História Abismo - Hunhan (EXO) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias B.A.P, Bangtan Boys (BTS), Black Pink, EXO
Personagens Baekhyun, Bang Yongguk, Chanyeol, Chen, D.O, Daehyun, Himchan, Jennie, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jisoo, Jongup, Jung Hoseok (J-Hope), Kai, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Kris Wu, Lay, Lisa, Lu Han, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Rosé, Sehun, Suho, Tao, Xiumin, Youngjae, Zelo
Tags Banglo, Bap, Boys Love, Bts, Chanbaek, Daejae, Exo, Ficção, Gay, Hanhun, Himup, Hunhan, Jikook, Kaisoo, Luhan Vampiro, Namjin, Sulay, Taoris, Vampiro, Vyoonseok, Xiuchen, Yaoi
Visualizações 82
Palavras 4.603
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ohayo pequenos Ōkami!
Minha primeira fanfic do EXO, e claro, não poderia faltar meu querido otpzão HUNHAN!

Espero que gostem, e caso queiram entender melhor, deixarei nas notas finais tudo sobre esse universo!
Até as notas finais!

Yoi dokusho, ōkami!

Capítulo 1 - Remoto


Fanfic / Fanfiction Abismo - Hunhan (EXO) - Capítulo 1 - Remoto

   SeHun olhava com desgosto para os jovens dentro de uma multidão de adolescentes, xingando-os em mente de todos os xingamentos existentes, apenas de olhar ambos, a raiva o domina fazendo seu rosto envermelhar e suas veias pulsarem de demasiada raiva.

    Park Chanyeol e Park Jimin. Os irmãos gêmeos, filho de uma das famílias mais ricas de toda a Seoul. Mimados, ricos, e com certeza, populares. SeHun os odeia, pois graças aos Park's, sua "família" foi totalmente destruída, receber a notícia de que fora demitido, e logo após, ter virado um desempregado alcoólatra por conta desse acontecimento, é algo desagradável de se acontecer na vida de alguém.

   SeHun é filho único de pais separados, apesar de nunca ter recebido carinho e atenção de ambos, tinha um amigo que sempre o animava independente da hora, tempo, situação ou ocasião. Seu nome é Kim JunMyeon , ou, mais conhecido, simplesmente como Suho. O garoto é o único que realmente sabe como animar e consolar Oh SeHun.

    SeHun tem uma relação ótima com SuHo, as brigas não é algo rotineiro entre ambos, já eles se amam demasiado. Muitas vezes sofreram insultos por se abraçarem em público ou até mesmo demonstrar afeto, o que durante um tempo causou uma confusão com o nome da mãe de SeHun, esta que é uma empresária muito bem sucedida e famosa dentre a Ásia, perdendo só para a empresa dos Park's. Por que, convenhamos, ter um possível filho gay quando se é uma pessoa famosa e respeitada em um pais preconceituoso, não é algo agradável.

    Contudo SuHo não se importava, apesar de sempre receber xingamentos e até mesmo alguns socos por demonstrar carinho demais por SeHun, JunMyeon nunca mudou, sempre fora o mesmo, carinhoso, atencioso e protetor com uma de suas preciosidades, Oh SeHun.

   Com os fones de ouvido, mãos nos bolsos do moletom, e a expressão irritada, SeHun ainda observava os dois garotos que soltavam risadas e comentários, desistindo de arrumar uma confusão com ambos, deu as costas e se direcionou ao único lugar que realmente se sente em paz naquele ambiente. A biblioteca;

   No caminho , recebeu olhares que eram lançados de outros alunos, "Não é o tal de "cara de porta", Yongguk?" Uma voz de longe comentou, SeHun ignorou os olhares e cochichos direcionados á sí, ainda no trajeto, recebia olhares vindos de outras estudantes;

   Não que seja ruim, apesar de sofrer bullying, SeHun é dono de uma beleza esplendida, já recebera cartas e e-mails de garotas e até mesmo garotos que se interessavam por sí, uma pena que SeHun os ignora

- Bom dia, jovem Sehun! - Disse senhora Dya ao perceber SeHun adentrando pela porta da biblioteca, o citado sorriu simpático e respondeu Dya com as mesmas palavras gentis - O livro que desejava chegou ontem a tarde, o guardei especialmente para você! - Exclamou animada, SeHun expos um sorriso contente, finalmente poderia ler o livro que tanta ansiava á meses

   - Diga-me quanto foi, posso pagar nesse momento - SeHun a respondeu enquanto vasculhava seu bolso direito a procura de uma nota de $31.000 wons que havia guardado mais cedo, antes usaria o dinheiro para comprar um livro que havia visto na livraria perto do colégio

   - Não seja tolo, criança! - Riu divertida - Para um jovem amante da literatura, posso dar-lhe as coisas de graça. - Dya é uma mulher de cinquenta e três anos, dês de pequenina fora apaixonada por livros ou qualquer outra coisa relacionada á literatura. Em suas cinco décadas de vida, já morou em três países  diferentes, e trabalhou em várias escolas, tudo para mostrar ás pessoas o quanto a literatura é algo que se deve dar demasiado valor e importância.

   - Por favor, aceite senhora Dya, não gosto de pensar em outras pessoas comprando algo para mim, me sinto dependente. - Falou SeHun estendendo a nota para Dya, a senhora deixou seu semblante triste e o respondeu

   - Seu aniversário é mês que vem, certo? - SeHun assentiu desconfiado - Então aceite isso como um presente, um presente adiantado! - Sorriu sabendo que havia vencido a "guerra". O estudante a sua frente suspirou derrotando pegando o livro em cima da mesa - Fico feliz que tenha gostado, meu jovem! Sabe, você é um dos únicos alunos realmente valorizam a literatura, tenho orgulho de você!

   O estudante sorriu, Dya era uma mulher incrível, e SeHun queria tê-la como mãe, é um amor de pessoa, ama a literatura, e ama o jeito de SeHun, coisas que sua mãe de sangue não é, e que segundo SeHun, nunca será.

   - Muito obrigado, senhora Dya, mas... - Parou para pensar - Eu...realmente não entendi a parte "Um dos únicos", estudo nesta escola á meses e nunca ví uma alma viva na biblioteca, sem ser nós dois, claro!

   - Ah sim, provavelmente você ainda não viu o aluno novo, certo? - Perguntou com seus olhos azuis feito gelo seco brilhando - Ele está aqui dês de o começo do ano, toda quinta vem pegar no mínimo quatro livros, ele realmente gosta de ler, talvez vocês poderiam ser amig... - Parou de falar ao perceber a porta rústica se abrindo, um rapaz com a respiração ofegante e os cabelos colados no rosto por conta do suor caminhou até ambos com um sorriso no rosto

   - Senhora Dya! - exclamou ao se aproximar - É bom revê-la! - SeHun arrepiou ao escutar a voz do rapaz, por algum motivo não conhecido por sí, a voz do garoto soou reconfortante - Não vou demorar tanto, apenas devolverei os livros que havia pego no mês passado, você tem razão, são ótimos, vou seguir seus conselhos de agora em diante - ambos riram, o rapaz, com um pouco de dificuldade retirou três livros de dentro da mochila o colocando em cima da mesa de senhora Dya.

   - Certeza? Chegaram livros ótimos na segunda, deveria analisa-los, são merecedores de best-seller! - Exclamou com seu semblante triste, enquanto SeHun, evitava á todo custo se quer olhar para o moreno ao lado, mas era inevitável, havia algo que de certo prendia a atenção de SeHun para o desconhecido;

   - Mesmo? Bom, sendo assim, acho que não vou hesitar em dar uma olhada - Riu soprado com sua mudança de objetivo tão repentina, houve um momento em que o celular do desconhecido apitou, rapidamente foi vê-lo, oferecendo assim uma chance para que SeHun pudesse analisar melhor seu rosto.

   Seu rosto era angelical aos olhos do maior, seus lábios eram finos e continham coloração natural, seus olhos eram pequenos e com traços chineses, seus cabelos loiros em um meio formato de topete, com esses simples detalhes, SeHun pôde ter certeza, de que o desconhecido é um dos garotos mais belos que havia visto na escola.

   - Qual é o problema, jovem Luhan? - Perguntou Dya após ver o semblante do garoto mudar ao ler uma mensagem no celular;

   "LuHan", esse nome ecoou na mente de SeHun, já havia escutado esse nome, mas não se recordava de onde, fechou os olhos tentando se recordar de onde ouvirá o nome, vasculhava sua mente nas mais profundas memórias, até finalmente encontrar.

   LuHan era novo aluno de sua sala, havia se mudado, como já disse senhora Dya, no começo do ano, e nesse tempo, sempre escutara o nome "LuHan" na sala, mas nunca fizera questão de direcionar seu interesse ou atenção no novo aluno.

   - Agradeço a preocupação, mas não é nada grave - sorriu reconfortante para a mulher - São...digo, como eu já disse, não é algo grave ou preocupante, problemas familiares, entende? - viu a idosa assentir ainda preocupada - Vou pegar os livros, faltam menos de dez minutos para o sinal bater, e a senhora sabe como sou pontual. - risos. O garoto arrumou sua mochila nas costas e saiu em direção ás enormes estantes de livros

   - Eu não lhe disse, jovem? - a voz em forma de sussurro de Dya fez SeHun acordar para a realidade - É um amor de pessoa, deveria ser amigo dele, não acha? - perguntou animada, SeHun fez um gesto para que a mesma falasse um pouco mais baixo

   - Ele realmente parece ser legal, mas eu prefiro ficar sozinho, na minha, você me conhece, prefiro livros á pessoas. - terminou com um suspiro

   - Livros são realmente bons, a literatura é apaixonante e simplesmente encantadora, mas não pode permitir que ambos acabem com sua vida social, SeHun, eu conheço sua história. - suspirou - Quando não temos a família, temos os amigos, mas nem se quer isso você tem direito. - sussurrou tristonha

   - Tenho amigos senhora Dya, você, Kai, Kyungsoo e SuHo estão de bom tamanho! - Exclamou um pouco alto - Desculpe-me. - suspirou decepcionado consigo mesmo - Por levantar a voz para sí.

   - Está tudo bem, eu estou lhe pressionando muito, mas é inevitável vê-lo de tal forma e não fazer algo. - sorriu envergonhada - Aqui está seu livro, eu li a sinopse, a história é realmente interessante, aproveite bem a leitura! - o entregou o livro em mãos

   SeHun pegou o livros, e antes de sair da biblioteca, foi em direção ás enormes estantes de livros, dias atrás havia visto um livro bom de seu agrado, e agora estaria a procura do mesmo, nomeado de "Jornada Dos Anjos". 

   SeHun riu de sua situação, perdido na biblioteca que frequentava com frequência á três anos.

   Mesmo após três anos estudando ali, ainda não havia memorizado e se familiarizado com as demais estantes e suas seções.

   Enquanto caminhava, um pequeno livro caiu ao lado, fazendo-o dar um pequeno pulo de susto, colocou a mão no peito sentindo seu coração acelerar, e suspirou aliviado por não ser nada a mais. Se agachou pegando o material em mão, e leu seu titulo, "Quando É Preciso Partir."

   - Li-licença... - novamente escutou a voz de "LuHan" vinda do final do corredor, quando o olhou, pôde ver um garoto com suas bochechas coradas. - Esse livro...eu iria o pegar no outro corredor, m-mas ele c-caiu... - explicou se aproximando em passos lentos, este que segurava cerca de três livros em suas mãos, foi o detalhe que levou SeHun á palpitar o por quê do livro ter caído, não é fácil pegar objetos - sem derrubar - com outros em suas mãos

   - Ah sim... - estendeu a mão, LuHan teve pequena dificuldade em colocar o livro em seus braços, os olhos do menor brilharam ao se chocarem com o livro de romance - Você...sempre frequenta aqui? - puxou assunto, não sabia ao certo o por quê de estar falando com o rapaz, já que durante quatro meses ignorou sua presença;

   - Sim, é um vicio. - riu de sí próprio olhando para o chão - Já o ví saindo daqui centenas de vezes, gosta de ler, certo? - Perguntou por mais que tivesse noção e estivesse ciente da resposta.

   - Gosto. - Respondeu - É uma forma de me livrar dos problemas que passo, encontrar um universo somente meu, pode parecer meio clichê mas não deixa de ser verdade. - viu o rapaz a sua frente sorrir satisfeito

   - Somos dois então. - riu fraco - Apesar de ler desde pequeno, ler me ajuda á superar muitos fatos verídicos á minha volta, bem, dizendo em outras palavras, nós pensamos iguais! - sorriu gentil, realmente, como Dya já havia dito, LuHan parecia realmente ser uma pessoa gentil e simpática assim como é nesta conversa.

   SeHun em poucos segundos de conversa com LuHan, pôde perceber o quanto gosta de sorrir, qualquer coisa dita é o motivo de um sorriso ou risada em seus lábios finos, podia-se ser qualquer coisa sem graça, mas ainda sim as risadas e sorrisos eram sua marca registrada.

   - Inclusive, meu nome é LuHan, provavelmente já tenha escutado enquanto eu conversava com senhora Dya, mas isso não vem ao caso - fez uma leve reverência, SeHun repetiu o ato, LuHan estendeu a mão em direção á SeHun, que hesitou com incerteza se aceitava o aperto ou não - Desculpe... - encolheu sua mão de volta, com decepção presente em seu tom de voz - Pode me dizer seu nome? - SeHun congelou

   Por mais que fosse uma mera pergunta, SeHun não era acostumado á receber perguntas do gênero, principalmente sendo direcionadas á sua pessoa, muito menos na escola, o ambiente onde é terrível abominado e praguejado por outros alunos.

   - ...é SeHun, Oh SeHun - respondeu após analisar o momento e as palavras de LuHan;

   - Oh SeHun! - repetiu animado - É um nome realmente bonito, SeHun! - Sorriu contente, felizmente LuHan havia conseguido dar um passo na "relação" que ambos tem

   - Obrigado - Sorriu envergonhadamente - Seu nome...também é muito bonito. - sussurrou para que o garoto não jovem não o escutasse direito;

   - Obrigado! Eu também gosto do meu nome, você... - Quando estava prestes a falar algo a mais, um alto som estridente se fez presente, o sinal tocou, o que queria dizer, que a correria e a luta contra os estudos havia começado novamente, por sorte estavam em uma sexta, oque significa que não haveria aula nos próximos dois dias. - Ah, uma pena. - suspirou decepcionado - Acho melhor eu ir, se chegar atrasado de novo como semana passada, não seria algo bom para mim. - riu arrumando os livros em suas mãos - Até, Hunnie! - disse

por fim antes de passar por SeHun deixando um rastro com seu delicioso perfume.

   " Hunnie "

   Esse apelido ecoou em sua mente, pela primeira vez alguém havia o dado um apelido em apenas alguns segundos de conversa, o único que já havia lhe dado um apelido - tirando os apelidos de maus gostos vindos de outros alunos - fora SuHo, que o chamava carinhosamente de "Hun"

   (...)

   SeHun passou o resto da manhã sem falar com LuHan, o dialogo que ambos tiveram no começo, talvez jamais poderia ser repetido, ainda não havia encontrado o menor depois do encontro da biblioteca, nem se quer na sala de aula, recebendo assim faltas nas chamadas.

    Contudo, SeHun se lembrava das últimas palavras de LuHan. " Se chegar atrasado de novo como semana passada, não seria algo bom para mim. " seria possível LuHan ter chego atrasado na sala, sendo que assim que SeHun adentrou a sala, o professor e vários alunos ainda não haviam chego?

     Ainda questionando sobre a ausência do rapaz, SeHun se direcionava á saída do colégio quando sentiu olhares sobre sí, apesar de que sentia que estes não eram normais, mas sim de demasiado desejo -desejos incomuns- , os ignorou pensando que poderia ser um dos admiradores que sempre os observa no final da aula, algo normal no cotidiano de SeHun.

   Pela primeira vez, dês de que começara o ano, SeHun sentiu medo, sentiu uma sensação tão ruim quanto essa, o desespero o atacou tão prontamente quanto um leopardo atrás de sua presa. Contudo, SeHun não deixava o orgulho de lado, obriga sua mente a pensar ser nada além de garotos e garotas desejando sentir o gosto de seus lábios.

   Quando chegou no beco que sempre esperava por JunMyeon depois das aula, se apoiou na parede do mesmo com as mãos nos bolsos do moletom, faz anos que SeHun e JunMyeon se encontram neste beco para depois das aulas, ambos tomarem sorvete juntos, é uma guloseima que trás boas lembranças á SeHun.

   Por mais que pedisse que não, que suplicasse e tentasse ignorar, ainda podia sentir olhares sobre sí e isso estava o fazendo delirar, SeHun já começava a poder ser chamado de paranoico.

   Com a tentativa de dissipar o medo, com os fones de ouvido, colocou a música " Fiction " do grupo Beast/Highlight o mais alto que pôde, sua cabeça nos primeiros trinta segundos da música começou a latejar, o alto volume o fazia sentir muita dor.

   Um alto estalo foi escutado.

   As coisas de SeHun haviam sido automaticamente soltas no chão, o mesmo que fora jogado com brutalidade contra a parede do beco escuro; Caindo de joelhos no chão, SeHun sentiu suas costas doerem e um liquido escorrer em sua cabeça, pôs suas mãos no rosto tentando dissipar a dor enquanto murmurava palavras sem lógica.

   Mãos frias foram postas em cima das suas, tirando as mesmas de seu rosto com certa delicadeza e zelo;

   - SeHun? Está tudo bem? - Uma voz conhecida invadiu seus ouvidos, ainda sentindo seu corpo e principalmente a cabeça doer, SeHun assentiu que sim - O que houve? Por que suas coisas estão jogadas no chão? - perguntou com o semblante preocupado

   - E-eu...eu não sei, alguém... Me empurrou na parede - respondeu com a voz trêmula - Minha cabeça dói, LuHan... - terminou murmurando

   - Deixe-me ver - Pediu movendo a cabeça de SeHun levemente para o lado, o cuidado foi realmente preciso, a dor que sente é realmente grande - Está sangrando muito - suspirou preocupado - Venha, levante-se - pegou nas mãos de SeHun o ajudando a se levantar

   - Obrigada - disse já de pé - Eu...queria mesmo tentar descobrir o que acabou de ocorrer - olhou para suas coisas ainda jogadas no chão, LuHan acariciou o braço do maior tentando o consolar.

   - Não se preocupe, deve ter tido uma vertigem, afinal, a música em seus fones estão realmente altas - apontou para o objeto, a música tocava, e ainda de longe podia ser escutado a música alta - Deve ter sido impressão sua, já passei por isso, não é nada preocupante. Mas aconselho em verificar seus ferimentos na cabeça, isso sim pode ser sério - sorriu confiante, SeHun assentiu, por mais que tentasse se convencer, não conseguia engolir a história que LuHan criará, estava óbvio demais.

   - SeHun, o que houve? - a voz de JunMyeon surgiu preocupante, SeHun sorriu fraco aliviado por finalmente seu hyung ter aparecido

   - SuHo-hyung... - SeHun falou em meio a um suspiro, ainda com dor caminhou até o mesmo e o abraçou enterrando seu rosto na curvatura de seu pescoço

    JunMyeon ficou realmente preocupado, SeHun o abraçou de uma forma tão terna, como se suplicasse por segurança e carinho, a última vez que SeHun o abraçou de tal forma, fora quando seu pai o agredirá brutalmente em seu aniversário de dezoito anos, o motivo? SeHun havia o pedido um simples abraço, algo que para seu pai fora como ser chamado de homossexual

   - O que houve, meu anjo? - acariciou as costas de SeHun - Quem é este rapaz? - fitou LuHan - Aquele garoto te fez algo, huh? - trincou o maxilar só de imaginar que SeHun estivesse voltando a sofrer bullying naquela escola;

   SeHun negou, já LuHan se intrometeu no dialogo de ambos e contou a JunMyeon a situação que havia encontrado SeHun, e aconselhasse que o melhor seria um curativo na cabeça;

   - Obrigado, rapaz! Mil perdões por ter lhe julgado antes, sou muito protetor com SeHun, e por isso tenho muita desconfiança - riu fraco - E você mocinho, sem essa de escutar músicas em um volume tão alto, entendeu? - Ordenou autoritário porém com um tom brincalhão, SeHun assentiu tímido - Em forma de agradecimento, e desculpas, por que não vem tomar sorvete conosco? Tenho certeza que gosta de sorvete! - Sorriu alegremente, LuHan teve que se segurar para não rir, o homem a sua frente se assemelha-se á uma criança quando o assunto se tratou da massa gelada e colorida.

   - Muito obrigado pelo convite, mas infelizmente tenho outros compromissos, talvez uma outra hora - falou com certa decepção no tom de voz, LuHan queria mesmo poder sair com SeHun, desde que se apaixonara pelo mais novo se imaginou sendo amigo do mesmo, aquelas típicas amizades de filmes, os personagens se conhecem, se aproximam aos poucos, ganham confiança, tornam-se melhores amigos, saem juntos para tomar sorvete, com o passar do tempo se apaixonam, e assim tudo se torna reciproco e um verdadeiro clichê romântico.

    - Uma pena... - Suspirou - Enfim, ainda assim agradeço, vamos, Hunnie? Os meninos devem estar preocupados conosco! Além disso, precisamos fazer um curativo na sua cabeça! - Falou enquanto pegava as coisas de SeHun do chão

    - Sim, hyung - sorriu obediente - Até mais, LuHan! - Falou antes de dar as costas e sair caminhando com SuHo ao seu lado, deixando um LuHan com uma expressão nada amigável para trás.

   - O que tem de tão especial naquele humano, LuHan? - A voz de ChanYeol surgira perante o silêncio, LuHan se virou em direção á voz vendo o rapaz

    - Foi você, Chanyeol? - Perguntou como se afirmasse o que dissera, ChanYeol sentiu um leve arrepio ao ver LuHan se aproximando em passos lentos, LuHan é mais forte, mais velho e com certeza poderia matar um vampiro como ChanYeol facilmente, o mais novo negou com a cabeça sentindo medo - Não minta para mim, ChanYeol - continuou os passos em sua direção - Eu lhe conheço muito bem, adora atacar quem o odeia. - Vociferou relembrando das diversas vezes em que ChanYeol clamou a ajuda de LuHan, este que pedia ajuda do mais velho para fazer suas antigas "presas" se esquecerem do ocorrido e tortura, uma habilidade que poucos vampiros obtém.

   - Apesar de ser odiado por SeHun, nunca me fez nada - Respondeu sentindo o nervosismo subir - Você sabe, eu ataco pessoas que me odeiam e me fazem mal, SeHun nunca me fez nada além de odiar minha família e eu em segredo. -  LuHan cessou seus passos, sim, ChanYeol estava certo. Aquela era a verdade. De todas as pessoas que mereceram os ataques pavorosos de ChanYeol, todos fizeram algum mal ao homem de alguma forma, seja sujando seu nome ou até mesmo o agredindo verbalmente e fisicamente.

   - Desculpe... - Pediu envergonhado - Eu...cismo que é sempre você quando ocorre coisas do gênero á SeHun, me perdoe. - Abaixou a cabeça levemente em um pequeno pedido de desculpa, ChanYeol suspirou aliviado ao perceber que agora estava á salvo de um possível ataque á sua pessoa.

   - LuHan, deve parar com essa cisma! - LuHan mais uma vez se curvou diante do sermão que estaria levando do Park á sua frente - Já está ciente de que eu nunca atacaria o humano que gosta, sabe que tenho enorme carinho e respeito por você! - Depositou sua mão no ombro de LuHan, que lhe direcionou o olhar de imediato - Eu não seria capaz de atacar o mortal que você gosta. - ChanYeol disse aquilo com tanto sentimento, respeito e ternura que LuHan pôde sentir seus olhos lacrimejarem, como poderia desconfiar de ChanYeol? Logo alguém que sempre o respeitou e o apoiou diante de várias decisões difíceis em sua vida imortal, era uma calúnia cometer tal ato.

   - Me perdoe, de verdade. - Pediu calmamente, ChanYeol sorriu em resposta - Sinto que cada dia fico mais paranoico em relação á SeHun, devo procurar um psicólogo? - Riu diante da ideia que surgirá em sua mente

   - Seria algo estranho um vampiro procurar por um psicólogo, não? - Respondeu ChanYeol

   - Não gosto do termo "vampiro" - Fez sua expressão de desgosto, é um termo tão desagradável que odeia que os seres de sua espécie seja chamada - Incrivel como as coisas mudam em tão pouco tempo...

    - Tão pouco tempo? LuHan, se passaram quatro séculos desde seu nascimento! - ChanYeol exclamou incrédulo

   - Sinto saudades de antigamente, as pessoas conversavam mais decentemente ao contrário de hoje em dia, era tudo tão simples antes. - Suspirou se relembrando da época de 1600, tudo era tão calmo, apesar de que a época ainda fora difícil para outros países, para LuHan não fora tudo ruim, o local onde nasceu e fora criado em qualquer canto da china, era um bom lugar para viver. Uma pequena vila com moradores trabalhadores e felizes

   - Pare de reclamar LuHan! Os tempos evoluem, não é mais como antigamente! - Riu humorado perante a indignação do mais velho

   - Posso perguntar uma coisa? - ChanYeol assentiu curioso - Por que se refere aos mortais como se não fosse um deles?

   - Não sou um mortal, talvez uma mistura dos dois lados... - Refletiu pela décima vez no dia, afinal, era mortal um imortal?

   - Andei pesquisando sobre isso com NamJoon - Respondeu enquanto remexia a mente em busca de recordações - Ah, ele disse que quando se nascem dois gêmeos em uma só lua de sangue, a alma de imortal é dividida entre ambos. - ChanYeol arregalou os olhos, realmente fazia sentido, Jimin e ChanYeol gêmeos não idênticos haviam nascido justo no exato alinhamento da lua de sangue, ambos foram escolhidos para serem imortais, porém a alma de vampiro era única, portanto na hora da transformação, ambos ficaram com uma parte da alma imortal, não sendo de todo o ruim.

   - Certo, isso faz sentido - Respondeu - Bom, quer dizer... É uma coisa boa, Jimin e eu sempre tivemos rivalidade sobre quem era o real vampiro da família, talvez essa briga acabe depois dessa revelação. - Riu - Inclusive, você não me respondeu, o que tem de tão especial naquele humano? - LuHan sorriu após escutar a dúvida

   - Talvez...quando passar mais de quatrocentos anos sozinho, irá entender como é se apaixonar por um ser que se difere do seu

   (...)

   O céu se encontrava escuro, em outras palavras, a noite havia chego, acompanhada de milhares de pingos brilhantes, as também chamadas de estrelas.

    Oh SeHun estava deitado em sua cama, enquanto lia seu livro novo que fora presenteado mais cedo pela bibliotecária gentil de sua escola, a luz estavam apagadas, mas SeHun tinha ajuda da lua, estava cheia e simplesmente maravilhosa, os dias de lua cheia eram seus preferidos, adora ler de noite com a ajuda da luz da lua ultrapassando a janela.

   Seus olhos já estavam pesados, havia lido duas horas seguidas, e á noite, a leitura o faz dormir rapidamente

   Aos poucos, seus olhos se fecharam lentamente se entregando totalmente ao sono impossível de se safar.

   De longe, alguém o observava de longe pela janela com um sorriso estampado no rosto, observava mesmo de á distancia o rosto calmo e sereno de SeHun adormecido.

   Com mínima dificuldade, pulou pela janela adentrando o quarto do mesmo, sacudiu a roupa procurando limpa-la das folhas em seu corpo, estava em cima de uma arvore que a cada segundo parecia cair mais e mais folhas.

   O rapaz guardou o livro de SeHun na cômoda ao lado, tratou de deixar o jovem em uma posição confortável, e tirou de seu guarda-roupa a coberta mais quentinha que pudesse achar, a noite estava extremamente fria.

   Se deitou ao lado do citado, e levou sua mão até seu cabelo fazendo um carinho de leve em seus fios negros, SeHun se aproximou deitando sua cabeça no peitoral do mesmo enquanto mexia a cabeça como se pedisse por mais caricias.

   LuHan sorriu, pela primeira vez em tantos anos observando SeHun em segredo, havia tido contato com o mesmo, e ainda assim ter recebido um  bom resultado

   - Faz tempo que não recebe carinho, hm? - Sussurrou escutando um suspiro de SeHun como resposta, LuHan sorriu - Já que gosta tanto assim, não hesitarei em vim lhe visitar mais vezes á noite... - Beijou sua testa por duas vezes, sentir a pele de SeHun foi uma coisa tão...tão boa quando um copo refrescante de agua em um deserto

   Foi a primeira vez que LuHan se arriscou em "invadir" o quarto do maior, havia recebido um bom resultado, e após saber que o mesmo é amante de caricias, viria mais vezes.

   Muito mais vezes.

 

   

   


Notas Finais


Essa história se passa em um universo paralelo, tudo o que é dito (ou quase tudo) foi criado por mim, contudo, espero que gostem do meu universo <3

*lua de sangue = A lua de sangue é rara e acontece á cada 17 anos, á cada lua de sangue, no exato segundo em que o sol, lua e a terra estiverem alinhados, se uma pessoa nascer nesse exato segundo, ela será escolhida para ser um imortal (que foi o caso de LuHan)

O capitulo foi grande (acho), e sim, eu tentarei fazer os próximos grandes também!

Para esta fanfic, me inspiro em várias outras, sendo elas

" Hunger Of Love "
"Blood Prince " - As duas principais

Ambas as história é possivel encontra-las na minha lista de leitura " Melhores Hunhan " no meu perfil!

Com o decorrer dos capitulos, a história ficará mais fácil de entender já que o primeiro capitulo foi confuso!
Enfim, espero que se agradem da história, beijos e amo vocês, queridos ōkami <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...