História Alemanha ou Brasil? - Capítulo 5


Escrita por:

Visualizações 44
Palavras 1.792
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Fantasia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa Leitura !!

Capítulo 5 - Festas e confusões


Fanfic / Fanfiction Alemanha ou Brasil? - Capítulo 5 - Festas e confusões

Capítulo  4 -  Festas e confusões

Finalmente chegou dezembro, mês do meu aniversário, sim eu nasci em pleno o inverno alemão, adorava dezembro a decoração de natal sempre me alegrava e mostrava o lado bom das coisas que as pessoas acima de tudo se amam independente da cor, da religião e dos países que viviam. Era uma época contagiante todos saem as ruas para comprar seus presentes de natal. Este ano íamos passar o natal no tio Tobias ele era super parecido com meu pai, e nos dava bem, ele tinha dois filhos o Paul e o Richard, um era da idade do Karl e outro tem 8 anos. Meus avós são super de boa, apesar de que eu acho que minha vó não gosta de mim.

Por que minha avó na gosta de mim? Porque ela sonhou com uma neta quieta e super feminina e eu não sou nada disso. Eu penso que minha avó pensa ainda me ter uma neta dos sonhos. A tia Angel adotou uma criança, a Trice, uma garota muito especial, principalmente para o tio Tobias, ela era filha dele e tinham mais ou menos a minha idade, eu e o Daniel sabíamos dessa história devido ao fato de meu pai ter usado a gente como uma ponte entre a garota e meu tio. Todos tinham dó dela, menos eu, eu brigava com ela, discutíamos e muito mais.

Os outros parentes começaram a chegar...

Eu precisava encontrar Nick e Peter, pelo menos um eu tinha que ver antes do meu aniversário, chamei meu irmão e contei sobre o plano,precisava da aprovação dele.Expliquei, argumentei fiz de tudo mas Daniel não se convenceu de que era um bom plano.Mesmo assim eu dei continuidade e consegui encontrar Nick .Antes que eu pudesse falar algo ele já me beijou ardentemente.

Conversamos tanto que nem pude ver o tempo passar, o apartamento de Nick era fabuloso tinha uma decoração super moderna,nem parecia que dois homens moravam ali. Eu adorava aquele lugar, era praticamente minha segunda casa, ali eu vivi grandes aventuras, a Tv estava ligada e passava um filme, mas não dei muita importância,o colo do Nick era o local mais aconchegante para mim no momento...

-Aonde você vai passar o Natal? – perguntei

- Não sei, não gosto muito do Natal, pois é para quem tem família e eu não tenho uma família.- respondeu

Eu tinha magoado o Nick, eu sabia que ele não gostava muito de Natal, porem pensei que ele já tinha melhorado.

- Ahh, não fala assim, eu sempre vou estar aqui com você , o Peter também . falei no intuito de melhorar minha fala anterior

Ele me abraçou mais forte e disse:

-A Sara você é louca ninguém que eu conheço é capaz de fazer um terço das coisas que você faz.

Rimos e fomos assistir o filme.

 

- Meu Deus! Já são 19:00 da noite – exclamei

-E? -Disse Nick

- Meu pai me mata, minha mãe me pica e o Daniel me cozinha. Eu estou aqui desde as 14;00 horas . Respondi me dirigindo até a porta

- Posso te acompanhar? – disse Nicky  gentilmente

-Já estou encrencada mesmo, vamos – respondi

- As suas ordens – me abraçando

O apartamento dele ficava uns 20 minutos de carro da minha casa a pé ficavam quase 45 minutos, mas pouco me importava, pois sabia que já teria que ouvir uma bronca daquelas. Estava quase na porta de casa quando Nick avistou em um banquinha minúscula algo e saiu correndo até lá, em questão de minutos ele voltou com uma linda pulseira de coração, era muito delicada e bonita, eu abri um sorriso e abracei ele Com todo o amor do mundo.

Apesar de estar quase morta de preocupação, aquele gesto me fez enxergar que nem tudo é ruim, que o mundo é bom basta aproveitar as chances que você tem.

Bati na porta, já estava escuro lá fora e muito frio mesmo estando abraçada com Nick  ainda sentia frio. A D. Joana que abriu a porta e logo gritou:

- Ela está aqui!

-Graças a Deus- disse minha avó

Deu para perceber que o Nick ficou meio surpreso com toda aquela história, contudo permaneceu do meu lado o tempo todo. Meus avós paternos estavam lá em casa juntamente com a família do Tio Tobias; Meu pai ao ver Nick foi logo cumprimentando ele e me olhando com a cara mais safada do mundo não consegui segurar e cai na gargalhada. Minha mãe me abraçou e disse:

-Só podia ser filha do Thomas, para ser tão doida assim...

Eu retribui o abraço e :

-Eu te amo- sussurrei em seu ouvido

Daniel apenas disse:

-Nunca mais desconfio de você. Sabe as vezes desconfio se somos mesmo irmãos

Todos caíram na risada.

Eu sabia que estava encrencada, contudo as visitas tinham me salvado, meus pais não ia me dar bronca na frente de todo mundo, não por ser humilhação para mim, para eles também já que minhas travessuras era um pouco incondicional para uma garota de 15 anos... Era muita rebeldia para uma família tão tradicional.

Fui para meu quarto, tomei banho e me agasalhei, meu pai já me esperava no quarto o Daniel juntamente com o Nick. Mal entrei e ele foi logo dizendo:

-ok, a Sara estava de castigo, fugiu para encontra Nick. Vocês estão namorando? – perguntou meu pai

Lembrei que ele não sabia de nada, da final da copa do mundo, da Orkotoberfest, da escola ...

-Então, temos um caso, mas nada oficial,  entendeu? Conclui

- Fui eu que chamei a Sara, eu estava sozinho, meu pai foi para Londres com sua nova namorada, queria companhia. Desculpe não sabia que ela estava de castigo. E você também não falou nada? – afirmou Nick

 

- E que eu gosto de aventuras perigosas – acrescentei

Meu pai ficou surpreso e  querendo conseguir resolver aquela situação de maneira bem eficiente.

- Dá próxima vez você conversa comigo... não confia muito nessa doida não- disse rindo

-Sim, senhor. Eu já vou indo – respondeu Nick

- Fique para o jantar – afirmou meu pai

Ele olhou para mim em busca de uma aprovação ou uma negação eu apenas disse:

-Por favor

-Tudo bem, eu fico – respondeu.

No jantar minha avó ficou fazendo inúmeras perguntas para mim e Nicky, meu pai caia na gargalhada com os absurdos que minha avó falava; minhas primas também entraram na brincadeira e me senti em um tribunal. Daniel que sabia da história com Peter, ria dos absurdos que eu falava:

-O Nicky é único na minha vida, à gente se entende muito bem – afirmei

Eu gostava muito de Nicky, ele era bonito, educado, inteligente... Um verdadeiro galã, porém era quieto demais para minha vida agitada.... Às vezes por ser muito novo ou sei lá... Peter era mais aventureiro, mais corajoso e não se importava com amanhã apenas vivia e eu também era assim.

Após o jantar meu pai veio conversar comigo, só que antes minha avó gritou bem alto no corredor que eu precisava de castigo, de que eu era muito mimada e ia ser um adulto inútil. Ainda bem que meu pai não escutava sua mãe. Ele foi entrando, sentou ao lado da cama, segurando minhas mãos e disse;

- Eu sei que essa história é mentira, sei que a ideia foi sua sei também que isso começou desde a final da copa, sei da historia da Oktoberfest  enfim eu sei de tudo. E acho que você precisa decidir Peter ou Nick? È muito ruim brincar com os sentimentos das pessoas... Eu vou deixar passar, em vista que o Nick realmente está sozinho e também essa casa andava tão calma com você de castigo.

Abri um sorriso e disse:

- Realmente você é o melhor pai do mundo! Nada de castigo então?

- Não foi por uma boa ação, e quer saber acabou esse castigo! – disse meu pai

Eu o abracei e agradeci não pude deixar de comentar sobre as palavras da minha avó, mas meu pai falou que era para eu relaxar e não dar atenção para as coisas que ela falava.

Enquanto isso no quarto da minha mãe:

-Thomas, será que ela vai criar juízo um dia?

-Vai, é a idade... Eu tenho medo é desse envolvimento com duas pessoas... Isso não acaba bem

-Ela me falou que o Peter sabe do Nicky e não se importa.

-É... Mas eu penso no futuro, ela vai ter que falar não...

-Vamos esperar o fim do ano e pensamos em uma solução

 

 

No dia seguinte varias primas chegaram, eu nunca tive boas relações com elas, primeiro porque elas tinham inveja de mim, segundo porque elas nunca gostava das minha brincadeiras, porem agora nós crescemos e as coisas poderiam ter mudado.

Além das minhas primas, os parentes pelo lado da minha mãe também chegaram é iriam ficar na minha casa. Minha avó materna era muito legal, cozinhava  bem, meu avô implicava muito comigo e sempre comparava com meu pai, na verdade a relação entre ele e meu pai nunca foi a melhor... D.Lena sempre me comparava com a minha prima Sophie... Claro que era um exemplo de mulher e tinha a mesma idade que eu, o mais legal era o Fred seu irmão ele tinha 12 anos e era muito gente boa, e por ultimo vinha a Estteffany  tinha 7 anos e era muito chata igual a irmã. Eles eram filhos da minha tia Julie

Mas não mudou, minhas primas  continuavam  as mesma insuportáveis de sempre, ainda bem que meu pai deixou que eu convidasse o Nick para a ceia de natal. Ele chegou dia 24 cedinho e fomos todos para  a casa de campo do Tio Tobias . As primas ficaram babando no Nick e eu até que gostei um pouco .... Foi um dos melhores natal dos últimos anos, porquê até o Karl foi e ele levou a namorada e para minha sorte a querida era brasileira e se chamava Vanessa era até bonitinha mas muito ciumenta.

Sophie também levou seu namorado era um empresário e todos adoraram o casal, eu e Daniel começamos a rir e pensamos gente se vocês não gostaram do Nick, ano que vem eu trago outro o que eu  mais tenho  é rolo.

Trocamos presente e fomos aproveitar o Natal.

Ganhei um par de botas de Karl, um perfume dos meus avôs maternos, uma cesta de chocolate dos meus pais,um par de sandálias dos meus avôs paternos e Daniel me deu o melhor de todos os presentes 5 óculos de sol.Minha mãe tinha comprados os presentes para meus avôs e meus tios, comprei o de Karl que foi uma miniatura de um carrinho que ele estava querendo a muito tempo e para Daniel dei uma maquina fotográfica que ele tanto queria.Meus tios também me presentearam 


Notas Finais


Comentários são sempre bem vindos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...