1. Spirit Fanfics >
  2. Algo Reservado Para Nós >
  3. Capitulo II

História Algo Reservado Para Nós - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - Capitulo II


Fanfic / Fanfiction Algo Reservado Para Nós - Capítulo 2 - Capitulo II

Jinyoung não sabia  o que era mais desconfortável, a poltrona do avião ou toda aquela situação, não que ele fosse um cara ranzinza, ele não era pensou, talvez um pouco nada mais. Theo dormia em seus braços, sabia que tinha sido uma viagem cansativa tanto para ele como para a criança, mas não ficaria em Nova York mais nem um segundo, já que tudo estava resolvido.

Esperou quase todos descerem do avião para assim poder se levantar, era estranho todos olhando para ele, pareciam querer indagar, onde está a mãe? Como pode viajar só o pai? Ei, eu sou capaz, pensou ele revirando os olhos. Percebeu que a comissária de bordo o olhava como se estivesse com pena, e isso já estava começando a irrita-lo.  Acomou Theo de uma forma mais confortável no ombro e se dirigiu para saída, iria pegar um carro, na correria tinha esquecido de avisar alguém de casa que estava chegando.

- boa noite – disse ao balconista – Bartonville norte de Dallas, Pegaso Ranch

Nesse instante percebeu que Theo já tinha acordado e estava olhando para ele. Aqueles olhinhos puxados, não estavam mais marejados, estavam meios sonolentos, confusos. Jurou para sí mesmo que o medo e a solidão nunca mais iriam ser visto através daqueles olhos.

- senhor 30 min tudo bem?

- Jinny, jinjin -Jinyoung respirou fundo quando ouviu seu nome serr gritado talvez, apenas talvez da metade do aeroporto – fingi que não me conhece não, que nem tem como, só tem a gente de olhos puxado aqui nesse negócio meu filho. Outro olho puxado só a distância daqui.

- Jackson, por quê diabos você vem gritando? – perguntou para o rapaz

- olá meu querido irmão, estava com saudades de você também. Essa coisa linda ai é meu sobrinho? Ah vem cá no titio vem, seu pai é um cara ranzinza deixa eu te contar como é nossa vida, e sua família – falou Jackson esticando os braços para o Theo.

Jackson era um pouco mais baixo que o Jinyoung, com 1,74,  possuia cabelos castanhos, lábios carnudos, como Jinny seu corpo era bem formado, diferente do irmão ele praticava exercícios diariamente, e fazia questão de mostar isso sempre que dava, andando sem camisa pela fazenda ou levantando as mangas da camisa, quando não com a camisa de flanela desabotoada, considerado um dos piores da família, diferente de Jinyoung que era mais novo que ele, Jack como era chamado pelos íntimos era bem mais elétrico e animado o terceiro filho mais velho de sete mas no momento certo sabia muito bem exercer a seriedade.

- Jack você vai assusta-lo. O que você está fazendo aqui?

- Bom, Louise. Ela sabia que você não iria aguentar ficar lá por muito tempo, conseguiu ver sobre seu vôo, quando embarcou. E me mandou vim busca-los – falava ainda tendo pegar o menino – na verdade ela mandou o JB, porém ele estava com a namorada e disse que não vinha. Você tem os piores irmãos, exceto eu. – falou sorrindo.

- dá para você parar de se vangloriar e me ajudar aqui? – Jinyoung virou-se para o balcão agradeceu ao funcionário – ok, onde você deixou a caminhonete?

- dá para você me dá meu sobrinho – falou Jackson parado frente aos dois

- Jack vamos com calma, Theo ainda está assustado com tudo isso – falou olhando para o filho, mas conhecia o irmão ele não iria parar enquanto não tivesse o que queria – ok. Theo? – falou, os olhos atentos do garoto que estavam distantes encaram o rosto do pai – esse é seu samchon, seu tio meu pequeno, quer ir com ele?

Theo olhou para Jackson que o encarava sorrindo de uma maneira graciosa, voltou seu olhar para o pai como se pedisse permissão para ir, Jinyoung sorriu daquele gesto, e acenou com a cabeça, foi nesse instante que Theo se lançou nos braços de Jackson aninhando a cabeça no pescoço do rapaz.

- eu sei, eu sei meu amor, ninguém resiste a um chinês bonitão – falou Jackson

A volta para casa durou duas horas, Jackson encontrou uma lanchonete aberta e disse que queria mostrar os prazeres do Texas para Theo, Jinyoung queria apenas sua cama. O dia tinha sido tão cansativo, em menos de uma semana ficará sabendo que era pai, de um menino de quatro anos, seu pai estava doente, ainda não tinha lidado muito bem com o casamento da ex-noiva com o melhor amigo, parecia que tudo tava desmoronando na vida dele, o que mais poderia da errado, pensou entrando no quarto, jogou suas coisas em cima da cama, foi quando percebei que seu quarto não era mais o mesmo, tinha uma cama menor, um armário azul bebê, um guarda roupa montado, Louise, pensou sorrindo.

- Você viu ? Tá tudo lindo né? – falou Jackson sussurrando

- por quê você está sussurrando? – indagou Jinyoung pegando Theo

- olha só, Louise é um amor de pessoa, mas ela está dormindo, quem vai querer acordar a fera? – falou arrumando a cama de Theo – e a praga do Bam tá doido para ver o neném, se ele acordar vai ser um inferno, você sabe.

Sorrindo Jinyoung levou Theo para o banheiro, começou a despi-lo – então rapaz, tá tarde eu só vou passar uma toalha molhada em você para dormir melhor, amanhã você toma um banho nessa banheira grandona aqui tá? Ninguém vai te cheirar a noite mesmo!

- nossa você é ótimo com crianças – Jackson colocou a cabeça na soleira da porta – meninos estou indo, Theo boa noite, saiba que todos já te amam nessa casa, até a coco, a Nora também, só não puxa o rabo dela, ou dos outras vinte e cinco gatos que o seu tio JB tem – Jackson deu um beijo na cabeça do sobrinho – boa noite papai!

- obrigada, por tudo! -  falou enquanto vestia o filho – ok, rapaz vamos dormir né?

Ele ainda não estava acostumado com aqueles olhinhos lhe olhando. Colocou Theo na cama e deitou, Jinyoung sentia sua costa quebrar em partes cada vez que se movia. Ele simplesmente apagou. Por alguma razão, acordou espantado, virou-se e esperou sua vista se habituar com a escuridão, foi quando viu encostado no cantinho, Theo, sentado, encolhido, piscou algumas vezes para ver direito, Theo parecia perdido, com medo, Jinyoung sentiu o coração quebrar, ele mesmo já tinha perdido as contas de quantas vezes isso tinha ocorrido só naquele dia, levantou e foi onde o filho.

- oi rapazinho, aconteceu alguma coisa – falou sentando ao lado do filho, Theo apenas elevou o olhar para o pai, logo abaixou novamente a cabeça – está com medo? Pode me falar – Jinyoung passou a mão pelos cabelos que agora enrolava um pouco nas pontas – quer dormir comigo?

Rapidamente ao olhinhos se encheram se esperança, Jinyoung pegou o filho no colo e levou para cama.

- olha, a cama é enorme, da para nós dois, mas se quiser ficar juntinho com o appa, não tem problema – beijou o topo da cabeça dele e o abraçou, nunca imaginaria aquela cena e que ele estaria representando tal cena, não depois de tudo. Acabou adormecendo.

Theo ainda dormia do seu lado quando acordou, ficou analisando o filho, ainda é inreal, surreal tudo aquilo, como pode tudo mudar assim? Passou a mão pelo cabelo.

- Park Jinyoung, logo você que sabe que sim, tudo pode mudar rapidamente. Sua vida sempre foi assim.

Aproveitou que o filho dormia e resolveu descer, mal saiu do quarto sentiu o cheiro de café forte isso significava que o pai estava na cozinha, isso o alegrava, os últimos meses não tinha sido tão bom assim para eles, seu pai tinha ficado doente, depois de uma queda de um cavalo, que depois foi comprovado que foi envenenado. Ou seja, alguém queria matar seu pai. E mesmo que o mundo esquecesse isso, ele sabia que ele e os irmão não esqueceriam.

- olha isso o mais novo papai, consigo ver um ar de responsabilidade na sua cara, ah desculpa, é feiura mesmo, não se preocupe a responsabilidade uma hora vem – o comentário veio do irmão mais novo, que estava aos pés da escada.

- Yeom eu sempre me pergunto por quê o pai resolveu te resgatar daquele lixo, sabe, poderia ter ficado lá, outra pessoa com toda certeza te acharia – disse Jinyoung descendo.

- ok, Jinny continua super  carinhoso como sempre – falou Yugyeom – falando nisso Cadê meu sobrinho? Quero parabenizar ele por ser lindo e parecer com o tio!

- você sabe que a única coisa que ele tem parecido com você são os olhos puxado e olhe lá, não é? – disse Jinyoung

Yugyeom apesar de ser o mais alto dos irmão era o caçula deles, se tinha alguém que ele gostava de tirar do sério esse alguém era Jinyoung. Alto, cabelos castanhos, porte físico não tão magro, porém diferente dos meninos, ele dizia ser seu charme. As vezes a família confundia e achava que o Jackson era o mais novo até pelo seu excessos de exageros, até o Yeom para os íntimos, aparecer, mas mesmo sendo essa comédia era consideredo mais forte pelos irmãos. Passava sempre uma positividade e estava sempre otimista. Porém assim como todos os outros sabia o momento certo de seriedade.

- uma pena, por quê ele ia ser o homem mais lindo do universo se ele tivesse ao menos 1/3 dos aspectos do tio.

- qual dos tios? Ele tem seis! – o comentário veio do irmão que eles titularam como Sunshine, YoungJae.
YoungJae fazia parte do trio dos irmãos mais novos, tinha um jeito meigo, carinhoso  que conquistava as pessoas, uma pessoa que se preocupava com bem-estar dos outros. Tinha 1,77, possuia cabelos castanhos como os irmãos. Ele, para os irmãos era a alegria da casa e o que inspirava todos.

- acredite em mim, ele puxou para minha pessoa – falou um homem que descia as escadas com uma gata na mão – lindíssimo, eu sei, igual a Jaebeom.

- lindíssimo ok, só espero que ele não seja estranho o suficiente para falar dele mesmo na terceira pessoa - falou Jinyoung

Jaebeom ou Jb para os íntimos, parecia um cara sério, quieto, mas não era, principalmente quando se juntava com o Jackskon. Tinha 1,79 cabelos pretos, assim como algum dos irmãos Jb, tinha o porte físico de chamar atenção.

- acho melhor vocês todos virem tomar o café de vocês – o grito veio da cozinha.

- Louise – os quatro falaram em conjunto.

Ao chegarem na cozinha, encontraram os demais junto na mesa, Jackson estava deitado com a cabeça sobre a mesa, ao seu lado o mais velho dos irmão estava lá, Mark.

Mark possuia o cabelo castanho mel, assim como boa parte dos irmãos, tinha 1,75 de altura, mesmo sendo o mais velho, Mark era, doce, gentil e muito amável. Sem muitas palavras, mostrava com ações como era alguém carinhoso e ao mesmo tempo forte e muito corajoso. Os demais buscavam se inspirar no irmão. Porém a bagunça era formada quando todos estavam juntos, não existia mais velho tão pouco mais novo.
No canto da mesa estava o Sr. Hong, o homem que proporcionou tudo aquilo para eles pensou Jinyoung, o homem que inspirar ele a ser um bom pai.

- Annyeonghaseyo! – falaram assim que entraram. Hong levantou o olhar do jornal que estava lendo e sorriu para os filhos.

- olá meninos. Espero que todos tenham dormido bem – falou enquanto enrolava o jornal – por quê ao que tudo indica, Jack passou a noite na gandaia, novamente – falou batendo o jornal na cabeça do filho.

- o que? O que foi? – falou Jackson enquanto passava a mão sobre o local atingido

- Jinyoung, onde está meu neto?

Sabia que a familia iria se acostumar com a idéia de uma criança na casa, mesmo já tendo seis criancas na casa, e sabia também que o pai ajudaria em tudo.

- espero que dormindo, acordei pela madrugada encontrei ele encolhido no canto, assustado, coloquei na cama comigo. Conseguiu dormir.

- ele tava assustado com sua cara, já te falei. Esses pés de galinha e essa orelha ai – falou Yeom com pão na boca

- Tenha modos – disse Louise batendo na mão do mais novo – meu querido ele está assustado, é tudo novo para ele, lembro quando cada um de vocês chegaram aqui, cada um tinha seus medos, seus monstros, mas olha ai vocês – falou enquanto olhava os meninos – tá faltando um – falou, secando a mão no vestido – vou ver onde esse menino está, ele vai ficar bem Jinny. – falou pegando no ombro dele.

Nesse exato momento sons de risadas invadiram a sala de jantar, uma risada gostosa ecoou sobre a casa, Jinyoung automaticamente sorriu. Foi nesse instante que Bambam entrou no cômodo com Theo sobre o ombro.

- já esta indo a sua procura, você sabe muito bem o horário senhor Bambam – disse Louise puxando a orelha do jovem

- ok, eu dei uma parada para pegar uma encomenda que tava meio chorosa no quarto – falou apontando para Theo – acho que ele não gosta de ficar sozinho.

Quem gosta, pensou Jinyoung, enquanto pegava Theo. Ele encarou o pai com um olhar de reprovação, parecia reclamar por ter deixado ele sozinho.

- que foi? Você estava dormindo! – disse Jinny, Theo apenas virou a cabeça de lado e lançou outro olhar de reprovação para o pai, que olhou para todos da sala – vê se pode.

- ranziza igual ao pai – falou Yugyeom

- não tem como fugir esse menino é seu – disse JB

- eu já disse que você é pessimo com crianças ? – indagou Jackson

Todos comecaram a sorrir. E a bagunça começou!





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...