História Acaso Prometido - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Loona
Personagens Chuu, GoWon, Olivia Hye, Yves
Tags Chuuves, Hyewon
Visualizações 135
Palavras 2.401
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, FemmeSlash, Fluffy, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


MUITO OBRIGADA PELOS MAIS DE 30 FAVS E COMENTARIOS NO PRIMEIRO CAP!!!!!!!

Eu não esperava tamanho apoio, de verdade, estou surpresa e muito, mas MUITO agradecida. Sobre a fanfic... Quero deixar claro que esse capítulo fecha o que eu chamo de "introdução", porque ela fecha apenas o primeiro dia na casa de campo e não vamos esquecer que a Hyejoo e a Chaewon não se gostam então as coisas não acontecem assim tão rapido, ainda mais durante o primeiro dia. Eu deixei algumas coisas subentendidas nesse capítulo, vamos ver se vocês conseguem saber o que foi...

Os próximo capítulos serão mais longos e vão mostrar mais dessa relação entre HyeWon!

QUALQUER ERRO CONSERTO DEPOIS.

Capítulo 2 - Macarronada e farpas trocadas



 

 

Chaewon estava furiosa e muito, muito decepcionada. Com os braços cruzados de frente para janela do quarto que ficava no primeiro andar da casa — quarto esse que ela havia escolhido para dormir assim que pisara no lugar — ela observava Sooyoung andar de um lado para o outro no gramado enquanto tentava convencer Hyejoo de destrancar o seu carro e sair.

Sim, Son Hyejoo tinha se trancado dentro do carro de Sooyoung e segundo ela, só sairia caso a amiga concordasse em a levar de volta.

— Você não vai falar nada? — Jiwoo perguntou em um tom calmo. Ela estava sentada na confortável cama de casal que o quarto possuía. Havia seguido Chaewon até ali quando a mesma entrou furiosa ao ver Hyejoo chegar com Sooyoung.

— Quem tem que falar é você, Kim Jiwoo. — Chaewon usou de um tom tão seco que fez Jiwoo arrumar sua postura. — Achei que seria apenas você e eu… — Chaewon virou-se desistindo de presenciar as outras duas no gramado. — Se fosse apenas a Sooyoung eu não ligaria, sempre sou a que segura vela mesmo.

— Eu posso explicar…

— Estou esperando.

Park Chaewon estava irredutível. Jiwoo sabia o quanto a amiga tinha um temperamento difícil, antes mesmo de esquematizar o plano ela já imaginava como seria a reação de Chaewon, mas presenciar ela era bem diferente. Chaewon era assustadora as vezes.

— Bom… — Jiwoo iniciou receosa sob o olhar atento da loira que permanecia em pé a sua frente. — Sabe a última vez que você e a Hyejoo se viram antes das férias?

— Óbvio que sim, ela quase me esganou por ter fodido com o trabalho idiota dela. — Chaewon bufou ao lembrar.

— Nesse dia a Sooyoung e eu decidimos trazer vocês pra cá durante as férias, sem uma saber que a outra viria.

— E qual é o propósito disso?

— Ah, qual é, Chaewon! Você e ela parecem duas crianças irritantes que ficam de birra o dia inteiro. — Chaewon fez um bico que constatou o seu ponto de vista. — Minha paciência não é infinita, muito menos a da Sooyoung.

— Se vocês acham que isso vai dar certo — Chaewon apontou para a janela. — Vocês estão muito enganadas.

Chaewon definitivamente não daria o braço a torcer por nada, nem mesmo por sua melhor amiga.

— Chae… Vem aqui. — Pediu Jiwoo com a famosa expressão fofa que tinha efeito em todo mundo. E Chaewon estava incluída nisso.

A loira foi até a amiga e sentou-se ao seu lado sabendo que vinha conversa por ai. Era sempre assim que Jiwoo tratava das coisas quando fugiam de seu controle, muitas brigas das duas eram resolvidas pelas conversas que a doce garota de franja iniciava. Jiwoo era muito boa com palavras e a Park sabia muito bem disso.

Ela sabia que Jiwoo a tentaria convencer de que estava fazendo o certo.

— Eu nunca entendi o porquê de vocês duas se odiarem. — Jiwoo disse sincera olhando nos olhos de Chaewon.

— Nossos santos simplesmente não bateram, isso acontece sabia? — Tentou soar indiferente.

— Não vem com essa, vocês nunca nem tentaram.

Jiwoo tinha razão, ambas estiveram em guerra desde a primeira palavra trocada e nenhum dos lados sequer havia levantado a bandeira branca ao menos uma vez. Talvez porque haviam entrado na zona de conforto, mesmo que de confortável ela não tivesse nada. Aquilo era difícil de ser mudado, mas não impossível.

Pelo menos era assim que Jiwoo pensava.

— Não é assim tão fácil, a Hyejoo…

— É difícil? Sim, isso todo mundo sabe. — Jiwoo a interrompeu. — Mas você também é. — Touché

Son Hyejoo não era a pessoa mais fácil de se conviver, mas se tem uma coisa que Park Chaewon não podia negar, era que ela também tinha um temperamento muito forte e poucas pessoas sabiam lidar com ele.

— Jiwoo…

— Pensa em mim e na Sooyoung, Chae. — Jiwoo apelou para o emocional, ela sabia que isso sempre funcionava. — Lide com isso como se fosse apenas uma viagem entre amigas.

— Você e Sooyoung são minhas amigas, aquela lá eu não faço a mínima questão. — Chaewon fez uma careta apenas por pensar na possibilidade de ser amiga da morena que tanto lhe tirava do sério.

— Ok, Chae… — Jiwoo suspirou. Se queria convencer a loira de que aquilo talvez não fosse tão ruim teria que dar tempo ao tempo e torcer para que Park Chaewon e Son Hyejoo saíssem dali no mínimo, amigas.

Se bem que ela no fundo achava que seriam bem mais que isso e a sua intuição nunca falhava.

— Por favor, vamos tentar apenas manter o clima de paz? — Jiwoo indagou sob o olhar atento de Chaewon.

— Eu prometo a ignorar o máximo que eu conseguir.

Não era o que Jiwoo queria, mas era o máximo que teria por aquele momento então apenas assentiu dando-se por satisfeita. Ao menos a loira tinha aceitado ficar ali e aproveitar as três semanas, mesmo que internamente o desejo fosse de ir embora.

— Isso já é um começo. — Jiwoo disse sorridente. Ela tinha conseguido.

— É o começo e o final. Não vai passar disso.

A de franja quis rir com a resposta, mas não queria levar um tapa da amiga então guardou o deboche apenas para ela.

— Como será que elas estão? — Jiwoo caminhou até a janela para ver as duas, mas nenhum sinal de Sooyoung nem de Hyejoo.

— Espero que a sua namorada tenha aceitado a levar de volta para o inferno de onde ela veio. — Chaewon não perdeu a oportunidade de zombar. Havia se levantado e estava de costas para a porta nem notando a presença de duas pessoas ali.

— Não vai ser essa vez que vai se livrar de mim, idiota. — Hyejoo diz emburrada arrastando a mala para dentro do cômodo.

Chaewon se assustou com a voz nas suas costas e virou-se para em seguida revirar os olhos.

Merda.

— Não acredito que conseguiu convencer ela! — Jiwoo foi até Sooyoung que estava encostada na lateral da porta e a abraçou.

— Não foi bem assim… — Sooyoung coçou a nuca e olhou para Hyejoo.

— Ela ameaçou quebrar o vidro e me tirar a força.

Chaewon arregalou os olhos e segurou para não rir.

Jiwoo faria uma nota mental sobre ensinar a sua namorada a resolver os problemas na base da conversa e não da violência. Mas tinha dado certo, então ela deixaria passar apenas dessa vez.

— O que acha de ajudar ela com as malas, Chae? — Sooyoung perguntou para Chaewon que estava meio alheia a situação.

— Soo, eu aceitei ficar, mas isso já é demais.

— Exato! — Hyejoo diz assim que coloca a mala sobre a cama.

— Olha só, amor, elas já estão concordando entre si! — Foi a vez de Jiwoo falar fazendo Chaewon e Hyejoo revirarem os olhos.

Aguentar aquilo seria difícil.

As namoradas decidiram sair do quarto com a desculpa de que teriam que resolver algumas coisas no andar de baixo e agora a loira e a morena estavam sozinhas no cômodo.

Hyejoo abriu a mala e passou a tirar algumas peças da mesma e as colocou sobre a cama ao lado da mala sob o olhar da loira que não fazia ideia do porquê estar ali ainda. A viagem tinha sido cansativa e tudo o que a morena queria no momento era descansar e poder desfrutar de um sono gostoso, mas sabia que o casal da casa daria um jeito de não deixar ninguém dormir antes da hora.

— Não vai sair daqui? — Chaewon foi tirada do seu devaneio pela voz rouca de Hyejoo. A morena a encarava curiosa e por alguns segundos aquilo a deixou sem graça até porque ela estava inconscientemente ali. Mas foi apenas por alguns segundos.

Chaewon bufou e fez menção de caminhar até a porta, mas as mãos gélidas da morena haviam segurado seu pulso fazendo-a encarar as íris negras da mais nova.

— Me ajude com a mala. — Hyejoo a encarava sem expressão, mas assim que viu o olhar de surpresa da loira não segurou a gargalhada que estava prendendo desde que notara que a loira tinha ficado no quarto. — Eu estou zoando com você, idiota. Me deixe terminar isso aqui. — Voltou a sua atenção para as roupas.

— Você é insuportável! — Chaewon soltou antes de caminhar a passos pesados para o andar de baixo.

Hyejoo sempre foi de provocar a loira daquela forma, por algum motivo a loira parecia ter medo quando a morena chegava muito perto dela e a Son imaginava que fosse por isso a tirar ainda mais do sério. Então sempre que tinha a chance, não a desperdiçava.

Hyejoo passou mais alguns minutos organizando as roupas em uma das duas cômodas que tinham no quarto para em seguida descer para o andar de baixo encontrando as três garotas na cozinha conversando sobre algo que parecia estar relacionado ao jantar. Durante o tempo que a morena havia passado no quarto o entardecer deu lugar a noite e já havia escurecido. O lugar era silencioso e além da conversa que esteva sendo jogada fora na cozinha o único barulho que era possível ouvir era da correnteza do lago que ficava por trás da grande casa de campo.

— Ainda bem que chegou, Hye. Estávamos pensando em fazer macarronada para o jantar, o que acha? — Indagou Jiwoo ao ver a morena entrar no cômodo.

— Por mim tudo bem. — Hyejoo sentou-se em um dos bancos que ficavam ao redor do grande balcão de mármore no centro da cozinha. Chaewon estava sentada a sua frente e Sooyoung e Jiwoo agora pegavam alguns ingredientes para fazer a macarronada.

— Quem quer me ajudar a fazer a massa? — Sooyoung perguntou erguendo um saco de trigo e o colocando na bancada.

— Achei que tivesse massa pronta. — Chaewon comenta.

— Infelizmente eu esqueci de comprar. — Sooyoung faz bico.

— Eu avisei antes de virmos. — Jiwoo a repreende enquanto procura uma panela para preparar o molho.

— Então não posso ajudar, sou péssima na cozinha. — Chaewon deu de ombros e ouviu uma risada abafada vir da morena a sua frente. — Do que está rindo?

— De você. — Hyejoo foi direta e a loira uniu as sobrancelhas. — Onde já se viu não saber fazer um macarrão.

— Fazer macarrão não é tão fácil assim, Hye. — Jiwoo interveio defendendo a amiga e colocando um pote sobre o balcão ao lado do pacote de trigo. Sooyoung foi até a pia para lavar as mãos e iniciar o preparo da massa.

— É fácil pra mim… — Deu de ombros.

— Então vem me ajudar. — Sooyoung diz sorrindo. Hyejoo atende com um sorriso cínico direcionado para loira e passa a ajudar.

As três garotas então começaram o preparo da macarronada naquela noite agradável. Jiwoo havia colocado sua playlist para tocar no celular e elas cozinhavam embaladas ao som das músicas animadas que a de franja tinha como favoritas. Chaewon apenas observava, não podia usar o celular, até porque não tinha internet, então apenas observava as três se divertindo com a comida como se aquilo fosse a coisa mais engraçada do mundo.

— Entra no clima, Chae! — Jiwoo a chama fazendo uma dancinha esquisita enquanto mexia o molho. Como ela estava se divertindo tanto só fazendo comida? Jiwoo era uma maluca.

Chaewon estava ponderando, não queria colocar fogo na cozinha nem nada, mas também não queria ser a que não faz nada. Olhou para as outras duas que estavam fazendo a massa e se deparou com o olhar de Hyejoo sobre si, não era o típico olhar de quem provocaria ela e sim como se esperasse ela ajudar Jiwoo.

— Se eu queimar algo não coloquem a culpa em mim… — Chaewon então resolveu levantar, mas ao passar por Sooyoung acabou tropeçando e ao tentar segurar nos braços da mais alta viu toda a farinha de trigo cair sobre si.

Não tinha como ficar pior.

A gargalhada de Hyejoo ecoou por toda a cozinha e Chaewon até teria se levantando para bater na morena se as outras também a tivessem acompanhado e agora Chaewon era o centro da atenção naquela cozinha. Maldito jeito atrapalhado da loira que sempre a fazia passar vergonha. Ao menos aquilo serviu para mostrar que definitivamente, Park Chaewon e cozinha não combinavam de jeito nenhum.

 

[...]

 

Era pouco mais das dez da noite e todas na casa já estavam se entregando ao sono. Após preparar o jantar e ter que tomar um banho para limpar toda a sujeira que havia feito, Chaewon saía do banheiro do seu quarto para trocar-se e finalmente descansar. A viagem cansativa de carro já estava fazendo efeito e não tinha uma que não estivesse sentido o corpo pesar. Mas ainda tinha um porém, a casa de campo tinha dois quartos de casal. 

Obviamente Sooyoung e Jiwoo já tinham ficado com um, no final do corredor de baixo mais precisamente. E agora Hyejoo estava dentro do quarto com a loira que tinha acabado de sair do banho, mas Hyejoo estava de costas para si tirando a mala de cima da cama e a colocando em baixo da mesma.

— Você não vai dormir aqui. — Chaewon informou atraindo a atenção da morena que fez menção de a olhar, mas ao notar que a loira só estava de toalha virou para frente novamente.

Hyejoo já imaginava que teria que dormir na sala assim que soube que a loira tinha escolhido o quarto primeiro.

— Eu sei. — Hyejoo disse seca. — Só estou pegando uma roupa, vou tomar banho no andar de baixo e dormir na sala.

Ela dormiria na sala?

Não era muito desconfortável?

— Não tem outro quarto? — Chaewon perguntou curiosa.

— Se tivesse eu não estaria indo dormir na sala, idiota. — E lá estava o tom ácido presente na conversa de ambas.

— Espero que pegue uma gripe. — Chaewon diz emburrada. Se referia ao fato da morena ir dormir na sala e estar fazendo frio.

— É recíproco.

Foi a última coisa que Hyejoo disse antes de sair do quarto para dormir no grande e confortável sofá da sala.


Notas Finais


Me deixem saber o que acharam!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...