História Afire Love - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Armin, Castiel, Kentin, Lysandre, Melody, Nathaniel, Personagens Originais, Senhora Shermansky
Tags Casnath, Kenale, Lysmin, Yaoi
Visualizações 482
Palavras 2.165
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hellooooooou! ヽ(^0 ^)丿

Um pouco tarde, talvez? Nossa, eu estou desde 20:00 escrevendo esse capítulo, tô completamente morta! Mas acho que valeu a pena, talvez.
O Casnath tá evoluído, hein! KKKK. Acho que eu fui muito rápido...

Aproveitem!

Capítulo 14 - Capítulo 14


Mesmo que embaçado, o espelho mostrava suas costas, que ainda tinham marcas agora claras, e quase invisíveis aos olhos, porém ainda sensíveis ao loiro, que sabia que aquelas marcas iam além de sobre sua pele. Tentava esquecer o que acontecera em sua casa, mas sabia que aquela era uma memória que ficaria marcada para sempre, e ainda mais, tinha noção de que teria que encontrar seu pai mais uma vez; além do dia de visitas da escola, ele tinha que arrumar um jeito de seus pais assinarem sua emancipação.

Repentinamente, a porta é aberta.

– Você demora demais. – Castiel entrou no banheiro reclamando, sem nem ao menos pedir licença. Nathaniel o olhou passando toda sua indignação; então se ele estivesse nu, o outro estaria vendo-o?

 – Deveria ter batido na porta. – As bochechas coraram levemente quando os olhos prateados pousaram no seu corpo coberto apenas por uma cueca branca. 

– Por que? 

– Eu poderia estar pelado, Castiel. – Respondeu o óbvio, pondo uma camisa o mais rápido sobre seu tronco, cortando o olhar que o outro ainda mantinha em si.

– Para de frescura, representante. – Deu uma risadinha rouca, voltando em sua busca pelo protetor solar – Tudo o que você tem aí, eu também tenho.

– Vou nem tentar discutir. – Disse para si mesmo, e outro acenou positivo, concordando com sua ideia. Revirou os olhos, e se retirou do banheiro, indo para o quarto que dividia com o ruivo, e para o seu susto, estava tudo bagunçado sobre a mesa de estudos, a qual ele demorou longos e entediantes minutos arrumando.

Respirou fundo, fechando os seus olhos fortemente. Nathaniel tentava não comentar nada sobre isso, pois ele que estava na casa alheia, porém Castiel não podia se esforçar um pouco para deixar as suas organizadas? O loiro odiava esse defeito que o ruivo tinha, mas como disse antes, ele tentava não apontar o mesmo.

Uhum... Eu entendo, mãe. – O loiro saiu de seus pensamentos, ouvindo a voz do rebelde no corredor. Sabia que ouvir a conversa alheia era feio, mas não resistiu em se aproximar da porta do quarto, ao notar o tom de voz decepcionado dele.

Nathaniel sabia que os pais do ruivo quase não ficavam com ele, pois os seus trabalhos exigiam muitas viagens, o que causou a emancipação de Castiel. Sentiu um leve aperto no peito, ao pensar que talvez o ruivo se sentisse muito sozinho em casa, sem os seus pais; deveria ser uma sensação péssima, querer ficar com os seus pais e eles sempre distantes.

Bem, Nathaniel quase explorou essa mesmo coisa, quando pequeno. Sempre tentava chamar a atenção dos seus pais com desenhos, habilidades novas, porém os mesmos o ignoravam completamente. Eles eram distantes, estando tão perto.

Obrigado, mãe. Vou tentar passar um bom aniversário, sozinho. – Desligou o celular, tombando a cabeça para trás.

Não seria o primeiro aniversário que ele passaria sozinho, afinal. Não entendia porquê ele ainda sentia com isso; seus pais nunca estavam disponíveis mesmo.

 Andou em direção ao seu quarto, com a sua cabeça procurando por uma brincadeira de mau gosto para fazer com o seu parceiro de casa, mas desistira no momento que pisou no quarto, e viu um sorriso brilhante em sua direção. Aquele era um dos sorrisos que ele nunca tinha visto vindo do representante, tanto que o seus olhos se prenderam ali, admirados.

Castiel se via preso naquela maldita sensação bipolar. Era perturbadora, ao revirar o seu estômago, ou acelerar o seu coração de maneira surreal; porém era tão gostosa ao mesmo tempo, pois lhe trazia vividez. Há quando tempo ele não sentia aquela sensação? Oras, talvez ele nunca tenha sentido naquela intensidade.

Isso estava mesmo acontecendo?

Então, Castiel, onde nós vamos comemorar o seu aniversário? – O loiro ainda lhe oferecia esse sorriso, enquanto arrumava a mochila. Os olhos cinzas se permitiram piscar mais vezes, descrente.

– Como é que é?!

– Estava pensando em ir para algum lugar diferente, que nunca fomos. – Pôs um dedo sobre os lábios, pensando – Ou poderíamos fazer alguma coisa aqui, só para passar o tempo. O que você acha?

Raciocinava a ideia alheia, com toda aquela sensação piorando. Não segurou a sensação de se sentir querido por uma pessoa, se é que ele era por Nathaniel, mas não ligava para isso; Nathaniel lhe parecia tão verdadeiro ali, com um sorriso que tirava os eixos de cada um. Devolveu o sorriso do outro da mesma maneira, deixando Nathaniel um pouco sem jeito.

– Acho que podemos ir para algum lugar diferente. – Respondeu baixo, quase se xingando por estar tão diferente do seu normal; por estar tão vulnerável.

– Ótimo. – Finalizou a arrumação na mochila – Eu me comprometo em fazer esse aniversário diferente dos passados, está bem? Sem mais solidão, Castiel. – Piscou para o ruivo, e pegou uma peça de banho na sua mochila, indo de volta para o banheiro, deixando o ruivo sozinho ali.

– Obrigado, Nathaniel. – Sussurrou.

(....)


– Você poderia ao menos fingir ser um cavalheiro, Castiel. – O azulado gritou quando sua mochila foi lançada com uma brutalidade única na sua própria cara.

– Então pede pro seu namorado na próxima. – Respondeu, irritado. Aquele azulado era extremamente irritante, e sem contar que ele encheu seu saco a viagem inteira, sugerindo uma relação entre ele e Nathaniel. Era difícil entender que ele não era (ainda) daquele time?

– Eu não tenho namorado. – Olhou de relance para Kentin, que conversava animadamente com seu irmão gêmeo.

– Às vezes eu esqueço que o Kentin na verdade é hétero. – Provocou o outro, vendo um olhar irritado tomar o azulado, porém antes que algo acontecesse, seu melhor amigo se meteu no meio deles, e pôs uma mão no ombro de Castiel.

– Vamos montando as coisas. – Os olhos heterocromáticos indicavam que continuar aquela conversa não era uma coisa saudável. Castiel brigava por umas coisas — por vezes — tão bobas.

– Acho essa ideia boa. – Armin se encostou no braço do platinado, com os olhos fixados no nada – Já posso sentir a minha pele queimando nessa porcaria.

– Cadê o Nathaniel? – Castiel notou que o aquariano havia sumido, o que não parecia ser notado por ninguém. Armin soltou uma risadinha, colocando a mão em sua própria cintura, olhando pro céu.

– Nathaniel e seus sumiços. – Rolou os olhos belamente azuis – Você nunca notou que ele some bem do nada, cara?

– Claro que não, nunca fiquei atrás do representante. – Deu de ombros, mas ainda olhava estranho para Armin.

– Então se acostuma. – Pegou sua mochila, pondo sobre os ombros – Nath some nos momentos de desatenção, e também tem umas manias estranhas, só para você ficar avisado mesmo. Mas ele é uma graça com essas manias estranhas.

"Nath"?

Não respondeu, seguindo sozinho para a areia, segurando sua mochila e um guarda-sol. Armin parecia saber bastante sobre Nathaniel. Sentiu um gosto amargo estranho na sua garganta, mas ignorou, por não saber o que se tratava. Seu mau-humor voltou com tudo, de repente, então não trocou palavra com mais ninguém, e ninguém tentou nada, vendo a cara feia que ele apresentava para o mundo. 

– Ele está cheio de ciúmes. – Armin comentou com o platinado, que montava um guarda-sol para si, com um risinho.

– O ciúmes é o início. – Disse com uma voz sonhadora – Mas da maneira que Castiel é cabeça-dura, ele só vai notar o que sente bem mais para frente. – O gamer concordou consigo, trocando um sorriso cheio de significados com o outro.

Após longos minutos de espera, o representante voltou tomando sorvete, e com um loiro estranho no encalço. Eles trocavam algumas palavras, e por vezes algumas risadinhas, o que atraiu logo a atenção de um ruivo puto, que tentou não soltar seus palavrões sobre Nathaniel. 

– Ah, então, Dake. – Nathaniel disse, e apontou para o azulado, que olhava um tanto abismado para Nathaniel – Esse é o meu amigo que eu tinha falado, sabe...

– Prazer, Alexy. – Deu um sorriso um tanto sem graça ao loiro surfista, que lhe ofereceu um sorriso maravilhoso. Mas de que lugar Nathaniel havia retirado ele?

– Dake. – Deu uma piscada ao de cabelos azuis, e se aproximou – Quer dar uma volta na praia? Podemos achar uma distração por aí... – Mordeu o lábio, com os olhos cravados no rosto do azulado.

Nathaniel desviou o olhar de ambos, e olhou para Kentin, que observava a cena com os olhos em chamas. Deu um riso, vendo que sua tentativa deu certo; nada melhor do que causar ciúmes, certo? Ele queria ver até onde Kentin ia pelo outro, e se verdadeiramente sentia ciúmes, não era tão apaixonado assim por garotas.

– Ah, e-eu... – Travou, olhando num pedido implícito de socorro para o loiro representante, que fez um sinal para ele ir com o surfista, porém ele hesitava nisso.

– Relaxa, gato. Não vai rolar nada que você não queira. – Aquela frase era cheia de segundas intenções, e Alexy não fora o único a notar aquilo. Kentin olhou para o azulado, furioso, e se levantou.

– Vai deixar mesmo ele falar assim com você, cara? – Olhou para o loiro de sorriso tarado, que desmanchou assim que Kentin resolveu se levantar. Então o azulado bonitinho tinha um namorado?

– Você é namorado dele?

– Eu sou amigo dele. – Corou até as orelhas, desviando o olhar – E não gosto de ver alguém tratando ele assim. Você mal o conhece e vem com essa frase?

– Tem certeza que é só amigo? – Dake soltou uma risada – Se ele quiser, ele vai vir comigo, você não pode impedir.

Kentin olhou para o azulado, que se escondeu atrás dos joelhos. Nathaniel apenas analisava a situação, com um sorriso satisfeito. Poderia até ter uns problemas mais tarde, mas por enquanto sabia que Kentin não era totalmente vazio em relação a Alexy. Nem que fosse uma faísca, tinha alguma coisa naquele ali.

– Eu estou bem aqui. – Sussurrou, par para decepção do surfista. Kentin suspirou aliviado, sentando de volta em sua cadeira confortável. Sentia um alívio estranho pelo azulado não ter ido, afinal, não queria que seu amigo se sentisse mal por te sido usado e largado depois.

– Ah, que pena. – Bufou, e mandou um olhar divertido ao outro loiro – Mas e você, loirinho? Vamos dar outra volta?

Loirinho? – Castiel fuzilou o tarado com os olhos, e se controlou para não descontar sua irritação nele. Aquele cara só podia ser doente, certo? – Engraçado, o loirinho não quer dar outra volta.

– Eu posso responder, Castiel. – Olhou feio para o ruivo, que no auge da sua irritação, se levantou, parando ao lado do aquariano, que se assustou.

– Então vai com ele, representante. 

Esbarrou no ombro deste, e andou sem direção pela praia. De acordo com o aumento a distância, seu arrependimento aumentava também. Mas que ceninha mais ridícula que ele havia feito! Porra, por que ele estava tão revoltado com uma coisa tão simples, e que não tinha nada a ver consigo? Nathaniel poderia ficar com quem ele quisesse, desde uma mulher até um homem, e ele não deveria ligar para isso, afinal, ele tinha direitos iguais. 

Ele estava com ciúmes?

Não aceitava esse fato sobre si. O loiro era apenas seu amigo, e há muito pouco tempo; e aliás, aquele ciúmes não lhe parecia ciúmes de amigo — pois seria estranho ele sentir esse tipo de ciúmes em relação a Nathaniel —... Isso estava lhe parecendo ciúmes vindo de uma coisa muito maior do que a amizade, mas não queria deixar a sua ficha cair sobre isso.

Ainda estava muito cedo.

– O que foi aquilo? – Sentiu aquela mão quente sobre o seu ombro, o virando de maneira delicada – Não entendi nada.

– Nem eu, tá? – Passou os dedos entre seus fios escuros, bufando – Foi só um impulso que eu tive, Nathaniel. Não leve esse tipo de coisa a sério, sacou?

– Ah... – Sentiu uma pontada no seu peito, murchando sua esperança. Podia jurar para si mesmo que Castiel estava sentindo certa coisa, mas enfim, mesmo se ele sentisse, faria diferença?

Um silêncio desconfortável ficou entre eles durante um tempo, enquanto eles caminhavam pela areia quente. Eles não sabiam o que dizer, então optaram por aquele caminho mais simples, porém Nathaniel se viu obrigado a dizer algo, ao ver quem ele menos desejava por ali.

– Meu pai.

Castiel levantou a cabeça, olhando para o homem, que os encarava de longe, com um certo ódio e repulsa nos olhos. O ruivo olhou para o loiro ao lado, que tinha as mãos trêmulas diante da cena, e sem nem ao menos pensar, segurou uma, entrelaçando os dedos. Nathaniel corou violentamente, olhando para o ruivo, que lhe ofereceu um sorriso reconfortante.

– Nossas mãos... Ele...

– Deixa ele pensar o que quiser. – Apertou firmemente, encaixando melhor os seus dedos entre os deles. Alguns olhares a mais se dirigiram a eles, com alguns comentários indesejados, mas ambos não estavam se importando.

Castiel puxou o loiro até o mar, a fim de distrair o mesmo com alguma coisa, e mal sabiam que estavam sob o olhar de uma loira totalmente irritada com a cena.

Passaram o resto da tarde dentro da água gelada, dentre algumas brincadeiras e brigas, quando como por exemplo, o ruivo cismou em tentar afogar o loiro ao receber um jato de água na cara. Naquele tempo inteiro, eles estavam tentando negar em cada olhar o que se passava.

Não eram tão amigos assim.

Eles eram mais.


Notas Finais


AI MEU DEEEUS! >.<
Nem tenho o que comentar, e estou morrendo de sono aqui... Espero que vocês tenham gostado desse capítulo, sério. Fiquei insegura em relação à ele, porque enfim, acho... Ah, não vou encher vocês com as minhas paranóias, certo? KKKKK.

Astro-chan ama vocês! <3

Kisses


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...