1. Spirit Fanfics >
  2. Acidente inusitado ( Bakudeku - Katsudeku ) >
  3. Um pedido impulsivo e consciente

História Acidente inusitado ( Bakudeku - Katsudeku ) - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


Opaaaaaaa sz
Tudo bom meus amores?
Espero que estejam ótimos nhaaaaaa
Esse cap >>>>>>
Ele todo fofo >>>>>>>
Como a Luana diz
" eu sou muito boiola por eles "
Sim Luana, eu estou roubando sua fala
DE NOVO!
E vou roubar mais vezes!
Nadie :
ABSOLUTAMENTE NADIE :
Qualquer brecha para fazer o pavê ficar de canto : a
Eu na fic : PLAU!
Pavê bom é pavê de nenhum modo
Até pq o de comer tbm é ruim
Eca
Eca
Espero que gostem nhaaa sz
Desculpem erros meus amores nhaaa
Tenham uma boa leitura sz beijinhos sz

Capítulo 13 - Um pedido impulsivo e consciente



- chegamos, desce! - fixou os olhos na estrada, pois não tem coragem para fitar o seu namorado agora, não após tudo que fez ontem a noite, não após o ver chorar tanto por sua causa.

Está se sentindo o maior merda desse mundo inteiro, engoliu em seco ao ouvir o outro soltar um suspiro um tanto quanto alto, não sabe ao certo, mas acha que ele está fodidamente puto consigo e o pior de tudo, não fez porra nenhuma para mudar o clima tenso entre ambos, mas também, o que caralhos poderia ter feito? Já fez uma merda enorme, estava com medo de fazer algo e piorar o que já está fodido, muito fodido mesmo.

- eu tenho mais alguns minutos antes de entrar, sabe? Eu estava pensando que seria melhor os passar aqui... com você... nós dois - automaticamente desligou o carro, não está afim de ficar com ele em um lugar tão pequeno, até ontem isso era algo bom, ótimo, mas agora tudo está diferente, muito diferente, agora ambos estão muito distantes, estão como dois desconhecidos - você está bem? - assentiu prontamente sem retirar os olhos da estrada, não sabe como o olhar agora, desde ontem estão em um clima ruim e não sabe o que fazer para mudar isso, pois está morrendo de vergonha e raiva pelo que fez, mas está tudo bem, não pode falar que está arrependido por bater no napolitano - tem certeza? - assentiu novamente ganhando um suspiro alto e cansado em troca, apoiou o cotovelo sobre a janela do veículo, logo apoiando o rosto em seu punho, está difícil ficar assim, muito difícil mesmo, mas não pode voltar atrás e desfazer tudo que fez, agora tem que ser homem e arcar com as consequências - será que eu posso ao menos ouvir a voz do meu namorado? - fora aí que criou coragem e fixou seus olhos nas esmeraldas que lhe fitam atentamente, ele está com uma carinha de choro agora, isso lhe machuca imensamente, isso sempre lhe deixa incrivelmente puto, pois em quase todas as vezes a culpa é sua, sua mão direita fora pega com carinho lhe deixando ainda mais puto por ser um completo fodido - porque você está assim? Eu fiz algo ruim? - imediatamente levou a mão até o rosto alheio, se há algo nesse mundo que não quer, esse algo é ver e ouvir ele se culpar por tudo que acontece, afinal ele nunca tem culpa de nada.

 Se há algum culpado, essa pessoa é si próprio, acarriciou a bochecha esquerda sardenta bem devagar, não quer ver nunca mais essa carinha assim, engoliu em seco tentando limpar sua garganta para falar algo, nunca fora bom em pedir desculpas, mas as vezes é preciso fazer, como se um simples pedido de desculpas pudesse resolver o problema, que idiota!

- quando você irá entender que a culpa nunca é sua? - as orbes dançaram de um lado para o outro lentamente, o problema do seu namorado é ele se achar franco demais, é ele achar que precisa de si pra tudo, sendo que, ele é bem mais forte que si, ele aguentou um coma de quase 3 anos, ele atuou na frente de várias pessoas, ele fez tudo que podia e sinceramente, não teria conseguido fazer metade do que ele fez se a situação fosse oposta, ele é bastante forte - eu bebi pra caralho, eu te deixei sozinho, eu mandei o pavê para o hospital, eu! Apenas eu! - levou o indicador para o peito apontando pra si, sim, o único culpado disso tudo fora si próprio.

Poderia ter se controlado, poderia ter feito tudo diferente, esse arbusto em forma de gente não tem culpa alguma, observou ele girar um pouco a cabeça e depositar um beijo demorado na palma de sua mão, ele sempre é gentil demais, carinhoso demais, mais das vezes o olha e sabe perfeitamente que, não o merece, nunca o mereceu, porém é egoísta o suficiente para não abrir mão dele, sempre fora egoísta e irá continuar sendo pelo resto de sua vida.

- para com isso amor, sério, eu não gosto de te ver assim... - antes que pudesse processar algo o menor já está sentado em seu colo de forma desastrada, o que caralhos essa criatura está fazendo? Levou as mãos até os quadris alheios o ajudando a ficar apoiado em seu colo, seja lá o for que tenha acontecido deve ser importante, ele não é de tomar as iniciativas assim - a culpa não foi completamente sua, eu sei que o Todoroki estava te provocando, sei que você é cabeça quente e que, não é de levar provocações pra casa, também sei que você não deveria ter batido daquele modo nele, eu sei que você pensou que ele merecia, sim, eu sei perfeitamente disso tudo, todos sabem do seu temperamento, eu não estou reclamando dele, acredite, eu amo você por inteiro, mas o que eu estou tentando dizer é que, você não deve se culpar tanto assim, você fez o que achava ser certo, na hora da raiva ninguém pensa direito e eu melhor do que ninguém sei disso, eu só quero que saiba que não quero ficar assim com você, eu quero ficar bem, quero poder te ouvir, quero poder ficar perto de você, se estiver incomodado com algo fale comigo, nós dois erramos, eu morro de ciúmes do Kirishima, você tem ciúmes do Todoroki, nós deveríamos ter sido sinceros um com o outro desde o início, isso iria evitar muita coisa, não somos mais crianças, eu confio em você cegamente e também sei que você confia em mim, eu só quero que você se abra comigo meu amor, eu quero ser o seu confidente pelo resto da minha vida - passou a mão pelos fios verdes carinhosamente o vendo sorrir largamente pelo feito, sim, assim ele fica mil vezes melhor.

 Rodeou os braços em volta a cintura do menor o puxando para si com força, depositou um beijo demorado no pescoço alheio se derretendo ao sentir os pelos de seu corpo erriçarem completamente, ama demais essa moita humana, ergueu a cabeça e fixou seus olhos nos do mesmo, as esmeraldas possuem uma enorme profundidade, elas podem lhe fazer se perder, tocou o rosto alheio suavemente o vendo sorrir ainda mais largo, quer ficar com ele pelo resto da sua vida, nada lhe impede disso, certo? Certo! 

- ei Deku!?... - observou ele piscar estático, mas logo após largou um " hun!? " lhe dando toda a atenção desse mundo, as orbes voltaram a dançar e rapidamente o seu coração acelerou, realmente nada lhe impede de tentar ficar com ele para o resto de sua vida, não há nada que não lhe permita tentar, ele pode até não querer, mas é melhor a certeza que a dúvida, correto? Claro que sim! - quer casar comigo? - os olhos do outro arregalaram e automaticamente lágrimas deslizaram por suas bochechas sardentas bem devagar.

Ok, agora está se sentindo o ser mais horripilante desse mundo, quanto mais fala a si mesmo que não irá o fazer chorar, mais o faz, qual o sentido da sua vida? Fazer merda? É isso? Piscou estático e confuso ao mesmo tempo ao ganhar um selinho demorado, ok, agora é que não está entendendo mais nada, ele chora, ele lhe beija, que porra está acontecendo aqui? As bocas se separaram bem devagar e logo após sua testa colou à sua, ele é tão fofo!

- você está falando sério? - assentiu prontamente o vendo abrir um enorme sorriso, agora sim ele bateu o recorde de maior sorriso do mundo, não que esteja reclamando, pois ama demais o ver sorrindo, isso é uma conquista para si, o ver sorrindo é como ganhar um prêmio - de verdade? - assentiu novamente ganhando um sorriso ainda maior, com certeza as leis da física não explicam esse ser verde, seu rosto fora pego com carinho por mãos pequenas e gentis, suaves e macias, os lábios dele pressionam os seus mais uma vez fazendo os seus batimentos cardíacos acelerarem mais um pouco, qualquer contato dele o seu corpo entra em certa combustão, não sabe porque, não quer saber, só quer sentir, pois as sensações são maravilhosas demais, muito além de maravilhosas pra falar a verdade.

- você não me respondeu, sabia? Eu vou perguntar outra vez, ok? - rapidamente ele assentiu com um sorriso bobo nos lábios, ver essa cena lhe deixa fodidamente feliz, o ver feliz é a melhor coisa da sua vida, sugou o lábio inferior alheio com certa força sentindo dedos adentrarem em seus cabelos de forma lenta e gostosa, ama demais essa mania dele, mania essa que surgiu desde o primeiro beijo - quer casar comigo? - observou os olhos dele marrejarem ainda mais e agora sabe, agora sabe perfeitamente que esse choro dele é de felicidade e não de tristeza, um beijo demorado fora depositado na ponta de seu nariz e outro em sua testa, ele ainda não respondeu sua pergunta, mas pelo modo como ele está reagindo já tem noção qual será a resposta, o puxou ainda mais para si logo ganhando outro selinho, se ele continuar assim irá perder a cabeça e querer foder aqui no carro mesmo, mas irá se controlar, pelo menos irá tentar o fazer.

- quero... quero muito... eu sempre quis... tipo sempre mesmo, desde criança, eu sonhava demais com esse pedido meu amor... eu te amo muito - ele nem ao menos lhe deixou falar, ele apenas tomou os seus lábios com todo amor que há dentro de si, amor esse que é todo seu, como tem sorte, tem muita sorte, irá ser marido do ser mais doce desse mundo, a idéia sobre casamento sempre lhe fora bastante vaga, uma aliança nunca lhe importou muito, afinal uma aliança não trás felicidade a ninguém, não é o anel que há no dedo, mas sim o amor, há várias pessoas casadas por aí que são infelizes, há outras que não se importam com casamento e vivem muito melhor, como disse antes, uma maldita aliança não trás felicidade a ninguém.

- eu deveria te dá uma aliança agora, né!?... foi mal, eu não sabia que ia te pedir em casamento hoje - a risada gostosa do mesmo ecoou por seus ouvidos fazendo que, nenhum outro som fosse tão lindo quanto ela e realmente não é, subiu a mão direita pela testa alheia levantando os fios verdes dali para logo após deixar um beijo em tal local, agora irá fazer muito isso, para o resto de sua vida se assim Deus permitir, pegou o rosto alheio com as duas mãos carinhosamente e limpou suas lágrimas com os polegares, ele é fofo demais para chorar de uma forma tão linda assim, sim, pode está ficando louco, mas o acha muito lindo quando chora de felicidade.

- está tudo bem, tudo bem mesmo, eu não me importo com aliança, ok? O que me faz feliz é você, me dê uma aliança quando você quiser, se não quiser, está tudo bem também - sim, ele é a pessoa certa pra si, ele não lhe cobra algo que é pra cobrar, mas realmente queria o dá uma aliança agora, pois apesar dele falar isso, sabe perfeitamente que ele é do tipo que ama coisas simbólicas.

 Correu os olhos pelo veículo procurando algo dourado, o que é dourado e irá o deixar feliz? O que!?... levou as mãos até os cabelos e retirou três fios dourados de seu couro cabeludo, afinal não pode tirar mais, não pode simplesmente dá todos os seus cabelos à ele, não pode mesmo, pois irá ficar ainda mais feio careca.

- vamos colocar isso até lá, ok!?... se você chorar por conta de cabelo, eu retiro o pedido, tá me ouvindo? - ele apenas assentiu secando as lágrimas com a manga da camisa, ele é sensível demais, não está reclamando disso, pois isso é um charme a parte dele, isso é uma parte que lhe deixa louco também, lhe deu um selinho demorado o fazendo se encolher um pouco sorrindo, ele é perfeito! - vai, entra, já está na hora de você ir - ele novamente assentiu, sorriu de canto ao ver ele sair de cima de si de modo desastrado, sim, ele é o desastre em pessoa, ele sempre bagunça tudo em casa, de certa forma ama isso, ama o ver sendo quem é sem medo, mordeu o lábio inferior para conter um sorriso ao ver ele pegar os livros, observou ele sair do veículo e automaticamente o ligou, agora irá tomar vergonha na cara e arrumar um emprego, procurar, afinal faculdade nunca lhe chamou a atenção, não tem paciência pra estudar tanto assim, nuca teve.

- cuidado, tá? Toma cuidado por favor, tá bom? - assentiu prontamente, ele tem medo de lhe ver sofrendo outro acidente, sim, ele sofreu bastante, ele deu duas batidas na janela e logo após ele lhe mandou um beijo, acompanhou com o olhar ele se distanciar de si e do veículo, sem que percebesse ou pudesse impedir um sorriso bobo surgiu em seus lábios ao ver ele olhando para o seu dedo, ele é um completo e perfeito idiota sem salvação, sim, sabe perfeitamente disso, desde que passou a namorar com ele sabe desse fato, sim, jamais irá abrir a boca para falar que ele não é um idiota, mas é o seu idiota, o seu confidente, o seu arbusto ambulante, o seu nerd maldito e agora, o seu marido, acelerou o veículo assim que ele entrou no prédio, é, tivera ganho de novo, Katsuki 1, pavê 0.


Notas Finais


Obrigada por lerem sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...