1. Spirit Fanfics >
  2. Além de Etheria >
  3. Convites pro Baile

História Além de Etheria - Capítulo 1


Escrita por: IceAngelSimon

Capítulo 1 - Convites pro Baile


A Horda havia sido vencida, finalmente. Uma grande festa estava sendo organizada em Lua Clara em comemoração à vitória e em homenagem às princesas que lutaram pela Rebelião.

No castelo, Felina estava sentada em um canto da sala, isolada. Havia declarado seus sentimentos por Adora, mas e agora? Tinha o perdão de Entrapta, e aparentemente, Cintilante e Arqueiro já não guardavam a raiva de antes, mas quanto as outras ainda havia muito o que consertar e nem sabia por onde começar. Olhava para Scorpia que interagia com as outras, o sorriso que esbanjava, e se sentia cada vez mais culpada pela forma como a afastou.

— Algum problema? — Adora surgiu, lhe dando um pequeno susto

— Nenhum. — ela virou a cara — Não estou acostumada a ficar cercada de princesas, só isso.

— Estamos todas do mesmo lado agora. — a loira sorria, segurou sua mão — ninguém a conhece como eu, é só uma questão de tempo...

— Sai dessa, Adora. Você eu até entendo, já que crescemos juntas, mas elas não têm nenhum motivo pra me perdoar, muito menos pra gostar de mim...

— E a Scorpia?

Felina levantou as orelhas, arregalou os olhos, mas logo fechou a cara:

— Ela tem que ser muito burra pra me perdoar...

— Mas ela te abraçou, não foi?

— Porque ela é assim, abraça até aquele robô idiota que chamam de Emily. Ela gosta de abraçar e eu... — baixou a cabeça — eu não mereço. Não depois de tudo...

Adora estava preocupada, mas não podia ficar de braços cruzados.

— Vem comigo. — a puxou

— Pra onde? Por quê?

— Falar com as princesas.

— Você tá ficando doida? — puxou o braço pra si — Já falei que não!

— A Entrapta te perdoou, acha mesmo que a Scorpia não vai?

— Você não tá entendendo! Eu não posso simplesmente pedir desculpas!

— E por que não? Não venha ser orgulhosa agora!

— Não é nada disso! — ela botou as mãos na cabeça — Eu não posso porque... Porque ela vai me perdoar, eu sei que vai...

— E isso não é bom?

— É terrível! Ela tinha razão, eu não sou uma boa amiga! Nunca vou ser!

— Felina...

— Me deixa em paz!

Ela saiu correndo, entraria no primeiro quarto que achasse naquele castelo, se jogou em uma cama e enfiou a cara nos travesseiros. Sabia que não se encaixava naquele lugar, agora que a Horda se foi, não sabia mais o que fazer da vida. Ouviu alguém bater na porta:

— Vai embora, Adora!

Ela se abriu devagar, empurrada por enormes garras vermelhas:

— Não é a Adora. Eu vi você sair correndo do salão, tá tudo bem?

Felina não queria olhar pra ela, não tinha coragem:

— Eu não te entendo...

— Ah, eu sei que é estranho estar aqui com as princesas, — riu Scorpia — mas até que elas são acolhedoras. Aquela Perfuma, principalmente, ela...

— Não é isso! — Felina a cortou, então se sentou direito — Por que veio atrás de mim? Qual é o seu problema?

— Hã... Eu não sei como responder exatamente... — ela batia as garras uma contra a outra, um pouco tímida — Eu me importo com você e queria saber se está bem...

— Mas por quê? — ela levantou a voz — Eu gritei com você! Disse que era inútil! Você me abandonou porque eu mereci! Então o que faz aqui? Por que ainda se importa?

Scorpia esboçou um sorriso, se aproximou devagar e sentou ao lado dela:

— Eu ainda te considero minha amiga, minha gata selvagem. Eu sei que o que você fez não foi legal... — coçava a cabeça — Mas tenho mais lembranças boas do que ruins, como quando dominados a Terra Vermelha.. e tudo que conquistamos desde que a Entrapta começou a trabalhar com a gente...

— Entrapta... — Felina baixou a cabeça, cerrou os punhos

— Eu admito que fiquei magoada sim, mas não tenho nenhum rancor de você. Sei que estava sob muita pressão, trabalho difícil...

— Você realmente me perdoou tão fácil assim?

— Sim. — ela sorriu — Eu sempre soube que havia luz em você.

— Scorpia... — sentia os olhos marejados — Você tem um coração muito bom...

— Talvez nem tanto, já que fiquei com um pouco de ciúmes da sua amiga Adora, — disse se levantando, falava um pouco rápido — Mas isso não importa, afinal, agora você está bem, não faz diferença qual amiga pôde te ajudar mais.

— Espera... — Felina tinha o olhar confuso — Você tem ciúmes da Adora?

— Tenho, digo, tinha! Mas ciúmes de amizade, em como você sempre ligou tanto pra ela e como ela sabe até seu número favorito e eu não...

— Como é?

— Nada, nada! — Scorpia estava agitada, mexia as garras enquanto falava — Eu só estou feliz por te ver bem e por... Bom... Por ainda sermos amigas. Somos amigas, não é?

Felina esboçou um sorriso, era difícil não ficar feliz na presença dela. Se levantou da cama, abriu os braços:

— Somos sim, se você ainda quiser...

Scorpia sorria de orelha a orelha, deu um abraço na gata, a erguendo do chão.

Felina se sentia um pouco melhor consigo mesma, se arrependia de verdade pela forma como a tratou antes, mas sabia que com as outras princesas não seria tão simples.

***

Enquanto isso, Entrapta estava em seu laboratório na companhia de Hordak e Hordak Errado, lhes contava suas descobertas e suas ideias desde que foi para a Ilha das Feras.

— Eu até pilotei uma nave dos Primeiros que chamei de Darla! Hordak Errado tava lá, viu tudo! Conta pra ele, Hordak Errado!

O clone sorria e concordava. O verdadeiro Hordak o encarava um pouco desconfiado, sem o Mestre da Horda para controlá-los, talvez pudesse libertar seus outros irmãos clones. A empolgação da princesa o deixava feliz, como se ainda fosse parte de algo maior.

Se mantinham isolados em seu laboratório, não tinha encontrado uma forma de contar às outras que estava com Hordak sem que quisessem começar uma guerra, e por mais difícil que fosse, manteria segredo por um tempo.

Teclava em seu computador utilizando seus longos cabelos, foi quando captou algum tipo de sinal estranho que logo desapareceu.

— O que foi isso? — teclava mais rápido

— Algum problema? — Hordak perguntou

— Meu sistema captou um tipo de sinal, mas a localização era totalmente desconhecida, quase como se... Preciso checar isso!

Se movimentava rápido pelo lugar, olhava várias telas ao mesmo tempo, concentrada.

— Aconteceu alguma coisa? — perguntou Hordak

— Se lembra quando tentou abrir um portal pra mandar um sinal? Tem alguém tentando fazer o mesmo, só que... Do outro lado!

Ele arregalou os olhos, encarava as telas junto com ela. Estava certa, um sinal havia sido emitido de outra dimensão, mesmo que por um instante.

— Eu preciso analisar esses dados! — ela estava empolgada — Alguma forma de vida tentando se comunicar! Isso é tão legal!

Voltaram a trabalhar nisso quando o comunicador dela tocou. O pegou com seus cabelos:

— Oi! Tudo bem?

— Entrapta! — era Arqueiro quem ligava — As princesas estão fazendo um evento pela nossa vitória. Você não vem?

— Eu estou muito ocupada! Acabei de captar umas ondas e preciso rastrear sua origem!

— Mas só vencemos por sua causa! Precisa estar aqui!

— Olha, eu agradeço, mas não sou boa com interações sociais, e além do mais, eu tenho... companhia.

— É o Hordak Errado? Ele também nos ajudou, as meninas não vão se importar se quiser trazê-lo!

— Bem, não é só ele... — ela olhava pra trás, depois de volta ao comunicador — Eu não consigo manter segredo. O verdadeiro Hordak também está aqui.

— O quê? — Arqueiro deu um pulo — Você tá falando sério?

— Ele não quer mais escravizar Etheria e eu precisava de um ajudante, ele... — ela baixou a cabeça — ele sempre foi bom comigo...

— Mas ele é o Hordak!

— A Felina teve outra chance, e ao meu ver ela fez coisas bem ruins...

Arqueiro levou a mão à testa, incrédulo. Respirou fundo, conseguia até entender o lado dela, afinal, quando se tratava de amizade era um especialista.

— Escuta, se ele se comportar, pode trazê-lo com você. Eu vou conversar com a Rainha Cintilante a respeito. — esboçou um sorriso — Nós até vamos fazer comidas pequenas pra festa, você vai gostar.

— Mas eu estou no meio de uma pesquisa!

— Tira um dia de folga, suas coisas ainda vão estar aí quando retornar.

— Ainda vão estar aqui... — ela disse, pensativa — Isso é genial! Obrigada, Arqueiro! Nos vemos na festa!

Ela desligou, virou-se para seus colegas:

— Nós vamos ter um pouco de interação social! — batia palmas

— Isso me parece magnífico! — Hordak Errado sorriu — E como funciona?

— Nós vamos para Lua Clara, onde as princesas estão, vamos tentar manter uma conversa que seja agradável e nem um pouco estranha, e enquanto isso — pegou uma antena com seu cabelo — podemos tentar rastrear o sinal! Segundo os dados, é mais forte naquela direção!

— Você quer se juntar às Princesas? — Hordak perguntou, um tanto zangado

— Me deram permissão pra virem comigo! Vamos só tentar aproveitar a festa enquanto estudamos. Eu acho que o Arqueiro está certo, o sinal ainda está aqui, só precisamos encontrar! E por que não fazer isso enquanto estamos em um evento extravagante?

Ele pareceu pensativo, enquanto o outro clone estava super animado, Hordak sentia que não seria bem vindo, mas se podiam captar o tal sinal, não seria total perda de tempo.

— Então acho que vamos nesse evento.

— Perfeito! — ela sorriu — Eu só preciso trocar de roupa!

— O que há de errado com as suas? — ele perguntou

— Bom, nada, mas o que eu estudei a respeito desse tipo de evento é que as pessoas tem trajes adequados para poderem se misturar com os outros. Acho que vocês poderiam tentar também.

— Vamos nos misturar? — Hordak Errado sorria — Vai ser magnífico! Como na época em que me misturava com meus outros irmãos e ninguém sabia quem eu era!

— Hã... Acho que sim. — riu Entrapta — Então todos vão se arrumar para o baile! Vai ser legal!

Hordak não estava muito certo sobre isso, mas confiava nela.

***

Enquanto isso, Arqueiro andava de um lado para o outro, buscando as palavras certas para contar ao Rei Micah e à Rainha Cintilante que havia convidado Hordak, antigo comandante da Horda, para a festa de comemoração das Princesas.

— Onde eu tava com a cabeça? — dizia, frustrado

— Algum problema? — Adora apareceu no corredor

— Que bom que veio, preciso de um conselho!

— Não sei se sou a mais indicada, mas pode falar.

— Eu convidei a Entrapta pra festa...

— E ela não vem?

— Vem, na verdade pareceu animada com a ideia...

— Então o que te aflige?

— Ela vai trazer o Hordak pra cá!

— O Hordak Errado?

— Os dois! O Errado e o de sempre! Aquele que estava sempre nos atacando e tentou nos matar!

— Isso não pode ser sério!

— Eu não pude dizer que não, pois se já aceitamos a Scorpia e a Felina, precisamos ser bons amigos e aceitar o Hordak também, não é?

— Arqueiro!

— A Entrapta é inteligente, mesmo com um jeito meio inocente, ela sabe quem ele é e o que fez, na verdade, ela o ajudou a nos atacar... Mas também é por causa dela que as pessoas chipadas foram salvas! Ela merece estar aqui tanto quanto qualquer um de nós!

— Eu concordo, a Entrapta é nossa amiga, já a deixamos pra trás uma vez, não podemos fazer isso de novo, mas o Hordak? E se ele se encontrar com a Felina? E se começarem a brigar no meio da festa?

— Eu preciso contar pra Cintilante, mas acho que ela também não vai gostar...

— Bom, ela estava na nave, viu o que aconteceu com ele, quem sabe tenha mudado...

— Acha mesmo isso?

— Ou a gente pode ficar vigiando eles o tempo todo na festa. A Cintilante precisa saber?

— Adora!

— Tá bem, tá bem. Vamos contar pra ela. Devemos isso à Entrapta. Se ela fez novos amiguinhos, precisamos confiar nela.

Arqueiro assentiu, então entraram na sala do trono. Cintilante estava com seu pai, mostrava a ele o quanto o reino mudou desde que ele partiu, mas ainda evitavam falar da rainha Ângela. Viraram-se quando ouviram a porta abrir, a garota esboçou um sorriso:

— Arqueiro! Adora! Que bom que vieram!

— A gente precisava falar com você... — o rapaz disse um pouco sem graça

— Depois, agora estou mostrando Lua Clara pro meu pai! Esse baile precisa ser perfeito, é a consolidação da nossa aliança com os outros reinos, finalmente estamos em paz e nada pode estragar isso!

— Cintilante... — Adora começou

— Ah, não se preocupe. — ela interrompeu — Felina vai ser bem vinda, afinal, salvou a minha vida e... Bom, a ajuda dela foi essencial.

— Mas Cintilante... — Arqueiro tentou

— Eu preciso ver se está tudo dentro do planejado! Gélida vai fazer umas estátuas de gelo com a ajuda de Serena, Perfuma está arrumando as flores com Scorpia, está todo mundo animado! — Ela rodava pela sala, alegre. Se virou para eles — Conseguiram falar com a Entrapta?

Eles se entreolharam. O rapaz coçava a cabeça:

— Sim, e ela vai vir, mas...

— Então todas estarão aqui. — suspirou

— Como nos velhos tempos. — disse o Rei Micah — Todos os reinos unidos. Estou orgulhoso de você, minha filha. Sua mãe também estaria.

Cintilante arregalou os olhos, queria muito que ela estivesse ali, que soubesse de sua vitória. Respirou fundo:

— Eu vou dar uma volta. Vocês vêm comigo?

Eles assentiram, não sabiam mesmo como entrar no assunto. Ela estava muito ocupada com o evento, acharam melhor contar depois. Pra dar uma animada, a ajudavam a escolher um vestido adequado. Arqueiro seria seu par dessa vez, diferente do Baile anterior. Adora convidou Felina pra ir com ela, já que Scorpia estaria com Perfuma. Ela acabou aceitando, mas tinha um mal pressentimento sobre isso, Melog também podia sentir.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...