1. Spirit Fanfics >
  2. Age Ceremony (Taejin) >
  3. It Hurts Hyung!

História Age Ceremony (Taejin) - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - It Hurts Hyung!


Fazia uma semana que eu finalmente havia atingido minha maioridade; na qual eu estava ansioso para que chegasse de uma vez por todas.

Era ótimo. As pessoas não me tratavam mais como um completo bebê, muito menos duvidavam das minhas capacidades por ser menor de idade.

Parecia coisa boba para quem visse de fora, mas para mim, era um passo de extrema importância.

Mas...

Eu estava uma pilha de nervos.

Eu já sabia que meus hyungs assistiam alguns filmes na madrugada pelo menos uma vez por mês. Não entendia muito bem o motivo desse ritual, mas pareciam se divertir ao verem coisas tão... Bem...

Jiminnie hyung havia me contando um pouco sobre sua primeira vez assistindo com os hyungs.

— Foi estranho no início Tae Tae, mas depois eu acostumei. Você vai gostar.

Me lembrei rapidamente do diálogo com ele enquanto me banhava com certa lentidão. Eu estava extremamente nervoso, seria meu primeiro contato com qualquer coisa do tipo, pois jamais havia assistido ou feito algo relacionado.

Eu só beijei uma vez e fora apenas um selinho em Hoseok hyung há um tempinho atrás num programa.

Zero experiência.

Isso não era um assunto que me incomodava, mas me causava estranheza. Eu tinha pleno conhecimento que os mais velhos já haviam tido diversos e diversos momentos íntimos com algumas pessoas, sendo elas idols ou não.

O grande X do problema era como eu iria me comportar tendo companhia ao meu redor.

Eu sentia minhas bochechas ardendo sem nem ver nada ainda.

— Eu não quero passar vergonha... — Resmunguei com um bico nos lábios, sentindo a água escorrer até minha boca.

Como haviam até marcado hora exata, fui um pouco mais ágil e saí do banho, me vestindo confortavelmente com uma bermuda de tecido leve e uma grande camisa branca.

Andei com uma velocidade mediana até a sala de TV, me surpreendendo ao ver todos ali. Entretanto, franzi o cenho quando vi Jungkook de pé do lado do sofá de braços cruzados.

— Vai dormir Jungkook, já disse que você não pode ver. — Hoseok esbravejou, revirando os olhos.

— Mas hyung! — Retrucou manhoso, o início das sobrancelhas estavam curvadas para cima. — Falta pouco para eu me tornar um adulto!

— Jungkook se você não sair desse quarto agora eu juro que vou te tirar na força do ódio! — Yoongi ameaçou com uma feição fechada, parecia se segurar. — Vai dormir moleque!

— Isso não é justo! — Bateu o pé no  chão como uma verdadeira criança.

— Eu te dou cinco segundos pra você vazar daqui, se não eu mesmo vou te tirar e garanto que você não irá gostar nem um pouco. — Namjoon manteve a voz baixa, o que dava mais medo ainda.

— Justo vai ser minha mão na sua cara! Vai dormir! — Yoongi complementou.

Vendo que não iria conseguir o que queria, Jungkook se retirou de cabeça baixa.

— E se eu souber que você está vendo algo no computador que EU te dei — continuou, gritando — eu arranco seu couro!

Como resposta, ouvimos a porta do seu quarto bater com força.

— Moleque teimoso... — Hoseok sussurrou, cruzando os braços.

— Oh Taehyung-ssi! — A voz melodiosa de Jin me tirou do transe. — Agora que eu percebi que você está aqui. Senta do lado do hyung. — Deu batidinhas na almofada que estava no chão, próximo a si.

Meio sem jeito e envergonhado, caminhei e me sentei com os joelhos próximos ao meu peito, agarrando minhas pernas com os braços.

Jin hyung cheirava bem e seus cabelos negros estavam úmidos, um sinal claro de que havia tomado banho não fazia muito tempo. Confesso que fiquei nervoso ao estar do seu lado.

— Bem vindo a parte mais divertida do mês Tae! — Namjoon levantou os dois polegares. — Em comemoração a sua fase adulta, o que podemos colocar para assistir hoje?

— Hm... Que tal BDSM? — Yoongi sugeriu.

— Mas BDSM assistimos mês passado hyung... E nem foi muito legal. — Jimin opinou com um biquinho nos lábios, fazendo com que Yoongi apertasse suas bochechas. — Aí isso dói!

— Ninguém mandou você ser fofinho até falando sobre isso!

As bochechas de Jimin coraram um tanto. Tudo que falávamos para si em forma de elogio ele reagia daquela maneira.

— Jimin têm razão, nem foi tão legal assim. — Hoseok concordou. — O que você gostaria de ver Tae? Têm roleplay, penetração dupla, duas meninas... — Citou diversas possibilidades.

— E-Eu não sei... — Respondi sem jeito, não fazia a menor ideia e a pergunta ainda me pegara desprevenido. Já podia sentir minhas bochechas ardendo.

— Aigoo Hoseokie, é a primeira vez dele vendo essas coisas, não seja tão direto. — Jin hyung me abraçou de lado, afagando meu cabelo. Eu gostava muito dos seus carinhos. — Vou deixar essa para o Namjoon... Mas sem colocar aquelas coisas de daddy e baby girl!

— Poxa... Só porque eu gosto. — Murmurou com um beiço chateado. — Vocês são muito chatos!

Namjoon hyung ligou a televisão, conectando via Chrome Cast o seu celular com o aparelho televisivo. Digitou o nome de um site estranho rapidamente e não demorou para que uma tela em preto carregasse, revelando segundos depois diversas imagens que me fizeram arregalar os olhos.

Era muita nudez para quase nada de experiência.

Como se estivesse escolhendo algum produto no mercado, o hyung desceu a tela durante algum tempo. As capas dos vídeos me deixavam sem saber como reagir; eram tantas posições diferentes, partes femininas e masculinas a mostra de maneira chamativa, alguns usavam acessórios que não conseguia compreender o que eram.... Muitas informações, muitas!

— O que acham desse? O cara entra no quarto da namorada escondido e eles não podem fazer muito barulho para não acordarem ninguém da casa. — Resumiu rapidamente a sinopse.

— Hm... Gostei. — Yoongi sorriu e logo todos concordaram com a escolha.

O hyung selecionou o conteúdo que em sua capa mostrava o rapaz um pouco mais alto do que a moça, ambos escostados na parede enquanto a mão grande cobria a boca dela. Sua expressão era estranha, pois ela estava de olhos fechados e parecia sentir dor.

O vídeo começou após um curto período de tempo carregando.

Iniciou-se mostrando um quarto espaçoso e completamente escuro. A única luz que iluminava parcialmente os móveis e a grande cama vinha da rua, através da janela.

Uma mulher negra estava sentada na cama com o celular em mãos. Ela possuía o cabelo crespo curto e castanho, seus lábios eram cheios e avermelhados, faziam um ótimo contraste com os olhos escuros e bem delineados por uma maquiagem leve. Ela era muito bonita.

Pude ouvir Yoongi hyung suspirar, ele amava mulheres de cabelo crespo.

O edredom a cobria apenas da cintura para baixo, deixando a mostra os seios fartos espremidos em um baby doll branco e rosa. Ela parecia impaciente olhando para o celular, como se estivesse trocando mensagens com alguém.

Segundos depois, uma movimentação surgiu na janela da moça, revelando um rapaz de cabelo curto e escuro.  Passou uma perna seguida da outra para entrar dentro do quarto, mostrando por fim toda a sua aparência.

Ele era asiático e suas feições eram fortes e expressivas. Os lábios finos e chamativos, as sobrancelhas escuras e bem feitas, a mandíbula marcada e a pele bronzeada. Eu conseguia perceber seus músculos torneados através da camisa branca e fina, juntamente com a calça jeans preta e um tanto justa em suas coxas.

Ele era... Bem bonito.

— Me esperou muito? — A voz grave e soprada do rapaz se fez presente.

A moça se levantou com pressa, mostrando o que faltava para completar o conjunto que usava: o short bem curto e colado.

Os braços finos enlaçaram o pescoço do homem, trazendo seu rosto para mais perto.

— Até que não... Só estava ansiosa para que viesse logo. — Sussurrou com o timbre suave e encantador, próximo aos seus lábios.

Eu não esperava que as coisas se desenvolvessem rápido daquela forma, mas quando menos esperei, os dois já se beijavam de forma afoita. Estavam com tanta pressa que conseguia enxergar as línguas se encontrando fora da cavidade bucal. As mãos grandes e firmes do rapaz a apalpavam em todos os lugares com certa brutalidade, arrancando gemidos curtos e manhosos dela.

O corpo malhado a encostou na parede, abaixando seu short com rapidez.

— Estava sem calcinha huh? — Ele sorriu, os dentes perfeitamente brancos.

— Era para facilitar... — Respondeu quase revirando os olhos quando ele pressionou os dedos em sua intimidade.

— Boa garota... — Sussurrou com a voz incrivelmente grave, me fazendo sentir um arrepio em minha nuca.

O homem parecia saber o que estava fazendo. Ele massageava o clitóris da moça com bastante maestria, fazendo-a gemer e se contorcer.

— Shhh, você não quer que alguém acorde não é? — Tapou seus lábios com a mão grande, o que acabou não adiantando muito pois ainda conseguia ouvir os murmúrios sôfregos dela. — Hm... Acho que vou ter que manter a sua boca ocupada.

Enquanto a outra mão continuava tocando sua intimidade, a outra desabotoava a calça jeans, abaixando-a em seguida até o joelho juntamente com a cueca.

O membro do rapaz saltou, me fazendo arregalar os olhos.

Era tão grande e cheio de veias...

Ele não precisou falar muito, a mulher prontamente se ajoelhou e engoliu seu pênis sem nem hesitar. O levava bem fundo, se engasgando algumas vezes.

O rapaz gemia baixo, agarrando seus cabelos com a mão e forçando ainda mais o membro em sua garganta. Eu não conseguia tirar os meus olhos da cena, parecia tão bom aquilo...

Minha cabeça estava confusa.

Vez ou outra me imaginava no lugar dele, e logo após no lugar dela.  Não era algo que me assustava pois acreditava que não havia problema se relacionar com qualquer pessoa. Eu não fazia ideia de como os outros pensavam, mas para mim, era normal.

O rapaz afastou com força sua cabeça do membro que gotejava com a saliva. A puxou para cima e arrancou o baby doll, fazendo com que os seios pulassem. Ele agarrou ambos, massageando por alguns segundos antes de a atirar na cama, deixando-a em quatro apoios.

O ângulo da câmera pegava bem a intimidade da moça, mostrando absolutamente tudo.

Olhei para o lado disfarçadamente e observei todos os hyungs com os olhos pregados na televisão, ninguém ousava desviar o foco do que acontecia na tela.

Eu sabia que tinha que fazer o mesmo, mas algo me capturou a atenção.

Analisei o perfil de Seokjin hyung que estava bem próximo a mim. Sua mandíbula estava relaxada, os olhos escuros se moviam de acordo com o que acontecia no vídeo. Atentei aos detalhes do seu rosto esculpido e bonito, descendo a visão sem nem perceber o que estava fazendo, só queria admirá-lo um pouco.

Arregalei os olhos ao notar uma elevação em sua bermuda fina.

Ele estava... Oh meu....

Voltei a assistir o que se passava na televisão e nem sei por quanto tempo passei o observando, pois o casal já estava nos finalmentes.

O homem a penetrava com força, causando solavancos intensos na cama. Ela tampava a própria boca tentando se conter de tudo que estava recebendo.

Minhas pernas se apertaram uma na outra inconscientemente, podia sentir  o suor escorrendo pelas têmporas. Meu corpo todo se encontrava estranho, alarmado, eu não sabia exatamente o que estava ocorrendo comigo.

Ousei olhar para o lado novamente e passei mais tempo encarando a elevação na bermuda de Seokjin hyung. Parecia grande e...

O que eu estava pensando?

Tentei suspirar sem chamar a atenção. Sentia um calor insuportável consumir todos os meus poros, a sala pareceu se tornar mil vezes mais quente.

Fechei os olhos e me arrependi na mesma hora, pois minha criatividade decidiu imaginar como seria visualmente falando o membro de Jin hyung.

Que droga...

Esfreguei minhas coxas uma na outra, causando um atrito que enviou arrepios até para a ponta dos meus dedos. Eu não sabia o que fazer, estava perdido e confuso.

— Taehyung-ah... Você está bem? — Ele sussurrou no meu ouvido, pousando a mão na minha coxa.

Sua voz era baixa e soprada. Sempre quando ele diminuía o tom ela ficava assim, assustadoramente atraente. E a sua palma... Queimava onde estava tocando.

O olhei com as sobrancelhas um pouco franzidas, tinha medo do que ele poderia perceber em mim. Só de imaginar já podia sentir a vergonha avassaladora.

— Você está passando mal? — Me observou com o semblante preocupado. — Está até suando! — Pôs a mão em minha testa. — Você está pelando Taehyung-ah!

Eu não respondi absolutamente nada. Como eu falaria para ele o que estava sentindo?

Jin se levantou com pressa, me assustando ao me puxar pelo braço para cima.

— Meninos continuem assistindo, acho que Taehyung-ssi está passando mal. Não precisam esperar a gente.

Ouvi alguns resmungos em resposta antes de ele me arrastar em direção ao banheiro do corredor.

Arregalei ainda mais os olhos. Tudo acontecia tão rápido que em instantes já estávamos dentro do toalete, com a porta fechada.

Fechada.

— O que aconteceu Taehyung-ssi? Você está todo vermelho. — Ele encaixou as mãos em meu rosto, me deixando completamente constrangido.

— Eu... Eu... — Eu gaguejava sem ideia alguma do que fazer.

— Vem aqui, deixa eu ver se você tá' com febre. — Se aproximou do meu corpo.

— Não... — Falei tão baixo que ele mal me escutou.

— Eu só quero ver se...

Seu tronco colou-se ao meu e consequentemente a sua ereção se esbarrou com a minha, e mesmo sem querer, acabei gemendo.

Eu gemi.

Em bom som.

Jin hyung me olhou assustado e eu só queria enfiar a minha cara na parede. O que ele iria pensar de mim?

Oh céus eu queria morrer naquele momento.

Mantive meu olhar fixado no chão, estava tão envergonhado que não sabia colocar em palavras. O que piorava é que meu corpo havia gostado tanto do toque que eu me encontrava ainda mais quente que antes.

— Você está... — Ele começou, me surpreendendo ao levantar um pouco minha blusa e ver minha excitação bem presente e marcada ali. — Ah...

Sua mão pousou em meu quadril involuntariamente. Ela era tão macia. Podia sentir o calor que ela transmitia para minha pele mesmo sem estar em contato direto.

— Hyung... — Me contorci um pouco. Minha sanidade se perdia gradativamente, ainda mais observando sua ereção na bermuda. Eu estava ficando fora de controle.

Seu cheiro másculo, a pele chamativa... Algumas cenas do vídeo invadiram minha mente e foi inevitável suspirar alto.

Eu não aguentava mais.

— Hyung... — Em um ato corajoso até mesmo para mim, levantei minha cabeça e o encarei. — Me ajuda por favor...

Ele pareceu entrar em pane por alguns segundos, como se eu estivesse falado algo de outro planeta.

— C-Como?

— Me ajuda... — Persisti. Eu não fazia ideia de como consegui falar daquela forma. — Dói e está tão duro, me ajuda...

Jin hyung suspirou, olhando novamente para o meu membro coberto.

— Taehyung eu sou homem e... Isso não é estranho para você? — Me perguntou um pouco hesitante.

— Não hyung, eu não me importo que você-

Ele não esperou nem eu terminar, sua boca se colou a minha e foi impossível não arregalar os olhos.

Meu hyung me beijou.

De língua!

Estava perdido, eu tentava seguir os seu ritmo mas sempre acabava esbarrando nossos dentes.

Ele se afastou minimamente, ainda com os lábios roçando nos meus. — Com calma Taehyung-ah, com calma... — Acariciou meu rosto.

Assenti e esperei ele me beijar novamente.

Fechei os olhos e me deixei levar por sua língua quente e acolhedora. Nos primeiros segundos foi estranho pois não estava acostumado. Entretanto, consegui acompanhar rapidamente o ósculo, sentindo uma energia inexplicável correr pela minha corrente sanguínea.

Aquilo era bom, muito bom!

Enlaçei meus braços em seu pescoço, o trazendo para mais perto de mim. Suas mãos grandes e firmes pousavam nos dois lados do meu quadril. Jin hyung beijava tão bem que cada vez que sua língua se enroscava com a minha, eu sentia minha ereção pulsar.

Se afastou um pouco para poder chupar o meu músculo quente, aquela ação me fez revirar os olhos e levantar a perna até a altura da sua cintura. Prontamente ele agarrou minha coxa, fazendo nossos membros se chocarem numa fricção deliciosa.

Joguei minha cabeça para trás, sentindo um pouco de saliva molhar meu queixo.

— Hyung faz algo... Dói. — Me esfreguei em seu corpo, parecendo um desesperado.

— Meu bebê está excitado hm? — Sussurrou em meu ouvido, mordendo minha cartilagem. — O que você quer que o hyung faça?

— Me toca por favor. — Pedi com uma voz manhosa que nem mesmo eu reconhecia.

Jin hyung acariciou o meu pescoço com lentidão, serpenteando em seguida todo o tronco até chegar na barra de minha bermuda.

Como ele havia percebido com toda a certeza a minha impaciência vergonhosa, sua palma alcançou minha ereção diretamente, sem que eu estivesse preparado de fato.

Dei um curto pulo de susto pelo contato gélido em meu membro quente. Gemi arrastado pela sensação inebriante, e ele nem havia de fato começado.

Jin trouxe meu membro para fora da peça íntima, me fazendo observar junto com ele a sua mão o envolvendo pela base.

Sua cabeça apoiou-se em meu ombro, permitindo que seu corpo ficasse um pouco de lado para ter mais facilidade quando fosse se movimentar.

— Você está tão molhado Taehyung-ah. — Disse baixinho, me arrepiando.

Como se tudo em mim reagisse a qualquer coisa que ele fazia, expeli ainda mais pré-gozo após sua fala.

Jin soltou uma risada soprada, movendo seu polegar sob minha glande avermelhada e sensível. Eu estava tremendo.

O olhei sabendo que minhas expressões estavam implorando pelos seus toques e ele rapidamente compreendeu, começando a mover para cima e para baixo.

Ah... Aquilo era incrível.

Sua palma era quente e me apertava na medida certa. A visão dele subindo e descendo em uma velocidade mediana era enlouquecedora. Os sons molhados do pré-gozo com sua mão se chocando contra meu baixo ventre me deixavam ainda mais excitado. Inconscientemente, impulsionei meu quadril para frente, fazendo com que deslizasse com mais facilidade.

Jin hyung tinha razão, eu estava tão molhado que todo meu membro brilhava com minha excitação. Podia enxergar a sua mão completamente encharcada com o líquido e mesmo morrendo de vergonha, aquilo permitiu que eu ficasse com ainda mais tesão.

— Mais rápido hyung por favor. — Manhei.

Sua boca distribuiu chupões leves em meu pescoço enquanto aumentava a velocidade, fazendo com que eu revirasse meus olhos.

— Hyung... — Gemi bem baixinho. — Assim...

Podia sentir sua ereção se esfregar em meu quadril. Minhas mãos coçavam para tocá-lo, mas não conseguia me concentrar em nada e muito menos movê-las, já que agarrava as bordas da pia em que estávamos encostados.

A sensação de ser masturbado era deliciosa. Cada vez que seu punho se fechava mais ao meu redor e o polegar provocava minha fenda sensível, me sentia a ponto de explodir.

— Você gosta assim? Hm? — Mordeu novamente meu lóbulo, chupando em seguida.

— S-Sim... Eu sinto que vou...

— Você já vai gozar bebê? — Aumentou ainda mais a velocidade, tornando os sons triplamente obscenos. Eu gemia e jogava minha cabeça para trás. — Eu queria tanto poder fazer o que eu quisesse com você... — Confessou, inesperadamente apertando minha bunda. — Você é tão gostoso garoto, que merda.

Ao sentir ele apertar minha nádega, minha entrada contraiu, me assustando um pouco. Uma cena se formou em minha mente e eu desejei instantaneamente que algo estivesse ali dentro.

A linha dos meus pensamentos me surpreendia, já que eu nunca tive contato com absolutamente nada. E naquele momento, eu imaginava Jin hyung fazendo sexo comigo.

Eu desejava aquilo. Não restava nenhuma dúvida em meu ser.

— Hyung... Eu quero... — Era difícil falar quando ele não parava de me proporcionar prazer.

— O que você quer?

— Eu quero que faça sexo comigo. — Fui direto.

Sua mão parou de me masturbar abruptamente, me fazendo resmungar. Eu não queria que ele parasse, estava tão gostoso...

— O que você disse? — Me perguntou, parecendo afetado.

Virei minha cabeça para observá-lo melhor. Seus lábios fartos estavam vermelhos e os fios negros colados em sua testa pelo suor. Os olhos me analisavam com cuidado, mas podia enxergar o desejo inegável que existia ali. A camisa que Jin usava deixava sua clavícula a mostra, me fazendo ter vontade de chupar e morder aquela região. Ele era tão atraente e sensual que meu pau só sabia jorrar mais e mais pré-gozo.

— Eu quero fazer sexo com você... Depois de ver aquele vídeo hyung... — Pensei bem antes de falar, decidindo segundos depois que não tinha nada a perder mesmo. — Imaginei como não seria se você estivesse... Dentro de mim. — Sussurrei a última parte.

Seus olhos ficaram incrivelmente mais escuros, me encarando como se quisesse me engolir.

— Você tem certeza? — Aproximou a boca até meu pescoço, aplicando um selar molhado no local. — Não quero que faça as coisas na emoção.

— Não estou. — Assegurei, levando meu indicador até seu queixo para que ele pudesse enxergar em meus olhos que eu não mentia. — Eu quero você hyung.

Ele sorriu de lado antes de atacar minha boca em um beijo menos animalesco que os anteriores, como se quisesse me passar toda a confiança e carinho que possuía por mim.

— Eu vou fazer você se sentir muito bem meu amor. — Sorri com o apelido, sentindo coisas engraçadas no estômago ao ouvir aquilo. — Agora vira de costas, tira a camisa e apoia os cotovelos na pia.

Obedeci rapidamente jogando a camisa em qualquer canto e me posicionando da forma que mandou. Confesso que fiquei um pouco tímido pela posição. Eu via pelo espelho que seus olhos não desviavam da minha bunda e entrada completamente expostas para si.

Eu não estava nervoso e sim ansioso para que ele me comesse logo.

"Céus, de onde vieram todas essas safadezas que estou imaginando agora?" Pensei comigo, rindo internamente.

Jin mordeu os lábios antes de me acertar um tapa em cheio na minha nádega esquerda. Só não fui para frente pois uma de suas mãos estava me firmando no lugar pela cintura.

Seus dedos percorreram toda extensão das minhas costas até chegarem nos fios da nuca, onde ele puxou com certa força.

Sua pélvis se encontrou com minha bunda, fazendo com que seu membro pressionasse a pele nua.

— Sente o que você fez comigo. — Ondulou o quadril para que toda aquela delícia se esfregasse em mim. — Sente bem.

Gemi afetado e doido para que ele se enterrasse logo em meu interior.

— Jin hyung, rápido. — Choraminguei.

— Meu bebê precisa de mim? — Me perguntou como um maldito provocador, ondulando o quadril com mais força.

— Seu bebê precisa de você. — Respondi já não havendo mais vergonha nenhuma em meu âmago.

— Vamos ir para o meu quarto. Não quero que você perca sua virgindade no banheiro. — Acariciou minha bochecha, me olhando pelo espelho.

— Não hyung, eu quero aqui. — Disse convicto.

Eu não ligava muito para essa coisa de lugar perfeito para perder a virgindade. Eu só tinha uma exigência que seria tirar ela com alguém especial.

Jin hyung era muito mais do que só alguém especial.

— Certeza? — Eu estava amando aquele cuidado todo comigo.

— Sim hyung, só vai logo por favor! Preciso de você... — Deitei minha bochecha no mármore, empinando ainda mais em sua direção.

O olhei por cima do ombro, observando ele rir desacreditado, mordendo os lábios em seguida.

Vi seus dedos indo até minha boca, brincando com meu lábio inferior até empurrá-lo para baixo.

— Chupa e deixa bem molhado para eu preparar você bebê. — Mandou com a voz rouca e eu não era maluco de desobedecer.

Abri os lábios e abocanhei seu dedo sem saber exatamente como fazê-lo. Apenas decidi seguir meus instintos e me empenhar para lhe proporcionar prazer também, mesmo que fosse somente pelos dedos.

Fechei os olhos e envolvi a ponta do seu indicador com a língua, imaginando que estivesse chupando um pirulito bem gostoso ou... Outra coisa como gostaria de experimentar.

Pressionei a boca entorno do dedo subindo e descendo, ouvindo um gemido contido de Jin hyung juntamente com sua mão abrindo minha bunda e apertando com vontade.

Mais um dedo adentrou minha cavidade bucal e me esforcei para deixá-los bem molhados como ele havia mandado. Não poupava em utilizar minha língua e fazia questão de deixar a saliva escorrer para entre meus lábios.

Jin retirou os dedos de dentro da minha boca, apertando minhas bochechas com uma mão só. Seu olhar me devorava por inteiro.

— Eu só não te ponho pra' mamar agora porque eu tô' doido pra' te comer, mas na próxima você não escapa. Ouviu bem? — Mordeu meu ombro.

— Sim hyung, eu quero muito isso. Por favor me come logo! — Implorei já não aguentando mais todo aquele ambiente excitante sem ter ao menos um estímulo para me aliviar.

Ele riu antes de trazer um de seus dedos lubrificados até minha entrada, onde rodeou com a saliva em excesso.

— Se doer muito você me fala ok? — Assenti, esperando ansiosamente.

A ponta do indicador me adentrou devagar, me fazendo estranhar a sensação inicial. Não doía, mas ardia um pouco a invasão. Contudo, conseguia aguentar tranquilo.

— Tudo bem? — Questionou, observando minhas expressões.

— Sim...

Garantindo minha confirmação, começou a se movimentar delicadamente dentro de mim. Era boa demais a forma que seu dedo me explorava em todos os cantos, parecendo procurar algo.

Não demorou muito para que eu sentisse o segundo dedo disputando espaço. Este ardeu um pouco mais do que o outro, mas continuava sendo algo que eu poderia aguentar sem nenhum problema.

Suas ações eram cautelosas e repletas de carinho. Enquanto seus dígitos me penetravam, sua mão desocupada acariciava meus cabelos, meu rosto e minhas costas, procurando transmitir que eu poderia confiar nele. Não tinha dúvidas sobre isso.

Estava muito gostoso, mas nada superou o momento em que ele empurrou seus dedos para baixo, encontrando um ponto dentro de mim que me fez arquear as costas e gemer em deleite.

Era como se milhares de choques e sensações prazerosas me atingissem de uma vez só, eu queria sentir de novo e de novo...

— A-Aí é m-muito bom. — Jin hyung resvala a ponta dos dígitos neste lugar vez ou outra, intercalando com movimentos de tesoura que tinham como a intenção de me alargar um pouco.

Eu queria mais.

— Hyung por favor... Eu não tô' aguentando... — Implorei, sentindo as pernas bambas. Meu membro estava vermelho quase a ponto de explodir, chegava até doer.

Seus dedos se retiraram de mim aos poucos, me fazendo sentir um vazio repentino.

Ele se agachou rapidamente para abrir o armário da pia e procurou algo com afobação, achando logo após um pacote azul claro que não precisei de muito tempo para entender o que era.

— Vocês guardam camisinhas dentro do banheiro? — Perguntei com as sobrancelhas arqueadas.

— Todo cuidado é pouco bebê. — Antes de se levantar, Jin me pegou de surpresa ao circular minha entrada com a língua umas três vezes. Gemi tão alto que fiquei com medo de algum dos hyungs terem escutado.

— Isso é tão bom... — Falei extasiado. Aquela sensação era incrível.

— Depois de hoje ainda vou fazer muitas coisas com você amor. Mas vamos aproveitar agora sim? — Beijou minha nuca.

Assenti e sorri. Então ele queria mais momentos comigo... Isso me deixou tão feliz! Eu também queria mais momentos com o hyung.

Desmanchei meu sorriso no exato momento em que o vi abaixar a bermuda e a cueca de uma vez só, além de arrancar sua blusa com pressa.

Eu nunca tinha visto seu corpo completamente.

E nossa...

O tronco era muito bem construído, todas aquelas roupas grandes que ele usava escondiam toda aquela maravilha que eramsem nenhuma peça o cobrindo. O peito definido com os mamilos marronzinhos eram perfeitos; e mesmo que não possuísse gominhos — isso não era problema algum —, seu abdome era marcado nos pontos certos para mim.

Os ombros largos lhe davam a silhueta perfeita, me dando vontade de cravar as unhas ali até que minhas marcas ficassem em sua pele.

Desci os olhos até seu pau duro e amarronzado que tocava um pouco abaixo do umbigo. O prepúcio estava esticado, revelando a glande vermelha toda babada, parecia tão no limite quanto eu. As veias grossas faziam detalhes excitantes pelo seu comprimento, complementando com as bolas inchadas e com poucos pelos aparentes. Sua largura grossa me fez salivar instantaneamente, já podia sentir ele me esticando todo por dentro. Eu o queria tanto que inconscientemente esfreguei minhas coxas uma na outra para ter um pouco de atrito em meu membro.

As coxas torneadas só finalizavam a delícia toda que era Kim Seokjin. Aquele homem conseguia ser perfeito em todos os detalhes; desde o fio de cabelo até as pontas dos dedos dos pés.

Seus dígitos rasgaram com cuidado o pacote de preservativos, desenrolando a proteção transparente por todo seu membro. Eu mal havia o experimentado por completo e já queria fazer mil e uma coisas com seu corpo.

— Você olha como se quisesse me devorar Taehyung-ah. — Disse sorrindo de lado com ambas as mãos apoiadas em minha bunda.

— No momento eu quero que você me devore hyung. — Falei sem filtro nenhum.

Ele sorriu mais uma vez antes de me inclinar mais na pia de mármore.

— Abre bem as pernas.

Fiz como ele mandou, sentindo no mesmo instante seus dedos separando minhas nádegas, me expondo mais uma vez.

Meu estômago se revirou em ansiedade quando a ponta do seu pau se esfregou em minha entrada antes de me invadir apenas com a glande.

Prendi a respiração e apertei as pálpebras. A dor que eu não senti antes nos dedos veio com tudo naquele instante; a grossura do seu membro alargava tanto que achei que me rasgaria.

Aos poucos Jin hyung forçava mais seu pênis em meu interior, podia sentir minha entrada se contraindo tentando expulsá-lo.

— Relaxa Tae Tae... — Sua mão fazia um carinho gostoso em meu couro cabeludo. — Não contrai assim... Se não vai doer mais. — Sua voz falhava.

Abri as pálpebras para o enxergar mordendo os lábios, como se estivesse se contendo. Admirei o fato de ele segurar o próprio prazer apenas para esperar que eu me acostumasse.

Com sua outra palma livre, envolveu meu membro negligenciado até então. Me contorci todo ao finalmente ter um estímulo ali. Felizmente aquele toque tão esperando fora o suficiente para me distrair até ele enfiar todo seu comprimento em mim.

Seu baixo ventre já encostava em minhas nádegas e seu pau pulsava em meu interior. Cada segundo que se passava a dor ia diminuindo, dando espaço para um prazer que nunca senti na minha vida.

Jin hyung continuou me tocando até perceber que eu já não possuía uma feição dolorosa em minha face, e sim de puro contentamento.

Rebolei meu quadril um tanto afoito em sinal para que ele pudesse começar a se mover de uma vez por todas.

Na primeira estocada, mesmo que lenta, eu vi estrelas.

Estiquei meus braços e empinei mais ainda, sentindo sua grossura preencher todos os cantos da minha cavidade. Era tão gostoso que eu achei que iria morrer de tanto tesão.

— Você é tão apertado Taehyung. — Estapeou minha bunda com vontade, agarrando-a depois. — Gostoso!

— Hyung... — Manhei pois sabia que ele gostava quando agia assim. — Mais...

Vi pelo espelho ele respirar pesadamente.

E foi ali que eu soube que eu estava completamente ferrado.

Suas mãos se firmaram em minha cintura antes de me penetrar com tudo. Revirei os olhos em deleite, sentindo suas estocadas acertarem diretamente aquele ponto gostoso que havia alcançando com seus dedos.

Ele me comia com força e rapidez, gerando um barulho alto de sua pélvis se chocando contra minha bunda. Seu membro pulsava dentro de mim e o lubrificante gelado da camisinha esquentava gradativamente. Eu jamais imaginaria que meu hyung tão fofo e príncipe poderia ser alguém completamente diferente em quatro paredes.

Via pelo espelho ele mordendo os lábios, deixando escapar alguns arfares pesados. A visão do seu cabelo completamente ensopado de suor e a pele bronzeada com os músculos contraindo pelo esforço me fizeram choramingar.

Jin me puxou pelos ombros, consequentemente colando minhas costas em seu peitoral firme. Eu gemia descontroladamente com aquele pau gostoso me alargando e me explorando, eu só queria sentir mais dele, mais fundo, mais rápido.

Seus dígitos dedilharam meu abdome até chegar em meus mamilos rígidos, onde ele apertou e puxou os bicos. Não fui capaz de segurar o volume da minha voz, pois nem mesmo eu fazia ideia de que era tão sensível ali.

Ele foi rápido em cobrir minha boca, ainda com o ritmo frenético do seu falo socando o mais fundo que conseguia dentro de mim.

— Quietinho bebê.... Você não quer que os outros meninos te escutem hm? — Sussurrou em meu ouvido e acabei deitando minha cabeça em seu ombro. — Ou você quer que eles saibam que você está chorando de tesão por ter meu pau aqui dentro? — Me penetrou mais forte ainda. — Você quer?

Eu murmurava contra sua palma, nem percebendo que de fato estava chorando de tanto prazer. Suas palavras fizeram meu membro latejar, necessitado de atenção. Eu expelia tanto pré-gozo que chegava a pingar no chão.

Ele rebolou o quadril para alcançar meu ponto com sua glande inchada ainda mais fundo. Meu baixo ventre esquentava rapidamente com as sensações mixadas que se uniam no final me causando um prazer imensurável. Sempre que ele alcançava minha próstata um calor absurdo se espalhava pelos meus nervos, poros e tudo que havia direito. Eu duvidava que algum dia algo poderia me proporcionar tantas coisas boas ao mesmo tempo que nem aquilo.

Seu peito suado escorregava em minhas costas enquanto ele se movia com afinco dentro de mim, eu não suportava mais sentir tudo aquilo, iria entrar em colapso.

Agarrei sua mão para tirar da minha boca.

— H-Hyung... — Falei arfando e gemendo controladamente. — Eu preciso... — Não precisei terminar minha frase pois tive que morder os lábios quando ele me penetrou mais fundo ao entender o que eu queria.

— Você quer gozar? — Assenti rapidamente, desesperado. — Então eu vou te fazer gozar.

Se retirou com força do meu interior, minha entrada se contraiu ao redor de nada, extremamente necessitada que algo a preenchesse o mais rápido possível.

Me assustei quando sua mão agarrou meus fios mel com força, me beijando em seguida agressivamente. O ósculo não durou mais do que dez segundos.

Seus braços me puxaram até me encostar na parede gelada, causando um choque térmico por minha pele estar quente. Não entendi muito bem o que ele iria fazer até que suas mãos agarraram minhas coxas, fazendo com que eu entrelaçasse minhas pernas ao redor de sua cintura, me tirando do chão.

Ele era tão forte...

Pressionou minhas costas na parede, dando mais estabilidade apenas para conduzir seu membro de volta para dentro de mim.

Não demorou para que eu estivesse pulando em seu colo; suas estocadas eram mais brutas ainda, era impossível não apertar seu pau com tanto prazer que me consumia ao todo.

Firmei minhas mãos em seus ombros e o puxei para um beijo desajeitado, só precisava sentir sua boca na minha enquanto ele me comia sem dó nenhum.

E eu não queria que ele tivesse piedade mesmo.

Joguei minha cabeça para trás e fechei os olhos ao ter meu membro se esfregando em seu abdome. Eu não podia mais segurar. Um calor descomunal se formou em meu baixo ventre, cada parte em mim pulsava.

— Hyung... Hyung... — Gemi tentando controlar minha voz, fixando seu olhar predador no meu. — Eu vou...

Explodi em jatos fortes, sujando todo seu peitoral com meu gozo. A vontade de fechar os olhos para aproveitar o prazer extremo foi grande, mas encarar Jin hyung enquanto me derramava nele era muito melhor.

A sensação era indescritível. Eu não sabia como colocar em palavras o quão meu corpo estava nas nuvens com aquele orgasmo.

Suas estocadas se tornaram desenfreadas, as mãos grandes apertavam minha bunda com força em um sinal de que logo ele iria gozar igualmente.

Me puxou para um outro beijo antes de dar um solavanco bruto, demonstrando que seu ápice havia chegado com tanta intensidade quanto o meu.

Penetrou-me com movimentos curtos para prolongar nosso prazer, beijando meu ombro e meu pescoço até desacelerar por completo e se retirar dentro de mim.

Me colocou com cuidado no chão, tendo que me segurar pois eu estava perceptivelmente com as pernas bambas, arrancando risos de ambos.

Nossos olhares se conectaram uma última vez antes de nos beijarmos com mais calma, aproveitando o gosto que cada um possuía. Sua língua me acariciava com gentileza, me transmitindo um carinho tão gostoso que fazia meu coração palpitar em emoção.

Nos separamos delicadamente, sorrindo um para o outro. Nossos corpos ainda estavam quentes e suados, mas isso não era empecilho nenhum para que nos abraçássemos.

— Você está bem? Eu te machuquei? — Me perguntou, fazendo um afago em meus fios molhados.

— Eu estou ótimo hyung... Tô' todo relaxado. — Ri um pouco, pressionando meu nariz em seu pescoço. — Isso foi tão bom, obrigado por me ajudar.

— Estou sempre a disposição do meu 'saeng favorito. — Se afastou do abraço apenas para sorrir de novo para mim antes de me beijar pela milésima vez naquela noite.

Cinco anos depois...


— Mais forte Tae! Isso! — Eu metia em sua entrada com brutalidade e sem ter carinho nenhum. Ele gostava assim e eu não era louco de não fazer exatamente o que meu hyung apreciava; e como estávamos sozinhos em casa, nem eu e nem ele seguramos o volume dos nossos gemidos.

Há algum tempo atrás decidimos que era proveitoso revezarmos. Desde sempre fomos um casal que conversa sobre tudo, então foi fácil chegar em um consenso.

Um consenso bem prazeroso para ambos.

Atingi meu ápice junto a ele, me atirando na cama ao seu lado, completamente destruído.

Jin ficava muito manhoso depois do orgasmo quando era o passivo e acabava por se aninhar em meu peito.

— Você está tão forte. — Ele apalpou meus músculos.

— É de tanto transarmos. — Brinquei, recebendo um tapa em meu ombro.

— Onde é que está o meu bebê fofinho de antes? — Fez um beicinho no qual não hesitei em morder e beijar.

— Ele cresceu. — Arqueei as sobrancelhas, provocando-o. — E o hyung dele ensinou direitinho... — Sorri.

Jin selou meus lábios, antes de rir baixinho.

— Eu te amo.

— Eu também te amo, meu hyung favorito.

~  ~  ~ 



Notas Finais


Muito que bem 🤠🤠🤠! Mais uma finalizada com sucesso!

Eu estava com alguns pedidos para fazer uma Taejin então decidi  vir aqui lhes presentear com essa shot.

Espero que tenham gostado, do fundo do meu coração.

Perdão pelos erros e até a próxima 💜!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...