1. Spirit Fanfics >
  2. After Gravity Falls >
  3. Capítulo 15

História After Gravity Falls - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Deixem seus comentários ou sugestões para os próximos capítulos da história.

Capítulo 15 - Capítulo 15


Dipper e Pacifica olhavam para a adaga em cima da mesa, o garoto se aproximava e passava os dedos sobre as marcas no metal, investigando os desenhos.

- E ai, o que você acha?- perguntou Pacifica.

- Bom- começou Dipper- eu acho que essa adaga tem desenhos que fazem referências ao Bill...

- Nossa! Eu nem tinha te falado nisso a meia hora atrás!

- E também ela se parece com as armas encontradas em antigas sociedades secretas...

- Parece que temos um Sherlock Homes aqui! Eu que te contei isso!

Dipper olhou feio para a loira. Nesse momento, Mabel entra com Waddles, que estava vestido com um casaco preto e óculos escuros.

- Olha só quem vai acabar com a malvada sociedade secreta, por isso eu vesti ele que nem aqueles agentes secretos britânicos!- disse Mabel.

O garoto riu e viu um sorriso se formar no rosto de pacifica, mas logo sumir e ela olhar para o lado. Subitamente, Waddles fica em duas patas se apoiando na mesa, cheirando a adaga de prata. Dipper pega a arma, com medo do porco se machucar, porem o animal seguiu a adaga, fazendo estranhos sons, rosnando e cheirando.

- Ei Waddles, calma garoto...- disse Mabel, se ajoelhando e abraçando o animal.

- Porque ele está assim, não tem motivo pra ele ficar interessado na adaga... a menos que...- Dipper colocou a adaga no bolso, mas logo a tirou e enrolou-a no mano para não se cortar quando fosse pegá-la.

As menina viram o garoto correr até a máquina de doces, digitar os números e entrar com presa. Ele desceu rápido para o elevador, ouvindo Pacifica ao longe reclamar sobre o lugar ter aranhas e estar cheio de poeira. Ele colocou a adaga e uma mesa e vestiu um colete, apertou um botão e fechou os olhos, depois, começou a observar uma tela, impacientemente.

- O que aconteceu Dipper?- perguntou Pacifica, olhando dentro da sala com Mabel, que segurava Waddles no colo.

O menino não respondeu, apenas ficou olhando para a tela, esperando uma imagem carregar. O menino deu um pulo para trás, apontando para a tela do dispositivo.

- Eu sabia! Essa adaga não é só uma adaga, ela tem um rastreador! Sabia disso Pacifica?!

- O que?!- disse a garota- eu não fazia ideia... como eu poderia saber?!

Os dois gêmeos e o porco olharam feio para a menina. Um barulho em cima de suas cabeças chamou sua atenção, pequenos pedaços do teto começaram a cair sobre eles. Os três subiram correndo, enquanto Waddles tentava tirar a roupa de agente secreto. Assim que olharam pela porta, os três puderam ver Grenda sendo jogada contra uma parede, fazendo a mesma se rachar, enquanto a garota simplesmente balançou a cabeça para tirar a poeira.

- Grenda! Oque está acontecendo aqui?!- disse Mabel.

- Ah, oi Mabel. Tudo bem? Tem uns caras vestidos de amarelo e eles arrombaram a sua porta. O seu tio-avô de seis dedos foi capturado e o outro saiu correndo pegar uma arma porque ele achou que era o cobrador de impostos...

- E a Candy?- disse Dipper.

- Ah, ela tá ali.

As crianças viram Candy ser jogada no chão e se levantar, rosnando. Da porta, um vulto alto e amarelo surgiu. Pacifica fez uma careta irritada. Ambos levantaram as mãos e os olhos da menina brilharam roxo, uma cadeira ao seu lado se levantou e ela jogou sua mão para frente, lançando a cadeira contra a figura amarela, que caiu no chão após ser atingido.

- Temos que fugir!- disse Pacifica.

- Não podemos ir sem nosso tios!- disse Dipper, pegando do bolso sua arma magnética.

Duas outras figuras apareceram atrás da porta e começaram a fazer toda área da cozinha tremer, levitando produtos da loja e prateleiras. Dipper começou a carregar a arma magnética e Pacifica ergueu mais duas cadeiras que estavam ao seu lado.

- Mabel, fuja! Você precisa encontrar nossos tios e resgatá-los!

A garota acenou com a cabeça e saltou para a porta, caindo com as mãos no chão, passou pelo primeiro vulto amarelo com uma estrelinha, depois saltou sobre o outro dando uma pirueta e saiu correndo, deixando todos que a viram de boca aberta. "Valeu a pena entrar para o time de líder de torcida", pensou. Os dois vultos lançaram uma chuva de produtos contra as crianças, por sorte, a maioria das bugigangas vendidas na cabana eram leves, mas algumas chegaram a doer. 

Dipper apontou a arma magnética para um dos vultos e disparou, ele havia feito modificações na arma magnética desde a última vez em que a usará, em seguida, disparou contra a geladeira, e o vulto foi atraído e se chocou contra a máquina de metal.

- Dois contra um cara. É melhor se render e deixar a gente em paz- disse Dipper para o vulto.

Uma mão surgiu da manga do manto e puxou o capuz, revelando o rosto pálido de Robiesper. Pacifica tremeu ao ver o homem pois sabia do poder que o mesmo possuía. O homem ergueu a mão e fez um movimento de puxar. As crianças não entenderam e por um segundo acharam que ele havia errado de algum jeito, porem Dipper olhou para trás e pela janela, pode ver uma enorme árvore se movendo rápido indo na direção deles. O menino agiu rápido, agarrou Pacifica e fez sinal para que Grenda pegasse Candy e se segurasse nele, então disparou arma magnética em direção ao micro ondas,  sendo atraído para ele.

A árvore destruiu a parede e criou uma nuvem de pó. Tossindo, Dipper perguntou:

- Vocês estão bem? Pacifica, Candy... Grenda, você destruiu meu micro-ondas!

Um vulto apareceu na nuvem de poeira. Dipper logo viu o rosto de Robiesper, seguido por mais dois vultos, os dois outros homens que as crianças haviam derrubado agora estavam na frente deles. O menino carregou a arma magnética, mas com a nuvem de poeira, não conseguia ver nada de metal que fosse útil. Pacifica se levantou, zonza, Dipper estava acostumada a ser lançado de um lugar para o outro com a arma magnética, mas a garota não. Robiesper levantou a mão, Dipper apontou a arma para ele, mas no momento que o homem fez um punho, a arma se despedaçou.

- Não...- disse Dipper, pasmo e começando a entrar em pânico.

Surgindo no meio da nuvem de pó, Waddles correu até Robiesper e mordeu sua perna, fazendo o homem gritar. Ele começou a balançar suas mãos e a parte de trás do corpo de Waddles começou a flutuar, mas mesmo assim o animal não parava de morder. Um dos vultos caiu no chão, todos logo viram Mabel em cima dele, jogando uma jarra de chocolate morno em seu rosto, fazendo o homem gritar.

- Meu deus como é doce!

Ford surgiu e se jogou contra outro capanga, apontando uma arma de gelo. "Eu sei que o Stanley pediu para eu guardar tudo que fosse de tecnologia, mas eu sabia que isso aqui viria a calhar." Pensou. Dipper ajudou Pacifica e Candy a se levantarem, Grenda tentava tirar a cabeça de dentro do micro-ondas. De repente, todos pararam quando Robiesper gritou:

- Parem! Agora, não se mexam!- o homem segurava o porco com uma mão enquanto usava a telecinese para segurar uma adaga e apontar para o animal- agora acabou, vocês, todos vocês vem comigo. Exceto as duas ali- apontou para Grenda e Candy.

Todos olharam o homem caminhando para trás, Mabel quase chorando vendo seu porquinho naquela situação. De repente, uma sombra aparece atrás dele, segurando uma espingarda.

- Eu achei que não havia nada pior do que um cobrador de impostos... mas você...- disse a sombra.

Robiesper nem teve tempo de pensar em reagir, ele viu o rosto de Stanley e a coronha da espingarda bateu com força em seu rosto, o derrubando no chão, inconsciente.

 

Os três homens de amarelo já estavam amarados no quintal da cabana. O helicóptero de Pacifica já estava sendo ligado e a menina estava ajudando a colocar os prisioneiros dentro.

- Então a sua família tem uma prisão particular...- disse Dipper.

- Não ache tão estranho, a sua tem um laboratório- respodeu Pacifica.

- Bom, obrigado pela ajuda, desculpa por termos ficado bravos com você atraindo eles para gente, sem você não terriámos conseguido...- disse Dipper.

- Ei! Sem mim vocês não teriam conseguido!- gritou Stanley de dentro da casa.

- Tudo bem... eu não teria chance contra eles sozinha. Tem certeza que não quer ajuda para refazer a casa?

- Estamos bem. Eu e meus tios damos conta.

- Tudo bem então... tchau...- disse Pacifica, subindo no helicóptero.

- É... tchau...- disse Dipper, olhando para baixo.

Pacifica suspirou e se virou, indo até o menino e beijando sua bochecha, depois saiu correndo e entrou na aeronave. Deixando Dipper vermelho e pasmo. Mabel apareceu, rindo.

- Dipper tem namorada! Dipper tem namorada!

- Vai arrumar o que fazer!

- Eu já arrumei, aqui, prova esse chocolate quente!- disse Mabel, entregando para o irmão uma caneca.


Notas Finais


Perdão qualquer erro de português, até logo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...