1. Spirit Fanfics >
  2. Ágape: ser presente! >
  3. Seu presente

História Ágape: ser presente! - Capítulo 1


Escrita por: e Amartty


Capítulo 1 - Seu presente


Para Kit aquela conversa está indo para um rumo estranho demais.

- É o aniversário do Ming, pretende fazer algo especial?

Com Pha e Beam ao seu lado não tinha para onde correr, bufou olhando para o lado oposto dos dois.

- Não? Ele vai passar o seu aniversário na casa de seus pais, e eu já disse que não vou.

Kit tentou abreviar rapidamente aquele assunto constrangedor, não ia fazer nada especial para Ming, pois não sentia necessidade. Agora tem que aguentar o interrogatório dos dois sobre a sua vida privada, nada daquilo tinha relação a eles.

- Bem… você deveria colocar algum esforço, talvez mimar o garoto.

Aquela frase de Beam foi a gota d’água, sua pouca tolerância sobre as opiniões referentes a sua vida tinham chegado ao fim.

- Não vou mimar ninguém porra nenhuma, e vocês, por que não vão cuidar das próprias vidas?

Seu rosto estampava raiva, mas o que realmente sentia era vergonha. Não era de seu feitio trazer inseguranças ou problemas dá sua vida para a roda de amigos. A verdade era que nem ele mesmo sabia o que dar a Ming de presente, depois de mil e uma buscas na internet, nada pareceu bom o bastante para o seu namorado.

- Bem, não precisa achar ruim, só estamos falando isso para o seu bem. Você sabe como o Ming é uma lua do campus sempre vai ter meninas atrás dele, e até mesmo meninos. Ele é doce e gentil, seria fácil arranjar um novo amor, agora me pergunto quem iria aguentar esse seu gênio ranzinza além de nós.

Kit não conseguiu olhar para Beam depois da fala do amigo, abaixou a cabeça e ficou em silêncio. Phana notou que aquele papo tinha ido longe demais.

- Beam, isso foi mal, e Kit, que tal você repensar a ideia. Converse com o Wayo, ele é o melhor amigo do Ming. Ele deve ter citado algo que queira para o amigo.

O clima naquela mesa da biblioteca ficou tenso, ninguém ousava falar uma palavra. Kit se levanta e começa a guardar os seus pertences, no seu olhar estava estampado a mágoa e os olhos estavam preste a chorar.

- Obrigado Pha pela ideia, e Beam, vai se foder.

Kit saiu rapidamente da biblioteca deixando os amigos, mas ainda pode escutar os sussurros

“Isso foi realmente mau, você tem que pedir desculpas”; “que seja”. Em sua cabeça se perguntava se era alguém tão ruim assim de lidar e que talvez deveria seguir a ideia, pois não queria ficar sem o Ming.

*-* *-* *-*

Para Wayo, aquela situação era algo realmente fora do comum, ao terminar a sua última aula, ele recebeu uma mensagem de P’Kit pedindo para encontrá-lo na cafeteria. Achou que a gangue dos médicos estaria estudando essa tarde na biblioteca, mas talvez essa mensagem significasse um tempo junto com P’Pha. Já que os três sempre andavam junto, o que seria uma pena, porque tinha decidido comprar um presente para o seu amigo, porém sabia que Ming entenderia. Todo o tempo com o seu namorado é raro e precioso e sabia que a ideia era compartilhada, pois encontros com P’Kit têm sido raros segundo o Ming.

Foi saltitando em encontro a cafeteria, seu olhos procuravam aquele homem lindo, encontrando apenas P’Kit sozinho no canto do estabelecimento. Andou meio receoso ao encontro do amigo do seu namorado.

Sentou encolhido. era óbvio que P’Kit era bem assustador. Normalmente ele tinha P’Pha com ele e os dois ficaram juntinhos na bolha deles, neste momento não.

Ouviu P’ limpar a garganta e olhar seriamente para ele, Wayo se sentiu mais intimidado.

- Você poderia me ajudar?

A pergunta o pegou de surpresa e a voz receosa mais ainda, achou que P’Kit ia achar ruim de alguma coisa que ele fez, embora não tivesse ideia do que fosse, mas um pedido de ajuda nem passou pela sua cabeça.

Isso o fez relaxar um pouco a sua postura e sorriu gentilmente, era óbvio que o tópico daquela conversa se focava no aniversário que viria.

- Mas é claro que sim, o que eu posso fazer para te ajudar?

- Tem algum presente ou algo que o Ming contou para você que ele queira?

Wayo colocou a mão na frente da boca e se pôs a pensar, tudo que envolvia pedidos ou reclamações se tornavam em torno de seu namorado, a faculdade ou pessoas com interesses amorosos atrás dele.

- De agora, nada que eu me lembro. Ele queria um tênis, mas já comprou.

Wayo contemplou P’Kit murchar que nem uma flor em frustração, os ombros encolhidos e o rosto tão triste. Não tinha nenhuma razão para ele se comportar daquela maneira, sabia que seu amigo era apaixonado por P’Kit como nunca foi por ninguém.

- Não tem nada que ele tenha citado antes?

Wayo forçou a memória, algo voltou à tona e seu rosto ficou vermelho perante a memória do desejo do amigo.

- Tem, mas eu jamais citaria para você.

Viu o rosto a sua frente acender, talvez como uma esperança. O que aconteceu com o P’Kit e por que ele está tão preocupado em agradar o Ming?

- Porra, já não vê o quão constrangedor é isso aqui, diga logo. Eu quero saber o que o Ming disse.

Wayo sentiu a mão ser agarrada pelas de P’Kit, seu rosto ficou mais vermelho ainda, como não ter vergonha do desejo libidinoso de seu amigo e ainda ter que contar ao seu superior, que faz parte desse desejo.

- Bem, o que o Ming me disse era que ele queria… foi quando começou a ter interesse por você, foi apenas uma brincadeira entre nós dois, mas o que ele queria era...

Era claro que não iria dizer tudo o que o seu amigo queria, não tinha estrutura e falta de vergonha para isso. Optou por dizer a P’Kit parte da verdade e estabeleceu em sua mente para mais tarde dizer a Ming para guardar para si desejos tão privados, e claro uma bronca por tê-lo colocado em uma roubada.

*-* *-* *-*

Para Kit, aquele desejo de Ming estava fora de qualquer cogitação, de fato, algo tão vulgar só poderia vir da parte mais libidinosa do cérebro daquele pirralho. Contudo, sua mente estava dividida em manter a sua dignidade e a outra em tentar agradar Ming.

Mimar, mimar e mimar. Tal palavra, que agora é grotesca, rodeava sem para na sua mente e na outra parte martelava em manter a dignidade, pronto para colocar ambas na balança.

Poderia ele viver umas duas horas sem a sua dignidade? Talvez. Poderia ele viver sem Ming? Jamais. De pouco a pouco, aquele garoto tomou o seu coração e agora tirando as suas notas e amigos – que eram as suas preocupações, Ming se tornou parte essencial de sua vida. Nunca tinha conhecido alguém com tanta paciência para lidar com ele, as vezes Beam ou Phana o afastava por não conseguir mais aguentá-lo, mas Ming jamais o tratava mal ou repelia, e olha que às vezes ele fazia por querer.

- Porra.

Murmurou Kit para si mesmo, quem diria que namorar alguém tão bonito o traria tantos problemas. Ajeitou a posição na cama do seu dormitório e se forçou a buscar novamente presentes na internet. O notebook trabalhava o máximo, mas nenhuma das resposta obtidas eram boas o bastante para Kit.

Talvez ele deveria dar um checada superficial daquele desejo horripilante de Ming, um arrepio o subiu até a espinha. Não temeu o mau presságio e se pôs a pesquisar. Ok, aquilo não era tão ruim o achou que era, talvez pudesse realizar o desejo. Ponto positivo: não é caro de maneira alguma, ponto negativo: ele vinha junto com o presente e sem mencionar pouca habilidade de lutador que kit possuía.

Tentou encarar como um médico encara uma doença ou um vírus.

Doença: aniversário do Ming.

Sintomas: Não sabe o que dar de presente.

Tratamento: Se submeter a vontade de Ming.

Custo do tratamento: Custo capital baixo, moral grande.

Efeito colateral: Ego inflado demais.

Para curar o ego inflado de seu namorado, Kit já tinha a cura. Então, chegando à conclusão racional sobre o caso, será um sim para Ming.

- Caralho, às vezes eu odeio ciência e racionalidade.

Kit fechou o notebook e foi às compras para realizar o desejo de Ming, embora o mesmo não acreditasse que iria realizar tal ato.

*-* *-* *-*

Era de noite, o dia letivo já tinha acabado e Ming estava na academia. Amanhã não teria aula por ser feriado, o que caiu como uma luva para o seu objetivo de ir ver os seus pais. Queria apresentar seu amado namorado para eles, mas por negligência do mesmo não poderia fazer. Não sabia o porquê de tanta insegurança por parte de P’Kit, ele tinha tanto orgulho de o ter como um companheiro. Parte dessa chateação e tristeza era lançada contra os sacos de pancada quando o mesmo acerta socos forte cheio de sentimentos.

O Sr.Liu, dono da academia, tinha o deixado responsável por fechar, às vezes ele fazia isso para ir em algum encontro, sempre com uma moça que conheceu na academia. Ming sempre fazia, já que gostava de treinar, e sozinho melhorava, podendo extravasar seu sentimento.

P’Kit, seu amado namorado, apenas tinha o mandando uma mensagem de “feliz aniversário”, seguida por outro balão de mensagem envolvendo “ter que estudar” e “estar extremamente ocupado”, queria passar um momento com ele e talvez até conseguir um beijo. Às vezes se sentia frustrado por P’Kit ser tão rígido, ele só queria que seu amado namorado cedesse um pouco para ele. Poderia lhe dar um beijo de vez enquanto, sua boca era tão convidativa e quente, sabia que isso estava fora de cogitação. Com a frustração presente voltou a socar forte o saco de pancada. Colocou o fone e sozinho na academia, Ming queria ficar na dele.

*-* *-* *-*

Kit respirou fundo, até agora o seu plano tinha saído com o elaborado, Ming ficou aborrecido, o que significa que ele ficará até mais tarde na academia e dado pelo horário ele deve estar sozinho. Por pura sorte o Sr.Liu saiu em um encontro, o que levou Kit a conclusão que a vida deve amar Ming, pois tudo vai a favor dele.

Por sorte, um dia ele ficou até mais tarde com Ming e aprendeu todo o processo de fechamento da academia, verificou se tinha outra pessoa na academia sorrateiramente, só tinha Ming socando o saco de pancada. Pegou as chaves embaixo do balcão, trancou a porta e desligou as luzes da frente.

- Caralho, puta que pariu, porra!

Estava tenso demais, porém veio decidido a fazer a fantasia de Ming realidade: simular uma luta com ele no ringue vestido de lutador de Muay Thai. Respirou fundo, xingou mais alguns palavrões, juntou toda a força que tinha e partiu para a missão.

*-* *-* *-*

Ming, focado em acertar o alvo a sua frente, quando sentiu ser atingido em sua costas, o soco foi forte e o assustou, olhou rapidamente para trás se deparando com um Kit risonho que correu para a área do ringue. Ficou totalmente confuso, era para o seu namorado estar estudando. O que ele estava fazendo aqui? E o porquê dele estar com um hobby marrom correndo para a área do ringue? Retirou os fones, colocando de lado em qualquer lugar e foi em direção a Kit.

Chegando na área, contemplou seu namorado no meio do ringue vestido com uma fantasia de lutador, não pôde acreditar na imagem a sua frente.

- Isso é verdade?

Estava tão desacreditado, por tanto tempo a sua imaginação deixou ser fertilizada por uma imagem que nunca achou que seria real. Já tinha se convencido que P’Kit jamais faria nenhum de seus desejos.

- Claro que é, né.

O rosto enrubescido tentava disfarçar a vergonha que sentia, porém sua determinação se mantia firme e até um tom de graça ao ver a cara de palerma de Ming.

- Achei que estava estudando ou dormindo.

Ming coçou sua nuca em sinal de nervosismo, deve ir lá em cima e tentar conseguir um beijo ou ficar embaixo apenas admirando. Nenhuma das alternativas era ruim, mas poder dar um beijo em seu namorado era sim uma boa opção.

- Puta que pariu! Você está reclamando? Não gostou do presente?

Kit se sentiu inseguro pela tal reação, ele esperava outras ações da parte de Ming e não todo aquele interrogatório chato para um caralho. Tentou esconder o rosto com as mãos, de repente a ideia de Ming não ter gostado o fez se sentir tão patético.

- Ei, ei, eu adorei o presente.

Ming subiu no ringue em sua direção, abraçou seu amado Kit naquele momento de insegurança, passou os braços em volta da fina cintura e colou seus corpos. Pronto, lá estava a sua casquinha.

- Esse foi o melhor presente do mundo.

Falou no ouvido de Kit, que o olhou surpreso, Ming aproveitou a brecha e juntou os lábios em um beijo calmo e sutil. As mãos de Kit foram parar em sua nunca, o forçando a aprofundar o beijo. Kit abriu a boca para dar passagem a língua curiosa de Ming, que junto a sua, traçaram uma dança sensual e gostosa.

- Ming.

Kit tentou chamar a atenção de Ming, mas tudo que saiu foi um doce gemido quando o seu pescoço foi atacado pelo namorado. Ele tinha que dar o crédito a Ming, seus beijos sempre tiravam sua racionalidade de si em um piscar de olhos.

Ming pegou Kit no colo, rodeou as pernas em volta de sua cintura e o levou para o canto do ring. Fazia um tempo desde que se beijaram e mais ainda que fizeram sexo, a faculdade não tem sido uma grande ajudante em seu relacionamento, então não podia negar sua vontade de possuir seu namorado.

Pressionou o corpo pequeno contra o poste, sua mão foi deslizando levemente para dentro da camisa, no intuito de não alarmar Kit. A outra foi para em baixo da bunda macia, ajudando a equilibrar enquando beijava seu amado tão intensamente.

- Ming, Ming, MING, PORRA!

Kit se desatou rapidamente do aperto do namorado, por um momento tinha se perdido completamente, Ming por outro lado bufou de irritação, pois estava tão perto de ter seu grande prêmio.

Se apoiou na corda enquando tentava recuperar o fôlego, o coração disparado e seu corpo dando sinais de excitação, os lábios pulsavam pelos beijo intensos trocados e a mente turva não conseguia se estabilizar. Não estava programado para fazer aqui, era apenas se fantasiar e pronto, mas aquilo que Ming demonstrava querer estava muito além.

- Não podemos fazer isso aqui.

Tentou respirar fundo para suavizar sua excitação que não queria abaixar.

- Por que não?

Ming se aproximou, colocou todo o seu corpo com o de Kit, pressionou sua ereção que estava se formando contra os glúteos do namorado. Queria fazer uma declaração em alto e bom som de seu desejo, de como queria tomar Kit no chão daquele ringue.

- Só estamos nós dois aqui, está tudo fechado, ninguém vai saber de nada.

Usou sua voz rouca e masculina contra o ouvido de Kit, sussurrando tão calmamente para encantá-lo a cair em sua “armadilha”. Kit fechou os olhos, estava tão excitado. Fazia um bom tempo desde que ele tinha feito amor com Ming, deixou se relaxar com aquela voz, conforme deitou a cabeça no peitoral de Ming atrás de si, sentiu o seu pescoço ser sugado lentamente pelos lábios de seu namorado e a simulação de estocadas em seu traseiro era demais para si.

- Puta que pariu, vai tomar no cu.

A mão de Ming invadiu sua bermuda de Muay Thai e a cueca, pegou o seu membro na mão já ereto e começou uma lenta masturbação, a outra subiu sua camiseta e exibiu o seu mamilos não tardando em beliscá-los. A boca ainda chupava o seu pescoço e o pau de Ming já totalmente desperto roçava em sua bunda tentando invadir através do pano, estava tão entregue aquele garoto.

- O que me diz? Estou com tanta saudade de você, o Mingzito também.

Kit estava imerso nas sensações tão prazerosas, suas pernas estavam quase perdendo as forças. A boca seca pelo gemidos baixos que soltava, e a mão de Ming que o mastubarva, podia sentir que em breve teria o seu ápice.

- Uh! Ta bom Ming, podemos sim.

Sentiu o beijo ser depositado em sua bochecha, foi virado de frente para o seu namorado que estava extasiado.

- Eu vou te dar muito prazer P’Kit.

Não teve tempo de resposta, rapidamente seu lábios foram juntados em um beijo quente cheio de luxúria, a mão que beliscava seus mamilos desceu para sua bunda deixando um aperto possessivo. Em uma tentativa de estabilizar suas pernas bambas, Kit rodeou os braços em volta da nuca de Ming. Com o beijo finalizado, deitaram-se na lona do ringue, Ming tirou um tempo para apreciar Kit com a respiração alterada, bochechas rosadas, lábios vermelho e inchados pelos seus beijos.

- Você é perfeito P’KIt.

Como aquela declaração, seu rosto ficou totalmente vermelho, queria saber qual a razão que fazia Ming mexer tanto com ele.

- Que merda, para de falar coisas embaraçosa nesse momento.

- Ta bom.

Ming sorriu novamente, deitou seu corpo jogando parte do seu peso em cima de Kit e voltou a beijá-lo em um ritmo que aumenta gradativamente. Sentiu as mãos de seu namorado em volta de sua nuca o arranhando com as unhas pequenas, interrompeu o beijo para retirar a sua camiseta e não tardou em tirar a de Kit.

Lambeu e mordeu os mamilos expostos enquanto retirava o calção junto da peça íntima, o membro exposto pulsava em puro êxtase e tesão. Ming chupou o membro de Kit enquando o mesmo arqueava a coluna e gemia em extremo prazer, a boca quente o acolhia e quase o levava a loucura quando batia no fundo da garganta.

Com a boca aberta, Kit sentiu os dedos de Ming irem ao encontro dela e sem cerimônias chupou os três dedos com vontade, úmidos de saliva foram retirados e sua perna foi levantada o deixando completamente exposto a vontade de seu namorado.

- P’Kit, vou te preparar corretamente, faz um tempo já e hoje eu quero colocar tudo.

Somente conseguiu murmurar um “hum” de volta, Ming voltou a masturbá-lo enquanto inseria dedos em seu interior, não era novidade para si o quanto era dotado o seu namorado. Tinha que estar excitado e relaxado ao máximo, caso contrário era impossível acomodar Mingzito por completo dentro de si.

Os dedos salivados entravam e saiam dentro de si com mais facilidade, seu membro expelindo pré gozo indicava a aproximação do ápice, mordia sua mão para tentar abafar os gemidos que eram agudos e constante. Ming gentilmente o colocou Kit de costa para si, deixando apoiado em seus joelhos e cotovelos. Continuando com a masturbação, Kit sentiu seu interior ser abandonado pelos dedos e logo ser substituído pela língua. Uma nova onda de prazer invadiu o seu corpo, deitou com o tórax completamente no chão colocou e cada mão em uma aba de sua bunda e abrindo, dando maior acesso a Ming com sua língua, que chupava e penetrava o interior de Kit.

Com o membro de seu namorado gotejando pré gozo, Ming utilizou para lubrificar melhor o seu. Ergueu seu corpo, retirou o que restava de sua veste e pressionou a cabeça de Mingzito contra a entrada de Kit.

As paredes internas exprimiam e tentavam expulsar o invasor, proporcionando um prazer enorme a Ming, continuou penetrando lentamente e quanto mais fundo melhor ele sentia. Fechou os olhos e deixou-se navegar na sensação maravilhosa que era estar dentro de Kit.

Com as mãos cobrindo a boca para não gritar, Kit sentiu o mix perfeito entre dor e prazer, o corpo já em completa combustão já pedia há tempos para ser preenchido. A dor fisgada a cada centímetro que Ming entrava dentro de si, a preparação tinha sido boa, mas não o bastante. Seu membro já tanto dolorido pela ereção duradoura ainda clamava por atenção, Kit começou a se masturbar. Com Ming dentro de si, não demoraria muito para gozar.

Com leves estocadas, a sala voltou a ecoar gemidos de ambos amantes, sentia sua entrada queimar de tesão conforme era penetrada cada vez mais forte, as mãos de Ming repousaram em sua cintura o dando maior equilíbrio para investidas mais rápidas e constantes. Kit só conseguia gemer, com os braços esparramados e seus joelhos só se mantiam estáveis graças às mãos de Ming.

Com tão grande extensão indo fundo dentro de si, era inevitável não sentir dor, mas Kit queria sentir tudo. Sua garganta arranhava, seu membro pulsava e gotejava já o gozo que estava por vim, sua entrada era surrada pelo pau gigante de Ming, seu corpo já mole não o respondia, era tanto êxtase que seu cérebro não conseguia processar tanta informação. Se sentia tão bem em estar entregue ao prazer do momento que queria dar mais a Ming.

Kit foi deitado de costas pelo namorado, selando os lábios, Ming voltou a penetrá-lo. Colocou as pernas sobre seus ombros. Conforme as fortes investidas era feitas, Kit sentiu sua parte sensível ser surrada, aquela posição facilitará para Ming ir mais forte.

- Ah! Ah!

Kit mordeu a mão para tentar abafar seus gemidos de prazer, mais estava impossivel. Em um último momento de completo espasmos de prazer, ele chegou ao seu limite, melando ambos abdomens e perdendo a total força do corpo. Após o seu ápice, suas paredes internas apertaram em volta do prazeroso invasor, Ming não conseguiu se conter quando seu membro foi quase esmagado, se derramando dentro de Kit.

Deitaram os dois amantes lado a lado completamente cansados e eufóricos. Ming não podia acreditar que a sua fantasia tinha se tornado realidade e foi melhor do que imaginou. Kit estava com a respiração totalmente descontrolada, sua entrada ardia, seu membro dolorido pela ereção longa, a mente atordoada tentava digerir toda a informação que sentia. Aquele tinha sido o melhor sexo da sua vida.

- Feliz aniversário.

Ming sorriu de volta para o namorado e selou os lábios em um beijo calmo e apaixonado.

*-* *-* *-*

Para si não era surpresa o quão Kit podia ser mimado e mandão no pós sexo, tudo aqui fazia parte da magia de tê-lo junto. Depois que normalizou o seu fôlego, levou Kit no colo já que o mesmo alegava não ter força para andar, foram juntos para o seu dormitório e tomaram banho juntos.

Agora deitado junto com o seu amor, nada além de boa sensações o acompanham. Aconchegou, juntando mais o corpo dos dois naquela conchinha.

- Não me aperta, estou dolorido. Que merda.

Kit bufou em alto som, seu corpo após a adrenalina mostrava sinal de extremo cansaço e dor.

- Desculpe! É que eu não consigo me controlar.

Ming cheirou o cabelo de recém lavado de Kit, beijo suavemente a nuca.

- Ixi, vou ter que ir embora.

- Não, não, eu parei prometo.

- Tá bom, vou acreditar em você, mas se fizer de novo eu vou embora.

Acomodou o melhor que pôde, não queria dormir e sequer sentia sono. Aquele tinha sido um dia memorável e ainda melhor, podia dormir com o seu namorado. A euforia e o encanto fazem parte de si e pensando bem no assunto, quem sabia daquela fantasia dele exceto Wayo? Bem, se seu namorado pediu a opinião do seu melhor amigo, se sentiu na obrigação de dar um grande obrigado ao seu amigo, sem ele nada seria possivel. Não conseguia conter a felicidade, provavelmente ficaria velando o sono do namorado.

- Ming.

A voz o despertou de seu devaneio.

- Você está ficando excitado?

- Err, to sim. Desculpa, eu vou ir resolver isso sozinho.

Ming se apressou em levantar da cama, não queria constranger o namorado, mas P’Kit era tão gostoso que o seu Mingzito não conseguia resistir em querer mais e mais. Oh! As memórias de estar dentro do seu namorado ainda estão frescas e as sensações gravadas.

- Bem, não vá.

Aquele pedido o tinha tirado totalmente de órbita, o quarto estava escuro, mas podia ver o rosto corado de seu amado namorado.

- Podemos fazer de novo, mas só se você for devagar. Amanhã eu tenho um compromisso.

Estava feliz e curioso, qual seria o tal compromisso de P’Kit. Era feriado no próximo dia e mesmo assim tinha compromisso.

- Antes que a sua cabeça oca fique fazendo teorias insanas, eu vou ir com você visitar o seus pais. Ok?

Nossa! Eu sou um cara de sorte, tenho o namorado mais lindo e maravilhoso do mundo, sou um gato, ganhei o melhor presente do mundo e com direito a repetir, meu namorado quer ir comigo conhecer os meus pais. Ming pulou de volta na cama, retirando suas roupas e a de P’Kit.

- Calma caralho, eu disse que era para ser devagar.

- Desculpa, eu vou ir devagar, é que eu não consigo me controlar perto de você.

- Arrume um jeito, eu não me importo qual.

- Ta bom, eu vou tentar.

E com selar de lábios, ele fizeram amor novamente, lento, prazeroso e cheio de emoções.

Para Kit ceder às vontades de Ming não foi tão mal, não que ele vá fazer sempre. Isso com certeza era marcado em sua mente, mas não faria mal conceder ao garoto algum poder, mesmo que seja somente uma vez ao ano.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...