1. Spirit Fanfics >
  2. Akumas >
  3. Um novo passo

História Akumas - Capítulo 21


Escrita por:


Notas do Autor


Oee meus parças, mais um capítulo, espero que gostem.
Boa leitura. (‘∀’●)♡

Capítulo 21 - Um novo passo


Fanfic / Fanfiction Akumas - Capítulo 21 - Um novo passo

Assim que passou o resto das duas semanas, eu recebi uma ligação. Quando atendi, vi que era o mestre — Harumi, hoje termina suas duas semanas, você está satisfeita com seu resultado? - ele perguntou através de uma imagem 3D.

— Bem... eu acho que não sirvo pra vilania - eu falei de cabeça baixa.

— Não se preocupe com isso, é normal se enganar - ele falou com um sorriso.

— Volte para cá, e então iremos finalizar - ele continuou, e depois desligou a chamada.

Eu então fui a procura de meu ajudante Zack. Eu saí do quarto e fui até seu balcão de atendimento. Assim que eu cheguei lá,ele logo falou com um sorriso — Boa tarde Harumi, alguma novidade para ter vindo aqui? -

— Eu queria saber se gostaria de vir comigo para meu mundo, meus dias por aqui acabaram e meu mestre me chamou para voltar - eu falei séria o encarando.

Ele me olhou espantado e pensou por alguns segundos.

— Se não quiser ir eu entendo, mas não terá mais contato comigo - eu falei me virando para ir de volta ao meu quarto. Porém eu senti uma mão em meu ombro, e logo em seguida a voz de Zack — Por favor me leve - ele falou me virando e me abraçando.

— OK... me larga agora - falei colocando minhas mãos nos braços dele. Assim que ele me largou, eu falei — Eu estou indo agora, quer fazer algo antes? -

Ele pensou, e então falou — Eu acho melhor pedir demissão, certo? -

— Eu vou pro quarto, lhe esperarei lá - eu disse indo pro cômodo.

Enquanto eu caminhava pelos corredores, eu comecei a ouvir uma voz — HAAARUMIIII - quando eu olhei pra trás, fui surpreendida por um abraço.

— É tão bom te ver de novuu - a voz feminina falou, e quando ela revelou seu rosto, era a mesma garota que eu havia dado meu número de celular.

— O-oi, como me encontrou? - eu perguntei curiosa.

— Booom... eu meio que talvez tenha rastreado você - ela falou abaixando a cabeça com um sorriso culpado.

— Olha-

— ME DESCULPAA EU NÃO RESISTI - ela disse me interrompendo. Eu a olhei com um sorriso e falei calma — Eu não estou brava com você, só foi um pouco inesperado - assim que eu falei, ela me olhou com os olhos brilhando.

— MUITU OBRIGADAAA - então ela me abraçou novamente.

— Bem, se não se importa, eu estou meio ocupada - eu falei me virando pra ir pro meu quarto, porém, ela pegou minha mão e me puxou pra perto.

— Eu espero poder te encontrar em um dia melhor - ela falou com um sorriso doce, me deu um celinho e foi embora. Eu simplesmente me virei e fui até meu quarto pra terminar de ajeitar minhas coisas.

Assim que eu cheguei, organizei todas as minhas coisas. Eu organizei os frascos e elementos de poções, as roupas eu dobrei e coloquei encima da maleta das poções. Arrumei o quarto, e esperei Zack vir enquanto estava sentada na cama.

Uns minutos depois ele chegou — Pronto Harumi, eu me demiti e trouxe umas coisas comigo - ele falou empolgado. Assim que eu percebi, ele tava com uma mochila, e sua roupa havia mudado. Ele tava com uma calça jeans e uma camisa lisa.

— Certo, mas o que trás nessa mochila? - eu perguntei um pouco desconfiada. Então ele me olhou surpreso e falou abrindo a mochila — São só umas roupas, meu celular e alguns apetrechos dele -

— OK então - eu falei me virando pra frente pra abrir o portal. Assim que ele já estava pronto, meu ajudante falou encantado — Uooou, não sabia que era possível ter poderes para abrir portais, eu pensava que era só no mundo dos quadrinhos -

— Na verdade, esse poder é meio impossível de se ter - eu falei entrando no portal.

— Hã? Mas como que você tem então? - ele perguntou ficando ao meu lado enquanto eu fechava o portal.

— Vamos se dizer que é uma habilidade ganhada por um aparelho - eu expliquei mostrando meu celular.

— Um celular? Quer dizer que o celular que te dá esse poder? - ele perguntou olhando em volta, e logo em seguida fez outra pergunta — Aonde estamos? -

— No meu quarto - eu falei colocando as minhas coisas encima de minha cama.

— Agora vamos, eu tenho de ver algumas coisas - falei abrindo a porta de meu quarto .

Enquanto nós caminhávamos pelos corredores, Zack perguntou — Por que estão me olhando? -

— Por que você nunca foi visto aqui, e eles sentem que você é humano - assim que eu falei percebi o medo dele .

Após mais alguns passos ,uma criatura meio cobra ficou na nossa frente, e falou olhando direto para meu ajudante — Você não sabe que é proibido por lei trazer comida pelos corredoresss? - ela perguntou num tom ameaçador.

— Isso somente o mestre vai decidir - falei não dando bola pra ela enquanto seguia meu caminho puxando Zack pelo pulso.

Mas aquela cobra veio e me amarrou entre seu corpo esguio de cobra — Você acha que irei deixar passar com carne fresssca? Você me deixou com fome novata - assim que ela falou, eu fiz minha feição de reprovação, e na hora fiz minha foice aparecer. Mas como estava coberta pelo seu próprio corpo, ela não viu. Então eu a encarei e falei séria — Você me decepciona - e ergui minha foice cortando sua parte híbrida em vários pedaços, enquanto estava me sujando do sangue azul dela.

Eu então fui até o humano, e peguei seu pulso falando — Vamos logo antes que mais alguém tente nos atacar - e continuamos a andar.

Assim que chegamos na porta da biblioteca, os guardas abriram para nós passarmos.

— Mestre! - eu gritei enquanto caminhava pelas pilhas de livros.

— Harumi, e... humano? - a voz dele ecoou de atrás .Eu me virei e me curvei.

— Que bom que está bem... o que é isso azul no seu corpo ?- o senhor perguntou apontando pro sangue azul.

— Só lhe digo uma palavra : cobra - após eu falar ele percebeu e mexeu os dedos um pouco, oque fez todo o sangue sumir e eu ficar limpa novamente.

— Aquela híbrida nunca gostou dos humanos, sempre teve problemas com eles, mesmo quando era parte deles - ele falou em tom de brincadeira.

— Mas enfim, decidiu o seu caminho Harumi? - ele perguntou fazendo aparecer um altar com um papel dourado.

— Eu me arrependo de ter escolhido a vilania, não fasso parte dela - eu falei olhando pra baixo, até que eu senti uma mão em meu ombro.

— Não tem problema, eu lhe dei essas duas semanas para que veja se realmente lhe agrada -

— Eu escolho o caminho Apikan - eu falei séria e olhando para o papel.

— Pra falar a verdade, esse caminho combina mais com você - o mestre disse fazendo aparecer alguns símbolos.

— Para que tudo se concretize bem, escolha o seu símbolo de pacto, o símbolo que talvez eternizara sua existência tanto aqui, quanto em outros mundos - assim que ele falou, eu olhei os símbolos que apareceram ,eu não sabia qual escolher, até que um da cor roxa me chamou a atenção, então eu o toquei, e logo em seguida senti algo na minha mão direita. Quando eu olhei, lá estava ele ,tinha as iniciais de meu nome, e mais alguns riscos na cor roxa.

— Agora entendi o porque da luva que o Hayato me comprou - falei colocando ela.

— Agora esta tudo feito, se quiser podemos falar sobre o tal humano que você trouxe pra cá - o mestre falou olhando para Zack, que estava um pouco assustado.

— Primeiro, eu acho que seria melhor eu ter uma casa separada para mim - eu falei cruzando os braços.

— Uma casa?E aonde planeja morar? - ele perguntou curiosos.

— No mundo humano - eu falei sem hesitar, o que fez o mestre arregalar os olhos de surpresa.

— Bom, algum motivo em especial para ir a este mundo? -

— É bem mais calmo e bem mais curioso - eu falei olhando pra Zack que ficou bem mais desconfortável com a situação. Então o senhor estalou os dedos direitos e fez aparecer três cadeiras, e logo veio a empregada que eu salvei no reino dos anjos.

— Boa tarde senhorita Harumi, boa tarde Mestre, o que desejam? - ela perguntou alegre como sempre.

— Gostariam de um chá preto? - ele perguntou sorrindo.

— Por mim tudo bem - eu respondi.

— E você jovem rapaz - ele perguntou ao humano.

— P-pode ser - Zack respondeu um pouco tímido, e então a empregada foi a cozinha preparar o tal chá.

— Continuando, por mim tudo bem você ir morar no mundo humano, porém, tem umas certas exigências que não poderá ignorar - o mestre falou.

— E quais seriam? - eu perguntei .

— Como você a recém se formou, terá de estudar sobre tudo no nosso mundo -

— Está falando em me por em uma escola? - eu perguntei tentando ver o sentido nisso.

— Sim, como qualquer criatura, mas como você não cresceu aqui, poderá simplesmente ir para o primeiro ano do ensino médio, e caso tenha dúvidas, o nosso esquema é igual em qualquer universo, porém a diferença são as matérias - ele explicou, e logo parou de falar assim que o chá pedido chegou.

— A sua xícara mestre - a empregada disse entregando uma xícara, e logo em seguida para mim e Zack.

O senhor tomou um pouco do chá e falou — Continuando, o período é nada mais que das nove da manhã até as nove da noite, ou seja, doze horas, e de noite vocês estarão livres para missões -

— Certo, acho justo - eu falei concordando com ele.

— Será de segunda a sexta, os horários normal de qualquer escola, você poderá começar semana que vem, os materiais serão por conta da escola, lá você terá seus próprios cadernos e estojos, não precisará de bolsa ou carregar os matérias pra lá e pra cá -

— Certo, e uniforme? Será necessário? - eu perguntei torcendo pra que não.

— Sim, a escola lhe arrumará um - ele falou sorrindo enquanto tomava mais um pouco de seu chá.Mas que merda ,aff.

— Certo - falei decepcionada.

O mestre deu uma risada pequena e falou calmo — Bom, até a sua casa estar pronta, você poderá deixar esse seu escravo humano em seu quarto - assim que ele falou, Zack me olhou assustado.

— Amanhã você poderá me dar informações e detalhes sobre sua casa, a maioria doa trabalhadores estão ocupados em missões construtivas, agora está dispensada a não ser que tem outro assunto que gostaria de conversar -

— Não tenho mais nada para falar, muito obrigada pelo chá - eu falei indo para os corredores.

Depois de uns passos, ouvi Zack perguntar — E-eu tenho que me preocupar com os outros monstros? - ele parecia preocupado.

— Não se preocupe, eu vou por uma maldição da tranca - falei olhando pra ele enquanto dava um sorriso acolhedor.

— O que essa maldição faz? - ele perguntou ainda um pouco preocupado.

— Simplesmente ninguém poderá entrar em meu quarto, somente você - falei olhando pra frente. Ele ficou em silêncio, então continuamos a caminhar. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...