História Além do Alcance - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags 300 Pistolas, Álvaro Morte, Itziar Ituño, Paixão, Romance
Visualizações 172
Palavras 1.298
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Famí­lia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Quero dizer que estou feliz por demais com os comentários de incentivos de vocês. E mais feliz ainda com as mensagens chegando no meu privado. Eu espero corresponder as espectativas de vocês. Então não desistam da fic, os primeiros capítulos serão bem detalhados para que possam realmente entender meu propósito, mais ficarão mais específicos após o décimo capítulo. Tô amando vocês de paixão. Boa leitura!

Capítulo 4 - Novo Rumo


Fanfic / Fanfiction Além do Alcance - Capítulo 4 - Novo Rumo

BASAURI

ITZIAR

Sonia já me esperava do lado de fora do aeroporto e pela cara de alegria com certeza ela já sabia da novidade. Veio me cumprimentar já me parabenizando. Me deu um abraço super apertado e segurando em meus ombros disse – eu tinha certeza que esse papel seria teu - Em minha consciência eu tinha certeza que nem em mil anos eu teria como agradecer tudo que ela estava fazendo por mim.Entramos no carro e eu fui contando a ela passo a passo do teste. Dei o meu parecer sobre Esteban – que agora era nosso amigo incomum – disse-lhes como eu tinha sido tão bem recebida por ele e o quanto ele tinha me ajudado. Chegamos na minha casa, agradeci a carona a ela com um beijo no rosto e desci do carro pegando minhas malas.

Ainda era madrugada, meu corpo ansiava por descanso mais a minha mente trabalhava sem parar, pensando em todas as providências que eu teria que tomar assim que o dia amanhecesse. Comunicar minha família, despedir-se dos amigos, escolher o que levaria, encontrar um lugar para morar - afinal eu não poderia ficar para sempre hospedada em um hotel – lembrei-me que Esteban tinha se oferecido para me ajudar com a mudança.  Esperei o dia amanhecer e lhe mandei uma mensagem perguntando se ele conhecia alguém ou algum escritório imobiliário que pudesse me alugar um local para ficar.

Ele me passou o número de um escritório e me disse que podia confiar, eles tinham excelentes apartamentos e tudo era documentado a base de contrato, então eu não precisaria me preocupar em ser colocada para fora a qualquer momento. Eu queria logo resolver isso, só tinha mais 24h para terminar de organizar minhas coisas e então partir. De vez. Peguei meu celular e disquei o número. Do outro lado da linha uma voz feminina e delicada atendia a ligação. Me explicou como funcionava a locação dos imóveis e então marcamos de nos encontrar assim que eu chegasse em Madrid. Ela me esperaria no apartamento onde provavelmente eu iria morar. Conversamos alguns minutos pelo telefone e acho que ela gostou de mim, pois me disse que de pronto eu já poderia me instalar no Apê. Me passou o endereço do local e o seu número de telefone para se caso eu tivesse algum imprevisto avisasse que não poderia ir. Me passou algumas fotos por e-mail. O lugar não era muito grande, mas me pareceu bem aconchegante. Estava aliviada de já ter resolvido – mesmo que em parte- essa situação da moradia.

Comecei a organizar minhas malas, tentando escolher o que era mais útil para mim naquele momento. Estava tentando ser cautelosa, mas eu estava indo embora definitivamente, então não tinha como levar pouca coisa. Malas prontas e agora era vez de me despedir dos meus amigos e de meus pais. A companhia de teatro do qual eu fazia parte aqui na cidade organizou uma festinha de despedida para mim, lá estavam meus amigos mais próximos. Atores e atrizes que dividiam palco comigo, meus colegas da banda – exceto Roberto, eu sabia que ele não apareceria por lá – e papai e mamãe. Foi um momento lindo, fizeram uma homenagem para mim e no final eu cantei uma última música com meus amigos com o qual eu tinha dividido experiências únicas.

Fui abraçada por todos que estavam ali e no final de tudo eles me cobriram com desejos de boa sorte e felicidade. A hora da partida se aproximava, eu estava em casa com Sonia e meus pais esperando o carro que me levaria para Madrid – eu não poderia levar todas aquelas malas no avião, teria que pagar uma fortuna pelo excesso de bagagem – quando tive uma surpresa que confesso, não esperava.. Roberto me esperava do lado de fora de minha casa para uma tentativa de reconciliação. Trazia flores. O que ele queria com aquilo? Será que não entende que quanto mais se mexe numa ferida, mais tempo ela demora para cicatrizar.

 

- Então é isso? Você vai embora mesmo?

- A gente não precisa ter essa conversa. Já não devemos mais explicações ou satisfações um ao outro.

- Você está cometendo uma loucura e sabe disso.

- O que eu sei é que já perdi tempo demais vivendo uma história que não era minha.

- Quer dizer que foi tudo uma mentira? Que tudo que houve entre a gente, a banda e tudo que passamos juntos foi a porra de uma mentira?

- Não. Não foi uma mentira. Eu te amei e me dediquei a banda. Nós tivemos bons momentos. Só não é o suficiente para prosseguir. Eu sou extremamente grata por tudo que fizestes por mim. Mais só gratidão não alimenta um relacionamento Roberto.

- Ok. Como você quiser. Só quero que saiba que se dessa vez não der certo eu não estarei aqui te esperando.

- Eu também desejo que você seja feliz – disse em tom de sarcasmo, tendo em vista que ele estava tentando me atingir negativamente de alguma maneira.

 

O carro chegou e o motorista junto com meu pai colocaram as malas para dentro. Dei um abraço apertado na minha mãe e em Sonia. Me virei e encarei meu pai que estava com os olhos marejados, não me contive e chorei ao abraça-lo. Nós tínhamos um relacionamento muito bom, éramos próximos e nunca passamos tanto tempo separados. Ao me desprender dos braços de meu pai entrei no carro e me acomodei no banco do passageiro – sorri quando olhei o banco de trás do carro cheio de malas – o motorista deu partida e ao olhar pelo retrovisor vi os acenos de adeus.

Seriam seis horas e meia até chegar em meu destino e eu queria conseguir relaxar. Mais meus pensamentos estavam a mil. Aconteceu tudo muito rápido. E eu estava de certa forma dando um chute no escuro. Tentei me conter, mais foi em vão. Eu já estava ficando nervosa só de imaginar a minha chegada a cidade e como seria recepcionada na companhia. Sabia que podia contar com Esteban. Mais e os outros? E o diretor? Como todos me receberiam? Espantei todas essas perguntas que me amedrontavam e quando vi que o carro já tinha entrado na cidade tratei de ligar para Esther – a corretora de imóveis - para lhe avisar que já estava chegando e perguntar se nosso encontro ainda estava de pé. Ela me disse que já estava no local a me esperar. Dei o papel com endereço ao motorista, ele me confirmou que sabia onde era e me levou direto para lá. Ao chegarmos, desci do carro e senti como se minha coluna tivesse dado um nó. Meu corpo estava dolorido e eu pensava como conseguiria subir até o apartamento com toda aquela tralha. Eu moraria no quarto andar e para meu desespero o elevador do prédio estava em manutenção. Ouvi uma voz vindo de traz de mim e quando me virei para ver quem era me deparei com um jovem de estatura mediana, porte magro e uma cara bem engraçada. Ele foi se apresentando e em seguida me dizendo que trabalhava na portaria – ofereceu ajuda para subir as malas e eu dei uma gargalhada involuntariamente imaginando como aquele magrelo chegaria até o quarto andar carregando tanta coisa – meu nome é Heitor, muito prazer, soltou as palavras em meio a um sorriso. Retribui com outro sorriso e me apresentei. Sou Itziar, o prazer é meu. Tem certeza que vamos conseguir chegar até lá em cima arrastando tudo isso? Perguntei um tanto apreensiva. A senhora não precisa se preocupar, o serviço no elevador está perto de acabar, então sugiro que suba e quando estiver pronto eu cuido para que suas malas cheguem até lá em perfeitas condições. Fiquei grata com a gentileza dele. O agradeci e subi até o apartamento para então encontrar Esther.

 

 

 

 

 


Notas Finais


Não me queiram mal, prometo que o encontro estará no próximo capítulo e como vocês são uns amorzinhos eu postarei amanhã. Chega de ansiedade.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...