História After You - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Amor, Anime, Casal, Chinês, Colegial, Drama, Hot, Japones, Originais, Original, Romance, Yaoi
Visualizações 7
Palavras 3.404
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, LGBT, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá leitores, tudo bem? Espero que sim
Hoje estou postando uma nova fanfic que eu estava muito ansioso para poder estar dando um inicio para ela, e sinceramente eu estou tão animado e empolgado a
Espero que vocês gostem ♡ estou me esforçando muito para trazer o melhor conteúdo que possa deixar vocês com o coração animado e saltitante ♡

Capítulo 1 - Primeira Página


Nós somos um grande poço estruturado e preenchido com cronogramas que nos fazem ser quem somos, da mais simples gota até o mais forte sorriso, os flocos que caem, o vento que os empurram, e a água que os tornam, todos com um propósito, basta apenas encontra-los e conhecê-los. 
      Hoje completa um ano desde que entrei para o ensino médio, eu esperava que fosse como nos filmes musicais, com armários nos corredores e quase sempre um grupo de amigos cantando algo sem sentido pelos corredores, mas de qualquer forma, aprendi a aceitar isso e a entender que é um grande período entediante e cansativo, whatever.

— Kou, você tá dormindo? cara, você ta babando na mesa... Kou! Acorda! — Me levantei rapidamente daquela superfície dura, enxergando as pessoas ao meu redor, julgo ser meus amigos, na verdade, meus melhores amigos, Kime e Yoda.

— Oque foi? Me deixa dormir um pouco, você acha que foi fácil ficar a noite inteira escrevendo? pois não foi nem um pouco. — Resmunguei coçando os olhos observando cada um naquele momento, estavam todos ali, rindo descaradamente da minha cara linda e provavelmente marcada por conta da mesa.

— Credo, nem tá mais tão cedo pra você ficar revoltado desse jeito. — Dizia revirando os olhos, logo apontando a tela do seu celular para mim, mostrando uma conversa aleatória. Ok, talvez eu que não entendia nada naquele momento por estar caindo de sono. — Aquela garota que você conheceu pelo Kakao Talk vai estar no Shopping hoje com os outros, é o momento pra conhece-la, tem certeza que não vai?

Estiquei meus braços me espreguiçando, logo me levantando da cadeira, deixando os meus materiais ali mesmo. — Cara, eu não sei ainda, marquei de jogar com os meus amigos assim que chegar em casa, e que na verdade... Cadê todo mundo? — Olhei para as cadeiras vazias.

— A aula já acabou já faz alguns minutos, então acredito eu, que já foram embora. — Falou confuso, olhando para Kime á sua direita.

— Qual é Yoda! Por que não me acordou antes? eu vou ficar trancado do lado de fora se não chegar em casa antes da minha mãe sair. — Disse começando a guardar todos os objetos que estavam sobre a mesa, que em um instante, já estavam todos organizados e a mochila em minhas costas. — Ok, amo vocês, mas preciso ir urgente. — Dei de ombros andando apressadamente para fora da sala.

— Ok, ele é estranho... — Sussurrou Yoda, retirando uma breve risada da garota que estava presente na sala. — Tudo bem então, nos vemos mais tarde então, vou indo também.

Após a ida de Yoda, Kime também deixou o cômodo, seguindo respectivamente para suas casas. Eu estava correndo desesperadamente, tropeçando em todo lugar que tinha um pequeno degrau, não posso afirmar total certeza que chegaria com vida, eu só não queria ficar trancado do lado de fora por exatas cinco horas.

Virando a esquina, me deparei com o carro da minha mãe na porta, logo entendi que havia chegado no tempo ao extremo. Fui até ela com um sorriso bobo. Seu rosto entregava que estava com pressa, portanto revirou os olhos pra mim, entregando as chaves, que por sinal, havia trocado os chaveiros pendurados na mesma, por algum motivo tinha uma galinha vermelha, mas sem questionamentos estranhos.

Me despedi com um abraço simples. Essa é sempre a parte mais difícil do meu dia, não o fato de ter que me despedir, mas sim precisar ficar sozinho toda á tarde, entendiante e silencioso. Entrei em casa indo diretamente ao quarto da minha irmã, Kaori Yoshida, conferir se já estava na faculdade. Mas ao entrar, encontrei um bilhete sobre a sua cama, e sem hesitar, o peguei para ler.

— "Kou, irmãozinho do meu coração..." — Revirei os olhos dando continuidade. — "...depois da faculdade, vou sair com uns amigos, e provavelmente só volto para casa amanhã, então vê se cuida e come direito. — Assoprei fingindo estar surpreso. Joguei o bilhete em sua cama novamente, indo para o meu quarto, enquanto retirava a mochila no caminho. Coloquei-a sobre minha cama, me sentando no chão, em cima de um tapete macio.

— Ó deus, acho que vou dormir um pouco. — Deixei meu corpo cair pro lado, me deitando ali mesmo, mas infelizmente, não existe um momento de sossego nessa vida. Meu celular havia tocado dentro do bolso da minha calça. Com muita preguiça, atendi colocando perto do meu rosto. — Alô.

Escutei uma voz feminina do outro lado da chamada, dando um pequeno susto, consequentemente me sentando novamente. — Sim! Sou eu sim, e eu ainda não sei se vai dar pra mim ir, bem... — Pensei em alguma desculpa rápida para dar. — Eu to cheio de coisas do Colégio pra fazer, então pode ser que não dê, mas de qualquer forma... — Fui interrompido ao escuta-la sugerir que eu fizesse depois. — Desculpa, é que eu realmente não sei, mas de qualquer forma, os outros deram certeza que vai, então não se preocupe, se eu conseguir terminar a tempo, eu vou e te dou um toque, ok?

Tentei de todas as formas dar a volta sobre a situação, e felizmente, acabei tendo sucesso. Desliguei o telefone. Enchi o peito, soltando o ar com uma sensação de alívio. Me levantei do chão, retirando o uniforme, começando por partes, até porque eu não sou o quatro braços do Ben10.

Assim que retirei todo aquele peso, fiquei apenas de cueca. Eu estava sozinho, então não tinha problema algum nisso, além da sensação de liberdade que me dava ao me deitar abertamente na cama.

Bem, essa era a minha rotina, todos os dias sem fazer nada, e eu agradeço muito por tudo isso ter mudado. Agora, posso passar todo esse tempo ao lado da pessoa que eu mais gosto. É confuso, eu sei, mas irei contar essa história, para poderem me entender e que eu possa compartilhar esse sentimento com vocês. Eu deveria começar por onde?

Enfim, me chamo Kou Yoshida e eu tenho 16 anos, estou cursando o segundo ano do ensino médio. Eu acho que se fosse para dizer uma qualidade sobre mim, eu diria ser bem atencioso e apaixonado. Agora, um defeito, eu não posso falar sobre isso com toda clareza, porque um defeito pode ser uma qualidade, mas eu diria, tímido, claramente tímido; e preguiçoso.

Tenho uma irmã mais velha, ela está sempre na faculdade, então acho que isso é irrelevante. Meu pai, Koda Yoshida, trabalha fora, portanto moro somente com a minha mãe e minha irmã. Eu pretendo, quando terminar o Colégio, dar começo ao meu curso de fotografia, sempre amei tirar foto, e na verdade, eu acho que é uma das minhas maiores paixão.

Quando eu nasci, minha mãe me apelidou de; bumbum cheio; porque eu nasci durante a lua cheia; e que fique entre nós, ela dizia muito que eu tinha as nádegas redondinhas.

Mas enfim, vamos dar continuidade...

Após tirar um pequeno cochilo, me levantei da cama indo para o computador. Me sentei na cadeira, com a perna sobre o acento. Como ele já estava ligado, então fui direto ao Discord, um aplicativo de conversa por voz entre amigos. Entrei no servidor na procura de alguém online, e infelizmente só havia uma pessoa que eu não conhecia. Chun, o garoto chinês, amigo da Hana, a pessoa na qual eu deveria encontrar mais tarde no Shopping.

Seria estranho entrar em chamada com alguém que eu não faço idéia de quem seja, mas ainda sim hesitei. E fazendo a pior escolha, entrei. Lá estava eu, na mesma chamada que um garoto totalmente estranho para mim.

— Hm? Quem é? — A voz ecoou pelo fone, ele tinha um sotaque engraçado e fofo; mas ainda sim era estranho.

— Kou, sou amigo da Hana também. Imagino que você seja o Chun, certo? — Fui direto ao ponto, mesmo já tendo certeza de quem ele era, talvez por educação. Escutei o mesmo concordar com a garganta, fazendo um som positivo.

— Ah sim, você é aquele garoto que a Hana tá afim. — Riu. — Você vai lá no shopping daqui a pouco? Diz ela que você prometeu um abraço e muitas outras coisas, lindo o rolo dos dois.

— QUE? — Gritei. Eu estava em surto, porque, por mais que eu já sabia disso, e tinha as minhas próprias teorias, não imaginava que outras pessoas soubessem. Eu estava vermelho, e agradecia; virtualmente; por não existir alguma câmera apontada pra mim. — Ela te falou mais algo sobre? 

— Bem, além de apaixonada, ela disse que tem as dúvidas sobre você cortar pro outro lado, se é que me entende. — Ficou em silêncio por alguns segundos. — Ok, é muito estranho falar assim; ela acha que você é gay.

Assim que o ouvi dizer sobre isso, tampei meu rosto automaticamente, mesmo que ninguém estava me vendo, era uma péssima mania esses gestos. Suspirei profundamente. Me ajeitei na cadeira, acariciando minha barriga levemente. — Ela é doida assim mesmo. — Ri baixo.

— Ah sim, deve ser. — O garoto concordou rapidamente, logo prosseguiu. — Kou, me desculpa precisar sair assim tão rápido, mas é que eu tenho me arrumar pra ir lá, ou então ela me assassina. — Soou como um resmungo. — Mais tarde, ou até mesmo outro dia, nós entramos de novo para conversarmos melhor, você parece uma pessoa bacana.

De alguma forma, aquele elogio me deixou eufórico, é difícil explicar, mas eu sabia que era apenas para ser gentil, afinal, mal conversamos. Sorri bobo, ainda sim. — Tudo bem então, até mais Chun. — O som da chamada sendo desconectada soou ao fone, logo os retirei. Girei a cadeira me mantendo de frente pra janela para ter uma vista melhor.

— Gay? por que ela acha isso? — Sussurrei pensativo, mantendo minha atenção fixada no céu acinzentado e nublado. Logo, me levantei indo até o espelho na parede. Me posicionei de frente para o objeto, observando meu corpo, cada detalhe. Eu estava indeciso se eu deveria mesmo ir ou apenas ficar em casa jogando. Eu acho que os dois planos são ótimos, e sinceramente eu precisava muito de um descanso. Mas, sei que se eu ficar, teria que ouvir Kime e Yoda falando horrores na minha cabeça, então ok; eu vou.

Confiante, comecei a me arrumar. Fui para o banheiro tomar um banho demorado e quente, enquanto o meu celular sobre a pia, tocava algumas músicas no Spotify. Era um momento de calma, para refletir, mesmo que não tenha nenhum assunto para tal, porém, eu me sentia relaxado. A água quente que escorria em meu corpo, me deixava tão arrepiado, que mantive meus olhos fechados por quase todo o tempo.

Em aproximadamente, quinze minutos, deixei o banheiro enrolado na toalha, para escolher a roupa que iria usar. E como sempre, vesti uma blusa branca com uma estampa americana, uma calça preta, e por fim, o meu All Star, o companheiro dos piores e melhores momentos.

— Ok, isso é o suficiente. — Disse contente com a imagem que o espelho me entregava. Terminei alguns últimos detalhes, como pentear o cabelo, passar um perfume bom e escovar os dentes. No fim, desci para o andar de baixo. Peguei as chaves de casa e fiz um breve cafuné na Aurora, a minha gatinha de estimação. Ela para mim, é uma das coisinhas mais importante e preciosa do mundo.

Em seguida, deixei minha casa indo a pé para o Shopping. Por sorte, eu morava algumas ruas de lá, então quase não demorava para chegar, mas mesmo assim, Yoda e Kime me enviaram milhares de mensagens durante o caminho, todas perguntando se eu já estava indo.

[16:07] Yoda: a princesa morreu no caminho, foi?

[16:08] Kime: mas eu to aqui

[16:08] Yoda: eu tava falando da outra princesa,,, a que tem três pernas

[16:09] Kime: hm

Li todas as mensagens, todas elas me despertaram uma grande risada. Os dois pareciam estar dando algum tipo de DR, aquela coisa que os namorados dão quase todos os dias.

Em alguns minutos, adentrei no estabelecimento. Fui direto ao nosso ponto de encontro, a praça de alimentação. Procurei por todos eles e não consegui encontrar ninguém, deduzindo que fosse o primeiro a chegar; mesmo atrasado. Então resolvi esperar sentado a primeira alma viva aparecer. Mas oque me deixava mais triste, era que mesmo depois de meia hora, ninguém havia chegado. Hesitei em ir embora, mas imaginei que em algum momento quando eu fosse, eles apareceriam.

[17:03] Kou: Gente, cadê vocês?

Fiquei atento ao aparelho, sem tirar os olhos, esperando que a mensagem fosse entregue para Kime e Yoda. Acabei tendo um resultado falho; em relação aos dois apenas.

Assim que posicionei meu celular sobre a mesa, senti duas mãos enormes segurarem minha cintura sobre a cadeira, e um grito próximo; oque me fez dar um pulo.

— MAS QUE MER- — Desisti de terminar aquela frase ao me virar para trás e encontrar aquela figura sorridente dos olhos puxadinhos. Chun havia me pego desprevenido, e não minto que me senti um pouco envergonhado pela minha reação.

— Há! Te peguei! — Ditou rindo levemente, sentando ao meu lado. — Você é mesmo o Kou, hm? nas fotos que a Hana me enviou, você parecia maior. — Olhou de cima para baixo.

— Olha, a vida tem altos e baixos, é assim mesmo. — Falei dando uma pequena risada pelo duplo sentido do que eu havia dito. —  E você nem é tão alto assim. — Bufei agora me sentindo mal pela minha altura em relação á dele.

— Tudo bem então. — Deu uma leve batidinha em seus fios castanhos, tentando de algum jeito organiza-los. — Você viu o restante? Eu procurei a Hana e até agora nada, acho que enganaram a gente. — Deduziu.

— Exatamente! Ai que ódio Chun, eu andei por esse Shopping inteiro procurando a Kime e o Yoda, até agora nada. — Provavelmente, eu estava parecendo um pinguim irritado com a demora alheia. — E eles ainda reclamaram que eu tava demorando, num grupo nosso. — Coloquei a mão em minha cintura, batendo levemente o pé no chão, que não estava visível por conta da mesa, que os tampava. Eu tinha uma péssima mania de ficar repetindo esse mesmo ato para qualquer coisa que me irritava.

— Ei, calma aí, eles devem ter ido em algum lugar, comprar um lanche, sei lá. — O chinês agora estava rindo da minha careta. — Nós podemos usar esse tempo pra nós conhecer, e olha que eu tenho muitas dúvidas sobre você. — Foi direto.

— O-Oque? — Sim, gaguejei de uma forma horrível. Provavelmente, ele também deve ter os mesmos pensamentos da Hana. — Ei, eu não sou, tanto que eu namorei uma garota ano passado. — Recusei com as mãos enquanto dizia.

— Hum? Você não é oque? — Indagou confuso, mas em questão de segundos, ele conseguiu entender sobre oque eu estava falando. — Kou! — Riu. — Era sobre algumas séries e jogos, não era nada sobre isso. — O garoto soltou uma leve gargalhada, e agora eu estava me tornando um tomate sobre aquela cadeira. Eu tive um pensamento muito precoce, idai... — E sendo sincero, isso não indica nada, você sabe não é? essa história já não funciona mais.

Ok, Chun estava delirando totalmente. Na verdade, eu não sei exatamente. Algumas vezes o meu coração já agiu de forma estranha perto de alguns meninos, mas não sei oque isso quer dizer. No ano retrasado, quando eu sem querer dei um selinho em um amigo de classe, me senti diferente, meu coração parecia festejar dentro de mim com fogos e; muitas borboletas.

— É, pode ser... — Concordei com com ele, um tanto confuso. Não sabia responder aquele assunto com algo concreto, porque até mesmo eu, estava confuso sobre isso.

— Tá tudo bem nisso, sendo ou não, você é uma pessoa bacana, mesmo que eu não te conheça o tanto suficiente para dizer isso, sigo apenas minha intuição. — Abriu um sorriso enquanto me encarava. Ele tinha um sorriso bonito. — Mas enfim, como eu ia dizendo, você gosta de Teen Wolf? Elite?

Chun começou a citar séries famosas, que por coincidência, era o meu estilo favorito, então sem pensar, concordei com a cabeça, começando a puxar assunto com ele. Os minutos pareciam segundos, conversamos sobre tantas coisas engraçadas e sem nexo, que pareciamos até amigos próximos.

Descobri muitas coisas, como aonde ele estuda e aonde ele mora. Não somos do mesmo Colégio, mas pelo menos moramos bem perto um do outro. Descobri que sou mais velho um pouco e que ele tinha sopro, um problema cardíaco.

Aquele diálogo se tornou saudável e bem agradável, sinceramente, estava muito bom. Eu tirei as minhas primeiras impressões sobre ele, e eu estava gostando de conhecer uma pessoa nova como, sentia que ele fosse participar da minha vida por mais tempo.

— Kou! Ai que gracinha! — Ouvi novamente uma voz feminina ecoando atrás. Consequentemente, me virei para poder identificar a figura, me deparando com Kime e Yoda, se aproximando bem rápido.

Kime, correu na frente, abraçando de forma bagunçada, o meu rosto, já que estava sentado. A mesma observou Chun ao meu lado erguendo uma sobrancelha. As vezes eu me pergunto, como ela consegue não ser nada discreta.

— Kime, esse é o Chun, um amigo da Hana. — O apresentei enquanto ele se levantava para cumprimenta-la. Por fim, sentando novamente. — E aquele ali é o Yoda, um velho amigo nosso, e o futuro namorado da Kime. — Sussurrei a última parte para ele, e ainda sim, ela havia escutado, respondendo com um peteleco em minha testa. — Oque foi? É a verdade.

— Garoto? me respeita, eu sou evangélica. — Com sua resposta, não consegui de forma alguma aguentar o riso. O jeito como ela disse aquilo, foi engraçado. — Mas e essa tal de Hana, cadê ela? 

— Ela ainda não chegou, mas acho que já deve estar quase. — Olhei o horário em meu celular, que estava sobre a mesa. — Aliás, hoje mais cedo na aula, você me perguntou como eu conheci ela, certo? Se não me engano, foi em um grupo no Kakao Talk, sobre um grupo musical, não me lembro muito, mas foi quase isso mesmo.

— Credo Kou, e se ela for uma assasina? Deus me livre morrer assim tão cedo, passar a minha vida inteira estudando pra morrer quase no final. — Reclamou.

— Ela não é... é uma garota muito tímida e bem animada, vocês vão gostar. — Disse Chun, dando continuidade sobre o assunto. — Porém, eu acho que ela não vai vim, porque normalmente ela sempre chega mais cedo ou em cima do horário, algo deve ter acontecido.

— É, eu também acho que não... — Falei um pouco entristecido, mas por fim abrindo um sorrindo ao lembrar do assunto em que estavamos antes.

Yoda e Kime sentaram do lado oposto, de frente para nós dois, e naquele momento, eu sentia o clima amigável presente. Era percetível, que hoje seria um dia divertido e animado, e sim, eu estava certo, passamos toda aquela tarde juntos em um programa de amigos, conversando, comendo, e dando grandes gargalhadas com piadas horríveis.

No fim da tarde, quando estávamos preste a nos despedir, Chun pediu o meu número do celular, para que pudéssemos conversar mais vezes. Tive que ir embora primeiro que os outros três, poderiam ser quatro, mas infelizmente, Hana não compareceu.

Distribui abraços como despedida, para que em seguida, eu deixa-se aquele lugar, indo para casa sozinho. Estava no horário da minha mãe voltar pra casa, então eu deveria estar lá para abrir, afinal a chave estava comigo. [...]

Depois de um tempo, estava saindo do banheiro secando o cabelo, usando uma samba canção. O andar de baixo estava barulhento, a minha mãe estava com a televisão alta. Segui para o meu quarto, me organizar corretamente no espelho, e assim que foi feito, o som de uma notificação de mensagem ecoou no cômodo, e a luz do meu celular, estava acesa.

Curioso, o peguei para ler a mensagem, e meu coração; estava estranho novamente.

"Oi Kou, sou eu, Chun. Boa noite, eu amei te conhecer, quando possível, vamos marcar de sair mais vezes, eu e você."


Notas Finais


Até a proxíma ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...