1. Spirit Fanfics >
  2. Além das Palavras (bakudeku-katsudeku) >
  3. Uma o'que?!

História Além das Palavras (bakudeku-katsudeku) - Capítulo 8


Escrita por: Duas_Otakus e veveh1505

Capítulo 8 - Uma o'que?!


Fanfic / Fanfiction Além das Palavras (bakudeku-katsudeku) - Capítulo 8 - Uma o'que?!

A campainha toca sem parar e isso já está comendo lentamente o seu juízo. Com certeza já tivera tocado mais em dez minutos do que em sua vida inteira.

Isso já está lhe irritando, o que é um feito impressionante de se conseguir, já que o esverdeado é bastante calmo, muito na verdade, tanto que até si mesmo considera as vezes isso um defeito seu. Enfim, está quase lhe estressando porque ainda é de manhã e quem raios iria na sua casa às nove da manhã? E por que não poderia esperar até mais tarde? Ou pelos menos esperar terminar de tomar café, poxa!

E onde está a dona Inko nesse momento? Simples, a mãe do esverdeado havia saído para fazer compras. Sim, fazer compras ás nove horas da manhã. Midoriya nunca entendeu essa mania de sua matriarca, já tivera perguntado o porque sair tão cedo de casa. Só que a mesma sempre lhe respondia a mesma coisa, que é mais fácil pelo fato de haver poucas pessoas no mercado, sendo mais calmo e menos estressante e demorado de fazer a sua compra mensal. 

Claro que entende o porque, mas poxa, a ômega nem se quer avisa sua cria que irá sair. Já tivera perdido a conta de quantas vezes acordou de manhã cedo e sua matriarca não estava no domicilio onde mora. Sempre ocorrendo diversas coisas em sua cachola de arbusto, varias possibilidades, cada um pior que o outro. 

É, tem que admitir que é "um pouco" paranoico. 

Mas essa preocupação toda era para absolutamente nada, porque quando toda vez que percebe, Inko havia indo ao mercado apenas. 

Enquanto que Izuku continua mergulhado em seus variados pensamentos, o ruido da campainha ainda toca sem parar, percorrendo seu som irritante pela casa, chegando aos ouvidos do garoto que tomava seu café anterior mente. O qual finalmente despertou de seu transe, o qual aparentemente estava muito profundo.

Colocou a torrada em sua boca, enquanto levanta de sua cadeira de um modo preguiçoso demais, deveras lento também, dando passos piores ainda, indo em direção de sua sala, que encontra-se não tão distante de onde está. Aonde localiza-se a porta principal, que dá para dentro de seu lar doce lar, e a pessoa que não para por um mísero segundo de apertar o botão da campainha, causando aquele som infernal pela casa.

Chegando perto da porta, pegou a maçaneta, girando o objeto metálico, consequentemente abrindo a porta de madeira e por fim revelando a pessoa do outro lado.

E parada do outro lado da porta se encontra Uraraka Ochako. A Beta Hormonal está com seu sorriso enorme como sempre, só dessa vez sem revelar seus dentes, somente esticando seus lábios cheios, cobertos de gloss rosa, e claro, suas grandes e redondas bochechas esmagando suas gigantes orbes castanhas. Transmitindo a felicidade genuína em sua face. 

Pode reparar como em seu corpo cheio de curvas e linhas, encontra-se um vestido linho se mangas, tendo de estampa um xadrez charmoso, sendo da cor azul. Um detalhe interessante na peça é que a mesma destaca bastante seus seios volumosos e cintura afinada, sendo que na parte torácica estreita, tendo um decote não tão ousado, mas tão pouco discreto naquele local. O curioso é que bem embaixo de suas mamas, localizado no centro das mesmas, havia um pequeno decote ali, em um formato triangular, destacando a pele parda de seu estômago. A roupa batia exatamente cinco dedos antes de seus joelhos morenos. Enquanto que em seus pés há um par de All Star brancos ocultando os mesmos.

Não deixou para trás seus cabelos castanhos, os quais estão presos em um coque alto e despojado, encontrando sua franja solta, sendo acompanhas por duas mechas, uma de cada lado. E bem ali, encontram-se duas argolas douradas como o ouro enormes, as quais quase batiam na linha de seus ombros pequenos.

- Izuku-kun! - Uraraka praticamente se jogou em cima do sardento, como se estivesse viajado e voltado depois de muito tempo e aquele fosse o primeiro encontro deles depois de anos e anos a fio, sendo que, literalmente, se virão ontem.

- Uraraka-san? O que faz aqui? - questionou Midoriya deitado no chão da entrada e, claro, retribuindo o abraço que a garota de rosto redondo está lhe dando, tendo a mesma praticamente jogada por cima de seu corpo. 

Foi então que o baixinho percebeu que não há somente a presença dos dois adolescente grudados no chão gelado, mas também tem uma terceira pessoa olhando para a cena, como se aquilo fosse a coisa mais estranha e incomoda que já tivesse visto em sua pequena vida.

Essa pessoa não é ninguém menos que a ômega de cabelos longos coloridos de verde, sua amiga Tsuyu Asui.

A garota de porte baixo, olha para a cena em sua frente de maneira séria, tendo sua cabeça levemente deitada para o lado direito. Olhos calmos e relaxados, tendo uma de suas sobrancelhas esverdeadas arqueada e a outra do par peludo franzida em cima de seu olhos cores esmeralda. Seus lábios finos, há um leve avermelhado na linha de abertura de sua boca e cobrindo todo o contorno tem seu tipo brilho labial, sendo da cor vermelho. Seu rosto demonstra a pura e mais perfeita serenidade.

Uma expressão que não é tão difícil de encontrar na face daquela garota, já que a maioria do tempo que o esverdeado convive com ela, a adolescente quase o tempo todo com esse sentimento estampado em sua cara branca. Ao mesmo tempo que uma serenidade estrema, também há o isolamento de emoções. Poderia a comparar muito bem ao Alfa de duas cores, porém, em uma grande diferença dentre eles dois, é que não é tão difícil de arrancar sorrisos tanto ligeiros, quantos os de orelha a orelha da jovem ômega.  

E com toda a certeza não vai negar que os sorriso da mesma é tão adorável quanto de sua companheira de rosto de lua.

Os olhos verdes deslizaram pelo corpo pera da menina, analisando a roupa que está vestindo. Seu busto é coberto pelo tecido de um cropped  no estilo regata de alça fina, com a coloração preta, tendo de estampa um pequeno arco-íris o qual contorna a frente da peça toda, localizado bem na linha de seus mamilos. A vestimenta que acoberta a parte inferior de seu corpo é um macacão do mesmo pigmento do cropped que usa. O curioso da peça que a mesma veste, é que em sua parte inferior, em suas panturrilhas a mesma é folgada e no resto há um pequeno aperto, causando um pequeno charme na roupa e, claro, na cabelo verdes. Seus pés são coberto pelo mesmo sapato de Ochako, só que ao invés de ser cano baixo e branco, o mesmo é vermelho e cano alto.

Suas madeixas são seguradas por um rapo de cavalo alto, um pouco parecido ao penteado da menina que está praticamente deitada em cima do corpo pequeno de Midoriya, sendo que sua franja está solta e duas mechas também, semelhante ao da castanha, cada um de um lado da franja de testa. Só diferente da cara de bolachas, a de cabelos esverdeados tem um colar tipo gargantilha, tendo no total de sete estrelas penduradas no objeto.

 - Uraraka-chan, já deu. Está matando o menino - exclamou Tsuyu, se dirigindo para perto dos dois largados sobre o chão e logo esticou a sua mão pequena e pálida, como um apoio para a beta levantar-se.

- 'Cê tem razão, Tsu-chan - Com essa fala, a de cabelos curtos, agarra a mão que antes era lhe oferecida, a qual lhe ajuda a levantar de Izuku - me desculpe, Izuku-kun, acabei me empolgado. 

A hormonal sorriu sem graça, enquanto que sua mão correu rapidamente para sua nuca, a qual coçou totalmente envergonhada com a ação exagerada que cometeu com seu colega de turma. 

- Sem problema nenhum, Uraraka-san.

- Ei! Eu já te disse que pode me chamar de Ochako, Izuku-kun. É um pouco injusto só eu estar de chamando do primeiro nome - mencionou a menina castanha, esticando a sua mão para o outro que ainda continua largado no chão frio.

- Ah, perdão, eu sempre esqueço - sem nenhuma dificuldade o menino de cabelos bagunçados agarrou a mão parda a sua frente, e finalmente se retirando do chão frio. A rosto de bolacha girou a sua cabeça coberta de pelos sutilmente para o lado direito, erguendo seu par de sobrancelhas e alargando seu sorriso, deixando o mesmo bem fino. É como se esperasse algo do falso beta - Ochako-san.

- Uraraka, 'cê não 'tá esquecendo de algo, não? 

E como se fosse magica, a de olhos agigantados recordou o que realmente foi fazer na casa de seu colega em plena nove e pouca da manhã de um sábado. 

A garota de cabelos curtos agarrou a mão do sardento, e praticamente, arrastou o menino para dentro do local que havia saído há não muito temo, ou seja sua querida e e amada casa. Não deixando para trás a sua amiga, a qual seguia a dubla logo atrás do mesmo, tendo suas mãos pequenas e pálidas em seus bolsos  de seu macacão pigmentados pela coloração preta. 

Assim que os três entraram no interior da casa, Tsuyu fez questão de fechar a porta de madeira da entrada principal, enquanto que Uraraka larga a mão que antes segurava e arrastava, para assim sentar no sofá que lá está, sendo acompanhada por sua amiga de expressão neutra.

- Izuku-kun, vai trocar de roupa, porque iremos sair - sorriu a castanha, apoiando seu queixo sobre seus dez dedos, sendo os mesmos cruzados um com outros, tendo seus cotovelos apoiados no braço marrom claro do sofá. 

- Sair? Sair 'pra onde, menina? 

- Vamos às compras! - exclamou Ochako erguendo seus dois braços para o alto e pode escutar como a ômega soltou em fraco e irônico "Eeeeeeh".

[...]

Pode notar a beta de curvas agigantadas pega alguns conjuntos de roupas que se distorce entre cores claras e pasteis, para algo mais forte e escuro, entrar em uma cabine para experimentar aqueles tecidos. Não é a primeira vez que observa a menina fazer aquela ação, aliás faz mais de duas horas que vigia a mesma coisa vindo da beta hormonal.  A adolescente sempre alterna entre roupas que variam entre algo mais comportado, em  comum como uma calça jeans, uma camiseta, sempre em cores frias ou pasteis, chegando também em outros chamativos como um cropped's de cotados, um short curtos, mini saias, quase todos com o  padrão, pigmentos fortes e escuros.

Em nenhum momento irá negar que a garota tem bom gosto e que todas as roupas que havia provado anteriormente se encaixam perfeitamente em seu corpo. Só simplesmente não entende o porque a cara de lua pensar que os conjuntos não deram certo em sua estrutura curvilínea, sendo que ficam simplesmente perfeito na castanha.

Mas afinal, onde o esverdeado encontra-se nesse exato momento? Fácil, sardento de porte pequeno está em uma loja de roupas sentado em um sofá deveras confortável para sua surpresa, acompanhando as suas duas colegas de turma, Uraraka e Tsuyu. As mesmas por simplicidade lhe arrastaram até um local de comércios bem conhecidos na região para comprar, obviamente, roupas. Agora para que exatamente é necessário comprar as vestimentas hoje e por que deveria que ser ele que estivesse ali, não se sabe. Não lhe entenda mal, o beta falso adora passar o tempo com suas amigas, só realmente não consegue entender o fato e significância de estar ali. 

Chegou a perguntar o porque da necessidade e tanta pressa para comprar as vestimentas e porque ele deve estar ali junto a elas, entre tanto as mesmas simplesmente se entre olharam e lhe disse para escolher um conjunto de roupas, que explicariam mais tarde. O que despertou uma certa curiosidade no de cabelos bagunçados, já que queria saber o motivo para privar certa informação de si.

Saiu dos seus pensamentos assim que sentiu o estofado ao seu lado afundar em uma maneira minima, porém perceptível para o ômega na pele de um beta. Desviou as suas orbes verdes claras que antes olhavam o infinito com variadas teorias plantadas em sua cabeça de alface, para seu lado direito, tendo a visando de quem havia repousado ao seu lado, sendo essa pessoa a outra de suas companheira, a baixinha de cabelos verdes. A cara pálida lhe mirou transmitindo calma e tranquilidade, curvando seus lábios finos e grandes de uma forma ínfima, construindo um pequeno sorriso ali, logo desfazendo o mesmo.

A ômega de cabelos longos e coloridos, deslizou uma de suas mãos pequenas para dentro de seu bolso ao qual fica na parte da frente de macacão negro que utiliza,  tirando daquele local formado de custuras e tecidos, uma embalagem estampada com os pigmentos vermelho e verde, e sobre e separando a cores uma da outra, está escrito em letra de forma/imprensa "Trident".

- Quer? - rasgou o pacote, logo estendendo o mesmo para o garoto cabeça de brócolis - É de melancia.

- Não, obrigado.

- Deixa de ser careta. Toma, pega aí - falou já lançando um dos chicletes que estava dentro da embalagem de alumínio colorida. Ganhando um Izuku desesperado tentando pegar, de uma forma comediante, o chiclete açucarado que voou em sua direção. Conseguindo com sucesso a ação - Já escolheu as suas roupas? - questionou a de boca larga, pegando o doce para assim mastigar o mesmo. O garoto respondeu um "não", enquanto tira a guloseima do papal fino e branco que a envolvia - Olha, se eu fosse você, eu começava a escolher já. Porque a Uraraka-chan vai demorar.

- 'Cê tem certeza? - perguntou mantendo sua total atenção em colocar o pedaço de doce em sua cavidade bucal.

- Absoluta. Eu conheço aquela menina - Asui respondeu, desviando seu olhar para o provador que seu melhor amiga havia entrado a algum minutos - Ela demora 'pra escolher roupa, imagina quando é 'pra encontrar um ficante - por impulso, os lábios de Tsuyu deram uma leve repuxada para trás, tendo uma pequeníssima expressão de nojo, a qual foi despercebida pelo outro.

- Ficante? Que ficante? - Midoriya não poderia estar mais confuso com a situação. Como assim "ficante"? Dês de quando a castanha tinha algum tipo de relacionamento? E por que só ficou sabendo agora? Então é por isso que a Ochako não consegue se decidir com sua vestimenta.

- A Uraraka-chan ainda não te contou? - Tsuyu grudou seus olhos no falso beta, deitando a sua cabeça no encosto do estofado que está sentada. 

- Eu não contei o'que? 

Os dois em pura surpresa, saltaram de seus lugares, tendo não só esse espasmo, mas também um mini grito ecoando da garganta tanto de Izuku, quanto da de cabelos largos. De imediato e com uma incrível sincronia, as duas pessoas direcionaram seus olhares para o terceiro individuou que chegou a poucos segundos.

E diante deles está a garota que conversavam sobre antes. Em seu tórax e barriga, escondendo seus seios volumosos, um cropped em estilo tomara que caia, sendo de um tecido aveludado com a cor principal um preto fosco, a peça parecia feita especialmente para si. Uma pequena curiosidade na vestimenta é seu zíper dourado, o qual encontra-se na divisão de suas mamas, exatamente no meio das duas. Acobertando a parte inferior do corpo feminino está uma saia de cintura alta, tendo de estampa um pequeno xadrez pigmentado pelo cinza queimado, deixando a peça impecável. O tecido se delimita exatamente cinco dedos antes de seus joelhos morenos.

A beta está mais que linda aos olhos de qualquer e toda pessoa que a visse, e nenhum dos dois poderia negar esse fato.

- D-de seu ficante - gaguejou Tsuyu, com sua cabeça virada na direção oposta onde sua amiga está e sua voz estranhamente abafada pela sua mão, enquanto que sua faceta é gradativamente preenchida por um rubor repentino. 

- Ah é mesmo! Me perdoa, Izuku-kun. Eu não queria contar, porque eu 'tava esperando evoluir 'pra um relacionamento sério - se desculpou Uraraka recebendo uma negação de cabeça por parte de Midoriya, ao mesmo tempo que soltou um pequeno "Sem problema" - Mas eae, gente, gostaram da roupa? O que acharam? - A menina rodou seu corpo, para seus amigos poderem ter uma visão melhor da roupa escolhida a dedo. 

- Você 'tá linda, Uraraka-chan - O sardento por sua vez afirmou o mesmo com sua cabeça repleta de madeixas esverdeadas. 

- Vocês acham mesmo?!

A castanha se inclinou para seus dois colegas de classe com uma animação absurda. Suas orbes  marrons clareadas, aos quais brilham até demais na visão do falso beta e a ômega de cabelos longos. Aquela imagem é realmente adorável aos olhares verdes que estão voltados para a menina beta hormonal.

- Claro - os dois concordaram ao mesmo tempo, deixando um ar um pouco humorístico.

- Então eu vou levar essa roupa mesmo! - exclamou a menina de cabelos curtos, ao mesmo tempo que volta praticamente ao pulos para o provador, é como se e seu redor estivesse uma luz que cintila ao favor de sua felicidade. 

Midoriya sorriu com a cena presenciada pela dupla, no caso ele e sua outra amiga esverdeada. Não pode conter tal reação pois a hormonal está tão feliz que foi algo inevitável não transmitir essa emoção para os demais a sua volta.

Izuku está tão mergulhado em seus pensamentos que mal pode perceber a presença de Tsuyu aproximar-se do espaço pessoal, consequentemente acercar-se de seu corpo pequeno e franzino. A de cabelos verdes colocou uma de suas mãos no ombro do garoto, assim alertando o mesmo da presença alheia que está demasiada cerca de si, dando um leve susto no falso beta. A outra das duas mãos pálidas e delicadas de Asui foi grudada na bochecha da própria dona do membro, escondendo os lábios finos da ômega, enquanto que a cabeça repleta de cabelos largos e coloridos aconchega-se ao lado do cranio do sardento, aproximando a boca da adolescente para perto do ouvido do menino.

- Eu não confio nele - sussurrou a guria contra o ouvido do arbusto ambulante.

- Em quem? - suspirou de volta na intenção clara de tentar entender o contexto da conversa iniciada.

- No ficante da Uraraka. Não gosto dele, não confio nenhum pouco nele. - voltou a responder, escutando um baixíssimo "Por que?" vindo de seu colega de classe, cabeça de alface - porque eu conheço muito bem o tipo de pessoa que aquele cara é. Ele não me passa nenhum pouco uma aura de confiança e eu acredito nos meus instintos mais que tudo. Eu tenho quase certeza que esse cara é um completo pau no cu.

Os dois direcionaram seus olhares para Ochako, a qual já havia saído daquele pequenino cubículo formado por quatro paredes, sendo as dos lados esquerdo e direito, formadas por divisores de madeira branca, além da porta que é formada pelo mesmo material, tendo um pequeno vão entre ela e o chão de porcelana. A de rosto arredondado está no caixa da loja nesse instante aparentemente pagando as roupas que havia gostado tanto. Em sua cara está estampada pelo seu sorriso cotidiano de sempre, ao mesmo tempo que seus grossos lábios soltam um gentil "Obrigada" para a atendente de uniforme que está atrás do balcão grande e longo que delimita um espaço entre as duas.

A castanha virou seu rosto para o local onde seus amigos estão nesse momento, encontrando uma cena um pouco peculiar. Tsuyu, sua amiga de anos a fio, está escorada no ombro de seu amigo de cabelos bagunçados, enquanto que suas mãos descoradas estão apoiadas no mesmo membro corporal. Os dois pares de olhos verdes estão apontados para sua linha, os quatro globos oculares encarando diretamente Uraraka.

Suas pernas inconscientemente começaram a se moverem sozinhas, lhe guiando para exatamente para onde seus dois colegas de turma estão, não sem antes pegar a sacola de plástico tendo de conteúdo as suas vestimentas escolhidas por si mesma, ao qual a atendente havia colocado ali dentro. 

- Voltei pessoal! - exclamou quando já estava perto o suficiente para os ouvidos dos dois amigos podem captar a sua fala - Izuku-kun, 'cê já escolheu a sua roupa? - recebeu um pequeno balançar de cabeça acompanhado por um "não" por parte o garoto do grupo de três membros - 'Cê quer escolher algo aqui ou ir em outra loja? 

- É melhor ir em outra. Eu já dei uma olhada por aqui e não encontrei nada que me chama-se atenção - pronunciou o baixinho para a sua colega que está em sua frente.

Com essa informação em mãos, o trio de amigos saíram daquele local em direção a nova loja de peças de vestimentas. As três pessoas estão caminhando no centro comercial, sendo a beta e a ômegas distraídas entre si, as quais conversam, com a menina de cabelos curtos sempre mantendo contato físico de alguma forma com a outra colega, alternando entre caricias nas madeixar esverdeadas, até pegadas na borda do tecido de seu cropped negro. Já Midoriya está um pouco a frente das garotas direcionando a sua completa atenção para as vitrines das lojas que lhe cercam, sempre concentrando-se mais nas que vendem o que está procurando; vestimentas.

Suas orbes esmeraldas avistam variados tipos de conjuntos, tendo intercalações entre super coloridos, algo mais apagado, um meio termo não poderia faltar o meio de suas escolhas e sem esquecer o composto somente de cores frias e ofuscadas. Alguns lhe chamam atenção entretanto não o suficiente para lhe fazer a experimentar as vestimentas. Sem contar as que não capturam nada de si.

Não poderia negar que é um pouco exigente em questão das roupas que usa, embora não goste de  ocupar muito o tempo precioso de outras pessoas com suas indecisões, então opta por algo simples e rápido, mas quando pode escolhe o que realmente lhe prenda atenção.

- Izuku-kun, já escolheu o que vai comprar? - os olhos marrons capturam o minimo balanço de cabeça do beta a sua frente, indicando um breve e curto não - Mas você já sabe o que quer escolher? Tipo, um conjunto; blusão e calça ou um uma camiseta simples e uma bermuda. Sei lá.

- Na verdade não; eu 'tô no instinto. O que chamar minha atenção e ficar bom em mim, eu vou levar. Mas, não tenho nada em mente - ainda distribuía seu olhar para os edifícios a sua volta.

O sardento prendeu seus passos no meio do caminho, com seu cranio girado para seu lado direito e olhos claros focados em um só lugar, lhe sugando a total atenção por sua parte, deixando seu consciente em um estado estranho de transe, como se tivesse sido emboscado por um troque de mágica barato. 

Tanto a cara pálida e a faceta de lua ficarão confusas com a atitude do beta baixinho de cabelos verdes, tentando entender o porque daquele ato repentino por parte de Midoriya. Dirigiram seus olhares curiosos para a localização que o verdinho parecia ter caído em hipnose, provocando a sua distração completa; e bem ali encontra-se uma vitrine de vidro, com diferentes manequins vestidos, dentre eles é destacado um em específico.

- Você vai querer essa roupa? - aproximou-se as duas meninas para perto do outro membro do trio, sendo a pronunciante a pequena Uraraka - para ser sincera, eu achei essa muito linda - Tsuyu com essa deixa, concordou com a frase dita por sua melhor amiga.

- Eu gostei bastante dela, 'pra falar a verdade.

- Então vamos experimentar! - falou em uma voz demasiada animada a castanha, fazendo o favor de agarrar as mão de seus amigos para assim arrastar-lhes para o interior daquela loja de roupa.

[...]

Esfregou aquela pequena bucha de cor neutra em sua face, espalhando aquelas gotas aos quais são semelhantes  a coloração de sua pele; escondendo algumas das pintas marrons que contornam a cara de menina, tendo essas concentrada principalmente na região de seu nariz e maçãs do rosto afinado e repuxado; também ocultando as duas olheiras, tendo as mesmas em uma cor relativamente escura em comparação com a sua pele pálida, causando um certo efeito de profundidade na área de seus olhos esverdeados. 

Aquele líquido que a menina de cabelos alongados passa em sua pele é a sua base, cosmético esse que faz parte de seu não tão grande conjunto de maquiagem, que estão dentro de uma diminuta bolsa, tendo essa guardando o resto das coisas. Focou a sua atenção para o que enxerga em sua frente, ou seja, no espelho de tamanho consideravelmente pequeno, tendo sua imagem refletida ao contrário no vidro que está bem em sua faceta descolorida. Pode ver como a base que acabou de passar está mal espalhada, tendo algumas partes de sua face excesso do cosmético que havia passado há, não tanto tempo.

- Que merda - reclamou de maneira baixa, ainda com seus olhos fixados na imagem que está transmitindo de si mesma no vidro de formato retangular. 

Fez um pequeno estralo com sua língua, logo em seguida erguendo o lado direito de seu lábio superior, enquanto que inconscientemente descia o canto da abertura da boca pintada por um leve rosa pastel; formando ali uma careta de desgosto, obviamente, de sua falha tentativa de produzir-se com aquelas tintas para pele.

Não está surpreendida com a seu erro no processo e no final, final, nunca foi muito de conhecer da ciência para passar aquele produto em sua cara, escondendo suas pequenas manchas, muitas delas causadas pelos raios ultra violetas que são transmitidos pela luz solar, e outras tendo de seus provocamentos a falta de sono, sendo de modelo a suave olheiras que estão formadas  em baixo de suas orbes agigantadas. Para falar a verdade nunca foi acostumada a usar esse tipo de produto em si, em momento algum lhe chamou tanta atenção, quanto em relação a outras garotas. Como poderia esquecer do começo de sua adolescência, tendo praticamente todas as garotas, inclusive alguns rapazes, sendo ômega, alfa ou beta, com seus rostos pintados, e si, sendo uma das poucas pessoas que não faziam questão de se maquiar inteira para ir em, literalmente, qualquer local.

- Precisa de ajuda? - ofereceu a garota de cabelos castanho, seu rosto é adornado completamente por maquiagem, mas a maneira que é utilizado chama atenção, não de maneira vulgar como grande parte das outras garotas, porém de um jeito sutil de sua parte, destacando ainda mais a sua beleza natural. Um dos vários hobbie da mesma é arrumar-se, roupas das mais simples ás mais extravagantes, sempre preparada para qualquer situação, essa é Uraraka.

- Estou bem por agora, já fiz o suficiente - respondeu a esverdeada, negando a ajuda, mas o rosto da outra não mudou com a resposta negativa.

- Não seja tímida, deixe que eu cuido de você - Uraraka após dizer retirou a pequena bolsa da outra  começou a vasculhar o que há dentro, murmura para si mesma cada nome dos itens que existe de maneira baixa falando com si própria, até que acentiu do nada e voltou dar atenção para a cara pálida - Você tem pouca maquiagem, mas não fique triste, com isso já consigo te transformar em uma musa!

- Eu acho que estou arrumada o suficiente e me devolva a bolsa! - falou a de cabelos longos, levemente irritada com a ação da amiga.

-Não, não, não! - falou a cara de lua, levantando a mão que segura a bolsinha, afastando o objeto de Tsuyu - Você como minha amiga, deve estar minimamente arrumada para uma festa, não é como se seu rosto fosse cair! - impôs. Tsuyu ainda irritada com a cena só pode suspirar, e aceitar a sua situação.

- Não demore ou exagere, não quero ter que ir parecendo uma palhaça - Uraraka abriu ainda mais o sorriso e começou a se preparar para decorar a face de sua amiga - Eu realmente não entendo o porque de 'cê ainda insistir em me fazer usar maquiagem. Você sabe que eu não gosto desse negócio.

Fechou os seus olhos assim que sentiu a menina de rosto de bolha espalhar aquele tão irritante líquido que a ômega descolorida teve dificuldades de passar na área, entretanto dessa vez pode sentir como a outra distribuía a base clara com maestria, sem ter nenhuma dificuldade no processo. É como se a mesma tivesse uma certa facilidade naquela trabalho, como se pratica-se durante demasiado tempo, ou até se dedica-se naquilo, o que é tecnicamente uma verdade, já que a de pele parda sempre gostou em excesso aquela ação, maquiar-se ou maquiar outra pessoa.

- É que você fica tão linda maquiada, não que você fique feia sem ela - Asui abriu seus globos oculares assim que escutou a oração que sua companheira soltou, surpreendendo-se de maneira leve, ao qual não foi percebida pela outra - mas, seria realmente um desperdício se tu não fosse, como 'cê de chamar, pintada.

Os olhos de cores claras desviaram sua vista de maneira quase inconsciente de seu anterior objetivo, ou seja, o rosto de sua querida melhor amiga de cabelos curtos. A verdinha pode sentir como lentamente seu rosto afinado esquenta em um processo lento, concentrando-se a maioria na parte de suas bochechas, ao qual estendia-se de um modo mínimo às suas pequenas orelhas esbranquiçadas. A sua pequena sorte é que a primeira parte do processo para 'enfeitar a sua cara' cobria a maior parte de seu rubor, entretanto ainda sendo levemente notório, por conta de suas orelhas, coloridas pela cor avermelhada.

A castanha não ligou muito para aquela ação que veio por parte da outra menina, já que é, de uma certa forma, acostumada com gestos desse parâmetro vindo da pálida. Não é a primeira vez que presencia algo do mesmo calibre, e estranharia bastante se fosse a ultima. Considera até um charme da pequena adolescente sentada a sua frente, principalmente quando a mesma fica brava com algo tão insignificante, ao mesmo tempo que a sua maças do rostos ficam vermelhas de ódio, é algo tão fofo que na primeira vez que viu algo assim, quase morreu -de fofura-.

Ignorou seus pensamentos distintos sobre sua companheira, voltando novamente para o seu antigo ato, ao qual resume-se em arrumar Tsuyu com os produtos cosméticos. E foi algo que não estendeu por muito tempo, já que a mesma havia insistido há não muito tempo que não fizesse algo exagerado em sua pele. Seu processo encurta-se em: espalhar o restante de base que havia na cara alheia; aplicar não demasiado contornos e iluminações, sem contar o blush é claro; retocar a coloração de suas sobrancelhas, já que as mesmas perderam a sua coloração com o produto; em seguida partiu para um leve sombreamento em suas pálpebras; dois finos delineados, um em cada olho, aos quais teve uma certa dificuldade em fazer-los, já que sua amiga não possui nenhum pouco de paciência; e por fim, aplicou seu costumeiro lip tint na boca larga alheia, coberto do brilho labial -ao qual é um dos pouco produtos que menina usa no seu cotidiano-.

Percorreu seus olhos agigantados em cima da escrivaninha de madeira que está em sua frente, tendo sobre a mesma variados objetos, a maioria deles sendo os produtos e utensílios que usava anteriormente. Ali foi capaz de localizar o seu objetivo inicial, assim esticando a sua mão de pele parda atravessar a mesa até chegar ao pequeno espelho, ao qual cabe perfeitamente na palma de seu membro com unhas pintadas. E voltou com o vidro em mãos, trazendo o mesmo para perto de si e da outra.

Esgueirou seu corpo curvilíneo em direção de sua amiga, em consequência, grudou seus enormes seios na parte traseira da costas da amiga, colocou a frente do rosto da outra o objeto. Deu um leve peteleco no ombro da de cabelo longos, chamando sua atenção, a mesma abriu os olhos e deu de cara com o espelho olhando sua face já enfeitada com a maquiagem.

Uma leve expressão de surpresa ocorreu em seu rosto. Nem parecia a si mesma, não era muito exagerada, sua amiga sabia seus gostos.

Um sorriso pequeno tomou lugar da surpresa no rosto de Tsuyu. Uraraka sorriu ao notar a satisfação da outra, se sentiu orgulhosa de seu trabalho. Deu leves tapas nas costas da esverdeada, e retirou seu peso de cima dela, e começou a olhar a mesma de longe sua fofura só aumenta, de alguma maneira possível, seu sorriso não saia do rosto e é capaz até de sentir-se derretendo com o quão adorável a sua amiga arrumada pode ser.

Um barulho forte a fez acordar de seu transe, e notou que havia encarado demais a outra, tanto que ela havia notado seu olhar, a fazendo corar devido a intensidade. Tanto Ochako quanto a Tsuyu abandonaram a sua atenção uma na outra, enquanto que uma direciona o mesmo para o local onde ocorreu tal som, a outra perdia a sua em cima da mesa de madeira a sua frente, ficando cada vez mais avermelhada. O barulho vinha de Deku que abriu a porta, capturando a atenção de ambas.

- O que acharam? - perguntou o menino de cabelos esverdeados as duas meninas que lá encontram-se, aproveitando a pequena atenção que conseguiu ao chegar no local.

- Izuku-kun! Você 'tá lindo - a cara redonda em puro instinto aproximou-se do corpo masculino a sua frente, sendo capaz de observar mais detalhadamente a escolha do garoto em relação a sua vestimenta. Com certeza aquelas roupas foram bem escolhidas por Midoriya.

O sardento ao ouvir tal elogio vindo de uma de suas colegas de classe, logrou sentir como as duas bochechas de seu rosto acrescentam uma mínima temperatura no local coberto de pele esbranquiçada, sem contas as suas sardas. Em uma ação quase imediata, levou uma das mãos ao final de seu crânio e começo da parte traseira de seu pescoço, ou seja, sua nuca contendo poucos cabelos colorido de verde; logo terminou o ato raspando as suas curtas unhas na pele exposta de sua nuca.

É um feito familiar do alface ambulante; não é tão difícil encontrar o mesmo em tal situação, já que é uma mania do garoto que em todas as vezes que passou por alguma circunstância de nervosismo, acaba cometendo a mesma façanha.

Um baixo, porém auditivo som percorreu pelo ambiente de maneira inesperada, roubando a concentração dos três indivíduos presentes. Juntamente com esse pequeno barulho, também é possível escutar um leve zumbido, como de algo vibrando.

As três pessoas levaram seus pares de globos oculares para o local de onde o toque baixo parecia ressoar. Encontrando um celular de capa pigmentada com algumas cores suaves, sem contar alguns pequenos brilhos e enfeites em seu adorno. O parelho encontra-se em cima da cama que há no quarto que aqueles três estão, acompanhado de alguns pares de roupas que alternam entre diversos tons e cores.

Uraraka com um pouco de pressa, caminhou em passos rápidos para perto do telefone, tendo como sua seguinte ação pegar o mesmo com sua mão parda para assim atende-lo; em consequencia, levando o mesmo para perto de seu rosto arredondado, mais especificamente a sua orelha relativamente pequena, ao qual porta uma argola dourada de tamanho mediano.

Pronunciou um "Alô?" com uma voz suave, costumeira vindo de sua pessoa. Ao escutar a resposta vindo de seu celular sorriu e com um semblante alegre, aliviou ainda mais a sua voz e continuou a sua conversa por telefone. Os dois outros sem entender quem está do outro lado da linha, jogaram suas mais perfeitas facetas de confusão para a colega que atendeu a chamada realizada pela outra pessoa, ao mesmo tempo que prestarão mais atenção na conversa alheia, em um ato curioso dos mesmos de tentar descobrir quem seria esse outro alguém.

- Ah, 'tá bom. A gente já 'tá indo, não vai demorar, não - logo apôs dessa fala a de cabelos curtos encerrou a chamada.

Girou seus olhos agigantados para a direção de seus dois amigos que lá estão, divertindo-se com a cena que encontrou, tanto o beta, quanto a ômega completamente confusos e curiosos com a legação que acabou de realizar. Não tira a razão dos mesmos, já que a castanha estaria da mesma forma se ocorresse a mesma situação com um deles.

- Era o Iida, gente - e mais uma vez sorriu com a reação das outras duas pessoas no quarto, as quais demonstram uma completa surpresa em ambas as faces descoloridas - Ele disse que já 'tá aqui na frente, junto com o Todoroki-kun, então é melhor a gente descer agora.

Os três em uma incrível rapidez arrumaram seus pertences necessários como: celulares, documentos, pertence para caso aconteça algo, terem como ser identificados. Além de terminarem de produzirem-se, em especialmente Midoiya, já que o garoto de cabelos verdes está com as suas madeixas totalmente bagunçadas, sem contar o a leve humidade que os mesmos se encontram, essa circunstância pelo menino de sardas ter banhado-se para assim colocar as vestimentas que havia escolhido a dedo nessa mesma tarde.

Uma ação que foi de estranhar vindo das duas garotas, as quais simplesmente apareceram como uma dupla de assombrações na porta de sua moradia em plena manhã de um sábado, já que as meninas tão pouco se quer mandaram algum tipo de aviso para o verdinho. O peculiar não havia sido esse acontecimento em específico, porém sim de a hormonal e a ômega terem causado essa surpresa no garoto de baixa estatura para acompanha-las ao centro a comprar algumas roupas e acessórios, que não somente foram para a dupla do sexo feminino, como também para o falso beta.

E uma pulga que deve estar atrás da sua orelha é: como a de cabelos castanhos sabe onde o pequeno arbusto vive? Não é um enigma tão difícil de desvendar. Fácil, em mais um dia de sua nova rotina escolar, mais especificamente no final dele, o grupo voltando do cansativo dia de estudos, em um lugar onde os seus professores realmente querem que os alunos aprendam da maneira mais rápida possível, a turmas de amigos tiveram a decisão de comparem algumas guloseimas e divertissem na casa de uma das pessoas que lá estavam, e para determinar qual da casa seria foi pela "minha mãe mandou", brincadeira essa sugerida pelo ômega de cabelos dourados, ao qual foi apoiado pelo resto dos integrantes do grupo de seis indivíduos. E quem iniciou o jogo de criança havia sido Kaminari, já que foi o garoto que determinou o passatempo.

E para tornar a decisão que "minha mãe mandou" tomou ainda mais uma surpresa, a equipe de adolescentes fecharam seus olhos, incluindo o menino com o raio preto em sua cabeleira, e por conta desse ato, o louro acabou apontando duas vezes para lugares aleatórios, sendo a primeira uma casa e a segunda um cachorro que estava descansando ao ar livre. Em uma terceira tentativa de apontar seu indicador para algum de seus colegas, o seu destino foi um certo falso beta de olhos verdes.

A primeira pessoa a perceber a escolha feita pelo dourado e a brincadeira foi a rosto de lua, que em puro animo e surpresa anunciou o acontecimento em voz alta, avisando não somente os outros cinco, como também para a rua inteira.

Midoriya por sua vez assustou-se fortemente com a escolha, sentiu-se ao mesmo tempo que feliz naquele momento como também nervoso, já que era difícil do mesmo levar alguém para a sua casa, sem ser para realizar trabalhos em grupos, ou sem ser Bakugou, claro, isso só em sua infância.

Ao chegarem na casa do esverdeado a pessoa que ficou mais espantada ao entrarem no local, não foram os amigos de Izuku, entretanto sim a sua querida matriarca, surpreendendo-se ao sair de sua cozinha para receber sua cria e encontrar não somente o seu filho como também outras cinco pessoas. O verdinho observando a reação de sua Okassan, surgiu um preve medo da mesma ter ficado brava consigo por ter trago visita sem avisar ela, mas muito pelo contrário, a senhora Inko sentiu demasiada felicidade de sua prole ter consigo fazer amizades na sua nova academia.

O grupo deram-se muito bem com a ômega viúva, todos sendo extremamente educados e divertidos com a senhora de cabelos verdes. Aquela foi realmente uma tarde muito divertida, tanto para a família Midoriya, quanto para os cinco amigos do falso beta.

- Izuku-kun! - exclamou Ochako no final daquela pequena escada. Tendo em uma de suas mão de unha feitas, seu celular e uma pequena carteira, enquanto que a outra encontra-se descansando no corrimão - Vamos, o Iida-kun e o Todoroki-kun estão esperando!

- Eu preciso avisar a minha mãe. Ela vai ficar preocupada se eu sair do nada.

- Não precisa, eu acabei de avisar ela - a de cabelos curto virou-se de costas para o outro, caminhando para seu destino final, no caso a saída da casa do esverdeado - antes que 'cê pergunte, eu encontrei ela quando saía do seu quarto, aproveitei e já avisei - andou na direção da porta principal do lar do menino de cabelos verdes, em uma clara intenção de deixar o local - Vamos.

Izuku sem perder mais tempo para questionar a outra, desceu a escada de uma forma rápida, porém ainda tomando cuidado para não tropeçar nos degraus ou em seus próprios pés, aos quais estão cobertos pelo tênis que calçou. Assim que chegou ao fim do conjunto de degraus do 'lar doce lar' do menino, redirecionou seu caminho para onde Ochako havia saído a não tanto tempo, questão de segundos. 

Do lado de fora está a de pele parda caminhando de maneira calma em direção a sua amiga de estatura baixa, ao qual encontra-se de uma forma relaxada dentro de um carro de cor prata puxado para uma tonalidade mais escura. O automovél de cor acinzentada situa-se na frente do local que a cara de bolacha havia anteriormente deixado o interior do mesmo. O veículo é um modelo recente, pode ser notado pela aparência moderna, ao qual é um transporte de belo aspecto. Seus vidros escuros estão abaixados pela metade, concedendo a visão do que ou quem está dentro do carro, tendo três pessoas no interior do mesmo, sendo essas o meio a meio, o azulado e por fim a menina cara pálida.

A hormonal assim que chegou perto da porta traseira -onde a outra garota está sentada- do veículo que lá está, levou a  sua mão delicada para a maçaneta da porta cinza, puxou o objeto de metal em sua direção, assim sendo capaz de abrir a mesma para poder confortar-se no bando de couro do automovél de metal; surpreendendo Tsuyu, ao qual estava demasiada concentrada em seu telefone celular para perceber que a castanha aproximava-se.

- Chega um pouco 'pra lá, cara pálida. Se não eu vou sentar no seu colo - pronunciou Uraraka já colocando a sua perna exposta no interior daquele carro, em uma clara ameaça de cumprir o que disse.

Em um passe de mágica o lugar que antes era ocupado pela de cabelos longos, neste momento acha-se completamente disponível. A castanha soltou uma risada de volume baixo, porém audível para a sua companheira de classe. Acomodou-se, pousando as suas mãos morenas, ao quais carregam seus pertences em suas coxas, enquanto que encosta a cabeça coberta de madeixas curtas no encosto do banco que está, direcionando suas orbes agigantadas decoradas tanto por cílios, quanto pela maquiagem que aplicou em si mesma para a porta principal que abandonou. 

Em uma questão de segundos é capaz de ver como o filho da dona do local saia do mesmo em disparada, sem -claro- esquecer de trancar a porta da casa de dois andares. O cabeça de brócolis fez seu caminho até aonde a outra localiza-se.  A menina sem perder tempo liberou mais espaço para o novo passageiro que aproxima-se do veículo e observou como o mesmo entra e ocupa o local liberado. E os três puderam ouvir como Todoroki deu partida no carro, assim começando o caminho para o seu destino.

- Eu não sabia que você tinha uma carteira de motorista ou um carro, Todoroki-kun - Izuku pegou o cinto  de segurança que está ao seu lado, para logo em seguida puxar o mesmo para assim prende-lhe no banco de couro, ato repetida pelos demais.

 - Faz um tempo que tirei a carteira. E o carro eu roubei do meu pai - respondeu o falso beta, enquanto que torcia o volante para assim virar a esquina para seguir o caminho que seu GPS está anunciando - Uraraka, você me passou o endereço certo, né? Só 'pra ter certeza 'pra não chegarmos atrasados.

- Sim, é aquele mesmo que eu te enviei no whatsApp - encostou novamente a sua cabeça de tamanho mediano novamente no encosto do banco.

- Ah, é mesmo, esqueci de perguntar. 'Pra onde a gente 'tá indo, Uraraka-san?

- Você ainda não falou 'pra ele, Uraraka? - pela primeira vez, Iida soltou alguma oração dês que o trio de companheiros entrou no interior do automovél. 

- A bichinha esqueceu de avisar 'pra ele - dessa vez foi Asui que ainda está com seus olhos grudados na tela de seu aparelho celular. Ochako sorriu sem graça, enquanto que uma de suas mão percorreu para a parte traseira de seu pescoço, ao qual coçou levemente. Enquanto que o 'Deku' ainda está confuso em relação ao local destinado.

- Então, Izuku-kun - o citado rapidamente levou seus globos oculares para o rosto da menina de corpo ampulheta - a gente tá indo 'pra uma festa - o garoto em um piscar de olhos abandonou a sua faceta de confusão, liberando para a de completa surpresa estampar em sua cara.

- Uma o'que?!


Notas Finais


Oiiiiiie, tudo bem com vcs? Espero que esteja :)

Seis meses, meio ano, meu novo recorde. Qual será o próximo? Eu n sei :3

Enfim, como vcs já estão cansados com as minhas desculpas, eu n vou tentar me justificar dessa vez, pq eu sei que eu tô mais errada que nunca, então Nheeeee...

Porém, entretanto, todavia, eu peço desculpas pelo atraso novamente. E pra não ser só mais uma desculpas bestas, eu vim dar uma noticia meio boa pra vcs, eu já tenho algumas partes de dois capítulos adiantados, ehhhhhhhhhh :D

Mais uma vez tentarei postar eles em menos tempo, mas n confiem muito em mim ._. 

Ah, se esse capitulo do meio pro final n estiver tão bom assim, foi que eu realmente tava sem criatividade, sim, DE NOVO, ela me odeia ;u;

Outra, eu quero dizer muito obrigada mesmo pelos 140 favoritos na fanfic, aiiiiiinnnnnn, eu fico realmente alegre vendo o tanto de comentários e principalmente de ler eles ^^. Eu tô muuuuuuuuuito feliz com o crescimento da mesma, realmente tô tentando melhorar como autora que eu sou, mas pela a demora parece que eu só tô regredindo como a autora de merda que eu sou :')

Enfim, espero que tenham gostado, se gostaram não se esqueçam de votar e comentar.

Eu agradeço por ter lido até aqui ^-^.

E

Até a próxima

De: Só eu mesmo :p.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...