História Ainda é Cedo - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Visualizações 8
Palavras 1.304
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 12 - Cap.12



 As duas primeiras semanas de outubro foram estranhas.  Estava desacostumado a ficar em casa a tarde,agora que eu não ia mais ensaiar com.a banda da Beg,ficava à toa,mas o bom era que tinha tempo pra estudar e jogar vídeo game. Depois dos ensaios ela vinha pra minha casa,depois íamos pra dela e eu dormia por lá mesmo. Meus pais já não estavam nem aí cm isso.
 Na segunda semana de outubro,eles iam viajar pro Rio. Beg me chamou pra ir,ela até tinha dois ingressos pro show do AM,mas eu não quis ir. Tinha muitas provas pra fazer na escola,não queria me dar mal. 
 Mas,na noite em que iam,fui me despedir deles. Eles iam se encontrar na casa do Natan às 17h,e de lá ir pro aeroporto. Quando cheguei eles estavam levando as coisas pra van,mas não vi Beg com eles. Ao me aproximar,Natan sorriu :
—Ei cara! -ele.me abraçou.
—E aí.
—Veio pra ir com a gente?
—Não,só despedir mesmo.
—Ah,que pena. -ele deu de ombros-A Beg ta la dentro,vai la.
—Okay.
 Entrei na casa,e olhei em volta. Ninguém na sala de estar,nem na cozinha. Subi pela escada então,e no corredor vi a porta do banheiro aberta e a luz acesa. Fui ate la e vi Beg ajeitando o cabelo olhando no espelho.
—Oi.-falei me encostando na porta.
—Oi! -ela sorriu e me abraçou.
—E aí,pronta?
—Quase. Tem certeza que nao quer ir? 
—Eu quero,só não posso.
—Pode sim,vamos.-ela fez uma carinha de cachorro sem dono.
—Não. E não adianta fazer essa cara.
—Af,você não tem coração.
—Não tenho porque dei ele pra você.
Ela deu aquele sorrisinho:
—Mas que honra. 
Agora foi minha vez de rir:
—Ah,claro.
—Eu também te dei o meu.-ela disse,depois deu um sorrisinho malicioso- Posso dar outra coisa também... se quiser...
—Opa,eu quero.
 Ela riu,e me puxou pra mais perto. Só que Natan apareceu na porta:
—Ah não,não é hora disso gente. Sinto muito,temos que ir.
—Ta bom.-Beg fez uma careta,enquanto ele saía.
—Vem,vamos.
 Saímos dali e descemos. Fomos até a van. Natan e Fred me abraçaram antes de entrar.
—Boa sorte la hein?-falei.
—Valeu mano.-Natan sorriu 
Todos entraram,menos Beg. Ela me olhou:
—Queria que você fosse. Serio,realmente queria que estivesse lá comigo.
—Eu também queria,mas... Não.
—Ta. -ela suspirou,e me abraçou apertado- Tchau.
—Tchau Beg. -passei a mão no seu cabelo. Ela se afastou um pouco,e me beijou.
—A gente se vê em breve,ta?-ela disse e me abraçou novamente.
—Anda Beg!-Natan chamou.
Ela então me soltou,e foi ate a porta lateral da van.
—Divirta-se.-falei,acenando.
 Ela olhou pra trás e acenou de volta. Quando ela entrou,foram embora. E eu,pra minha casa.
  Naquela noite,minha mãe tinha saído pra casa de uma amiga. Ficamos eu e meu pai. Quando cheguei ele tava na sala assistindo um filme. Eu ia pro meu quarto,mas ele me chamou.
—Ei.
—Que foi?
—Chega aí.
Me sentei no outro sofá.
—Olha,me desculpa por aquelas coisas. -ele disse-Eu só não queria que você entrasse numa coisa assim,depois desse algo errado e você perdesse esse tempo.
—Por que daria algo errado?
—Sei la.-ele deu de ombros- Na verdade,,eu fui ver vocês tocando uma vez,e você é muito bom. Parabéns.
—Obrigado.
—Serio,nossa,fiquei realmente impressionado. E orgulhoso.-ele riu.- Falei pra uns caras do meu lado: Aquele lá é meu filho.
—Valeu. -ri,sentindo o nó na garganta.
—Vai tentar entrar na faculdade d música mesmo?
—Vou sim.
—Isso aí,filhão. -ele ergueu a garrafa de cerveja - Vai nessa. Quer uma cerveja? 
—Claro.
Ele me deu uma garrafa,e ficamos ali bebendo assistindo filme.
 

 Na manhã seguinte,quase atrasei pra escola. Muita ressaca... Acordei e fui de qualquer jeito.
As aulas foram terrivelmente chatas;Matemática,Química e Geografia,dois horários de matemática,dois de química e o último geografia. Quando deu a hora de ir embora,fui andando.
Liguei pra Beg mas ela não atendeu. 
—Deve tá muito ocupada.-murmurei.
 Chegando em casa,almocei e fui estudar,o vestibular era.dali a duas semanas. Mas não
consegui me concentrar direito,tava meio aéreo. La pras três horas liguei pra Beg de novo,e novamente ela não atendeu. Entrei no Facebook,e vi que Natan tinha postado umas fotos deles. Eles estavam na cidade do Rock,Beg tava nas fotos,com cara de chapada,e uns caras estranhos com ela. Natan parecia feliz da vida. Fred com cara de perdido,como sempre.E Caio tranquilão.
—Af,podia ter ido. -falei comigo mesmo.
 Larguei o celular e voltei pros livros. Fiquei a tarde toda nisso. E quando anoiteceu fiquei orgulhoso de mim mesmo por ter conseguido aprender algumas coisas de matemática que eu não sabia antes. Tomei banho,comi,e fiquei tocando ate pegar no sono.
  Mas,no meio da madrugada acordei com.o celular tocando. Era o número do Natan.Peguei e atendi depressa :
—Oi?Alo?-bocejei,ainda meio dormindo.
Mas quando ouvi.a voz da Beg,despertei na hora.
—Ei,Henrike,sou eu! -ela disse,animada- Oi,desculpe não ter ligado antes,meu celular sumiu aqui.
—Oi,e aí?  Tudo bem? 
—Sim,tudo ótimo! Vc está bem? Tava dormindo? 
—To legal. Sim tava dormindo.
—Desculpe te acordar,tá uma correria aqui,acabamos de chegar no Hotel,estávamos na praia cm uns hippies.
—Ah,q legal. Vocês vão tocar quando?
—Na sexta. O show do AM é no sábado. Queria que você estivesse aqui,pra gente ir junto,Henri... Poxa vida.
—Queria estar ai também,mas... não dá.
-É, pois é. -suspirou. -  E como foi seu dia? O que fez?
—Só fiquei em casa e estudei.
—Legal. A prova é amanhã,certo?
—Sim,amanhã.
—Boa sorte,e não esquece daquelas coisas que te ensinei aquele dia,okay? Acho que vai cair questões sobre isso também.
—Vou lembrar sim.
—Ótimo.
Nisso,ouvi a voz do Natan no fundo;
Anda Beg,preciso do meu celular!
Ela resmungou um "ta bom" depois voltou a falar comigo:
—Tenho q ir agora,Henri. Tchau,beijo. Te amo. Ate breve.
Antes que eu pudesse responder ela desligou. Afastei o celular,e olhei as horas. 3:46 da manhã. Olhei nossa foto no papel de parede;eu tentando tocar guitarra,e ela me abraçando por trás com um sorrisinho fofo.
Apaguei a tela e voltei a dormir.

A semana passou veloz. Fiz a prova,fiz outra,e continuei estudando pro vestibular.
Beg não ligou mais,nem nenhum dos meninos. Deviam estar se divertindo muito.
 No sábado,planejava ficar em casa e assistir o show do Arctic Monkeys sozinho no quarto.Mas,lá pras nove da noite,Than apareceu na minha casa e me chamou pra ir pra casa dele,pra vermos juntos e pedir pizza. Acabei aceitando o convite e fui.  Chegando la,umas nove da noite,pedimos as pizzas,e fomos arrumando uns colchões no chão da sala,porque íamos assistir na TV enorme que tinha la,e depois cair no sono ali mesmo. Enquanto ele procurava um.jogo pra jogarmos antes do show começar,abracei os joelhos sentado no colchão:
—Ei,posso fazer uma pergunta?
—Claro.-respondeu,pegando uma pilha de dvds.
—Se algum amigo seu te chamasse pra ser padrinho de casamento,ou algo assim,você aceitaria?
—Aceitaria,claro.
—Você não acharia estranho ?
—O quê exatamente?
—Ah,sei la,um amigo seu casando ou algo assim..?
—Não.-deu de ombros,analisando a capa d um jogo,depois me olhou- Não acharia estranho não.
—Por quê?
—Ue,porque isso é normal. As pessoas nascem,crescem,conhecem pessoas,namoram,casam... acontece o tempo todo.
—Mas não seria meio estranho se casar assim? Tipo,com essa idade e tal.
—Não. Meu pai conheceu minha mãe com 13 anos,disse que era o amor da vida dele. Se casaram aos 14,e tão juntos ate hoje. -deu de ombros- Achei! -levantou a capa mostrando o jogo.- Mortal Kombate.
—Legal.-me ajeitei no colchão,colocando os óculos.
—Mas enfim,por que essas perguntas mano?
—Não,nada. Veio na cabeça,só isso.
—Se veio na cabeça é porque andou pensando. O que foi,ta pensando em casar? Quer casar com a Beg?-ele sorriu,surpreso.
—O quê? NÃO,que isso! -respondi cOm as bochechas ardendo,provavelmente coradas.- Nada a ver.
—Certeza? -ele me olhou bem- Somos amigos,pode me falar qualquer coisa
—Eu sei,mas não. Não mesmo,não é isso.
—Okay.-ele deu de ombros e colocou o jogo pra rodar.
Começamos a jogar,instantes depois a pizza chegou e deu a hora do show. Ficamos comendo e assistindo ate a madrugada. Foi divertido. 





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...