1. Spirit Fanfics >
  2. Afogados em Sentimentos (TodoDeku) >
  3. Padrinhos

História Afogados em Sentimentos (TodoDeku) - Capítulo 41


Escrita por:


Notas do Autor


diculpa a demora

boa leitura nenens

Capítulo 41 - Padrinhos




    Quebra de tempo, um mês após o pedido.


  * MIDORIYA ON* 


  Não, não, não e NÃO, isso não pode tá acontecendo agora, falta exatamente dois meses para o meu casamento, sério, não que eu não queira ter, mas agora?! Eu não quero me casar com uma barriga enorme....Se acalma Izuku, você nem ao menos fez um teste. Eu falo isso como se eu conseguisse segurar minhas lágrimas, nem sei o por que de eu estar chorando. 


  Eu to em casa, Shoto tá trabalhando, eu não me sentia bem então logo pedi para meu sogro me liberar, claro, meu pavê insistiu em ficar comigo mas eu falei que já estava bem só precisava descansar, ele já tá com tanta coisa na cabeça do casamento que não quero atrapalhar. É realmente cansativo, decidimos nos casar na praia, nossa lua de mel seria uma viagem de um final de semana, ainda tinha mais os ternos, comida ARG EU VOU SURTAR! E agora um belo presente do destino, posso estar grávido! 


  Me sentei no chão do banheiro, pela décima vez no dia vomitando, comprei 5 testes de gravidez, fui totalmente disfarçado, depois do meu pedido de noivado, eu e Shoto sumimos da mídia, apenas notícias de nós trabalhando, sinto minha respiração ficar acelerada, quero alguém aqui comigo, escovei meus dentes e tirei aquele gosto amargo de mim, peguei meu celular, era 9 horas, Shoto tá em patrulha, não posso ligar e se eu realmente tiver eu quero fazer uma surpresa digna, sei o quanto ele espera por isso....Suspirei tentando manter a calma, liguei tentando me manter sério. 


  *LIGAÇÃO ON*


  Bakugou - Que foi nerd de merda, eu to trabalhando sabia?! 


  Midoriya - Kacchan, por favor, vem aqui.....


  Bakugou - O que aconteceu? - sinto a preocupação em sua voz - Vou avisar o meio a meio e já.....


  Midoriya - NÃO! - gritei desesperado. 


  Bakugou - Tsk, que merda você fez? Como vou sair daqui se eu to te cobrindo também?!


  Midoriya - Kacchan, por favor, você é meu padrinho de honra...


  Bakugou - Me dá cinco minutos, vou arrumar uma desculpa seu merda. - hehe falar aquilo sempre funciona. 


  *LIGAÇÃO OFF*


     Deveria ligar para Denki também? Ele deve tá de 5 meses....Não vou fazer ele vir até aqui....Olhei para minha barriga e comecei a acariciar, hihi quantos será que eu estou, você tá aí nenezinho? JESUS O QUE ESTOU FAZENDO?! Olhei para os testes jogados em cima da cama, eu tenho que encarar isso, aliás eu sou o próximo herói n°1, devo ser herói principalmente agora! Peguei as cinco caixas e corri para o banheiro, tirei tudo do pacote e fiz um por um, subi minha calça e sentei no vaso, deixei em volta de mim esperando os 3 minutos correrem. Comecei a pensar e logo me enchi de preocupações, eu bebi diversas vezes, eu e Shoto transamos mil vezes, hehehe quase em toda a casa, parece que to ainda mais sedento, foco Izuku, foco! Comi coisas apimentadas no jantar que eu fiz para chamar Kacchan para ser meu padrinho de honra, não preciso nem dizer que Shoto escolheu Kirishima, enfim, eu sou um merda, será que meu bebê tá bem?! E se eu tiver matado ele, eu usei e abusei de minha quirk no meu trabalho, eu sou um inútil....


  Bakugou - OI DEKU! TÁ AÍ?! - posso escutar Kacchan bater freneticamente na porta. 


  *MIDORIYA OFF* 


  Bakugou - Eu vou arrombar se você não abrir porra! - ele bateu mais - To ouvindo você chorar, QUE MERDA O MEIO A MEIO FEZ!? 


   Sem pensar duas vezes, Izuku abriu a porta rapidamente, assim que o olhar do loiro pousou sobre o outro, entendeu de imediato, abraçou sem pensar duas vezes. 


  Midoriya - Kacchan...- a voz trêmula de choro se pronunciou. 


  Bakugou - Eu to aqui Deku, vai ficar tudo bem entendeu?! - continuou o abraço - Deu positivo? 


  Midoriya - Eu acho que matei meu bebê Kacchan......- falou se acalmando - Eu não quero ver o resultado.....


  Bakugou - Quer que eu veja? - viu ele concordar - Tsk, vamo lá....- se separou e pegou um teste do chão. 


   Izuku olhava atentamente esperando a resposta, o loiro soltou um sorriso sincero com o pequeno objeto nas mãos, olhou para o esverdeado e concordou com a cabeça, Deku pegou outro teste no chão e estava lá, positivo, checaram o resto e todos diziam a mesma coisa, por mais que angustiado de querer saber se seu filho passar bem, Izuku conseguiu sorrir verdadeiramente. 


  Bakugou - Vamos para o hospital seu.....grávido! - deu risada. - Você não matou bebê nenhum, se tivesse morto não iria dar positivo, tira essa cara de merda. - puxou o esverdeado com tudo se levantando. 


    Deku pegou todos os testes e guardou na cômoda ao lado de sua cama, trocou de roupa e partiu com o loiro para o hospital, estava ansioso, passava a mão na barriga a cada 1 segundo. 


  Bakugou - Sabe que não tem nada crescido aí né? - falou rindo. 


  Midoriya - Ainda to com medo Kacchan...


  Bakugou - Já estamos chegando no médico merda, se acalma! - suspirou - Eu já sabia! 


  Midoriya - QUE?! - gritou nervoso. 


  Bakugou - Porra você vomitou mil vezes, lembra aquele dia antes da formatura? “Aí Kacchan nunca deu nada” tsk maldito meio a meio. - se emburrou. 


  Midoriya - Que que o Shoto fez de errado agora?! - deu risada. 


  Bakugou - Tirou sua pureza, era pra você ser aquele Deku que vivia correndo atrás de mim e chorando pra lá e pra cá, não um Deku com um bebê e casado, ainda mais com aquele pavê! - bufou. 


  Midoriya - Mas Kacchan.....


  Bakugou - Não discuta, sou seu padrinho de casamento e eu to certo seu merda. - estacionou o carro - Vamos logo. 


    Os dois foram caminhando tranquilamente para o hospital, o loiro ainda xingava o bicolor a cada passo que dava, aquilo estava distraindo toda a preocupação  de Izuku, dava risadas com o ciúmes de Katsuki. Assim que entraram, o esverdeado foi levado ao médico que acompanhava desde seus 15 anos. Fizeram centenas de testes no pequeno, incrivelmente rápidos, todos já estavam nas mãos de Izuku, talvez por ser conhecido no hospital e por sua carreira, mas nada disso importava no momento, queria saber sobre seu bebê. Olhava atentamente para o médico em sua frente, estavam em seu consultório. 


  Médico - Bom, Izuku, vamos lá. - se sentou e suspirou - Você precisa contar logo para Shoto que a criança não será dele, pois seu corpo vai recusar todos seus toques e isso pode fazer mal para o filho de vocês dois - olhou para ambos em sua frente. 


  Midoriya - QUE?! - se irritou - O que você está falando, eu nunca tive qualquer relação com outro homem além do meu noivo. - cruzou os braços. 


  Bakugou - VOCÊ TÁ LOUCO PORRA?! 


   Médico - Se acalmem, eu julguei por estar acompanhando do Senhor Bakugou. - deu uma mínima risada. - Me perdoe, me precipitei, peço atenção agora....


  Midoriya - Ta. - suspirou. 


   A vontade de Katsuki era rir, mas ao seu lado tinha uma cena que ele gostava de chamar de “periquito bravo” Deku formava um bico tão grande e faltava voar em que lhe contrariasse, segurou a risada e olhou sério para o homem em sua frente. 


  Midoriya - Poderia me dizer se eu estou ou não grávido e se eu estiver, meu filho está bem?! - falou rude. 


  Médico - Sim Izuku, você está! - sorriu - E sobre seu embrião, ele está bem, porém, você abusou de algumas coisas certo? - olhou seriamente - A um ano você veio aqui e eu contei sobre sua instabilidade após o seu aborto, com isso, sua gravidez não chega a ser de risco, porém vai precisar de muito cuidado nos quatro primeiros meses. 


  Bakugou - Instabilidade?! - olhou para Deku - Por que não me contou?


  Midoriya - Sim...quando a Momo fez aquilo, meu corpo se recuperou mas não por completo, principalmente por abortar....- falou triste. 


  Bakugou - Eu mato aquela vagabunda! - rangeu os dentes. 


  Médico - Continuando, deve ser cuidadoso e principalmente avisar Shoto, seu corpo vai precisar dos hormônios dele, entendeu? - viu o menor concordar - Você vai ficar irritado, magoado e pedir por ele, se é que me entende...


  Midoriya - Mas eu posso fazer enquanto estou grávido? - perguntou corado. 


  Médico - Vou pedir para que se segure, pelo menos por mais dois meses. 


  Midoriya - Mas.....


  Médico - Ou que façam com cuidado, lembre-se está envolvendo a sua e a vida do embrião. - falou sério. - Por favor evitar emoções fortes, ainda é instável e pode acabar como da última vez. 


   Katsuki sabia que seu melhor amigo odiava ouvir sobre o que aconteceu com ele, Izuku se sentia fraco por ter abortado, mesmo que não fosse sua culpa, notou ele abaixando a cabeça e se pronunciou em um ato silencioso, esticou seu mindinho indo de encontro com o do outro. 


  Bakugou - Poderia parar de falar sobre o passado porra? - se segurava para não gritar - Tem mais alguma coisa ou posso levar esse nerd pra casa?!


  Médico - Izuku, quando pretende contar ao seu noivo? 


  Midoriya - Eu queria contar no casamento....


  Médico - Quando seria? - perguntou curioso. 


  Midoriya - Daqui dois meses - sorriu forçadamente, tentava convencer os dois que lhe lançaram olhares em negação. - Tudo bem, posso contar no final de semana..


  Médico - Vou te dar um atestado de uma semana, por favor Izuku, se cuide. - falou assinando o papel. - Dentre os papéis que estão nas suas mãos, tem uma lista de coisas que pode ou não fazer, explicação da gravidez de um ômega e por fim o atestado - entregou o último sorrindo - Parabéns pela gravidez, desculpe mais uma vez por tirar conclusões precipitadas. 

 

  Bakugou - Não faz sentindo nenhum sendo que eu sou essa porra aí também. - revirou os olhos - Vamos Deku. - se levantou bruscamente. 


   Médico - Espero voce daqui uma semana Izuku, traga Shoto consigo. 


    Os dois saíram de lá calmamente, Izuku sorria para tudo, seu filho estava bem, estava gerando uma criança de Shoto, seu grande amor, era impossível nao ser feliz com aquilo. Assim que entraram

no carro, o esverdeado começou a ler em voz alta, totalmente indignado com as privações. 


  Midoriya - KACCHAN, EU NAO POSSO COMER KATSUDON! - falou emburrado. 


  Bakugou - É porco, claro que não pode merda. - suspirou - E já vou avisando, hoje eu me mudo com o cabelo de merda, se eu escutar um gemido vindo da sua casa, eu vou cortar o pau daquele pavê fora! 


  Midoriya - Mas eu preciso dele, o médico falou que eu preciso de seus hormônios! - falou com um dedo levantado. 


  Bakugou - Da aqui essa merda de papel, deixa eu ler! - puxou com uma mão e continuou dirigindo com a outra - Não está dizendo nada de “vocês precisam transar igual dois cachorros” pronto, acabou a discussão! 


  Midoriya - EU PRECISO CONTAR PARA O DENKI! - gritou animado - Pode buscar ele lá Kacchan? - perguntou fazendo drama. 


  Bakugou - Eu não vou carregar dois grávidos! - bufou - Tenho que voltar ao meu trabalho, daqui a pouco os dois vão saber que eu saí. 


  Midoriya - Mas Kacchan....- choramingou e recebeu um olhar mortal - Tá bom Katsuki, não queria ser um inútil pra você, aliás, é isso que Deku significa não é?! - cruzou os braços com força. 


   O loiro sentiu o peso das palavras, iria virar para a casa do esverdeado, faltava apenas uma curva para chegarem, deu meia volta e correu até o apartamento de Shinso e Denki, os mesmos haviam se mudado a pouco tempo, foi tudo feito às pressas, ninguém esperava por aquela gravidez. 


  Bakugou - Manipulador de merda. 


  Midoriya - Você é o melhor padrinho de honra Kacchan! - sua voz doce retornou. 


  Bakugou - Claro que sou, aliás, fale isso para a cara de lua, você me escolheu primeiro, logo, SOU O MELHOR PADRINHO NESSE CARALHO! - falou com um sorriso estampado. 


   O esverdeado continuou falando sua lista, nem percebeu que já estava na frente do apartamento, foi correr para fora e logo foi segurado, Katsuki apenas lhe olhou seriamente, avisou para Deku ficar no carro enquanto chamava o outro loiro. 


   *MIDORIYA ON*


  Enquanto estava ali naquele tédio, comecei a ler a outra lista sobre gravidez de ômega, isso ainda é muito novo pra mim...

     “Transar de lado facilita para o ômega não fazer esforço” hum, nunca pensei nisso...


      “O Alfa tem por instinto proteger o ômega e seu filhote, podendo compartilhar as emoções por feromônios” parece que sou um animal...


     “O ômega irá recuar e recusar qualquer toque íntimo que não for de seu Alfa” isso eu já faço desde sempre, nada de novo! 


  “O Alfa irá sentir a presença do filhote a partir da 10 semana de gravidez” quantas eu estou? Será que Shoto já sabe?! 


    Okay aparentemente isso é o mais importante, cadê aquele exame, era um monte de papel, como seu eu conseguisse entender o que aquelas coisas diziam, enfim achei, era o resultado do meu exame para gravidez, comecei a olhar por toda folha atento procurando saber de quantos meses eu estava....8 SEMANAS, dois meses, DOIS MESES QUE VOCÊ TÁ AQUI FILHO....ou filha hehe....quer dizer então que eu engravidei no nosso aniversário, que vergonha...


  Denki - DEKU, OLHA OLHA OLHA! - levei um susto dos infernos. 


   *MIDORIYA OFF* 


   O loiro elétrico já estava entrando no carro, Katsuki apenas bufou com a ousadia do outro, Kaminari estava arrumando o berço que havia ganhado de seus sogros quando escutou bater em sua porta, estava sozinho em casa, Shinso estava trabalhando contra sua vontade, o mesmo não queria deixar o loirinho sozinho.

   

   Denki - DEKU, OLHA OLHA OLHA! - entregou uma foto - A primeira foto dele! É um menino.....- falou animado. - O que aconteceu? Por que me chamaram tão urgente assim para o biribinha bater no meu lar? - falou rindo. 


  Bakugou - Vamos logo, no caminho você vai explicando o que o meio a meio fez com você Deku. - começou a dirigir. 


  Denki - COMO ASSIM?! O QUE ELE FEZ COM O DEKU?! ME CONTA, EU VOU MATAR SEU NOIVO! 


  Midoriya - Pelo amor de All Might, ele não fez nada de errado, Denki....- olhou para o amigo - Eu to grávido...- falou com lágrimas nos olhos, tentando não chorar. 


  Denki - IZUKU.....- soltou o choro com força - Quantos meses? Hum? Quando foi que engravidou? Dizem que até isso influencia, na beleza da criança...- falou sério. 


  Bakugou - EI VOCÊS DOIS, COLOQUEM A PORRA DO CINTO, NÃO QUERO LIDAR COM UM PAVÊ E UM ZUMBI ATRÁS DE MIM! - gritou nervoso - Eu vou deixar vocês na casa do Deku e voltar a trabalhar, já tá quase no horário de almoço, entenderam?! Sem papinho de gravidez aqui! - bufou. 


  Denki - Qual é Kacchan, quando é que você vai trazer um bebê e se juntar a nós dois? - falou provocando. 


  Bakugou - Tsk, não quero falar disso idiota! - revirou os olhos. 


  Denki - Vocês estão tentando? - perguntou curioso. - Fala Kacchan! 


  Bakugou - SIM MERDA, NÓS ESTAMOS TENTANDO! - gritou nervoso - Mas ainda nada...- tinha uma certa tristeza em sua voz - E aliás, para com esse “Kacchan” aí porra de Pikachu dos infernos. 


   Um silêncio pairou durante todo o caminho, já estava incomodando um loiro explosivo. 


  Bakugou - Falem alguma coisa porra! - falou nervoso - Não precisa ficar preocupados, não vou desistir e muito menos parar de tentar com o Kiri, uma hora vocês vão ver uma cópia minha correndo e explodindo os outros! - falou convicto. 


   Denki - Tenta lembrar bem de qual vez foi, pois vai interferir na....- foi cortado. 


  Bakugou - ISSO NÃO FAZ SENTIDO! Que porra importa o jeito que a porra do cabelo de merda me comeu?! - falou rindo - Agora eu to curioso, quando foi a vez de vocês?! 


  Midoriya - Acho que foi quando comemoramos 3 anos...- falou envergonhado. 


  Denki - Quando o Aizawa-Sensei finalmente me aceitou na família....- deu um sorrisinho singelo. 


   Katsuki começou a rir das respostas, não conseguiu se segurar. 


  Bakugou - Já sei quem foi com calma e quem meteu até o talo! 


   Os outros dois ficaram corados com a atitude do loiro explosivo, depois de alguns segundos em silencio, começaram a conversar novamente, sem demorar muito, chegaram na casa do esverdeado. Bakugou deixou os dois e partiu para o trabalho, estava feliz pelos amigos, não iria admitir isso, mas estava realmente feliz pela verdadeira amizade que tinha com Izuku e com a gravidez de ambos. Era aproximadamente 11:30 quando chegou na agência, Endeavor respirou pesado e lhe chamou para conversar em seu escritório. 


  Endeavor - Por que a demora Bakugou? - falou sério. 


  Bakugou - Olha velho eu já vou adiantar as coisas para Izuku, fui com ele no médico, ele tá grávido. - cruzou os braços - É de risco, então ele não pode e eu não vou deixar aquele merda se machucar no trabalho, consiga a licença maternidade para ontem. - olhou para o ruivo, parecia espantado - Que foi porra?! 


  Endeavor - EU VOU SER VOVÔ?! - deu um grito animado - Oh meu Deus esse momento chegou, ok eu vou avisar o Shoto que....- foi interrompido 


  Bakugou - Não vai avisar o pavê porra nenhuma, Izuku vai contar, quer fazer algo especial, não fica gritando para os quatro cantos aí, pode ser perigoso para os dois! - falou bravo - Enfim, já deve estar na hora do almoço, arrume a licença dele que depois eu entrego. 


  Endeavor - Eu preciso comprar sapatinhos! - falou preocupado - Mas, como Shoto não vai saber se ele não vai mais trabalhar?! 


  Bakugou - Inventa uma desculpa, hoje ele faltou por estar doente, fala que deu a semana de folga, até lá ele precisa contar para o meio a meio de merda! - bufou - Vou almoçar e logo volto para minha patrulha. - saiu dali. 


    “Não é possível que um brutamonte desse tamanho fique desse jeito, puta que pariu em Deku, que família você foi se meter?!” o loiro deu risada de seus próprios pensamentos. 


    Na casa dos noivos, Izuku sabia que Shoto não almoçaria em casa, porém ele e Denki precisavam se alimentar, olhou para o loiro e se pronunciou. 


  Midoriya - O que quer comer? - perguntou amoroso. 


  Denki - Hambúrguer? 


  Midoriya - Será que eu posso comer? Olha minha lista aí hehe...- falou constrangido. 


  Denki - Pimenta, porco, ovo cru, peixe cru, bebidas alcoólicas e drogas, são o que o paciente Midoriya Izuku deve evitar a ingestão. - falou lendo - Hambúrguer tá liberado hehe! 


  Midoriya - Vamos la fora, traz o notebook! - apontou para o aparelho e foi andando. 


   Kaminari se sentou em um puff e o esverdeado começou a cozinhar, o outro buscava diversas maneiras de se contar uma gravidez, nenhuma estava boa o suficiente para o esverdeado, poderia se irritar com aquilo, mas o loiro estava tão determinado a ajudar que sorriu, tinha bons amigos. Aproveitou o momento para um pedido um tanto quanto especial. 


  Midoriya - Denki...sabe que vou me casar daqui dois meses certo! - perguntou receoso. 


  Denki - Yes Bro! - sorriu - O que tem de errado? 


  Midoriya - Você gostaria de ser um dos meus padrinhos? - perguntou corado. - Pode pensar, nesse final de semana vamos entregar os convites, até lá pode me dar a resposta okay? - falou tentando se manter firme. 


   Denki - Deku, você vai me querer la mesmo com um barrigão? - perguntou corado. 


  Midoriya - Com toda certeza! - falou rindo - Minha barriga vai começar a crescer até lá...- falou acariciando o abdômen. 


  Denki - Então minha resposta é...SIM BRO! - soltou um sorriso gigante. - Obrigado por confiar isso a mim...- falou olhando para baixo. 


  Midoriya - Eu confio em você, muito! - sorriu - Tá pronto, vamos comer ali na mesa! 


    Aquela foi a tarde deles, depois de muito procurar, Izuku desistiu e decidiu fazer de um jeito simples e que não tinha erro, Shoto não gostava de coisas muito grandes, sabendo disso, não iria nem precisar sair de casa para fazer, porém, precisava pensar um pouco para conseguir executar. Shinso buscou Denki quando a tarde começou a sumir, o mesmo trabalhava com seu pai, queria seguir carreira como Pro-Hero e sensei, com isso, conseguia sair mais cedo para dar total atenção para seu Pikachu. 


   Era por volta de 18:00 quando Shoto chegou em casa, gritando por seu amor, estava exausto, mas nada lhe impediria de mimar aquele pequeno. Percebeu que estava tudo apagado, fui subindo as escadas com calma enquanto retirava seu uniforme de Herói, precisava urgentemente de um banho. Quando abriu a porta de seu quarto, pode ver um desenho passando na Tv enquanto o esverdeado dormia abraçado a sua mini versão, não conseguiu evitar de sorrir com aquela cena. Deu um beijo na testa do menor e seguiu para seu banho, ao julgar pelo cheiro que inalou dos cachos, ele já estava limpo, relaxou e aproveitou cada toque que a água fazia em seu corpo, quando se sentiu limpo o suficiente, saiu dali, ficou apenas de cueca e se deitou com seu amor. 


  Midoriya - Shochan? - falou coçando os olhinhos. 


  Todoroki - Sou eu meu amor...- beijou sua nuca. - Desculpa te acordar, tá melhor? - perguntou preocupado. 


  Midoriya - Estou sim...- sorriu ao receber o carinho nos cabelos. - Quer comer algo? Eu faço! 


  Todoroki - Você que tá doente aqui, eu faço o que me pedir! - falou rindo. 


  Midoriya - Hum...soba! - respondeu sincero. 


  Todoroki - Tá querendo me agradar mocinho? - perguntou sério - Okay, vou fazer, vem no colinho! - se levantou ficando ao lado da cama. 


    Izuku foi com calma até o colo do outro, não podia fazer movimentos bruscos, mesmo não sendo de risco, era instável, não queria por tudo a perder, eles desceram as escadas e ficaram conversando enquanto o maior cozinhava, era a perdição aquela cena, ele com um avental só de cueca, tentou afastar os pensamentos, tinha que se conter. 


  “Eu quero falar, eu preciso falar, talvez agora seja o momento certo!” o esverdeado sentia a adrenalina em seu corpo enquanto pensava. 


  Midoriya - Shoto....- chamou baixo. - Eu....- foi interrompido com o barulho da companhia. 


   Izuku corou fortemente, ele e seu noivo apenas de  cuecas na cozinha, o que iriam pensar, foi tirado de seus pensamentos quando escutou a voz do bicolor na porta, ele estava escondido, apenas com o rosto pra fora, aproveitou a deixa e correu para o quarto, de tranquilizou quando ouviu a voz de Eijirou e Katsuki entrar pela sala, logo seguido de um grito. 


  Bakugou - O QUE VOCÊS DOIS FIZERAM?! - gritou preocupado. 


  Todoroki - Calma aí bomba, eu acabei de sair do banho, a gente mal coloca roupa quando estamos só nós dois. - falou rindo - Que preocupação toda é essa, eu não machuco Izuku nenhuma vez na vida! - cruzou os braços fingindo estar irritado. 


  Bakugou - Tsk, bom mesmo, cadê aquele nerd, quero falar com ele! - viu o olhar enciumado do bicolor - Coisas do seu casamento meu querido amigo pavê, só estou fazendo meu serviço como melhor padrinho! 


  Kirishima - Eu sou o melhor! - falou convicto - Né? - olhou para Shoto. 


    Sem esperar respostas o loiro subiu, não tinha vergonha nenhuma de estar ali, conversou com o esverdeado, ou tentou, pois o mesmo queria lhe esganar por ter contato para seu sogro, Katsuki apenas respondia que estava exercendo seu poder como padrinho de honra, depois de fugir da morte, explicou que ele já não precisava trabalhar, entregou a licença do pequeno e enfim desceram se juntando com os outros dois. Antes que pudessem apreciar a vista do bicolor apenas de cueca, o mesmo se trocou e enfim todos vestidos. Jantaram juntos, as horas passaram rapidamente. 


  Kirishima - Enfim, viemos aqui falar que SOMOS OFICIALMENTE VIZINHOS! - falou animado - QUER VER A CASA AGORA DEKU? VAMOS VAMOS VAMOS! 


  Midoriya - Kiri, ainda vai ser meu amigo se eu falar que estou cansado? - falou bocejando. 


  Todoroki - Você tá vermelho amor...- olhou preocupado e logo mediu sua febre - Você tá queimando! - falou preocupado. 


  Midoriya - Só preciso dormir um pouquinho, me esforcei muito hoje...


  Bakugou - Nós já vamos, valeu pela janta, não tava tão ruim! - deu uma risada - Cuida dele pavê, pode deixar que a gente fecha a porta quando sair. 


   Os dois se retiraram dali, Eijirou estranhou toda aquela preocupação de seu namorado em Deku, assim que questionou, o loiro pensou antes de falar, não queria sair contando pra todo mundo, mas era seu futuro marido ali, não segurou as palavras. Contou e recebeu um sorriso sincero e animado do ruivo, ficou falando mil coisas e mil planos, ficou orgulhoso, todos sabiam como Shoto e Izuku esperavam por esse momento. 


  Kirishima - Bom, agora é nossa vez de comemorar não é meu amor? - puxou o loiro para si - Aliás, você fez essa casa pra gente, eu te amo tanto....



    Enquanto na outra casa o clima estava quente, Shoto cuidava de seu pequeno, ligou a banheira e deu um banho gelado, a febre passou, talvez não devesse se preocupar tanto, mas não era isso que deu extinto falava. Se deitaram apenas com as partes de baixo, Izuku se aconchegou no peito musculoso em sua frente e começou a pensar. 


  “Eu preciso contar antes que isso piore...” 


  Midoriya - Shoto....- tentou mais uma vez.


   Izuku não obteve resposta, olhou para o rosto do bicolor e sorriu, ele estava dormindo tranquilamente. 


  Midoriya - Talvez amanhã eu conte....

  


Notas Finais


talvez eu possa trazer um mimo chamado ShinKami no próximo cap.......

desculpa se os bagulho de ômega e alfa estiverem errado, finge a tá certo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...