História Airplane - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Jaehyun, Personagens Originais, Taeyong
Tags Jaehyun, Jaeyong, Lemon, Nct, Taeyong, Yaoi
Visualizações 438
Palavras 1.680
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oioi, como você estão? É bom que estejam bem, viu? Rum ><
Galera, esse é meu primeiro lemon postado, então peço que relevem se estiver ruim ou péssimo ou péssimo qq

SIMM, como também minha primeira fic com o NCT 💕😍


AVISO: Primeiro lemon aa | JaeYong | Lemon +18

Dêem muito amor, please! E boa leitura! 😘❤

Capítulo 1 - Único; O banheiro do avião até que é útil.


Jaehyun P.O.V's


E lá estávamos, na fila para entrar no avião, porém, Taeyong não me dava a mínima atenção. Eu estava apenas, sendo ignorado com sucesso.

— Dá para você fazer o favor de me deixar em paz, Jaehyun?

Falava Taeyong sem paciência na fila do avião. Estávamos brigados, ele tinha o direito de me ignorar, mas se ao menos me escutasse.

— Hyung, mesmo você sendo mais velho ainda insiste em ser cabeça dura? — o olho soltando um riso.

— Como você pode rir numa situação dessas? Jaehyun, você não presta mesmo, por que eu ainda insisto nessa viagem?

Ele tenta sair da fila, mas eu o impeço segurando o seu braço com delicadeza.

— Se não vai por mim, vá por você. Afinal, você merece essa viagem para relaxar, hum?

— Que seja! — Responde ele ao voltar para a fila se soltando de mim.

Meu desejo era apenas que pudéssemos viajar sem essa teimosia toda em Taeyong de não querer me ouvir.

O que havia acontecido? Simplesmente aqueles clichês! Onde a ex dele aparece, me engana e estraga nosso relacionamento. Sim, sim, iríamos fazer três anos de namoro, tranquilos, se não fosse por essa ‘talzinha aí, mas eu irei recuperar o meu Taeyong.

Não vou perdê-lo por causa de mal entendido.



(...)


Após entrarmos no avião e ele me ignorar por completo. O deixei dormindo, afinal, aquilo nunca tinha sido um problema e sim, algo que seria as mil maravilhas para mim, pois, ver Taeyong dormindo era a coisa mais fofa e sexy que eu já tinha visto.

Aproximo minha mão de seus cabelos sedosos para lhes fazer cafuné, mas ao ver o mesmo abrir seus olhos, as trago de volta para mim fingindo que não aconteceu nada.

— Eu vou ao banheiro. — Falo saindo dali.

E por sorte estava vazio.

Entro e aquela maravilhosa ideia vem em minha mente. Só precisava por o plano em prática.

Jaehyun: Trás a minha carteira.

Mensagem enviada.

Mensagem recebida.

Taeyong: Por que diabos tu precisa da carteira no banheiro?

Jaehyun: Deixa de questionar e trás logo.

Taeyong: Você e suas manias esquisitas. Já chego aí.

Guardo o celular e após esperar um pouco, escuto alguém bater na porta e sussurrar.

— Aqui. Abre a porta!

E assim faço.

Taeyong estende a mão com a carteira; já agoniado.

— Toma logo que eu quero voltar a dormir.

— Cadê?

— Aqui, tá cego?

— Não, não. Estava falando da sua mão.

Falo sorrindo e o puxando para dentro do banheiro, fechando a porta em seguida e passando a chave.

— O que v-você está fazendo?

— Taeyong, temos que conversar.

— Não tenho nada para conversar com você.

Diz ele dando as costas logo para sair, mas o impeço abraçando-o por trás e segurando o seu braço na maçaneta para que não a abra. Aproximo minha boca de sua orelha, mordendo seu lóbulo, em seguida sussurrando:

— Não aquele tipo de conversa e sim esse tipo.

— J-Jae...

— Por que não me escuta, seu teimoso; cabeça dura? Não sabe que eu não quero te perder, caramba?

— Se não quisesse não estaria naquela maldita festa pegando aqueles caras ridículos. — Taeyong diz bufando. — Agora me larga!

— Oh, não!

Respondo seriamente o virando e deixando contra a porta.

— Você vai simplesmente me deixar assim? Por causa de um mal entendido? Isso é bem clichê, mas... — Respiro fundo ao baixar a cabeça e o olho novamente. — Tudo que passamos vai para o ralo assim? De boas mesmo?

— Jaehyun, você sabe que é d-disso que eu temo.

— E porque tanta teimosia, mocinho?

— D-Desculpe...

O vejo baixar o olhar um tanto triste, coloco meu dedo em seu queixo fazendo-o olhar para mim.

— Só por causa dessa teimosia terei de pôr as coisas em ordem e isso significa que irei compensar o meu menino mau por finalmente me ouvir.

Sorrio maliciosamente o fazendo corar de leve e sorrir sem que perceba.

— Aqui? Eles irão ouvir...

— Então é só você gemer baixinho, mas... Terá que me recompensar no hotel. — O olho pensativo.

— É claro que farei isso.

Taeyong morde o lábio, o que me tira do controle, me fazendo beija-lo sem mais nem menos, ferozmente, até que, o ar acaba e separo o beijo logo descendo para o seu pescoço, depositando beijos e leves chupões.

— J-Jae para de atiçar e vai logo.

Solto um riso e sorrio de canto.

— Olha quem está pedindo agora. Mas ok, iremos relevar porque eu também quero.

O beijo novamente colando nossos corpos, logo, colocando suas pernas em volta da minha cintura e Taeyong as prendendo com firmeza.

Podia sentir suas pequenas unhas tentando arranhar a minha nuca, e tudo isso me deixava cada vez excitado.



(...)


Separo o beijo, colocando-o em pé no chão novamente, Taeyong se aproxima começando a desabotoar os botões da minha camisa social branca.

— Eu tinha razão ao dizer que você não presta, veja só como consegue me fazer voltar a falar contigo.

O mesmo solta um riso soprado parando no último botão. Afinal, minha camisa social branca marcava muito, e tudo que eu via, era Tae mordendo o lábio.

— Acho que você só tem a cara de anjo, Jae.

— Sabe o que é pior? — Dou um passo a frente ficando mais próximo e sussurro em seu ouvido. — Você nunca resisti aos meus encantos.

O ouço bufar puxando minha camisa para perto, fazendo-me olha-lo.

— E você de bandana, com esse sorrisinho sacana, me deixa cada vez mais irritado.

— Por que?

— Provoca demais e não age logo.

Ao ouvir isso, solto um riso, em seguida parando com um sorriso de canto. Começo a soltar o cinto da minha calça, enquanto a desço vagarosamente.

— Seja um bom menino, Taeyong. E revide!

Normalmente, eu que tinha o costume de fazer todo o trabalho, mas dessa vez havia sido diferente.

O mesmo havia aceitado e ainda dito:

— Se não conseguir se segurar, não hesite.

— Vamos ver.

Respondo o deixando um tanto corado, mas Taeyong, por incrível que pareça, havia se ajoelhado e começado a abaixar minha peça íntima. Fazendo assim, meu membro saltar para fora.

— Quero meu dongsaeng gozando para mim. — Diz ele mordendo o lábio, começando a brincar com suas mãos, indo e voltando sobre meu membro. Até parar e iniciar a masturbação com a sua boca.

Fecho os olhos, logo o espremendo com o prazer que aquilo estava me trazendo, Taeyong sabia como me deixar louco, porém, só precisava mostrar isso.

Coloco minhas mãos em seus cabelos o ajudando no movimento de “ida e volta”. Que parecia mais, fazer melhor sozinho.

Tae chupava com vontade e isso estava me fazendo chegar ao meu ápice, e antes que saísse, o afasto. Gozando no chão mesmo.

— Mas já? — Taeyong me olha provocativo, mordendo o seu lábio até passar a sua língua por eles. — Tão durinho.

— Aish, vem aqui seu menino mau.

Não evitei em me aproximar e agarra-lo novamente. O beijo estava quente e o mesmo parecia querer mais e mais. Pois beijava ferozmente, explorando cada canto de minha boca.

Nunca havia o visto tão ousado.

Afasto-me para respirar e o olho ofegante.

— E essa audácia?

— Vai dizer q-que... Não gostou?

O viro, deixando-o de costas para mim, começo a dar chupões em seu pescoço.

— Como não gostar? Amo cada detalhe seu, cada curva, cada provocação... Até mesmo sua teimosia. Acho que sem ela, não seria o meu Taeyong.

Rimos juntos. Colo nossos corpos, fazendo assim, meu membro já duro ficar encostado em sua parte traseira.

— J-Jae...

Geme baixinho ao sentir, meu membro roçar em sua parte traseira.

— Tem certeza?

— Vai l-logo!

Responde impaciente.

Abaixo assim as suas calças e logo a sua cueca, que por acaso, marcava e só piorava a minha situação.

E já quem estava impaciente, era eu. Não esperei muito para começar a penetra-lo, porém ainda sim, com calma.

— A-ah...

— Aish, Taeyong, por que tão apertadinho?

Digo segurando firme a sua cintura e deposito beijos pelos seus ombros, até conseguir penetrar por completo. Começo lentamente os movimentos de “vai e vem”.

— A-Ah... J- Jaehyun?

— Calma, meu amor.

Sussurro em seu ouvido, mas Taeyong vira sua cabeça, que por sinal me faz conseguir beija-lo de lado, abafando os sons de seus gemidos ao acelerar os movimentos.

— H-Hm.

— Assim irá chamar atenção, mocinho. Nada de barulho.

Taeyong ofegante se apoia na pia, empinando o seu quadril, o que facilita mais o meu trabalho. Coloco uma de minhas mãos, na sua boca abafando mais os sons, e volto a beijar as suas costas e sussurrar:

— Calma!

Mas algo me faz calar e parar tudo como também Taeyong, havia parado de gemer por eu parar com os movimentos. Haviam batido na porta.

— Tem gente?! Irá demorar muito?

— Tem sim. Desculpe, eu acho que a comida não me caiu bem. — Respondo tentando disfarçar. — Irei tentar não demorar.

— Ok, obrigado.

A pessoa que havia batido na porta, parece ir embora após perguntar, o que nos fez rir.

— A comida não lhe caiu bem? — Tae olha de canto com um sorriso nos lábios.

— Não! Pois essa aqui está bem melhor.

Ele rir negando com a cabeça.

— Esse Jaehyun!


(...)



Não demoramos muito para sairmos após aquela pessoa bater na porta. Taeyong havia saído primeiro para disfarçar, sem que o vissem sentar novamente, e em seguida, eu saio. Avisando que o banheiro estava livre.

Porém, claro. Sem rastros de nada que havia acontecido lá dentro. Afinal, ninguém precisava saber, não é mesmo?

Ao sentar novamente no meu lugar, Taeyong me olha.

— O que foi, amor?

— Aquilo ficou incompleto. — Ele faz uma careta.

Solto um riso me aproximando e lhes dando um selinho demorado, voltando a olha-lo enquanto acaricio o seu rosto.

— Teremos o hotel ainda! E lá, você vai me mostrar mais dessa sua “audácia”, hum?

— Mas eu nem comecei direito. Aquilo foi apenas uma tentativa. No hotel será oficial.

Disse ele me fazendo voltar a sentar normal.

— Se eu morrer de ansiedade a culpa é sua.

— Morre nada! Não antes do hotel.

Provoca ele e lhes revido com um soco de leve em seu ombro.

— Taeyong, posso saber quem são essas más influências? Você não era assim!


(...)



E é nesse momento que vocês aprendem que, não é necessariamente essa forma de se reconciliar com a sua pessoa amada. Mas parece que o meu adorou... ‘Hehehe.

Já vi que nós dois, viajarmos sozinhos em aviões, não dá muito certo... Não mesmo.


Notas Finais


Betagem feita por: @BolaDeSorvete , dêem muito amor a essa diva ❤

Gostaram? (Espero que sim aaa>.<') Não esqueçam de favoritar, adicionar a listinha lindja de leitura e também comentar 😆❤
Obs: Respondo todos os comentários e sem exceções!

Kissus e obrigada pela leitura! 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...