História Acompanhante de Luxo - Capítulo 73


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Camila Cabello, Lauren Jauregui
Tags Camrem, Lauren G!p, Ltops
Visualizações 1.394
Palavras 740
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura
Qualquer erro perdoem e me avisem nos comentários!
4/5

Capítulo 73 - Capítulo 73



-não grite comigo, não moro e nem sou mais sustentada por você!

-você é muito ingrata, Camila. Passei malditos 18 anos da minha vida me deitando com diversos homens para lhe sustentar. -ela gritava ao telefone. 

-não jogue isso na minha cara, mãe. -gritei. 

-você sabe que é verdade. -debochou

-sim, eu sei, e eu cresci vendo você se esfregar nesses malditos homens, só porque queria ter a vida de rainha que tem hoje. Mas a beleza um dia vai embora, Sinuhe, e a sua está indo. Você poderia ter trabalhado de garçonete. 

-e ganhar o quê? U$2 dólares a hora? E no fim do mês nem conseguir pagar um apartamento decente? -ela me questionava. 

-havia outros meios e não tinha que ficar se esfregando em ninguém. Além do mais, havia meu pai, ele poderia ter lhe ajudado se não tivesse sumido da vida dele. 

-seu pai era um pobretão que não tinha onde cair morto! -ela falou com desprezo na voz. 

-por que me permitiu nascer se odeia tanto assim meu pai? Vejo o desprezo em sua voz cada vez que fala dele. E se ele fosse realmente pobre como diz, como foi que se conheceram? Como ficaram juntos? Você sempre prezou e gostou de coisas finas, se meu pai era realmente pobre, como diabos vocês passaram uma noite juntos? Ou ele usou as economias de uma vida toda para pagar por uma noite com você? -a enchi de perguntas. 

-se você estivesse na minha frente agora, pode ter certeza que já teria lhe dado uma surra, sua menina atrevida. 

-odeio a forma como me criou, odeio o fato de ter me deixado ver as coisas que vi, odeio você, por beber demais e deixar aqueles malditos homens me olharem com desejo. Mas ao mesmo tempo, agradeço por nunca ter deixado nenhum deles ter encostado um dedo em mim, porém nem por isso vou lhe dar dinheiro, se quer tanto, trabalhe em algo decente para conseguir, e pare de vender seu corpo. -falei brava. -e não me ligue mais, a não ser que queira sentar e conversar sério, pra me contar quem é meu pai e o que aconteceu entre vocês de verdade! -desliguei.

Ligação off


Minha respiração estava ofegante. Levei minha mão acima do meu seio esquerdo, sentindo meu coração acelerado. Como ela tinha essa coragem? Me ligar para pedir dinheiro? Só pra isso, no caso.. Lágrimas quentes desceram por meu rosto, ela nunca gostou realmente de mim, por que ela cuidou de mim todos esses anos, se nunca me amou de verdade? Será que só esperava que eu crescesse para virar minha cafetina e viver às custas da prostituição do meu corpo? Levantei ainda soluçando pelo choro e com raiva, com ódio por uma pessoa se dizer minha mãe. Ainda não acredito que nasci dela, que fiquei nove meses em seu ventre e ela ainda me tratar dessa forma, só posso ter sido mesmo um peso em sua vida todos esses anos, estava entrando no quarto quando a campainha tocou, mas não era a da porta de baixo, e sim a do meu apartamento. Que estranho! Fui em direção à porta, olhei no olho mágico, mas não havia ninguém lá fora. Abri a porta para me certificar e dei de cara com uma Lauren linda e charmosa em seu terno caro de grife e saltos caríssimos, me olhando com uma mão na lateral da porta. 

-o que está fazendo aqui? -perguntei quase que imediatamente. 

-precisamos conversar. -ela falou me olhando séria. 

-não tenho nada pra conversar com você. -falei e quis fechar a porta, mas ela a segurou aberta. 

-tem sim. Precisamos conversar, você sabe disso. -Lauren me olhava séria. -vai me deixar entrar? 

-não. -respondi. 

-tudo bem. -ele passou por mim, entrando no meu apartamento.
-como você...

-já falei, precisamos conversar. Feche a porta, Camila. -mandou

-Como alguém pode ser tão mandona assim? -ela parou e se virou. Fechei a porta e me virei para olhá-la. Estava linda como sempre, argh -estou ouvindo. -olhei para ela, cruzando os braços.

-não me trate assim! -ela sussurrou. 

-como quer que eu trate? Quer que a chame de “meu amor”? Depois de você me chamar de prostituta barata? 

-não te chamei de prostituta barata. 

-mas deu a entender que fosse. Disse que meu filho poderia ser de outro, pena que só deduziu depois que o bebê é realmente seu. -falei ironicamente.

-Camila... -seus olhos estavam semicerrados e vi sua mandíbula se contrair. Ela estava ficando com raiva.


Notas Finais


Gosto.. como gosto!
Volto logo com o último!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...