1. Spirit Fanfics >
  2. After All This Time? - Tomarry >
  3. Bloqueado

História After All This Time? - Tomarry - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Não tive tempo de revisar. Perdão por qualquer erro.

Capítulo 5 - Bloqueado


Capítulo 4 | Bloqueado 



4


Tom Riddle era o sinônimo de admiração e medo em Hogwarts. Todos sabiam quem ele era e, os que não sabiam, logo eram informados. Quintanista da Sonserina, um verdadeiro prodígio, tirava as melhores notas e ainda era lindo de morrer.

Olhando o ambiente, Tom não encontrou o garoto de olhos esmeraldas. Era horário do almoço, mas, estranhamente, Harry não apareceu em momento algum. Deixando Riddle frustrado. Não que ele admitisse isso. Quando o relógio bateu 13 horas, ele desistiu de procurar o moreno com os olhos. Esperava que o mesmo não estivesse fazendo nada estúpido.

O garoto de olhos azulados tomou um susto ao perceber que ele - Tom Riddle, o quintanista sonserino modelo, prodígio, lindo de morrer - estava preocupado com um novato. Mas logo a sua mente o corrigiu. Harry Peverell não era somente um novato, ele era seu companheiro de alma mas ainda não tinha percebido.

E essa era outra coisa que Riddle não conseguia entender. Companheirismo de alma era uma magia forte, que une duas vidas de um modo tão intenso que nenhum livro foi capaz de explicar. Tom, ao colocar seus olhos sobre aquelas orbes verdes, tinha certeza que Harry nasceu para ser seu. Porém, Harry não demonstrou ter percebido nada em relação à ligação dos dois e aquilo, sem dúvidas, era completamente ilógico.


(...)


Harry espirrou ao sentir a foligem e poeira por seu corpo. Definitivamente, ele odiava viajar via pó-de-flúr. Ele sempre se sentia como se tivesse rodado mil vezes em um daqueles brinquedos de parques de diversão trouxas. Olhando ao redor, ele se viu dentro de uma loja próxima a Gringotts, onde permitia a passagem de bruxos menores de idade e gestantes que não podiam aparatar até o Beco Diagonal.

Harry sacudiu a foligem e poeira de sua roupa e saiu do estabelecimento. Andou pelas ruas movimentadas e quase chorou ao ver uma coruja branca feito neve, exatamente igual a Edwiges. Como não tinha tempo de comprá-la, pediu para o bruxo, dono do local, reservar a coruja a ele e deu uma quantia de dinheiro como garantia. Voltou ao seu caminho até o maravilhoso Banco Gringotts.

Harry passou pelos duendes e acenou em cumprimento. Naquela altura de sua vida, Harry já sabia que aqueles seres apreciavam bruxos educados que não os tratavam como criaturas inferiores - quem não gostaria dessa atitude, não é mesmo? Os duendes não eram diferentes.

Potter sempre teve o cuidado de não magoar intencionalmente ninguém e nem causar mal entendidos - mesmo que em momentos de muito ódio, ele se descontrole às vezes -, ele tinha 17 anos mas estava em um corpo de 15, que mais parecia 13 pela sua estatura. Harry chegou a conclusão que a viagem no tempo alterou o seu corpo também. 

- Bom dia, Senhor... - leu o crachá - Lutks, gostaria de fazer um teste de herança. Tenho horário marcado pelos Senhores Malfoy.

Esse era um outro contratempo, os Malfoy não puderam ir como tinha dito em sua carta. Lamentaram muito mas, ao que parece, havia surgido algum problema no trabalho. Harry não se abalou, ele não queria dar trabalho àquelas pessoas mesmo, então para ele foi tranquilo.

O duende que estava no balcão arqueou a sobrancelha e pediu um minuto ao olhar as fichas.

- Sim, temos uma reserva a você, Senhor Peverell - o pequeno ser respondeu -, venha comigo e lhe mostrarei o caminho.

Harry seguiu o duende pelos corredores do banco e chegou até uma porta. A mesma dizia: "ESCRITÓRIO DE FLINK RAGNUS, CHEFE DOS DUENDES" e o garoto arregalou os olhos. Ele não achava que iria ter com o chefe dos duendes em pessoa. Ainda surpreso, Harry agradeceu o outro duende.

- Obrigado, Senhor Lutks. Que seu ouro multiplique.

O duende deu um breve sorriso, mostrando seus dentes pontiagudos.

- E que seus inimigos pereçam ao seu poder. - respondeu antes de dar as costas a Harry.

E Lutks estava certo. Eles iriam perecer.


(...)


- Crucio.


Os gritos tomaram conta do local e Riddle não podia estar mais irritado. Na verdade ele podia, mas ninguém iria querer ver o pequeno Lord das Trevas furioso assim.

Aquele, definitivamente, não estava sendo o seu dia. Mandou alguns de seus seguidores apenas ficarem de olho em Dumbledore e eles voltaram obliviados e querendo atentar contra a vida de Riddle. Para completar, depois daquela troca de olhares com o velho, ele não viu mais seu companheiro. Tom estava bravo, não, Tom estava furioso.

- M-MESTRE NOS P-PERDOE! Im- AAAAAAAAA IMPLORAMOS!

Mesmo queimando de ódio, Tom suspendeu a maldição. Aqueles patetas já estavam livre do Imperius. Na verdade, já tinha um tempo que a dor os acordou da maldição, mas Tom queria ver eles sofrerem pelas suas incompetências. Ninguém nunca disse que Riddle era bonzinho. Estava longe disso.

Mas ele não era o único vilão da história.


(...)


- Com licença. - Harry disse ao entrar no escritório do duende Magnus quando o mesmo autorizou sua entrada.

O lugar era bem iluminado, com quadros nas paredes, uma mesa de vidro e cadeiras para o duende chefe e seus clientes, em lados opostos da mesa.

- Olá, Senhor Potter.

Harry olhou para o duende, surpreso. Ele não sabia o que falar, então ficou o encarando como um idiota.

- Sim, eu sei o seu sobrenome verdadeiro e muito mais que isso. Peço que sente-se para começarmos. 


Ao ouvir tais frases, o garoto se sentou em uma cadeira e passou suas mãos, que suavam em nervosismo em sua calça.


- Boa tarde, Senhor Ragnus. Vim fazer o meu teste de herança. - Harry disse, apesar do nervosismo, sem gaguejar.


O duende o encarou. Provavelmente surpreso, como os outros a qual Harry cumprimentou.


- Sim, Senhor Potter. Devo dizer que foi eu que fiz um breve teste de herança usando seu rastro mágico na Mansão Malfoy. - Harry ouviu com atenção - Claro que não falei sobre tudo que descobri. Coisas como seu nome verdadeiro e que veio do futuro. - o garoto arregalou os olhos - Mas não menti em falar que o senhor é um Peverell. O senhor é o último Peverell vivo em seu tempo, mesmo que não use esse sobrenome.


- Mas senhor Ragnus, como eu vim parar aqui?


- Para tudo tem o seu propósito. Quando a magia do tempo é aplicada à algum bruxo, só há uma pessoa que possa fazê-lo. Ela é conhecida por vários nomes, mas é mais popular como Morte.


Harry olhou para as suas mãos enquanto absorvia as informações que lhe foram ditas até àquele momento. A Morte o fez voltar no tempo... aquilo era inacreditável!


- Se ela colocou você aqui, então ela tem um propósito para você. Espere, ela com certeza irá entrar em contato contigo. - e mais uma vez Ragnus sorriu com aqueles dentes pontiagudos que davam um arrepio na espinha de Harry - Agora iremos fazer o seu teste de herança.


O chefe dos duendes pegou um pergaminho com uma aparência velha e desgastada.


- Espete seu dedo e deixe cair três gotas de seu sangue aqui, Senhor Potter. 


Harry furou seu dedo em uma agulha que tinha sobre a mesa de vidro e deixou cair três gotas daquele líquido vermelho ferroso no pergaminho. 5 segundos depois, o papel começou a brilhar e logo várias palavras estavam escritas nele. Ragnus estendeu o pergamimho para Harry ler e assim ele o fez.


Nome:


Harrison James Potter 


Nascimento:

31 de julho de 1980


Mãe: Lilian Potter nee-Evans (falecida)


Pai: James Potter (falecido)


Pais por adoção de sangue: 

Sirius Orion Black e  Remus John Lupin (falecidos)


Guardião Mágico:

Alvo Percival Wulfric Brian Dumbledore


Títulos:


Herdeiro da Família Potter

Herdeiro da Família Peverell

Herdeiro da Grifinória 

Herdeiro da Família Black 


Habilidades e Bloqueios Mágicos.


Memória fotográfica  (100% bloqueada por Alvo Dumbledore)


Núcleo Mágico escuro (100% bloquedo por Alvo Dumbledore)


Glamour de sangue - James Potter (aplicado com a autorização de Alvo Dumbledore)


Natureza metade Veela, herdada da mãe  (100% bloquado por Alvo Dumbledore)


Sensibilidade mágica  (90% bloqueada por Alvo Dumbledore)


Ofidioglota - Parseltonge. Linguagem das cobras 


Compulsões Magicas:


Lealdade à Alvo Dumbledore  (aplicada por Alvo Dumbledore)


Lealdade à Família Wesley  (aplicada por Alvo Dumbledore)


Aversão à Sonserina (aplicada por Alvo Dumbledore)


Ódio à Tom Marvolo Riddle, Lord Voldemort  (aplicada por Alvo Dumbledore)


Aversão à Magia das Trevas  (aplicada por Alvo Dumbledore)


Ligações Mágicas:


Ligação de sangue


Siruis Orion Black

James Potter 

Remus John  Lupin

Lilian Potter 


Companheiro de Alma: Tom Marvolo Riddle (100% bloqueado por Alvo Dumbledore).


Harry sentiu o sangue de seu rosto sumir.




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...