História Alfa sim, ativo? Nem tanto! - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Abo, Jeongguk Alfa, Jeongguk!bottom, Jikook, Jimin, Jimin Fofo, Jimin Ômega, Jiminativo, Jungkook Dando A Bundinha, Jungkook Manhosos, Kookmin, Quebrando Estereótipos
Visualizações 283
Palavras 4.773
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha só o que eu trouxe pra vocês!!!

Gente, eu tô amando muito essa pitica! Ela é o meu Bebê, então dão bastante amor pra ela, tá bom? ❤

Um beijo na bunda linda de vocês! ❤

Capítulo 1 - Sou um Alfa, porém, amo dá a bundinha para o Jiminie!


Fanfic / Fanfiction Alfa sim, ativo? Nem tanto! - Capítulo 1 - Sou um Alfa, porém, amo dá a bundinha para o Jiminie!

🍃

Quandoeu era criança cansava de ouvir pessoas em minha volta me dizer que seria um Alfa. Bem, o que não fora mentira, já que em meus 16 anos tive minha maturidade - cio em outras palavras -, o que foi uma das minhas horriveis lembranças.

Em meu primeiro cio, tinha passado com uma garota da escola em que eu estudava e porra, foi horrivel. Tipo, horrivel mesmo. Claro que a dor tinha ido embora o que me aliviou 'pra caralho. Mas não dizia que tinha gostado.

Sabe, quando você é homem - até mulher mesmo - e está no momento intimo com alguém que, nossa tá horrivel, horroroso e que não está nada bom, mas não quer acabar com a festa do parceiro(a)? Aí você continua naquilo até ter um orgasmo ridículo quê é natural de seu corpo. Expulsar algo que está sendo estimulado? Porra! Isso aconteceu comigo uma várias vezes naquele cio. Só de lembrar da uma vontade tão grande de chorar...

Mas aquele cio desgraçado tinha acabado e aquela garota saiu da minha vida também!

Foi uma maravilha...

Só não tinha esperado que aquela filha da puta tivesse espalhado pra escola toda que eu tinha a jogado fora como um pedaço de lixo.

O problema era que, ela, a garota que tinha feito minha primeira vez ser uma merda, era uma das garotas mais linda e popular daquele instituto.

Poxa, fiquei como um dos galinha que tinha lá! Não gostei nadinha...

Bem, o tempo passou e ainda continuei como o pegador da escola e ainda fiquei sabendo que era ótimo no sexo.

E eu até admito que sou realmente bom - ótimo devo ser sincero - no sexo. Já provei para alguns que tiveram a chance.

Porém eu não me sentia tãooo confortável, sabe? Não, não pense que eu não gostava de um sexo casual com algum ômega, eu gostava. Mas não era como se eu, de fato amasse. Parecia que algo faltasse para mim e para meu alfa interno.

Até eu conhecer ele.

O ômega lúpus que fez meu coração palpitar fortemente.

Eu o conheci em uma cafeteria perto da faculdade onde ele estudava, de um jeito bem tranqüilo.

Lembro até hoje como nos conhecemos. Como foi sentir o cheiro diferente e bom que exalava dele... Jimin tinha - tem - um cheiro tão bom e forte. Uiui, meu corpo esquentou agora.

Mas, voltando. Eu e Jimin nos conhecemos após eu derrubar seu café no chão e esbarrar em si com força.

Não pense que ele fosse me xingar ou se iria ficar envergonhado. Longe disso, Jimin me olhou sério como se comesse ou que estivesse de cara a cara com a minha alma - precisamente com o meu alfa interno. Mas ao contrário que eu imaginei, Jimin, depois da encarada bruta dele, sorriu pequeno antes de dizer o que eu não estava esperando.

- Você deve me pagar um café novo. O que você foi caro!

Ele foi ousado e divertido ao me convidar para pagar outro café para si. O que fez meu corpo reagir ao seu tom de voz que fora calma e leve. Um anjo.

Percebi que Jimin era diferente dos outros Ômegas. Não pela sua casta, mas sim do modo de agir e de ser.

A aura que Jimin emanava era intensa. Todos que não o conhecesse diria que ele era um alfa. Mas felizmente ele só era um ômega lúpus que assustava qualquer um quando queria, sem exceção de ninguém. Até eu me assustava com ele.

Sua aparência fofa não dizia nada consigo. Só era traços que destacava seu lado ômega. Mas não dizia que ele era fofo o tempo todo. Jimin era fofo sim, porém, só demonstra com quem merece. E olha, eu conheci esse lado!

Desde que eu paguei o seu café, continuamos a nos encontrar na cafeteira.

Nos conhecemos e falamos sobre como cada um levava sua vida.

Descobri que - na época - Jimin tinha vinte anos, cursava administração por causa de seu pai e por ser algo que ele gostava.

Soube que Jimin era herdeiro de uma das empresas automobilísticas mais vendindas do mundo. Era - é - algo bem importante para o mesmo. Não só para si mas para o seu pai.

Eu contei sobre mim também. Eu era um estudante do último ano de dezoito anos, queria cursar medicina por causa dos meus pais, mas precisamente minha mãe que era dona de um hospital famoso.

Sabe, eu até admito que eu realmente queria me tornar um grande médico. Cresci em volta de médicos - cirurgiãs -, o mínimo era eu querer se tal coisa também. E bom, foi o que aconteceu.

Mas voltando. Eu e Jimin nos tornamos bastante amigos, bem próximos. Íntimos.

Eu por ser um Alfa, as pessoas em nossa volta diziam que era para eu ser mais "livre" com Jimin. Como eu posso explicar? Como alfa eu deveria tomar mais decisões e atitudes. Tanto como amigos ou amantes.

Porém. Eu era muito tímido, mal conseguia fazer algo com Jimin que não me fizesse corar dos pés a cabeça.

Não era por eu ser considerado um galinha, babaca - algo que eu nunca fui - que eu não era tímido. Já disse eu me envolvi com poucas pessoas, só me consideraram galinha por causa da magrela que eu fiquei no meu primeiro cio.

Jimin era o que mais tomava decisões em nossa relação. Ele com toda certeza era o mais sério e decidido entre nós.

Fora ele que me pediu em namoro - na cafeteira onde nos conhecemos -, e fora ele - depois de três anos de namoro - que me pediu em casamento. Eu fiquei até que triste por não ter sido eu a pedi-lo em casamento. Mas, eu amei do mesmo jeito, só por ser Jimin ali.

No nosso namoro, Pessoas achavam - acham - que quem é o manhoso e dengoso da relação era o Jimin. Bem, Jimin é manhoso e dengoso sim, mas perde feio pra mim. Eu que sou o bebê da relação. Eu que amo um carinho nos cabelos e ser tratado com vários mimos. Mesmo que eu trato Jimin como um bebê também, mas percebi que Jimin era uma pessoa que amava dar carinho e mimos.

Como em todas as relações mais quentes - íntimas - eu e Jimin também tivemos. Mas no momento fora algo bem diferente do que eu pensei que seria.

Sabe, no nosso namoro - antes da nossa primeira vez -, eu nunca tinha visto Jimin sem roupa - pelado, peladão, nú - antes. E também Jimin nunca me viu de tal jeito.

Porém nunca pensei que um ômega lúpus fosse ter algo grande no meio das pernas.

Já tinha ouvido sim, mitos, boatos sobre o tamanho de um lúpus - tanto alfa quanto ômega -, mas eu nunca liguei pra isso. Até ver Jimin pelado. - Bem, Jimin é um Ômega lúpus, sabe né? Ele é um homem, porém não tinha os testículos. Não eu não ligo nem um pouco disso. Jimin é mais homem do que eu e resto dos alfas por aí. -

Me senti quente, quente demais. De um jeito que cheguei a pensar estar com febre. Pior do que nos nossos momentos de pegação quando podia sentir nitidamente o volume grosso e duro de Jimin ser esfregado contra mim. O corpo de Jimin me deixava extremamente quente, como se fosse brasa. E ver Jimin pelado sem roupa alguma piorava toda a minha situação.

Foi quando Jimin me mostrou algo que eu "jamais" podia ter gostado. Ele tinha me dito que não gostava de dar, ser fodido fora de seu cio, e sim de comer, foder alguém. E eu internamente gostei de saber disso.

Foi a minha primeira vez como passivo, e digo que foi uma das minhas melhores transas que pude ter. Na verdade, tudo que vinha de Jimin era - é - a melhor coisa para mim.

E continuou, continua até hoje a nossa relação. Comigo sendo comido, fodido pelo meu ômega de um jeito gostoso que só ele consegue me levar aos céus.

                  {...<◇◇◇>...}

Tinha acabado de chegar do hospital, depois de horas e mais horas de plantão. Ser um cirurgião pediátrico não era nada facil.

Sabe, tinha algumas semanas que eu e Jimin quase não se víamos. Ele trabalhava na empresa herdada pelo seu pai e eu no hospital de minha mãe. O único momento que podíamos sentir um ao outro era na hora de dormir, que conseguimos sentir o calor de ambos.

E iríamos fazer cinco anos de casados em três dias, e aquilo estava me fazendo ficar sensível e morrendo de saudades do meu ômega.

Nesses dias que eu passei tanto tempo no hospital, pareceu esgotar todas as minhas forças, sabe. Estava cansado 'pra porra. E minha mãe como é uma alfa, só faltou me tirar de lá pelos cabelos. Era verdade que eu estava lá sem motivos nenhum, mas as preocupações com os bebês - crianças e adolescentes - que são meus pacientes me deixavam de cabelos em pé. Mesmo que eu tenha que ficar até o amanhecer.

Minha mãe contou para o meu pai, e ele me obrigou a tirar férias. Eu não sei quem me dá mais medo se é minha mãe - alfa - ou meu pai - ômega - ou o meu esposo... Eu tenho medo do Jimin sim. Ele dá medo quando quer!

E eu obedeci. Não de prontidão, mas aceitei quando minha mãe me ameaçou em me demitir do hospital. Aí eu aceitei memso!

Sabe, fazia realmente muito tempo que eu mal saio do hospital. Quando eu saía e vinha pra casa dormir encotrava meu ômega dormindo e eu faltava chorar com isso. Mas eu só deitava e capotava igual um carro que morreu e nunca mais vai voltar. E contava os minutos até sentir Jimin me abraçar como um coala.

E agora podendo custir minha casa e meu marido, me enchia o peito de saudades e ansiedade.

                           •••

Tomei um banho quentinho e bem demorado, se senti uma princesa quando saí do banheiro. Estava cheirosinho e bem limpinho - se é que vocês me entende -, como Jimin ainda não tinha chegado decidi ir para sala e ver Netflix, porque, porra, fazia tempos que eu não via uma série boa.

Fiquei vendo alguns minutinhos até sentir o cheiro cítrico e forte de Jimin ficar mais intenso. Jimin tinha chegado.

Olhei a hora em meu celular e vi que não era muito tarde - 21:04PM - então esperei que Jimin viesse até a mim. O que não demorou nadinha.

Só sentir o corpo do mais velho ser jogado em cima de mim e me apertar fortemente. Parece que não só foi eu a sentir saudades.

- Eu 'tava com tanta saudade de ficar assim, com você... - Ele começou calmo e manhoso. Abracei sua cintura e o apertei em meus braços. - Só não te bato pois quero ficar assim. Coladinho em você até não aguentar mais.

- Eu também estava com saudade, mochi. - Ronronei quando senti seu nariz em meu pescoço me fazendo sentir cosquinhas com a leveza que ele passava ali, me cheirando. - Ji... Eu tô sentinho cosquinhas desse jeito.

- Seu cheiro é tão bom... Amo sentir esse cheirinho de chocolate amargo. Ao contrário de quando te conheci que era um cheiro de leite. Era apenas um bebê... - Resmunguei manhoso; indignado. Então quer dizer que eu tinha um cheiro leitoso?

- Tá dizendo que eu cheirava a leite? - ele concordou, ainda cheirando meu pescoço. Só que acompanhado de sua língua aveludada, me arrepiado no processo.

- Todos já tiveram um cheiro de leite quando adolescente. Principalmente quando criança que o cheiro e mais forte. Amava sentir ele em você, me fazia se sentir errado ao querer tirar sua pureza.. - Seus braços me apertaram com mais vontade, enquanto molhava meu pescoço com sua língua quente.

- Chim... Vamos pro quarto, vamos? - Empurrei os ombros do mais velho para o encarar pidão. Jimin sorriu pequeno e malicioso antes de sentar em meu colo.

- Vamos sim, anjo. Mas eu quero ficar assim, com você, antes de irmos subir para o quarto. - Respondeu calmo. - Ggukkie.. Me beija? - Ele se inclinou sobre mim e acariciou meu lábio inferior. Respirei fundo o puxando para um beijo desesperado. Fazia semanas que não nos beijamos assim, parecia até anos!

Acariciei sua cintura, o sentido apertar suas coxas contra a minha. Estavamos com tanta saudade que ao menos sabia oque poderia acontecer ali, naquela sala.

A língua habilidosa de Jimin, se encontrou com a minha, as entrelaçando. Não sabia dizer quem estava mais desesperado e ansioso. Mas, na minha opinião, os dois estava empatados. Beijar aquela boca era uma delícia, é como se eu estivesse comendo um delicioso morango junto com a calda da mesma fruta, porém, com o gosto forte e por vezes amargo; Gostoso.

Senti o mais velho chupar meu lábio inferior o mordendo logo em seguida, fazendo com que eu ofegasse um gemido na garganta. Jimin me provocava, começando a movimentar seu quadril em cima de minha pélvis enquanto ainda me beijava com uma leveza deliciosa, provocando suspiros e gemidos baixos de ambos.

Eu descontava todo o meu tesão acumulado na cintura moldada do ômega, apertando e marcando ela com os meus dedos, de tanta força e vontade que eu a apertava. Os suspiros manhosos deixados da boca carnuda fazia com que a minha vontade de o apertar ficasse maior, querendo descontar tudo nele. Jimin nem ligava para isso, o que me dava mais tesão e vontade ainda.

Os nossos corpos começavam a esquentar, conforme a fobação que nos tocavamos. Meu membro ereto era repentinamente massageado pela buda volumosa e cheia de Jimin, que parecia mais empenhado em me fazer gozar, só com o seu roçar, lento e firme. Gemia controlado e abafado pelo ômega, a minha vontade era grande de foder Jimin, do jeito que ele me fodia, bem gostoso e fundo. Ah, eu gemi alto com este pensamento, fingindo uma estocada bruta e surpresa em Jimin, que riu desacreditado e cínico.

- Você está tão duro, amor... Te sinto tão bem, que eu poderia sentar em você agora... - Ele começou calmo e manhoso, na intenção de me fazer continuar com as estocadas falsas. O que eu fiz por puro instinto, gemendo baixo e manhoso a cada movimentada de meu pênis contra sua bunda. - Isso, alfa. Continue desse jeitinho... Bem bruto. - Se eu estivesse no meu estado de raciocínio teria xingado ou até mesmo socado esse ômega maldito que é meu marido, por puro nervosimo. Mas, o que acontencia era de eu conseguir só gemer mais ainda, reagindo de um jeito fodido a continuar com as investidas alucinantes. - Oh, Jungkookiee... Você quer foder tanto o seu ômega assim? - Ele movimentou com mais força o seu quadril, me fazendo quase ir as nuvens de tão bom que estava tudo aquilo. - Mmnnn! Seu pau é gostoso, amor... Bem gostoso. Isso, continua, fode seu ômega!

- Ah, Jimin-ah! E-eu preciso... O-oh! F-foder, você... - Meu estado era tão deplorável que talvez qualquer pessoa que visse a nossa situação soubesse o quanto excitado eu estava sentindo ao ponto de estar desesperado para qualquer estímulo que visse de Jimin.

- Você quer me foder, bebê? - Sua mão veio ao meu rosto e o segurou firmemente, me encarando com aquele maldito sorrisinho que fazia todo o meu eu queimar por si. Era um desgraçado, isso sim. - Mas, primeiro... - Disse calmamente enquato saía de meu colo, recebendo um gemido insatisfeito meu. Porém, o mais velho não me deu tempo de reclamar, pois no momento que saiu de meu colo, se pôs de joelho e rapidamente se livrou de minha calça moletom preta. - Quero que fode minha boca, como se tivesse fodendo minha bunda... Ou melhor.. Como se eu tivesse fodendo você fundo e rápido, do jeitinho que gosta. Pode fazer isso, meu bem?

- Uhum. Posso... Vem, Chim. Deixa eu foder essa sua boquinha. - Ele me lançou mais um de seus sorrisos pervesos para que logo depois puxasse minha box com força e rapidez, livrando meu pau do aperto incômodo da peça.

- Você está tão duro e molhado, amor... Precisa tanto de um carinho assim? - Resmungou cínico e divertido. Ele brincava com o meu membro negligenciado, passando levemente em sua bochecha, me dando uma imagem fodidamente excitante e tesuda de tão puto que estava. - Jungkookie, seu pau é está tão quente. Se eu chupar ele, será que ele fica mais quentinho?

- Não sei, meu amor. Porque não testa, uh? - Eu sou Jeon Jeongguk, também sei ser bastante provocativo quando quero. E Jimin, sabia disso perfeitamente, e parecia amar me deixar descontrolado.

Minhas pernas tremeram quando o mais velho me engoliu fundo. Se eu não estivesse tão envolvido com a tensão sexual nossa, poderia ter me preocupado com o ômega, pelo fato de ter me engolido sem pudor nenhum. Mas no fundo tanto eu como ele mesmo, amava algo tão bruto e sem pena, sabe? Era algo que aumenta ainda mais o nosso fogo.

A boca carnuda e suculenta do ômega subia e descia no meu caralho com vontade. Como se tivesse chupando um dos seus sorvete favorito. Ah, eu amava pensar que eu era - sou - como um alimento gostoso que ele ama. Aumenta ainda mais o meu ego ao saber que satisfazia meu ômega, como ele me satisfaz.

Agarrei seus cabelos com força, só para comandar o seus movimentos rápidos. Mas, Jimin pareceu odiar a ideia de eu o controlar naquele momento, pois estapeou minha coxa esquerda fortemente ao ponto de fazer eco pela força que usara.

Pode me considerar um masoquista ou a merda que for, mas o tesão que eu senti por aquele tapa, fez meu corpo tremer e eu gemer mais alto e manhoso do que antes, sentindo meu pênis reagir ainda mais; pulsando e dilatando na boca cheia do meu ômega.

- Mnnn, v-você... Annnwm! P-porra, Chim! Boquinha.. Sua boquinha é tão quentinha e gostosa. Oh, minniee! Deixa eu foder ela, d-deixa... - Meu olhos se imundaram ao se conectar com os castanhos do mais velho, que estavam marejados minimamente.

Ele deu mais um tapa forte no mesmo lugar que dera na minha coxa, causando mais tremores em mim. E eu entendi como um sinal positivo para que eu fodesse - finalmente - sua boca. Coisa que eu não demorei nadinha.

As minhas mãos que ainda estavam em seus cabelos, apertaram o seus fios sedosos com vontade. E por puro impulso, levantei do sofá com rapidez, começando a movimentar meu quadril contra os lábios inchados e vermelhos do menor. Meus olhos mau conseguiam ficar abertos para poder ver a imagem do meu marido de joelhos com a boca cheia pelo meu pau, enquanto babava nele e em si mesmo. Porra, eu amo esse filho da puta - Desculpa sogrinha que eu amo.

- Oonnww!! S-seu filho d-da put- Ah! Os dentes não.. P-porra, e-eu vou gozar assim! - O desgraçado fez questão de massagear meu pau com os dentes brancos dele, para piorar minha situação. Ele só queria que eu gozasse em sua boca, de fato.

Ele agarrou minha bunda com força e firmeza, as separando repentinamente enquanto ameaçava me penetrar com os dedos pequenos e gordinhos, mas, nunca fazia. O que me irritava profundamente.

Mas quando ele finalmente me penetrou com três dos seu dedos, minha visão embaçou e meu pau começou a pulsar fortemente quando senti ele socar os dedos dentro de mim com força e rapidez. Fazia com que eu gemesse mais alto e manhoso - desesperado - para si.

- Oh, Chim! Continua... Isso, continue! Ah, porra, eu vou gozar!

- Não, você não vai! - Quando eu, finalmente, iria gozar, Jimin tirou sua boca de meu pau e também retirou seus dedos de dentro de mim. Ah, não! Eu quero gozar!

- Oque? Não! Não, Chim! Por favor, me chupa. Volta a me chupar!!! - Implorei sentindo meu pênis doer. - Caralho, eu só queria gozar gostoso na sua boca!

Pode me considerar um pervertido do caralho, mas, eu, Jungkook, só queria gozar na boquinha do meu ômega! É pedir demais?

Bufei choroso quando Jimin riu baixo e contido; divertido na verdade. E quando eu já estava pensando que ficaria sem o meu orgasmo precioso, Jimin me fez deitar no chão de um jeito rápido - Eu quase caí.

- Kookie, Você vai gozar sim, na minha boca, mas você também tem que agradar seu ômega... - Começou provocando divertido. Jimin sorriu safado e colocou suas pernas grossas e gostosas ao lado de minha cabeça enquanto se inclinava em meu abdômen, segunrando logo depois meu membro dolorido. Gemi surpreso. - Enquanto eu te chupo, Você me fode com a sua língua, anjo...

E voltou a me chupar com força. Sua bunda gorda estava melada e contraía fogosamente. Mesmo Jimin sendo o ativo na maioria das nossas transas ele ainda era ômega e amava um carinho na sua entradinha.

Meus olhos marejaram quando ele me engoliu fundo. Até o talo. Para a minha vontade grande de gozar, Jimin começou a remexer sua bunda contra meu rosto de um jeitinho lento. Talvez esteja me provocando já que sentia perfeitamente meu pau latejar em sua boca. Gemendo alto e desesperado, agarrei sua bunda e separei suas bandas me deliciando ainda mais com o seu cuzinho piscante e melecado.

Sua lubrificação quentinha e cheirosa descia em abundância e ansiedade. Jimin estava louco e afobado.

Passei meus dois dedos com força em seu buraquinho o vendo - e sentindo - contrair fortemente e ouvir Jimin gemer baixinho contra meu pau. Lentamente, o invadi e logo gemendo deleitoso com o gemido agudo abafado do meu ômega fazer presença em meus tímpanos. Ah, Jimin é uma delícia.

- Ah, Ji! Seu cuzinho é tão guloso... - Comecei a movimentar meus dois dedos dentro de si, e gemendo em conjuto por ainda ter ele mamando meu caralho com vontade imensa. - Oh... Isso.

- Fode ele, fode. Fode minha bundinha, Bebê...- E comecei a foder ele com rapidez e força. O mais velho começou a gemer juntamente comigo, e se contorcer em cima de mim. Ele ainda me chupava, mas para minha surpresa e tesão, ele tinha enfiado três dedos em minha entrada com força.

Ele movimentava loucamente seus dedos em mim, talvez como se tivesse me testando. O que estava funcionando muito bem com o meu orgasmo que estava mais próximo.

- Isso, isso, isso, continue... Desse jeitinho. - Murmurei começando a movimentar meus dois dedos dentro do meu ômega, devagar.

- Ahn, Kookiee, você é tão gostoso... - Jimin manhou. Sua voz manhosa estava rouquinha e quebrada de tanto socar meu pau em sua garganta. - Seu gostinho é de chocolate quente, sabia?

Lambi seu períneo e gemi deleitoso ao ter seu cuzinho contraindo meus dedos com tanta força e vontade.

- Oh! - Gemi surpreso e alto ao sentir seus dedinhos estocarem meu ponto mágico tão repentinamente. Eu iria gozar. - Oh minnie... Eu vou gozar!

- Vem alfa, eu também vou... - E mais algumas estocadas fortes no mais velho e uma chupada funda e socadinhas em meu pontinho, nós gozamos. - Você foi maravilhoso, Jungkookie. Mas eu ainda quero sua língua socando minha bundinha, bebê.

Ele agarrou suas nadegas e separou um pouquinho suas pernas de meu rosto, fazendo que sua bunda ficasse mais abertinha para mim.

Lambi seu períneo mais uma vez e arrastei minha língua até seu buraquinho contraído que expelia cheiamente a sua lubrificação quentinha.

Ela tinha um cheirinho e um gosto tão delicioso que meti toda a minha língua naquele rabo gostoso e comecei a foder ele todo guloso e vontade.

- Oh, isso. Isso, alfa! - Jimin começou a remexer sua bunda contra minha língua e tremer levemente com isso. O lúpus era sensível demais naquela parte em específico. Porra, Jimin é tão gostoso. - Ah, que língua gostosa...

Seus gemidos eram altos e agudos. Completamente manhoso. As vezes alguns rosnados saíam de um jeitinho choroso e potente, o que me fazia rosnar em resposta.

Eu sou um alfa comum, e os rosnados do ômega lúpus me afetavam demais, mesmo que fosse de um jeito tão bom e extasiante.

- Fode, meu bem. Come meu rabo, come. - Jimin riu baixo e sarcástico, ainda gemendo. Audacioso. Jimin é audacioso. - H-hhumm, i-Isso, kookiee... Anwwmm chega, bebê. - Sua voz baixinha e quebrada se fez presente e antes de eu reclamar, ele já tinha saído de cima de mim.

- N-não, Minnie-ah... V-volta. - Reclamei. Porra, ele saiu logo quando ele mesmo iria gozar..

- então quer assim? Não quer me sentir dentro de você? - Ele arqueou uma de suas sobrancelhas enquanto sua língua passeava lentamente pelo seu lábio inferior. Ah, meu pau pulsou tão forte...

- Eu quero.. Quero sentir você em mim, Ji.

- Então fique bem abertinho pra mim, vai. - E eu rapidamente abri minhas pernas, deixando com que a minha entradinha sedenta ficasse amostra para o meu ômega.

Jimin rosnou bem baixinho e um tanto manhoso antes de se posicionar entre minhas pernas.

Ele estava suado. Seus cabelos estavam molhados e colados em sua testa, o deixando bem sexy - mais se for possível.

Suspirei fundo e sorri de canto sentindo todo o meu corpo tremer levemente ao ter o pau do mais velho massageando meu cuzinho tão bem.

- Me come logo, Jimin! - Rosnei para ele. Meu pênis doída pra uma porra, e essa provocação fodida de Jimin só piorava a minha situação.

E pra minha surpresa e alívio, Jimin me invadiu bruto e fundo.

- Não era isso que queria? - Ele começou a se movimentar, sem me dar tempo de me acostumar. Sua pélvis se chocou fortemente contra minha bunda, fazendo um estalo bem alto e gostoso de nossas peles molhadas.

- Uhumm... Continua assim. Forte. - Gemi revirando os olhos.

Jimin abriu mais as minhas pernas e se afundou ainda mais em mim, me fazendo ir ao céu e inferno ao mesmo tempo.

Seu pau ia tão fundo em mim que, porra, o meu próprio tremia e pulsava fortemente.

Gemi alto e desesperado quando meu ponto mágico foi socado tão forte que fez meus olhos encherem.

Jimin continuou socando minha próstata do mesmo ritmo. Forte e bastante bruto. E, num gemido alto e totalmente choroso, gozei, sujando meu abdômen e do mais velho.

- Porra, Kookie. N-não me aperte assim... - Jimin gemeu alto e manhoso, enquanto apertava minha cintura, deixando ela marcada pela força que fora apertada. - Eu vou gozar!

- G-goza, Ji. Goza bem gostoso em mim!

E uma estocada forte e funda, Jimin gemeu choroso e alto, esporrando deliciosamente dentro de mim.

Nossas respirações estavam altas e bastante ofegantes. Puxa, nunca fiquei tão bem depois de ser fodido bem gostoso no chão pelo meu ômega. Jimin irá me foder mais vezes no chão. A mais ele vai.

- Jimin, eu te disse para irmos pro quarto... - Murmurei risonho.

- Desculpe se a vontade de foder você aqui na sala foi maior doque ir pro quarto. - Ele me respondeu. Seu corpo que estava em cima do meu, deitou ao meu lado.

- Você irá me foder aqui no chão mais vezes, ouviu?

- Claro, mas agora vamos tomar um banho. Nossos corpos estão melados e fedidos. - Ele gemeu ao se levantar e ficar de pé. Jimin suspirou alto e cansado antes de me ajudar a levantar.

- Vamos, minha bunda tá toda melequenta. - Comentei fazendo uma careta, logo ouvindo Jimin rir.

- Vamos lá. Mas, Kookie... - ele me abraçou e afundou seu rosto em meu pescoço. - Você irá me foder no banho, tá bom?

E deixou uma lambida molhada em meu pescoço antes de sair em passos lentos até as escadas, rebolando aquela bunda grande e gostosa.

Aiai esse homem ainda vai me matar de tanto fofo que ele tem.

Mas eu te digo uma coisa. Não pense que eu, Jeon Jeongguk, um Alfa alto e todo másculo que faz calcinhas e cuecas ficarem molhadas, que eu não gosto de dar pro meu ômega!

Ao contrário. Eu amo ser comido, bem forte e gostoso pelo meu marido e homem.

Aliás, Jimin me come tão bem e gostoso, que não tem como não gostar disso. porque, afinal, eu amo dar a bunda e não era só por causa da minhas casta dominante que as coisas iriam mudar!

                      The end


Notas Finais


E foi isso...

Espero que tenha gostado! ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...