1. Spirit Fanfics >
  2. Alfas não se Submetem (HyunChan) >
  3. Capítulo I

História Alfas não se Submetem (HyunChan) - Capítulo 2


Escrita por: _Hunnalia

Notas do Autor


Como disse, ele já estava escrito, então, já decidi postar kkkk

Boa leitura ❤️

Capítulo 2 - Capítulo I


Fanfic / Fanfiction Alfas não se Submetem (HyunChan) - Capítulo 2 - Capítulo I

[Alfas não sentem atração por alfas...]

Eles se conheceram seis meses atrás, através de um casal de amigos em comum, Minho e Jisung, que estavam noivos e os escolheu para serem padrinhos. Instantemente se sentiram atraídos um pelo outro. Era perceptível em cada conversa, troca de olhares e toques que existia uma tensão sexual entre eles, que queriam se pegar, mas um detalhe os impedia dar vasão ao desejo impetuoso.



Ambos eram alfas.



Desde o início, no primeiro instante que os olhos se cruzaram, faíscas cintilaram e uma corrente de eletricidade os percorreu. Eles definitivamente tinham uma química, todavia, lhes pareciam incorreto ceder e abraçarem aquela atração.



Uma vez, três meses atrás, em um momento de fraqueza, eles quase permitiram que o fogo os incendiassem.



Eles foram em uma balada juntos, despedida de solteiro dos seus amigos, beberam juntos, dançaram juntos e beijaram muitas bocas, até que o fio sexual que os amarrava, como um ímã, os fizeram se encontrarem no meio da pista de dança. Alcoolizados, eles pararam, se encararam e sorriram, um sorriso espontâneo e que continha os anseios lascivo de cada um.



O australiano de fios loiros, Bang Chan, que tanto fugirá daquela atração, na neblina provocada pelo álcool, deu um passo na direção da pólvora e acendeu-a com o movimento singelo — quase inocente — de erguer o braço, tocar o rosto de Hyunjin e acariciar os lábios.



O sorriso fraquejou e se esvaiu dos lábios molhados pelo beijo de um ômega com quem o Hwang esteve cinco minutos atrás, um grunhido escapou e incapaz de afundar a vontade que o corroía, ele avançou para Chan e tomou a boca com gosto de vodca com a sua.



 Explosivo.



O beijo foi violento, exteriorizando cada pensamento leviano que tinham um sobre outro, mas não ousaram revelar em voz alta. A forma que os corpos se colaram, as mãos se agarraram e os lábios se moviam, não era apenas uma luta por controle, era a natureza bestial e bruta dos genes alfa atuando como um droga estimulante, que os faziam subir degraus rumo a completa combustão.



Desfocados da música gritante, das luzes coloridas, das dezenas de corpos suados cercando-os, os lábios se moviam sem sincronia, como se não soubessem beijar e as línguas se atacavam impiedosas. Sem perceber, eles se moveram, até às costas de Hyunjin baterem na parede.



Um gemido engasgado desprendeu da garganta do alfa maior, que puxou os fios loiros alheios com violência e afundou a esquerda na bunda coberta com uma calça de couro. As frentes pressionadas revelava a fome que os consumia com desmedida veemência. Os corações batiam em um ritmo descompassado, de suas gargantas rosnados escapavam e os membros estavam duros, se pressionando por cima das camadas de roupas.



O beijo terminou, mas o fogo acesso ainda dançava em torno da pólvora, ansiando criar uma explosão de proporções ainda maior. Com as testas encostadas, respirando sôfregos, sentindo a excitação um do outro, eles tentavam retornar a razão.



— Não vai dar certo. — Chan pronunciou com voz rouca após quase um minuto, sem se afastar do maior, de olhos fechados e com os dígitos dedilhando no pescoço de Hyunjin.



— O que?



— Eu quero você, admito... — Afastou o rosto alguns milímetros para trás, abriu as vistas e as mergulhou nos orbes claros do alfa maior. — Quero fodê-lo com violência, mordê-lo até sangrar, ouvi-lo gritar, tê-lo de joelhos e fazê-lo se submeter a mim.



— Não é apenas você hyung que tem tais desejos. — Hyunjin revelou lento e moveu a esquerda, que ainda apalpava as nádegas para as bandas da bunda e curvou os dedos, roçando-os através do couro na entrada nunca explorada. — O que mais quero fazer é colocá-lo de quatro agora, aqui mesmo, na frente de todas essas pessoas e enfiar o meu pau no seu rabo, fodê-lo até chorar e gozar como uma vadia... O quão excitante não será vê-los assistindo enquanto eu te fodo? Enquanto eu como um alfa? O quão humilhado se sentirá?



Chan rosnou, os orbes escureceram e uma energia perigosa abraçou-o. Seu lado dominante sentiu-se desafiado, seu gene alfa o impulsionava a nadar no mar escuro da violência e fazer Hyunjin implorar por misericórdia.



— Nem nos seus sonhos, Jinnie. — O tom era sombrio. — Mesmo que tente, no final, se arrependerá, vai chorar e pedir perdão por ter cogitado a ideia.



— Está me confundindo com um ômega hyung? — Hyunjin riu, debochado. — Pareço alguém que se arrepende e chora tão fácil assim?



— Não. — Os dedos magros de Chan circularam o pescoço de Hyunjin, em um aperto firme, que não o impedia de respirar, mas fazia as faíscas da agressividade cintilaram nas visitas dele. — Eu sei muito bem que é um alfa e este é justamente o problema. Se fosse um ômega seria mais fácil, eles até podem me desafiar, mas jamais me sinto ameaçado por eles, diferente de você... Somos alfas, nunca darão certos entre nós, vamos apenas nós machucar, então, é melhor fingir que nunca tivemos esse momento e ignorar a atração.



— Está falando sério? — Junto com a fome, um cintilar de mágoa apareceu na fisionomia de Hyunjin. — Tudo bem se me ferir, eu posso lidar, o que custa tentarmos e ver o que acontece?



Diferente do alfa australiano, por mais assustador que fossem os impetuosos desejosos perversos, ele queria tentar, admitia que realmente almejava com volúpia ver Chan tentar dominá-lo, fodê-lo e fazê-lo se submeter. A imagem deles lutando por controle era extremamente instigante e excitante.



— É melhor não... — Chan se separou do alfa maior, ignorando a emoção amarga que mordeu-o ao enxergar o ressentimento na face do outro. — Vou procurar um ômega, faça o mesmo.



Escorado na parede, zonzo, o Hwang assistiu Chan se perder entre as pessoas que dançavam, se beijavam e se agarravam na pista de dança. Ele ergueu a direita, escorregou os dígitos trêmulos nos fios castanhos longos e fechou os olhos. Era sinistra a perigosa vontade de perseguir Chan, de encurrala-lo e forçá-lo a ceder. Inspirou fundo. Precisava acalmar a besta, ele não permitiria ser controlado pelos instintos, não faria nada que o levasse a se arrepender no futuro. Se o australiano não estava disposto a tentar, só lhe restava aceitar e procurar um ômega ou até um beta disposto a transar com ele.


Notas Finais


Bom, não sei se deu pra entender, mas o medo do Chan de se machucarem é no sentido físico mesmo.

Esqueci de falar, mas tive um pouco de inspiração com a música e o "MV" de red lights deles 💕.

Os capítulos vão vária de tamanho, por conta da ideia que vai ser colocado em cada um.

Obg por ler até aqui 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...