História After Yes - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Drama, Romance
Visualizações 109
Palavras 2.467
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi, mores.
Peço desculpas se vocês encontrarem erros ao longo dos capítulos, não parei muito para revisar.
Boa leitura!

Capítulo 3 - How it began


Deitada de bruços e balançando as pernas, observo Justin no mar. Ele está bem mais bonito do que quando casamos, seu corpo está cheio de tatuagens novas, que eu particularmente acho que o deixam muito sexy, mas infelizmente a aparência não é a única coisa importante em um relacionamento. Sua personalidade mudou muito, seus princípios. Nós dois mudamos, eu também mudei muito nesses três anos sendo sua esposa. Fecho os olhos e me concentro no barulho das ondas quebrando na praia, me deixo levar pelas lembranças.

///

Agencia de Jack Hilton

Nova York

Norah entra no grande prédio correndo, só quando o elevador começa a subir é que ela consegue acalmar a respiração ofegante. Ultimamente esse prédio tem sido mais a sua casa do que qualquer outro lugar. Pouco tempo depois que seus seguidores aumentaram notavelmente, as marcas começaram a vir atrás dela para negociar parceria, mas Norah nunca foi boa com negociações, então teve que contratar alguém para ajuda-la a gerenciar tudo o que estava acontecendo.

As portas do elevador se abrem, ela respira fundo e entra no escritório. Norah estava se sentindo cansada, desde o amanhecer as coisas deram errado para ela. Primeiro foi o cabelo que estava com aspecto empaçocado, o que para uma pessoa que o trabalho depende totalmente da aparência, pode realmente acabar com o dia. Depois, quando foi sair para uma seção de fotos, o seu carro não quis ligar e ela teve que correr até o metro mais próximo, o que a fez se atrasar quase que uma hora. E para somar a tudo isso, ainda tinha a querida amiga TPM dando as caras.

— Senhorita Florence, olá. — A secretária ruiva e gordinha que já conhecia Norah muito bem, a cumprimenta — Jack está esperando na sala dela.

— Obrigada, Kate.

Norah segue pelo corredor com paredes cinzas até a sala de Jack, ela iria apenas assinar um contrato e depois disso estaria livre para ir para casa e se afundar em um balde de pipoca, com roupas confortáveis, afundada no sofá enquanto assiste um bom filme. Mas não foi isso o que aconteceu, ao sentar na cadeira em frente a mesa de Jack, Norah recebeu a notícia que ela teria que voltar até a empresa provedora do contrato para solicitar outra via.

— Você perdeu meus documentos? — Ela pergunta indignada, mas ainda assim mantendo sua postura.

— Eu sinto muito, Norah. Justin, meu assistente, foi assaltado esta manhã e perdeu muitos documentos que estavam em sua maleta. Você consegue ir até lá ainda hoje?

A menina se encosta na cadeira respirando fundo. Até seria rápido de resolver isso se ela estivesse com seu carro, ou se seus sapatos não estivessem matando seus pés, ou se não estivesse sentindo como se uma guerra fosse travada em seu útero.

— Não, estou sem carro hoje. — Ela desembucha mal-humorada.

— Eu posso pedir para Justin levar você. — Jack sugere.

Minutos depois Norah e o estagiário de Jack, um menino de cabelos dourados, saiam do grande prédio bem localizado em Nova York para ir até a empresa. No caminho até lá Norah sentiu mais uma vez suas forças se acabarem quando uma pontada forte a fez estremecer, as cólicas não estavam fáceis esse mês. Lágrimas invadiram seus olhos, ela só queria ir para casa e ficar escondida lá até que tudo passasse.

Justin sempre se esforçou muito quando o assunto era o seu trabalho, sempre fazia tudo o que sua chefe pedia, mesmo quando isso envolvia levar uma das clientes mimadas dela até algum lugar. Não que Justin não gostasse delas, mas achava uma bobagem toda essa coisa de internet e curtidas em fotos, não entendia como uma pessoa conseguia viver disso e, honestamente, todas pareciam igualmente fúteis para ele. Mas tudo bem, se ser o braço direito de Jack incluía lidar com essa gente, então ele aceitava isso do melhor jeito possível. Justin só não sabia como lidar quando uma dessas meninas chorava no seu carro sem nenhum motivo aparente.

— Hum...Você está bem? — Ele pergunta para a moça muito bem arrumada ao seu lado.

— Sim. Só está sendo um dia difícil, só isso. — Norah responde limpando as lágrimas, tentando não danificar a maquiagem.

Justin torna seu olhar para frente novamente, mas ele não deixa de notar o esforço que a menina ao seu lado estava fazendo para controlar as lágrimas. O maxilar dela estava tão travado que parecia que algo ia se deslocar em seu rosto. E chegar assim em uma empresa que a quer como sua imagem, não seria uma boa ideia.

— Quem sabe a gente faz uma pausa para um café e depois continuamos? Aí você tem um tempo para se acalmar. — Norah o encara surpresa, já fazia algum tempo que alguém não a convidava para um café sem que fosse para ela tirar foto e fazer propaganda, nem que fosse uma foto com as amigas blogueiras que acabariam se divulgando entre os próprios seguidores. Ultimamente em sua vida tudo se resumia a trabalho.

— Pode ser. — Ela concorda.

///

Depois daquele café muita coisa em minha vida mudou, eu ganhei um amigo. Justin e eu nos aproximamos muito rápido, tínhamos quase a mesma visão do mundo, gostávamos das mesmas coisas. Não foi difícil me apaixonar por ele, ainda mais quando descobri quão incrível sua voz era. No início ele só cantava quando eu implorava, até que um dia fuçando em seu computador, encontrei alguns vídeos caseiros dele cantando. Eu tenho muitos contatos por causa da minha profissão, então mandei para um caça talentos que acabei conhecendo em um evento de música que cobri. Scooter logo que assistiu ao vídeo quis conhece-lo, a partir daí tudo aconteceu muito rápido.

Em menos de um ano, Justin já estava produzindo seu primeiro álbum, seus singles de estreia tinham sido um sucesso e todos pareciam estar apaixonados por quem ele era. Seu número de fãs crescia absurdamente rápido, o sucesso foi instantâneo. Nessa época nós éramos como melhores amigos inseparáveis – pelo menos era o que a mídia achava, a realidade é que já estávamos namorando há quase um ano – eu o acompanhava para todos os lugares, meu trabalho permitia isso. Na verdade, o acompanhar ajudou muito as coisas alavancarem para um outro nível para mim. O acompanhando durante as turnês de divulgação, eu ganhei milhares de seguidores que queriam ver como Justin vivia seus dias.

No meio da sua primeira turnê oficial nós anunciamos que não éramos apenas melhores amigos – nessa época já tínhamos dois anos de namoro. Seis meses depois anunciamos o casamento, ocasionando outra onda de ódio, milhares de paparazzi nos seguindo e entrevistas para tentar explicar que não, não era muito cedo e que nosso relacionando era de muito mais longo do que compartilhávamos com o mundo.

Logo que casamos foi muito bom, ainda éramos como namorados apaixonados. Já vivíamos juntos há algum tempo, então a fase de adaptação que alguns casais passam no primeiro ano, nós já tínhamos superado. A agenda lotada não era um problema nessa época, tirávamos muitos finais de semanas só para nós, íamos para praias e lugares isolados e era maravilhoso. Além de que nessa época Justin estava produzindo seu segundo álbum, o que o deixou um pouco afastado da mídia. Foram nossos melhores seis meses, até que veio o lançamento do álbum e, se achávamos que ele era famoso antes, é por que não tínhamos ideia do que estava por vir. Justin começou a chamar atenção de muita gente importante, as pessoas começaram a perceber que tinham uma estrela nas mãos, e não perderam tempo em investir cada vez mais nele.

Pouco tempo depois outra turnê começava e dessa vez eu não pude acompanha-lo. Já não trabalhava mais só com a internet, estava lançando minha própria linha de sapatos e roupa, o que me fazia ter de ficar sempre em Nova York. Quando o primeiro rumor de traição surgiu eu achei que não ia aguentar, foi uma dor dilacerante e levei um tempo para me recuperar, mas depois isso se tornou rotina. Justin estava viajando ao redor do mundo enquanto sua esposa estava em casa, era normal as pessoas pensarem que ele não aguentaria se manter fiel, e pelo menos naquela época a maioria dos rumores eram mentira.

Estava tão perdida em meus pensamentos que não notei quando Justin saiu do mar e ao sentir uma mão em minhas costas, levo um susto. Viro-me para encara-lo e o encontro sorrindo.

— Acho melhor você sair dessa posição antes que se queime. — Ele diz. Concordo com sua sugestão e sento-me ao seu lado, ele passa o braço ao meu redor e me traz para perto.

— Vou beijar você agora. — Justin sussurra em meu ouvido. Viro-me para ele, estamos a centímetros de distância. Nossos lábios se tocam e eu me sinto estranha, tudo isso é estranho. Eu nunca imaginei estar vivendo essa situação, nunca imaginei que meu casamento se transformaria em uma farsa.

Nos afastamos, eu olho dentro de seus olhos e posso notar que eles não são os mesmos pelo qual eu me apaixonei. Tristeza e culpa tomam conta de mim em doses iguais, penso que se eu não tivesse o apresentado para Scooter, ou não tivesse falado tantas coisas que o magoassem, aqueles olhos castanhos ainda estariam tão lindos e alegres como costumavam ser.

///

Apartamento de Norah e Justin

Nova York

O jovem casal não se via a mais de três meses, ficar tanto tempo assim separados em seu primeiro ano de casamento não era nada recomendado. Esse era para ser o fim de semana de folga de Justin Bieber, o astro pop mais famoso do momento, com sua esposa Norah Bieber. Muitos paparazzi estavam esperando por esse momento, uma foto dos dois juntos valia ouro. Para o descontentamento de muitos, dessa vez eles só queriam ficar em casa juntos, mas os planos não estavam correndo como planejado. Já era a terceira vez que os dois tentavam um contato mais íntimo, mas Norah não conseguia ir até o fim. O último rumor de traição não era mentira, fotos de Justin e uma loira misteriosa estampavam revistas e circulavam pela internet. Norah estava machucada e humilhada, não conseguia sentir o toque dele sem lembrar de como suas mãos seguravam a cintura daquela mulher que tinha o corpo igual ao de uma modelo.

— Amor, por favor. Eu já falei que foi um erro, eu tinha bebido demais, não sabia o que estava fazendo. Nem me lembro do rosto dela. — Justin repete as mesmas palavras de cinco minutos atrás, e elas eram verdade. Ele não se lembrava do rosto da menina que beijara naquela festa, na verdade tinha imaginado Norah no lugar dela, e agora tinha que lidar com as consequências daquele ato idiota. Odiava ver a esposa triste, ele a amava tanto e saber que o motivo da sua tristeza era ele, o dilacerava por dentro.

A verdade era que na noite daquela festa, Norah deveria estar lá com ele. Era uma premiação importante e ele queria repartir aquele momento com ela, mas Norah não pode ir porque uma seção de fotos de última hora apareceu. Sua decisão foi rápida, o trabalho sempre viria em primeiro lugar. Eles brigaram, Justin foi para a after-party e com drinks quis preencher a presença da esposa até ficar bêbado, até estar confundindo tudo e enxergando o rosto dela em outras mulheres. Justin sabia muito bem que isso não justificava seus atos, seu arrependimento não apagava seu erro.

— Não. Eu não consigo. Eu amo você, mas toda vez que olho para seu rosto eu a vejo. — Norah faz uma pausa e desvia o olhar para o chão mais uma vez, quando ela olha para cima seus olhos estão cheios de lagrimas — Foi por causa do corpo dela? Por que ela é mais bonita que eu?

— Não! Não, você é perfeita para mim. Por favor, não pense isso. — Justin respondeu atônito.

— Então por que? Eu não consigo entender.

Ele respira fundo, passa a mão pelos cabelos e se afasta. Não quer brigar com ela, mas sabe muito bem que conversas que começam assim nunca tem um bom resultado.

— Por que você nunca está disponível para mim, Norah. Eu precisava de você comigo naquela noite, era importante para mim. Mas você escolheu o trabalho, sempre escolhe. — Ele responde em um tom de voz baixo, magoado.

Norah balança a cabeça indignada. — E você acha que isso é motivo para me trair?

— Eu só estava cansado de estar sempre sozinho. Nós ficamos sem nos ver por três meses! Três meses fodidamente longos sem ver você, sem mal ouvir sua voz. Todos as vezes que nós marcamos para nos ver, você desmarcou porque tinha que trabalhar.

— Você também não veio me ver. Nenhuma vez. Só agora quando viu que tinha feito merda, aí sim achou um tempo! — Norah não tinha o mesmo auto controle de Justin, nesse momento ela já estava gritando.

— Eu estava trabalhando! — Ele retruca.

— Eu também estava trabalhando!

— Por que o seu trabalho é sempre mais importante que o meu? — Justin pergunta irritado, sem mais conseguir manter a calma.

Norah estreita os olhos e se aproxima dele em passos lentos.

— Por que ao contrário de você — ela encosta o dedo indicador no peito dele — Eu não recebi as coisas de mão beijada. Eu tive que lutar muito para chegar onde estou hoje. Se não fosse por mim, pelos meus contatos, você não estaria realizando seu sonho.

— É incrível como tudo para você é trabalho! Tudo! E não aja como se você não tivesse se aproveitado de mim, Norah. Muitas coisas do que você tem conquistado agora vieram por causa dos meus fãs.

— Claro que para mim tudo é trabalho, é assim que eu faço dinheiro! É assim que eu sobrevivo!  Os outros podem me ver como com a esposa do Bieber, mas eu ainda sou Norah Florence e quero conquistar minhas próprias coisas. Eu queria poder ficar viajando com você pelo mundo, mas não é assim que a vida funciona, Justin. Esse é meu trabalho e ele ocupa muitas horas do meu dia, e calhou de eu ser muito boa nele, então eu vou continuar dando meu melhor.

Em um movimento rápido, Justin pega Norah pelos pulsos, a fazendo olhar bem dentro de seus olhos.

— E está valendo a pena? Hein, Norah? Você pode estar conquistando muitas empresas, mas está perdendo as coisas que antes pareciam ser tão importantes para você.

Ela não responde, apenas se desvencilha dele e corre para o quarto. Quando chega lá, finalmente deixa as lágrimas fluírem.

///

Justin tinha razão naquela época, eu me importei demais em conquistar o mundo e acabei o perdendo. Agora eu me dou conta de que dei valor para as coisas erradas, mas também não justifica ele ter me traído. Nós dois erramos, e em vez de tentar concertar isso, nós nos afastamos e deixamos o orgulho falar mais alto.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...