História After - Jikook. - Capítulo 36


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook
Visualizações 216
Palavras 1.074
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Saga, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Chega de papo né

BOA LEITURA

Capítulo 36 - Capítulo 36


“O que você está fazendo aqui?”, pergunto a Jungkook, apesar de não querer ouvir a resposta, principalmente na frente de Taehyung.

“O que você acha? Você saiu de fininho enquanto eu dormia… O que foi aquilo?!”, ele esbraveja. Prendo a respiração ao ouvir sua voz ecoar pelas paredes. O rosto de Taehyung se contorce de raiva, e percebo que ele está começando a montar as peças do quebra-cabeça. Eu me sinto dividido entre a necessidade de contar a Taehyung o que está acontecendo e a de explicar a Jungkook por que fui embora. “Responde!”, Jungkook berra, ficando bem na minha frente. Fico surpreso quando Taehyung se coloca entre nós.

“Não grita com ele!”, ele diz.

Fico paralisado quando o rosto de Jungkook se contorce de raiva. Por que ele está tão bravo? Ontem à noite estava tirando sarro da minha falta de experiência e teria me enxotado de lá hoje de manhã de qualquer forma. Preciso dizer algo antes que a coisa desande de vez.

“Jungkook… por favor, não faz isso agora”, imploro. Se ele for embora, posso tentar explicar a Taehyung o que está acontecendo.

“Isso o quê, Park?”, Jungkook pergunta, afastando-se de Taehyung. Espero que Taehyung mantenha distância dele. Duvido que Jungkook pense duas vezes antes de partir para a briga. Taehyung está em boa forma por causa do futebol, principalmente levando em conta a magreza de Jungkook, mas não tenho dúvidas de que Jungkook se garante. O que está acontecendo com a minha vida? Por que preciso me preocupar com uma briga entre Taehyung e Jungkook?

“Jungkook, vai embora, por favor, conversamos mais tarde”, peço, tentando amenizar a situação. Mas Taehyung balança a cabeça em um gesto negativo. 

“Conversar sobre o quê? O que está acontecendo, Jimin?” Ai, Deus.

“Conta para ele. Vai em frente, conta”, provoca Jungkook.

Não acredito que ele está fazendo isso. Sei que pode ser bem maldoso quando quer, mas isso rebaixa a coisa a um nível totalmente diferente.

“Contar o quê, Jimin?”, questiona Taehyung, e sua postura agressiva em relação a Jungkook se desfaz um pouco quando ele se volta para mim.

“Nada, só o que você já sabe, que passei a noite na casa do Jungkook e do Jin”, minto. Tento encarar Jungkook na esperança de que se cale, mas ele desvia imediatamente o olhar.

“Conta para ele, Park, ou então conto eu”, Jungkook diz com um grunhido. Está tudo perdido. Sei que não adianta mais tentar esconder, e começo a chorar. Mas quero que Taehyung ouça tudo da minha boca, e não do cretino arrogante que puxou o assunto. Eu me sinto muito mal, mas não por minha causa, e sim por Taehyung. Ele não merece isso, e estou envergonhado pela maneira como o tratei e pelas confissões que vou ser forçado a fazer na frente de Jungkook.

 “Taehyung… Eu… Eu e Jungkook… A gente…”, começo.

“Ah, meu Deus”, Taehyung murmura, e seus olhos se enchem de lágrimas. Como eu pude fazer isso com ele? O que estava pensando? Taehyung é uma pessoa boa, e Jungkook consegue ser cruel a ponto de me obrigar a partir seu coração e ainda ficar por perto para assistir à cena. Taehyung leva as mãos à testa e balança a cabeça. 

“Como pôde fazer isso, Jimin? Depois de tudo por que passamos? Quando foi que isso começou?” Lágrimas escorrem de seus olhos. Nunca me senti tão mal na vida — a causa das lágrimas sou eu. Olho para Jungkook, e meu ódio por ele me consome com tamanha força que dou um empurrão nele em vez de responder à pergunta de Taehyung. Pego de surpresa.

“Taehyung, desculpa. Não sei onde estava com a cabeça.” Vou correndo até meu namorado e tento abraçá-lo, mas ele recusa meu toque. E com toda a razão. Sendo bem sincero, não tenho sido um bom namoradao faz tempo. Não sei o que estava pensando. Provavelmente alguma coisa idiota, como Jungkook se tornar uma pessoa decente e virar meu namorado depois que eu terminasse com Taehyung… Eu não podia ser mais idiota. Ou então pensei que conseguiria manter distância de Jungkook, e assim Taehyung jamais ficaria sabendo o que aconteceu. O problema é que não consigo ficar longe de Jungkook. Sou como uma mariposa atraída pela luz, e ele sempre faz questão de me queimar. Ambas as ideias eram cretinas e ingênuas, mas não consigo fazer uma escolha certa desde que conheci Jungkook.

“Também não sei onde você estava com a cabeça”, responde Taehyung, com um olhar de lamento e mágoa estampado nos olhos. “Acho que nem sei mais quem é você.”

Depois de dizer isso, ele sai do meu quarto. E da minha vida.

“Taehyung, por favor! Espera!”, grito, e saio atrás dele, mas Jungkook me pega pelo braço e tenta me segurar.

“Não encosta em mim! Você é inacreditável! Isso foi muito baixo, Jungkook, até mesmo para você”, digo aos gritos e livro meu braço de seu toque. Dou mais um empurrão nele, com força. Eu nunca tinha atacado ninguém na minha vida antes, e isso me faz odiá-lo ainda mais.

“Se você for atrás dele, eu desisto”, ele diz, deixando-me boquiaberta.

“Você desiste? Desiste do quê, porra? De brincar com meus sentimentos? Odeio você!” Como ele não merece nem minha raiva, eu me acalmo e acrescento em um tom mais controlado: “Você não tem como desistir de uma coisa que nunca começou”.

Ele deixa as mãos caírem ao lado do corpo e abre a boca, mas não diz nada.

“Tae!”, grito, e saio correndo porta afora. Percorro às pressas o corredor e chego ao gramado, mas só consigo alcançá-lo já no estacionamento. Ele acelera o passo.

“Taehyung, por favor, me escuta. Lamento muito, muito mesmo. Eu bebi. Sei que isso não serve como desculpa, mas…” Eu me interrompo para enxugar as lágrimas, e a expressão dele se atenua.

“Não quero mais ouvir você…”, ele diz. Seus olhos estão vermelhos. Tento segurar sua mão, mas ele a afasta de mim.

“Taehyung, por favor, desculpa. Me perdoa. Por favor.” Não posso perdê-lo. Simplesmente não posso.

Ele abre a porta do carro, passa a mão pelos cabelos bem penteados e se vira para mim. 

“Preciso de um tempo, Jimin. No momento nem sei mais o que pensar.”

Solto um suspiro e admito minha derrota, sem saber o que dizer. Ele só precisa de um tempo para superar tudo isso, então tudo vai voltar ao normal. Ele só precisa de um tempo, fico repetindo para mim mesmo.

“Eu te amo, Jimin”, Taehyung diz, e me pega de surpresa com um beijo na testa antes de entrar no carro e ir embora.


Notas Finais


Aí cansei
Kskskskksksk
Não sei se posto hoje.
Vou pensar.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...