1. Spirit Fanfics >
  2. After Midnight >
  3. Segredo

História After Midnight - Capítulo 15


Escrita por: e expaidermen


Notas do Autor


How are readers? Bom... Estou trazendo mais um cápitulo e a meta é finalizá-lo no vigésimo! Aproveitem que eu tenho novidades nas notas do cápitulo dezessete. Aproveitem o cápitulo e qualquer coisa leiam novamente os anteriores!
Boa
Leitura!

Capítulo 15 - Segredo


Fanfic / Fanfiction After Midnight - Capítulo 15 - Segredo

[Lake Lure, Carolina Do Norte, 1937]

 

 Desesperador, única descrição para o que Alfie acaba de ver pelo espelho de seu quarto, rapidamente cobre sua cabeça com o edredom que pesava toneladas para o seu corpinho. Apenas ouvia as batidas esforçadas de seu coração e sua respiração ofegante, até que de repente escuta a madeira pregada ao chão estralar e suas cobertas elevam-se e caem ao lado. Levantou-se num pulo e correu até a porta, mas ouviu a chave da mesma trancando-a causando um clima tenso no ambiente congelante, assim como seu corpo.

 Facilmente Alfie percebe a presença atrás de si, até que mãos agarram seu ombro e automaticamente desce ao chão com um desmaio... Ao despertar enxerga borrado um personagem grande e misterioso...

-Q...Quem está aí? M...Mamãe? – Alfie pergunta trêmulo com um choro preso na garganta. E apenas ouviu como resposta um ‘’Shh’’ implorando por silêncio.

- Não precisa se assustar, não irei machucá-lo! – afirma o personagem com uma voz – Preciso relatar algo... – suspira – Me chamo Belial e...

 

   O mesmo contou á Alfie sua história peculiar na casa, o impossível tornou-se possível e Alfie não acreditara que pode conversar com entidades da casa, pelo menos com uma para entender algumas coisas...

- Você é do mal? – indagou após descobrir o assassinato passado.

- Escute... O meu pecado não era especificamente esse ou aquele, mas consistiu em ter apertado mãos com o demônio... O inimigo estava atrás de mim... Então preciso que passe isso para um papel e o guarde em segurança! – pediu segurando as mãos de Alfie.

 

 Prometeu que apareceria todas as madrugadas durante seis meses para Alfie, juntos iniciariam um diário para que futuros moradores dependessem dele para sua salvação, passando os dias Alfie cuidadosamente com capricho fez tudo com suas próprias mãos. Impressionou-se com o potencial formal que Belial tinha ao dirigir o que queria que o mesmo passasse para o registro e resolveu estudar seu vocabulário enquanto isso, e claro... Sem que sua ‘mãe’ soubesse. Certa noite depois ( bem depois ) o garoto extraordinário aguardava na sua cama com o diário em mãos para prosseguir a escrita junto ao seu novo amigo espírito, até que uma luz clara aparece fazendo o garotinho esfregar os olhos que foram ofuscados.

- Quem é você ? – Alfie espera por uma resposta enquanto força os olhos para enxergar.

- Me chamo... Isobel! – sentou na cama junto ao menino – Preciso que entenda algumas coisas...

- Ouvi falar de você, achei que esse dia nunca chegaria! Estava ansioso para te conhecer – Alfie anuncia surpreendendo-a.

- Sei disso, se torna mais fácil e...

- Por que me abandonou? – Indagou o menino com inocência.

- Bom... Não sei o que passa pela sua cabeça, mas dezenas de milhares de razoes de todas as raivas podem ser boas ou más, e por uma pessoa ser assim eu tive que faze-lo... – contou sem graça.

- Fui um erro em sua vida?

- Lógico que não! Confesso que passou pela minha cabeça, mas quero que entenda que para minha alma ser liberta eu preciso da sua aceitação! – contou sorrindo.

- Como assim?! – não entendeu.

- Você me perdoa filho?

- Entendo suas razoes, mas a minha mãe é a Jolie... E você não deve ir sem me ajudar! – exigiu.

- O que posso fazer por você querido?

- Ajude e oriente, proteja seja lá qualquer grávida que aparecer até que a maldição acabe – selou seu pedido a aprisionando até que cumprisse isso.

- Como quiser...

 

[ Lake Lure, Carolina do Norte, ATUALMENTE]

- Oh cara, o que está fazendo? - pergunta Jacob já um pouco cansado de ter esse tipo de visão. De repente Noen cai ao chão por cima das ferramentas e infelizmente crava um prego perto da cartilagem do joelho, o qual o faz gemer de dor e ao mesmo tempo tentar puxar o prego - Não! Não tente isso, vai piorar! - corre até ele para ajudar.

- Estranhei a demora o que est...NOEN, como isso aconteceu?? - indaga Maggie ao ligar a luz e ver uma poça de sangue se formando embaixo da perna.

- Desculpe, a culpa é minha! Pedi ajuda para despregar a janela e ele acabou tropeçando e... - Em falso Jacob tentou se explicar até a garota interromper.

- Irresponsável! Sabe que o Noen é um inútil! - Relembra Maggie sem um tom de sarcasmo.

- Ei... - Reclama Neon por meio de gemidos.

 

   O garoto é levado cautelosamente para a sala de jantar, deixando todos muito preocupados e chateados com a 'irresponsabilidade de Jacob' com o amigo por tal 'descuidado' que o mesmo cometeu. Assim Henry anuncia  suas habilidades...

- Por favor, preciso de antibióticos, linha, álcool e... - foi pedindo aos poucos com um tom calmo para não agitar todos.

 

   Por fim Noen toma arriscadamente três antibióticos, para dor, para infecção e para dormir... Como inesperado, não funciona e é tudo agoniante para o mesmo por conta de ser um atendimento urgente com o conhecimento refinado de Henry nessa parte. Aos poucos Noen foi adormecendo com a cabeça no travesseiro apoiado nas pernas de Maggie, revira os olhos e entrega-se ao sono em gemidos doloridos.

- Vai ficar tudo bem com ele, lavarei minhas mãos e continuaremos... Ah, Barbie pode enfaixar a perna dele? Por favor! - pede atenciosamente e sai com um semblante preocupado da sala de jantar.

- Que isso não se repita! Mal sabe o que pode acontecer com você... - Amanda insinua.

- O que está falando? - pergunta Dylan franzindo a testa, como tem feito muitas vezes pelos atos estranhos de sua namorada.

 

   Sem delongas, Henry volta e direciona-se para sua pasta de documentos... O intelectual começa com a história que se passou durante todos esses anos e, o que já sabem 'há entidades escuras na casa e precisam livrar-se delas'.

- Esse diário está completo? - pergunta Maggie erguendo-o para cima.

- Eu fiz esse diário... - responde Henry confessando sua autoria  - Esse é o original! - revela mostrando folhas de papéis despedaçadas.

   No diário original de Alfie, o menino foi controlado a escrever (como um fantoche) frases e referências de rituais arriscados por influência de Belial os quais com muita pesquisa de Henry, levaria todos a um destino cruel. Ainda assim, no meio do diário o menino desperta por intuito e desobedece ao que Belial o fazia escrever, deixando então a entidade furiosa e tendo seu destino cruel cada vez mais perto dele...

- Por qual motivo você colocou no seu diário que Belial era do bem e precisa ser liberto? - indagou Madison demostrando interesse na história cruel.

- Para que não houvessem erros, leia comigo - pede Henry que na mesma faz Madison ler em voz alta o seguinte:

  "Queimem as relíquias do Belial, ele não pode machucar uma criança por causa da dívida que ele mantém de seu pecado passado, não deixem nada passar e queimem seu corpo"

- Ei ei, por que diabos VOCÊ não fez isso cara? - com impulso Jacob indaga de Henry.

- Eu... Faço parte dessa casa, meu avô Bruce era um dos gêmeos de Haria! - explicou.

- Mas como ele não morreu como Alfie? A maldição é clara! - desacreditou Amanda.

- Ele nasceu na casa e quando o pegaram não estava respirando, apenas seu irmão! Então ainda recém-nascido o jogaram em um ninho de palha na floresta o qual apertou seu pulmão pela queda e o mesmo começou a respirar... Fazendo assim uma passageira dali o criar! Ele me preparou, minha mãe me preparou e minha missão aqui é ajudar vocês! - finalizou a explicação com um sorriso forçado.

- Henry... Não poderemos sair daqui até tudo acabar? - Barbie pergunta com os olhos lacrimejando, fazendo Henry afirmar com a cabeça e largando um suspiro.

- Certo! O que devemos fazer? - Dylan se pronúncia em dúvida e determinação.

Todos deixam o diário de lado, pois é de preferência que Henry possa colaborar mais e interpretar tudo da melhor forma possível. Ele (Henry) explicou que o Ouija jogados por eles, foi de péssima forma o primeiro ritual, os quais tentaram duas vezes sem hesitar dando abertura as entidades, apesar de que ao colocarem os pés na casa os fenômenos paranormais já se pronunciariam em seguida, como aparições, sonhos e ilusões onde alguém pode ter visões breves de acontecimentos futuros, como Amanda estava começando a ter.

  Um deles, com a personalidade e emoções fracas (Noen) seria de certeza, atingido pelo equilíbrio de possessão. Onde o indivíduo é pressionado a ver situações horripilantes com as pessoas que convive dia a dia... Quando isso acontece, não tem volta a não ser seguir as instruções e não errar em ponto algum.

  Henry teve sucesso em cremar o corpo de Haria e o enterrar, mas juntamente a ela enterrou o corpo de Belial mais abaixo junto ao abridor de latas de conserva que o acompanhava. Nossa amável Jolie mergulhou nas trevas e somente juntando a alma dela com a de Alfie libertaria todos da maldição, mas primeiramente salvando Isobel de seus pecados que a prendem ainda nesse mundo.

- Qual o foco agora? - pergunta Jacob determinado a prosseguir.

- Belial! Precisamos esperar que chegue a madrugada e...

- Não tem hora exata no diário original! - Maggie interrompe Henry enquanto tem os papéis em mãos.

- Isso saiu de minhas pesquisas, é um horário onde podemos ter contato com as entidades e é de total importância que estejam preparados para isso! Madison preciso de sua ajuda... - se distancia com ela e Noah foi junto.

 

Pov's Dylan O'brien

  Percebi Amanda um tanto distante e quando ela se levanta e vai para a cozinha eu faço o mesmo, encontro-a fervendo água na chaleira elétrica e um tanto pensativa em minha frente enquanto pega xícaras na prateleira. Vou até ela, de suas mãos eu agarro e coloco as canecas no balcão e seguro seu rosto direcionando a mim. Amanda apenas tentou um sorriso e caiu em meus braços, me abraçando e chorando em meio a soluços.

- O que está acontecendo? - perguntei preocupado.

- Precisamos conversar...

 

  Fiz de minha presença o seu porto seguro, pegamos nossos chás e fomos para fora aproveitar o por do sol juntos enquanto sentíamos o vento frio soprar nossas orelhas até ficarem vermelhas. Sentamos no banco de balanço que se encontra perto da porta e ficamos por conversar, mas eu vejo tensão em seu falar e desconforto em seu agir.

- O que você tem? – pergunto tirando a caneca vazia de sua mão e largando no chão perto de seu pé.

- Como eu disse, precisamos conversar! – respirou fundo e me olhou.

- Prossiga querida – pedi sendo atencioso.

  Em meio ao temor que se passa na mente dela, passo meu braço por seu pescoço e dou a ela tal liberdade que me conta por parte que está tendo pesadelos durante a noite e que a mesma compartilhou com Jacob que teve uma experiência que lhe deu assombro, pois se realizou. Ocorreu uma segunda vez, porque ao ver de Amanda em seu sonho... Um ser iluminado passava a socorrer ela, assim como Henry se prestou a ajudar todos da casa.

- Tem algo que eu possa fazer? Poxa, por que não me contou antes? – indago perplexo.

- O que você já faz me proteger do mal... – responde Amanda se encolhendo.

- Mas quem é? – olhei para ela fixamente e ao mesmo tempo Noen nos interrompe.

- Acabamos de fazer, querem provar? – apareceu com Maggie estendendo uma forma de cookies enquanto fitava seu olhar na Amanda, a fazendo congelar.

- N...Não quero, obrigada! – agradeceu Amanda firme e apertando minha perna.

- Ahh, tem certeza? – Maggie insiste servindo chocolate quente para ela enquanto Noen abaixa a cabeça e abre um sorriso perturbador.

- Ficarei com eles! – falo pegando a forma e colocando em meu colo.

  Os dois saem felizes como se nenhuma ameaça tivesse acontecido, sinto com a certeza de quem devo proteger Amanda e ficarei com os olhos bem abertos para que mal algum aconteça. Amanda fica um tempo abraçada em mim com a cabeça apoiada até que sela meus lábios e encosta sua testa na minha...

- Vou subir para tomar um banho, espero você na cama! – diz docemente e sai de minha presença.

  Após um tempo apanhei as canecas do chão e as deixei no lava-louças, ouvi algo estranho vindo da sala de estar... Ao caminhar até lá a forma que ainda permanecia em minhas mãos ferveu e queimou meus dedos a tal ponto que a derrubei no chão fazendo barulho. Sabina passou correndo por mim com uma caixa nos braços e sem querer esbarrou em Barbie que abriu a porta de seu lado fazendo com que a caixa caísse de seu colo e no caminho ao chão se esparramasse.

- O que está fazendo com isso? – Barbie indaga com as mãos na cabeça apertando os fios do cabelo ao ver Sabina derrubar o tabuleiro – COMO? Não tinham destruído?

- Eu recuperei...

- O que pensa que está fazendo? ? ? – Barbie entra em fúria.

- Falando com Alfie...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...