1. Spirit Fanfics >
  2. About Us >
  3. Relembrando

História About Us - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Olá meus amores! Como vocês estão?
Me perdoem a demora, tive que pensar em como seria um pouco do passado do Nastu e também tive algumas coisas para resolver. Esse capítulo ficou enormeeeeee, e espero que vocês gostem. Muito obrigada aos comentários anteriores, e estou surtando pois somos quase 100, sejam todos bem vindos e espero que estejam gostando.
Boa leitura
X

Capítulo 10 - Relembrando


 

27 de Agosto de 2018 

02h24min AM 

Em algum lugar de Magnólia

 

--- Para onde estamos indo? ---indagou a loira olhando através da janela, estavam subindo uma estrada no meio de uma floresta e estava completamente escuro, se não fosse a luz do farol não daria para enxergar nada.

--- É segredo. ---murmurou ele com um sorriso no rosto e desviou o olhar por um momento para a jovem que o encarava de olhos arregalados. 

--- Você não vai me sequestrar né? ---disse  com a voz um pouco trêmula, e minutos depois o silêncio foi preenchido por uma gargalhada do rapaz que a fez sorrir de canto.

--- Por que eu faria isso? ---respondeu entre risos e ela suspirou em alívio levando uma das mãos ao peito. --- Tinha que ver a sua cara. 

--- Não tem graça. ---cruzou os braços revirando os olhos. Natsu parou o veículo na beira da estrada e saiu do carro deixando a mesma confusa, ele deu a volta para o lado do passageiro e Lucy acompanhou com os olhos vendo o rapaz abrir a porta ao seu lado. 

--- Vamos.

--- P-Por que estamos descendo no meio do nada? ---franziu as sobrancelhas enquanto saltava do carro e o via fechar a porta. 

--- Só me siga. ---falou enquanto adentrava a floresta, a loira olhou para os lados e estalou a língua suspirando, por fim acabou apressando o passo para não se perder do jovem. 

Subiam uma ribanceira que já a estava deixando ofegante, tomava todo cuidado onde pisava ou encostava enquanto o rosado andava normalmente. Ele escalou um pequeno morro e se virou estendendo a mão para ela que segurou firmemente, a puxou sem machuca-la e quando a ergueu a mesma acabou ficando bastante próxima dele, e isso resultou em ambos olhando um para o outro diretamente nos olhos. 

--- Obrigada. ---murmurou ela desviando seu olhar e se soltou da mão do jovem que ainda segurava. O rosado molhou os lábios e continuou subindo o pequeno morro com ela logo atrás, quando chegaram no topo ele a ajudou novamente. --- Que lugar é esse? ---perguntou observando onde haviam finalmente chegado, parecia mais um local para acampamento pois havia asfalto em um bom espaço e um banco um pouco à frente perto de uma grade de segurança que parecia bater na cintura de uma pessoa de porte médio. 

--- Olhe para cima, Lucy. ---sorriu o Dragneel quando pararam no meio do local, a loira fez o que ele mandou e tal ação fez seus olhos brilharem ao ver uma galáxia sobre suas cabeças, eram tantas estrelas e elas brilhavam tanto.

--- Uaaaah! ---soltou o ar pela boca que por conta do frio dava para ver o vapor saindo da mesma, um sorriso involuntário brotou nos lábios do rapaz enquanto observava a jovem sorridente olhando para cima. --- Isso é incrível! ---o encarou animada. 

--- Gostou? ---levantou uma das sobrancelhas colocando as mãos no casaco de couro. 

--- Sim! Como descobriu esse lugar? ---indagou ainda surpresa, não conseguia parar de olhar para cima, parecia que estava em outro mundo. 

--- Um dia… Havia acontecido uma enorme discussão na minha casa, eu saí de lá tão pilhado. ---abaixou os olhos olhando para os próprios pés. --- Eu só queria ir para bem longe, pedalei o máximo que eu podia até acabar aqui perto. Corri para dentro da floresta chorando como uma criança e quando vi estava aqui. ---deu de ombros. --- Desde então este lugar se tornou o meu refúgio, então sempre que quero fugir eu venho para cá. 

--- Agora pode ser o meu refúgio também? ---a Heartfilia murmurou minutos depois o surpreendendo. 

--- Hm. ---assentiu sorrindo sem mostrar os dentes. --- Agora é o nosso refúgio. ---completou e ela desviou os olhos um pouco corada. Não conseguia explicar o porquê seu coração batia tão rápido naquele momento, e o porquê estava triste só de imaginar o que havia acontecido com o rapaz. 

--- O que aconteceu com você e a sua família? ---ela soltou um pouco receosa, o jovem suspirou e foi até o banco de madeira que tinha ali se sentando, a loira andou até lá devagar e fez o mesmo que ele em silêncio. Seus olhos se arregalaram levemente ao ver de longe as luzes da cidade, não conseguia explicar em palavras o quão aquele lugar era encantador em questão de vista. 

--- Eu sou adotado, como você já sabe. ---murmurou quebrando o enorme silêncio que havia se instalado, Lucy passou a encara-lo. --- Todas as mulheres do orfanato que cuidavam de mim e das outras crianças me disseram que meus pais morreram em um acidente de carro, eu era só um bebê quando aconteceu e por isso não me lembrava disso. Como não tinha ninguém da minha família próximo, acabei sendo mandado para um orfanato e quando estava com uns oito anos Igneel me acolheu. ---ele olhava para frente, apreciando a vista pois não conseguia dar sua atenção para ela naquele momento. --- No começo era apenas eu e ele, e até então ele tinha estabilidade e estava colocando o plano de abrir a empresa que temos hoje em prática. Até que…

 

" 22 de Janeiro de 2007

20h12min PM

Residência dos Dragneel 

 

--- Quero que você conheça a sua futura madastra, Grandine. ---o ruivo apresentou ela todo sorridente, a azulada era bem mais nova do que seu pai. --- Achei que você precisasse de uma mãe. 

--- Eu não preciso disso. ---bufou o rosado, estava sentado no sofá assistindo televisão com uma expressão tediosa, ignorando os dois. 

--- Bom, vou deixá-los para se conhecerem. Eu já volto. ---o mais velho se retirou animado, a jovem fez uma leve careta e se sentou ao lado da criança. 

--- Meu pai vai adotar você também? ---ele perguntou entre risos ao analisar a garota que trincou os dentes dando um tapa relativamente forte no rosto do mesmo que arregalou os olhos sentindo as lágrimas desceram. 

--- É bom você me respeitar, pois vou fazer parte dessa família a partir de agora. ---murmurou com ódio em sua voz, encarava o menor com nojo nos olhos. 

--- Eu não vou deixar que isso aconteça. ---sussurrou ainda perplexo, sentia sua bochecha começar a inchar e ardia muito. 

--- Sabe por que você foi jogado em um orfanato? ---ela riu fraco. --- Porque você é um lixo. 

--- Isso não é verdade! ---disse com a voz chorosa, nesse momento o mais velho apareceu um pouco confuso. --- Papai! ---correu até ele o abraçando. 

--- O que aconteceu? Por que seu rosto está vermelho? ---o observou um pouco assustado. 

--- Foi ela! ---apontou para a jovem que se levantou rapidamente.

--- Ele está mentindo. ---riu sem humor. --- Sabe como crianças mentem, querido. Meus filhos fazem isso. 

--- E como você explica a bochecha dele nesse estado? ---levantou as sobrancelhas e ambos a encarava. 

--- Ele não quer aceitar o fato de que você está comigo. ---explicou indignada. --- Não quer aceitar o fato de que futuramente eu vou fazer parte da família, então ele se bateu sozinho para que você achasse que fui eu! 

--- Isso é verdade, Natsu? ---perguntou para o jovem com a voz firme. 

--- Não papai! Você não pode acreditar nela! ---disse em desespero, não conseguia parar de chorar. 

--- Não minta para mim, mocinho. 

--- Não estou mentindo, tem que acreditar em mim! ---suplicou. 

--- Vá para o seu quarto, depois nós conversamos. ---suspirou deixando o menor perplexo. 

--- Mas…

--- Apenas vá para o quarto! ---ordenou com a voz um pouco alterada o assustando, o mesmo se arrependera depois. --- Natsu, me descu… ---parou de falar vendo o rosado correr para as escadas subindo rapidamente em prantos. --- Natsu! ---suspirou quando escutou a porta do quarto ser fechada com força. 

--- Eu realmente não fiz isso. ---Grandine o abraçou por trás.

--- Tudo bem querida, eu acredito em você. ---tocou em um dos braços da jovem que o envolvia um pouco frustrado. --- Ele só esteve comigo, é difícil para ele se adaptar a algo assim. 

--- Claro, eu entendo. ---sussurrou e logo depois um sorriso malvado surgiu em seu rosto assim que apoiou o queixo no ombro de Igneel.

 

10 de Novembro de 2007 

18h04min PM 

Residência dos Dragneel

 

--- Esta é a Wendy. ---o ruivo apresentou uma azulada que aparentava ter uns oito anos, ela se escondia atrás das pernas do mais velho observando Natsu. --- E esse é o Zeref, ele tem a sua idade! Você só é mais velho que ele em questão de meses. ---apontou para o moreno animadamente e o rapaz cruzou os braços emburrado. --- Agora eles são seus irmãos. 

--- Oi, eu sou o Natsu. ---estendeu a mão para o moreno com um enorme sorriso no rosto, o fato de ter uma madastra malvada era perturbador para ele. Porém, quando viu seus novos irmãos se sentiu um pouco feliz por ter alguém com quem dividir as coisas e brincar. 

--- Eu não ligo. ---ignorou o aperto de mão do rosado que se recolheu tristemente. 

--- Zeref, seja bonzinho com ele. ---Igneel pediu com as mãos em forma de oração, nesse momento Grandine apareceu e fez um sinal para seu filho que suspirou. 

--- Está bem. ---revirou os olhos. --- Prazer. ---murmurou contra a sua vontade e o seu novo irmão sorriu alegremente indo em direção a Wendy. 

--- O seu cabelo é muito bonito. ---se abaixou um pouco para ficar mais próximo dela. 

--- O-Obrigada. ---ela respondeu com um pouco de vergonha. 

--- Vamos deixar vocês brincarem. ---o ruivo disse saindo da sala com sua mais nova esposa.

--- Vamos brincar de alguma coisa? ---Natsu indagou animado se aproximando de Zeref que o empurrou no chão, o jovem o olhou sem entender enquanto se levantava. --- Por que fez isso?

--- Porque eu não gosto de você. ---murmurou, sua voz continha raiva. 

--- Mas somos irmãos! 

--- Você nunca vai ser o meu irmão! ---gritou assustando o garoto que abaixou a cabeça, moreno bufou e se retirou dali. A azulada piscou um par de vezes sem entender o que havia acontecido e se aproximou de Natsu puxando sua blusa pela barra fazendo ele a olhar. 

--- Eu quero brincar. ---fez bico, o rosado sorriu minimamente e acariciou o topo da cabeça da mesma. 

--- Então vamos! 

 

16 de Maio de 2009

10h31min AM 

Ensino fundamental de Magnólia

 

Por mais que Natsu tentasse se aproximar de Zeref o rapaz só o desprezava e humilhava, e quando o jovem desistiu de tentar criar alguma relação de afeto com ele. O moreno passou a fazer bullying com o mesmo na escola, todos os dias fazia alguma pegadinha que o deixasse completamente sujo, molhado e constrangido na frente das pessoas. Por conta disso ele vivia sozinho, não tinha nenhum amigo por todos o olharem torto, todos o tratavam como se fosse uma praga contagiosa. 

--- Seu repugnante!! ---o moreno gargalhou junto dos seus outros companheiros, Natsu estava jogado no chão completamente molhado. Haviam tacado vários balões de água no rapaz e a temperatura naquele dia estava muito baixa. --- Vamos indo. ---saiu dali com todos o deixando completamente sozinho. 

--- Você está bem? ---a voz de um garoto foi escutada pelo rosado que tremia de frio enquanto se levantava. 

--- Por que está falando comigo? ---o olhou torto. --- Se for para me humilhar já tive o suficiente por hoje. 

--- Aqui. ---estendeu um casaco na direção do Dragneel que arregalou os olhos surpreso, depois de longos minutos pegou o mesmo se agasalhando. 

--- Obrigado. ---abraçou o próprio corpo que havia parado de tremer menos. --- Qual é o seu nome? 

--- Gray. ---sorriu. --- Gray Fullbuster. 

 

09 de Fevereiro de 2010 

21h07min PM

Mansão dos Dragneel

 

--- Wendy? Por que está chorando de novo? ---o jovem se sentou na cama preocupado ao ver a mais nova entrar no quarto em prantos. Fazia um ano que haviam se mudado para uma mansão em Fiore, o pai deles estava fazendo a nova empresa bombar tendo em consequência o status de classe alta.

--- Mamãe não me escuta. ---foi até ele o abraçando. --- Ela finge que eu não existo! 

--- Não chore. ---acariciou as costas da pequena. O dinheiro havia subido à cabeça de Grandine que saia todos os dias para fazer compras com as amigas ricas, ignorava completamente Wendy e só lembrava da presença dela quando queria se amostrar para as outras pessoas de que tinha uma filha linda e inteligente. Parecia que ela estava abandonando o cargo de mãe aos poucos. 

--- Outro dia ela brigou comigo por que estava vestindo roupas simples para sair! ---se afastou do irmão limpando o rosto. --- Eu não posso mais nem escolher o que quero vestir! Eu conto as coisas que acontecem no meu dia e ela me ignora completamente, e depois vem atrás de mim com vários presentes quando ela precisa de mim como seu objeto. 

--- Não fique assim. ---murmurou triste pela sua irmã. 

--- Eu me sinto sozinha, todos os meus amigos são falsos e só estão comigo porquê agora somos ricos. ---suspirou engolindo o enorme nó em sua garganta. 

--- Você não está sozinha. ---sorriu gentilmente. --- Você tem a mim, pode contar comigo para tudo pois sou seu amigo além de irmão.

--- Tudo bem. 

--- Vem, vou cozinhar algo bem legal que aprendi para você comer. ---se levantou rapidamente a puxando pelo braço para fora dali.

 

06 de Setembro de 2013

00h38min AM

Mansão dos Dragneel

 

Grandine estava traindo seu pai, de madrugada sempre levava um cara estranho para a mansão no horário em que todos dormiam. Mas Natsu sabia daquilo, agora seu pai não pois quase não ficava em casa por conta da empresa, estava quase morando lá do tanto de coisas que tinha para fazer. Zeref continuava com o mesmo ódio pelo rosado, e Wendy acabou de tornando o que mais temia, uma pessoa completamente mimada por influência dos amigos e da própria mãe. Tudo naquela casa estava fora dos eixos, era uma família completamente desestruturada. 

--- Grandine! ---um estranho gritou do lado de fora, o rosado até então que estava acordado conversando com Gray pelo notebook se levantou olhando através da janela e vendo o amante de sua madastra. --- ABRE A PORRA DESSA PORTA SUA VADIA! ---berrou dando vários bicudos na porta, o coração do rapaz acelerou e ele correu para o quarto de Wendy rapidamente. 

--- Irmã, Acorda! ---a balançou desesperado. 

--- Hm? O que foi? ---resmungou coçando os olhos. 

--- Tem um cara louco tentando invadir a mansão. 

--- O que? ---arregalou os olhos prendendo a respiração. 

--- Levanta! 

--- O que a gente faz? ---os olhos da azulada estavam esbugalhados de medo. Natsu pensou por alguns instantes e a levantou a levando em direção ao armário de roupas a colocando lá dentro. 

--- Fique aqui, não saia até eu voltar. ---ordenou e a mesma assentiu rapidamente, o rosado fechou a porta do armário e saiu do cômodo. Quando estava prestes a ir em direção às escadas um barulho estrondoso foi escutado, a porta havia sido arrombada. 

--- Se você não aparecer, vai sofrer as consequências. ---o estranho disse meio enrolado, estava bêbado. O jovem se apressou e se escondeu em um dos banheiros da casa apenas ouvindo tudo o que o cara estava fazendo. 

--- Apareça! ---disse subindo as escadas, estava com uma faca na mão. Parou no topo e empurrou a porta do quarto de Natsu que estava entreaberta e ao ver ninguém seguiu para o próximo quarto que era de Wendy, quando adentrou o local a azulada conseguia o ver pelas frestas do armário. Seu corpo começou a tremer e ela tampou a boca e o nariz com as mãos para ele não escutar a sua respiração. Um barulho de algo se quebrando no chão foi escutado e o homem saiu dali fazendo a mesma soltar um suspiro silencioso de alívio. Até aquele momento o rosado já havia chamado a polícia, por sua sorte estava com o celular no bolso de sua bermuda, o rapaz se assustou quando ouviu um grito de Grandine e correu dali na direção do som. 

--- SUA VADIA! ---o rapaz gritava com ela ameaçando ir para cima da mesma com a faca, Zeref o segurava fortemente pela cintura. --- VOCÊ VAI PAGAR CARO POR TER ME TRAÍDO COM OUTRO CARA. 

--- SE AFASTA DA MINHA MÃE! ---o moreno trincou os dentes quase perdendo suas forças, o homem se contorceu e conseguiu acertar o braço do moreno que caiu no chão grunhindo de dor. 

--- Saia do meu caminho, se não vai morrer com a sua mamãe. ---sorriu maléfico. 

--- Não machuca ele, por favor! ---ela implorou em prantos, Natsu até então estava paralisado sem saber o que fazer. 

--- Polícia, parado! ---dois oficiais entraram no local armados, o rosado se afastou rapidamente. --- Larga a faca! ---o cara se abaixou lentamente colocando a faca no chão. --- Chuta ela para cá e levanta as mãos. ---o homem fez o que um dos policiais pediu, seus olhos ferviam de ódio olhando para Grandine. 

(…) 

--- O que está acontecendo aqui? ---o ruivo perguntou para Grandine com os olhos arregalados.

--- Sua mulher estava te traindo comigo. ---gargalhou o rapaz no momento em que estava sendo encaminhado até a viatura. --- E ainda me traiu com outro cara, ou seja você e eu somos cornos! ---riu mais ainda, o policial bufou fechando a porta do veículo antes que ele falasse qualquer coisa. 

--- Isso é verdade? ---olhou para a esposa com raiva. 

--- Q-Quem te ligou para vir? ---ela ignorou a pergunta sorrindo amarelo. 

--- Fui eu. ---Wendy se pronunciou surgindo de dentro da mansão com Natsu logo atrás. 

--- Zeref teve um ferimento leve no braço, alguém precisa acompanhar ele dentro da ambulância. ---murmurou o rosado ainda assustado com tudo o que vira. 

--- Eu vou com ele. ---suspirou a azulada se separando daquele pequeno tumulto. 

--- Como você pôde fazer isso comigo? ---Igneel sussurrou com os olhos cheios de lágrimas. 

--- Me perdoe, por favor. ---implorou a esposa se ajoelhando nos pés do homem, havia desespero em sua voz. 

--- Saia dessa casa. ---fechou os punhos com força se desvencilhando dela. 

--- Igneel, por favor! ---o puxou pela calça social o fazendo parar, o ruivo a encarou profundamente nos olhos com raiva sendo emitido por eles, isso fez com que ela o soltasse sem saber mais o que dizer apenas o vendo subir as escadas e adentrar a mansão. Natsu que via tudo aquilo, sentia uma enorme felicidade dentro de si pois o que mais queria era que seu pai se separasse daquela madastra que tornou a sua vida um verdadeiro inferno. 

 

20 de Setembro de 2013 

20h01min PM 

Mansão dos Dragneel

 

O rapaz cantarolava uma música qualquer dentro de seu quarto, fazia semanas que sentia uma enorme felicidade em seu peito. Depois que sua madastra foi expulsa da mansão, Zeref não quis continuar lá e foi embora com sua mãe. Apenas Wendy permaneceu após tanta insistência do rosado e de seu padastro, e permaneceu lá mais pelo jovem, pelo fato de ser bastante próxima dele. Mesmo Zeref sendo seu irmão de sangue, quase nunca trocava palavras com o mesmo, sendo assim Natsu se tornou seu verdadeiro irmão, mesmo tendo ficado insuportável às vezes por conta de sua mãe tê-la mimado ele ainda a amava. Preferia ficar ali do que ter dias calados e quietos perto de sua mãe e irmão novamente. 

A vida do rosado se encontrava melhor por conta dessas mudanças, seus dias na escola eram mais pacíficos pois as pegadinhas traiçoeiras haviam diminuído ao longos dos dias e as pessoas estavam começando a tratar o rapaz como uma pessoa normal e não uma aberração. Gray estava mais próximo do que nunca dele, parecia que o moreno fazia parte da família também por estar quase todos os dias na mansão fazendo companhia para o Dragneel, nada mais poderia fazer aquilo ser ainda melhor do que já estava. 

--- Natsu! Desça aqui. ---seu pai gritou lá de baixo, o rapaz passou a mão no cabelo bagunçado, saiu do quarto e desceu as escadas de dois em dois degraus enquanto assoviava.

--- O que foi, pai? ---seu sorriso morreu ao ver o mais velho trocando selinhos com Grandine, olhou para o lado e viu Zeref com uma expressão nada animada jogado no sofá encarando o teto. --- O que está acontecendo? 

--- Eles vão voltar aqui para casa. ---Wendy surgiu na sala olhando para suas unhas em perfeito estado. 

--- O que? ---seus ombros murcharam, logo agora que tudo na sua vida estava ganhando um pouco de alegria aquela notícia o abateu como um balde de água fria.

--- Eu conversei bastante com Grandine, e decidimos voltar. --- o ruivo se pronunciou bastante sorridente. 

--- Você está brincando. ---o rosado começou a rir sem humor. --- Só pode estar brincando. Eles dois não podem voltar para cá. 

--- E quem é você para decidir isso? ---Zeref se levantou com um sorriso maléfico em seus lábios. --- Em Natsu? ---o empurrou fuzilando o rapaz com os olhos. 

--- Pai, por favor. ---apertou as mãos em punho ignorando o moreno. --- Como você consegue voltar para essa vadia? Ela só quer o seu dinheiro! ---seu rosto foi acertado por um soco certeiro de Zeref fazendo o rapaz ir ao chão em segundos. 

--- Como ousa? ---o olhou, Natsu trincou os dentes e se levantou rapidamente. 

--- Filho, se acalme. ---Igneel pediu um pouco assustado. 

--- ME ACALMAR? ---brandou indignado. --- VOCÊ NÃO ENTENDE! NÃO SABE QUE DESDE QUE ZEREF E GRANDINE ENTROU PELA PORTA DA NOSSA CASA A MINHA VIDA SE TORNOU UM VERDADEIRO INFERNO. NÃO SABE O QUE EU PASSO NA ESCOLA TODOS OS DIAS POR CONTA DELE, QUE SOU HUMILHADO E VISTO COMO UM MONSTRO POR TER SIDO ADOTADO, NÃO SABE COMO EU TIVE QUE CUIDAR DE WENDY PORQUÊ ESSA INCOMPETENTE NÃO LIGA PARA A PRÓPRIA FILHA! SE ESQUECEU DO RISCO DE VIDA QUE PASSAMOS PORQUÊ ELA DEIXOU UM LOUCO ENTRAR AQUI? VOCÊ NÃO SABE DE NADA DO QUE ACONTECE DENTRO DESSA CASA PORQUÊ SÓ VIVE NA MERDA DAQUELA EMPRESA! 

--- Natsu, se acalme. ---o ruivo pediu surpreso. 

--- SE VOCÊ DISSER ISSO MAIS UMA VEZ EU VOU DAR NA CARA DESSA VADIA QUE VOCÊ CHAMA DE ESPO… ---foi ao chão novamente pelo moreno e dessa vez o rapaz ficou em cima do meio irmão, desferindo vários socos no rosto do rosado que nada fazia por não ter mais forças para lutar contra toda aquela decepção. 

--- ZEREF PARE COM ISSO. ---o ruivo puxou o enteado o afastando do jovem que se sentou com um pouco de dificuldade, seu rosto estava inchado e havia alguns cortes que sangravam.

--- VOCÊ É UM LIXO! É ISSO QUE VOCÊ É! SE NÃO EXISTISSE SERIA MUITO MELHOR SABIA? ---o moreno gritou se debatendo enquanto era segurado pelo mais velho, Natsu abaixou sua cabeça passando a mão pelo canto de sua boca que sangrava. 

--- Chega Zeref! Vamos para os fundos. ---Grandine reagiu puxando o filho pelo braço para fora dali, Wendy via tudo aquilo completamente chocada sem saber o que fazer. 

--- Natsu. ---Igneel se abaixou perto do jovem que chorava baixinho. 

--- Não chegue perto de mim. ---murmurou com a voz falha. 

--- Me desculpe. ---comprimiu os lábios tocando o ombro do mesmo que desviou do toque se erguendo. 

--- Você é um covarde. ---rosnou as últimas palavras e logo depois saiu dali correndo apenas ouvindo os gritos de sua irmã. Pegou a bicicleta deitada na grama ao lado de fora da mansão e pedalou mais do que nunca para bem longe dali, trincou os dentes sentindo as lágrimas descerem incansavelmente, sentia a brisa da noite fria bater em seu rosto e aquilo o acalmava um pouco. Queria desaparecer, queria deixar de fazer parte daquele mundo tão cruel e solitário, depois de duas horas pedalando incansavelmente o rapaz largou a bicicleta na beira de uma estrada que nunca havia visto, adentrou a floresta subindo alguns morros pequenos e chegou em um local asfaltado com um banco logo à frente. Olhou para os lados bastante ofegante e se sentou no banco amadeirado soltando um enorme suspiro tentando parar de chorar. 

Encarou as luzes da cidade lá de longe e sentiu sua vista embaçar novamente por conta das lágrimas, se encolheu onde estava sentado e abraçou o próprio corpo colocando tudo o que estava sentindo para fora. Gritos de melancolia eram ouvidos apenas pelas árvores daquela floresta, o jovem quase se engasgava com os próprios soluços e seu peito doía tanto, se sentia completamente vazio por dentro. "

--- E foi isso. ---murmurou engolindo o enorme nó em sua garganta. --- Muita coisa aconteceu depois, meu pai comprou a mansão em que eu moro hoje para me agradar quando fiquei de maior e quando me mudei para lá até que foi um alívio. ---suspirou. --- Passei a beber, fazer festas e me divertir com qualquer mulher que estivesse na minha frente, tudo para esconder a enorme solidão que eu sinto. Com isso, acabei me transformando em uma pessoa fria e sem sentimentos, e me desculpe novamente por ter conhecido esse Natsu. 

--- Está tudo bem. ---a loira disse depois de um longo tempo, ainda estava perplexa com tudo o que o rapaz houvera lhe contado. --- Mas agora você não está sozinho, tem a mim. ---sorriu gentilmente, os olhos do Dragneel se encheram de lágrimas e ele se levantou indo até a grade de segurança se apoiando no mesmo. A loira sentia uma enorme tristeza, queria o abraçar e o proteger de tudo o que lhe fazia tão mal. 

--- Obrigado. ---sussurrou quase inaudível, porém ela escutara. Se levantou e caminhou até ele tocando levemente em suas costas, seus olhos ardiam. --- Relembrar tudo isso ainda dói, ainda conviver com toda essa merda dói mais ainda. 

--- Você é a pessoa mais forte que eu conheço. ---ela disse ficando ao lado dele, apreciando a vista da cidade. Uma brisa leve bagunçou o cabelo dos dois e o rosado a encarou. 

--- Antes eu era o cara mais idiota que você conhece. ---riu fraco a fazendo rir também. --- Eu sou fraco, e parece que eu só sei fazer as pessoas me odiarem ou se afastarem de mim. 

--- Eu não te odeio. ---fez bico apoiando o rosto com as duas mãos. --- E não vou me afastar de você. 

--- Depois que conheci essa garota por quem eu gosto. ---murmurou depois de longos minutos olhando para frente, ela o encarava. --- Meu mundo ganhou cores, nunca pensei que um dia fosse sentir algo tão intenso. Nunca pensei que um dia, essa solidão fosse preenchida apenas por ver ela sorrir ou de como ela fica incrivelmente linda com raiva. Nunca pensei que me sentiria tão feliz só de estar ao lado dela e ouvir a sua voz. ---disse com um sorriso bobo nos lábios. --- Ela me deixa completamente louco em todos os sentidos. 

--- Uau… ---a loira levantou as sobrancelhas surpresa com as palavras do mesmo. Se ele gostava tanto dessa pessoa, não entendia o porquê ele havia a beijado. Porém, iria acreditar no que o rapaz dissera sobre isso e apenas esquecer, ela não podia negar que sentia uma pontada de inveja por quem Natsu agora fala. --- Você está perdidamente apaixonado por ela. 

--- Sim. ---soltou o ar pela boca um pouco nervoso. --- Mas acho que vai ser um pouco difícil tê-la para mim. 

--- Por que? ---indagou curiosa, queria saber mais sobre essa tal garota.

--- Não sei se ela vai suportar os problemas que eu passo por conta da minha família. ---molhou os lábios. --- Eu tenho medo. Pois quando estou feliz, algo sempre aparece para esmagar e destruir esse sentimento. Parece até que é errado sentir um pingo de felicidade.  

--- Posso ser sincera? ---sorriu sem mostrar os lábios e ele assistiu com a cabeça. --- Se ela realmente gostar de você, não importa o que aconteça. Ela sempre vai estar ao seu lado, em qualquer momento, ela vai passar por cima de qualquer coisa para ficar contigo. 

--- Até que você é boa em conselhos amorosos. ---riu e a Heartfilia o empurrou de leve. --- Já teve algum relacionamento? 

--- Não. ---disse um pouco envergonhada. --- Eu nunca namorei. 

--- Sério? Por que não? ---arregalou os olhos surpreso. 

--- Nunca tive tempo para essas coisas. ---deu de ombros desviando o olhar. 

--- O homem que tiver essa oportunidade vai ter muita sorte. ---falou sem nem pensar e ela o olhou corada. Depois disso, um enorme silêncio se instalou no local, Lucy abraçou o próprio corpo por estar muito frio, a ventania estava começando a ficar mais agressiva e o rapaz a encarou preocupado. 

--- Vamos. ---colocou o casaco de couro que usava por cima dos ombros dela e ambos se prepararam para deixar o local. 


Notas Finais


Me desculpem qualquer erro ortográfico.
E aí gostaram? Comentem o que vocês acharam, a opinião de vocês é de extrema importância para mim e me ajuda bastante a escrever os capítulos em forma de incentivo, irei responder a todos com muito amor.
Espero que estejam todos se cuidando desse vírus, fiquem em casa lendo fafic tá anjos?
Até o próximo!
X


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...