História Remember - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Styles, One Direction, Selena Gomez
Personagens Harry Styles
Tags Harry Syles, Romance
Visualizações 75
Palavras 2.339
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hey there! Venho aqui para apresentar-lhes minha nova história: Remember.
Eu escrevi algumas versões dela anteriormente e nunca tomei coragem de tirá-la do papel (ou word). De qualquer forma, tenho alguns avisos.
➱ Enredo original, por favor não plagie.
➱ Harry Styles, Selena Gomez e outros personagens não me pertencem, apenas suas respectivas personalidades.
➱ Os capítulos serão narrados em primeira pessoa, por Angel.
➱ A história contém narrativas de cenas de sexo, consumos de drogas lícitas e ilícitas, etc... Se é incômodo para você é recomendável que não leia.
➱ Não há previsão de postagens, mas farei o possível em agilidade.
➱ Perdoem-me qualquer erro de português, na maioria das vezes se passam despercebidos nas revisões.
➱ A história não é movida à comentários mas eles sempre serão bem-vindos!
Acho que é isso, vamos lá.

Capítulo 1 - 1. The "Day".


Hoje é o melhor dia da minha vida.

Shakespeare disse: "As viagens terminam com o encontro dos apaixonados." Pessoalmente, eu nunca havia experimentado nada, ou algo parecido. Mas estava convencida de que Shakespeare, tenha.

Por muito tempo, acanhei que também pensava no amor mais do que deveria. Admirava-me constantemente em seu poder esmagador de alterar e definir vidas.

Sabia como era me sentir extremamente pequena e insignificante. E como isso doía em lugares que nem mesmo sabia que tinha. E não importava quantos cortes de cabelo fizesse, quantas vezes fosse a academia ou quantas garrafas de tequila tomasse com minhas amigas, eu continuava indo para a cama todas as noites repassando todos os detalhes e me perguntando o que fiz de errado ou como pude ter entendido errado... Ou como por aquele momento pensei que era feliz.

Até que conheci Patrick.

Não consigo imaginar nada mais perfeito neste momento do que estar à dez minutos de andar pelo corredor em direção ao homem que eu amo, a fim de prometer meu amor eterno. Levou-me vinte e seis anos e um monte de comentários sarcásticos dos meus amigos e pais sobre ser muito exigente, mas finalmente conheci um homem que certamente me fará feliz.

Ele é maravilhoso.

Ele é absolutamente perfeito.

— Você está linda, Angel — repete Emma, enquanto nos sentamos no camarim e esperamos o sinal sair.

Sorrio e deixo-me levar para o lado dramático. Em geral, não me considero tão bonita assim. Pareço estar perpetuamente presa no meio de um bad hair day contínuo. Mas essa é a coisa maravilhosa de se casar com um homem como Patrick, que é um grande advogado especializado em criminalística. Ao contrário de mim e de todos os outros candidatos à carreira na minha universidade, ele tem dinheiro. Assim, ele poderia pagar por este belo vestido de Carolina Herrera com detalhes de renda floral feitos à mão ao longo da saia e o corpete. Este vestido faria qualquer uma parecer bem, até mesmo eu.

No espelho da penteadeira, Emma mexe no meu cabelo. Como minha maquiagem, fiz o cabelo profissionalmente há horas atrás. Naquele momento, parecia completamente incrível - preso em um coque perfeito com pequenos cachos enrolados em volta do meu rosto. Mas o cabeleireiro subestimou a teimosia do meu cabelo, e agora os pequenos pequenos cachos se tornaram retos.

— Eu tenho um pouco de gel de cabelo na minha bolsa — oferece Emma. — Você quer tentar?

Particularmente, amo Emma e estou tão feliz por ela estar aqui para mim no meu grande dia. Sobretudo, eu não confio nela manipulando meu cabelo.

Para começar, ela pode estar procurando vingança por causa do vestido de dama de honra. Claramente não escolhi os vestidos de dama de honra mais lisonjeiros do mundo. Quem faz isso? O objetivo de um casamento é que a noiva fique linda, não as damas de honra. Sim, o vestido de Emma é pêssego e tem mais frescuras do que um vestido de princesa de cinco anos de idade. Mas este não é o dia de Emma. É meu. Além disso, algumas de minhas próprias damas de honra merecem algum retorno sério pelo que me fizeram usar em seus casamentos.

Emma revira sua a bolsa e tira um pequeno recipiente de gel para viagem. Ela aperta uma quantidade do tamanho de uma ervilha na palma da mão e segura para mim como se eu fosse uma cabra que ela está alimentando em um zoológico.

Acredito que sei que Emma seria minha dama de honra praticamente desde o dia em que nos conhecemos. Nós éramos ambas estudantes do último ano, com dezoito anos. Deus, eu não consigo nem pensar em ser tão jovem.  Emma é uma das pessoas mais legais que eu conheço, mas ela não tem absolutamente nenhum senso de estilo. Ela está presa nos anos 80, usando roupas que lembram Working Girl ou Wall Street. Suas jaquetas ainda têm ombreiras, pelo amor de Deus.

Há dois anos, Emma e eu éramos solteiras e fizemos um pacto que, se tivéssemos 30 anos e ainda estivéssemos solteiras (o que parecia ser uma forte possibilidade na época), iríamos morar juntas e começar a ter filhos. Não era o ideal, obviamente, mas nós dois queríamos ter filhos em algum momento, e não havia ninguém no mundo que eu gostasse mais do que Emma, então, quem melhor para se tornar minha parceira na maternidade? Então, claro, eu conheci Patrick e o resto é história.

Espero que Emma encontre um cara legal nos próximos anos, mas estou começando a me perguntar se ela o fará. Ela é uma pessoa maravilhosa, mas tenho que encarar, há uma razão para ter vinte e seis anos e ainda estar solteira. Emma é um pouco esnobe, exageradamente exigente com os homens e não há motivos o suficiente para justificar o quão exigente ela é.

De qualquer forma, não confio inteiramente em Emma com meu cabelo, então pego o recipiente de gel dela e coloco uma pequena quantidade na minha própria palma. Gentilmente esfrego o gel em mechas de cabelo nos lados do meu rosto, depois uso o dedo para enrolá-lo. Isso funciona. Um pouco.

— Como eu estou? — pergunto à Emma, me afastando do espelho para encará-la.

— Realmente linda.

Tomo uma respiração calmante, repetindo para mim mesma silenciosamente que tudo ficará bem. Quando a porta do vestiário vira, quase pulo para fora do meu corpo. E não me sinto nem um pouco melhor quando vejo a figura alta e larga do meu noivo na entrada da porta. 

— O que você está fazendo aqui ? — grito para ele. — Você não sabe que dá má sorte ver a noiva logo antes do casamento?

Os olhos azuis de Patrick se arregalam e ele parece apropriadamente assustado com o meu desabafo. 

— Eu não sabia disso.

Emma balança a cabeça. 

— Sério? Como é possível não saber disso?

Tão brilhante como ele é com contratos e com a lei, Patrick pode ser um pouco ingênuo às vezes. Mas eu posso perdoar isso, considerando que ele é absolutamente perfeito em todos os outros aspectos. Sempre fui atraída por homens de cabelos loiros, então o cabelo cor de areia de Patrick foi a primeira coisa que me chamou a atenção quando nos conhecemos dois anos atrás em uma festa na casa de um amigo em comum. Está um pouco mais fino do que há dois anos e recuou um pouco nas têmporas, mas ele ainda parece incrível para seus trinta anos. Sua altura foi a segunda coisa que me chamou a atenção - sendo eu mesma de uma mulher com um e setenta, sempre tive relutância em namorar homens que eram mais baixos que eu. Mesmo quando um cara tem um e oitenta, parece que ele é mais baixo do que eu, então meu limite sempre foi de dez centímetros. Patrick tem um total de dois centímetros acima desse limite.

Ainda me lembro vividamente da noite em que conheci Patrick. Passei metade da noite naquela festa olhando para ele, mantendo meus dedos cruzados, para que ele viesse e falasse comigo. Fiquei me posicionando ao lado das garrafas de vinho, esperando que ele fosse forçado a dizer: "Desculpe-me", e eu teria uma abertura para iniciar uma conversa, perguntando-me intermitentemente se eu deveria ir e me apresentar já. Mas voluntariamente ele quem se aproximou de mim. Ele caminhou até mim e disse: "Então você é a famosa Angeline Lewis." Eu não era famosa, mas quando ele disse isso, me deu um sorriso que fez meus joelhos ficarem bambos. Eu sei que "joelhos bambos" é um clichê, mas eu literalmente tive que me agarrar a um sofá próximo para não cair no chão. Poderia dizer que foi amor à primeira vista.

E agora vamos nos casar.

— De qualquer forma, porquê você está aqui? — pergunto à Patrick, suavizando-me ao ver como ele está lindo em seu smoking preto. Patrick é o tipo de cara que parece incrível em um terno. Deve ser por isso que ele é tão bem sucedido durante suas aparições no tribunal.

— Alerta de cinco minutos.

Eu aceno, sentindo um nó apertar no meu estômago. Em cinco minutos, eu vou caminhar pelo corredor, no caminho para se tornar a Sra. Morley. Ok, uma coisa que eu não amo sobre Patrick é o seu último nome. Eu não quero ser a Sra Morley ou Dra. Morley. Acho que estou indo para ficar com Lewis. É o nome do meu bisavô, então essa é a minha desculpa oficial para não fazer a mudança.

Os olhos de Patrick percorrem meu rosto pintado e o vestido branco. 

— Você está tão linda, Angeline — diz ele e sorri. —Também é má sorte para a noiva dar um beijo ao noivo antes do casamento?

Eu imagino que se você não tem permissão para ver a noiva e definitivamente não pode beijá-la. Mas que merda. 

— Não deve machucar — eu digo.

Patrick se inclina para me beijar e é tudo que posso fazer para não suspirar de felicidade. Ele sussurra no meu ouvido: "Eu te amo, Angeline."

Esta é a minha outra critica estranha sobre Patrick: ele me chama de Angeline. Não há nada de errado com isso exatamente, já que esse é o meu nome e tudo.Costumava usar Angel quando era mais jovem, mas quando eu comecei a pós-graduação, comecei a fazer todo mundo me chamar de Angeline, pensando que era um nome que exigia mais respeito do que a pequena Angel. Mas mais cedo ou mais tarde, todo mundo que está perto de mim começa a me chamar de Angel. Meus pais me chamam de Angel, Emma me chama de Angel, e a maioria dos meus ex-namorados.Mas de alguma forma, Patrick nunca o fez.

Agora que estamos juntos há dois anos, não é como se eu pudesse de repente dizer a ele: "Ei, me chame de Angel". É apenas... estranho. Embora tenho certeza de que estou fazendo muito disso.

Quando Patrick se afasta, Emma rapidamente o leva para fora da porta. Quando ele vai embora, ela se vira para mim com uma expressão ansiosa no rosto.   

— Temos que desfazer a má sorte.

— Oh, pare com isso.— dou de ombros, para mostrar que não me importo. Embora admito, estou um pouco nervosa.  — Tenho certeza que vai dar tudo certo.

— Bem — diz Emma, pensativa. — Pelo menos você tem algo emprestado, certo?

Concordo com a cabeça e estendo meu pulso, onde a pulseira de prata de Emma está pendurada frouxamente. 

— Sua pulseira.

— E algo azul?

— Minha calcinha — eu digo, pensando na calcinha de algodão desgrenhada que eu tirei do fundo da minha gaveta de roupas íntimas esta manhã, em meu desespero para encontrar um item de roupa azul.

— Algo novo?

— Brincos — comprei apenas na semana passada. Ou devo dizer, meu generoso noivo comprou-os.

— Alguma coisa velha?

— Minha calcinha — eu digo novamente. — Sério, elas são bem velhas.

— Ok — diz Emma de má vontade. — Eu suponho que vá funcionar.

Emma e eu nos olhamos.  Aquele pequeno nó apertado no meu estômago voltou. Eu não posso acreditar que é isso, meu dia do casamento. Vou passar o resto da minha vida com o homem do outro lado desta porta.  Eu me sinto um pouco enjoada.

— Você está bem? — Emma me pergunta. Ela aperta os olhos para mim através de suas pestanas pesadamente cheias de rímel.

— Um pouco nervosa — admito, acrescentando apressadamente. — Só um pouquinho.

Emma pisca para mim.  

— Eu sei o que vai ajudar.

Ela enfia o cabelo com mega hair atrás da orelha e passa por um armário ao lado da penteadeira. Triunfante, ela pega uma garrafa de champanhe.  

— Álcool!

Faço uma careta.   

— Eu não quero ficar bêbada no meu casamento, Emma.

Ela revira os olhos.

— Não estou dizendo para ficar bêbada. Mas uma bebida vai te deixar melhor, certo?

Emma está fazendo bom senso. Uma bebida definitivamente me soltaria um pouco. Já me disseram que tenho uma tendência a ser um pouco tensa, e o álcool pode tornar isso menos estressante e mais divertido. E de qualquer forma, ela já está colocando em um copo e empurrando-o na minha mão.

Bebo o champanhe rapidamente, praticamente de um só gole. E por incrível que pareça, parece funcionar quase imediatamente. De repente me sinto mais feliz, mais leve. Este é o melhor dia da minha vida, afinal. Com o que eu estou tão preocupada?

Eu encaro meu reflexo novamente no espelho. Angeline Lewis, logo será Angeline Morley. Por mais maravilhoso que esse dia seja, é apenas o começo. Eu tento imaginar minha vida daqui a cinco anos, acordando todos os dias ao lado de Patrick. Terei terminado meu livro até então e espero ter sido promovida da minha posição atual de instrutora. E claro, vou ter um bebê até lá. Talvez dois. Mas de qualquer forma, eu serei mãe.

— Acho que estou pronta — digo para Emma.

Ela balança a cabeça e me acompanha até o corredor. Mesmo que eu me sentisse bem no camarim, meus joelhos começam a tremer quando eu começo a andar em direção ao local onde acontecerá a cerimônia. É isso: vou me casar! 

Eu vou me casar .

Fico na entrada do salão, o rastro curto do meu vestido faz barulho de arrastar no chão. Vejo Patrick na frente, em pé ao lado do ministro, parecendo tão devastadoramente bonito em seu smoking. Os corredores estão cheios de convidados e suas cabeças se voltam coletivamente quando me vêem na porta. O nó no meu estômago aperta e sinto tontura. E se eu estragar tudo? E se eu tropeçar e cair de cara no chão na frente de toda a nossa família e amigos? E se as pessoas me observando não acharem que sou boa suficiente para me casar com Patrick? E se...?

Minha testa começa a suar frio e meu coração começa a bater rapidamente. Oh senhor.Ou eu não deveria ter bebido aquele champanhe ou eu deveria ter bebido muito mais champanhe.

Mantenha a postura, Angel. Você vai ficar bem. Basta passar os próximos trinta minutos e então você e Patrick terão o resto de suas vidas juntos.

E então, bem no meio de me tranquilizar, tudo se torna escuridão.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...