História Além das Estrelas - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Jikook, Kookmin, Namjin, Romance, V-hope
Visualizações 23
Palavras 2.574
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Sci-Fi, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Sim, eu sei. Demorei uma eternidade pra atualizar. Bem, eu demorei eras pra escrever e percebi que havia ficado muito grande. Então, preferi dividir o capítulo pra não ficar tão cansativo.
Claro que, com isso, o capítulo não ficou a coisa mais interessante do mundo, maaasss ele é importante pra história.
Prometo não demorar tanto pra atualizar o próximo capítulo e que, espero eu, fique mais divertido que este.
Enfim, boa leitura !

Capítulo 7 - Hyung, eu vou ficar rico por nós


- Hyung! Hyung! Hyung! - Jungkook corria como um louco pelo apartamento. 

- O que foi? Pra que tanta euforia? - O Park perguntou enquanto fazia um trabalho da faculdade, sem dar muito atenção ao garoto. 

- Está funcionando! - Jungkook parou ao lado do loiro com um sorriso enorme enquanto balançava algo em sua mão. 

- Do que está falando, garoto? 

- Meu relógio, olha. - Jimin olhou o aparelho, sem muito interesse. - Finalmente recarregou e agora posso arrumar o meu D.I.T mais rápido. - O coração de Jimin apertou. Se aquilo fosse consertado mais rápido, isso significaria que Jungkook iria embora mais rápido. Mas isso era algo bom, certo? O Park tentava se convencer de que sim mas seus sentimentos diziam que não. 

Com o tempo, Jimin acabou se apegando ao livennorbriano - mesmo que não admitisse de jeito nenhum - e, sem perceber, sua vida agora girava em torno do mais novo. Se preocupava com a sua saúde, se estava se alimentando bem, se ia bem na escola, se ia se dar bem em seu emprego, se as pessoas o tratariam bem, se estava feliz, triste, preocupado, irritado, ou qualquer coisa que estivesse relacionada a ele. 

Jungkook, por outro lado, estava eufórico com a ideia de voltar para casa, mas uma parte de si ficava triste por ter que partir. Ele sabia o quanto gostava da Terra e dos humanos, em especial seus hyungs - e ainda mais especial Park Jimin. Seu hyung havia lhe ensinado tanta coisa em tão pouco tempo, que o mais novo nem sabia como agradecer. Se preocupava em como o Park ficaria depois que ele partisse, se ficaria triste, se ele se cuidaria, se voltaria a comer apenas Cup Noodles, ao invés de uma alimentação saudável, se iria bem no trabalho ou na faculdade. Porém, um lado pequeno do garoto dizia que a ausência do garoto não faria diferença alguma na vida do mais velho. Talvez fosse até melhor, já que os gastos e preocupações seriam menores. Entretanto, o livennorbriano ignorava quase completamente esse lado. 

- Que bom, Jungkook. Já que você tem isso, significa que não vai mais precisar de um celular, já que esse troço parece fazer tudo. - O Park disse, voltando a atenção para o seu trabalho.

- Não tudo. As buscas dele são um pouco mais limitadas do que de um celular. E ele não efetua ligações. - Sorriu. - Isso significa que eu ainda preciso de um celular. - O Park o olhou com desdém. 

- Trabalhe e compre um. 

- Pode deixar, hyung. Amanhã eu vou vender muito frango. 

- Ótimo. Agora, se você me dá licença, eu tenho que terminar isso até amanhã. 

- Tudo bem. - Jungkook disse, se afastando do mais velho, sem se deixar contagiar pelo mal humor do mesmo. 

O moreno não via a hora de testar o aparelho e foi exatamente o que fez quando chegou em seu quarto. 

- Olá, D.I.P.E.R. - O livennorbriano disse ao aparelho. 

- Olá, 001632452. O que deseja?  

- Pode entrar em contato com alguém de Livennorb Inmartyx IV? 

- Livennorb Inmartyx IV não se encontra na área de rastreamento. Gostaria de um relatório sobre sua localização atual? 

- Por favor. 

- Iniciando scanneamento. - O dispositivo scanneou o lugar. - Sua localização é : Planeta Terra. A área não apresenta riscos e há a presença de um humano, aparentemente inofensivo. Gostaria de um relatório sobre o humano? 

- Faça. - Jungkook deu um sorriso, imaginando que tipo de informação seria apresentada do Park. 

- Park Jimin. 22 anos terrestres. Possui pelagem tingida artificialmente, apresenta toxinas inofensivas, comportamento de natureza levemente agressiva, mas não perigosa. Não apresenta nenhum risco. - Jungkook deu uma risadinha com a descrição de seu hyung. 

- Obrigado.

- Não há de quê. Gostaria de algo mais? 

- Hum... Ah, pra que serve um celular? 

- Celular é um aparelho desenvolvido pela espécie humana e utilizado para contactar outros humanos e realizar buscas. Também pode ser usado para entretenimento, de formas diversas. 

- E quanto custa um? 

- O valor de um celular varia de acordo com a marca, o modelo e suas funções. 

- Onde se vende um celular? 

- Em lojas de eletrodomésticos ou especializadas em aparelhos tecnológicos. 

- Pode encontrar uma dessas por aqui?

- Iniciando buscas. - O aparelho detectou e mostrou ao livennorbriano diversas lojas na região. 

- Uau! Eu não sabia que tinha tantas assim. Depois que eu começar a trabalhar e ganhar muito dinheiro, vou passar em uma dessas lojas e comprar um celular pra mim e um pro hyung. 

- Se refere ao humano Park Jimin? 

- Sim, ele é meu hyung. Isso quer dizer que ele é mais velho que eu, mas não tão velho assim, e que eu o respeito. 

- Informação sendo processada. A palavra hyung foi adicionada ao vocabulário. 

- O hyung é muito legal. Ele está me deixando morar na casa dele e cuida de mim. Ele faz tudo por mim, me leva e busca na escola, ajuda com alguns deveres, compra comida, mesmo que eu mesmo tenha que cozinhar porque o hyung é um desastre na cozinha, - diz rindo. - ele me compra roupas e até me arrumou um emprego. - O hyung me faz muito feliz e eu sou muito grato a ele. Por isso, eu quero ganhar muito dinheiro e comprar um celular melhor pra ele. O hyung vive reclamando que o dele não presta, embora eu o veja funcionando muito bem, e acho que ele merece. Eu quero fazer ele feliz da mesma forma que me faz feliz. 

- O sentimento de afeição foi detectado. 

- Afeição? Eu não sei se afeição é o suficiente para descrever o que eu sinto pelo hyung. Eu não vou dizer que é amor porque o hyung disse que ainda é muito cedo para esse sentimento surgir, mas eu sei que ele me faz muito bem, muito bem mesmo. 

- Iniciando buscas para amor. - Um segundo depois. - Nenhum resultado encontrado. 

- É que não existe amor em Livennorb. O Jimin hyung me disse que amor pode ser de várias formas, mas normalmente é quando se gosta muito de alguém, deseja-se sempre o bem dela, é cuidar, proteger a pessoa e fazer ela feliz. Eu acho que mesmo sendo algo abstrato, é um sentimento muito forte e talvez por isso o hyung não me ame. Mas de qualquer forma, eu continuo gostando muito dele então está tudo bem. 

- Amor foi adicionado ao vocabulário. 

- Kookie-ah, o jantar está pronto. - Jungkook ouviu batidas na porta. 

- Já vou. - O mais novo gritou em resposta. - Obrigado por hoje, D.I.P.E.R. 

- Não há de quê. - O garoto desligou o relógio, feliz da vida, e foi jantar. 

Enquanto jantavam, o Jeon notou que o Park parecia pensativo e distante, mas preferiu não comentar - como sempre. 

No dia seguinte, Jungkook acordou eufórico. Seria seu primeiro dia de trabalho e ele estava muito ansioso. 

- Por que está tão agitado hoje, Kookie-ah? - Jimin perguntou enquanto eles tomavam café da manhã. 

- Hoje vai ser meu primeiro dia de trabalho, hyung. Eu não vejo a hora de começar a trabalhar. - Jimin achou graça da ansiedade do menino. 

- No começo é assim, depois você acostuma. 

Daqui a algum tempo já não vai suportar mais, completou mentalmente. 

- Vamos logo, hyung. Vamos nos atrasar. 

- Eu já vou, Jungkook. Pode ir pegando seu material. 

- Eu já peguei. 

Se ele fosse rápido assim todos os dias. 

- Tudo bem, me dê um minuto. 

Durante o caminho para a escola, Jungkook só faltava saltitar. 

- Não se esqueça que eu vou passar aqui para te buscar e te levar para o trabalho. 

- Não se preocupe, hyung. Eu sempre espero por você. 

- Ótimo. Boa aula. 

- Pra você também. Boa sorte no emprego novo. - Jungkook entrou rapidamente na escola e Jimin foi para a faculdade. 

[...]

- Você parece distraído hoje, Park. - Yoongi disse enquanto eles comiam na lanchonete. 

- Não é nada. 

- Eu te conheço, Park. É com o Jungkook? 

- Não, só estou pensando no emprego novo. Eu começo hoje. - Mentiu. 

A verdade é que o Park havia ouvido uma parte da conversa de Jungkook com alguém na noite anterior, imaginou que fosse o relógio ou algo assim. 

Jimin terminou seu trabalho da faculdade e colocou uma lasanha congelada no microondas. Logo ela estava pronta e o Park foi chamar Jungkook para jantar, porém quando se aproximou da porta, não pôde deixar de ouvir. 

- O humano a qual se refere é Park Jimin? 

- Sim, ele é meu hyung. Isso quer dizer que ele é mais velho que eu, mas não tão velho assim, e que eu o respeito. 

Com quem Jungkook estava falando? E por que falava sobre si? 

Se aproximou para ouvir mais. Sabia que era errado mas não dava a mínima. 

- O hyung é muito legal. Ele está me deixando morar na casa dele e cuida de mim. Ele faz tudo por mim, me leva e busca na escola, ajuda com alguns deveres, compra comida, mesmo que eu mesmo tenha que cozinhar porque o hyung é um desastre na cozinha, - Disse rindo e Jimin revirou os olhos, sorrindo também.  - ele me compra roupas e até me arrumou um emprego. O hyung me faz muito feliz e eu sou muito grato a ele. Por isso, eu quero ganhar muito dinheiro e comprar um celular melhor pra ele. -  O coração do Park se apertou ao ouvir isso.- O hyung vive reclamando que o dele não presta, embora eu o veja funcionando muito bem, e acho que ele merece. Eu quero fazer ele feliz da mesma forma que me faz feliz. - Jimin se sentiu mal por ter tratado o garoto mal há um tempo atrás mas também se sentia emocionado por saber que ele pensava assim. 

Você já me feliz, Jungkook. 

- O sentimento de afeição foi detectado. - Uma voz robotizada disse.

- Afeição? Eu não sei se afeição é o suficiente para descrever o que eu sinto pelo hyung. Eu não vou dizer que é amor porque o hyung disse que ainda é muito cedo para esse sentimento surgir, mas eu sei que ele me faz muito bem, muito bem mesmo.

Jimin se sentiu culpando ouvindo isso.

 - Iniciando buscas para amor. - Um segundo depois. - Nenhum resultado encontrado. 

- É que não existe amor em Livennorb. O Jimin hyung me disse que amor pode ser de várias formas, mas normalmente é quando se gosta muito de alguém, deseja-se sempre o bem dela, é cuidar, proteger a pessoa e fazer ela feliz. 

Você aprendeu muito bem, Kookie-ah. 

- Eu acho que mesmo sendo algo abstrato, é um sentimento muito forte e talvez por isso o hyung não me ame. Mas de qualquer forma, eu continuo gostando muito dele então está tudo bem. 

Me desculpe por te fazer pensar assim. Você merece amor de verdade, mas eu não sei se eu sou capaz de te proporcionar esse sentimento. 

 - Jimin, eu sou seu melhor amigo. Eu sei que seu novo emprego te preocupa, mas eu sei também que isso não é a única coisa que te preocupa. Aconteceu alguma coisa com o Jungkook? 

- Hyung, se não importa, eu prefiro não falar sobre isso agora. 

- Tudo bem. 

Jimin passou a manhã toda pensando em Jungkook mas decidiu que precisava deixar esses pensamentos de lado. Hoje seria seu primeiro dia no emprego novo e ele precisava se concentrar. 

E assim ele fez. Quando saiu da faculdade, pegou um metrô e foi para o escritório. 

O ambiente era totalmente diferente do que estava habituado. Era luxuoso, espaçoso, confortável e agora teria uma sala apenas para si.

O curso técnico de administração que havia feito finalmente estava valendo a pena. 

Seu dia havia sido cansativo mas ao final do expediente, Jimin correu para pegar o metrô e buscar Jungkook na escola.

- Você demorou hoje, hyung. - Disse quando o Park se aproximou. 

- Os metrôs demoram um pouco mais. 

- É melhor nós irmos logo. Não quero me atrasar no meu primeiro dia. - O Jeon não esperou a resposta do mais velho e pegou sua mão enquanto corriam até a loja. Eles não demoraram muito para chegar e Jungkook foi logo se apresentando para a dona do estabelecimento. 

- Se comporte, respeite os clientes e não diga bobagens. - Jimin disse antes de ir. - Eu venho buscar você no final do expediente. 

- Não se preocupe. Eu vou vender muito frango e a loja vai ser um sucesso. Hyung, eu vou ficar rico por nós. 

- Então fique bem rico, Kookie. - O Park sacudiu os cabelos do mais novo antes de voltar para casa.

[...]

Os dias passavam rapidamente para os dois. Jimin se concentrava quase totalmente na faculdade e no novo emprego, no qual estava se saindo surpreendentemente bem. 

Jungkook também estava focado na escola, no trabalho e em seus treinos de basquete. Como esperado, ele era bom em tudo. Na escola, além de continuar sendo um aluno exemplar, havia reconquistado a amizade de Mark. Seus treinos não podiam estar melhores e, embora ficasse mais cansado do que antes, ainda tinha disposição de sobra para ir trabalhar.

E quanto a este, não podia ter estado mais certo; desde que começara a trabalhar lá, as vendas haviam aumentado absurdamente. O carisma e a simpatia de Jungkook - juntamente com a sua beleza demasiada - atraíam cada vez mais clientes. 

" Ele é realmente bom no que faz " 

Era o que Jimin mais ouvia ultimamente e isso não poderia deixá-lo mais orgulhoso. 

Tudo corria tão perfeitamente bem, que um dia o Park recebeu o telefonema de uma agência de modelos que estava interessada em Jungkook. Jimin pediu um tempo para pensar foi conversar com o menino a respeito. 

- O que faz um modelo? 

- Bem, eles vão tirar algumas fotos suas e usar para anunciar algum produto ou você pode desfilar em uma passarela mostrando as roupas de estilistas. 

- E por que eles precisam de mim pra isso? 

- Para chamar a atenção das pessoas. Se elas virem você, vão querer comprar o produto para se tornarem iguais ou parecidas. 

- Mas hyung, isso é horrível. Imagina se todos os humanos ficarem iguais a mim, como você saberia qual deles sou eu? 

- Não tão assim literalmente, Jungkook. Um modelo ajuda a tornar o produto mais interessante e chama mais a atenção das pessoas para que elas comprem o anunciado. 

- Isso não é enganação? Independente do produto que eu anunciar, as pessoas não vão ficar como eu se comprarem, afinal, cada um tem um corpo diferente. No fim, vão estar persuadindo a pessoa. 

- Bem, nisso você tem um pouco  de razão. 

- Então diga a eles que eu recuso esse emprego, hyung. Essa política vai contra a minha moral. - Jimin ergueu as sobrancelhas, surpreso com a fala do livennorbriano. 

- Tudo bem, então. 

O Park recebia ligações de Nam Gi eventualmente e, aparentemente, ele finalmente havia tido alguns progressos com o D.I.T. 

Isso o deixava chateado, mas tentava ao máximo não demonstrar na frente de Jungkook.

 Obviamente, seus amigos perceberam que havia algo errado e tiveram uma ideia para animar o amigo deprimido. 

Era o momento certo para dar uma festinha. 




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...