1. Spirit Fanfics >
  2. After 2 >
  3. She Is Mine!

História After 2 - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


-- Olá a todos! Como estão? Bem? Esperamos que sim.

-- Mais um capítulo! Boa leitura, qualquer erro avisem e consertamos depois!!

-- Lembrem-se de votar, comentar e compartilhar se estiverem gostando!

Capítulo 8 - She Is Mine!


Fanfic / Fanfiction After 2 - Capítulo 8 - She Is Mine!

Quando chego ao meu carro, não choro como achei que ia chorar. Apenas me sento e olho pela janela. A neve se prende no pára-brisas, me cobrindo dentro do espaço do meu carro. Não acredito que a Lisa chegou enquanto eu estava lá, eu esperava não ver ela. No entanto ajudou, não na dor, mas na situação em geral. Ao menos agora posso tentar seguir em frente deste tempo desastroso da minha vida. Quero acreditar nela e que ela me ama, mas entrei nesta situação por acreditar nela. Ela pode estar agindo desta forma porque sabe que não tem mais controle sobre mim. Mesmo que ela me ame, o que é que isso ia mudar? Não ia apagar tudo o que ela fez, não ia apagar as piadas, a terrível conversa sobre tudo o que fizemos ou as mentiras.

Eu queria poder pagar o apartamento, eu ficaria lá e faria a Lisa sair. Não quero voltar para os dormitórios e ter uma nova colega de quarto, não quero um chuveiro de comunidade. A mulher que veio ver o apartamento vai adorá-lo, e estou feliz por ela. Tento dizer a mim mesma. Ela olhou para mim como se eu estivesse maluca quando passei por ela no corredor, mas não me importo. Eu sei que a Lisa não pode fazer qualquer decisão oficial sobre o apartamento sem a minha permissão, porque o meu nome está no contrato, mas não tenho escolha senão concordar com o que ela decidir. Não posso viver lá à minha custa e mais certamente, não posso viver lá com a Lisa. Porque ela teve que estragar tudo? Podíamos estar agora dentro do apartamento, deitados no sofá ou nos beijando no quarto. Mas em vez disso, estou no meu carro sozinha, e sem lugar para onde ir.

Fico feliz porque a Lisa não me seguiu, mas me sinto um pouco culpada por dizer que o Jimin estava comigo, eu sei que magoou ela, mesmo que ela não me ame da forma que diz. Ao menos magoa o ego dela.

Quando finalmente ligo o meu carro, as minhas mãos estão congeladas. Não podia ser uma mendiga no verão? Me sinto como a Catherine outra vez, apenas não a minha usual Catherine do Wuthering Heights. Desta vez, a Catherine do Northanger Abbey é quem eu estou relacionada, chocada e forçada a fazer uma longa viagem sozinha. Concedido, não vou fazer uma viagem de setenta milhas, mas ainda assim, sinto a dor dela. Não consigo decidir quem a Lisa é desta vez. Por um lado, ela é como o Henry, inteligente e graciosa com um conhecimento de romances tão bom como o meu. No entanto, o Henry é muito mais amável que a Lisa, e é ai que a Lisa é mais como o John, arrogante e rude.

Quando dirijo para a cidade, sem lugar para ir, percebo que as palavras da Lisa tiveram um maior impacto em mim do que aquilo que eu queria admitir. Ela me pedindo para ficar quase pôs os pedaços juntos, apenas para quebra-los novamente. Tenho certeza que ela só queria que eu ficasse para provar que conseguia. O meu telefone não tocou desde que saí de lá à quinze minutos e não consigo decidir como me sinto sobre isso.

Me encontro a um quarteirão de Vance, são apenas cinco da tarde. Não quero tirar vantagem da Sanha para lhe pedir para ficar na casa do Heechul novamente. Eu sei que ele não ia se importar, mas não é justo colocar a familia da Lisa no meio disto, e honestamente, aquela casa tem muitas memórias. Não ia aguentar. Passo por uma rua cheia de hotéis e entro em um dos hotéis que parece melhor e paro o meu carro. Nunca fiquei em um hotel antes, mas não tenho outra opção agora.

Encontro o sinal piscando vermelho que diz "escritório" e corro para dentro. O homem baixo atrás do balcão parece amigável o suficiente quando sorri para mim e pede a minha carteira de motorista. Arrumar um quarto de hotel é muito mais fácil do que eu pensei que fosse ser, um pouco caro, mas não quero ficar em um hotel barato e arriscar a minha segurança. Ele me dá um cartão-chave e sorri.

"Vá pela calçada e vire à esquerda." ele diz. Estou feliz que este hotel tem os quartos no exterior, assim posso ir e vir em paz.

Agradeço-lhe e volto para o frio. Movo o meu carro para o lugar perto do meu quarto para não ter que carregar as minhas malas. É nisto que me tornei por causa dela, estou ficando em um hotel, sozinha com os meus pertences arrumados em malas. Estava muito frenética à pouco para sequer as dobrar, por isso nem quero imaginar como é que as minhas roupas estão agora. Pego nas minhas malas e tranco o meu carro, o meu carro é uma coisa velha comparado com o BMW parado ao lado. Assim que penso que o meu dia não podia ficar pior, perco o aperto em uma das minhas malas e deixo-a cair na calçada com neve. As minhas roupas e alguns livros caem da mala. Estou com medo de ver quais são os livros, acho que não aguento que as minhas propriedades favoritas sejam arruinadas comigo, não hoje.

"Me deixe ajudá-la senhora." a voz de um homem diz e as mãos dele baixam-se para me ajudar.

"Rosé?" ele diz quando olho para cima para ver olhos azuis. Sanha.

"Sanha?" digo mesmo que saiba que é ele.

"O que faz aqui?" pergunto e olho em volta.

"Eu ia te perguntar a mesma coisa." ele sorri.

"Bem.. eu.." coloco o meu lábio inferior entre os dentes.

"O encanamento estragou em minha casa, por isso aqui estou eu." ele me salva de eu me explicar. Fico agradecida.

"Oh, isso não parece divertido." digo.

Ele me estende uma cópia molhada de Wuthering Heights e eu mordo a minha bochecha para não gritar.

"Wuthering Heights?" ele levanta a sua sobrancelha.

"Pega.. este está mau." ele me estende o Pride and Prejudice. O universo está jogando um jogo doentio comigo.

"De alguma forma eu sabia que gostava dos clássicos." ele me diz com um sorriso amigável.

Ele pega as malas para mim e eu agradeço antes de deslizar o cartão-chave e abrir a porta. O quarto está um gelo, por isso vou imediatamente ligar o aquecedor.

"Devia pensar que com o quanto que eles cobram aqui, eles não se preocupam com a conta de luz." o Sanha diz e coloca as malas no chão.

Sorriu e balanço a cabeça em concordância.

Pego nas roupas que caíram na neve e coloco-as em cima do aquecedor. O Sanha deve estar ficando aqui porque é tão perto de Vance.

"O teu apartamento é perto?" pergunto para quebrar o silêncio. Surpreendentemente o suficiente, não é um silêncio desconfortável.

"Casa. Mas sim, é apenas a uma milha daqui. Gosto de estar perto do trabalho, assim sei que não me atraso." ele sorri.

"Essa é uma boa ideia." concordo. Isso soa como algo que eu faria. Ele parece tão diferente em roupas casuais. Só vi ele em ternos e agora ele está usando calças confortáveis azuis e um moletom vermelho, o cabelo dele está despenteado onde, normalmente está perfeitamente arrumado.

"Também acho. Então está sozinha?" ele pergunta e olha para o chão, obviamente curioso e desconfortável.

"Sim, estou sozinha." digo isto em mais formas do que ele sabe.

"Não quero ser intrometido, estava só perguntando porque a tua namorada não parece gostar muito de mim." ele meio que ri e tira o seu cabelo preto da testa.

"Oh, a Lisa não gosta de ninguém. Não leve isso para o lado pessoal. E ela não é minha namorada." digo e pego nas minhas unhas.

"Oh, desculpa. Pensei que ela era."

"Ela era, mais ou menos." ela era sequer minha namorada? Ela disse que era, mas depois outra vez a Lisa disse muitas coisas.

"Oh, desculpa outra vez. Eu só continuo dizendo as coisas erradas." ele ri.

"Está tudo bem. Não me importo." digo e desfaço o resto das minhas malas.

"Quer que eu vá? Não quero incomodar." o tom dele é genuíno.

"Não, pode ficar. Se quiser claro. Não tem que ficar." digo rápido demais. O que há de errado comigo?

"Está decidido então, vou ficar." ele diz e se senta em uma cadeira perto da mesa no espaçoso quarto.

"Então, está gostando de Vance até agora?" ele pergunta, os dedos dele traçando padrões na mesa de madeira.

"Adoro, é muito melhor do que eu esperava. É, literalmente, o meu trabalho dos sonhos, espero ser contratada depois de me formar."

"Oh, acho que vai ser oferecido um trabalho bem antes disso. O Soobin gosta muito de você, aquele manuscrito que entregou  semana passada foi tudo o que ouvi no almoço outro dia. Ele diz que tem um bom olho e vindo dele, isso é um grande elogio."

"Sério? Ele disse isso?" não consigo evitar não sorrir.

"Sim, porque ele haveria de te convidar para a conferência? Apenas nós quatro vamos, ele te escolheu em vez de todos os empregados."

"Nós quatro?" pergunto.

"Sim, eu, você, o Soobin e a Moonbyul."

"Oh, não sabia que a Moonbyul vinha." espero desesperadamente que o Soobin não tenha me convidado só porque se sente obrigado devido à minha relação com a Lisa, a filha do seu melhor amigo.

"Não conseguiríamos passar uma semana sem ela." o Sanha brinca.

"Porque você vai?" pergunto e depois me bato, mentalmente.

"Quer dizer, porque vai, trabalha em finanças certo?" me explico.

"Não, eu entendo, vocês leitores de livros não precisam da calculadora humana por perto." ele rola os olhos e eu riu, riu mesmo pelo que parece a primeira vez em anos.

"Ele irá abrir uma segunda editora em Seattle nos próximos meses, e vamos conhecer um potencial investidor. Também, vamos observar alguns locais enquanto estivermos lá, por isso ele precisa ter certeza que fez um bom negócio."

"Também está dentro de bens imóveis?" pergunto e me sento na cama. O quarto está finalmente quente por isso tiro os sapatos.

"Não, não de todo, mas sou bom com números." ele se gaba e eu sorriu novamente.

"Vamos nos divertir no entanto. Seattle é uma cidade linda. Já esteve lá?" ele pergunta.

"Sim, Seattle é a minha cidade favorita. Não que eu tenha muito por onde escolher." digo.

"Nem eu, sou de Ohio, por isso não vi muito. Comparado com Ohio, Seattle é Nova York."

"O que te fez vir para Washington?" me encontro genuinamente interessada em saber mais.

"Bem, a minha mãe faleceu no meu último ano do liceu, por isso eu tinha que ir. Eu sabia que não queria viver naquela pequena cidade para sempre, há muito mais para ver. Sabe? Por isso lhe prometi mesmo antes de ela morrer que eu não ia morrer naquela cidade medonha. O dia em que fui aceito na WSU foi o melhor e o pior dia da minha vida."

"Pior?"

"Ela morreu nesse mesmo dia. Irônico não é?" ele sorri. A forma como apenas metade da boca dele se levanta quando ele sorri é adorável.

"Lamento."

"Não, não lamente. Ela era uma daquelas pessoas que não pertencia aqui, com os outros, ela era boa demais, sabe? Tivemos mais tempo com ela do que merecíamos e eu não mudaria uma coisa." ele diz.

"Vai ficar aqui para sempre?" ele pergunta.

"Não, eu sempre quis morar em Seattle, mas ultimamente tenho pensado em ainda mais longe." admito.

"Você deveria, deveria viajar e ver tudo o que conseguir. Uma mulher como você não devia ser mantida em uma caixa." ele diz e eu sorriu novamente.

"Desculpa.. só quero dizer que pode fazer muito mais." o homem de olhos azuis diz.

Algo na forma como ele me chamou de mulher me faz feliz, com a Lisa sempre me senti como uma criança, porque ele me trata como uma. O Sanha é apenas um amigo, um novo amigo, e estou mesmo gostando da companhia dele neste dia terrível.

"Já jantou?" pergunto.

"Não, ainda não. Estava pensando em encomendar ou não encomendar uma pizza, para não ter que voltar para aquele nevão." ele ri.

"Podíamos dividir uma?" ofereço.

"Combinado." ele dá um grande sorriso.

-xXx-

Lisa POV

"Se ela aparecer aqui é melhor me ligar." resmungo para o meu pai quando ele fica na porta.

"Ela não vai vir aqui Lisa, ela sabe que você vai encontrar ela." o meu pai diz e luto com a necessidade de lhe enfiar os dentes pela garganta.

"Bem, não sei mais onde é que ela possa estar!" grito e envolvo os meus dedos pelo meu cabelo.

Hesito quando os nós dos meus dedos se esforçam. Os cortes estão mais profundos que o normal desta vez. Bater na parede de tijolo do apartamento fez mais estragos nas minhas mãos do que eu pensei que fosse fazer. Não é nada comparado com o que sinto por dentro. Nunca soube que este tipo de dor existia, é muito pior do que qualquer dor física que eu possa causar a mim mesmo. 

"Filha, acho mesmo que devia pensar em lhe dar algum espaço." ele me diz.

Que porra é que ele pensa que é?

"Espaço? Ela não precisa de espaço! Ela precisa voltar para casa." grito. A vizinha velha se vira para olhar para nós e eu levanto os braços para ela.

"Não seja rude com os meus vizinhos." o meu pai me avisa.

"Então diz aos seus vizinhos para se meterem na vida deles!" grito, alto o suficiente para a mulher de cabelo grisalho me ouvir.

"Adeus Lisa." ele diz e fecha a porta com um suspiro.

"Foda-se!" grito para mim e ando para trás e para a frente na varanda antes de voltar para o carro.

Onde diabos ela está? Chateada como estou, estou preocupada como o inferno com ela. Ela está sozinha ou com medo? Conhecendo a Chaeyoung, ela não está com medo, ela está provavelmente pensando nas razões porque me odeia. Na realidade, ela está provavelmente escrevêndo-as. As estúpidas listas delas costumavam me deixar maluca, mas agora anseio para ver ela rabiscar as coisas mais irrelevantes, a necessidade dela de controlar tudo em pleno andamento. Eu daria tudo para a ver a forma como ela ia mastigar o seu lábio inferior e como um franzir de sobrancelhas adorável ia tomar conta da cara adorável dela, mais uma vez. Agora que ela está com o Jimin e com a mãe dela, a pequena chance que eu pensei que tinha, se foi. Assim que ela se lembrar que ele é melhor para ela que eu, ela vai ser dele novamente. Preciso que ela seja minha, só minha. Não dou a mínima para o que tenha que fazer ao Jimin para o tirar do caminho, ela é minha.

Ligo para ela novamente, mas o telefone dela vai direito para o voicemail pela trigésima vez. Puta que pariu, sou tão idiota porra. Depois de dirigir durante uma hora até cada biblioteca, cada livraria, decido voltar para o apartamento. Talvez ela vá aparecer? Eu sei que ela não vai, mas e se ela aparecer? Preciso limpar a grande confusão que fiz, e comprar alguns pratos novos para substituir os que atirei contra a parede, só no caso de ela voltar para casa.


Notas Finais


primeira vez que vocês vêem a visão da Lisa em After!

vou shippar a Rosie-Unnie com o Sanha agora ✌️😗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...