História Afraid Of Letting Go - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Boa noite pessoal, tudo bem com vocês? Espero que sim ><

Essa é a minha primeira fic, sempre tive vontade e até criei algumas outras fic's de Naruto mas nunca tive coragem pra postar, mas agora finalmente resolvi deixar essa insegurança de lado e tentar, e nada melhor do que começar com uma fic do nosso grupo favorito, NU ❤️


•Avisos:

~As imagens não me pertencem, se quiserem usar, fiquem a vontade.
~A história é de minha autoria, então se virem outra, denunciem, plágio é crime.
~Os casais irão se definir com o decorrer do tempo, então posso mudar o enredo.
~Quem quiser fazer a divulgação, agradeço desde já e qualquer dúvida, crítica, ou até mesmo se quiser fazer amizade, podem me chamar, garanto que sou bem legal.

Capítulo 1 - Cap 01- "Cidade dos anjos"


Fanfic / Fanfiction Afraid Of Letting Go - Capítulo 1 - Cap 01- "Cidade dos anjos"

     Aeroporto Internacional de Los Angeles-IALA

                           Cidade de Los Angeles

Eram exatamente quatro horas na capital do mundo do entretenimento, na cidade mais conhecida como "cidade dos anjos", no meio daquela enorme multidão uma garota parecia encantada e perdida com tamanha grandeza onde se encontrava.

Olhava de um lado para outro observando cada traço da sua mais nova cidade, onde seria sua casa pelos próximos três longos anos que passaria ali, estava nervosa mas também feliz por está realizando seu sonho de estudar no tão famoso colégio Now Uniter School, conhecido pelos quatro cantos do mundo, onde só os melhores permaneciam. Os filhos das pessoas mais ricas e importantes estudavam lá, diferente deles, ela não tinha pais importantes ou dinheiro, vivia uma vida simples e normal com sua irmã e mãe em outro país.

Mas o que a levou a uma mudança tão drástica? Simples. Melhores condições de vida e um sonho de um dia poder se tornar uma grande cantora famosa, reconhecida por todos, essa era a motivação de Any Gabrielly, uma brasileira de apenas 16 anos que acabara de conseguir uma bolsa integral para estudar na escola mais famosa do mundo.

A verdade era que seu sonho era poder viajar por todo o mundo com sua família, mas infelizmente a vida não quis assim, desde cedo viu sua mãe trabalhar dia e noite para sustentar ela e sua irmã pequena, aprendeu que a felicidade sempre vinha com um preço, e se fosse esse o preço por poder dar uma vida boa as pessoas que amava, ela não se importava nenhum pouco em pagá-lo. Admitia que já estava com muitas saudades de casa, de suas coisas e amigos, só que entrar em um colégio como aquele era sua oportunidade, talvez única de realizar todos os seus sonhos e mesmo sendo muito nova, já se via em meio a muitas preocupações e responsabilidades, desde que seu pai a abandonou, ela prometeu não deixar mais qualquer homem entrar na sua vida ou em seu coração.

Tão distraída em seus pensamentos nem percebeu quando esbarrou em alguém, preocupada, tratou de se desculpar e ver se a pessoa precisava de ajuda.

- Oh meu Deus, me desculpe moça, eu estava tão distraída que não vi você. - Disse de forma rápida e apressada.

- Sem problemas, acontece sempre comigo também. Yoshihara Hina, prazer em conhecê-la. - Falou estendendo a mão logo em seguida de forma cordial.

Eu não conhecia ninguém em NY, mas com certeza era bom ver alguém mais perdido que eu, quem sabe não viramos amigas?

- Any Gabrielly, prazer em conhecê-la. Você não é daqui né? Desculpa, é que seus traços não enganam. - Disse rindo um pouco e apontando para os olhos puxados da mesma.

- Ah não não, sou do Japão. Mas e você, mora aqui? - Perguntou curiosa.

- Quem dera. Sou do Brasil, vim para cá porque consegui uma bolsa em um colégio interno, sabe como é né, as oportunidades aparecem e você não pode desperdiça-las. - Falei de forma simplista, afinal, não ia dar tantos detalhes da minha vida assim para uma estranha.

- Entendo. Eu preciso ir Any, marquei com minhas amigas aqui e estou atrasada. Prazer novamente e quem sabe não nos encontramos por aí. - Hina falou sorrindo, e eu a achei fofa com aquelas covinhas.

- Espero poder lhe ver de novo Hina - Acenei e me virei em busca do meu destino, precisava chegar ao colégio o quanto antes.

Após a despedida, ela respirou fundo e caminhou até onde ficava a saída, estava mais do que atrasada e com certeza a pensão onde ia ficar nos próximos dias até se estabelecer no colégio era muito longe dali.

AeroportoInternacional de Los Angeles -IALA

                         Cidade de Los Angeles

Observando sua amiga andar de um lado para outro impaciente, Shivani prestava atenção nas pessoas que passavam ali, procurando algum rosto conhecido em meio a multidão. Nada novo, pessoas iam e vinham apressadas rumo aos seus destinos.

Ela havia marcado de se encontrar com uma amiga que não vinha a muito tempo, e pelo visto, ela continuava a mesma, pois estava mais do que atrasada.

Enquanto esperava Hina, sua amiga que vinha do Japão para Los Angeles, aproveitou mais um pouco observando a movimentação ao seu redor, e pensando em como sua vida era mais simples a alguns anos atrás quando não tinha tantas preocupações, vivia com sua mãe em um bairro conhecido da região, Beverly Hills, onde outras pessoas da mais alta sociedade moravam, incluindo alguns amigos e futuros colegas de escola, já que todos almejavam ter uma chance de estudar na escola mais cara e renomada do país. Ela, Sofya e Hina, suas duas melhores amigas iam estudar no colégio Now Uniter School, as três eram melhores amigas desde que se entendiam por gente, mas por causa do trabalho dos pais de ambas, tiveram que se afastar por um período longo ao seu ver.

No início foi difícil se separar de suas melhores amigas, mas prometeram uma para outra sempre estar em contato e assim que pudessem iam se visitar para matar a saudade, como previsto, Hina foi embora com sua família, já que sua mãe tinha acabado a turnê na cidade e agora ia dedicar um tempo a família em seu país de origem, Japão. A mãe dela era uma grande cantora mundialmente famosa que mesmo declarando aposentadoria de sua carreira promissora, era sucesso total em todos os lugares, com milhões de fãs, por todo o mundo, já seu pai, era empresário de sua mãe e acompanhava de perto sua carreira.

Por outro lado, Sofya Plotnikova, a mais nova dentre as três, era a filha caçula da grande bailarina Lara Plotnikova, conhecida e aclamada por todo o país, o sonho de Sofya era ser como a mãe, e poder fazer aquilo que ele mais amava, o balé. Ambas tinham personalidades muito diferentes, mas um laço inquebrável as unia, para Shivani elas eram suas irmãs, já que nunca teve nenhuma.

Eu por outro lado não tenho uma mãe cantora ou bailarina, minha mãe é psicóloga e sempre cuidou de mim sozinha, trabalhou muito e conseguiu tudo que temos hoje, me espelhava muito nessa independência e determinação dela, por isso eu buscava sempre dar orgulho para a mesma e um dia abrir meu próprio consultório. Sou uma menina de aparência simples mas que acaba chamando atenção mesmo sem querer por ser filha da melhor psicóloga do país, mas, procuro sempre evitar isso, acho desnecessário essa repercussão toda. Não gosto muito de falar de mim mesma, pois acho que não tenho tantas qualidades assim como as garotas da minha idade, não sou tão bonita assim ou faço algo de extraordinário, por isso sempre evito se expor, prefiro a simplicidade e a natureza como refúgio. Mesmo sendo filha de quem sou e estando sempre em constante contato com os mais diversos tipos de pessoas da alta classe social, busco não perder minha essência e simplicidade, acho fundamental para se ter uma vida mais leve e feliz.

Fui interrompida de meus pensamentos pelo barulho de vozes estridentes e rapidamente procurei para ver o que era, foi quando avistei uma multidão de pessoas ao redor do que parecia ser o filho do jogador mais famoso do país e o menino mais arrogante que já havia conhecido, Bailey May, famoso por sempre pegar as garotas mais bonitas da escola, estava ao lado de sua atual namorada, Joalin Beauchamp, uma loira de olhos incrivelmente azuis e a maior patricinha da escola, os dois estavam juntos a cerca de um mês e os boatos que corriam eram que o namoro era por mero status, não que ela estivesse surpresa com isso vindo daqueles dois, mas, não entendia como podiam ficar com alguém por interesse, seu sonho era um dia poder se formar e viajar pelo mundo, sem tempo para coisas consideradas inúteis ao seu ponto de vista.

- Shivani, ei Shiv, eu tô falando com você - Sentiu alguém puxando de leve seu braço e foi quando se deu conta que estava parada no meio do aeroporto.

- O que você disse? Eu acabei me distraindo, esse lugar tem muita gente - Falou ajeitando seu casaco ao corpo, fazia muito frio aquela época do ano.

- Percebi que você estava olhando pro bonitão ao lado daquela megera da Joalin, não entendo como ele ainda não morreu sufocado com o veneno dela - Sofya falava enquanto olhava o casal do outro lado em meio ao que parecia ser uma discussão.

- Isso não é da nossa conta. Onde está a Hina? Será que ela se perdeu? - De repente fiquei preocupada, Hina era muito inocente e distraída como eu, não me admiraria se tivesse se perdido no caminho.

- Vou ligar pra ela de novo - Falou tirando o seu celular da bolsa

Enquanto isso eu observei mais uma vez o lugar, quando acabei vendo algo muito inusitado, nossa amiga vinha com umas quatro malas tentando puxar todas, e acabou esbarrando em um rapaz, que pelo visto a ignorou total e saiu sem nem oferecer ajuda, que mal educado. Com a correria louca daqui o que mais vemos é cenas assim todos os dias, pessoas que não dão a mínima se você está bem ou não, elas simplesmente se importam com eles próprios, preocupada corri até ela para ver se estava tudo bem.

- Ei Hina, está tudo bem? Vimos quando caiu - Sofya pontuou enquanto eu pegava duas de suas malas

- Sim, eu acabei esbarrando em um menino e cai, acredita que ele nem ao menos pediu desculpa?. Okay que eu também não o vi, mas não custava nada - Ela começou a resmungar baixinho e não pude deixar de me sentir nostálgica.

Mesmo com todo o caos ao nosso redor, eu me sentia bem e completa finalmente, ao lado delas tudo se resumia a isso, alegria sempre, e eu estava feliz por agora poder ficar pra sempre com as duas, já que íamos estudar juntas e morar perto novamente.

- Esquece isso Hina. Sabe o que eu estava pensando? Faz tanto tempo que não nos vemos, estava com saudades de você amiga. - Ela nem ao menos esperou eu terminar de falar e correu pra me abraçar, puxando Sofya também.

E ali no meio de tantas pessoas desconhecidas e alheias a cena que ocorria, eu, ao lado das duas melhores pessoas do mundo inteiro, senti que estava pronta pra encarar todos os obstáculos que pudessem aparecer no meu caminho.

Aeroporto internacional de Los Angeles - IALA

                     Cidade de Los Angeles

Eu já estava de saco cheio da Joalin me enchendo, se eu soubesse que seria assim eu não teria vindo, agora estou aqui no meio do aeroporto feito um idiota ouvindo suas reclamações sobre como eu sou um péssimo namorado. O fato era que eu e ela estávamos juntos a um mês, e eu já estava cansado, se não fosse pelo status que ela me trazia, já teria terminado.

- Você tá me ouvindo Bailey? - Gritou furiosa

- Estou Joalin, na próxima ficamos e fazemos aquela entrevista estúpida como você queria - A verdade é que o combinado era pegar o irmão dela aqui no aeroporto e ir embora, mas não, ela tem que fazer mais um dos seus shows.

- Vamos conversar sobre isso depois, agora o meu irmão vem aí - Falou apontando na direção onde Josh vinha.

Nos conhecemos em uma viagem de férias que eu fiz, meus pais e os deles eram próximos, e acabei ficando amigo do Josh, ele era um cara talentoso e super engraçado, diferente da sua irmã, que não parecia nem ser sua gêmea, ela só se importava com suas bolsas de grifes e dar entrevistas para portais de fofoca. Nunca vi tamanha futilidade em uma única pessoa, mas vocês devem estar se perguntando: " Ah Bailey então por quê ainda está com ela?, por mero capricho e status, sua família era importante e meu pai simplesmente a achava a garota perfeita para mim, então, eu como bom filho que sou, não ia fazer isso com meu pai.

Eu não tinha uma boa relação com ele já que o menso vinha ocupado por causa de sua carreira como jogador, eu sentia falta de momentos pai e filho com ele, aos poucos aprendi que as aparências enganam, e minha família não passava de uma fachada, onde eu era apenas mais um de seis peões em seu jogo estúpido de ganhar fama e poder. Mesmo com tudo isso, eu sonhava em ser jogador como ele e um dia mostrar que poderei chegar onde ele conseguiu e assim, finalmente ele irá me dá valor.

Morávamos em uma enorme mansão no melhor bairro de todos, eu tinha os melhores carros e frequentava os mais refinados lugares, mas ainda assim me sentia infeliz, pensei que se ocupasse minha mente com outras coisas aliviaria, então entrei pro time da escola, e hoje sou o capitão do time de futebol, treino duro todos os dias e mesmo assim ainda não me acho o melhor.

Tentei afastar esses pensamentos tristes da minha cabeça, estava cansado, mas feliz por ver um rosto conhecido e alguém que era como uma irmão pra mim.

- E ai cara, tudo bem? - Josh disse enquanto abraçava a irmã, observando assim, eles se pareciam bastante, mas só fisicamente mesmo. 

- O mesmo de sempre, ando jogando muito, só isso - Senti que ele não acreditou na minha desculpa, mas prefirou não perguntar mais nada - Como anda as gatinhas? - Sorri ao lembrar que ele era o maior pegador.

- Bailey - A loira ao meu lado brigou comigo, ah cara ela simplesmente gostava de arrumar motivos para brigar, parecia estérica.

- Você sabe como é né, cada dia uma nova pro papai aqui - Sorriu ladino.

- Precisamos sair e relembrar os velhos tempos - Sugeri e senti que a Joalin me olhou como se eu fosse algum tipo de louco.

- O quê? Lógico que não Bay - odiava aquele apelido estúpido que ela me chamava - Você agora namora, e essas festas só tem gentinha.

Que absurdo, ela era louca se achava que eu não ia sair com meu amigo e beber umas. Já era tradição, eu, Josh e mais uns amigos nossos saíamos sempre pra beber em um barzinho e jogar conversa fora, sentia falta desses momentos, principalmente porque tendo a Joalin como namorada o mais próximo de uma bar que eu cheguei foi quando sai escondido uma vez.

- Falamos disso depois Jo, agora vamos pra casa, tô cansado - Dei as costas e sai o mais depressa dali, não estava preparado pra mais uma cena daquelas em um único dia.

          Central City East - LA

Central City East ou simplesmente Skid Row, era o bairro mais pobre de toda Califórnia, com uma população de quase cinco milhões de pessoas sendo metade sem-tetos e viciados, era a região menos valorizada do país, conhecida pelo alto índice de crimes e como a "boca do tráfico", gerando medo por meio do restante da população que se obrigava a viver ali, entre o certo e o incerto, como a escória da sociedade, não tinham opções, e não os julgava, afinal, ela vivia isso na pele, e entendia a dura realidade daquelas pessoas injustiçadas.

Aos poucos foi obrigada a ver que ninguém liga para você, se está bem ou não, esse era o mundo, e ela tinha que viver com isso. Onde vivia não tinha nada de especial, desde a uma escola ou um simples mercado, era um lugar esquecido por aqueles que tinham o poder nas mãos, a casa dia que passava a situação piorava, mais pessoas ficavam viciadas, outras morriam, e essa dura realidade lhe causava uma mistura de raiva e importância, queria fazer mais por eles, ali vivia crianças e famílias que sonhavam um dia poder ter um futuro melhor e digno, mas a raiva por saber que isso não ia mudar tão cedo, já que ninguém se importava com aquelas pessoas.

Essa é minha vida, e eu, bem, não tenho nada de especial como as garotas da minha idade, me chamo Heyoon, tenho 17 anos e moro com meu pai, já que minha mãe morreu há dois anos, moramos nessa linha de fogo porque meu pai acabou perdendo o emprego e com muitas dividas de jogos, perdemos tudo, ou o pouco que ainda tínhamos, ele ficou destruído quando mamãe morreu e se afundou entre o álcool as drogas, eu faço o que posso por ele, mas é difícil vê o homem que se tornou, o pai que antes vivia pela família, hoje deixa a filha sustentar a casa enquanto se afoga nas drogas.

Minha vida não é fácil assim como a de outras pessoas, não tenho nada de anormal a não ser minha vontade de ter uma vida melhor, trabalho em uma lanchonete em um bairro nobre, tive que largar os estudos muito nova pois com a doença da minha mãe e a falta de emprego do meu pai, não tivemos outra opção a não ser nos mudarmos, e como aqui não tem escolas, não tive outra opção.

Eu estava sentada na minha cama com uma carta que podia mudar todo o percurso da minha vida, um simples papel como esse pode me fazer mudar de vida e realizar meus sonhos. Eu tinha feito uma audição para entrar em um dos colégios mais conhecidos de Los Angeles, no começo eu tentei pois acreditava que se passasse tudo mudaria, eu poderia tirar meu pai dessa vida, das drogas e terminar meus estudos. Mas agora com a carta em mãos tudo parece ser tão incerto, e se eu não tiver passado?. Lógico que não iam me aceitar, só os filhinhos de papai estudam lá, os mais ricos e poderosos de toda Califórnia, seria cômico e impossível uma pessoa como eu, sem nem ao menos um ensino fundamental completo entrar em uma escola assim.

- Arremessei a carta longe enquanto fui em direção a porta, mais um dia de trabalho me esperava, eu não podia me dar ao luxo de sonhar acordada.

Sai apressada do quarto, enquanto vi meu pai deitado no sofá, com uma garrafa de bebida do lado, parei e sem querer senti uma lágrima cair na minha bochecha, não mereciamos isso, ele não merecia passar por tudo aquilo, eu precisava mudar a situação em que se encontravam de um jeito ou de outro.


Notas Finais


Espero que gostem, e deixem comentários, prometo responder todos, qualquer crítica é muito bem vinda, isso me ajudará muito a evoluir como autora e pessoa.
Até uma próxima ><


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...