1. Spirit Fanfics >
  2. Ainda Existe Esperança - SOPE >
  3. Sete

História Ainda Existe Esperança - SOPE - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura!

Capítulo 8 - Sete


O dia havia amanhecido e Yoongi continuava acordado, na frente do rio do costume a olhar para a correnteza das águas.

A vida de Suga era como um rio. Quando nasceu foi a luz dos seus pais que ficaram maravilhados com ele mesmo. Foi nadando sempre junto à costa, pois caso se afogasse tinha como sair e pedir auxilio, no caso, aos seus pais. Até que com a tempestade titulada como "Morte da Mãe" surgiu e causou uma enchente tão forte que levou Yoongi a ser arrastado pela corrente.

E assim foi e assim o era, até hoje.

Suga fluía até ao dia em que chegasse ao mar, à morte.

A sua mente estava bem longe daquele lugar, mas ele não estava a pensar em propriamente nada. Só não estava ali, psicologicamente.

— “Min Yoongi já está morto” — os seus lábios deixaram sair aquele verso de uma das suas composições. — “Eu matei-o” — sussurrou, deixando duas lágrimas caírem.

Min Yoongi estava morto. Isso refletia-se no vazio do seu peito, no desespero que tinha por consumir os seus vícios, no desejo de querer esquecer a sua vida, no desejo de querer encontrar a mãe, quem sabe, no paraíso.

Quem era ele? O que era ele? Uma pessoa sem vida, era o que ele sentia.

Hoseok caminhava em direção à escola, na margem do rio, enquanto cantava e dançava andando. Parou ao ver um rapaz sentado à beira do rio. Conhecia perfeitamente aquela cabelo platinado e o tamanho do indivíduo. E, foi inevitável, viu as lágrimas que desciam pelo rosto.

Assustado com a cena, aproximou-se e sentou-se ao lado do rapaz, passando o braço nos ombros do mesmo — Calma, Suga, calma. Estou aqui, não chores...

Suga voltou a si por uns momentos e sentiu-se ser puxado pelo maior. Os dedos de Hobi desfilaram pelos fios esbranquiçados e acaraciavam o mesmo.

O seu coração aqueceu-se por segundos. Qual era a última vez que alguém o abraçou?

— “Otsukaree sama deshita” — cantarolou baixinho para tentar acalmar o mais velho. — Canta comigo, “otsukaree sama deshita”.

O efeito da cannabis já deveria ter passado mas Suga ainda permanecia pedrado e por isso era como um robô, que seguia ordens e desmanchava-se na presença de Hobi.

— “Otsukaree sama daechwita” — Jung riu baixinho fazendo com que o mais pequeno se afastasse e olhasse nos olhos do ruivo. — Eu tenho cara de Japonês?

Hobi assustou com a cor dos olhos de Suga era a mistura de um verde e vermelho, a sua pupila dilatada... Era tal igual aos olhos dos seus pais.

— É... “deshita” não “daechwita” — o ruivo estava sem reação perante aquele olhar. — S-suga... Tu, tu não vais à escola?

— Nem dormi, nem fui a casa, nem quero ir, nem quero ver o meu pai, nem quero saber dele, nem quero saber de mim — disse, olhando para o rio de novo. — Por que estás aqui?

— Vi-te... Chorar e vim tentar ajudar — continuou as festinhas no cabelo do rapaz. — Tu não estás bem pois não? O que aconteceu?

Suga não queria fazê-lo, contar o que ia na sua mente e na sua alma podia assustar o rapaz e iria abrir a sua ferida de novo. Iria tocar no passado que tanto lhe afetava o presente.

— Otukanee salmão deixa 'tar — cantou novamente tentando desviar o assunto e conseguiu provocando uma gargalhada no mais alto. — Sou um excelente cantor, merecia um Grammy.

— Sim, sim... Trocando as letras todas, sem dúvida — recuperou o fôlego. — Não vais à escola? — insistiu em perguntar.

— Não quero ir, não tenho cabeça para ir — respondeu, com sinceridade. — Vou só esperar os senhorios da minha casa saírem para trabalhar para voltar para lá e dormir, ah... Dormir é bom p'ra caralho.

— Eu prefiro estar acordado... O tempo passa muito rápido quando dormes e perdes o sabor da vida — contra argumentou Jung.

Exato.

Era por estes mesmo motivos que Suga adorava dormir, era muito bom.

— Queres que te acompanhe? — perguntou Hobi, fixando o companheiro.

— Eu gosto da solidão — retrucou.

Não, não gosto. Vem, comigo, por favor, fica comigo — estas sim, seriam palavras que queriam ser ditas.

— Vem, Suga — Hoseok levantou-se e estendeu a mão. — Vem.

— Eu não vou para casa agora, é cedo. Não quero ver o meu pai — Hobi ficou apreendido até que...

— Não tens de ir para tua casa, queres dormir não é? Tenho uma cama espetacular que assim que dormires nela, não vais querer outra — sorriu e recebeu um olhar confuso de Yoongi. — Vá lá, eu estou tentar ajudar-te.

 Quero foder — o íntimo de Suga falou para si.

— Sei que queres manter a tua postura de forte mas nós nem sempre aguentamos — Hobi agachou-se ao lado do pequeno — para além de que já vi que não és quem dizes ser, então... Não precisas de continuar a forçar essa personalidade forte comigo. Eu sou teu amigo.

Amigo.

Yoongi tinha um amigo.

O seu peito aqueceu assim como os seus olhos, prontos para mais uma avalanche de lágrimas.

— Yoon, vem, a sério, as minhas mães foram trabalhar terás a casa só para ti — voltou a insistir.

Yoongi levantou-se e Hoseok também. Min aproximou-se de Hobi, pela primeira vez, abraçando alguém que não fosse a sua mãe.

Hoseok fora enviado pela sua mãe, acreditava ele.

E os dois seguiram caminho rumo a casa de Jung Hoseok, em silêncio. A cabeça de Yoongi estava a mil com tudo o que se estava a passar... Dependia agora de alguém... Alguém o compreendia, alguém o ajudava, alguém se preocupava com ele.

— Fica à vontade, aqui — encaminhou-o mais pequeno até ao seu quarto — é o meu quarto. Faz de contas que é teu, podes comer algo se quiseres também... Eu não me importo e sei que as minhas mães também não — sorriu Jung e, ao olhar para Min, viu as lágrimas do mesmo. — Não chores mais.

— O... Obri... Obrigada — Suga baixou a cabeça proferindo aquelas palavras difíceis de sair.

Hobi abraçou o mesmo e beijou o topo da sua cabeça — Descansa um pouco, eu volto depois das aulas. Até logo e... Não faças nenhuma asneira.

Suga ficou curioso sobre o que o ruivo quis dizer com aquilo mas já Hoseok sabia que o outro tinha consumido substâncias ilícitas e por isso advertiu o mesmo.

Uma vez sozinho, Suga descalçou-se e deitou-se... Era mesmo confortável a cama.

Pela conformidade toda, não durou muito até o rapaz, cansado, dormir. 


Notas Finais


É um capítulo muito JSUZJKSOCN ne? Derreti escrevendo ele
E como estes virão mais

Espero que tenham gostado, amanhã volto com mais um capítulo!
Até amanhã!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...