História Abismos da Noite - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Steven Universe
Personagens Ametista, Garnet, Opal, Pérola, Rose Quartzo, Steven Quartzo Universo
Tags Ametista, Pearlmethyst, Pearlrose, Perola, Rose
Visualizações 65
Palavras 1.729
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Homossexualidade, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


oloco, ha quanto tempo hein suahsuahsua
bom, mais um capitulo pra vcs :3
cara a fic ta tomando os rumos que eu quero desde o começo, espero que vcs notem, pra não sofrerem desavisados aushaus
beijoos u3u

Capítulo 9 - Em Minhas Mãos


Fanfic / Fanfiction Abismos da Noite - Capítulo 9 - Em Minhas Mãos

As bases gems não tinham mudado tanto desde o que eu me lembrava. As gemas se Homeworld costumam ser prepotentes, achando que nada pode atingi-las, então sempre mandam uma gem aristocrata poderosa e um bando de soldados que não eram nada além de músculos.

Seja lá quem sequestros Steven e Connie, estava dentro daquela base, cercada por soldados Topaz, o que significava que não seria nem um pouco difícil entrar ali. Peguei um punhado de explosivos que até eram comercializados pelos humanos, que não fariam grande estrago e os deixei na direção oposta de onde eu pretendia entrar, em poucos segundos todos explodiram, criando muito barulho e um pequeno foco de incêndio. Como o esperado, todas as Topaz correram pra lá, com as armas em punho. Deixando várias aberturas pela qual podia me esgueirar. Até me preocupei se haveriam mais guardas do lado de dentro, mas nada disso, estava tudo vazio, o que sinceramente era bem estranho. Logo avistei a cela onde as crianças deviam estar, mas ela estava vazia, a camada desestabilizadora falhava e por vezes deixava de existir, como se tivesse sofrido muitos impactos. Imaginei que Homeworld soubera por Peridot que Steven conseguia resistir ao desestabilizador e a líder dessa missão reforçou a camada. Mas então, como os dois haviam saído? E eles haviam mesmo saído ou foram tirados? A raiva subia cada vez mais a minha cabeça. Andei cuidadosamente pela sala ampla, tinha uma cadeira e uma tela de comandos abertos. Aparentemente a gem que estava aqui saiu as pressas, deixando o reporte pela metade. Adentrei um pouco mais, antes de sentir mãos grandes apertarem meus ombros. Invoquei a lança e cortei atrás de mim, sem olhar quem estava atrás. Duas soldado Topaz estavam me encarando sem a mínima hospitalidade, devo dizer. A investida com a lança fez com que as duas se afastassem, mas não antes de invocarem suas armas também.

-Ok! -sorri. -Parece que tenho alguns empecilhos. -As Topaz se entreolharam, sempre tiveram fama de não falar muito. A segunda lança surgiu na minha mão como um flash de luz, instantaneamente atacando ambas. Investiram, se fundindo e formando uma gem pelo menos duas vezes maior que eu, não que tivesse me intimidado, um alvo era mais fácil de destruir do que dois. O embate não durou muito, apenas o suficiente pra que eu decorasse seus movimentos e abrisse fogo com meus laisers. Duas Topaz pufadas em menos de cinco minutos. Eu não estava tão fora de forma, afinal.

Só que eu não tinha tempo pra me gabar -faria isso depois - porque logo ouvi os passos pesados de mais soldados. Entrei, a nave da gem que estava aqui era cheia de pequenos corredores e celas, imagino que era uma das importantes então.

-Nah há. -a voz irritante e debochada estava perto, fiquei atenta pra descobrir de onde vinha. -Vocês, humanos, são realmente criaturinhas graciosas. Mas não pensam muito, não é? -ouvi murmúrios conhecidos, reclamações de dor. Ah não. - Pensando que apenas podiam fugir assim. -Qualquer sanidade foi deixada de lado quando percebi do que se tratava. O aparelho preso a porta, que pedia uma chave de acesso, foi violentamente arrancado, e a porta se arrastou aos poucos. Observei a gem amarela e se pequeno porte me olhar com uma expressão muito mais irritada pela interrupção do que surpresa ou assustada. Erro dela.

-Uma Pérola? -ela zombou. -Eu não trouxe a minha comigo, de que maldito buraco você surgiu? -Observei a sala. Rapidamente encontrei Connie caída no chão, mas sem ferimentos aparentes e Steven estirado em uma maca, sua camisa de estrelas em farrapos, e o corpo trêmulo que parecia ter sofrido uma descarga elétrica forte. Talvez fosse um desestabilizador, a tecnologia de HomeWorld havia evoluído, era verdade.

-Entendo porque Rose Quartz se encantou  por essa  raça e entendo que é ótima de se estudar, embora ainda não entenda como foi possível de abandonar sua Diamante a propósito de algo assim. E como carregou tantas outras com ela?

-Nem todos estão satisfeitos com a vida em Homeworld. -eu disse, lentamente. -Nem todos são como você, privilegiados. Somos reprimidas e abusadas, torturadas e quebradas, tudo isso dada a vontade de terceiros. Não acha natural que haja a revolta?

-Acho natural que gems sigam o papel que as foi estabelecido. - ela ligou um tipo de esfera e a  a maca onde Steven estava  tremeluziu e tiras de metal envolveram os braços e pernas, arrancando gemidos de dor. Sei estivesse calma teria notado que ele devia apenas ter sido imobilizado e perdeu a consciência, mas ver meu menino daquele jeito foi suficiente pra que ódio consumisse minha mente.

Maldita Apatite.

Me aproximei com passos lentos, cabeça baixa.

-O que está fazendo? Ah, me lembrei, afinal é uma das estúpidas seguidoras da Rose. -ela sorriu de canto. -Mas acho que vocês não gostam muito desses humanos, afinal se real o quisessem de volta, não teriam mandado uma Pérola. -na última palavra ela escorreu todo o descaso que Homeworld sentia pelas gems da minha classe. Enquanto ela continuava em seu monólogo debochado, avancei com toda minha fúria, jogando a pequena gem na parede, apertando seu pescoço com o braço. Agora ela pareceu assustada, o medo em seus olhos foi um deleite pra mim.

-Nunca subestime ninguém, querida. Agora pode ter noção do quão fraca e frágil é? De como seu status não significa nada? -ela debateu as pernas, tentou me empurrar, seus esforços todos em vão. Das armas que tinha comigo, invoquei um pequeno punhal de ouro.

-Não fique tão triste, ao menos terá uma morte bonita. -afundei o punhal em sua gem, fazendo com que ela parasse de se debater.  Seus olhos arregalados, o barulho da pedra rompendo e o grito sufocado que ela soltou em seguida me satisfizeram maravilhosamente. Até que foi se quebrando faceta por faceta, depois de alguns segundos tudo o que sobrou foi o pó dourado subindo e pequenos cacos espalhados pelo chão.

 

Mas o pior de tudo isso foi a satisfação que senti assim que sua gem se desfez em minhas mãos. Não por Steven, Connie ou qualquer outra pessoa. Por mim. A quanto tempo não sentia esse prazer de ter alguém sob seu poder, de literalmente decidir se alguém viveria ou não? Rose não concordava. Quando percebeu que eu gostava de quebrar gems, rapidamente lutou contra isso, tentou mudar minha mente e meu estilo de luta para algo menos mortal, como ela mesma dizia. Por ela eu me tornei alguém melhor, entendi que matar era errado, mesmo que eu tivesse esse poder em mãos.

Mas tudo parecia distante demais agora.

-Pérola? - Steven disse baixo, pouco antes de se desesperar. -Connie, onde ela está? -eu olhei pra baixo, era difícil encara-lo depois do que fiz. Ele tentou se levantar quando avistou a menina jogada no chão. -Pérola, o que aconteceu?

-Steven, escuta. -finalmente olhei pra ele, me abaixei colocando as duas mãos em seu ombro. -Precisamos sair daqui rápido, então vou pedir que ignore a dor e não faça perguntas. -ele assentiu, ainda assustado, marcas nos olhos, como se os últimos dias tivessem sido perturbadores demais. Era muito doloroso ver meu menino assim.

-Consegue andar? -ele assentiu, embora não fosse muito convincente. Peguei Connie e a coloquei nas costas, então saímos sorrateiramente pela entrada. Agora percebi que tudo foi tão rápido que alguns soldados restantes ainda estavam atordoados, procurando quem tinha causado a explosão.

Embora fosse errado, tudo o que eu mais queria era ver a reação desses soldados quando descobrissem que sua líder estava despedaçada.

-Tem algum transportador aqui perto?

-Tem. Vamos dobrar o fluxo pró mais próximo de Beach City que pudermos, temos que levar Connie pra casa. -ele assentiu e seus olhos caíram. Imagino que assim como eu, ele soubesse que as coisas mudariam muito daqui pra frente.

****

-E eu não quero mais essa aberração na minha casa. -a mãe de Connie gritou, depois que entregamos a menina em seus braços. Ela se remexeu, finalmente acordando, depois ficou atordoada por alguns segundos. -Viu? Eu avisei inúmeras vezes! -gritou pra menina. -Você poderia ter morrido.

-O que, mãe? -Connie fez força pra descer.

-Não quero esse menino aqui. Não vou arriscar a segurança da minha filha por causa de aliens estranhos e seus problemas!

-O Steven não é um alien estranho! -ela deu alguns passos pro nosso lado. -Ele não tem culpa do que está acontecendo. Você não pode ser tão cruel!

-Como eu poderia saber onde diabos você estava, você podia ter sido sequestrada pra longe de mim pra sempre.

-Pérola nos salvou!

-Não importa, Connie. Não quero que se repita.

-Se o Steven tiver que sair, eu também-

-Não Connie. -Steven interveio. - Sua mar está certa. Não pode arriscar sua segurança por mim. Sou um Crystal Gem também, tudo o que está acontecendo é responsabilidade minha e aluno único que tem que lidar com isso. Não quero atrapalhar sua vida.

-Não, Steven… -ela apertou os olhos, cheio de lágrimas. Steven se aproximou da amiga e a abraçou com força. -Vamos, Steven. -eu me pronunciei pela primeira vez, a mãe de Connie ainda estava com o cenho franzido, parecia transbordar raiva.

Ele se soltou da amiga, ela não continha as lágrimas, enquanto a mãe assumia a postura rígida de sempre. Eu a entendia, de certa forma, mas ver como Steven estava se fazendo de forte, assumindo uma responsabilidade que de fato não tinha, me destruía cada vez que eu via sua expressão desolada.

Segurei sua mão, acariciando o cabelo com a outra, não sei se consegui passar a mensagem de que ia ficar tudo bem - afinal nem eu acreditava nisso - mas sabia que não podia deixa-lo mais sozinho do que já estava.

 

***

-Minha Diamante. -a gem franzina se curvou, saudando a figura sentada em um grande trono a sua frente. O trono possuía curvaturas, parecia ser de um tipo de metal negro, cravejado com pequenas pedras brancas.

Ela abaixou o olhar, pra encontrar a Sapphire a sua frente. Não falou, apenas permaneceu em silêncio pra que ela prosseguisse.

-Quem a senhora procura, está mais próxima do que imagina. Viva. Na Terra. E logo será trazida a sua presença. -a diamante demonstrou satisfação, permitindo-se abrir um pequeno sorriso.

-Otimo trabalho, Sapphire. -sua voz grave ecoou por todo o salão, fazendo as fractais tremerem. -Avise também a minha Moonstone, tenho certeza que ela irá adorar.


Notas Finais


é isso usahusas logo tem mais
logo eu atualizo minha outra fic de SU tbm, é que precisava dar uma atenção pra essa :3
kissus


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...