1. Spirit Fanfics >
  2. After Midnight (Jeon Jungkook - BTS) >
  3. Capítulo único.

História After Midnight (Jeon Jungkook - BTS) - Capítulo 1


Escrita por: Jung_Baek2Jae

Notas do Autor


HEY PESSOAS, TUDO BAO?

olha eu aqui dnv, com mais uma das minhas ideias que surgiram do nada

Agora, com o golden maknae do bangtan, ninguem mais ninguem menos que ele! Jeon Jungkook

Espero que gostem, de verdade, desse meu surto aleatório

Como puderam ver no titulo da fic "After Midnight~ Depois da meia noite" algumas cenas serao hm, +18 kk mas quanto a isso, ja peço desculpas pq eu realmente nao sei escrever hots então...

Chega de blá blá blá e tenham uma boa leitura!

Capítulo 1 - Capítulo único.


Fanfic / Fanfiction After Midnight (Jeon Jungkook - BTS) - Capítulo 1 - Capítulo único.

Julho, 2020

Sabe aqueles típicos enredos de filme romântico, onde sempre tem um grande e famoso CEO - geralmente homem - de uma das maiores empresas do país e se apaixona loucamente por uma de suas funcionárias, daí eles se casam e vivem felizes para sempre com filhos e um cachorro?

Bem, esse realmente não é o meu caso. E, se depender de mim, nem será, pelo menos, não tão cedo assim. Por três simples motivos:


A protagonista dessa história é uma mulher;

• Filha única e herdeira das empresas Min's company;

• Não pretendo me apaixonar tão cedo.


Não irei me apresentar agora, porque vocês irão saber mais sobre mim no decorrer desse capítulo. Eu não chegaria a dizer que isso é um diário, na verdade, acho que está bem longe disso. Prefiro chamar, seja lá o que isso for, de 'depoimento da minha vida' ou dizer, até mesmo, que isso é uma biografia, porque diário é coisa de criança. Mas, chamem do que quiserem, por mim, tanto faz. Não é como se fosse mudar algo.


Senhorita Min? — ouvi minha secretária, e melhor amiga, chamar.

Hm? — murmurei, focada no computador à minha frente — Algum problema, Wendy? Precisa de algo?

— Oh, não, não. Está tudo bem... — ela afirmou.

Certeza? E o bebê? Vocês estão bem mesmo? Tem certeza de que não está trabalhando demais? Por que você não tira férias? Sabe que eu não me incomodo com isso, não sabe? — perguntei.


Ela soltou uma risadinha.


Min, eu estou grávida, não doente. — se sentou na poltrona que havia em frente a minha mesa — Sabe que eu não deixaria você trabalhar até mais tarde sozinha, né?


Neguei com a cabeça.


É, eu sei, unnie. Mas você tem que pensar no bebê também. — apontei para sua barriga, que ficava cada dia maior — Não pode extrapolar. Acho que vou ter que falar com o Chanyeol pra ver se ele te convence a tirar férias.


Nós duas rimos.


S.N, eu só estou de seis meses, não é como se eu fosse parir daqui a pouco.

— Mas é melhor prevenir do que remediar, né? — ri da minha própria fala.

Bem... Mas não foi por isso que eu vim até aqui, S.N... Você não acha que está na hora de conversar com o Jeon-


Xiii, naquela altura do campeonato eu já até sabia do que ela queria falar. Já estava sendo repetitivo demais.


Olha, Wendy, sério, se você veio aqui novamente para tentar me convencer a arrumar um marido pode voltar para a sua sala, porque eu já lhe dei minha resposta sobre o assunto. — massageei as têmporas — E continua sendo um simples não.


A mais velha suspirou, alisando a barriga, que crescia a cada dia.


O.k. então, não está mais aqui quem falou. — a mais velha ergueu os braços em sinal de rendição.

Me desculpe se fui grossa, Wen. Mas realmente, eu não tenho planos de me casar agora... Eu... estou bem com a minha 'vida amorosa' do jeito que ela está.


Aquilo não era mentira. Eu estava, realmentte, bastante satisfeita com a minha vida do jeito que estava naquele momento. Não precisava me preocupar em chegar em casa a hora que eu bem entendesse ou sair para onde eu quisesse. Não podia deixar de mencionar que quase nunca estava sozinha, sempre tinha alguém que me satisfizesse quando precisava.

Jeon Jungkook, primogênito do CEO da empresa sócia da Min's, que era amigo de longa data de meu pai. Ele não era meu namorado, estava mais para um ficante quase fixo, até um mês atrás. Quase, se não contar que ele queria algo sério, o que eu não queria nem de longe.

Eu nunca fui uma garota de relacionamentos sérios nem algo do tipo. Sempre tive tudo do bom e do melhor e sempre tive tudo o que quis. Eu era dois anos mais nova que Jungkook, já tinha 24 anos, era filha única do dono de uma das maiores empresas da Coreia do Sul, e sempre fui muito mimada por meus pais, de fato. 

Pais? Bem, não havia nada de anormal neles. Minha mãe se casou novamente e se mudou para Los Angeles depois que se separou do papai, que também se casou após o divórcio. A relação deles não era das melhores, mas sempre tentavam disfarçar quando estavam perto de mim, mas eu sabia que no fundo, não estava tudo bem. Eu continuei sendo mimada, agora, por duas "mães" e dois "pais". 

Quanto a isso, eu não tinha do que reclamar. Mimada. Talvez isso fosse um defeito, mas aquela era a minha realidade. Felizmente ou infelizmente.


Certo, senhorita Min. — revirei os olhos, ela sabia que eu não suportava quando ela me chamava desse jeito quando estávamos quase 'brigadas'. Então seguiu até a porta da sala. — Ah, antes que eu me esqueça... Você tem uma reunião em meia hora... com Jungkook.

Aish! — bufei — Eu tinha me esquecido completamente!


Fazia cerca de um mês que não nos falávamos desde nossa pequena discussãozinha. Não chamaria de DR, já que não tínhamos nada sério, mas era o que parecia.

Um mês.

Um mês que eu não sentia seus toques em meu corpo. Suas mãos eram firmes e pareciam conhecer cada milímetro de meu corpo. Ah, droga! Ele me deixava trêmula até em pensamento. Porra! Isso era uma tortura.

Eu me recusava a todo custo me deixar apaixonar. Não queria viver um romance. Queria viver a vida do meu jeito, sair, me divertir, cuidar da empresa... Mas... Me casar? Aquilo não era para mim. Nem sequer conseguia me imaginar num vestido branco de mangas longas, repleto de rendas e uma pequena presilha no cabelo como algo passado de geração em geração. Tsc, tão tosco.

Neguei freneticamente com a cabeça, afastando esses pensamentos e voltando à minha realidade: encarar Jungkook naquela reunião, por sei lá quanto tempo, parecia ser um desafio e tanto.

Peguei a papelada necessária e segui em direção à sala de reuniões, dando logo de cara, com o próprio paraíso na terra, que, de costas para a porta de entrada e virado para a enorme janela em sua frente, observando o pôr do sol de Seoul, não notou minha presença. Permiti-me sentir seu perfume que expandia-se por toda a sala.

Seus trajes completamente pretos estavam estupidamente impecáveis, seu paletó parecia ter sido feito sob medida e caía maravilhosamente bem em seu corpo musculoso, sua camisa social, apesar de eu estar longe, dava para perceber que era absurdamente bem passada ao passo que pela sua calça, observei que a mesma marcava suas coxas torneadas.

Não tinha como negar, aquela era uma visão dos deuses e, novamente, tornei a balançar minha cabeça, numa tentativa falha de espantar pensamentos impuros com ele... naquela sala. Mas manti-me forte, apesar de tudo, eu era a CEO da empresa, tinha que ser profissional.

Pigarreei.


Bom dia, Jeon. — cumprimentei.


Ele então virou-se para mim, e só então pude ver que usava óculos, não que ele precisasse, mas ele adorava parecer intelectual, sorrindo ladino, ele colocou suas mãos nos bolsos da calça.

Merda! Ele sabia que eu adorava quando ele fazia isso e até mesmo esse simples gesto me fez tremer. Ele era estupidamente sexy sem qualquer esforço.


Bom dia, S.N. — se aproximou, sentando-se em uma das cadeiras daquela enorme mesa, consequentemente, na cadeira ao lado da minha.


Arrumei minhas coisas sobre a mesa e enfim me sentei, não tardando para os demais participantes daquela reunião adentrarem à sala também.

...

A reunião estava sendo um completo tédio, nada fora do habitual. Bem, até Jeon começar a acariciar minhas coxas por debaixo da mesa.


Mas o que caralhos você está fazendo, Jeon?! — sussurrei baixo o suficiente para que apenas ele me escutasse e, como resposta, ele apenas balançou a cabeça e moveu seus lábios em um pedido de silêncio.


Não satisfeito apenas com as carícias, o maior aproximou sua mão por debaixo do tecido de minha saia, chegando até minha intimidade. Novamente ele movimentou sua boca dizendo "não poderá gemer agora, Min".

Demorei um pouco para entender o que ele havia dito, até sentir ele introduzir seus dedos em meu interior.


A-ah! — gemi, atraindo os olhares de todos os ali presentes.

Algum problema, senhorita Min? — perguntou um dos acionistas.

É, algum problema, S.N? — Jungkook perguntou, sorrindo ladino.


Queria socar aquela cara ridiculamente bonita. Que cínico!


Não, não foi nada. Continuem. — disse com certa dificuldade, já que Jeon começou a movimentar levemente seus dedos — Hmm... — gemi involuntariamente de novo, e fechei meus olhos em seguida.

Tem certeza, senhorita? — outro acionista perguntou.

Si-sim, é... é apenas uma cólica, já já passa.


Ouvi uma risadinha baixa de Jungkook, o que me fez querer ainda mais socar a cara dele.

...

Aquela reunião durou mais do que o esperado e, mais do que eu gostaria. Mas não foi lá tão ruim, ao menos fiquei "entretida", com o Jeon.

Assim que todos saíram, suspirei alto, fechando os olhos e me recostando-me na cadeira, pensando em como Jeon tinha esse efeito sobre mim. E em como isso seria, de certa forma, perigoso para mim.

Suspirei novamente, me levantando para ir embora. Arrumei todos os papéis, e os levei até minha sala, colocando todos em ordem e, checando uma última vez, minha agenda do dia seguinte.

...

Não percebi o tempo passar até ouvir a porta ser aberta e fechada quase que no mesmo instante, mas, mesmo sem levantar o olhar, sabia quem estava ali.


O que quer, Jeon? — perguntei, ainda com minha atenção na papelada sobre a mesa.

Hm, vejo que nem precisa olhar para saber que sou eu. — disse convencido.

Quem mais fecharia a porta de meu escritório dessa maneira? — olhei para o moreno, arqueando minha sobrancelha.

Hm... — murmurou se aproximando — Quanto ao que eu quero, bem... Acho que você sabe bem o que é que eu quero.

Sei é?! — fiz-me de desentendida — Acho que não. — levantei, caminhando lentamente até ele.


Eu não estava lá tão arrumada, naquele momento do dia. Meus cabelos, estavam presos em um coque mal preso e minha camisa social branca, com três dos botões desabotoados, mostrando a pontinha do meu sutiã de renda, também branca.

Ele nada disse, mas por seu olhar, pude notar que havia desejo, ele adorava quando me via assim, mais despojada. Ele dizia achar sexy.

Rodeei seu corpo, fazendo um caminho com meus dedos por seus ombros, mantendo um contato visual com o maior, que parecia estar hipnotizado comigo. Eu adorava provocá-lo.


S.N... — Jeon murmurou.

Preciso que seja mais específico... baby... — sussurrei em seu ouvido, observando os pelos finos de sua nuca se arrepiarem.


Ele se virou, ficando cara a cara comigo. Suas orbes já estavam escuras de desejo. Sem a menor pressa, caminhou em minha direção, e a medida que o moreno se aproximava, eu dava passos para trás, até minhas costas irem de encontro à parede.


Parece que gostou da nossa brincadeirinha... hoje mais cedo... — falou, roçando seus lábios, perfeitamente bem desenhados, nos meus, me fazendo querer pular em seu colo ali mesmo.


É claro que eu tinha amado aquela brincadeirinha, mas eu não ia ceder, não... agora.


Obra do destino ou não, durante esse meio tempo em que não nos falamos, por eu estar o evitando, não encontrei um que proporcionasse tamanho prazer, ao menos não igual o que Jeon me oferecia. Ninguém se comparava à ele. Cheguei a duvidar que tal coisa fosse possível.


Jeon... — me desvencilhei de seus braços, dando as costas para o moreno, que soltou uma risadinha abafada.


Ele colocou suas mãos nos bolsos da calça.


Até quando? — Jungkook perguntou, de repente.


Cruzei meus braços, sem entender aonde ele queria chegar.


Até quando o que? — devolvi com outra pergunta.


O maior suspirou, encostando seu corpo no divã que havia em meu escritório.


Até quando vai me evitar, S.N?


Evitá-lo? Eu não estava o evitando. Ou estava? Sinceramente?! Eu não sabia dizer.


Eu? Eu não estou te evitando, Jeon. Apenas estive... — pensei no que diria — Ocupada com a empresa. Não estou evitando ninguém.


O.k., o.k., talvez eu estivesse sim evitando ele. Mas eu tinha um motivo, ou pelo menos achava que tinha.


Meus pais sempre me deram tudo o que eu queria e todo amor que podiam e conseguiam me dar, quanto a isso, eu não tinha do que reclamar. Eles eram ótimos pais, realmente, mas, eles não se amavam. Não era como naqueles contos de fada onde a princesinha vivia num castelo enorme com seus pais que se amavam e blá blá blá. Sempre que eles se viam, viviam brigando.


Aí vocês perguntam: "se eles não se amavam, por que se casaram?". Simples. Meus avós. Sabe aqueles típicos tradicionalistas que arranjam casamento para seus filhos? Então. Eles eram assim.


Mas, diferentemente dos clichês de cinema, eles não acabaram, milagrosamente, se apaixonando depois de um tempo, muito pelo contrário, eles não se suportavam. E é aí que eu surgi no meio disso tudo. Como meus avós queriam porque queriam um neto, meus pais foram pressionados a "providenciarem" uma criança, no caso, euzinha aqui.

Mamãe quase nunca parava em casa e quando parava realmente, ela acabava discutindo com o papai, que também vivia viajando, por causa da empresa. Para uma criança de 6 anos, naquela época, aquele era o pior ambiente que poderia estar: no meio de discussões.

Graças à isso, cresci não acreditando em paixão ou amor a primeira vista, por ver como era a relação de meus pais, e cresci me sentindo culpada por achar que era eu quem prendia eles a eles mesmos.

Se querem uma dica, não acreditem em qualquer filme romântico que vocês assistem, porque... Eles não são reais. Nenhum príncipe encantado vai surgir do além para salvar a princesinha em perigo. É apenas ficção.

E é por isso que Jungkook me preocupa. E se não dermos certo? E se nos cansarmos um do outro? Não seremos jovens para sempre e não estava sequer disposta a pagar para ver.

O que eu sentia?

Medo.

Eu tinha medo. Medo de me apaixonar e me machucar, medo de me casar e acabar como os meus pais, medo do futuro... Medo de... Tudo, talvez.


Me virei para arrumar minhas coisas finalmente e tentar sair dali o quanto antes. Caso contrário, Jeon iria conseguir exatamente o que queria de mim.


Ocupada... Sei... — senti Jungkook me abraçar por trás — Por um mês inteiro, S.N?

Se não se lembra, Jeon, sou a CEO dessa empresa, sou responsável por ela. — virei-me de frente para o mesmo, ainda rodeada por seus braços.

Oh, sim. Eu não esqueceria disso por nada, senhorita Min. — riu anasalado — Até porque, S.N, somos sócios.

— P-pode me soltar? — pedi quase implorando para ele.


Se ele me segurasse por mais alguns segundos eu já não teria mais qualquer controle sobre o meu corpo. Precisava guardar o restinho de sanidade que eu ainda possuía.


E se eu não quiser te soltar, hm? — perguntou malicioso — Parece nervosa, S.N... Algum... problema? — roçou seus lábios próximos ao meu ouvido, me fazendo arrepiar por completo.

Jungkook, eu estou falando sério. Me solte.


Na verdade eu não estava falando nada sério, estava louca para me jogar de vez em seu colo, mas minha cabeça dizia que se eu fizesse isso, eu não recuperaria totalmente minha sanidade e me entregaria à ele por completo. E isso era exatamente o que eu não queria.


Shhh... — Jeon distribuía beijos na região sensível de meu pescoço — Sabe que você fica estupidamente gostosa vestida assim, não sabe?


Não vou negar, estava adorando aquilo. E me fazer de difícil estava sendo maravilhoso até agora, e eu não pretendia me render ainda...


Jeon... — o chamei, mas minha voz parecia mais como um gemido arrastado — Me solt-


Não consegui dizer mais nada, pois o moreno havia atacado meus lábios intensamente, sem nem dar a chance de me afastar. Droga, ele sabia que tinha algum poder sobre mim. Um poder que nem eu sabia explicar.


Você está falando demais, Min... — disse e voltou sua atenção ao meu pescoço, fazendo com que eu jogasse minha cabeça para trás, em um gesto de aprovação involuntária.


Sem demorar mais, Jeon me suspende em seu colo, agarrando minhas coxas que rodearam sua cintura no mesmo instante, nos guiando a passos cegos até o divã, onde se sentou comigo ainda em cima de si.

É. Já não tinha para onde ir, nem como fugir. Eu havia cedido a ele, involuntariamente. Minha sanidade se foi por completo no momento em que nossos lábios se juntaram num ósculo perfeito.

Antes mesmo que eu percebesse, nossas roupas já se encontravam espalhadas por todo o meu escritório e estávamos encaixados numa perfeita simbiose de nossos corpos, que agora, se encontravam suados.

Não acharia melhores palavras para descrever aquela sensação. Nós dois ofegantes, ele segurando firmemente minha cintura, incentivando minhas quicadas sobre seu lembro era, definitivamente, uma sensação única. Um prazer indescritível.

Mas antes mesmo de chegarmos em nosso ápice, fomos interrompidos por batidas na porta, que, AH céus, ainda bem que estava trancada.


— Senhorita Min? — era Wendy.


Tentei me recompor, saindo de cima do Jeon, que me olhou em desaprovação, vestindo novamente nossas roupas.


Si-sim, Wen? — tentei disfarçar minha voz, por estar ofegante.


A-ah... — ela gaguejou, provavelmente já imaginando o que estava acontecendo aqui dentro — Era apenas para avisar que eu já estou de saída, o Chanyeol veio me buscar, então... não se preocupe...

— Ah, sim. Tudo bem, Wen. — respondi, tentando ajeitar meus cabelos, enquanto Jungkook já estava impecável novamente.


Como caralhos ele se vestiu tão rápido?!


Bem, até amanhã, S.N e... Desculpe atrapalhar vocês dois, Jungkook. — Wendy riu, seguida de Jungkook.

No problems, Wen. — o mais velho riu e virou novamente para mim — Terminaremos isso depois da meia noite, Min. — sussurou e deixou um selar demorado em mim, saindo da sala logo em seguida.


Ri desacreditada. "Terminaremos". Esse homem ainda vai acabar com o meu psicológico algum dia desses.

...

Setembro, 2020


Alguns meses haviam se passado e minha relação com Jungkook? Bem... ainda tinha suas indas e vindas. E ele continuava com a mesma ideia na cabeça.


"Por que é que sempre foge do assunto quando digo que quero me casar com você?" — Jungkook repetia a mesma pergunta todas as vezes em que discutíamos.


"E por que você não me entende quando digo que não pretendo me casar?!" — e era sempre a mesma resposta que eu lhe dava.


Eu realmente não sabia como respondê-lo, então a única solução que via nesses momentos, era rebater tal pergunta com outra pergunta.


...


Eu estava em casa, era meu dia de folga, e estava terminando de me aprontar para a festa de aniversário do Jeon, que seria daqui...


Faltam só trinta minutos?! — assustei-me ao ver o horário — Não deveria ter dormido pela tarde. Hm, pelo menos chegando atrasada, quem sabe não faço uma entrada triunfal igual aquelas cenas de dorama? — pensei alto, rindo de mim mesma pelo raciocínio louco.

...

Chegando ao local em que seria realizada a "festinha" — como estava escrito na mensagem que me fora enviada como convite —, não me surpreendi com tanta gente ali, todas com suas máscaras, aglomerada.

Adentrei a mansão que pertencia à seu pai, logo atraindo olhares de alguns que estavam ali presentes e sorri. Não vou negar, adorava chamar atenção.

Estava vestida por um tecido comprido de seda azul marinho, cujo possuía uma fenda em minha coxa esquerda e um pequeno decote na região das costas, que marcava bem minhas poucas, mas ainda assim notáveis, curvas, e em meu rosto continha uma máscara, da mesma tonalidade de meu vestido.

Era o aniversário do Jeon, mas quem disse que eu não faria um joguinho com ele?

Caminhei até o balcão de bebidas, logo pedindo um vinho e me sentando ali mesmo, enquanto Jungkook estaria provavelmente ocupado com esse mar de gente em sua festa. Se eu iria começar um joguinho, bom, que eu não estivesse tão sóbria pelo menos.


Ora, ora, ora... — ouvi alguém gritar atrás de mim, devido ao enorme barulho da festa — Min S.N... Você está-

— Linda, fantástica, estupidamente atraente?! — completei, ainda mantendo minha atenção na taça de vinho em minha mão — É, eu sei.

Convencida como sempre, não?! — riu anasalado.

Pois é, é um ponto fraco meu. — disse sarcástica — Como vai, Soobin?

Vejo que não me esqueceu... — disse o mais alto, se sentando ao meu lado.

Como esqueceria, Binnie?


Choi Soobin era o meio irmão mais novo de Jungkook, filho do segundo casamento de seu pai e tinha a mesma idade que eu, sendo mais velho por apenas duas semanas, e meu melhor amigo.

Quanto à sua relação com Jeon, bem... era meio conturbada, mas eles se davam bem, na medida do possivel.


Como tem andado, Min? — perguntou, estendendo a mão e pedindo o mesmo vinho que eu bebia ao garçom — Soube que sua empresa está indo muito bem...

— Sou muito boa no que faço, eu sei. — joguei uma mechinha de meu cabelo para trás de meu ombro, em tom de brincadeira.

Não esperaria nada menos de você... — ele me encarou rindo baixo.


Oh, você veio! — pude ouvir a voz do Jeon se aproximando.


Jeon trajava-se mais uma vez, completamente de preto, incluindo sua máscara. Os detalhes em micro-cristais cravejados em seu paletó, davam a ele um ar ainda mais de elegância, diferenciando-o dos demais paletós negros que se encontrava pela festa.


Eu não perderia ssa festa por nada. — disse com um tom sugestivo.

Que bom vê-la! — passou seu braço em volta de minha cintura em um gesto como quem dizia "meu território" na frente de seu meio irmão mais novo, beijando meu rosto em seguida.


Não que eu fosse a última bolachinha do pacote, mas eu sabia que o Choi, apesar de ser meu melhor amigo, já tivera uma quedinha por mim, e isso claramente ainda deixava o Jeon irritado, mesmo que isso já não correspondesse a nossa atual realidade e não tivéssemos nada.


O que pensa que está fazendo, Jeon? — perguntei, sussurrando rente ao seu ouvido, recebendo um aperto em minha coxa desnuda.

O que parece que estou fazendo, Min? — sussurrou em resposta — Tomando conta do que é meu. — afastou-se levemente, piscando para mim.

Sua?! — arqueei a sobrancelha — Desde quando você é sonhador assim, Jungkook?! — o provoquei.

Poderia me acompanhar, S.N? — o aniversariante perguntou.


O encarei divertida e, decidida a fazer-me de difícil, o provoquei novamente:


Nah, acho que não... — inclinei minha cabeça para o lado — Ainda tenho muito o que conversar com o Choi, não é?! — perguntei ao mais novo, que ainda me observava, sorrindo ladino.

Ah, claro. — sorriu — Acabri de chegar de Londres, não tivemos tempo para conversamos direito, hyung. — deu três tapinhas no ombro de Jungkook, que revirou os olhos.

Certo. — o mais velho encarou-me com fogo nos olhos — Resolveremos isso depois. Aproveitem a festa. — disse por fim, sumindo no meio daquela enorme multidão.

Aigoo, ele ficou bravo mesmo?! — pensei alto, atraindo a atenção de Soobin.

Relaxe, ele supera. — O mini Jeon riu anasalado.


Era engraçado como eles eram parecidos, tanto em aparência quanto em personalidade. Ambos eram sarcásticos no mesmo nível, era divertido de se ver.


Não acho que será tão fácil quanto diz, Binnie. E então, ficará por quanto tempo aqui na Coreia?

Menos de um mês, recentemente abri um restaurante em Londres, preciso acertar algumas coisas ainda... Bem, o que acha de dançarmos um pouco, hm? — estendeu sua mão em minha direção — Meu irmão parece querer me matar apenas por falar com você. — ele riu.

Parece gostar de provocá-lo, Soobin.

— Ah, claro. Não faz ideia do quanto é engraçado vê-lo irritado. — gargalhou e eu o acompanhei nas risadas — Se olhar agora, discretamente para o segundo andar, capaz que você consiga ver a fumaça sair da cabeça dele.


Olhei na direção que Soobin havia dito e, de fato, quase pude ver a fumaça. Era divertido observar o Jeon sentir ciúmes de mim e seu irmão.


Parece a ponto de explodir. — ri, voltando meu olhar ao Choi — Devo tentar acalmar a fera?

— Só você pode fazer isso, afinal de contas. — sorriu e piscou para mim.


Nos separamos e enquanto ele ia em direção ao bar, eu subia as escadas, a procura de Jeon que, naquele momento, era capaz de fuzilar qualquer um, apenas com o olhar.

Rolei meu olhar pelos lados, procurando pelo moreno, até ser prensada contra a parede, me causando um leve susto.


Ya! — olhei para o mais alto — Que susto, Jungkook! — ele permaneceu em silêncio, apenas me encarando profundamente com suas orbes completamente negras, fazendo um arrepio subir pela espinha — Não sabe falar?! O gato comeu a sua língua?


Ele continuou em silêncio, mas desta vez, acabando com a distância que havia entre nós, beijando-me ferozmente, como se aquela fosse a última vez que eu o veria.


Você. Não. Foi. Uma. Boa. Garota. — disse intercalando beijos pela pele descoberta de meus ombros e pescoço — Será punida por isso. — apertou minha bunda sobre o tecido fino do vestido de seda, fazendo com que eu deixasse escapar um gemido involuntário.

Hmm...


Ainda mantendo nosso ósculo, Jeon me ergueu em seu colo e caminhamos a passos cegos em direção até um dos quartos, onde ele me jogou na cama. Descendo seus beijos, mais uma vez para meu pescoço, deixava chupões na região sensível, causando uma sensação de prazer indescritivelmente sensacional.

Não contive o gemido:


Puta merda... — mordi meu lábio inferior.


Ele posicionou-se em cima de mim e começou a retirar meu vestido, de maneira apressada.


Min...Você ficou estupidamente gostosa nesse vestido, mas eu ainda prefiro você, sem ele — ele disse, enquanto rasgava peça de roupa cara e a jogava em algum canto daquela suíte.


Eu já estava sem sutiã, então facilitei o trabalho do moreno, que sempre ficava vidrado em meus seios, completamente expostos à ele. Aproveitei-me da situação para inverter nossas posições, ficando por cima e, sem perder mais tempo, arranquei seu paletó seguido de sua camisa social, que foram de encontro ao chão, como meu vestido e, logo depois, sua calça, que também fora jogada em algum lugar. Olhei para o abdômen trincadíssimo à minha frente.

Puta merda!

"Provavelmente nem conseguirei caminhar amanhã." — pensei.


Foi a vez dele sorrir, completamente cheio de malícia, abaixando sua cabeça, posicionando-se entre minhas pernas, onde deixou um breve selar na parte inferior de minha coxa. Arrepiei-me instantaneamente.

Sem perder tempo, Jeon rasgou minha calcinha, introduzindo sua língua em minha intimidade, me fazendo arquear as costas de tamanho prazer.


Hhmm, Je-Jeon...— mordi o lábio novamente, para conter os gemidos.


Mesmo sem olhá-lo, sabia que ele sorria enquanto eu gemia seu nome.


Ahh, não reprima os gemidos, baby. — ele sussurrou rente ao meu ouvido, voltando a me beijar, e fazendo com que eu sentisse meu próprio gosto, me introduzindo dois de seus dedos. Gemi alto em aprovação.


Psicionei-me novamente em seu colo, onde rebolei algumas vezes, sentindo sua ereção, ainda coberta pela cueca box que vestia.


Min S.N... Não me teste de novo... — ele disse de maneira sedutora, o que foi ainda mais excitante.

Provocar, eu?! — sorri ladino — Jeon... Eu nem comecei. — mordi o lóbulo de sua orelha, enquanto minha mão ia de encontro à seu membro, o estimulando ainda por dentro de sua cueca.


Depois de provocar o moreno com o miniJeon, retirei sua box e, me virando novamente, de costas para o colchão macio da cama, Jungkook finalmente se posiciona entre minhas pernas.


Ahhh, Jungkook...— gemi.

hmm, tão apertada... — ele gemeu arrastado.

Jungkook-ah... Sem tortura. Acabe logo com isso!


Ele me olhou profundamente. Suas orbes se escureceram pelo desejo. Ele então sorriu.


Hoje eu quem estarei no comando, Jagiya. Fique de quatro para mim. — disse em tom autoritário e eu o obedeci de imediato, ganhando um tapa em minha nádega esquerda.


"Céus, tudo era ainda mais excitante quando era ele quem estava no comando da situação."


Sem aviso prévio, ele penetra seu membro em meu interior, me fazendo soltar um gemido alto.


Aahh, Je-Jeon...

— O que você quer, S.N?! — perguntou — Diga que me quer ainda mais fundo e forte.

Quero... Eu quero você, Jeon. — eu estava entorpecida de tanto prazer — Me fode com força. — implorei.


E assim ele o fez. A cada estocada, minhas mãos agarravam o tecido branco do lençol da king size e eu empinava ainda mais, em busca de mais contato com o corpo do moreno. Jeon jogava sua cabeça para trás gemendo tão alto quanto eu enquanto nossos corpos chocavam-se em um vai e vem em total sincronia. Era maravilhoso ouvir seus gemidos de prazer. Nossos corpos colados e pingando suor, uma simbiose perfeita, inegável.

Após algum tempo, atingimos nosso ápice ao mesmo tempo, e então, ele se jogou ao meu lado na cama, me puxando para mais perto de si. Ainda ofegante, eu lhe disse:


Feliz aniversário, Jeon.


...


Outubro, 2020


Mais um mês havia se passado e desse tempo, havia duas semanas que eu estava novamente evitando Jungkook. Sim, de novo.

Por que? Porque... Bem, eu detestava admitir, mas eu realmente estava completamente apaixonada por ele.

Droga! Isso não estava nos meus planos.


S.N? S.N! — Wendy chacoalhava sua mão livre na frente de meu rosto para chamar minha atenção, enquanto a outra segurava o pequeno Jaehwa, meu afilhado recém nascido.

Hã? Ah, sim. Estava apenas observando Jaehwa, ele é tão fofinho. — acariciei os poucos fios do bebê.

Você não me engana, S.N. — ela riu baixo — Anda muito pensativa ultimamente... O quê é que está te deixando tão... dispersa? — a mais velha perguntou.


Suspirei.


O.k., o.k., é ele. Jungkook. Jeon Jungkook. — disse derrotada, debruçando-me sobre a mesa.


Ouvi ela soltar uma gargalhada baixa.


Ai, S.N... Só você mesmo...

— Ya, unnie! Não ria de mim! — fiz bico — Eu sinceramente não sei porque ando pensando tanto nele ultimamente... É estranho, nunca me senti dessa maneira antes.


A mais velha riu mais uma vez.


S.N, pelo amor de Deus! Você é tapada?! — ela me encarou.

Ya, sabe que eu posso te demitir por falar dessa maneira comigo, não sabe?! — fingi indignação.

Sei, mas você não teria coragem de me demitir. — a loira disse, convencida.

Aish... — bufei, ela estava certa — Mas, ainda assim, não sei o porquê de pensar tanto nele ultimamente... Eu não... Não sei o que fazer...

S.N, está mais do que óbvio! Você está apaixonada por ele, é simples.

— Eu?! Nunca! — neguei — Fala sério, Wendy, eu sou Min S.N, acha mesmo que eu me apaixonaria?


Me olhou com cara de "deboche".


Não só acho como sei que está. E arrisco a dizer que está apaixonada há mais tempo do que você percebeu... Foi a mesma coisa comigo e Chanyeol. Bem, quase... — afirmou a mais velha.


Refleti sobre sua fala. Parecia fácil para ela dizer, havia se casado há um ano e seu primeiro filho tinha apenas duas semanas de vida. Talvez ela estivesse certa, de fato. Mas e aí? Eu não sabia o que fazer do mesmo jeito. Estaca zero ainda.


Hm, se talvez, só talvez você estiver certa, Wen... — começei a falar, vendo a mais velha revirar os olhos e rir baixo — O que eu teria que fazer? Digo, eu estou o evitando há algumas semanas e, acho que talvez ele esteja desistindo de mim.

— S.N, posso não ser a pessoa mais qualificada como mestre do amor, mas não precisa ser um expert no assunto para saber que Jungkook é louco por você. A única que não percebe isso, é você mesma. Você, S.N, é a única mulher aos olhos dele e, se realmente o ama, deve ir atrás dele agora mesmo. Antes... que seja tarde demais.

Tarde... demais? — perguntei, confusa.

Jungkook está prestes a embarcar para Londres, ele não te contou? — a mais velha perguntou enquanto colocava o pequeno Jaehwa no carrinho.

Não... ele não me disse nada... — murmurei — A que horas é o vôo? — perguntei.

Daqui a uma hora. É melhor se apressar, eu cuido as coisas por aqui, vá atrás de quem você ama.

— Obrigada, Wen. — disse, levantando-me apressada, pegando meu sobretudo da cadeira e seguindo até meu carro, onde dirigi até o aeroporto.


...


Havia perdido quase meia hora naquele trânsito infernal, mas finalmente havia chegado ao aeroporto, onde corri procurando qual o portão de embarque o moreno estaria.

Olhei para todos os lados até o encontrar enfim, olhando algo em seu celular.

Suspirei aliviada e então corri em sua direção, o abraçando firmemente.


Mas o qu- — o interrompi, beijando-o.

Me desculpe, Jungkook. — disse me afastando — Eu sei, eu sei. Fui uma completa idiota com você, o ignorando novamente. Eu... eu eatava com medo do que podia acontecer e- — dessa vez, foi a vez dele de me interromper, me dando um selinho demorado — Eu... Eu amo você. — olhei no fundo de seus olhos, que se arregalaram no mesmo instante.

O-o que? — perguntou, surpreso.

Eu amo você, Jeon Jungkook. — sorri abertamente — E se não for tarde demais...

— Tarde demais para quê? — perguntou.

Queria saber se você... aceita se casar comigo?


Ele me encarou por um breve momento, procurando algum vestígio de que eu estivesse brincando e, não encontrando, sorriu. O sorriso que eu tanto amava.


Eu não acredito que recusou todos os meus pedidos para fazê-lo primeiro! - ele brincou, e nós dois sorrimos - É claro que eu aceito, S.N! — seus braços rodearam minha cintura firmemente, como se não fosse me soltar tão cedo, e logo me beijou apaixonadamente, rodopiando-me no ar, como cena de filme clichê.


As pessoas que estavam ali perto sorriam, gritavam e batiam palmas por nós, fazendo com que nossos sorrisos se abrissem ainda mais.


Eu te amo, Jeon... — afundei minha cabeça em seu pescoço, sentindo seu perfume.

Eu te amo, Min S.N.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, se leram até aqui!

Desculpe os erros!

Meu perfil para mais histórias @Jung_Baek2Jae

Fui!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...