História Addicted to you - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Hansol, Jaehyun, Johnny, Taeyong, Ten, Yuta
Tags Drama, Johnjae, Máfia
Visualizações 198
Palavras 1.713
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Festa, Lemon, Policial, Romance e Novela, Shonen-Ai, Survival, Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OLAAN
Olha eu aqui com mais uma fanfic, OUTRA LONG. Caramba essa saiu de um RPG também porque tenho preguiça de escrever de verdade, então copio e colo os turnos, monto direitinho e tals. Espero do fundo do meu coração de nctzen que vocês gostam. Só lembrando que sempre começa meio chatinho, não desistam de mim JDCFNQAINQAI.
Boa leitura :v

Capítulo 1 - Strip Club


Fanfic / Fanfiction Addicted to you - Capítulo 1 - Strip Club

Johnny P.O.V

E lá estava eu, mais uma vez indo para aquele maldito “trabalho” que se resumia em ficar o dia todo sentado naquele maldito banquinho de madeira.

Eu já estava farto daquela vida sem graça, vivendo as mesmas coisas todos os dias, mais parecia um disco de vinil riscado de tão repetida que as coisas eram. Já não tinha mais vontade de viver, um dos únicos motivos de estar aqui ainda é meu melhor amigo Chittaphon. Sempre pensava assim, mas o meu maior medo é morrer, então me sentia obrigado a continuar sobrevivendo, sim isso não é viver e sim sobreviver.

 

Foi bolando algum plano de como sair daquela vida horrível que eu cheguei à banquinha de jornais, mas nenhum dos planos parecia fazer sentido. Eu era um fracasso.

Assim que Taeyong me notou ali ele abriu um pequeno sorriso e me entregou um pacotinho de algum doce que comia. Eu queria tanto que ele ficasse ali comigo, pelo menos assim as horas iriam passar rapidamente. Mas infelizmente, quando eu chegava ele saia, quando meu expediente começava o dele acabava.

E logo que ele pegou sua mochila saiu do lugar me mandando um beijo pelos ares, o que me fez arquear a sobrancelha e rir.

 

 

- Que garoto abusado! - murmurei a mim mesmo enquanto pegava a embalagem rosa e azul de doces que o garoto havia me entregado. Taeyong sempre parecia feliz, animado e de bom humor, eu sentia certa inveja dele por ele conseguir ser daquela maneira. Eu apenas tentava ter aquele jeito, enquanto ele realmente era feliz.

 

 

 

 

Quando o relógio já marcavam cinco horas da tarde, eu vi uma figura muito familiar se aproximar. Era Chittaphon.

 

- John, vamos aquela boate hoje a noite. E não, eu não estou te perguntando, você vai e ponto.  - ele disse se apoiando no balcão a minha frente, se referindo a uma boate ali perto que fazia bastante sucesso no bairro, porem nunca havíamos ido nela. O olhei confuso, mas pensando por um lado, não era má ideia, eu estava mesmo precisando sair.

 

- Oi para você também. Mas tudo bem, vamos sim. - ele sorriu largamente e como eu já sabia o que ele queria, peguei um maço do Djarum Black entregando ao mais baixo. Por mais que eu odiasse vê-lo fumando, deixava com que ele fizesse aquilo, pois não adiantava falar pacificamente com ele de que aquilo o fazia mal, ele sempre se alterava. Não sabia conversar numa boa.

 

- Às nove horas quero você em frente aquela boate. Se não estiver eu juro que te caço até no inferno e vou te dar uma surra. - ele disse em um tom divertido pegando o maço negro e logo saiu dali murmurando um “até mais tarde”.

 

 

(...)

 

 

Assim que estava vestido com o único terno que eu tinha; uma camisa preta por baixo com varias estrelas brancas, duas únicas correntes no pescoço e um sapato social, olhei-me uma ultima vez no espelho se perguntando se estava ridículo demais. Mas me questionar sozinho não iria adiantar nada. Então apenas resolvi ir daquele jeito.

 

Não demorou para que eu chegasse a boate já que a mesma ficava no meu bairro, a poucas quadras da minha casa. Fiquei um tempo esperando Chittaphon chegar, até notar que havia chegado alguns minutos mais cedo do que o combinado. A fila do lugar já estava enorme, mas eu nem ao menos podia entrar nela já que combinamos um ponto especifico para ficar esperando.

Longos vinte minutos se passaram e Chittaphon finalmente chegou me abraçando e me elogiando por causa das vestimentas. Confesso que fiquei um pouco mais aliviado já passou pela minha cabeça estar ridículo de mais com aquela roupa.

Quando íamos entrar na fila, o garoto me disse que éramos VIPs me arrastando para a outra entrada de convidados especiais. Nem tive tempo de questiona-lo de nada e logo nos encontrávamos dentro do lugar que tocava uma musica eletrônica alta e estava um pouco cheio.

 

Logo quando eu e Chittaphon escolhemos uma das cadeiras bem na frente do palco para nos sentar, um dos dançarinos entrou e começou a dançar. De começo eu não estava muito interessado no garoto que dançava, meus olhos apenas rolavam curiosos pelo lugar observando para cada canto. Não era das melhores boates, mas ainda sim era grande e parecia ter um excelente serviço de bar.

 

Quando finalmente me aquietei na cadeira e olhei para o garoto loiro que dançava bem ali na minha frente, o analisei de cima a baixo, olhando cada centímetro de seu corpo.

 

 

- Minha nossa... Que garoto gostoso! - comentei com Chittaphon sorrindo malicioso sem tirar os olhos do garoto.

 

 

- Muito! - o olhei e ele também tinha o olhar no garoto, e parecia o devorar só com os olhos. - Eu preciso de uma transa com esse garoto, será que posso conversar com o dono do local e pagar por uma transa com ele? - meus olhos se arregalaram e senti alguma coisa estranha que não deveria ter sentido.

 

 

- Você não vai transar com ele, cale a boca! Só porque ele é dançarino não quer dizer que queira transar com algum cliente. - disse num tom bravo revirando os olhos, enquanto voltava minha atenção para o garoto à frente. Chittaphon não me respondeu nada e apenas ficamos em silêncio novamente.

 

Ao contrário de muitas pessoas ali, eu não olhava apenas para o corpo do garoto, também olhava em seus olhos e os mesmos me passavam uma estranha mensagem, como se pedisse socorro ou como se gritassem "me tire daqui, eu já estou cansado disso".

 

Uma hora os olhos do garoto pararam em mim e um pequeno sorriso brotou em seus lábios. A única coisa que consegui fazer foi agarrar o braço do garoto ao meu lado e sorrir largamente animado por ter arrancado um sorriso daquele belo rapaz.

 

Assim que a música acabou o garoto agradeceu e eu me senti inquieto, alguma coisa dentro de mim gritava para que eu fosse atrás dele. E quando eu menos esperei o garoto piscou para mim fazendo meu coração disparar absurdamente rápido. Como sempre, olhei para o tailandês ao meu lado, e bastou apenas aquilo para que ele soubesse o que quis dizer com um simples olha.

 

- Cara, parece que ele tá tão na sua! – o tailandês disse sorrindo e eu também fiz o mesmo. Mas meu sorriso era um misto de felicidade e nervosismo, já que eu precisava ir atrás daquele garoto.

 

- Eu vou ir atrás dele! - em um pulo levantei da cadeira ouvindo Chittaphon gritando por mim, mas eu não liguei e apenas fui para o lugar mais longe daquela multidão.

 

Quando meus olhos foram para o enorme bar ali, tive uma ideia e me aproximei do barman que no momento estava desocupado.

 

- Hm... Onde fica o camarim dos dançarinos? - perguntei e ele apontou para um corredor bem ali ao lado. Antes que pudesse ir correndo até lá, murmurei um "obrigado" logo me retirando dali.

 

Caminhei em passos largos até o corredor e no fundo do mesmo tinha uma enorme porta com dois seguranças gigantes na frente da mesma. Não conseguiria entrar ali de jeito nenhum, então eu apenas me encostei-me à parede e esperaria o garoto ali, não importa quanto tempo passasse, eu ficaria ali.

 

Quando eu menos esperei, pude ver o garoto de madeixas louras se aproximarem de mim e meu coração novamente se acelerou absurdamente rápido, até achei que iria cair duro no chão a qualquer instante. Ele estava com uma roupa totalmente diferente da apresentação de minutos atrás, e como se aquilo fosse possível, estava mais bonito.

 

 

- Deseja alguma coisa? - tratei de me desencostar da parede quando fui questionado, e pude ver o garoto desta vez de perto, sorrir revelando suas enormes e adoráveis covinhas em suas bochechas. Eu só podia estar no paraíso diante de uma divindade daquela.

 

 

- Desejo sim. - sorri o analisando da cabeça aos pés. - Quer tomar um drink comigo? Ah... Antes que eu me esqueça, me chamo Seo YoungHo. - estendi a mão e ele logo deu um apertão na mesma me fazendo sorrir, o que na verdade eu não havia feito antes por conta do nervosismo. - E você? - eu estava louco para sabe mais sobre aquele garoto.

 

Percebi que o louro parecia extremamente perdido enquanto me observava; seus olhos me fitavam como se eu fosse a coisa mais interessante desse mundo enquanto nossas mãos ainda se tocavam.

 

 

- Hm... O que disse? Desculpe... Sou um pouco distraído. Talvez muito. - suas palavras só confirmaram que ele não havia prestado atenção em nada do que eu havia falado. Ri e me aproximei mais ainda do louro que de perto tinha os traços mais angelicais do que másculo.

 

 

- Quer tomar um drink comigo? Me chamo Seo YoungHo, e você? - usei a desculpa da musica que tocava estar um pouco alta para poder me aproximar mais do garoto, assim falando em seu ouvido e pude sentir o cheiro de sua fragrância masculina extremamente viciante. Mas logo me afastei e voltei a observar seus traços delicados, que mais parecia com um anjo que caiu do céu. Com esse pensamento, lembrei que teria que ter cuidado com as minhas cantadas horríveis, que muitas das vezes mesmo sendo brincadeira ele poderia entender mal e rir da minha cara. Provavelmente ele iria apenas me dar um pé na bunda e sair por aí. Já que ele é dançarinos muitos caras devem o abordar na porta do camarim assim como eu. Mas não custa nada tentar não é mesmo?!

 

- Eu... Eu sou Jung YoonOh.- se atrapalhou um pouco, por um momento parecia ter esquecido seu próprio nome. Um pequeno sorriso surgiu no meu rosto por aparentar que ele estava tímido. Mesmo sendo um dançarino daquele tipo de lugar, conseguia ser tímido. Bom, pelo menos era o que parecia. - Mas por aqui sou apenas JaeHyun. E sim, eu aceito tomar um drink com você. Então... Vamos?

 

Meu sorriso aumentou mais ainda quando ele concordou em tomar alguma coisa comigo, já que eu estava imaginando tomar um pé na bunda e sair com cara de idiota depois. Mas agora não precisava me preocupar, ele também parecia interessado em mim.

 


Notas Finais


"Cara ele tá tão na sua" **Greg voice** HJNGWHJNGUI Juro que não foi de proposito. Bom, espero que tenham gostado, esse começo foi meio ble, mas estava desesperada pra postar e não sabia de uma maneira diferente para fazer isso. Peço para compartilharem com os amiguineos, eu mendigo mesmo porque to cansada de ser flop INCFJIWNFWJH Particularmente eu acho que essa fanfic tem uma historia maravilhosa e vou fazer bastante gente chorar, quem acompanha minhas fanfics sabe que eu adoro um drama.
Beijos de cherry ~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...