História Adrenaline; jikook; - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Jikook, Jimin!bottom, Jungkook!tops, Lovexhate, Racha
Visualizações 161
Palavras 2.831
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oooi
voltei com uma os jikook prontinha saiu do forninho agora
e essa não tem nenhuma melancolia yaaaaaay
e vc já imaginou que lindo seria os jikook disputando racha? apera isso eh ilegal kakska
dsclp mas seria tope
na imagem do capítulo tem os carros do jungkook e do jimin
temos uma LaFerrari para o nosso querido jeon e uma McLaren P1 (eu sou APAIXONADA nesse carro) para o jiminnie
boa leitura

Capítulo 1 - . solo


Fanfic / Fanfiction Adrenaline; jikook; - Capítulo 1 - . solo

   "Senhoras e senhores, é com um imenso prazer que eu vos apresento o nosso querido anfitrião da noite: Jeon Jeongguk!" 

   Pelo anjo, tamanha é essa puxação de saco para um simples moleque. Muita bajulação, me deu ânsia.

   Porra, qual é? É só uma festinha qualquer, numa casa de verão enorme qualquer, com uma piscina quentinha qualquer.

   Okay, à quem eu quero enganar? Eu realmente não queria estar aqui simplesmente pelo fato de odiar o anfitrião da festa, desculpe, é de família.

   O pior de tudo é que eu realmente acreditei que Taehyung iria cumprir sua promessa de não me largar na festa e que tentaria ao menos distrair a minha mente de um certo garotinho.

   Pois é, me enganei feio.

   Novamente, eu não queria estar aqui nessa casa que me lembra todos os detalhes daquele narigudo desgraçado. Mas parece que os convidados da festa não entendem que eu não estou de bom humor e acabam testando pra ver quem será o primeiro a tomar um soco meu, e eu não faço a mínima questão de me segurar.

   Opa, calma aí, assim que eu já estava me preparando pra chutar a bunda do engraçadinho na minha frente, eu percebi algo. O Jungkook está simplesmente... vindo na minha direção?

   Temos um problema.

   Parece que ele me notou aqui – o que definitivamente não era a minha vontade, acho que a bunda que será chutada não será mais a do palhaço que eu ainda segurava.

   — Dê mais um passo, e você também apanha. — Eu disse com todo o meu ódio por ele que residia dentro do meu ser.

   — Opa! Mas já quer ser agressivo aqui? Não esperaste nem meu convite 'pro quarto, querido. — Ele estava debochando. 

   Ele literalmente debochou de mim, na minha cara.

   Meu irmão, é hoje que eu faço uma evolução na história da medicina e consigo separar um nariz de uma face humana.

   Não me pergunte o porquê de eu sempre citar o nariz desse garoto, ele simplesmente não me agrada, é isso.

   Respirei bem fundo, juro que acho que pude sentir as minhas costelas roçando no meu tecido ósseo, sem sacanagem!

   — Fala logo o que você quer 'pra ter vindo aqui me pertubar. E você — apontei para o cara desconhecido que tinha conseguido me tirar do sério anteriormente — mete o pé.

  — Queria saber o porquê de estar sozinho hoje. Geralmente tu ficas acompanhado daquele.. Qual o nome? Taehyun?

  — Late. — Um moço loiro aparentemente brotara do chão com uma expressão curiosa bem na frente de nós dois.

   — Não, Nam Taehyun. Você não. — Jungkook logo mandou o cara estranho passear e direcionou sua atenção à mim.

   — É Taehyung. E, bom, hoje ele decidiu me abandonar para ficar com os amiguinhos dele. Diz ele que não os vê faz muito tempo. — Eu disse a última frase com um tom desgostoso na voz, afinal, é o meu melhor amigo.

   — Tenho certeza que o que seu amigo disse é verídico, não acho que alguém seria capaz de deixar uma jóia tão rara desacompanhada por motivos tão fúteis.

   — E é por isso que eu tenho tanta aversão por você. — Estreitei meus olhos — Só sabe me cantar, tal como um verdadeiro moleque.

   — Assim me ofendes, querido. Entretanto, já tenho vinte e um, se lhe cabe a informação. — Tão convencido.

   — Não perguntei a tua idade, não. Sai do meu caminho, vou pegar uma bebida. — Disse sendo o mais grosso possível.

   — Sem bebida para você hoje, Jimin. Como irá dirigir se nem ao menos conseguir enxergar a estrada? — Ele falou risonho e eu fiquei sem entender bulhufas, pois quem estava dirigindo meu carro hoje era Taehyung, já que o mesmo não é muito fã de álcool.

   — Tranquilo, não vou dirigir hoje. Já pode sair do meu caminho, criança. 

   — Você vai. Quero que dispute uma racha comigo, será divertido e é bem rapidinho, menos de 1km.

   — Eu não vou!

   — Vai!

   — E eu vou ganhar algo se aceitar?

   — Sim. Se ganhares essa partida, receberás férias de mim.

   — O que disse?

   — Caso ganhe, prometerei não aparecer nas festas que frequentar durante um período de tempo.

   — 'Tá falando sério? Já quero, já prepara o teu carrinho de brinquedo, bebezão.

   — Estarei te esperando na entrada da casa, a pista já é pronta. 

   "Riquinho idiota." preferi deixar essa última frase só nos meus pensamentos mesmo. Na verdade não tenho muito o que reclamar, ganho uma grana muito – e coloca muito nisso – alta dos meus pais, porém é óbvio que o Sr. Filho Único dos Jeon é bem mais podre de rico que eu. 

   Outra coisa muito diferente entre nós, enquanto Jungkook é totalmente formal e tem a linguagem culta na ponta da língua, eu sou o completo contrário, xingo mais do que o recomendado. E isso me irrita pra caralho, enfia o "cabedal" lá onde o sol não bate, meu caro.

   Bom, o motor já está verificado, os pneus preparados, a traseira maneira, essa racha tá no papo.

//

   Okay, talvez nem tão no papo assim. É serio, Jeon? LaFerrari? Ou esse menino é extremamente competitivo ou é obcecado por mim para querer tanto ganhar essa disputa.

   Quando dirigi o olhar à ele, pude ver o sorriso enorme que o mesmo ostentava. A minha raiva por ele só aumenta, não é possível.

   — Medo de perder? Ou medo de ganhar e não me ver mais? — Sério, quando foi que ele conseguiu chegar perto de mim tão rápido? Eu só virei por uns segundos.

   — Primeiro, não vou perder; Segundo, você mais do que ninguém sabe que não te ver mais no meu caminho significa que minhas preces, feitas desde o colégio, foram ouvidas.

   — Por um período de tempo, lembre-se disso.

   — Já te aturo todos os dias, acredite, um dia sem te ver deve me aliviar mais do que uma cagada.

   — Ogro! — Consegui irritá-lo, ponto pra mim.

   — Mimadinho! — Eu que não vou ficar sem retrucar.

   — Mal-educado!

   — Narigudo!

   — Bem, você sabe, isso não é bem uma ofensa..

   — Você é um pervertido.

   — Tu que me chamastes de narigudo, sabes muito bem o que isso significa. Se lhe deixa feliz em saber, me agrada o fato de que você gostou do meu tamanho. — Como ele conseguia dizer aquilo tão facilmente? Isso é vergonhoso, porra.

   — Na verdade, não gostei. Já vi maiores — Dei de ombros.

   — Certeza? — Ele sussurou no meu ouvido. 

   No. Meu. Ouvido.

   Desgraçado, ele me conhece, sabe onde eu me entrego.

   — Prontos? Já preparei a linha de chegada. — Salvo pelo Yoongi. Espera. Ele estava na pool party esse tempo todo? O safado me disse que estava doente e por isso não iria me acompanhar na festa.

   — Yoongi, seu..

   — Hora de ir 'pro carro, a torcida já está esperando! — Se essa disputa valesse algum troféu, eu juro que faria questão de bater nele com aquilo.

   

//

   — Boa sorte, Jimin-ssi.

   — Vai se foder.


   — Preparados? Três... dois... um... — E assim, Yoongi disparou o tiro de largada com a pistola, não perdendo a oportunidade de seduzir todos alí presentes com seu sorrisinho de lado. Senti a adrenalina e a competitividade tomarem conta de mim naquele jogo. Eu quero ganhar essa merda!

   Obviamente eu tinha um plano, por enquanto eu deixava a LaFerrari de Jungkook me ultrapassar um tanto, devido à velocidade mediana que eu impunha no carro.

   Depois de um tempo brincando um pouquinho, abaixei o vidro do lado direito do carro, podendo ver o rosto concentrado do meu oponente.

   Sexy.

   Logo ele percebeu que eu estava tentando chamar sua atenção e direcionou os olhos para mim, o olhei profundamente e depois o presenteei com um dedo do meio bem levantado para ele. O choque alheio durou pouco até que eu nem avistasse a poeira de seu carro, pois tinha engatado a marcha completa e pisado fundo. Era hora de brilhar.

   Eu já conseguia ver a linha de chegada se aproximando e um sorriso alto crescera no meu rosto. Infelizmente, isso tudo durou pouco. Eu não sabia o que tinha acontecido, a minha McLaren estava à toda velocidade, eu estava com a disputa nas mãos.

   Jungkook havia ganhado.

   Ele, de algum modo, me ultrapassou.

   Eu tinha me certificado de deixar ele pra trás! Acho que consegui ouvir a minha bebezinha, P1, chorando decepcionada.

   — Jimin, você 'tá legal, cara? — Yoongi colocou uma mão no meu ombro, preocupado. Eu apenas o respondi com um aceno, era isso, eu perdi. Só tenho que me preparar para o que o Jeon escolherá como troféu.

   E a cada palpite que minha mente me dava, era mais uma vontade de fugir para o México, mudar meu nome para Ramón e abrir a minha própria barraquinha de burritos.

   — Jungkook, só um pequeno aviso. — Me aproximei do mais alto — Não iremos transar!

   — Eu nem tinha cogitado essa idéia, querido. — A cara de sonso dele só me dizia uma coisa.

//

   — Jeon, seu merdinha, m-me fode logo!

   Eu não sabia como que, em questão de segundos, fomos parar no quarto de Jungkook, ofegante e com três dedos enfiados na minha entrada, estocando minha próstata.

   — Você é muito apressado. Quer que eu te rasgue, é? Vadiazinha.

   — P-por favor, Jungkookie. Enfia esse s-seu pau em mim, eu j-já 'tô prontinho. — A última palavra saíra arrastada de minha boca, tamanha era a minha excitação e anseio.

   Quando finalmente senti a sensação de o ter dentro de mim depois de meses o negando, quase quis me estapear. Não era eu alí, meu subconsciente dizia. Mas aquilo era tão bom.

   E certo.

   E eu queria mais.

//

   — É agora a hora em que nos vestimos e continuamos a fingir que nos odiamos profundamente? Bom, apenas você continua o fazendo. — Jungkook dizia pensativo enquanto fazia carinho em meus cabelos. Estávamos enrolados nos seus lençóis, após três rodadas, eu me sentia esgotado.

   — Que horas são?

   — Jimin, estás ignorando a minha pergunta, e não é a primeira vez que eu lhe faço tal indagação.

   — Jungkook, olha pra mim! — Eu me sentei ao seu lado na cama, sentindo uma leve pontada na entrada devido à brusquidão.

   — Estou olhando. — Ele passava os olhos pelo o meu eu inteiro.

   — O que você vê? O que vê em mim? — Perguntei carregando uma expressão séria no rosto.

   — Meu futuro

   — O que disse?

   — Me desculpe, Jimin, já não posso mais guardar isso pra mim. Aceita ouvir as minhas confissões? Se quando eu acabar você preferir negar e sair correndo, eu tentarei entender e, finalmente, sairei da sua vida.

   — Pode falar, eu acho. — Eu tinha tanto medo do que poderia sair daquela boca educada e formal que ele possuía.

   — Seria o maior clichê dizer-te que sou apaixonado pelo teu ser desde o colégio, onde nos conhecemos, mas é esse o resumo de tudo. Teus olhos, teu jeito extremamente sincero, que às vezes faz com que você pareça deveras grosso, tuas madeixas, tuas mãos delicadas e pequenininhas, que te geram uma vergonha desnecessária ao meu ver, enfim, tudo em você me cativou. Não foi só a tua aparência, claro que tua beleza também fez parte disso, porque olha só você. Se um dia Afrodite aparecesse na minha frente e dissesse 'Estás apaixonado por um filho meu', eu iria acreditar com toda a certeza. És dono de uma beleza única e, se cabe a mim dizer, que beleza! Tudo em você se encaixa perfeitamente, seu pouco tamanho, o formato delicado e muito bem desenhado do seu corpo, a delicadeza em sua face quando ela não está franzida devido à raiva constante, que geralmente é gerada por mim. — Ele fez uma pausa para acariciar meu rosto e depositar um beijo no vão entre as minhas sombrancelhas, que estavam franzidas. — Enfim, seu tudo. Eu deixo que seja um grosso comigo, deixo que fale mal do meu nariz quantas vezes for necessário, deixo até que fale mal da minha Ferrari. Mas eu não admitirei sair daqui sem uma resposta sua, Jimin. Eu te amo tanto que os que acham que nós realmente somos um casal, alguns dos nossos amigos realmente acham isso, sentem inveja de como eu te admiro mesmo só recebendo patadas e rejeições vindas de ti. Te amo tanto que não estou aguentando ver esses seus olhinhos lacrimejando, talvez seja de decepção né. — Ele soltou uma risada nasalada, com um semblante meio abalado e triste — Afinal, não sou lá essas coisas e estou aqui, confessando meu amor à ti. Realmente, concordo contigo, só sou rico devido às custas de meus pais, não sirvo para fazer nada além de torrar o dinheiro deles tentando fazer os meus amigos felizes. Jimin, eu nunca te julgaria por me julgar, pois na maioria das vezes, tu tens razão. Mas eu quero e anseio que, independente de todos os meus defeitos, você me aceite como seu amante.

   — Jungkook, eu não 'tô chorando de decepção. Caralho, eu me emocionei muito aqui, me dá um lenço logo! — Assoei o nariz com o lenço que me fora dado — Eu não acredito nisso, não é possível. Você até se rebaixou um pouquinho que eu ouvi, eu não mereço isso. Não acho que mereço teu amor.

   — Você merece muito mais, Jimin. Só me diga o que tu sentes nesse exato momento e aí decidimos se o futuro que eu vejo olhando pra ti, é o certo. — Eu não conseguia suportar aqueles olhos apreciativos olhando para mim.

   — Em todas as vezes que fomos pra cama, eu procurava por seus beijos, porém minha avó, antes de falecer, me dissera que eu só deveria entregar meus lábios à quem tem uma parte de meu coração junto consigo. — Fiz uma pausa lembrando vagamente do sorriso que minha avó me deu antes de seguir o seu caminho para bem longe. — Eu o entreguei meu coração, o entreguei meu lábios, o entreguei meu corpo. No começo dessa nossa última racha eu estava disposto a ganhar pensando que, se você sumisse da minha visão, eu não precisaria mais te entregar mais nada e ficaria solteiro como eu achava que queria estar. Mas no final, quando você ganhou a disputa, eu me aliviei. Eu não queria férias de ti. E agora eu entendo o que aconteceu para que, do nada, você me ultrapassasse quando o jogo já estava ganho 'pra mim. Fui eu. Devo ter desacelerado um pouco, ou não ter trocado a marcha de propósito só para que você tivesse algo para pedir pra mim. Porque além de querer te ter por perto, eu quero ter a sua atenção sempre. Posso ter me mostrado desinteressado em todos esses anos, e me desculpe por isso. Desculpe por só perceber agora que a palpitação que eu sentia quando você chegava perto, era de amor e não de ódio. — Abaixei minha cabeça após despejar todas aquelas palavras em cima dele.

   — Jimin, agora é a sua vez de olhar para mim.

   O fitei e me surpreendi ao ver o quanto aqueles olhos redondos tinham brilho ao me ver, realmente era recíproco.

   — Eu não lhe culpo, sei bem que você nunca se entregou para nenhum relacionamento, ou você se esqueceu de que eu sou um conhecido próximo de sua mãe? Acredite, Jimin, eu não lhe culpo. Na verdade, me sinto radiante ao saber que fui o primeiro, e espero que o único a partir de hoje, a receber uma confissão sua. Fui o primeiro a receber seu amor! — Ele bateu palminhas como uma verdadeira criança animada.

   — Ei, calma aí! Quando eu disse que te amava com todas as palavras? Não 'tô lembrado disso. — Falei divertido.

   — 'Descobri que as palpitações eram de amor e não de ódio.' — Ele fez uma voz irritantemente fina ao tentar me imitar, esse moleque..

   — Mas você não deixa de ser uma criança mesmo, viu? — Falei negando com a cabeça

   — Por você eu sou tudo, querido. — O moreno se aproximou com um sorriso de lado mas parou, preocupado. — Ainda não me disseste se queres ser meu amado.

   — Jungkook! — O olhei desacreditado — Depois de tudo o que eu falei.. Aish, você tem certeza que irá me aguentar como namorado? Eu ainda sou o Jimin, rabugento, que acorda de mau humor de manhã e não quer papo com ninguém antes do café, ciumento, que bate nas pessoas caso elas o irritem, que — Eu ia continuar de falar as minhas queridas características se não fosse interrompido por um beijo, sem língua, apenas um beijo para calar a minha boca.

  — Eu já aceitei isso assim que me apaixonei por você, então só me responda, querido.

   — 'Pra você, agora é amor.

   — Sério, querido? Você aceita?

   — Claro, amor.


Notas Finais


qualquer erro que tiver no cap, me desculpem
escrevi com sono e a minha revisão foi feita rapidamente por pura preguiça msm :v
mas eu espero MUITO que vocês tenham gostado (pq eu to falando vocês se isso aqui vai flopar? pelo amor)
particularmente eu achei que foi a melhorzinha dentre todas as os que já tentei escrever kakak

fui


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...