História Across the ocean - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Apollo, Atena, Charles "Charlie" Beckendorf, Connor Stoll, Frederick Chase, Grover Underwood, Luke Castellan, Nico di Angelo, Percy Jackson, Poseidon, Rachel Elizabeth Dare, Sally Jackson, Silena Beauregard, Thalia Grace, Travis Stoll, Zeus
Tags Annabeth Chase, Percabeth, Romance
Visualizações 260
Palavras 1.177
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá leitores, pessoas que comentam e pessoas que faviritaram e um "olá" especial aos meus fantasminhas!
Comentem e favoritam galera, não custa nada e ainda é muito encorajador pra quem escreve 😉

Boa leitura, meus caros.

Capítulo 18 - O despertar


Pov: Percy.

Acordei sentindo todos os músculos de meu corpo gritaram de dor. Senti tudo girar rapidamente, enquanto tentava me levantar com dificuldade. Minhas costelas reclamaram das fortes pontadas que se davam a medida que eu começava a tentar me movimentar para chegar até a porta, minhas pernas pareceriam estar mais fracas e eu mal conseguia manter-me em pé por muito tempo. Segui me segurando nas paredes da cabine até a porta, logo quando consegui abrir a porta dei de cara com dois dos meus homens montando guarda na entrada.

Eram Connor e Travis Stoll, ambos eram irmãos e eram tão parecidos que eu mal conseguia diferenciá-los, se não fosse por alguns centímetros de altura que os diferiam. Assim que me viram, os dois não disfarçaram sua enorme surpresa por me ver de pé. Não era para menos, sei que minha situação era completamente crítica e que por pouco não havia deixado esse mundo, mas o importante é que eu havia conseguido voltar... Claro que nunca poderia fazer isso se não tivesse em mente que ainda não podia partir sem antes viver minha história com Annabeth.

Posso confessar que senti o coração falhar uma batida ao pensar nela, não que fosse algum sintoma de uma possível parada cardíaca, era simplesmente saudades de dama de olhos cinzentos. Lembrei que fazia um bom tempo que não podia concentrar meu olhar em seus lindos olhos e também fazia uma eternidade que não tomava seus lábios delicados e doces.

–Capitão Jackson! -disse Travis dando um pulo, como quem via um defunto levantar do caixão.

–Quem mais seria? -falei tentando aliviar o espanto dos homens.

–Ah, só não esperávamos que o senhor fosse se recuperar tão cedo. -explicou-se Connor um pouco envergonhado. Ele fez uma espécie de reverência que eu não estava acostumado a receber.

–Sou o capitão dos piratas preciso ser forte o bastante para sobreviver à essas tentativas de assassinato. -falei sorrindo, mas sentia uma dor terrível no corpo, como se tivessem queimando-me vivo.

–Sabemos Capitão, mas é que dessa vez... achamos que fosse nossa última viagem. -explicou-se sem jeito.

–Sei bem disso. -me concentrei nos momentos em que estive lúcido, do sangue jorrando do ferimento, do desespero de Rachel ao me ver assim e de Annabeth, poucas vezes ao meu lado, sempre quando a ruiva não estava por perto. Durante o tempo em que estive dormindo, meus sonhos foram todos com minha condessa dos olhos cinza, em nenhum momento deixei de pensar nela, em nenhum momento esqueci de que ela era meu motivo para continuar, eu podia ter largado tudo, mas voltei por causa dela. -Mas agora não precisamos falar mais disso, é coisa do passado. Estou vivo, não estou? É o que importa. -falei dando um sorriso corajoso para os dois irmãos.

–É, o senhor tem razão. -concordou Travis. -É bom tê-lo de volta.

–É bom estar de volta. -falei, não consegui mais controlar minha curiosidade para saber onde estava Annabeth, eu queria tanto vê-la que mal consegui manter aquela simples conversa com os membros a tripulação. -Então... ah... Algum de vocês poderia me informar onde se encontra Annabeth? -perguntei um pouco sem jeito, mesmo estando perdidamente apaixonado por ela, não podia sair demonstrando isso para os piratas, sentimentos não são muito bem vistos em nosso mundo. Afinal, somo conhecidos por nossa frieza e falta de comprometimento, não poderia demonstrar ir contra o que é culturalmente esperado de nossa classe. -Ela ainda é nossa prisioneira. – lembrei-os.

Connor e Travis trocaram um olhar rápido um com o outro, como se contassem um segredo apenas com os olhos. Tive certeza que eles sabiam de alguma coisa importante e estavam se perguntando se deviam mesmo me contar.

–Bem... -começou Travis, mas se conteve logo em seguida deixando a frase perdida no ar. Ele parecia estar buscando as palavras certas para me contar alguma coisa. Eu via o suor acumular-se em sua testa.

–O que aconteceu? -perguntei sem rodeios, conhecia meus homens, quando algo de muito ruim acontecia, geralmente, eles não tinham facilidade em contar.

–Capitão, nessa madrugada, durante a inspeção do navio, acabamos descobrindo que a condessa havia sumido.

–Como? -perguntei quase em um grito que causou uma pontada grave em meu peito.

–Não sabemos, senhor. Não vimos quando ela saiu... Ela foi muito rápida, esperou o momento certo para abandonar a embarcação.

–Onde raios vocês estavam quando isso aconteceu? Ela conseguiu sair sem ser vista no meio de um bando de piratas! - reclamei indignado e um pouco frustrado. Não fazia ideia do motivo que levaria Annabeth a sair do navio, ainda mais agora quando as coisas poderiam começar a ficar bem para nós. Ela não teria simplesmente ido embora, havia alguma coisa que a fizera deixar o navio, e pelo visto devia ser muito sério.

–Estávamos discutindo o momento certo de reabastecer o navio, paramos próximo á esta ilha e não sabíamos que horas seria melhor atacarmos. -explicou Connor. -Teríamos ido no momento em que chegamos, mas estava tento algum tipo de celebração e achamos melhor ficar longe, Rachel mesmo pediu que esperássemos até o amanhecer e... -ele estava dizendo, mas ao ouvir o nome de Rachel eu o cortei na hora.

–Rachel? Não me diga que estão seguindo as ordens dela? -perguntei torcendo para que a resposta deles fosse negativa.

–Sim... Algum problema? -eles perguntaram em uníssono.

–Claro que sim! Todos sabem que Grover é o segundo no comando deste navio, o que raios os fizeram seguir os comandos de Rachel?

–Mas achamos que ela estava autorizada para comandar.

–E o que os fizeram pensar isso?

–Ela é sua noiva, como ela mesma disse quando chegou... Achamos que devíamos seguir a mulher do Capitão... -Travis explicou todo atrapalhado, pelo visto minha expressão de ódio o assustou.

–Ela não é minha noiva! Não devia ter passado por cima das ordens de Grover. -falei depois de respirar fundo, dessa vez a ruiva tinha ido longe demais. Tomar o comando do navio sem autorização era um pecado grave no meu mundo, mas eu cuidaria dela mais tarde, Annabeth era minha prioridade agora, era com ela que eu deveria me preocupar.

–Desculpem-nos capitão... nós não sabíamos que ela estava...

–Tudo bem, agora já foi, não é mesmo. Pelo menos ninguém aqui invadiu a ilha, não é mesmo?

–Não... a festa que estava acontecendo na ilha durou até o amanhecer, não pudemos entrar.

–Ótimo, nessa época do ano uma festividade como essa só pode ser tributo a Afrodite.

–Ah... bom, ainda bem que não invadimos, teríamos comprado uma boa briga com a deusa. Como se não precisávamos de motivos para deixá-los irritados.

–Nada disso importa agora. Diga a todos que quero uma reunião no deque agora mesmo, temos que ir atrás de Annabeth.

–Mas e... -começou Travis, mas eu o cortei.

–Agora a única coisa que nos importa é achar Annabeth, ela pode estar em perigo. Esqueçam de tudo que estávamos fazendo, se preparem para buscar a condessa, custe o que custar.

Eu fora autoritário e provavelmente soava como um louco, mas nada mais me importava. Eu queria e teria Annabeth de volta


Notas Finais


Então, quem puder responda: vocês curtem uma coisa meio Nicholas Sparks? Tipo, romance bem romântico e cidades pequenas? Ou são mais do tipo agentes secretos sexys?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...