1. Spirit Fanfics >
  2. Adocicado >
  3. O azedo da frutinha vermelha - ÚNICO -

História Adocicado - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - O azedo da frutinha vermelha - ÚNICO -


Blossom ajeitava-se no cobertor enquanto devorava seu sorvete de morango.

 

 

Ela estava deprimida.

 

Assistindo à filmes românticos terríveis em plenas nove e meia da noite, e se afundando cada vez mais nos pedidos de comida chinesa que deixavam o apartamento infestado das caixinhas delivery de macarrão.

 

Pela primeira vez na vida, a metódica e asseada garota ruiva se encontrava no mais completo caos.

 

Onde estava aquele menina que olhava a todos com confiança? Cadê a Blossom inteligente que por nada se deixava abalar?

 

Bem, para isso ela não tinha resposta. Na verdade, ela tinha sim.

Havia entrado nesse estado deplorável desde que o ruivo de olhos avermelhados tinha pedido um tempo no namoro que eles mantinham à anos!

 

Afinal, onde foi que ela tinha errado?

Será que estava pegando muito no pé do ruivo? As crises de ciúmes por conta da "colega de trabalho" dele, Bell, passaram do ponto? Ou ele simplesmente tinha enjoado de Blossom?

 

 

— É claro que sim! Quem iria aguentar ficar com você hein Blossom? - Resmungava à si mesma enquanto fazia sua melhor cara de emburrada —Que mesmo estando errada, nunca admite. Que briga por qualquer coisinha fora do lugar, que não sabe nem cozinhar? Que cara vai me querer?

 

 

Reclamava alto de si mesma, porém assim que parou de se alto infligir; As lágrimas que faziam seus olhos brilharem começaram à escorrer vagarosamente pela sua pele rosada pelo choro e desenhada por pequenas sardas, onde pararam na manta felpuda.

 

 

— Mas quando finalmente eu encontro a tampa da minha panela, a metade da laranja, a azeitona da minha empadinha…Eu acabo com tudo! - E enfiou mais uma colherada generosa de sorvete na boca enquanto ouvia a música de Titanic passar ao fundo. — E olha só! Agora eu não 'tô nem falando coisa com coisa.

 

A ruiva olhava para a tela da televisão de seu quarto, esperando que assim ela fosse encontrar naquelas cenas que até a mesma admitia por serem péssimas, uma mensagem subliminar sobre seu relacionamento, uma na qual ela não havia tido êxito de encontrar em praticamente todos os livros sobre terapia de casal que ela havia lido.

 

 

— Mas sabe de uma coisa… - Brandou assim que arrastou a palma de sua mão sobre seu rosto no intuito de limpá-lo daquele dilúvio — Eu sei o porquê dele ter me abandonado.

 

Ela se levantou em um sobressalto sem nem se importar se estava com a meia branca recém-lavada em contato direto com o chão do quarto "O que não condizia com o comportamento da ruiva que ficava irritada quando via os outros fazendo tal absurdo".

 

A garota com feições chorosas se colocou na frente de seu guarda-roupa que tinha um espelho na porta e passou a se avaliar.

 

— Tenho certeza que foi por causa disso - Apontou para sua bunda — Eu nunca tive tanta comissão traseira quanto Buttercup, ou uma perna tão lisa quanto a de Bubbles. Aposto que foi por conta das celulites! - Falou brava consigo mesma olhando seu rosto inchado no reflexo do espelho — Ou até mesmo por como eu me visto, parecendo a senhora dos gatos que mora perto do mercadinho! Ele devia sentir vergonha da namorada que tinha.

 

 

Ela disse quando notou a roupa que vestia para dormir, um conjuntinho básico de frio rosa que era feito de seda e tinha de estampa pequenas cerejas desenhadas pela calça folgada e confortável junto da blusa de frio comprida.

 

— Eu uso esse pijama desde os dezesseis anos! Brick deve até ter ficado desanimado quando vinha dormir aqui e me encontra desse jeito! Afinal não é assim que uma mulher deve receber seu namorado em uma noite de séries de casal. E sim com uma camisola sensual! Aaah…Eu me lembro bem de quando ele falou que adorava quando eu usava aquela lingerie vermelha que a Senhorita Bellow havia me dado quando soube que eu não era mais virgem.

 

 

Blossom recordava daquele momento embaraçoso quando o ruivo confessou seu deleite em ver sua garota vestida daquela forma para ele. Ela se lembrava perfeitamente até demais do quão envergonhada havia ficado com aquelas palavras, mas feliz por ele ter notado o tanto de cuidado que ela fazia ao se arrumar para agradá-lo. Ele reparava em tudo, desde uma peça nova de roupa, até mesmo quando ela mudava o shampoo de cabelo.

 

"— Eu prefiro o seu antigo. Esse tem um cheiro cítrico demais, nem parece que estou abraçando você Pinky. Preferia quando tinha cheiro de morango com chantilly. Eu odeio doces, mas gosto menos ainda da minha namorada sem sua assinatura de perfume."

 

— Aquele coelho rabugento! - Lembrava-se dos comentários do ruivo — Usei por meses aquele shampoo até eu mesma não suportar o cheiro dele! Pra ele aprender a nunca mais reclamar das escolhas da namorada dele! O cabelo está sobre minhas custas e se eu quiser passar álcool em gel 'pra lavar o problema é meu e ninguém deve meter o dedo.

 

 

Resmungava mais um pouco enquanto cruzava os braços com as bochechas infladas.

 

 

— Ele poderia ser briguento, possessivo, orgulhoso, arrogante e sempre me pirraçar… - Ditava os defeitos e balançava a cabeça confirmando tudo o que saía de sua boca —…Mas era meu. Era meu coelhinho.

 

 

Concluiu e sentiu que logo começaria à chorar de novo. A ruiva finalmente foi se deitar na cama e novamente pegou seu companheiro da choradeira depressiva, o sorvete de morango, e se encobriu com a coberta florida.

 

Quando Blossom em fim estaria disposta à prestar atenção no filme mais dramático que seu pai quando descobriu que a loja da esquina não vendia camiseta estampada com aquele tal de Ediondas? Meliondas?…Não! Meliodas! Oh sim, aquele anime que ele virou um fanático e assistia com Boomer, seu genro preferido.

Mas voltando ao raciocínio…Quando a ruiva estaria comprometida à terminar o clássico de romance, ouviu seu celular vibrar no criado-mudo de sua cama.

 

 

— Alô? Bubbles?

 

 

— Oi Blossy! - Escutou a voz de sua irmã após alguns barulhos de risada — Eu queria saber…Sim! Pede metade mussarela! - Cortou a conversa enquanto parecia discutir com outro alguém — Queria saber se você não mudou de ideia sobre vir jantar aqui na pizzaria com a gente. 'Tá todo mundo aqui, até o professor veio!

 

 

— Bubbs, eu realmente não quero… - Iria continuar sua longa resposta com motivos decentes para que sua irmã não insistisse mais, até que foi interrompida pela caçula. -

 

— É por causa do Brick né? Porque ele 'tá conosco. - A loura disse com a voz pesarosa e lenta. Enquanto do outro lado da linha a ruiva ouvia a voz que reconhecia ser de Butch, onde este perguntava se era a mesma que estava conversando com Bubbles pelo telefone e a mais nova respondia em um resmungo que sim. -

 

 

— Sim…Avise aos outros que eu não vou. - Respondeu amargurada -

 

— Ok. Mas se você se arrepender, estamos te esperando. Logo avisando que vai ser difícil convencer Butters de não te importunar, mas… - Deu uma pausa respirando fundo — Certo! Tchau Blossy, aproveite sua noite, beijos! - E encerrou o telefonema -

 

 

— Aish! Bubbles e sua mania de desligar sem eu nem conseguir me despedir. Eu ia pedir para ela mandar um abraço para os outros. Não consegui nem vê-los nessa semana por causa dos trabalhos da universidade, mas tudo bem. Assim continuo com a minha reputação de "Rainha das Neves".

 

 

Enfim Blossom voltou à assistir seu superestimado filme, mas não conseguiu nem chegar ao recorde de cinco minutos de sossego. Não por uma crise histérica de soluço pós acontecimento traumático de uma relação, por mais possível que isso seja, não. Ela não havia caído em tentação e começado à chorar pela quinquagésima oitava vez naquele dia, mas sim porque seu amado sorvete havia acabado.

 

 

— Fala sério! Não aguento mais ter que arrastar meu corpinho hoje. - Ela falou olhando para o pote de sorvete vazio e a colher que estava em suas mãos. — Mas por um bom motivo, sempre vale a pena.

 

 

Ela se levantou, ainda descalça. E foi até a cozinha de seu apartamento "Que havia ganhado do Prefeito assim que entrou na faculdade, de acordo com ele pelos anos de serviço como heroína prestados à Townsville, e pelos anos futuros na qual seria médica. Óbvio que ela não teria de negar tal presente".

 

Chegando no pequeno cômodo, ela jogou o pote que a mesma já havia dizimado com suas lágrimas, no lixo. E foi até o refrigerador pegar mais outro de mesmo sabor, pois de todo modo, era o seu favorito. Ela abriu o recipiente onde estava aquela maravilha gelada doce e começou à comer com a colher enquanto se direcionada à seu quarto.

 

 

— Vamos lá Rose, agora eu quero ver você toda seduzente. - Dizia mas assim que passou pela porta do corredor e foi ao encontro de seu refúgio, encontrou ele ali. -

 

Parado a encarando com aqueles olhos carmesim queimando sua pele. A ruiva estava em pleno estado de surpresa e sentia o amargor no fundo de sua boca pela indescritível sensação de euforia e angústia que seu emocional estava e brincava com a mesma naquele exato momento.

 

 

— Brick?

 

— Você está comendo sorvete de morango? - Ele perguntou, mas já sabia o óbvio e apenas estava dando ênfase no detalhe. -

 

 

"Como sempre, muito atento as minuciosidades".

 

Pensou Blossom.

Ele sabia que a aquele sorvete era o favorito dela, sim, era o favorito quando ela estava triste. O ruivo sabia disso, eles conviveram por muitos anos para ele não saber lê-la mais do que ela mesma. Brick sabia até mesmo que na realidade, o sabor preferível dela era chocolate, mas que Blossom se enchia até a tampa com o da frutinha vermelha quando se encontrava daquele jeito. Afinal era ele quem a convidada para as sorveterias quando a mesma se frustrava com algo.

 

E foi aí que a cabeça da jovem se acendeu. Ela estava frustrada! E muito. Com toda aquela turbulência que estava passando, e a pressão que a faculdade jogava sobre a mesma.

Era seu maior medo, decepcionar sua família sem conseguir o diploma e perdê-lo, perder Brick. Afinal, ele era seu príncipe de cavalo branco...Certo não exatamente assim, ele estava mais para um ogro que voava pelos céus. Mas mesmo assim, este sempre estava disposto à defendê-la, a dizer que estava tudo bem, a abraça-la quando ela chorava de exaustão infinitas noites de insônia e por estresse, onde este mesmo que caindo de sono e tendo que acordar cedo no outro dia para seu próprio curso, ainda sim passava a madrugada a ninhando em seus braços. Era ele quem a oferecia um casaco quando ela se esquecia de levar roupas mais carregadas ao final das apresentações de piano, que ainda fazia quando tinha tempo livre.

E talvez…Apenas talvez, ela quisesse lembrar daqueles momentos de aconchego, onde ele lhe trazia a taça de moranho no final de um dia exaustivo, olhava em seus olhos e dizia que estava com ela. Somente isso, ele estava lá.

 

 

— Sim? Eu estou comendo sorvete de morango? - Ela brandava confusa, assimilando toda a imensidão de emoções que passava sobre si mesma. — Como você entrou aqui? - Entretanto, por mais que estivesse carregada pelo sentimentalismo ainda não deixava de ser Blossom. O que pelo de canto de olho, ela percebeu o sorriso discreto de Brick pela percepção do mesmo motivo. -

 

— Eu pedi ao porteiro interfonar, porém eles ainda estão com os problemas nos fios do telefone da portaria, certo? - Falou cínico -

 

— Sim, ainda estão. - Disse com a voz séria -

 

— Então decidi usar a chave reserva que você tinha me dado - Respondeu simplista e sorrindo de canto enquanto a ruiva arregalava os olhos levemente -

 

"A chave reserva! Como você deixou passar essa Blossom? E que espécie de tempo é esse sendo que ele nem manteve-se propriamente longe? Mas é mesmo um controlador!"

 

Se questionava a ruiva internamente enquanto suas bochechas pintaram um tom mais avermelhado, agora de raiva.

 

 

— Que ótima ideia! Invadir a casa dos outros. Está cada vez me surpreendendo mais Jojo. - Falou com tom de escárnio. Por mais que estivesse meramente feliz em tê-lo ali, mesmo que discutindo com ela, era Brick afinal. -

 

— Eu avisei à Bubbles que estava vindo, provavelmente ela que não repassou o recado - Disse encarando a ruiva com seu olhar ladino. -

 

— Ela vai ter que se explicar muito bem para mim. - Pensou em voz alta enquanto encarava um canto qualquer do quarto. Apenas para não visá-lo diretamente. Ela sabia que iria cair em sua lábia, mas que não fosse a mesma a se render perante aquela saudade grotesca que a consumia por dentro. Ele que tinha pedido um tempo! -

 

 

Pinky, eu quero que você volte pra mim. - Ele respondeu enquanto encaixava suas mãos grandes no queixo fino de Blossom, e virava seu rosto para encara-la nos olhos. -

 

— O quê? - Ela perguntou quase que se derretendo diante do olhar matador de Brick em sua direção. -

 

— Blossom, eu quero você. - Respondeu silabando ainda a visando nos olhos. -

 

De frente aquelas palavras que atingiram diretamente o interior da Utonium. Ela se derramou em lágrimas e se perdia no mares profundos dos olhos do ex-desordeiro. Enquanto este limpava com o polegar os fios de água que reluziam e saiam dos olhos róseos.

Ele a envolveu pela cintura e colocará seu nariz sobre a cabeleira de fogo da menor. E sentia o aroma doce que suas mechas possuíam.

 

 

— Por que? - Ela indagou com a voz embargada pelo choro silencioso e melancólico. -

 

— Eu precisava saber se estava pronto. Se estava pronto para o nosso próximo passo, se eu estava pronto para te amar até que a morte nos separe. - Ela disse no ouvido da mesma no instante em que beijou seu pescoço. -

 

O ruivo se separou brevemente de Blossom enquanto procurava algo no bolso se sua calça jeans. Suas mãos tremilicavam e a expressão que ele se encontrava era de pura ansiedade.

O mesmo enfim puxou a caixinha de veludo tão famosa e infame, no mesmo momento em que a expressão dela se iluminava.

 

— Blossom Utonium, você aceita ser minha noiva? - O maior perguntou e revelou a aliança fina dourada com pequenas pedrarias. Na qual a ruiva simplesmente não poderia acreditar ser real. -

 

— Sim…Sim, sim! - Ela respondeu e assim que ele colocou o anel em seu dedo, a mesma pulou em seus braços o beijando nos lábios. -

 

Com todo o calor que percorria seu corpo e levava eletricidade por suas veias. Ela acariciava sua boca contra a de Brick, no momento que este se encontrava absorto diante sabor adocicado dos lábios de Blossom.

As mãos do rapaz seguravam com firmeza a nuca da jovem que ficava na ponta dos pés para alcançar os lábios de Brick. Ambos embalavam seus corpos no movimento galante e tentador que as línguas faziam ao se encontrarem. Demonstrando que com aquele dos mais puros contatos poderiam fervilhar em desejo um pelo outro.

 

Quando a falta de ar se aproximou, eles ficaram por alguns minutos se vislumbrando e roçando seus narizes apenas apreciando a presença um do outro, como se naquele momento nada fosse mais importante do que sentir a pele de pessoa que estava de frente ao seu olhar.

 

— Você 'tá com gosto de morango. - Ele disse enquanto juntava suas bocas em pequenos selinhos demorados -

 

— Não me diga…- Retrucou e dava risadas diante da boca do Jojo — Mas por que raios só me desencalhou agora? Você me fez gastar todo meu dinheiro em besteira para depois me pedir em casamento? - Ela falou ficando séria e se separando do corpo do ruivo enquanto sentia novamente o fervor da raiva aquecendo seu rosto -

 

— Te desencalhei agora? Faça-me favor! Não me deixe te lembrar de Shapiro, do Dexter ou até mesmo do Benny! Aquele belo filho de uma grande… - Ele iria continuar demonstrando toda sua vasta lista de palavrões com a expressão zangada e os lábios crispasdos se a garota não o tivesse o interrompido. -

 

— Ok Brick. Eu já entendi, mas pelo amor! Não se faça de sonso porque disso você não tem nada. - Respondeu achando levemente fofo o ciúmes que ele tinha dos ex-namorados dela. Mas matendo a firmeza em seu tom. -

 

— Certo. Foi porque eu precisava primeiramente me aceitar como alguém marcado pelo passado, para depois acertar o que eu quero me tornar no futuro. Blossom eu necessitava te perder para em seguida te ganhar por completo, e descobrir que eu não consigo mais ficar sem você. Eu sinto falta desde de sua cantoria no chuveriro até os seus sermões. Eu te amo e isso nunca vai mudar, desde o dia em que eu comecei a te enxergar eu não consigo mais não ser cego para as coisas que não te envolvam. Você é a luz que eu buscava - Ele dizia e ficava vermelho no momento em que escutava suas próprias palavras — Além disso, eu precisava de um tempo para poder aprender à lavar a roupa e escolher a aliança.

 

— Brick… - Ela começou com uma voz calma e apaixonada — Você fica muito estranho sendo romântico - E obviamente terminou rindo da cara dele. Que no mesmo instante começou à resmungar o quão imatura era sua noiva. — Calma! Eu disse que achava estranho, mas se você quiser pode continuar fazendo que eu adorei. - Ela começou a rir e o abraçou -

 

Hmmn, vai fazer outro de imbecil. Eu que não vou ficar parecendo um palhaço de circo comendo na palma da sua mão. E antes que eu me esqueça, eu adoro quando você usa esse pijama. - Ele resmungou e aprofundou o abraço -

 

Hããm por que? - Ela indagou ficando envergonhada por ter julgado que ele a odiasse ver assim. Mas que se dane! Ela que não ia mudar o jeito que agia por um homem. "Não agora que suas paranóias foram cessadas e este estava em seus braços". -

 

— Porque você fica linda usando ele. E me faz lembrar do quão minha você é, ele 'tá quase com meu perfume de tantas as vezes que eu fiquei com você enquanto o usava. - Ele respondeu levantando sua sobrancelha confiante e ela revirou os olhos — Mas melhor do que você com ele, é você sem ele.

 

— Brick seu…PERVERTIDO! - Gritou e estapeou o ruivo que dava risadas da reação exagerada de sua noiva. -

 

— Já chega Pinky. - Falou rouco após aturar a crise de Blossom. -

 

No mesmo momento que a ergueu pela cintura a colocando na cama da mesma, jogando seu corpo sobre o da menor enquanto deslizava seu joelho contra o meio das pernas da ruiva e a prendia com ambos os braços em volta do corpo da jovem.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 — Essa noite eu vou te fazer minha nas mais impensáveis maneiras.


Notas Finais


Fiquem em casa, lavem as mãos e cubram a boca quando forem espirrar ou tossir. Vamos evitar o contágio de Coronavírus! Se cuidem e ajudem o próximo à se cuidar também. Essa pandemia não é brincadeira.



CURIOSIDADES:

- Nesta linha temporal os personagens possuem vinte e dois anos.

- O professor Utonium se descobriu assexual. Ou seja, ele não se sente atraído por sexo ou parceiros românticos (Não que isso generalize todas as classes dentro desta orientação sexual).

- Brick é o genro que o professor menos gosta.

- Morbucks virou a apresentadora de TV mais famosa de Townsville.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...