História Alcohol and cigarettes - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Visualizações 6
Palavras 2.455
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Lemon, LGBT, Policial, Romance e Novela, Seinen, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Não deu pra escrever ontem, mas eu pretendo escrever um capítulo por dia! Estou meio ocupada, mas vamos ver o que dá!

Capítulo 3 - Infiltrados


Tokyo streets, 22h10

A noite estava estranha tranquila, Magno até achou alguns restaurantes abertos mas infelizmente estavam todos bem lotados. Andaram por mais alguns bairros até encontrar algo mais tranquilo, e Brian já se via meio sem paciência a essa altura. Ele morava longe e precisava dormir para o dia seguinte ir trabalhar, se perguntava se Magno se deu conta disso. Havia uma rua que tinha bastante restaurantes e lojas de conveniência, mas novamente, todos bastante lotados, isso era muito estranho.

Magno: Sério? O quê deu nas pessoas de logo hoje não ficarem em casa? Hoje ainda é segunda-feira!

Brian: Talvez amanhã tenha algum feriado e não sabemos, o que seria muito bom se fosse verdade, pois ai eu teria tempo de dormir mesmo depois de tanta demora. Por que não vamos logo em um fast-food? McDonalds? Essas coisas viciantes dos jovens. 

Magno: Finalmente me deu uma opinião, hein. Eu sei que tem que ir embora em breve, então te farei esse favor de ir em algum lugar mais "instantâneo"

 

Magno fez uma curva bastante brusca e foi direto para o fast-food. Chegando lá era como se Brian tivesse o carda´pio todo decorado em sua mente, fez seu pedido sem olhar para as plaquinhas enquanto Magno se viu indeciso, aquilo não era bem do tipo de comida que costumava comer. Ao terminarem o pedido, Magno estacionou seu carro numa rua ali perto, estava até que bem iluminada, conseguiram comer sem ter que ligar a luz do carro. Magno comeu em poucas mordidas e ficou observando Brian, seu rosto estava um tanto quanto abatido, parecia que iria desmaiar a qualquer momento.

Magno: Ei, você 'tá bem?

Brian: Ahn? Não, eu... EU ESTOU SIM! Eu to bem, desculpe. É que não costumo ficar tanto tempo acordado após o trabalho.

Magno: Não aguenta ficar até as 23h da noite acordado? 

Brian: E quem aguenta? Eu tenho insonia, Acordo várias vezes pela noite e acordo muito cedo maioria das vezes, sem que eu queira.

Magno: Quem diria, você se quer tem olheiras, ta com o rosto bom demais pra quem não dorme nada.

 

Brian apenas o olhou rapidamente e terminou seu lanche, sentia seu corpo mole, parecia que estava virando um balão murcho. Magno pegou as embalagens e foi jogar em um lixo ali perto, ao sair do carro para fazer isso, recebeu uma ligação estranha, não tinha número. Atendeu e ninguém respondeu. Começou a olhar em volta, não podia estar sendo seguido, ou pelo menos não agora. Voltou para o carro andando rápido e se sentou rápidamente, pronto para dirigir.

Magno: Ei, Pimenta, me diz seu endereço, vou te levar até sua casa.

 

Mas sem respostas, ele olha para o lado e vê que Brian acabou dormindo, inacreditável. Começou a cutucar seu braço, mas sem sucesso, muito pelo contrário de sucesso, alias: Brian se ajeitou com a cabeça virada para Magno e começou a roncar, parecia até mesmo que era de propósito, algum tipo de vingança por ter sido basicamente arrastado para fora do trabalho, sendo forçado a ir comer em algum lugar com Magno. Vendo isso, Magno o segurou e o virou para o lado da porta, deixando sua cabeça encostada um pouco no vidro. Viu o celular de Brian na ponta do bolso da blusa dele, e pensou que poderia ver a localização por ali, pegou o celular e descobriu: tem senha, óbvio. Mas era uma senha diferente, era para desenhar alguma coisa na tela, Magno tentou desenhar algumas coisas que poderiam ser, de acordo com sua visão sobre Brian: desenhou rosquinhas, hambúrgueres de fast-food e até mesmo um milkshake. Errou todas e acabou então caindo para a senha de números, bem melhor. Pegou o crachá de Brian que estava pendurado em sua mochila e viu sua idade: 28. " Ele aparenta jovem demais pra essa idade", pensou. Colocou a senha "1990" e entrou! Fácil demais. Abriu seu maps e conseguiu na hora pegar a localização da casa dele, era de fato um pouco longe dali, então botou no GPS e se apressou para começar a dirigir.

A viagem foi bem tranquila, ele morava mais longe do que pensava mas nada exagerado; A única coisa que não foi muito tranquila foi que tinha uma pedra aleatória em uma das ruas, bem grande, que fez o carro de Magno basicamente pular com tudo, nisso, Brian bateu sua cara/testa no vidro do carro, que fez Magno parar e virou-o para olha-lo

Magno: Brian! Você está bem?

 

Brian se quer acordou, agora sua testa tinha uma grande mancha vermelha que fazia um degradê com suas sardas no nariz. Aquilo era quase incrível, e ainda dissera que não conseguia dormir com facilidade. Magno então apenas seguiu o caminho, e enfim chegou. Mas agora a questão era como diabos ele iria acordar o Brian.

Magno chacoalhava Brian, chamando seu nome e até mesmo o apelido sem graça (Pimenta) que havia dado ao funcionário outrora. Até que pegou a garrafinha de água de Brian e jogou um pouco de água na cara dele, estava bem gelada. Isso fez Brian acordar subitamente, olhou para Magno, muito próximo de si, o olhando novamente com aquela cara de julgamento, na hora se afastou e olhou onde estava, estava de frente com seu apartamento.

Brian: Cara... Você é louco? Eu poderia morrer afogado!

Magno: Sério mesmo? Eu joguei água na sua cara, não te joguei num rio. 

Brian: Que seja... Como diabos você sabia meu endereço? Eu não...

 

Brian olhou seu celular, estava no suporte de celular do carro de Magno, não era difícil de saber que era o seu, tinha um pequeno chaveiro de um gato munchkin, um gato anão, amarelo. Pegou imediatamente o seu celular e olhou Magno com raiva, novamente com seu rosto e orelhas vermelhas.

Brian: E eu por acaso te dei permissão?

Magno: E dai? Se eu fosse depender de você acordado teria que te levar pra dormir na minha casa.

Brian: Que seja. Tchau, até amanhã.

Magno: Até hoje na verdade, já é passou da meia noite, Pimenta.

Brian: Qual o seu problema? Ah, meu Deus, cade meu crachá? Pegou isso também?

Magno: É, peguei. 

 

Magno devolveu o crachá a Brian e esperou até que ele fosse para seu apartamento, estava andando todo molenga. Assim que não deu mais para vê-lo começou a dirigir para sua casa, era uma direção bem oposta, talvez demorasse mais de meia hora para chegar, mas não tinha outra escolha, não dormiria em seu carro. 

Brian fechou a porta de seu apartamento com raiva, jogou sua mochila perto da sua cama e tirou sua roupa no caminho até o banheiro, ainda cheirava a café. Durante o banho pensou em toda a situação, seu chefe certamente tinha parafusos a menos, parecia uma criança imatura. Quando terminou seu banho, foi até a cozinha e tomou um pouco de vodka, aquilo o ajudaria a dormir, e ajudaria também a não ficar com raiva para o dia seguinte. Brian era quase um alcoólatra, bebia mais destilados do que bebia algo saudável, como um suco ou chá, o alcool perdia apenas para o café, que era constante em seu trabalho. 

Magno chegou em sua casa e apenas se deitou no sofá, pegou um cigarro, abriu a janela que ficava acima dele na parede e fumou antes de dormir, pensando naquele dia, ele se divertiu, mas acha que pegou pesado em forçar alguém a diverti-lo. Não poderia culpar Brian se ele chegasse atrasado na empresa, se era verdade a história da insonia, não conseguiria dormir aquela noite. Se questionou se deveria pedir desculpas, chegou a conclusão de que tanto faz, não se importava tanto assim, sabia que iria vê-lo novamente e o máximo que faria era zoar com sua cara, ainda mais por saber que ele tem um sono tão pesado, que mesmo batendo a cabeça no vidro do carro, não acordou. Será que ficou marca?  Riu pensando nisso, e enfim se pôs a dormir.

Magno's company, 10h45.

Magno acordou um pouco atrasado, mas não era como se a presença dele na empresa valesse tanto durante o fim do mês, se arrumou e foi até uma cafeteria, tomou um café da manhã e foi até a empresa, foi tudo bem rápido, chegando lá, a primeira coisa que viu foi Makoto rindo quase que descaradamente enquanto Brian se mantia vermelho. Fingiu ir pegar café apenas para escutar a conversa:

Makoto: HAHAHAHAHAHAHHAHAHA cara, você caiu nessa, não acredito, você levou o café! E ainda por cima foi usado de escravo, hoje eu não tenho trabalho nenhum! Te vejo essa, amigão. Mas diz ai... Como foi a lua de mel com o Sr. Duncan? Deram muitos beijinhos? 

Brian: Como você conseguiu sair da quinta série? Abaixe o tom de voz, se alguém ouvir isso eu juro que te mato!

Makoto: Vem me matar, vai fazer como? Vai me entregar café e fazer meus serviços? HAHAAHAHHA ai eu morro de tédio mesmo!

 

Magno entrou na sala deles na mesma hora, Makoto foi parando de rir e enfim voltou para sua mesa, fingindo começar a trabalhar em alguma coisa. Brian o olhou, tentou se controlar na raiva e voltou a ficar com sua cor pálida na hora, mostrando um pequeno vermelhidão que ficou em sua testa. Disse um "bom dia" a Magno e ele se quer respondeu, apenas saiu da sala lançando um olhar desconfiado a Makoto.

Makoto: Não acredito que pediu pro seu novo namoradinho vir te proteger das minhas piadas. 

Brian: Vá a merda antes que eu me esqueça.

 

Magno entrou em seu escritório e mandou várias tabelas para o computador de Makoto, um pouco a mais do que enviou a Brian no dia passado, Makoto ao receber a notificação olhou para Brian meio duvidoso

Makoto: Sério? Eu já estava planejando pra hoje zerar alguns jogos! Ah, Magno é mesmo um escroto. O quanto ele te enviou?

Brian: O que? Estou apenas revendo o que fiz ontem, não chegou nada pra mim.

 

Makoto ficou o olhando com um olhar incrédulo e questionador, mas começou a fazer seu trabalho, antes que Magno desse uma de enviar mais trabalho ainda. Brian ainda estava cansado, beber não o ajudou a dormir, duvidava que se alguém conversasse com ele mais perto sentiriam o cheiro do alcool. Parecia que estava dando efeito logo agora, debruçou-se na mesa e fechou os olhos, tentando cochilar, Makoto digitava tão rápido com a raiva de não poder passar o dia jogando que Brian acordava as vezes pelos "tec-tec". Seu computador apitou certa hora, não sabia quanto tempo passou, olhou para seu computador e era 15h33 da tarde, ele não deu uma cochilada, ele dormiu mesmo! Se ajeitou rapidamente pelo susto e foi ver a notificação, Magno enviou um relatório de valores para ele, do pagamento dos atores que transmitiam uma série/novela que passava de tarde, junto com um histórico dos atores que participavam. 

Brian estava quase terminando até que notou algo estranho, havia uma pessoa que se quer tinha foto, já eram cinco horas da tarde e viu que havia uma atriz que estava recebendo um valor não condizente com seu papel, era apenas uma figurante e estava com um pagamento maior do que os principais, Brian não entendia muito de novela mas sabia que aquilo certamente não condizia com a carga horária de todo modo, imprimiu algumas páginas e pegou as informações da atriz, seu nome era Katheryn Yuno e a foto de apresentação estava em uma qualidade deplorável. Pegou as cópias e perguntou a Makoto com quem que se falava sobre os funcionários, e Makoto informou que seria na sala ao lado, o RH. Brian foi até a sala e conversou com uma mulher, que parecia muito estressada, que ao ver a papelada disse: " Faz um favor, arruma um horário com o Sr. Duncan, ele disse que esse tipo de coisa não pode mais ser resolvido por nós, após, você sabe... Todos aqueles problemas.", dizendo isso fechou a porta na cara de Brian, ele nunca pensou que subir de cargo e ter que interagir com pessoas lhe renderia tantas portas fechadas. Foi pegar um café e ia começar a subir as escadas, pensou em pegar um café para Magno, mas por que? Magno não merecia uma gota de água, por ter atrapalhado sua noite de sono e lhe render uma bela mancha vermelha dolorida.

Chegou e bateu na porta, Magno pediu para que entrasse, Brian entrou e arrumou os papéis na sua mão, depois que pegou o café elas desalinharam e ele era muito perfeccionista.

Brian: Sr. Duncan, encontrei registros estranhos de uma suposta atriz figurante que recebe muito a mais pela carga horária que cumpre. 

Magno: Me dê isso. Ah, eu não acredito que os problemas com esses intrusos não acabem, como diabos eles estão fazendo isso?

Brian: Não sei, senhor. Deveria tomar mais cuidado, não? Não seja tão desligado.

Magno: Do que adianta me chamar de "Sr. Duncan" se vai me dar sermão logo em diante?

 

Brian ergueu os ombros com sinal de "tanto faz", o que fez Magno rir, começava a se perguntar se Brian já teve um chefe ou superior. Enquanto na cabeça de Brian só pensava em como era lesado quem era o dono de uma empresa tão grande e deixava que facilmente qualquer criminoso se infiltrasse, esperava não estar na empresa no dia em que plantassem uma bomba ali. 

Brian: Olha, Sr. Duncan...

Magno: Você já me chamou muito pelo primeiro nome, 'tá tudo bem, não gosto tanto de formalidades. 

Brian: Certo, Magno. Eu acho que deveria você mesmo contratar as pessoas, não sei por que tem gente contra você, ainda mais com a audição tão baixa. 

Magno: Você é tão sensível, Pimenta.

Brian: O que eu estou dizendo é que talvez eles estejam entrando aqui por conta dos seus próprios funcionários. Por que você mesmo não faz a entrevista de emprego? Fique com eles e analise você mesmo, deve conhecer quem tem cara de criminoso.

Magno: Ah, ta bom então. Quer dizer que é muito fácil, não? O que é um criminoso pra você? Um cara que usa capuz no meio da noite, tem barba por fazer, roupas largas e anda de cabeça baixa? 

Brian: E você confiaria em alguém com essas características? Tô falando sério! 

Magno: hehehe você é mesmo bem imaturo. Eu quem contratei pelas fichas a 3 meses atrás. Não tenho tanto tempo livre quanto pensa, sabe quantos funcionários tem aqui? Talvez não saiba já que sua área é a mais vazia. Devo despachar você também?

Brian: Pare de agir como criança, eu só to tentando ajudar. 

Magno: "que seja" (imitando Brian) 

 

Brian se levantou, pegou seu café que já ficara gelado e saiu pela porta. Magno ficou observando os documentos, totalmente estressado, mal podia se manter focado o suficiente. 


Notas Finais


Tô tentando escrever textos maiores, espero que esse esteja o suficiente <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...