História Algumas pessoas simplesmente valem a pena - Capítulo 28


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Armin, Castiel, Dakota, Debrah, Iris, Kentin, Leigh, Lysandre, Nathaniel, Personagens Originais, Rosalya, Viktor Chavalier
Tags Adolescente, Amor Doce, Castel, Drama, Roamance
Visualizações 105
Palavras 3.289
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Não me odeiem pela demora, eu estava realmente sem criatividade, vou tentar postar com mais frequência.
Espero que gostem.

Capítulo 28 - Será que eu já o perdi?


Fanfic / Fanfiction Algumas pessoas simplesmente valem a pena - Capítulo 28 - Será que eu já o perdi?

Acordei com uma puta dor de cabeça. Pisquei algumas vezes tentando me acostumar com a luz e lembrar o que aconteceu. Lembrei uma parte da festa da Iris. Aparentemente eu não fiz nenhuma merda. Olhei para o Ruivo, ele dormia tranquilamente. Me levantei com cuidado para não acordá-lo e fui até o banheiro para tomar um banho. Saindo de lá vesti um short jeans e uma blusa do ruivo. Fui até a cozinha pegando um copo de água e um remédio para dor de cabeça. A casa estava silenciosa, olhei pro relógio pendurado na parede e marcava duas e meia da tarde. Assim que tomei o remédio, eu peguei mais um, para quando o ruivo acordar. Segui para o meu quarto tentando fazer o menor barulho possível, mas assim que fechei a porta de meu quarto o Ruivo abriu os olhos. Ele enfiou o rosto no travesseiro, resmungando.

- Desculpa amor – sussurrei, me aproximando – Aqui – Ele virou para mim, e eu lhe entreguei o remédio, junto com o copo de água.

- Obrigado – Agradeceu, tomando tudo e me entregando o copo, já vazio. Coloquei o copo em cima do criado mudo e o encarei, seus olhos já estavam fechados novamente. Levei minha mão até seu rosto, fazendo carinho. Ele se afastou um pouco, abrindo um espaço na cama, e logo me puxou, me fazendo deitar ali com ele, de frente pro mesmo enquanto ele me abraçava, colocando seu rosto na curva do meu pescoço. Não demorou muito para eu dormir novamente.

Acordei umas duas horas depois, o ruivo ainda dormia na mesma posição, e assim que me mexi para tentar sair do abraço, o mesmo abriu os olhos.

- Bom dia – Falou, me fazendo rir.

- Bom dia? Deve ser quase boa noite já – Falei, brincando com seus cabelos.

- Meu Deus – Falou, resmungado, fechando os olhos novamente e me apertando em entre seus braços.

- Vamos levantar – Falei.

- Não.

- Mas eu to com fome, você não tá? – Perguntei. A gente não come faz muitas horas.

- Eu to sim, mas de outra coisa – Respondeu, dando um chupão no meu pescoço em seguida. Revirei os olhos. Esse menino só pensa em transar? Jesus.

- Vamos Ruivo, eu to com fomeeee – Disse, fazendo drama.

- Ta bom esfomeada – Falou, me soltando e levantando da cama – Pode ir na frente, vou tomar banho.

- Vou te esperar – Respondi, enquanto o mesmo entrava no banheiro. Peguei meu celular e chequei as notificações e fui conversar com aminha mãe. Ela e a mãe do Castiel conversaram e querem que a gente vá pra Austrália por uns dias, já que os pais do Ruivo vão pra lá por alguns dias também. Eu respondi que teria quer ver com o Ruivo. Continuei a conversar com ela, até que me distraio com o ruivo entrando no quarto só de toalha. Às vezes eu fico admirada com o quanto ele é gostoso, sério. Ele foi até o meu armário pegando algumas roupas e as vestindo em seguida, assim que ele se virou, já vestido, seus olhos foram de encontro aos meus.

- Eu sei que eu sou maravilhoso, mas não precisa me encarar enquanto eu me visto.

- O namorado é meu e eu olho o quanto eu quiser – Falei com um pouco de vergonha. Ele apenas riu e veio até mim, deixando um selinho em meus lábios. Ele segurou minhas mãos, me puxando da cama e me guiou até a cozinha.

- O que vamos comer? – Perguntou. Dei uma olhada pela cozinha encontrando uma caixa de pizza, e assim que abri, vi que estava quase inteira.

- Pizza – Falei, tirando um pedaço. O Ruivo veio até mim, fazendo o mesmo – Ah, eu falei com minha mãe. Ela e a Tia Valérie querem que a gente vá pra Austrália, passar uns dias lá, seus pais vão estar lá.

- Vai ser um encontro maravilhoso – Falou, fazendo uma careta. O Castiel nunca se deu muito bem com seus pais.

- Você não quer ir? – Perguntei. Ele me encarou.

- Você sabe que eu não me dou muito bem com meus pais – Falou. Eu assenti com a cabeça – Você quer ir? – Obvio que eu queria, eu não vejo meus pais desde que eles foram morar lá, o que já faz alguns meses. Mas não queria obrigar o Ruivo a ir.

- Ah, tanto faz – Falei, dando de ombros – O que você quiser esta bom.

- Ata que eu caio nessa – Falou me encarando – Se você quer ir vamos.

- Eu não quero te obrigar a ir – Eu disse com sinceridade.

- Você não está me obrigando a ir Morena – Falou – Eu vou onde você for, se você quer ir, nós vamos.

- Você é o melhor namorado do mundo – Eu disse, deixando um beijo sua bochecha.

- Eu sei – Respondeu. Revirei olhos, mas soltando um sorriso.

- Vamos assistir algum filme? – Perguntei.

- Pode ser – Respondeu enquanto pegava mais um pedaço de pizza.

- Vou ver se tem alguém em casa – falei, saindo da cozinha. Fui até o quarto do Vik, estava vazio, o de Kentin também. Peguei meu celular ligando pro Kentin.

-CHAMADA-

-Finalmente acordou em Larissa – Falou, ao atender.

- Vai se ferrar Kentin. Onde você está?

- Na casa do Alexy.

- E você sabe onde o Vik está?

- Não. Ele já não estava quando eu tinha saído.

- Okay, valeu. Manda um beijo pro purpurina e pro gamer.

- Pode deixar. Se cuida.

- Você também.

-FIM DA CHAMADA-

Liguei pro Viktor e ele não atendeu. Voltei para cozinha, o Ruivo ainda comia.

- Eles não estão?

- Não. Kentin esta na casa dos gêmeos e o Vik não me atendeu – Respondi.

- Vamos ver o filme no quarto? – Perguntou, terminando de comer.

- Nem ferrando. A ultima vez você não me deixou terminar de assistir – Respondi.

- Mas você se divertiu bem mais – Comentou com um sorriso malicioso.

Ignorei sue comentário e segui pra sala, ligando a TV e escolhendo algo para assistirmos na Netflix. Não demorou muito pro ruivo sentar ao meu lado e assistirmos algum filme.

-QUEBRA DE TEMPO-

Acordei com o som do despertador. Já era segunda. Levantei indo ao banheiro e fazendo minhas higienes. Sai de lá e vesti um short e uma camisa do star wars, coloquei meu All Star de sempre e fui acordar o ruivo.

- Ruivoooo, acorda – Falei, deixando alguns beijos em seu pescoço. Ele resmungou alguma coisa que eu não entendi, mas se levantou.

Enquanto ele tomava banho passei uma maquiagem básica e depois desci para tomar café. Eu e os meninos tomamos o café da manha e fomos para o colégio. Fomos conversando o caminho inteiro, nisso, descobri que Vik passou o fim de semana com uma menina do primeiro ano.

- Mas você ta afim dela? – Perguntei.

- Não, ela é legal e tal, mas não to afim dela – Respondeu com sinceridade. Poucas vezes vi o Vik afim de alguma menina, e nunca durava muito.

Não demoramos a chegar à escola. Fomos direto para nossa sala, encontrando a turminha lá.

- Bom diaaa – Gritou Rosa e Alexy animados.

- Oi – Eu e os meninos respondemos, sem animo.

- Jesus, que animação em... – Alexy resmungou.

- É segunda-feira Alexy, não pode me pedir pra ficar animada com isso – Falei. Castiel se sentou em seu lugar e logo me puxou pra sentar em seu colo, abraçando minha cintura.

- As provas já acabaram né? – Lys perguntou.

- Sim, graças a Deus – Alexy comemorou. Alguém entrou na sala, atraindo a atenção de todos. Era Nathaniel, ele parecia meio nervoso, sorri para ele e ele retribuiu o sorriso. Ele fechou a porta e veio até nós.

- Posso conversar com vocês? – Perguntou. Todos assentiram com a cabeça, menos Castiel que abraçou minha cintura com mais força. Ele suspirou – Então, só queria explicar porque algumas semanas eu defendi a Ambre e não a Lari e ainda briguei com ela na frente da minha Irmã – Disse me encarando, mas logo passou olha pro grupinho – Acho que não preciso dizer que minha irmã é super mimada, né? E o meu pai é muito rigoroso e tornava minha vida um inferno, toda vez que eu fazia algo que ele sempre me espancava. E a Ambre se aproveitava disso pra me fazer o que ela queria que eu fizesse. Quando a Lari descobriu ela me sugeriu para eu me emancipar, então há uma semana a trás eu fiz isso. Eu não tinha falado antes disso com vocês porque se a Ambre visse ela ia encher meu saco.

O pessoal encarava o Nath com seriedade. Nath olhou pra mim e eu sorri como apoio.

- Porque não nos contou antes? – Rosa perguntou.

- Não deve ser uma coisa fácil de contar, Rosa – Lys respondeu e Nath confirmou com a cabeça.

- To curioso pra saber com a Lari descobriu – Alexy falou olhando pra mim.

- Nas férias, quando fui pra casa dos meus primos, eu encontrei Nath na mesma cidade, a gente se encontrou algumas vezes naquela semana e uma delas foi na praia. Eu consegui ver algumas marcas feias nas costas dele, depois de muito tempo perguntado ele me contou – Expliquei.

- Bem, preciso ir no grêmio agora. Obrigado por me escutarem – Disse e logo saiu da sala.

- Que pesado – Armin comentou.

- O que importa é que ele conseguiu sair de lá – Falei. Encarei o ruivo e ele tava com aquela cara emburrada de sempre – Da pra desemburrar essa cara? Ele já foi – Disse pra ele. Esse ciúme dele ta começando a irritar já. Ele apenas me olhou com raiva e ficou quieto.

- Lari, vamos no banheiro? – Rosa perguntou.

- Vamos – Respondi com rapidez, me soltando do ruivo e me levantando.

- Eu vou junto – Alexy disse animado.

- Você não pode entrar no banheiro das meninas – Armin falou concentrado no jogo.

- Eu vou tomar água – Alexy se explicou, revirando os olhos.

Fomos até o banheiro e Alexy tomou sua água, assim que saímos do banheiro e fomos até Alexy.

- O que deu entre você e teu Boy? – Alexy perguntou.

- Às vezes me irrita o ciúme que ele tem, principalmente dos meus amigos. Toda vez que o Nath, ou o Vik e ou até o Armin ele fica todo emburrado – Falei com raiva.

- Eu vi que ele ficou emburrado quando o Nath chegou – Rosa falou – Mas agora, me conta essa historia que você ficou com o Nathaniel.

Contei a historia para eles e eles ficaram histéricos como sempre. O sinal bateu e fomos direto pra aula. O ruivo fez questão de não me encarar a aula inteira, eu tentei ignorar e prestar atenção na aula. Depois de três longas aulas o recreio chegou.

- Vamos pro porão? – Lys perguntou e todos confirmaram. Assim que me levantei senti uma mão me segurando. Olhei pra trás e vi o Ruivo. Ele me segurou até que todos estivessem fora da sala.

- Me desculpa – Ouvi ele dizer. Ergui a sobrancelhas – Olha, eu sei que sou ciumento e tal, mas entenda que é complicado pra mim. Eu já tenho medo de te perder sem ninguém no meio, imagina com alguém que você já teve algo no meio – Ele falou com um tom triste. Nem parecia o Castiel de verdade. Olhei em seus olhos e eles mostravam sinceridade. Como eu posso ficar braba com alguém assim? Me aproximei e dei um beijo calmo no mesmo.

- Tudo bem Ruivo. Só tenta se controlar, ok? – Pedi. Ele confirmou – Você não vai me perder pra ninguém – Falei com sinceridade. Ele me abraçou e deixou um beijo em minha testa. Após o abraço descemos até o porão para encontrar o pessoal. Ruivo se sentou no sofá velho que tinha ali, ao lado de Lys, eu me sentei em seu colo. Ficamos conversando sobre assuntos aleatórios até que Lys encara a porta com seriedade. Olhei para a porta e não acreditei no que vi.

- Gatinho, quanto tempo – Escutei Debrah dizer. Senti a mão do ruivo apertar minha coxa, eu não me mexi. Porque eu tenho a impressão que ela vai estragar tudo?

- O que faz aqui Diabrah? – Rosa perguntou, irritada.

- Preciso falar com o Cast – Disse. Mas que porra, porque que toda vez que a gente ta na paz alguém tem que estragar tudo?

- É muita coragem vir aqui depois de tudo – Lys falou em um tom serio.

- Eu me arrependo do que fiz – Falou. Eu ri. A única reação que tive desde que a vi. Ela ta brincando né? – Então Gatinho, nos podes conversar por uns minutos?

Eu encarei o Ruivo, ele a encarava, mas logo trouxe seu olhar até mim. Ele parecia indeciso. Doeu em mim? Pra caralho. Levantei de seu colo, ainda o encarando. O meu olhar dizia para ele não ir, mas depois de alguns segundos me encarando ele voltou a olhar pra ela e depois se levantou e foi até ela. Fechei os olhos por alguns segundos. Eu sinto que vou perder ele pra ela. Ela pode ter feito muito mal pra ele, mas ele sempre carregou um caminhão de merda por ela. Ele disse que odiava ela depois do que ela fez, mas eu não sei. Abri os olhos e logo ouvi o som da porta se fechando. Eu ainda encarava o lugar que ele estava sentado. Eu não consigo encarar ninguém agora. Senti uma mão abrir uma das minhas mãos que estavam fechadas. Virei-me encontrando Viktor. Ele abriu minha mão e vi pequenos cortes na palma da minha mão. Eu apertei minhas mãos com força o suficiente para minhas unhas machucarem minhas mãos. Abri minha outra mão para evitar machucar mais. Olhei para Vik, pedindo desculpa com o olhar. Eu realmente não vi que estava fazendo isso. Ele me puxou para um abraço e eu fiquei ali, tentando esquecer do mundo. Passou alguns minutos até que o som do sinal tocou. Desfiz o abraço e encarei o Vik. Eu não tinha condições de ir pra aula.

- Vou fica com ela aqui – Ele falou, olhando pro resto do pessoal. Apenas enterrei meu rosto em seu peito.

- Eu também – Escutei Lys dizer. O resto do pessoal saiu e ficamos apenas nos três ali. Vik me levou até o sofá e me abraçou enquanto deitei minha cabeça em seu ombro. Ficamos alguns minutos em silencio.

-Lys – Chamei, o encarando. Ele virou o olhar pra mim – A chance dele me deixar por ela é alta né? – Perguntei. Lys me encarou por um tempo. Havia tristeza nos seus olhos, isso já é uma resposta. Suspirei.

- Eu não sei, e tenho medo de saber – Falou com calma.

- Ta, vamos cortar o clima bad – Vik falou, me soltado e se levantando – Lari, se o Ruivo idiota te trocar por aquela vadia, quem ta perdendo é ele e ele não vai nunca merecer alguém incrível como você. Além do que eu dou o troféu de maior otário do planeta pra ele – Falou me arrancando um sorriso – Agora, vamos nos divertir.

 Vik pegou eu e o Lys pelo braço e nos puxou pelo colégio, indo até uma parte do muro onde é possível pular. Nos pulamos e fomos até o shopping.

- Porque viemos até aqui? – Lys perguntou.

- O meu tio é dono do novo fliperama, ou seja, fichas de graça – Respondeu animado, nos arrastando até lá. Ficamos algumas horas naquele lugar, fomos em cada videogame e ficamos nos divertindo o tempo todo. Depois de um tempo meu celular toca

-Ligação-

- Oieeee – Falei, animada.

- Que animação – Escutei a voz do Armin – Onde vocês se meteram?

- Deixem suas coisas lá em casa e vem pro fliperama do shopping – Falei, desligando em seguida.

-Ligação encerrada-

Fomos trocar alguns tickets que já tínhamos e pegamos três pulseiras extremamente coloridas e infantis. Cada um colocou uma e depois jogamos o jogo de basquete até o pessoal chegar.

- Como assim vocês vêm no fliperama e NÃO ME CHAMAM? – Armin disse, irritado. Ele se aproximou de nos, junto com o Kentin, Alexy, Rosa e Nathaniel.

- Foi mal – Falei – Mas a questão é, vai querer revanche no FIFA ou vai arregar, perdedor?

 Armin me encarou com ódio e puxou meu braço até o jogo. Ficamos jogando por horas, venci praticamente todas.

- Vamos almoçar? – Vik perguntou, vindo até mim e o Armin.

- Vamos – Armin respondeu, muito puto.

- Não fica brabo Armin – Falei fazendo biquinho, ele me encarou e logo suspirou.

- Não da pra ficar brabo com essa coisinha fofa – Falou, apertando minhas bochechas.

Fomos até a praça de alimentação e pedimos batata frita, refrigerante e outras coisas para comermos. Depois ficamos andando pelo shopping e não demorou pra Rosa nos arrastar pra uma loja de roupa. Ela ficava conversando com o Alexy separando um monte de roupa pra mim, até que eu tive uma grande idéia. Peguei as peças de roupa que Rosa separou pra mim quanto ela estava distraída e joguei uma pra cada menino.

- Que isso? – Perguntou Kentin, olhando uma saia e um cropped que eu joguei pra ele.

- Pra você se vestir – Falei, sorrindo. Vik apenas seguiu até um provador, fazíamos isso antigamente, sempre nos divertíamos muito, e ele nunca se importou.

- Não acredito no que vou fazer– Lys falou, seguindo Vik. Armin, Nathaniel e Kentin reclamaram, mas foram junto com eles.

- Larissa! Cadê as roupas que eu te dei? – Perguntou, vindo até mim. Nesse momento os meninos saíram dos provadores.

- Ali – Falei, segurando pra não rir.

- Meu Deus – Rosa sussurrou, mas logo começou a rir. Alexy estava quase chorando de tanto rir.

Os meninos começaram a rir também e começaram a desfilar, fazendo todos que estavam perto se divertir. Depois de uns 20 minutos saímos de lá porque a gerente brigou com a gente.

- Mas que absurdo. Não se pode mais provar roupa agora – Vik falou revoltado. Eu ri. Meu celular tocou, o peguei, havia uma mensagem de Castiel. “Irei dormir na minha casa hoje”. Meu sorriso foi embora, lembrei de tudo que havia esquecido. Ele não vai dormir comigo. Já era de se imaginar isso. Vik percebeu que meu humor mudou e arrancou o celular da minha mão. Ele leu a mensagem e me encarou. Vik passou o celular pro Lys que leu a mensagem também. Lys olhou pro chão, pensativo.

- Festa do pijama hoje? – Vik perguntou pro pessoal. Todos se animaram. Ele me puxou e continuamos a andar pelo shopping. Enquanto andávamos passamos por uma parte do shopping que sempre tinha um brinquedo para as crianças. Só que dessa vez montaram uma piscina de bolinhas para ADULTOS.

Não deu 5 minutos e todos já estavam lá dentro. Alexy e Rosa foram pro escorregador e o resto ficou brincando de tacar a bola no outro. Ficamos brincando até dar o limite de tempo e depois fomos pra minha casa.

- Vamos lá – Vik falou assim que chegamos lá – Armin, você monta o vídeo game na sala, Rosa e Alexy, cuidem da comida e do refri, Kentin organiza a sala pra caber os colchões, Lys vai fazer um Shisha top pra gente e eu e Lari vamos comprar o que vai ser necessário.

- E eu? – Nath perguntou.

- Você faz minha parte, vou ter que sair por uns minutos – Lys falou e Nath apenas confirmou com a cabeça.

- Façam uma lista do que precisamos comprar, enquanto isso a gente já vai tomar banho – Vik falou. Eu subi para meu quarto para tomar meu banho. Entrei o chuveiro e em poucos minutos algumas lagrimas caíram. Eu ficava pensando se eu já tinha o perdido. Eu tentei deixar esses pensamentos de lado e aproveitar a noite com meus amigos incríveis.


Notas Finais


Me digam se gostaram :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...