História After The Storm - Capítulo 14


Escrita por: e Uchiha_Sophia

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Félix, Gabriel Agreste, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nathanaël, Nino, Plagg, Sabine Cheng, Tikki, Tom Dupain
Tags Adrinette, Ladynoir, Marichat
Visualizações 284
Palavras 1.349
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 14 - Chapitre Douze


Havia mandado, por Alya, uma carta para Chat – quando descobriu esta carregando o fruto do amor.

Porém, Chat não estava lá, por sorte Carapace – um jovem moreno – cujo usava uma máscara verde com detalhes que lembrava muito a carapaça de uma tartaruga.

O jovem moreno havia se encantado com a garota de máscara laranja, ah, como ela era linda

Perguntou-lhe se poderia ajudá-la, e ela lhe ofereceu um sorriso, tímido.


“– Procuro por, Chat Noir. – Falou a jovem.


O moreno decepcionou-se, ela procurava por Chat/Adrien?, havia lhe perguntado em que poderia ajudá-la, em outros propósitos, mais sórdidos.  Não transparecendo a decepção apenas falou.


– Chat não vem aqui, faz algum tempo. – Falou ele, logo em seguida limpou a garganta e prosseguiu. – Mas sinto lhe dizer, mas Chat não está disponível.


Ela corou, ele achava que ela queria uma noite o gato loiro? Estava com vergonha, e apenas falou.


– N-não… eu não o procurava para… isso. – Falou, com vergonha. – E-eu… não… – Pelo constrangimento da moça, Carapace deduziu que a mesma deveria ser, imaculada.

 – Perdoe-me senhorita. Não foi minha intenção ofendê-la. – Falou, rapidamente. – O que deseja tratar com, Chat?

– B-bom é sobre…. Ladybug. – Falou ela, em tom baixo para que só ele a ouvisse. – Ela pediu-me para entregar esta carta a ele. – Mostrou-lhe a carta escrita pela amiga. – É de extrema importância.

– Eu o entrego. – Falou, com um sorriso. – Sempre nos encontramos para tratar de negócios.

– Ficaria imensamente agradecida.”


Mas, a carta nunca chegou ao destinatário.  

Sir. Nicolas havia chegado em casa tarde da noite – tirou suas roupas e jogou-as no chão – a carta que se encontrava no bolso de seu paletó, foi, por algum motivo parar embaixo de sua cômoda.


.

.

.

.


A menina fora solta depois do ocorrido – sentia-se suja, imunda – suas lágrimas desciam de sua face avermelhada. Sua esperanças? Foram arrancadas de si. Fora violentada e, o pior, havia comparado o toque do seu amado, Chat Noir, com o toque daquele asqueroso. Estava com a mente atordoada. Esfregava-se com força e sua pele ficava marcada com tamanha força que era usada. Jogou um punhado d’água sobre a cabeça e ficou ali – presa em seus pensamentos.

No andar de baixo Adrien estava conversando com Nino, em seu escritório.


– Uma carta? A quanto tempo está com ela? – Perguntou Adrien, com a carta de sua amada em mãos. Nino limpou a garganta.

– A pouco mais de um mês. – Falou e Adrien o olhou com fúria. – Havia caído de meu bolso e uma das criadas encontrou.


Adrien queria gritar com o amigo, insultá-lo com as palavras de mais baixo calão que tinha conhecimento. Mas, ficou quieto, pegou uma faca – de correspondência – abriu a carta com cuidado.


Prezado Chat


Eu já te amava

de verdade

e com muita

intensidade

Tanto que nosso amor

transbordou

e nossa vida

magicamente mudou

Aquele amor

mudou de vez

não somos mais só nós dois.

Agora somos três.


Com amor, sua Lady!”



Adrien não tinha percebido até o momento – mas lágrimas caiam de seu rosto – estava feliz, sua Lady lhe daria um filho.


– Ela está grávida. – Falou, emocionado. – A mulher que eu amo vai me dar um filho. Tenho que vê-la!

– Ela não vai mais ao Miraculous a tempos.

– E a mulher que lhe entregou a carta?

– Ela apareceu duas noites atrás, a procura de um de nós dois, eu não fui ao Miraculous na noite em questão. Mais pedi a Queen Bee que me informasse se ela aparecesse, Queen havia a visto na primeira noite.

– Tenho que achá-la! Saber onde está My Lady! Vou ao Miraculous todas as noites, e quando eu não puder ir…  – Abriu uma das gavetas e tirou a cópia de uma chave. – Você irá, e entregará-lhe isso, é da casa de campo Lady sabe onde fica.


Tempos depois…..


Haviam se passado seis meses e meio desde que Adrien descobrira sobre a gravidez da amada, não parava um instante em casa, estava a procura de sua Lady, ela deveria estar no oitavo mês de gestação. Ele estava apavorado – ao pensar que sua Lady estivesse magoada com sigo – ela poderia pensar que ele não a queria mais, já havia passado-se tanto tempo. Ele havia decidido levar Marinette a julgamento, por adultério, sua centelha seria a morte certa, mesmo sendo filha de um nobre, se fosse a mais velha e, herdeira do título de nobreza de seu pai, seria poupada, mas, não era o caso, Marinette era filha a mais nova. Por tanto, seu julgamento seria em uma semana. A mesma não sabia que Adrien à havia acusado por adultério.

Marinette estava em seu quarto – com a mão em sua barriga – estava com seis meses e meio de gestação. Mesmo sendo fruto de uma violência, Marinette amava ao seu bebêzinho. Não virá mais Adrien, ele não sabia que ela carregava, em seu ventre  – o fruto de uma violação. A menina Agreste estava distraída, e não perceberá que Alya entrara em seu quarto.


– Marinette. – Estalou os dedos, em frente a face da gestante.

– Oh. Perdão Alya, não a ouvi entrar. – Desculpou-se. Alya sorriu. – T-tem notícias dele? – A morena assentiu. – E-ele está com outra? É isso não, é? – Choramingou, estava sensível pela gravidez.  

– Não Marientte. – A acalmou. – Ele te ama! Está a sua procura, fui ao Miraculous ontem e, falei com Carapace. Sabe, aquele amigo de Chat. – Falou, e a azulada assentiu. – Ele me entregou essa chave, é da casa de campo. Chat está em uma viagem…. Não entendi bem, era algo relacionado ao casamento. Irá se divorciar ao coisa do tipo.

– E-ele me procurou? – Alya assentiu, sorrindo. – Ah, Alya, como vou encara-lo? Perdi nosso filho….

– Calma Marinette, você deve ir…. Aproveite que Adrien não está em casa. Avisarei a Carapace que você irá para casa de campo!


.

.

.

.


Marinette sentia-se enjoada, ao balançar da carruagem de aluguel. A viagem era longa e cara  como pagamento deu o anel de noivado – que era mais que o triplo do preço da viagem – estava quase chegando a “Meu chalé” – Chat, havia lhe dito que não pensou em nome melhor para a capa – então deu-lhe este nome.

A carruagem parou em frente a uma bela propriedade. O cocheiro ajudou a mulher a descer da carruagem, e levou a bagagem e deixou-a em frente a porta, afinal, ela estava grávida e não podia carregar peso. Marinette agradeceu ao homem e lhe deu o anel, o homem falou que era um anel muito caro e a menina de cabelos azuis falou “O senhor fez muito por mim, salvou a mim e ao meu filho de um monstro” o homem não compreendeu a princípio. Pensou que o marido da jovem a maltratava, sabia que ela era, Lukas já havia visto-a antes. Ele curvou-se e foi embora.

Marinette entrou na casa e com um pouco de dificuldade pegou sua bagagem – que era apenas, uma mala média de mão – pegou sua máscara e olhou-a, iria contar a Chat sua identidade!


    (...)


Alya estava no Miraculous conversando com Carapace quando ele viu Chat entrar pela porta de entrada do Clube noturno.


– Chat. – O chamou. – Essa é Rena Rouge, é a amiga de quem lhe falei. Ela trouxe notícias de Ladybug. – O loiro sorriu.

– Como ela está? E meu filho? – Perguntou, estava afoito. A garota morena abaixou o olhar, triste. – Aconteceu algo com My Lady… ou com… meu filho….?

– É melhor que pergunte a ela… ela está á sua espera na casa de campo… só peço que a compreenda. Ela sofreu muito! – O loiro sentiu um aperto no peito, ah, sua pobre Lady, achava ela que ele estava com outra?


Chat saiu em disparada seriam quatro horas de viagem do Clube ao “Meu Chalé”.

Os morenos ficaram conversando por algumas horas, até o assunto voltar a o casal de mascarados.


– Espero que ele e Marinette se entendam. – Ela sussurrou, mas o rapaz ao seu lado ouvira, e arregalou os olhos.

– L-lady Marinette Dupain-Cheng Agreste? – Perguntou ele. Ela assentiu.

– Por favor… não conte a ninguém…. Ela poderia ser mandada a julgamento.


O moreno assentiu sem dizer nada. Apenas pediu licença e foi para um dos quartos, era ela, Marinette.

Marinette era Ladybug.

E Adrien já havia levado o assunto do adultério a corte. Mesmo que ela tenha se deitado com o próprio seria condenada, pois não sabia da identidade do gato preto.

Já faziam duas horas e meia que Chat/Adrien partira, não daria para avisá-lo.



(...)



Notas Finais


Amanhã ou depois sai cap novo.
Estamos chegando a reta final - quero terminar a fic com 400 favoritos (ou mais) -
Se passarmos de 400 teremos segunda tp com muito hentai
, brigas, romance e muita putaria kk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...