História After eight months - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Jikook, Namjin, Taeyoonseok
Visualizações 7
Palavras 3.070
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem e tenham uma ótima leitura! :")

Capítulo 1 - Primeiro dia de aula


Fanfic / Fanfiction After eight months - Capítulo 1 - Primeiro dia de aula

POV JUNGKOOK


Estava ansioso, o ano letivo irá começar, vou para uma nova escola, vou começar o ensino médio, uma nova etapa da minha vida, não sei o que me espera nesta escola, mas estou ansioso, amanhã começa às aulas, já tenho todo o meu material arrumado, bolsa, farda, lanche. 


A escola fica do outro lado da cidade, ao menos é perto da casa da minha vó, qualquer coisa posso ir pra lá. Para chegar nesta escola teria que pegar ônibus todos os dias, uma coisa que odeio, mas o que posso fazer? É a vida e tenho que concluir o ensino o médio, ao menos começar. Ainda bem que amanhã meu pai vai me deixar já que é o primeiro dia de aula, contudo não posso deixar meu pai entrar comigo, seria muita vergonha. O que as pessoas iriam pensar de mim? Filhinho de papai? Mimadinho? Não! Meu pai não vai entrar como ele fazia todos os anos na minha antiga escola. 


-Filho? Está tudo bem? Já arrumou as coisas para amanhã? - Perguntou minha mãe entrando ao meu quarto olhando para todos os lados em busca de me pegar fazendo algo de errado, como sempre.

-Oi mãe, estou bem sim, e sim, já está tudo pronto, só me sinto um pouco ansioso como sempre. - Falo olhando para a mesma que continuava parada na minha porta.

-Eu fiz um chá, sabia que você estaria assim, então venha tomar e vá dormir, amanhã você acordará cedo! - Indagou saindo do quarto e a sigo. 


Ao chegar na cozinha, vejo a xícara de chá a qual ela citou, sento a mesa e tomo meu chá rápidamente juntamente com alguns biscoitos. 


Será que a escola é boa? Será que vou fazer amigos logo? Caramba, passei 10 anos na minha antiga escola, será que vou me acostumar com essa? Só indo lá amanhã e saberei. 


Vou ao banheiro escovar meus dentes, ao terminar me deito na vontade de dormir, porém a ansiedade ainda estava a mil, contudo comecei a contar os famosos carneirinhos até pegar no sono. Minha cabeça estava a mil com tanto de perguntas que fazia a mim mesmo sobre a nova escola. Enfim, durmo. 


Meu celular começa a alarmar, estava na hora, era hoje, primeiro dia de aula, tenho que me arrumar, tinha que chegar bem admirável, afinal não quero parecer um qualquer, vou tentar ser famosinho com estilo.


Levanto num pulo, corro para o banheiro tomando um banho demorado de água gelada, aproveito para escovar meus dentes. Como minha farda já estava arrumada não precisaria sair pela casa procurando, então só fiz me arrumar rapidamente e saí para tomar café. Ao chegar na cozinha meus pais e minha irmã mais nova já estava a mesa.


-Bom dia! - Falo sentando e pegando um pãozinho com geléia de gengibre. - Podemos ir cedo? Quero chegar cedo para conhecer a escola e não precisa descer comigo, só me deixa que já está ótimo, só para eu conhecer o caminho.

-Bom dia filho! Animado? Dormiu bem? Como você está? - Minha mãe preocupada como sempre.

-Calma mulher, deixa ele comer, deixa ele respirar, ele está bem, todo cheiroso, bonitão. - Meu pai rir e minha mãe também concordando com a cabeça. - Tudo bem filho, eu não desço com você, mas você tem certeza disso? Papai pode descer com você, mas eu lhe entendo, ensino médio a gente quer parecer adulto mesmo.

-Sim mãe, estou calmo, só quero ir logo, e sim pai, eu tenho certeza. Exatamente quero parecer adulto, afinal em breve já vou me mudar para minha nova casa. - Tomo o suco, já levanto indo em direção ao carro. - Vamos!

-Você não falou com sua irmã e nem pegou a bolsa. - Grita minha mãe da mesa.

-Puta que pariu! - Sussurro, volto até minha irmã dando lhe um beijo na testa e um abraço, corro até o meu quarto pegando minha bolsa. - Pronto, vamos! 


Meu pai já me esperava no carro, apenas ligou o som do carro e eu fui olhando a mesma paisagem que sempre olho quando vou para minha avó, já que é caminho. Já estávamos chegando e já estava bastante nervoso, nada que o fone e o celular não possa ajudar, peguei os dois antes de descer do carro. 


-Tchau pai, até daqui a pouco. - Coloco o fone e desço.

-Tchau filho, se cuida, qualquer coisa me liga. - Meu pai saí e eu entro na escola.


Finalmente cheguei, dou uma olhada em volta, ela parecia ser o triplo da minha antiga escola, estava na cara que eu era novato. Então comecei a andar sem ligar muito para algumas pessoas que me olhavam, o meu foco verdadeiro era achar minha sala, porém não tinha sinalização nenhuma, achei isso um pouco errado.


Resolvi ir em busca da sala da coordenação, com certeza eles poderiam me ajudar nessa, porém eu também não sabia onde ficava a coordenação, então eu poderia perguntar algum funcionário que visse pela frente, andei mais um pouco até chegar em um pátio grande, já tinha bastante pessoas se abraçando e cumprimentando as outras. Acho isso tão gay, porém muitas vezes falso, mas no fundo gostaria de saber como era aquilo, na minha antiga escola eu não era muito popular, e o último ano foi meio complicado, saí de lá sem falar com nenhum dos meus amigos, brigamos. Então tudo isso é uma babaquice. 


Sento em uns dos bancos que havia no pátio, então começo a reparar nas pessoas ao redor, até agora nada de interessante. O pior é ver as pessoas olhando pra mim, parece que nunca viram um novato. Finalmente o sinal toca, hora de conhecer minha sala e os meus colegas de turma. Ainda não sabia qual era minha sala, mas pelo visto teria que subir uma escadaria. Aqui não poderia ter um elevador? Odeio subir escadas, que saco! 


Mas na frente vejo um funcionário, deveria ser uns dos coordenadores, no caso, coordenadora, era um mulher, ela estava gritando com uns meninos, mas mesmo assim ainda deveria falar com ela, fui até a mesma. 


-Com licença, poderia me informar onde fica a sala do 1° ano? Sou novato e estou um pouco perdido. - Assusto a mesma ao chegar do nada por trás, seguro o riso e tento parecer sério.

-Ahh...Oiê! Posso sim, suba essa escada, é a sala 13 e seja bem vindo, espero que goste da escola. - Ela sorri e eu agradeço gentilmente. 


Ótimo, todos os dias descer e subir escadas. Tá, vou tentar não pensar pelo lado ruim, mas pelo o lado bom, ao menos vou treinar as coxas. Subo as escadas como a mais velha disse e procurei a sala 13, ao encontrar entro, já havia algumas pessoas sentadas, procuro algum lugar confortável, sento na segunda cadeira da segunda fileira. Vamos conhecer os professores agora, mas cadê eles? O sinal não já tocou? Eles deveriam está em sala já. 


Assim que termino meu pensamento, uma professora chega, ela é bonita, o estilo dela, porém aquele jaleco impedia de mostrar mais de sua beleza, espero que ela seja de uma matéria boa e que seja legal, bastante sorridente ela dar o bom dia e começa a falar sobre ela. Esse é o momento que devo prestar atenção, porém ainda estava tentando olhar ao redor para ver as pessoas, havia pessoas bastante atraentes. 


Sim, pessoas! Estava em dúvida sobre minha sexualidade, quando cheguei no 9° ano, comecei a sentir desejo não só nas meninas, mas nós meninos também, porém guardava isso com minha alma, ninguém poderia saber, mas quem disse que eu consigo segurar isso? A qualquer momento eu já estou falando a alguém. 


As aulas do primeiro tempo estavam por acabar, passou mais um professor super animado ele, parecia ser um coroa bonito, daria um super sugar daddy, mas acho que ele não é desses, ele cantou um pouco e a voz dele é bonita cantando, ele parece ser um cara legal, alguns dias eu decoro o nome dos professores, afinal, ainda tenho três anos pela frente aqui, não é mesmo? 


O sinal toca, o que significa intervalo, saio da sala em busca de encontrar algum lugar para sentar, mas todos os lugares que eu olhava já estava ocupado. 


-Puta que pariu! Aqui não tem um lugar bom para sentar. - Sussurro só para mim mesmo, até que vejo um lugar na arquibancada da quadra e era pra lá que eu iria. 


Ao caminhar pra quadra vem um monte de moleque correndo em minha direção, então apenas fico parado esperando eles passarem e se me fizerem algum mal, não responderei por mim. Quando eles passam continuo o meu caminho, sento na arquibancada, um pouco distante, mas ao meu lado sentou umas meninas da minha sala, eram bonitas, atraentes, porém ainda não vou puxar assunto com elas, afinal não sei puxar assunto e são muitas meninas, então findo prestando atenção nos meninos jogando bola. Uns minutos depois ouço alguém me chamando. 


-Ei novato! - Grita uma menina loira, baixinha que estava em pé em frente as outras meninas, ela era da minha sala.

-Oi?! - Falo um pouco confuso, afinal o que ela iria querer comigo?

-Pega! - Ela joga algo e quando vejo, uma balinha.

-Obrigado! - Sorrio e abro a mesma colocando em minha boca. 


E o assunto já acaba ali, logo em seguida o sinal toca, hora de voltar para cela. Aquela escola parecia uma prisão, tinha hora pra tudo, e sem contar que tinha intervalos divididos, não era todos juntos, mas acho que todos as escolas são assim, uma prisão, isso é tão ruim. Ao chegar na sala faço o mesmo que fiz no começo, presto atenção nas aulas e nos professores até dar a hora de ir para casa e o pior, voltar de ônibus, mas se bem que é legal parecer adulto, vou andar de ônibus sozinho, como as pessoas grandes. 


Final de aula, todos tinham seus grupinhos. Que bosta ser novato, eu não sei interagir com as pessoas. Vejamos, hora de ir embora, pego minha bolsa e logo saiu dali, afinal não fiz amizade com ninguém e não havia motivos para eu ficar lá sozinho novamente. Vou para parada que ficava próximo a escola, espero meu ônibus lá, ele demorava um pouco, então meus fones iriam me ajudar com isso. Ao olhar para os lados, vejo algumas pessoas da minha escola, entretanto elas não me interessam, apenas dou de ombro e volto minha atenção para os ônibus. Com uns minutos lá vem o meu ônibus, finalmente Deus! 


Dou a volta na cidade no ônibus até chegar na minha casa, bom, pelo menos vou sentado. Já odeio pegar ônibus, e em pé é pior ainda. Ao chegar em casa não havia ninguém, o que significava que meus pais ainda estavam no trabalho e minha irmã está na casa da minha avó, ela passa a semana toda lá, tiro minha roupa, vou tomar um banho e almoçar, logo que termino vou me deitar, sempre dou um cochilo a tarde, perdendo horas da minha vida podendo fazer algo de interessante, mas dormir é maravilhoso, você não precisa se preocupar com o mundo, não precisa pensar nos problemas.


Sim, eu tenho alguns problemas. Mas gosto de pensar que com o tempo eles vão passar, isto tudo é uma fumaça de um caminhão poluído o mundo, porém ele some depois. Logo adormeço. 


Horas depois…. 


Acordo com minha mãe chegando em casa, já estava de noite, logo seria a hora do jantar. Sempre janto com minha mãe, mas com meu pai não, já que ele chega super tarde, já na hora de dormir, não posso muito tempo com ele, e nem com minha mãe, o que é bastante ruim, nunca passei aquele tempo que as famílias têm, eu sempre tive que ficar em casa sozinho para eles irem trabalhar, então não os culpo de nada, mas é por esse motivo que já penso em ir morar sozinho, que vou daqui uns anos.



-Então Kook, como foi na escola hoje? Gostou? Me conte tudo sobre a nova escola. - Minha mãe pergunta entusiasmada, então tinha que mostrar que gostei, afinal, não tinha motivos para não gostar.

-Ah mãe, eu gostei! É bastante grande lá, maior do que a minha antiga escola, é algo novo mesmo, nova visão, os professores são legais e o pessoal também, teve até uma menina que me deu uma balinha. - Sorrio contando tudo. - Mas como foi no trabalho? - Olho a mesma.

-Então quer dizer que já está arrasando os corações das meninas! - Faz uma cara maliciosa.

-Ah mãe para com isso, nada haver! Me conta como foi no trabalho? - Sabia que ela iria falar isso, então tento disfarçar minha cara, meus pais não sabiam que eu também gostava de meninos e se soubessem, me matavam.

-Kkkkkkkk, tá bom, não está mais aqui quem falou. O trabalho? Foi muito bom, tranquilo na verdade.

-Que bom! Eu estou com fome, vai demorar? 

-Não mesmo, está na mesa na verdade e eu também estou com fome, na verdade muita fome.

-Então vamos comer né e parar de papo. 


A mesma assente, nós servimos logo atacando o prato que continha macarrão, minha comida favorita, é umas das comidas que melhor sei fazer, não querendo me gabar, meus pais são cozinheiros, então tinha que vim com esse dom também. O macarrão da minha mãe estava tão gostoso que eu repeti, como sempre, sempre repito a comida da minha mãe e às vezes a do meu pai. Assim que termino de comer coloco a louça suja na pia e volto para o meu quarto. 


-Já vai se deitar? - Minha mãe aparece novamente abrindo a porta do meu quarto.

-Sim, estou cansado, o ensino médio é puxado, vou dormir que tenho que acordar cedo, amanhã já vou de ônibus pra escola, ainda tem o engarrafamento na ponte, não quero chegar atrasado na escola, quando mais cedo eu dormir melhor.

-Tá, calma! Eu já entendi, vá dormir mesmo, não fique no celular até tarde, boa noite! - Fecha a porta apagando a luz.

-Obrigado! Dar um beijo no meu pai e boa noite, te amo! - Grito, já que a mais velha havia fechado a porta.

-Também te amo, filho! 


Que dia irmãos. Agora minha rotina será essa, todos os dias, durante um ano? Quando será que vou fazer amizades? Não é uma escola tão ruim, foi eu mesmo que escolhi ir pra ela, é só o primeiro dia, amanhã tem mais. 


Dou uma pequena olhada no meu celular para ver se tinha algo de importante, mas nada de interessante. Tento dormir, com alguns minutos adormeço. 


Uma semana depois…


Segunda feira, segunda semana de aula, nada de interessante aconteceu semana passada, ainda não fiz amigos, apenas um menino que parece ser um pouco doidinho veio falar comigo, ele é da minha sala e é legal, apresentou algumas coisas da escola e até mesmo as pessoas, mas de longe mesmo falando sobre elas, enfim, talvez ele seja o amigo que vou ter lá. 


Já estava no ônibus, lotado como todos os dias de manhã, por ser um horário que todos vão trabalhar, estudar ou sei lá o que, estão no ônibus, e como falei, odeio pegar ônibus e principalmente lotado. Sempre de cara fechada, mas nunca esqueço de dar o bom dia para o motorista, ele não tem culpa de nada mesmo. Ao descer do ônibus tenho que subir uma pequena ladeira para chegar na escola, mas ainda ficava perto da escola.


Tudo igual na escola, ainda não converso com ninguém a não ser esse menino que não me redondo o nome dele, porém ele sabe o meu, tento focar bastante nos estudos, afinal quero dar orgulho aos meus pais, então finalmente toca para o intervalo, saiu juntamente com o menino até o um grande pátio que havia, e perto desse pátio havia um palco também, sentamos neste palco, um pouco mais distante havia grupos separados, até que eu bato o olho em um dos grupinhos.


Um menino me chama bastante atenção, tanto que nem presto atenção no que o meu amigo com o nome não recordado por mim. Mas que menino! O estilo dele, usa preto, é baixinho, fofo, mas quem será esse menino? Eu gostei dele e não posso sair dessa escola sem ficar com ele ou ao menos ser amigo, preciso chegar nele, mas como? Continuo a observar o garoto, tinha um rosto tão angelical que era tão admirável olha-lo. 


O sinal toca, resolvo seguir o menino para saber qual era sua turma, e olha só, ele era da minha turma? Que? Como assim? Como eu nunca percebi ele? Como nunca vi ele lá? Impossível! Preciso prestar atenção nele, ouvi-lo, saber seu nome, como chegar nele.


Hora de ir embora e não consigo parar de pensar no garoto, vou caminho até a parada pensando nele, como nunca reparei nele? Ele estava tão perto. Até que meus pensamentos foram interrompidos por alguém. 


-Oiê!? Tudo bem? Você é o novato né? - Fala um menino que é mais baixinho que eu, sua boca era pequena, ele era fofo e já tinha reparado nele, ele é da minha sala.

-Oiê, sim e com você? E sim, eu sou novato. - Sorrio fraco.

-Estou bem. Mas eai, o que tem achado da nossa escola? Da nossa turma? Tá gostando? - Perguntou, porém ainda reparava nos seus detalhes, ele era bonito, seu cabelo liso e loiro, era muito fofo.

-Ah tô gostando, o ruim é que não fiz muitos amigos, já faz uma semana e ainda estou bem anti social.

-Cara me desculpa, mas não falei meu nome, eu sou o Min Yoongi.

-Prazer Min Yoongi, meu nome é Jeon Jungkook. Mas você é da minha turma, né? 

-Prazer todo meu! - Sorrir. - Isso, somos da mesma sala. - Aaaa que sorriso fofo.

-Estuda há quantos anos lá? 

-Acho que uns 2 anos já. Porque? 

-Conhece todo mundo da sala? 

-Sim, menos os novatos, no caso estou conhecendo você agora.

-Sim kkk - Rio - Então você conhece o menino baixinho, cabelo bem pretinho, rosto bem angelical, só usa preto e anda com uma menina de óculos e aparelho? - Ansioso pela resposta fico um pouco inquieto.

-Um que fica no fundo da sala? 

-Sim, ele mesmo! 

-O Jimin, Park Jimin. Porque?

-Park Jimin…. - Sussurro só pra mim vindo na memória o rosto do jovem garoto.

Continua...


Notas Finais


Obrigada pela atenção, espero que tenham gostado e até a próxima! ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...