História .adrenaline - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Tags Jungkhei, Jungwoo, Lucas, Nct, Nct 127, Nct Dream, Nct U, Nct2018, Nctzen, One-shot, Yukhei
Visualizações 70
Palavras 1.193
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, LGBT, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


One-Shot fortemente inspirada em "A Menina Submersa: memórias." de Caitlín R. Kierman.
Esta história é dedicada as NCT Stans, minhas melhores amigas. Que me mandaram o tema e que leram a história primeiro.

Capítulo 1 - Capítulo Único


Eu anoto tudo de importante que acontece na minha vida insignificante em um caderno tentando ser objetivo e factual. Eu tento.

Acontece que eu fui diagnosticado com esquizofrenia quando tinha 12 anos, desde então eu conquisto uma falsa saniedade e integridade através de remédios. O problema é que minha memoria é horrivel e, eu realmente, preciso me organizar com minhas lembranças para não esquecê-las, ou mistura-las, mais tarde.

Meu nome é Yukhei, eu tenho 19 anos e eu vou contar como é andar de montanha russa ou em uma roda gigante, como foi minha experiência, antes que eu esqueça. Acho que tudo começa quando Jungwoo me chama para ir a um parque de diversão que tem na cidade vizinha. Ele ja foi lá diversas vezes, declarou que era seu lugar favorito no mundo todo e me chamou para dividir a experiência de estar lá pela primeira vez, pois sempre que ele vai ao parque é a sua primeira vez, comigo.

Eu, que de longe gostaria de desapontar ele -embora nunca tivesse ido em um parque de diversões antes e morresse de medo de altura, aceitei ir.

No ônibus, Jungwoo me falou o quão incrível era o parque e eu me empolguei para conhecer um lugar tão querido para ele, vê-lo sorrir me empolgava e me fazia florescer. Ele é tão bonito que me faz tremer por dentro, faz meu cérebro rodopiar e eu me sentia um tolo por não conseguir controlar coisas básicas como minha respiração, fora meu coração, que resolvia bater rapido e minhas mãos que ficavam frias e trêmulas. Meu corpo não obedece as regras ditadas por mim. Eu perco totalmente o controle do meu próprio corpo quando me deparo com aqueles olhos fofos, que ficam mais fofos ainda quando vem com um sorriso de brinde. Eu estava ternamente apaixonado por Jungwoo e por sua pele branquinha como neve.

Assim que o ônibus parou na frente do parque, Jungwoo segurou minha mão -com força, e me puxou para fora do veículo.

-Jungwoo... -murmurei

-Yukhei?

-Eu, é... bem -tentei por em palavras algo que fazia meus pensamentos dançarem em meu cérebro- Eu nunca fui a um parque de diversões e eu tenho, sabe, medo de altura, e tal.

-Ei... ta tudo bem -ele me tranquilizou- esse parque é o máximo e eu estou com você... não há com o que se preocupar.
Sorri, embora estivesse com medo. Estava feliz por compartilhar mais uma das minhas primeiras vezes com Jungwoo, embora na maioria delas ele não estivesse presente, eu pude contar para ele... Como, por exemplo, a primeira vez que eu fiz sexo, foi com uma menina da escola no primeiro ano do ensino médio. Não diria que foi ruim, porque foi "ótimo", mas eu sentia que faltava alguma coisa, Jungwoo disse que estava tudo bem e que a primeira vez dele o gerou o mesmo dilema de falta-alguma-coisa-nisso, "talvez experiência" ele brincou. Depois de alguns meses descobri o que faltava... Mas isso não vem ao caso.

 

Andei na montanha russa pela primeira vez e a sensação foi incrível, no começo eu estava com muito medo, mal conseguia respirar. Jungwoo sorriu e estendeu a mão para eu segurar assim que nos acomodamos no brinquedo, obviamente depois, o medo foi substituído pela adrenalina e era totalmente e singularmente sensacional a maneira que o frio na barriga se juntava com as milhares batidas por segundo do meu coração. Arrisquei olhar para Jungwoo e vi seus cabelos dançando no ar, o sorriso no seu rosto e os olinhos, ora apertados, ora arregalados, me fez sentir quase completo.

Assim que o brinquedo parou, eu sorri, daqueles sorrisos de orelha a orelha que a gente deixa brotar nos lábios quando estamos felizes.

Depois de passear pelo parque por um tempo, já anoitecera e o parque estava inteiramente iluminado com as luzes dos brinquedos, Jungwoo disse:

-Eu sei que você tem medo de altura, e tal... Mas nós deviamos ir na roda gigante.

-Woonie...

-Ei, relaxa... Ta tudo bem. -ele sorriu- Vale a pena sabe? Lá de cima da de ver todinho parque, e, já esta noite, as luzes deixam tudo ainda mais mágico.

E foi assim que eu enfrentei meu medo de altura, simplesmente assim. Eu não consigo resistir a Jungwoo, eu sempre acabo cedendo.

A fila estava longa, mais tarde fiquei sabendo que era de longe a maior atração do parque depois do anoitecer. Haviam muitos casais na fila, daqueles que não ficam dois minutos sem trocarem selinhos e coisas assim. Jungwoo tagarelava animado ao meu lado sobre como suas aulas da faculdade de música estavam se saindo, Jungwoo canta muito bem e toca piano, me deixava encantado sempre que estava cantando, tocando ou simplesmente falando sobre música, ele ficava com um brilho sonhador no olhar.

Quando enfim chegou nossa vez, sentamos juntos em uma cabine. Eu senti o mundo tremendo, a cabine estava tremendo. Fiquei com medo da cabine soltar e nos cairmos do topo da roda gigante, só percebo que quem esta tremendo sou eu quando Jungwoo toca meu ombro e fala:

-Yukhei, você esta tremendo... Ei calma. Calma -Ele disse com sua voz suave, enquanto passava seu braço direito por cima dos meus ombros- não precisa ter medo.

Jungwoo afagava meus cabelos, pressionando minha cabeça cada vez mais em seu peito, eu estava sendo intoxicado pelo seu cheiro doce.

A roda gigante começou a subir lentamente e eu tive que mandar todas as vozes que me empurravam para fora da cabine irem para o inferno. Ergui minha cabeça do ombro de Jungwoo e arrisquei olhar pela janela da cabine. A falta de ar foi inevitável. Meus pulmões começaram a ficar pesados e eu pude sentir as gotículas de suor na minha testa. Sorri, apesar de tudo. Era simplesmente a melhor coisa que eu já tinha visto na minha vida inteira. O parque com todas aquelas luzes, a lua e a cidade ao horizonte.

Senti a mão de Jungwoo vagando do meu ombro direito para minha nuca e sorri mais ainda (Não sei se isso é possível, constando que eu já estava com o sorriso mais largo do mundo.) fechei meus olhos tentando aproveitar ao máximo a magia do parque. E meus lábios formigaram.

Meu coração disparou. Estava batendo muito forte, o que fez eu ficar em dúvida se me sentia como um roedor fugindo de uma velha senhora que esta o atancando uma vassoura ou se sentia como se estivesse no looping da montanha russa que eu andei mais cedo.

Hm, o formigamento nos lábios, sim. Percebi que estava de olhos fechados e, quando finamente os abri, confirmei o que já suspeitava.

Jungwoo estava me beijando. "Reaja!" gritou alguém.

Coloquei minha mão direita na nuca de Jungwoo e permiti que ele me beijasse. Me senti envergonhado porque eu podia ter certeza que Jungwoo estava ouvindo meus batimentos cardíacos.

Eu estava de volta a montanha russa, com o coração acelerado e o frio na barriga. Não era um "friozinho" na barriga, era tipo uma nevasca -100°c.

Quando o beijo acabou, o que pode ter levado segundos ou horas, Jungwoo me deu um selinho e sorriu.

Eu sorri de volta.

Nunca mais senti medo de altura.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...