, olhando para baixo e ao não ver nada voltou para dentro, se sentando na cama novamente. Ele não pensava em nada, apenas respirava fundo, como em uma meditação.

— 3...2...1 — Minato assentiu empunhando a arma ao lado de Sakura enquanto os agentes alemães assentiam, detonando o explosivo plástico na porta central, alertando imediatamente o Uchiha.

Sasuke arregalou os olhos assustado, correndo até as escadas para ver o esquadrão de policiais que entrava ali. O moreno vestiu o casaco rapidamente, espalhando a gasolina por todo o cômodo e ateando fogo, ouvindo a voz dos policiais alguns andares abaixo. Ele correu pegando a mochila no colchão que aos poucos pegava fogo, apertando inúmeras vezes o botão do elevador, engolindo seco quando ouviu um sonoro “Lá encima!”. Quando a pequena caixa chegou, ele entrou rapidamente ali, ouvindo os homens subindo as escadas e puxando sua mochila, a abraçando com força quando o elevador começou a descer. Naquele instante ele fechou os olhos perdendo o ar. Por alguns segundos se tornou claustrofóbico, toda a sua vida parecia passar em flashes bem na frente de seus olhos, entretanto ele foi acordado quando a porta se abriu. Sasuke saiu correndo o mais rápido que pode, ouvindo os gritos atrás de si e se abaixando quando alguns disparos passaram, um deles inclusive atingindo seu braço de raspão. Estava no primeiro andar, havia apertado o maldito botão errado! Logo ele continuou correndo, saltando a escadas que dava para o porão da fábrica, tropeçando e quase caindo no processo. O Uchiha se levantou rapidamente, tomando fôlego e se erguendo novamente, sacando o revólver que estava dentro do casaco e atirando contra um dos policiais, o derrubando e continuando a correr até os tuneis de forma desesperada, saltando por um fio de aço quase invisível que acabou derrubando dois dos homens que o perseguiam.

Ele engoliu seco, continuando a correr, tateando a parede de forma desesperada até encontrar o maldito fio ajeitado por Nagato, puxando o mesmo e ouvindo a grande explosão atrás de si enquanto boa parte do teto cedia, impedindo os policiais de continuar a perseguição. Sasuke parou por alguns segundos apenas para recuperar seu fôlego, arregalando os olhos ao ouvir novos gritos e ordens, eles haviam entrado pelo outro túnel, aquele que dava no canal da cidade. O moreno engatilhou o revólver novamente, atirando todas as balas que tinha contra os agentes, derrubando três deles, apertando o passo como pode até a antessala que havia preparado meses atrás, puxando a motocicleta oculta que ficava ali e dando partida na mesma. Ele subiu na moto, acelerando o máximo que pode, dobrando para o outro túnel, aquele que saia na floresta, bem longe da cidade. Aos poucos os gritos foram ficando para atrás e ele enfim sentiu o ar puro da floresta, pilotando a moto pela trilha intocada, haviam apenas os rastros do carro de Nagato ele. O moreno parou a moto quando enfim se sentiu seguro, bem escondido entre as árvores e arbustos, descendo do veículo e caindo de joelhos no chão, soluçando enquanto sua testa se encontrava com a grama.

— Eu sei que eu nunca disse isso... Mas... Obrigado... Deus — Ele disse enquanto chorava, se sentia acima de tudo... Aliviado.

 

—X—

 

— Filho de uma puta! — Minato berrou irado quando viu o prédio ruindo devido as explosões e ao incêndio, por sorte todos os agentes haviam saído, infelizmente alguns sem vida — Eu vou achar esse desgraçado! Custe o que custar! Não é possível que meu filho tenha se envolvido com isso!

— Ele já tinha orquestrado tudo... Ele armou tudo — Sakura disse suspirando enquanto via os sacos pretos se fechando sobre o corpo dos agentes mortos — Mas ainda não acabou, vamos achar ele... Chefe.

— Sim... Nós vamos... — Ele afirmou respirando fundo — Temos que ir, Kakashi está indo até Gaara e os outros...

— Sim senhor — A rosada assentiu adquirindo uma expressão amarga no processo.

— Você gostava dele, Amanda?

— Era só trabalho, senhor — Ela garantiu adentrando no carro.

 

Do outro lado da cidade uma operação conjunta acontecia. A polícia metropolitana, assim como a GSG-9 e a Scotland Yard se dividiram para cobrir a casa de todos os suspeitos, todos seriam presos ao mesmo tempo. Entretanto a força tarefa se concentrou especificamente no chefe de tudo, em Gaara. O ruivo naquele momento estava na entrada do prédio, havia saído para comprar o café da manhã com o pequeno Shinki que dormia em seus braços.

— Papai te ama, sabia? — Ele sussurrou beijando a testa do bebê antes de abrir a porta, desviando o olhar para a rua e arregalando os olhos, soltando as sacolas e abraçando o filho.

— Polícia! — Um dos oficiais gritou enquanto o restante corria atrás do ruivo.

— Não atirem! A criança! — Inoichi gritou, seguindo o pelotão de invasão atrás do rapaz que entrou no prédio.

Ele corria pelos corredores do edifício, saindo deste para a área interna do condomínio, se apoiando ofegante na parede e sacando o revólver que estava escondido em sua cintura. Empunhando a arma e sorriu para o filho que ameaçava chorar assustado pela corrida.

— Papai tá aqui, papai tá aqui Shinki, ninguém vai te machucar — Ele prometeu beijando a testa do pequeno, tomando coragem e saindo de onde estava, voltando a correr, ouvindo os gritos atrás de si, erguendo a arma e atirando contra os três policiais que tentavam o cercar pela frente, derrubando todos eles.

— Gaara! — Kankuro gritou para o irmão, ele havia acordado com o som dos gritos e descido para averiguar a situação.

— Sai daqui! — O ruivo ordenou, se virando para trás e disparando mais uma vez, tiro esse que acertou Minato de raspão, fazendo o loiro rosnar de ódio.

O ruivo apertou o passo como pode, tentando acalmar Shinki durante a corrida. Logo Mathias atirou novamente, mais três vezes até o sonoro “click” ser ouvido. Defenderia o filho até o fim, a criança era tudo para si. Entretanto um último disparo foi ouvido, este por parte de Minato que tomou frente. O ruivo soltou a arma logo em seguida, a deixando cair no chão antes dos joelhos fraquejarem e ele também ceder. Havia atravessado seu tórax, acertando o coração em cheio, por pouco o bebê não foi atingido.

— Shh papai tá aqui, papai tá aqui, Shinki — Ele murmurou ao bebê que chorava, abraçando a criança contra si.

— Tá maluco!? Podia ter matado a criança! —Inoichi gritou correndo até o rapaz, tomando o pequeno de seus braços, envolvendo o garoto em seu casaco.

— Não... Meu filho... — Gaara murmurou com os olhos marejando, estendendo a mão — Por favor... Meu filho — Ele suplicou enquanto tentava inutilmente se remexer sobre a poça de sangue que se formava abaixo de si.

— Acabou Mathias...Sinto muito — Kakashi murmurou abaixando a máscara e encarando o rapaz.

O ruivo riu com escárnio, as lágrimas ainda rolavam de seu rosto — Madara Uchiha... É ele que vocês querem — O rapaz contou tossindo de leve enquanto o sangue escorria por seus lábios — No fim... Eu não consegui proteger ninguém... — Gaara murmurou rindo baixinho.

— Madara nos mandou tudo, da sua operação, do Sasuke, Acabou Gaara... — Minato rebateu.

— Não... Ele tá mentindo... Fomos nós... Nós que... — Ele parou tossindo sangue, quase se engasgando com o mesmo.

— Vocês o que? Fala! — Kakashi ordenou se ajoelhando.

O ruivo sorriu com os dentes ensanguentados, respirando fundo enquanto sentia seus dedos adormecendo aos poucos — Tô indo pra casa... Temari... — Ele sussurrou o nome da irmã — A gente... Tá... Indo pra... Casa... — Gaara murmurou fechando os olhos lentamente. Aos poucos a respiração parou e o rapaz enfim se foi.

— Shh... Shh... Calma — Inoichi murmurou acalmando o bebê que começou a chorar assim que mais um disparo foi ouvido.

Sakura arregalou os olhos, buscando pela fonte do tiro, correndo até o fim do corredor empurrando a porta que estava entreaberta, apenas para ver Edward, ou Kankuro. O irmão mais velho de Gaara caído no chão, o moreno estava escorado na parede de azulejos brancos do banheiro comunitário, estes cobertos pelo sangue, a arma estava ao seu lado e os olhos ainda abertos, com algumas lágrimas solitárias caindo. Havia se matado para não ficar sem o irmão, para não ficar sozinho.

— Eu sinto muito — A rosada disse respirando fundo tentando conter as emoções, não queria que acabasse daquele modo, com tanta traição e tantas mortes. Ela se aproximou engolindo o choro, ajoelhando-se ao lado do rapaz e gentilmente fechando seus olhos, recebendo pelo rádio a confirmação de que os três únicos remanescentes da quadrilha haviam sido presos e estavam sendo encaminhados para o distrito policial.

— O que foi o tiro? — Minato perguntou respirando fundo, encarando a criança nos braços de Inoichi.

— Kankuro... — Ela respondeu respirando fundo — Ele se suicidou...

— A dor de perder alguém é insuportável para alguns, eu sinto muito por deixar uma criança órfã... Mas era ele... Ou nós — O comissário disse abaixando o rosto enquanto os policiais chamavam o legista — Todos os outros estão presos?

— Sim, foram presos antes de virmos até aqui — Kakashi respondeu ajeitando a máscara.

— Sinto muito que tenha que acabar assim — Sakura disse triste.

— Ainda não acabou, Amanda. Estamos só começando — Minato respondeu sério.

 

—X—

 

A noite já caia em Timisoara quando a gasolina da moto de Sasuke acabou, o moreno deixou a motocicleta de qualquer jeito na estrada e continuou à pé, caminhando por cerca de 2km até a estação de trens da cidade. Procurando pelo armário que Nagato havia lhe indicado e abrindo o cadeado com a senha fornecida pelo ruivo. Ele tirou o violão e suspirou aliviado, caminhando pela estação até ver alguém que cochilava sobre um dos bancos, encarando o ruivo ali e rindo, chutando seu pé em seguida.

— Mas que porra é... — Fênix se levantou encarando o Uchiha, rindo alto e se levantando, abraçando o moreno em seguida — Velho amigo!

— Sentiu tanta saudade assim? — Sasuke brincou rindo baixinho, se afastando do outro em seguida. Era bom ter o amigo de volta.

— Sim e não, sim pelo papo, não pelo tanto que você é chato — O finlandês rebateu rindo divertido — Tá esperando mais alguém?

— Sim... Por quê? — Ele olhou curioso, encarando a direção que Fênix apontava com a mão, deixando a mochila no banco, assim como o case do violão, caminhando até um outro assento e se ajoelhando, tocando calmamente o rosto do loirinho que dormia profundamente — Naru?

— Hm... Só mais cinco minutos Sasuke... Sasuke!? — O alemão abriu os olhos rapidamente, se levantando e abraçando o outro, o puxando para si e beijando com paixão — Achei que não ia te ver mais! O que aconteceu? Por que demorou tanto?

— Aconteceram algumas coisas — Ele respondeu sorrindo com o carinho em seu rosto — Tá realmente pronto pra ir?

— Com você, eu vou pra qualquer lugar — Naruto garantiu beijando o outro com calma.

— Então esse é o famoso Naruto? Nome engraçado — Fênix comentou se aproximando do casal — Não queria apressar, mas temos que ir.

— Príncipe... Quem é esse? — O rapaz olhou confuso.

— Fênix, é meu amigo, vai ser seu também... Com o tempo — Sasuke afirmou, pegando a mochila que o finlandês jogou para si, assim como o case do violão — Pra onde vamos?

— Você disse que queria ir pra Irlanda, vamos pra Irlanda — Fênix respondeu sorrindo.

— Gosta da Irlanda? — O Uchiha indagou encarando o amado que colocava a mochila nas costas.

— Queria ir lá uma vez, vamos pra lá mesmo? Como? Avião? Trem? — O rapaz indagou inocente.

— Vamos andando — Fênix disse rindo divertido, ajeitando a própria mochila nas costas, guiando o casal para fora da rodoviária. Havia uma van estacionada ali.

— Eu já vi essa van... — Sasuke olhou confuso, já havia visto o veículo na porta da livraria onde trabalhava. Quando a garota morena saiu dali ele arregalou os olhos, era a namorada de Pain! Ela trabalhava para Fênix também?

O ruivo se aproximou da mocinha que sorria com os olhos marejando, ele logo a abraçou com força, erguendo a garota no ar e a beijando com paixão, juntando as testas em seguida.

— Eu senti tanta saudade, Miela... — O finlandês sussurrou baixinho, acariciando o rosto da garota.

— Eu também... Mieli — Ela respondeu, retribuindo as carícias.

— Cadê meu amigão? Sancho! Sancho! —Ele chamou e logo o grande Husky Siberiano veio, pulando em si e pedindo carinho.

— Você não era a... — Sasuke iria falar a mas a moça negou em um pedido mudo — Você que é a noiva que ele fala tanto?

— Sim, sou eu... Caroline D´Angelo... Deucalion — Ela completou sorrindo — Entrem, a noite vai esfriar e temos muito chão ainda — A moça pediu abrindo a porta lateral da van. Era grande e bem espaçosa, contando com mesa, cozinha, geladeira e camas. Era basicamente uma casa sobre rodas.

— Nós podemos confiar neles? São esquisitos, tá ligado? — Naruto olhou o casal extremamente confuso.

— Cegamente... — O moreno assentiu, beijando o amado antes de adentrarem na van.

— Eu já tava louco pra chegar em casa! — Fênix exclamou deixando a mochila de lado, retirando a jaqueta e caminhando até o fundo da van, se jogando na cama que havia ali enquanto a amada ligava o motor do veículo.

— Agora estou surpreso, vocês moram em um carro? — Sasuke olhou confuso, se sentando em uma das cadeiras e deixando a mochila no chão, mantendo sua mão junto a de Naruto que ainda olhava tudo assustado.

— Odeio parar quieto... Mas vou sossegar um tempo... Comprar uma casa em um lugar mais... Tranquilo — O ruivo explicou ainda deitado na cama — Amor! Até onde podemos ir!?

— Áustria! — A garota respondeu no volante — Posso levar vocês até lá! Depois tem que atravessar a Alemanha sozinhos, ai posso levar vocês pelo túnel, depois Inglaterra, Gales e Irlanda — Ela disse mantendo os olhos na estrada.

— Espero que os dois saibam dirigir, vamos revezar, mas animo! São só 900km! — O ruivo afirmou se ajeitando na cama e fechando os olhos.

— Sasuke, pode dirigir? Vou preparar a cama pra você e pro Naru — Ela disse sorrindo prestativa, parando a van e assim que o moreno assumiu a direção, ela retraiu a mesa do carro, dobrando os assentos e fazendo dali uma cama de casal, guardando as mochilas no armário.

— Não dá pra ir direto pra França? — Sasuke indagou no volante, era estranho dirigir após tanto tempo.

— Com tanta gente atrás de você em quatro países? Difícil — Fênix afirmou se sentando na cama e bocejando, enquanto a noiva conversava com Naruto, arrancando algumas risadas do loirinho as vezes.

— Quando chegarmos perto da fronteira, eu assumo tá? — Cah disse pegando um livro para ler.

— Ela parece o Sasuke... — Naruto comentou pensativo — Não, Sasuke é um saco — Fênix disse rindo baixinho, se sentando ao lado do loiro — Pode se acostumar amiguinho, esses 900km vão ser longos....

Durante o caminho choveu em vários trechos da estrada até Nadlac, então levaram bem mais que o esperado para chegar na cidade fronteiriça com a Hungria, onde Cah assumiu o volante da van, pedindo para que os rapazes se escondessem, voltando a dirigir com calma até ser parada pelos guardas, apresentando o passaporte e as credenciais policiais. Sasuke vai se escondido no armário, enquanto Fênix e Naruto se desdobraram para se esconderem, um dentro do guarda-roupas pequeno e um dentro do banheiro da van, possuíam respectivamente 1,97 e 1,88 de altura. Quando enfim passaram a fronteira, a motorista deu o aval para saírem, o que arrancou uma risada de Fênix que estalava o pescoço, caminhando até o banco da frente e se sentando ao lado da amada enquanto o casal voltava a ficar junto na cama.

— Itachi mentiu pra mim por quase um ano — O ruivo comentou rindo baixinho — Canalha até que se prove ao contrário, chegou a ver ele?

— O que ele falou sobre mim? — Cah perguntou sem desviar o olhar da estrada.

— Disse que tinha comprado um apartamento pra você no Kingston... E que tinha você na mão — Ele respondeu, se ajeitando no banco e roendo as unhas com calma.

— E você burro como sempre, acreditou, não foi? — Ela revirou os olhos, acertando um soco no rapaz que riu.

— Não, Nagato me disse onde você estava. Ainda tenho contatos — Fênix sorriu orgulhoso, recebendo mais um tapa.

— Contatinhos é? Algum deles é uma mulher!? — Cah rosnou fechando a cara.

— Não, não amor — Ele riu baixinho — Nenhum deles é mulher, eu juro...

Mais atrás na cama de casal, Naruto se ajeitou, abraçando o amado e beijando sua nuca com calma, Sasuke parecia absurdamente cansado, então ele fez cafuné no rapaz até que este dormiu. Nenhum dos dois havia prestado atenção na conversa do casal no banco da frente, o alemão estava mais interessado em velar o sono do amado, o beijando com carinho e logo fechando os olhos para dormir também, apagando poucos minutos depois. Quando acordaram com os latidos do cachorro já parecia ser noite, o veículo estava parado e a porta aberta. Sasuke se levantou coçando os olhos, cambaleando de leve e caminhando até a porta da van, colocando apenas a cabeça para fora, acabando por ver Fênix correndo, brincando com o cachorro enquanto a noiva ria divertida, voltando atenção para sua leitura logo em seguida.

— Achei que não fossem acordar mais! — O ruivo riu ofegante, se aproximando do carro — A gente queria fazer a janta, mas vocês estavam dormindo ai não ia ter espaço.

— Claro... — Sasuke assentiu voltando para dentro, acordando o amado, acariciando seu rosto e o chamando para saírem da van e dar espaço.

— Vou preparar o jantar, já coloquei a carne descongelar — Cah sorriu para o casal, adentrando na van, abrindo o fogão e ligando as luzes para começar o jantar.

Do lado de fora havia uma mesinha com quatro banquinhos já preparados, o toldo da van estava esticado com uma luz presa a este, além das duas cadeiras de praia encostadas no veículo, onde o casal se sentou. Naruto logo ergueu o olhar sorrindo bobo, podiam ver toda a constelação dali, era algo magnifico.

— É bonito né? — Naruto sorriu todo bobo, abraçando o outro e o aninhando em si.

— Sim, queria poder observar toda noite — O moreno assentiu se aninhando no outro, sorrindo com o beijo que recebeu na testa. Logo uma ideia se estalou em sua mente, ele se levantou e entrou na van, voltando com seu diário e uma caneta.

— O que vai fazer? — O loirinho indagou curioso, analisando o amado enquanto este escrevia rapidamente.

— Nada, só uma coisa que veio na minha cabeça — Sasuke respondeu continuando a escrever por longos minutos, encarando a página amarelada do caderno.

— Agora tô curioso, tá ligado? — Naruto reclamou tentando ler o que estava escrito.

— É um poema, acho que nunca fiz um...

— Um poema? Sobre o que? Pode contar ele pra mim? Não pode? Ah vai, eu quero ouvir, tá ligado?— O alemão disparou animado com a ideia, logo se ajeitando na cadeira.

— Certo... Certo... — Ele respirou fundo e reuniu toda a sua coragem — Quando Chove em Saturno... — Sasuke disse o título, encarando o céu novamente soltando o ar, os olhos de Naruto brilhavam.

— Vai conta! — O loirinho insistiu sorrindo até o outro começar.

— Quando chove em Saturno....Os céus parecem brilhar ainda mais. As nuvens são transparentes e as estrelas as iluminam com seu brilho. Os grandes anéis marcam os céus...Banhando a superfície com sua luz — O Uchiha contava tentando acertar o ritmo —Quando chove em Saturno...As marés sobem, a água se agita. As praias brilham como vagalumes durante a noite...Quando chove em Saturno... O universo parece sumir, deixando apenas os desejos flutuando na atmosfera sem os suprimir — Ele pausou por alguns segundos — Quando chove em Saturno... A magia aflora, mostrando ecos de outrora à medida que se explora. Tudo passa tão rápido, como lampejos de efemeridade...Quando Chove em Saturno...Todos os desejos... Se tornam realidade.

Os olhos de Naruto marejavam àquela altura, o loirinho sorria todo bobo para o amado, o beijando e segurando sua mão em seguida.

— Será que lá está chovendo agora? — Ele indagou mantendo o sorriso.

— Hum? Por quê? — O Uchiha desvirou o olhar confuso, arregalando os olhos assim que Naruto beijou sua mão, estendendo a aliança para si.

— Porque eu... Desejo me casar com você...

 


Notas Finais


E ai? Choraram? Gostaram? Tão tristes? Querendo me matar?

ps: O poema que o Sasuke recitou é meu.... Então é, desculpa, sou um péssimo poeta kk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...