1. Spirit Fanfics >
  2. Akai ito >
  3. SBO - parte 3

História Akai ito - Capítulo 8


Escrita por:


Capítulo 8 - SBO - parte 3


- você sente? - pergunta Yuri com a voz baixa, agora sozinhos no quarto.

- suas emoções? Sim... Na maioria das vezes são boas. Tirando quando você falava de algo que não gostava, você sempre está feliz, tranquilo, outras mais frequentes são insegurança e ansiedade, mas nada muito intenso que devo me preocupar ou que me faça mal.

- sinto muito por fazer você se sentir assim, mas é complicado.

Victor sente que Yuri está muito preocupado, ele fica tenso e se esconde nos braços do loiro.

- o que foi Yuri?

- só... É só que não nos conhecemos e você não viu o meu pior lado, eu estou com medo de que você se arrependa de ficar comigo, você só conheceu minhas qualidades, estou com medo de que quando você ver o meu pior lado, perceba que foi tudo uma ilusão. E... Por mais que todos digam que nós somos almas gêmeas, eu acredito que há pessoas melhores para você do que eu.

Victor ouve tudo aquilo e fica triste, por enquanto Yuri não pode perceber o quão especial ele é aos olhos do loiro, quanta alegria proporcionou desde que se conheceram.

O russo imagina que Yuri é inseguro por como deve ter sido tratado pelas pessoas na vida, se até os seus parentes o julgam pela aparência, sem nem terem dado oportunidade para que ele mostrasse sua beleza interior. Um flash na sua memória o faz lembrar das palavras de Carmella e ele range os dentes de raiva.

- Victor! Você vai estragar seus dentes se continuar assim.

- eu nem notei.

- a maioria não percebe, mas tem que prestar atenção quando ficar estressado.

Victor recebe um beijo afetuoso do Yuri e tenta focar nas coisas boas que aconteceram durante o dia.

- como você descobriu sobre meu aniversário? Eu não me lembro de ter falado sobre meu aniversário e nem minha idade para você.

- Chris comentou, perguntou o que eu faria no Natal e eu disse que passaria com minha família, aí ele falou que era seu aniversário, eu achei que seria legal você passar com a minha família. Foi um alívio que você aceitou, porque eu já tinha encomendado o bolo e tudo, aí só faltava a vela e perguntei pro Chris quantos anos você faria.

- foi muita consideração sua, foi o melhor presente de aniversário que poderia ter tido. Mas sua família não ficou incomodada?

- não, eles até me ajudaram trazendo o bolo. Meus primos, os filhos da tia Gina, e minha irma queriam muito te conhecer, eu também queria te apresentar para minha família, então foi mais fácil assim. - Yuri troca carícias com Victor enquanto fala - eu fico muito feliz por você ter gostado da surpresa.

- obrigado Yuri, você está me fazendo o homem mais feliz desse mundo.

***

No último dia da chácara, Yuri e seus primos sabiam que tinham que ir ao mercado, não tinham muito mais o que comerem para o café da manhã e nem para o almoço, então resolveram ir ao mercado.

Victor percebeu como Yuri e Nico eram os mais próximos, sabia quanto carinho seu amado tinha pelo seu primo e não estranhou quando Nico se ofereceu para ir ao mercado junto deles, enquanto o resto dos parentes ficaram na residência.

Durante o caminho, os primos conversavam em português, o que não incomodava em nada Victor, por mais que não soubesse português conseguia entender parcialmente o que estavam falando e estava mais absorto apreciando o clima agradável dentro do veículo.

Era nessas horas que Yuri conseguia enganar a idade que tinha, os dois primos agindo como adolescentes no mercado, sem se preocupar com nada, apenas rindo alto e fazendo brincadeiras internas. Victor adorava esse ar jovial que emanava de Yuri, um contraste com sua vida, por ter que manter a seriedade por causa do trabalho.

As compras foram rápidas, não demorou muito para pegar tudo e irem ao caixa.

- puts, eu esqueci minha carteira no carro. - comenta Yuri - ja volto.

Victor e Nico continuaram a passar as compras, os dois estavam se dando bem, apesar das dificuldades linguísticas.

Victor começou a ficar nervoso, ansioso e começou a ficar preocupado por causa da demora do Yuri, a funcionária já havia passado toda a compra e Victor resolveu pagar, queria sair para procurar seu namorado o quanto antes. Quando terminou de pagar, o loiro sentiu uma onda forte de raiva o atingir, não eram as emoções dele, como pode se confundir? Yuri estava mal, precisava encontrá-lo.

Sem perder tempo, Victor seguiu sua linha, que o levou para fora do mercado e encontrou Yuri numa discussão fervorosa com um outro homem.

Victor não tinha ideia de quem era o outro homem, mas tinha certeza que Yuri o odiava, o moreno emanava ódio, raiva e muita mágoa contra aquela pessoa.

Fez a única coisa que podia, afastou os dois e segurou Yuri nos seus braços, tentando acalmá-lo.

- o que tá acontecendo Yuri??

Yuri estava furioso, sentia que se tivesse menos autocontrole, mataria aquele homem com as próprias mãos.

- fraco como sempre, agora corre pros braços do outro cara pra te defender, se fazendo de vítima, igualzinho uma mulherzinha que você sempre foi. - responde o homem a sua frente, que está levemente machucado. - e você deve ser o macho que tá fodendo com ele, ou não, esse aí adora fazer cu doce.

Victor não compreendeu a frase em sua totalidade, mas essas palavras de baixo calão, conhecia bem. Não foi a primeira vez que as ouvia e ninguém que as use merece respeito.

O moreno estava furioso, mas agora se sentia humilhado.

- eu tenho nojo de você! Como eu pude perder 8 anos com você??? - Victor segurava Yuri pelo braço, por medo dele avançar no outro homem. - me deixa em paz, Fred! Finge que eu morri! Já não basta todo mal que você me fez?

"oh, então esse serzinho desprezível é ex do Yuri?", pensou Victor.

- para de falar como se você fosse um santo, você sabe que tudo começou por sua causa! - Fred esbravejava.

- um erro justifica você destruir meu psicológico? Minha autoestima? Eu posso até ter te traído, mas o que você fez foi muito pior.

Aquela escória de gente encarava Victor novamente.

- viu só? Até ele admitiu que me traiu, não vai demorar muito pra ele fazer o mesmo com você.

Yuri sentiu tanto remorso, medo, seu estômago chegou a embrulhar.

Victor com seu pouco português compreendeu o que o outro disse. Lembrou de como Carmella também havia comentado sobre isso. Nem mesmo os pais de Yuri sabiam os detalhes sobre os problemas do relacionamento dos dois, mas a prima de Yuri sabia dos detalhes, porque Fred contou pessoalmente para ela, pra pessoa que podia prejudicá-lo. Victor não sabia o que aconteceu no passado dos dois, mas tinha certeza que Fred traiu seu namorado, traiu de forma baixa, quebrando a confiança, a privacidade do ex casal.

- igual você traiu o Yuri com a Carmella? - Victor perguntando depois de concluir seus pensamentos.

- do que você está falando, Victor?  - Yuri estava confuso.

- Ontem, quando a Carmella veio falar comigo, ela me contou que o seu ex contou para ela que você o traiu. Na hora eu só fiquei com raiva e não pensei, mas como alguém que não gosta de voce tem tanta intimidade com o Fred? Ele traiu a sua confiança.

Aquilo fez acender uma luz de alerta em sua mente, Yuri quase nunca se encontrava com Carmella, mesmo em reuniões de família, ela raramente aparecia, não era para que seu ex e ela tivessem como conversar, pelo menos não quando estava por perto. Se lembrou que depois que Fred confessou sobre sua primeira traição, Carmella começou a olhá-lo diferente, com ar de superioridade, como se quisesse humilha-lo, chegando até a rir dele, como se soubesse de alguma coisa.

- você me traiu com a Carmella, Fred? - Yuri pergunta ao seu ex, calmamente.

- não... Sabe que não... - Fred nem olhava na cara de Yuri.

Yuri percebeu que Fred mentia, foram tantos anos de intimidade que ele sabia nos detalhes quando seu ex mentia, ao que parece, Fred desconhecia limites para as humilhações contra Yuri.

- como pode? Dormiu com a pessoa que mais me odeia, que poderia me envenenar para minha família. Por isso que ela ria de mim. - Yuri se sentia tão humilhado agora - Eu fui um palhaço para vocês dois. Quanto mais o tempo passa, mais sujeira eu encontro. Eu tenho nojo de você.

- você não é inocente, você também é sujo e você não vai ser capaz de fazer ninguém feliz.

A cada vez que Fred abria a boca, mais feridas de Yuri eram reabertas.

- eu sei dos meus erros, eu sei que sou difícil e está tudo bem. Se eu não conseguir fazê-lo feliz, será uma pena, mas eu aprendi a me reconstruir depois do estrago que você fez na minha vida e eu vou conseguir ser feliz comigo mesmo. Eu aprendi a nunca mais colocar alguém a frente do meu bem estar, da minha própria felicidade e meu amor próprio, eu nunca mais vou me entregar da mesma forma que fiz na nossa relação.

Aquela confissão doeu em Victor, pois ele sentiu que se Yuri nunca visse a ligação dos dois, seu namorado jamais o amaria na mesma intensidade. Isso não mudaria o que ele sente por Yuri, mas se entristeceu por saber que a entrega e a intensidade do moreno não eram os mesmos porque ele sofreu um relacionamento abusivo.

- Mas não posso dizer o mesmo sobre você, o que a sua alma gêmea acha de você continuar provocando seu ex? - continuou Yuri.

Fred fica em choque, então sua ficha cai, por agora saber que Yuri não enxerga a linha.

- Ah, você ainda não vê... Você nem vê e encontrou esse aí! Uma pessoa como você, a vida é muito injusta. - Fred bosteja para Yuri.

Yuri não vê, então olha para Victor para confirmar se Fred já estava ligado e seu namorado responde negativamente.

- Fred. - Yuri respira fundo - você fala como se eu não merecesse ser feliz, pra você eu já não sofri o suficiente? Eu desisti de tudo, meu trabalho, meus amigos e me mudei do outro lado do país quando eu passei no vestibular, eu agarrei essa oportunidade com todas as minhas forças, eu larguei tudo para refazer a minha vida. Eu fiz de tudo para mudar e seguir em frente, agora me diz, o que você fez da sua vida para o destino achar que você merece encontrar sua alma gêmea?

Fred abre a boca, mas o fecha, não tem palavras, Yuri aproveita e se aproxima.

- Eu te conheço, você continua com a sua vida acomodada, esperando que as coisas batam na sua porta. Pior, espera que os outros façam o trabalho pesado no relacionamento. Você não moveu um dedo por mim no nosso relacionamento, você mudou esse comportamento no seu ultimo relacionamento? Pela forma como você me provocou, ficou muito claro que nada mudou.

Yuri agora se aproxima mais do seu ex.

- Fred, se eu dissesse que desejo a sua felicidade, seria mentira, você me fez sofrer demais e estou feliz por karma existir, mas eu não quero acompanhar a sua desgraça, eu quero esquecer, quero fingir que nossa história nunca aconteceu e como da última vez que te pedi, me esquece, finge que eu morri, se me encontrar na rua, me ignora. É meu último aviso, Fred. Adeus.

Yuri se vira e vai em direção ao carro, Victor e Nico guardam as compras e entram no carro.

A viagem de volta é silenciosa, não há nenhuma música, nenhuma conversa, apenas o silêncio do carro se movendo na estrada.

***

Fisicamente, Yuri estava bem, era inexpressivo, por dentro ele estava destroçado. Suas feridas foram reabertas e para piorar Fred fez questão de jogar sal nelas.

- Yuri? - Victor sussurrou seu nome.

- sim? - respondeu o moreno sem conseguir olhar nos olhos azuis do homem que cuidava de seus ferimentos.

- quer conversar? Eu quero entender o que aconteceu.

- Victor... Eu não estou pronto para conversar agora, eu não sei se eu vou estar tão cedo. - Yuri segura a mão que Victor estava usando para acariciar seu rosto e a beija delicadamente, mas ainda não conseguia olhar para o loiro. - obrigado pelo que está fazendo por mim, me desculpa por fazer você passar por tudo isso. Pela vergonha que te fiz passar na frente de todos.

- tudo bem Yuri, Fred foi um babaca, quase ninguém conseguiria manter a calma num momento como aquele. - Victor o abraça. - eu vou esperar você estar pronto.

Yuri não consegue segurar mais sua tristeza, suas frustrações. Ele foi humilhado, seus segredos jogados na frente de estranhos e pior, na frente do seu namorado e do seu amado primo. Descobriu que seu ex o traiu, mais baixo que das outras vezes, Fred havia dormido com a pessoa que mais o odiava e contou sobre os segredos do casal para Carmella.

Não bastava as diversas traições com pessoas que nem sabia o nome ou rostos, tinha que ser com alguém dentro da família de Yuri.

A mente do moreno ruminava sobre a briga, o relacionamento, refletia sobre tudo que lhe foi dito e se perguntou se Fred não tinha razão, afinal, Victor era muito mais do que ele merecia, não sabia se conseguiria fazê-lo feliz, não se sentia suficiente e nem sabia se agora estaria bem para iniciar um relacionamento, subitamente sua vida posta em cheque, sem mais nenhuma certeza sobre o que fazer.

- vai lá se divertir com a minha família. - Yuri abre um sorriso amarelo para seu companheiro.

- eu quero estar com você.

- mas eu preciso ficar sozinho.

Victor ouviu aquilo e recebeu a notícia como um soco no estômago, sentia que Yuri estava o afastando, o que era compreensível, mas ele não queria deixar seu namorado só. Não queria que ele sofresse sozinho enquanto estava logo ali, sem poder reconforta-lo, mas sabia que se o contrariasse, eles poderiam brigar.

O loiro se retirou do quarto e no momento que fechou a porta, uma onda de tristeza tomou conta de Yuri, ele quebrou ali, se deixou afundar em seus pensamentos e na tristeza. Victor foi ao banheiro para secar as lágrimas que escorriam pela tristeza do seu amado, também pela impotência de não fazer nada para melhorar.

Depois de um tempo, o russo saiu para conversar com Nico, o único que confiava para falar sobre Yuri, conseguir encontrar alguma forma de conforta-lo.

- Nico? Podemos conversar?

- claro... Como está o Yuri?

Victor olha para sua mão, vendo o laço que os une e sabendo que seu amado está sofrendo muito.

- pessimo - responde ao primo.

- não era por menos, jamais imaginei que Fred fosse esse tipo de pessoa. Ele sempre fez o tipo nerd, inocente e quieto, quando eles terminaram, a maior parte dos parentes acreditou que a culpa fosse por causa do Yuri e seu temperamento, meu primo tem um gênio forte, sabia? Não tem medo de expor seus ideais, brigou com alguns familiares por causa da política e por causa da pandemia. Ele sempre via o lado das pessoas que mais vulneráveis. Yuri te contou sobre a época que fez odonto?

- na verdade, não tivemos muito tempo para conversar sobre isso.

- ele sempre disse que queria ser médico, que trabalharia num posto de saúde ou em um pronto socorro do SUS, porque ele queria ajudar as pessoas que mais precisavam. Odiava a ideia de estudar em uma instituição pública e para depois ele acabar numa clínica particular para atender pessoas fúteis, piorou quando passou em odonto, foi numa época que tinha desistido de medicina.

Victor concordou, ele sabia por cima que Yuri havia passado nesse curso antes de conseguir passar no curso dos sonhos.

- quando foi morar em Teresina, disse que ia se formar e trabalhar num posto de saúde, queria ajudar os mais carentes a ter uma qualidade de vida melhor. Disse que odiava a ideia de fazer odontologia por estética, não entendia porque as pessoas preferiam estragar os próprios dentes por vaidade, não entendia a necessidade de tantas intervenções no rosto para atingir uma perfeição impossível. Yuri sempre foi irredutível nessa questão, se recusava estudar um curso da saúde e no fim trabalhar para estimular esse mercado da vaidade.

Victor estava impressionado com o que acaba de ouvir, sabia que Yuri não era superficial, sabia que ele tinha consciência social e adorou que seu amado não queria estudar apenas para fazer rios de dinheiro em algo que não acreditava, percebeu que Yuri queria fazer a diferença pra pessoas que mais precisavam.

- Yuri me explicou que não é contra procedimentos estéticos em si, porque as vezes as pessoas precisam de intervenção por causa da disforia corporal, acreditando que as pessoas deveriam correr o risco cirúrgico quando elas não se identificavam com seus corpos ou reconstruir o que foi perdido.

- você quer dizer cirurgia estética para pessoas trans?

- sim, mas também para mulheres que perderam o seio por causa do câncer, ou alguma cicatriz que causa trauma diário para a pessoa. Ele acredita que a área de cirurgia plástica é linda, mas foi subvertida para ganhar dinheiro em cima de um padrão estético impossível.

- e ele está certo.

- eu sei e eu o admiro muito. Nós ficamos mais próximos conforme os anos, temos muitas ideias parecidas, mas a diferença é que Yuri tem uma dificuldade imensa para se socializar, coisa que eu não tenho. Ele é inteligente, mas não é esperto.

Victor fica confuso com o que Nico quer dizer, pensando "o que isso significa?"

- em outras palavras, Yuri tem um vasto conhecimento, sobre muitas coisas, consegue absorver informações rapidamente, não é atoa que em um único ano de cursinho, mesmo ficando longe da escola por 6 anos, ele conseguiu passar em odontologia e depois quando teve a oportunidade de fazer mais seis meses de cursinho, durante a pandemia, ele conseguiu passar em medicina. O problema é que ele não tem inteligência emocional. Ele não sabe ser sociável, não tem jogo de cintura, por isso que eu achava que informática combinava com ele.

- informática? - questionou Victor.

- sim, ele fez uma faculdade em tecnologia, até arrumou um emprego numa multinacional, só largou porque foi estudar. Bom, agora não sei mais, depois do que disse pro Fred.

- eu não sabia. - Victor estava admirado e triste por conhecer tão pouco sobre seu namorado.

- Yuri sempre foi esforçado, eu nunca o vi parado, se parou 6 meses sem estudar, foi muito. Eu sei que ele mudou de curso quando arrumou o emprego, então passou a época da faculdade trabalhando integralmente. Muitos fazem isso, mas eu não via como era complicado administrar tudo isso.

Nico da um sorriso, lembrando como Yuri era incrível.

- eu só percebi como ele era realmente, quando começamos a fazer cursinho juntos, eu achei que ele ia enlouquecer. Ele dormia muito pouco, ele trabalhava no turno da noite e a aula era às 19h às 23h, o trabalho era da meia noite às 8h da manhã. Chegava em casa às 9h, ia resolver algumas coisas antes de poder dormir, acordava as 16h para pegar a Van. Nos finais de semana, ele não dormia quase nada, ficava mais de 24h acordado para agradar o Fred, que vez ou outra eu via reclamando dessa vida que Yuri levava, apenas porque queria passar em medicina, uma vez eu ouvi uma briga dos dois e Fred falou que tudo isso era por ganância, eles poderiam viver tranquilamente com o trabalho dos dois.

- sério? Ele tinha que administrar o trabalho, o estudo e um relacionamento, pra piorar o cara nem apoiava os sonhos do Yuri?

- sim. Eu via, bom, todo mundo via que o Fred era um homem trabalhador, mas Yuri vivia reclamando que seu ex não tinha ambição, então o questionamentos, o que meu primo queria da vida e ele foi bem claro, ele queria uma vida estável, sem precisar se preocupar se teriam dinheiro para pagar as contas, sempre ter dinheiro para poder sair e se divertir quando quisessem, tipo, ele ama cinema, tinha mes que ele ia todos os finais de semana, ele queria dinheiro para ter esses pequenos luxos. Queria ter um trabalho bom para comprar uma casa própria, num bairro bom, seu sonho na verdade era uma casa em um condomínio fechado.

- Yuri parece uma pessoa muito preocupada com estabilidade financeira. - Victor acaba se lembrando da conversa que teve com seu sogro e com o próprio Yuri.

- Yuri sofreu na infância e na adolescência, ele não tinha liberdade para brincar com os amigos da escola particular, eles sempre chamavam para os aniversários, mas sua mãe nunca deixava, porque eles eram pobres e não tinham dinheiro para comprar presente. Não tinham carro e não tinha como buscá-lo a noite. Teve uma época que o pai dele não enviava dinheiro e minha tia tinha pediu para trabalhar com a minha mãe, porque não tinha mais nada para eles comerem, a não ser arroz e salsicha.

Victor engoliu em seco, jamais imaginaria que Yuri tinha passado por privações na vida, claro que notou a timidez do rapaz quando ele ficava rodeado por muita gente, notou a dificuldade que ele tinha em conversar, mas não imaginou que fosse por ele não poder conviver direito com outras crianças, ele não teve desenvolvimento social, o que piorava o caso por ele ser naturalmente tímido.

Outro ponto que o deixou abalado foi o fato de terem passado aperto financeiro, nunca imaginou que eles tinham passado por isso, na primeira noite que saíram, Yuri apareceu de carro, não era um carro muito velho, era um carro popular e completo. Mas em partes explica a mala toda remendada com fita adesiva que Yuri carregava na primeira vez que se conheceram.

Victor deixou passar muitos detalhes, se sentiu mal por sua ignorância sobre a pessoa que estava namorando, ele soube por terceiros sobre a vida do amado. Não sabia nem que ele havia trabalhado e estudado, o quanto era esforçado e como ele se sacrificava por alguém que só o criticava. Aquilo o fez odiar mais o ex do seu namorado.

- olha Victor, eu sou um dos mais próximos do Yuri, mas você pode tentar conversar com o melhor amigo dele. Eu não sei de muitos detalhes sobre o que aconteceu, mas sei que Pichit sabe de tudo. Foi a única pessoa na qual Yuri sempre foi honesto. Ele é bem acessível nas redes sociais, se quiser, dá um toque pra ele.

- obrigado, Nico. Vou procurar esse amigo dele. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...