História Akai Ito - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Black Pink, Got7, Red Velvet, TWICE
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Park Jimin (Jimin)
Tags Jikook, Kookmin
Visualizações 11
Palavras 2.737
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OLHA EU SEI QUE DEMOREI MAS TÁ AÍ

Capítulo 7 - "A cama do hyung é confortável, aconchegante e convidativa"


Fanfic / Fanfiction Akai Ito - Capítulo 7 - "A cama do hyung é confortável, aconchegante e convidativa"


 — Jeon?! Tem como deixar de ser preguiçoso e abrir logo essa droga de porta? 

Batidas fortes despertaram meu incrível e maravilhoso sono. Me levanto, um pouco cambaleando pelo sono, abrindo um enorme sorriso ao ver Kim ali, dormindo feito um anjo em minha cama. O observo por mais segundos, gravando aquela imagem perfeitamente na minha mente, sendo interrompido por mais batidas. Reviro os olhos e abro a porta. 

— O que faz aqui, Gyeom? — Digo, meio enrolado, ainda coçando os olhos. 

— Na verdade, o que essa peste tá fazendo aí?! — Disse num tom alto, me atropelando e adentrando ao quarto. — Você dormiu mesmo com ele, Jeon? 

— Ei, a ge... Eu e ele só dormimos, nada a mais que isso, seu pervertido. — Acendo a luz em seguida. Vendo Taehyung se remexer na cama por conta da claridade. 

— E por qual motivo banal o príncipe não foi pro colégio? — Agora Yugyeom estava sentado na cama, observando Tae acordar lentamente. — Não me diga que...

— Sim, foi por causa dele... Demoramos pra dormir a noite... Na verdade esse doido aí nem dormiu. Quando levantei ele pediu pra eu ficar mais um pouco e acabei dormindo. — Me sento na cadeira da escrivaninha. — Aliás... Que horas são? 

— São quase quatro horas da tarde, Jeon Jungkook! 

— Desculpe, autoridade. — Levanto as mãos, "rendendo-me". — Bom dia, bela adormecida. — Digo ao ver Kim Taehyung se sentar na cama, com os cabelos completamente bagunçados e os olhos vermelhinhos. Estava extremamente fofo. Passaria a tarde inteira admirando aquele serzinho daquele jeitinho. 

— Eu ainda estou aqui? — Disse com uma voz rouca e coçando os olhos. — Não me lembro de você também ter dormido aqui. — Se referia ao Yugyeom. 

— Eu acabei de chegar, panaca... — Se levantou, puxando as cobertas de Tae. — Agora levanta daí, viadinho. 

A cama do hyung é confortável, aconchegante e convidativa. Nem tão cedo pretendo levantar daqui. — Dizia se jogando novamente na cama. Sorrio um tanto tímido com o comentário. 

— Ai meu Deus, Jungkookie... — Gyeom disse abrindo a porta. 

— O que foi? 

— Nada, depois conversamos... Tenham um bom dia casal... — Foi sua última frase antes de sair do quarto e bater a porta com força. 

Fiz uma breve careta e me levantei dali, sentando na cama ao lado de Tae. Que por algum motivo não tirava os olhos de mim. Aquela troca de olhares me dava calafrios, mas era uma sensação boa. Eu gostava de estar com ele, gostava do jeito dele, gostava dele. 

— Dormimos por quantas horas? — Dizia sorrindo; devo admitir que ficava bobo só de ver o sorriso dele. 

— Por quase dez horas, hyung. Precisamos levantar e fazer algo da vida. — Digo apalmando sua perna. — Vamos, forças. — Puxo o braço do mesmo para que se levantasse. O mais velho não demora muito e conclui a ação. Se sentando e ficando bem próximo a mim. Nossos narizes estavam colados, suas orbes tão negras e tão profundas me encaravam como uma criança encara um brinquedo em alguma vitrine de loja infantil. Tal proximidade me dava medo, eu queria fazer algo mas não podia. Sabia que o mesmo queria Jihyo, e não seria eu que estragaria isso. Abaixo a cabeça, quebrando o clima tenso que havia acabado de se formar. — Ahn... Eu vou descer e ver se tem alguma coisa pra comer... 

O moreno assente e me retiro dali o mais rápido possível. Desço ps degraus rapidamente, descobrindo que estava sozinho. 

Vou para a cozinha e vejo as penelas em cima do fogão, omma havia deixado o almoço preparado, sorri ao ver. Como tínhamos acabado de acordar, comer aquele tipo de refeição não favorecia. Encontro o saco de pães e futrico na geladeira, encontrando alguns frios. Faço dois sanduíches e os coloco sob a mesa. Coloco também uma jarra de suco, acompanhado de dois copos. 

Deixo tudo ajeitado e saio do cômodo indo chamar o hyung. Poupando meu trabalho ao vê-lo descendo as escadas completamente desengonçado. Seguro o riso quando o mesmo tropeça em seu próprio pé, quase caindo. Aparentava mais estar bêbado do que sonolento. 

— Para de me encarar, não gosto disso. — Pronunciou ao chegar na cozinha, se sentando à mesa. 

— É engraçado... — Repito seu ato, sentando na frente dele. — Vai ficar aqui hoje também? 

— Não... Eu ainda tenho vida, hyung. — Rimos. — Eu vou terminar aqui e vou pra casa. Antes de descer vi umas mensagens do Namjoom me chamando pra ir no lago. Você quer ir? 

— Uhum... Podemos nos encontrar no caminho antes de ir pra lá? — Pergunto, bebendo suco. 

— Pode sim... Provavelmente vou estar com a Park. Tem algum problema? — Meu sorriso ladino no rosto se desfaz, mas não deixo tal desanimação tão nítida e balanço a cabeça em forma de negação. — Ótimo... 

O restante da refeição foi um perfeito silêncio. Não parecia estar ruim para ele, como estava pra mim. Eu queria que ele notasse meu desânimo só de tocar no nome dela. Queria atenção, na verdade. Pensava que com a 'revelação' de ontem mudaria alguma coisa nisso tudo e aparentemente não fez diferença alguma na lista de ficadas do hyung. Ele não pareceu se preocupar com isso tudo, muito menos demonstrou pessimismo após saber. O que me deixou mais paranóico do que já estava. 

Tae já havia ido embora, me deixando completamente sozinho em casa. Queria chamá-lo, mas provavelmente estaria ocupado com a princezinha novata; Lavo as loucas que havia sujado e ajeito meu quarto. Aproveito o tempo de sobra e tomo um banho, bem quente, demorado e relaxado. Me retiro já sendo incomodado pelo som do aparelho telefone estar tocando no andar inferior. Desço as escadas apenas com uma toalha enrolada no quadril (não teria problemas pois estava só). Atendo ao telefone, me assustando ao ouvir um barulho alto, que parecia mais uma feira.

— Alô?! — Digo um tanto alto, tentando chamar a atenção do outro na chamada. 

Ah, oi, você atendeu... Jeon, vem aqui no lago, só falta você... Até a novata está aqui...

Era Seokjin, e aparentemente estava bebendo. Senti uma breve pontada no peito ao saber que Jihyo estava lá. Sinal de que Tae havia se esquecido de me encontrar antes por conta dela. Estava abalado, mas deveria me acostumar. 

— Eu já estou indo... Vou me trocar e já vou. 

Desligo o telefone mesmo sem alguma aprovação do mais velho na ligação. Subo de novo para o quarto, vestindo uma roupa simples. Na qual era uma calça jeans clara e rasgada nos joelhos e coxas. Uma camisa branca larga e um tênis simples. Deixo meus cabelos molhados, no caminho secaria. Tranco a casa e caminho em direção ao lago, que não era tão longe de casa. 

Eu e os meninos geralmente nos reuníamos nesse tal lago depois da escola. Iríamos ver o pôr-do-Sol, que era maravilhoso naquele local. Parecia um monte alto, com uma simples lagoa baixa em frente. Caminho mais rápido ao ver o tom alaranjado do céu, gostaria de ver esse fenômeno naquele local. Chego discretamente e me sento no meio dos mesmos, sendo anunciado pelo Yoongi.

— Chegou a nossa princesa. — Reviro os olhos com comentário de Yoongi. — Demorou pra se produzir pra quem?

— Me erra, Yoongi... — Reviro os olhos me ajeitando no local.

— Oi, Kookie... — Viro para trás e vejo Tae. Mas ele não está sozinho, seus cabelos estão sendo acariciados por Jihyo. O mais velho se encontrava deitado em seu colo. Não pude deixar de desfazer o sorriso imediatamente ao ver a cena. 

— Oi, hyung... — Digo, sorrindo fraco e voltando à minha posição normal. 

Todos conversavam sobre assuntos aleatórios, nos quais eu não me importava de não participar. Percorro os olhos por todo o local e não encontro Gyeom. 

— Ei, ei... — Tento chamar atenção de pelo menos um ali. — Onde está Yugyeom? 

— Ele disse que viria, mas deve ter se perdido no meio do caminho... — Jin dizia. 

Dou de ombros e volto a encarar a paisagem, olhando para um ponto fixo, tentando de todas as formas processar tudo que havia acontecido ultimamente. Estava apaixonado por um dos meus melhores amigos. Ele mesmo está cagando pra mim, até porque está apaixonado pela novata. Estava disposto a ajudá-lo com ela... Mas também estava disposto a impressionar o mesmo o bastabte para inverter seus sentimentos. Não faria isso, obviamente. Ainda assumo minha heterossexualidade, apesar de que quando se trata de Kim Taehyung não sei nem meu próprio nome. 

Novamente tinha me iludido. Tudo que havia ocorrido na noite anterior, os toques, os papos, tudo. Jurei que significaria alguma coisa para ele. Mas de certa forma, me enganei. Aquela cena de insônia por conta do ocorrido foi literalmente momentâneo. Provavelmente ainda vai agir como se nada estivesse acontecendo entre mim e ele. Também pensei que sabendo disso iria me ajudar, ou até mesmo pensar em como ficou meus sentimentos depois disso. Jamais perguntaria para ele, mas que se torna uma grande confusão na minha cabeça, torna. 

Perco totalmente a atenção dos pensamentos com as chacoalhadas fortes em meu ombro. 

— Jungkook?! Caramba, tá dormindo? — Finalmente era Yugyeom, abro um sorriso ao vê-lo. — Terra chamando Jeon Jungkook.

— Ah, oi... — Me levanto, ficando de frente para o mesmo. — Estava pensando... Por que demorou pra chegar? 

— Tinha ido na sua casa, buscar a princesinha. Mas advinha? Você não estava lá, Jungkook! — Revirou os olhos. 

— Desculpa, hyung... — Sorrio debochado. 

— Ok, desculpado. — Se aproximou. — Precisamos conversar, e... Agora! — Me puxa um tanto rápido para um lugar mais afastado dos meninos. Cruzo os braços, esperando satisfação do mesmo. — Por que caralhos o Taehyung estava na sua cama hoje cedo, Jeon? 

— Ué, já disse... Ele foi lá em casa e acabou dormindo lá. — Digo, dando de ombros. 

— Especificamente na sua cama? Do seu ladinho? Abraçadinho com você? — Disse num tom mais alto me assustando. 

— Como sabe que estávamos abraçados? A porta estava tran... — Me interrompe, segurando meus ombros com certa força, e os chacoalhando. 

— PARA DE SE ILUDIR ASSIM! ELE GOSTA DA JIHYO, JUNGKOK! — Me soltou e se afastou. — Ele dá uma brecha e você já se ilude assim... Como consegue? 

— Eu não tô me iludindo, hyung... 

— Tá sim! Nem esperanças ele te dá e você mesmo se ilude... Caramba, não vê? Isso não significou nada pra ele, tá bom? — Arregalo os olhos, sinto o formigamento no meu nariz, meus olhos já estavam marejados. — Ok, desculpa pela dureza... Mas caramba, acorda pra vida, Jungkook! 

— E-eu não estou fazendo nada... Ele simplesmente vem até mim e faz a ceninha dele... — Digo, quase soluçando. 

— O problema é que você deixa. Ele vai abusando até descobrir dos teus sentimentos e aí finalmente te iludir. 

— Ele só pediu pra ajudar ele com a Jihyo... — Abaixo a cabeça. De certa forma, Gyeom tinha razão. Mas jamais iria transparecer isso para ele. Se não seria obrigado a escutar mil vezes "eu te avisei". 

Essa é a última vez que tento te livrar disso, Jungkook. O senhor já está bem grandinho pra agir como criancinha apaixonado no jardim-da-infância. — Disse por último e se retirou. 

Respiro fundo e volto para próximo dos meninos. Não queria me magoar e muito menos magoar Yugyeom. Daria o meu melhor para esquecer esse caso... Esse caso lindo da cabeça aos pés. 

Via Taehyung de melação com a Park, mas não ousava demostrar qualquer tipo de ciúmes. Tentava de todas as maneiras me entreter e me enturmar com o restante. Entramos até num assunto de antigos amigos nossos que se mudaram e nunca mais tivemos contato. Nesse até a Jihyo se enturmou, dizendo sobre seus irmãos que iriam chegar, mas estava com muita saudade deles. 

— Um deles é bonito? Eu preciso de um ficante urgente... — Hoseok disse. 

— Você só pode me achar bonito... Segura sua onda, Hoseok. — Yoongi dizia dando socos no braço do mesmo. 

— O mais velho é da idade de vocês, mas como já disse, é repetente... — Dizia, ainda agarrada no Tae. 

— Esse é o tal do Jimin não é? — Jin indaga. 

— Uhum... Mas tem um mais novo...

— Ele também é bonito? — Novamente Hoseok. 

— É sim... É o Jihoon. Quero que eles cheguem logo. Vocês vão amar eles! — Disse entusiasmada. 

— Eles são gays? — Jin.

— O Jihoon eu não sei, mas o Jimin é bi... 

— Agora fica a disputa pro Jungkook e pro Hoseok. — Namjoon diz.

— Xiu, Hoseok é meu! — Yoongi diz, abraçando Hoseok. 

— Eu não sou gay... — Digo. 

— Ah, ok... — Yugyeom diz. Reviro os olhos com o moreno, que sorria debochado.  


  • • •


Oito horas da noite, ainda estávamos juntos. Caminhávamos pela avenida, em cada esquina se despedindo de um. Agora restavam apenas eu, Taehyung, Jihyo e Yugyeom. 

— Até amanhã, hyungs. Vê se não se atrasem! — Gyeom diz, assim que paramos em frente à sua rua. 

— Boa noite, hyung... — Digo, dando um breve abraço no mais alto, o vendo se afastar a voltando a seguir. — A próxima é você, Jihyo? 

— Não... Vou parar na casa da minha avó, que já é na próxima rua. — Tae diz. 

Okay, vou ter que ir o restante do caminho com uma garota que mal conheço e mal tenho assuntos. Na verdade, não temos literalmente nenhum assunto. Me preparo mentalmente, assim que vejo Taehyung se afastar, entrando numa rua, me deixando à sós com a Park. 

— Nunca paramos para conversar, não é? — Disse. 

— Pois é... — Digo, sem tanto interesse. 

— Você parece não gostar de mim, kookie... Estou certa? 

— Está errada... Mal conheço você para ter alguma visão ruim. — Digo simplista. — Mas tenho interesse em me aproximar. Você diz tanto desses teus irmãos, não quer falar mais a respeito? — Sim, queria puxar assunto. Apesar de meu "crush" estar gostando dela, Jihyo não é a errada da relação. 

— Qual dos dois você teve mais interesse? 

— Naquele que vai entrar na nossa sala... Jimin, não é? — Pergunto. 

— Exatamente... Bom, ele é mais velho. Mas continua com uma mentalidade infantil sabe? Carinhoso, tímido... — Sorriu ao lembrar dele. — Sinto falta dele, espero que não demore tanto pra chegar... 

— Ele disse quando chegaria? 

— Uhum... Avisou que chegaria hoje... Mas até agora não recebi notícias... — Disse. — Ahn... Chegamos! — Parou no meio do caminho. 

— Bom... Boa noite... — Estico o braço, para despedir com um toque de mão. 

— Boa noite, Kookie... — Num ato tão rápido, a mais baixa se aproximou, me dando um breve abraço. Retribuo, com vergonha. 

— Ei... — A apertei mais, quando senti sua tentativa de afastamento. — Invista no Taehyung. Ele gosta de você. 

A garota solta apenas um riso nasal e segue seu caminho. Faço o mesmo, porém mais rápido. A noite estava fria e eu queria chegar em casa mais rápido possível. Queria descontar a raiva em alguma coisa por ter dito aquelas palavras. Simplesmente "entreguei" Tae para ela. Eu disse que ajudaria, mas dizer aquilo doeu. Ser simplista em relação a esse assunto foi um ato falso comigo mesmo. Eu não aceito isso mas mesmo assim ajudo para que dê certo. Por quê eu sou assim?

Nego com a cabeça, percebendo que havia passado de minha rua. Bufo e me viro bruscamente, colidindo com algum ser ali presente. 

— D-desculpa... — Digo para o moço que trombara comigo. 

— Não foi nada...

Ouço a voz doce do menino e sigo meu caminho de volta. Sendo interrompido por um puxão. 

— Ei, garoto... — Era aquele menino que trombei sem querer. — Você conhece alguma Jihyo? Park Jihyo para ser mais exato...

— S-sim, por quê? — Digo, me soltando de seu braço. 

— Pode me levar até ela? Eu sou o irmão dela e estou meio perdido com o endereço que ela me passou... — Disse passando a mão nos cabelos negros. Aparentava estar nervoso. 

— Qual dos irmãos você é? — Pergunto.

— Então ela já comentou a respeito... Bom, sou o Jimin. 



"... Um segundo é obra do destino."




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...