História Agridoce - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Fraternidade, Irmandade, Naruto, Sasusaku
Visualizações 183
Palavras 3.310
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


amadas, estou aqui para mais capitulo
me perdoem se deixei alguem impaciente rsrs mas já estou area com a continuação do capitulo anterior.
eu também amei demais escrever esse, então espero que vcs gostem♥
é só amor rsrs

boa leitura

Capítulo 11 - Há mais de uma maneira de ser minha


☽ Sasuke ☾ 

  

Desde quando entrei na faculdade, eu uso os óculos em todo lugar público a onde vou. O que significa que faz quatro anos, desde os meus 17 anos, que mostrei meus olhos para alguém, pela última vez. Não que eu seja do tipo que gosta de seguir as regras ao pé da letra e me abstenha de correr alguns riscos. Em momentos íntimos com algumas garotas, até pensei em tirar o nirazat para ficar mais confortável. Sabia que algumas das garotas não contariam nada se eu o fizesse, e então ninguém descobriria.  

Mas não tive tanta vontade e achei que simplesmente não valia a pena. Além disso, nenhuma delas teve coragem o suficiente — ou interesse — para ao menos pedir para ver meus olhos.  

E logo a garota que mais conhece o risco de descumprir uma regra dessa foi a primeira e única a tomar iniciativa. E eu não tive coragem — nem vontade — de impedi-la.  

Preciso confessar; eu queria que ela me visse e queria vê-la também. Mas agora, que eu não consigo mais desgrudar minha boca da sua e a parar de aperta seu corpo contra o meu, me pergunto se não foi um erro. Pois estou ainda mais louco de desejo por ela.  

Sakura é ainda mais linda em cores. Seu cabelo cor de rosa possuí um brilho reluzente e vivo, combinando com sua pele leitosa. Eu sabia que seus olhos eram claros e brilhantes, mas presenciar a verdadeira cor deles quase fez meu coração parar. São como uma pedra de esmeralda molhada, que acabara de ser encontrada no meio do oceano. Um verde intenso de tirar o folego e não pude deixar de me impressionar com o contraste perfeito com a cor de seu cabelo e pele.  

Ela é perfeita em todos os sentidos, penso enquanto mergulho no sabor doce de sua boca. Ela me faz perder o juízo e não querer mais recupera-lo.  

Tudo o que eu quero é me afundar nela, de todas as maneiras possíveis e lascivas.  

Saber que ela me quer também deixa a minha sanidade defeituosa. Sentir o calor emanando de seu corpo, junto com os suspiros profundos que ela solta em minha boca, suas mãos em meus cabelos, puxando os fios bruscamente, me fazem desejar que esse momento dure para sempre. Ou se intensifique ainda mais.  

Como a primeira opção é impossível — não dá para congelar esse momento para o resto da eternidade — o que acontece de verdade é a segunda. Eu sequer percebo que estamos andando pelo quarto, com nossos corpos colados e sem desgrudar os lábios um do outro, até que sinto a borda da cama contra a parte de trás dos meus joelhos. Inconscientemente, cambaleamos até chegar em sua cama, mas isso não me deixa nem um pouco aborrecido. Muito pelo contrário.  

Sento na beira do colchão, puxando Sakura junto comido. Ela não hesita. Minha libido cresce quando ela senta em meu colo, com os joelhos posicionados um de cada lado do meu quadril, e todo seu tronco se molda ao meu, se encaixando de forma perfeita e excitante. Seus seios pressionam meu tórax, seu abdome está colado ao meu, e sua intimidade roça a minha quando ela move o quadril, o qual eu abraço fortemente para mantê-la mais próxima possível.  

Sua boca é suave sobre a minha. Apesar da ânsia que posso sentir em seus movimentos, ela ainda é tímida e essa insegurança apenas faz comigo a deseje ainda mais. Seu beijo é meigo ao mesmo tempo que é carregado de fome e tesão. Eu preciso dela mais do que respirar nesse momento.  

Ergo um dos meus braços, passando a mão por seus cabelos, seu rosto, pescoço... Sua respiração se condensa quando alcanço seus seios e sinto o bico rígido do mamilo. Eu paro minha exploração quando chego nas amarras de seu robe. Ansioso, desfaço o nó.  

Sakura fica um pouco tensa e distância seu rosto para poder me encarar. Quando seus olhos fixam nos meus por alguns segundos, porém, um leve sorriso curvo a canto de sua boca e volta a pressiona-la contra minha num beijo profundo. Enquanto saboreamos o gosto um do outro, eu continuo o que estava fazendo antes.  

Faço o tecido suave do robe deslizar por seus ombros e cair em seus braços. Lentamente, Sakura termina de tira-lo, deixando cair ao chão, descartado sobre o chão. 

Agora só o pano fino de uma camisola de seda cobre seu corpo. O tecido se estende até metade de suas coxas, mas como ela está sentada sobre mim nesse momento, só vai até seu quadril, deixando muito pele exposta para eu poder esquadrinhar com minhas mãos.  

E é isso que faço, escorrendo minha palma por sua coxa macia, subindo até encontrar seu quadril e aperta-lo com força, fazendo Sakura se arquear.  

Minha boca deixa a sua para se aventurar em seu pescoço. Deixo centenas de beijos nessa região enquanto fico inebriado com seu cheiro, além de algumas mordidas desejosas. Logo meus lábios migram para extensão de seu ombro.  

Tiro a alça fina da camisola do meu caminho, fazendo ela escorrer para o lado e deixando a área livre para mim. Fecho os olhos e deixo uma trilha de beijos e mordidas pela pele delicada de sua clavícula até o ombro. 

Escuto Sakura arquejar pesadamente e ela me segura pelos ombros.  

Sinto a necessidade avassaladora e intensa de saboreá-la por inteiro. Sinto necessidade de tê-la por completo e não consigo controlar esse sentimento. 

Abraço-a com firmeza pelo quadril e a levanto. Instintivamente, Sakura aperta seus braços redor do meu pescoço e entrelaça suas pernas em volta do meu quadril, ficando grudada em mim. Aprecio sua atitude tomando sua boca e beijando-a fortemente enquanto giro nossos corpos.  

Deito suas costas sobre a cama e fico por cima. Completamente perdida e absorta com meus beijos, Sakura parece aprovar nossa nova posição. Suas pernas continuam entrelaçadas firmemente em volta de mim, deixando nossos corpos colados.  

Ela parece um pouco frustrada com minha jaqueta, como se a roupa grossa estivesse lhe atrapalhado. Empurra a vestimenta pelos meus ombros, tentado tira-la. Não hesito em obedece-la rapidamente, terminando de me livras das mangas da jaqueta e atirando-a em qualquer lugar pelo chão.  

Volto a explora-la com minha boca. Primeiro, lhe dou um beijo profundo, enroscando nossas línguas, fazendo-as dançarem juntas em uma dança sensual e desesperada.  

Pouco tempo depois, estou alimentando minha boca com a pele suave de seu queixo, deslizando até seu pescoço, descendo por seu colo. Minhas mãos também estão famintas por ela e passam a se alimentar com a delícia de suas curvas. Escorregam com um toque pesado por sua coxa até o quadril, subindo ousadamente a barra da camisola e se aventurando no território inusitado por baixo do tecido. Tateou sua barriga, sentindo a pele macia sobre minha palma e contínuo, ansioso.  

Minha mão alcança seus seios ao mesmo tempo que minha boca. Me sinto em chamas quando fecho minha mão sobre um dos seios e tomo o outro em minha boca, ainda por cima do tecido da camisola. Sakura geme levemente e arqueia as costas. Sinto a forma macia e redonda contra minha palma, e vejo, através dos meus olhos cerrados, o pano molhado com saliva no local onde coloquei minha boca. Meu pau lateja dentro da calça.  

Céus, como eu estou excitado! Não consigo sequer pôr em palavras o quanto desejo ela nesse momento. Me sinto prestes a beira de uma explosão acumulando todo esse tesão.  

Volto para os seus lábios, me deliciando com seu gosto doce.  

Minha mente está turva, com pensamento borrados e apagados, e mal consigo registrar o que se passa pela minha cabeça. Frases incoerentes passam pela minha mente em reflexo ao desejo intenso que aprisiona meu corpo. 

Te quero demais. 

Preciso de você.  

Preciso que seja minha.  

— Sasuke... Eu quero você também... Demais.  

Eu nem havia percebido que dissera aquelas coisas em voz alta até que Sakura soltar esses múrmuros em resposta. Minha mente está uma confusão. O que é real e o que não é começam a se misturar. Já estou até delirando.  

Apoio o braço sobre o colchão e levanto para poder clarear os pensamentos. Me distancio apenas o suficiente para poder fita-la. Meus olhos, involuntariamente, acabam deslizando por seu corpo quase seminu em baixo do meu e quando me deparo com seu rosto corado, a boca inchada e vermelha, os olhos desfocados e turvos me encarando com ânsia, as neblinas em meu cérebro apenas se intensificam e o desejo faz minhas calças ficarem apertadas.  

— Sakura... — Sussurro, impulsionado pela forte necessidade de tê-la nesse momento. Abaixo a cabeça e distribuo beijos molhados em seu pescoço. — Seja minha. — Minha voz soa pesada e rouca. Falo cada palavra pausadamente. — Porra, eu preciso muito de você... Por favor, seja minha... 

Sei que é pode ser um pouco descabido fazer um pedido desse tipo e me sinto ridículo por estar quase implorando. Mas eu a quero demais para me preocupar com o bom-senso. Faço qualquer coisa para tê-la para mim.  

O significado do meu pedido tem mais de um sentindo. Quero que ela seja minha mais de um jeito, mais do que de uma única forma. Nesse instante, não consigo simplificar e explicar, é difícil pôr em palavras o que exatamente eu quero, não consigo formular a intensidade do meu desejo, então não digo mais nada, esperando que ela possa compreender.  

Sakura me afasta pelos ombros, delicadamente, e agora seus olhos estão levemente arregalados e alertas, demonstrando que ela recuperou a consciência parcialmente.   

— Eu não posso... — Morde o lábio e fecha os olhos, soltando um suspiro pesaroso e desejoso ao mesmo tempo. — As coisas não são assim, Sasuke... — Quando abre os olhos novamente, evita me encarar. Vira o rosto para lado de um jeito tímido. — Eu estou esperando o momento certo e... — Prende o lábio entre os dentes novamente e não consegue terminar a frase, evidentemente desconcertada.  

Sorrio levemente e deposito um beijo delicado em sua bochecha.  

— Eu entendo, baby. — Digo, querendo afastar o constrangimento dela. — Está tudo bem. — Asseguro com tom suave e positivo. Ser compreensível em um momento como esse não é mais que minha obrigação, mas eu realmente entendo e simpatizo com o que ela quis dizer, de forma tão tímida. Sakura não está pronta para dar esse passo ainda, seria demais para ela. Eu respeito totalmente sua decisão.  

Apesar disso, meu desejo não diminui nem um pouco. E nem o dela, afinal, senti o corpo de Sakura estremecer quando meus lábios tocarem em sua pele.  

Eu não irei desistir tão facilmente. Ao menos, em partes.  

— Mas, há mais de uma maneira de você ser minha, amor. — Sopro em seu rosto e olhos dela se voltam para mim, assustados e ansiosos quando levo uma de minhas mãos para seu quadril, logo em cima do elástico de sua calcinha. Sinto o tecido de renda. Sorrio de forma leve e assanhada. — Eu posso te mostrar. — Murmuro em seu ouvido.  

Minha mão entra por baixo do elástico da calcinha e acaricia a pele marcada. Pontadas de desejo atravessam meu corpo.  

— Sasuke...  

Ela está prestes a recuar, mas eu interrompo-a com um beijo suave. 

— Shh... — Sibilo contra seus lábios. — Confia em mim, baby. Irei apenas te experimentar.  

Ela estremece com minhas palavras.  

Desço com beijos por toda a extensão de seu pescoço e clavícula. Por cima do tecido da camisola, tomo um de seus seios em minha boca, deixando o pano molhado com minha saliva. Prendo seu mamilo entre os dentes, por breves instantes antes deslizar minha língua por ele.  

A essa altura, toda a tensão e resistência de Sakura se foi. Ansioso, puxo a barra da calcinha para baixo.  

O mesmo tratamento que dei em seu seio direito, faço da mesma forma do esquerdo. As mãos Sakura seguram minha cabeça, puxando meu rosto contra si enquanto suspira profundamente.  

Desejo imensamente poder ver a obra de arte que são seus seios escondidos por baixo da camisola, mas já me sinto satisfeito o suficiente em chupa-los, mesmo que por cima do tecido.  

Tenho algo muito melhor em mente para saborear.  

Levanto meu tronco, ficando de joelhos em as frente. Paro alguns instantes para admira-la. Seu cabelo se espelha pelo colchão, a pele dela está corada e marcada em algumas regiões, uma prova dos “carinhos” que minha boca deixou. As alças da camisola estão caídas, deixando a mostra todo o seu colo nu e o início de um de seus seios e o formato acentuado deles, junto com o mamilo ereto espetando o tecido. E preciso segurar o folego quando meus olhos descem por sua cintura fina e se depara na barra da camisola erguida, expondo seu quadril largo e suas coxas.  

Céus, como ela é linda. E está aqui, só para mim. Não importa que não seja concreto, ela será minha.  

Mantendo meus olhos fixos nos seus, puxo o tecido de sua calcinha.  

— Confia em mim, amor. — Sussurro novamente quando ela fica tensa. Sakura mantem o olhar preso no meu e relaxa um pouco. Ela permite que eu continue. Seus olhos brilham com hesitação e ansiedade. Além do desejo que também é refletido nos meus.   

Quando tiro complemente sua peça intima, meus olhos se atraem para beleza até então oculta. Minha respiração instintivamente acelera, meu coração bate forte com expectativa e minha boca saliva.  

Quase me sinto a prestes a perder o controle.  

Tomarei um pouco dela. Terei uma parte sua, de qualquer maneira, e isso já me contenta o suficiente.  

Vejo as bochechas de Sakura adquirem um tom intenso de vermelho quando eu me inclino para baixo, mas seus olhos em nenhum momento deixam os meus. Com meu olhar ligado ao seu, eu começo uma trilha de beijos pelo interior de sua coxa. O corpo dela estremece e sinto sua pele eriçar em contato com meus lábios.  

Deslizo em linha reta, seguindo até o presente secreto que me espera. Só então desvio meu olhar do seu. Só então, nosso contanto visual se interrompe assim que coloco minha boca sobre ela. Porque nós dois fechamos os olhos para saborear a sensação, de formas diferentes, mas igualmente deleitosas.  

Além de seu gosto doce, saboreio também suas reações, sentindo prazer ao dar prazer a ela.  

Sakura joga a cabeça para trás, geme e suspira, morde os lábios com força, leva a mão boca, tapando-a para abafar seus próprios barulhos, enquanto sua outra mão segura os fios do meu cabelo com tanta força que poderia ser doloroso se não me excitasse tanto.  

Eu a levo ao limite em pouco tempo e me delicio quando ela chega ao ápice, tremendo por inteiro e se contorcendo descontroladamente. Guardarei esse momento e a imagem dela chegando atingindo o clímax a sete chaves em minha mente. Essa parte dela será minha para sempre e me sinto mais que satisfeito por isso.  

Deito ao seu lado, repousando meu braço em sua cintura enquanto a observo com um sorriso leve em meu rosto. Seu peito sobre e desce rápido com respirações profundas. Do peito para cima, sua pele possui um tom corado e está brilhando levemente com suor. Os lábios estão inchados e vermelhos devido aos beijos e ar mordidas que ela mesma aplicou em si mesma para conter os sons prazerosos que ameaçavam escapar. Claro que, em partes, eu também tenho culpa referente as mordidas. E assumo essa culpa com felicidade.  

Dou leves beijinhos na ponta de seu ombro enquanto espero ela se recuperar e normalizar sua respiração.  

Quando ela enfim restaura a ordem dentro de si mesma, abre os olhos e vira o rosto para mim. O brilho de olhos verdes me abate com um forte impacto. Ainda mais com a intensidade carregada neles, demonstrando satisfação e um pouco timidez. Um suave sorriso se insinua em seus lábios.  

— Ainda não acredito que você está aqui. — Ela sussurra após longos instantes encarando meus olhos.  

— Sinceramente? Eu também. — Admito com uma leve entonação sarcástica. Mas ainda há um fundo de verdade nisso. Nem em um milhão de anos eu poderia me imaginar aqui, na casa da Gama-los, com uma garota que é minha rival. Entretanto, não consegui evitar me deixar levar pelo impulso.  

Eu estava muito ansioso para o festival da lua e louco para o dia da festa chegasse logo. Mas toda essa empolgação era apenas por causa de Sakura, foi o que percebi após algumas horas que iniciara a comemoração. Acontece que, os planos que traçamos despojadamente, acabou ficando em minha mente e no fundo estava desejando que aquelas coisas acontecessem de verdade. Eu e ela sozinhos em um quarto durante uma noite a inteira.  

Mas quando os Los chegaram, bastante atrasados, eu já sabia que algo estava errado. Eles estavam animados, mas alguns pareciam levemente preocupados, como se algo estivesse incomodando-os. E Sakura não estava em lugar algum. Pouco depois, descobri, escutando a conversa de Ino com um dos calouros que perguntou por Sakura, que ela não viera porque estava doente e impossibilidade de sair.  

Eu logo desconfiei. Primeiramente porque, eu havia visto Sakura naquele mesmo dia e ela parecia ótima, sem nenhum sinal doença. Segundo porque, a voz de Ino soou estranhamente tensa. Observando com mais atenção, notei que ela não estava animada como o resto das pessoas e tomava uma bebida atrás da outra, como se estivesse tentando esquecer de algo. Além disso, eu conheço a política das irmandades. Logo suspeitei que haviam feito algo com Sakura, mesmo sem conseguir imaginar o quê ou o porquê.  

Tudo o que sabia era que minha empolgação se esvaiu subitamente assim que constatei que Sakura não viria.  

Foi então que percebi que eu não estava ansioso para festival em si, e sim por causa dela. Quando soube que não a veria aquela noite, tudo se transformou. Tudo perdeu o sentido. De repente, as coisas pareciam subitamente chatas no local. A música estava alta demais, havia gente demais para ser confortável, e as bebidas não me agradavam mais.  

No dia seguinte, quando mais uma noite de festa se aproximava, me sentia esgotado de tanto tédio. Uma ideia surgiu em mente e eu pensei “Por que não?”. Na verdade, eu nem pensei direito. Apenas agi antes que sensatez me refreasse.  

Me deixei levar completamente pelo impulso. Travei meus pensamentos até estar dentro do meu carro e só destravei quando estava no meio do caminho, e a essa altura já era tarde demais. Eu já havia começado e teria que ir até o fim.  

Agora, sentindo seu gosto ainda em minha língua, penso que estou longe de me arrepender.  

— Mas estou feliz por ter vindo. — Digo a ela, curvando os lábios suavemente.  

Seu olhar tímido se desvia por alguns instantes antes que se voltem para mim, inquietos.  

— Eu não acho certo que... — Ela suspira, incomodada. — Além de estar se arriscando, você está perdendo muita diversão.  

Aperto sua cintura com meu braço, trazendo-a para mais perto. Seu corpo fica colado ao meu de forma confortável, aconchegante e quente. Seu rosto fica de frente para meu, com poucos centímetros de distância. Próximo o bastante para sua respiração e seu hálito doce soprar em minha face. 

— Quem disse que não estou me divertindo aqui? — Falo, sorrindo maliciosamente. As maçãs do rosto dela colorem com tom rosado.  

— Pode até ser... — Diz, levemente constrangida. Franze a testa, preocupada. — Mas você não vai querer ver a lua? A vista será fantástica e você não deveria perder isso. 

Fito seus olhos impressionantemente intensos, da cor da água do mar de uma praia exótica. O nariz pequeno e redondo, delicado mesmo com um piercing enfeitando-o.  A boca com lábios fartos e naturalmente avermelhados. A combinação dos seus traços resulta numa imagem perfeita: ela.  

Com esse fato em minha mente, replico: 

— A lua sangrenta pode até ser bonita de se ver. Mas, eu não estou perdendo nada, baby. — Deposito um beijo rápido, mas profundo, em seus lábios antes de voltar me concentrar em sua face. — Porque estou olhando para algo muito mais bonito.  


Notas Finais


esse sasuke é irresistível ne kkkkk
sakura é guerreira em demais pq eu ja teria me entregado toda hihihi, e acho que nao a unica. será?
quero saber de vcs.
bebam agua e se cuidem, para que possam sobreviver para o proximo capitulo que sai em breve ok? vai ser só amor tbm.

beijo no cocoro ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...