História Alice - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Alice no País das Maravilhas (Alice in Wonderland)
Tags Drama, Filosofia, Suspense
Visualizações 10
Palavras 1.285
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Mistério, Saga, Suspense
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Aqui termina a aventura do garoto que entra no pais das maravilhas, espero que gostem

Capítulo 2 - Oque acontece agora


Fanfic / Fanfiction Alice - Capítulo 2 - Oque acontece agora

ALICE: OQUE ACONTECE AGORA

Absolem

-Ao abrir os olhos me dei conta, estava de frente á aquela mesma casa de antes.
-O que estará acontecendo! Porque este mundo continua a assolar com meus próprios pensamentos. As perguntas continuavam vindo a mim, e ainda não sabia como respondê-las.
-Enfim, estava bem em frente daquela casa, forcei a maçaneta e diferentemente da última vez, não tive dificuldades em abri-la, não estava trancada.
-Ao entrar, me vi no que parecia ser um grande saguão de hotel, a minha frente havia uma escada que levava ao segundo andar, segui até ela e ao dar dois ou três passos à frente a porta atrás de mim se fechou, acabando com a única fonte de luz dali.
-“Então você chegou!”-ouvi em uma voz fraca e tênue.
-Apesar da vasta imensidão escura que habitara o local, não me assustei nem nada do tipo, a este ponto não havia nada que aquele mundo podia fazer que me tiraria da minha zona de conforto.
-Foi quando bem a minha frente uma luz se estendeu, como a de um holofote que focava em uma celebridade em um show,  bem abaixo dela estava um homem, não como o de antes, mas este estava com roupas rasgadas, aparência fadigada e olhos fundos como quem expressava um tipo de desespero.
-“olha só você, conformado com a loucura que sonda este lugar tão caótico”
-Quem é você?!- perguntei hesitante.
-Foi quando ele se levantou, e para a minha desagradável surpresa, ele era eu! Não alguém que se parecia comigo, mas ele era eu! Não podia acreditar um só momento nhoque meus olhos estariam vendo, quanto mais olhava pra ele mas era como eu e visse no espelho!
-“Surpreso? Confuso? É, eu também fiquei, até você me abandonar nesta escuridão! ”
-oque? Abandonar? Como assim? - As perguntas vieram até mim de supetão, estava confuso, não sabia o que dizer ou o que fazer, eu via em seus olhos o desespero!
-Neste momento, a porta atrás de mim se abriu e sem hesitar eu corri por ela deixando aquele homem no escuro.
Valete de Copas
-ao atravessar a porta, já não estava mais no lugar aonde eu estava antes de passar pela porta, conformado não me impressionei, estava desta vez em uma planície, a grama era verde e o vento soprava em uma continua brisa que balançava as flores ali presentes, a diante avistei um homem, alto, com uma camisa com o que parecia ser o símbolo de copas em suas costas, me aproximei dele, e então ele se virou para mim, logo me espantei, seu rosto era cheio de cicatrizes e ele olhou para mim com seu olhar profundo e vazio.
-“vejo que ainda está são ”-disse ele com voz tênue e falha.
-“quem é você?”-perguntei sem esperar resposta.
-“hum, logo saberá ”-disse ele hesitante.
-“o que faz aqui?” –perguntei
-“Acho que estou me perdendo neste mundo tão caótico” –disse ele com um leve tom de preocupação.
-“está se perdendo?” –disse eu soando como uma afirmação.
sem obter uma resposta, eu por um instante fechei os olhos e senti a leve brisa que jogava meus cabelos para trás. Ao abri-los, mais uma vez não estava mais aonde estava, a está altura, me questiono onde realmente estou.
Lebre de Março
-“quem está ai?” –escuto uma voz distante
estou agora em um lugar escuro, não tão escuro quanto o lugar de antes, mas ainda sim está escuro, ao focar meus olhos, avisto uma logiqua luz ao fundo.
-“tem alguém ai?” –ouvi mais uma vez aquela voz.
olhei para os lados e avistei um pequeno ser no que parecia ser o canto da sala, me aproximei hesitante, e ao me dar conta vi uma lebre, logo me veio a lebre de março de meu filme favorito, mas a este ponto o que pode ser o que realmente parece ser?
-“Você vai me machucar! ”-exclamava repetidamente com um tom choroso.
-“ei se acalme, não vou te machucar”
-“vai sim! Oh céus! Estou tão assustado! ” –Continuava a repetir em tom choroso.
Não entendia nada, a cada vez que achava que não houvesse mais nada que este mundo caótico tinha a oferecer, ele me surpreendera com coisas cada vez mais confusas, estava ficando irritado, os questionamentos me bombardeavam e isso me deixava mais irritado.
-“cale a boca seu idiota chorão! Levante! ” –gritei.
estava cansado disto, não queria mais participar deste circo dos horrores. A lebre então se levantou, olhou para mim e disse:
-“ora, ora, cale a boca você seu hipócrita, será que não percebe! Você causou tudo isso!”
sem entender nada me surpreendi então mais uma vez. Após isto olhei para o redor, e atrás da lebre eu avistei um homem, mas não era um homem qualquer, era aquele mesmo maldito homem, de terno, e com aquele desgraçado sorriso que me perseguira deste então.
-“seu merda!” –gritei com força enquanto corri na direção daquele maldito.
foi quando tropecei, cai e desmaiei. Ainda não sei quanto tempo fiquei desacordado, mas quando acordei me senti diferente, me sentia pressionado, cansado, estava de saco cheio deste mundo, não queria levantar dali onde estava, ainda estava de olhos fechados, e por alguns minutos me recusei a abri-los.
Alice
-“olá” –uma doce voz me obriga a abrir os olhos.
ao então abri-los, avisto uma garotinha, ela usava um vestido e era loira, ela sorria para mim, como se nada tivesse acontecendo, por algum motivo, aquela garotinha me deu uma luz, ela me fez lembrar de quem eu sou e apesar de tudo que acontecera até agora, eu me sentia vivo de novo.
-“quem é você?” –disse eu enquanto levantava do chão e limpava minha roupa.
-“me chamo Alice, e você ”-disse ela enquanto olhava para mim e sorria.
-“Alice?” –Não seria nenhuma surpresa, mas me lembrei da tão falada Alice do pais das maravilhas.
-“Parece surpreso” –disse ela ainda com aquele belo sorriso estampado em seu rosto.
-“Pra falar a verdade não, esse mundo já me ofereceu o bastante para não me impressionar facilmente” –disse eu em um tom sarcástico.
-“Entendo” –ao dizer isso, ela perdeu aquele belo sorriso e ficou cabisbaixa.
-“Entende?” –Perguntei.
-“sim, estou neste mundo tanto tempo que ainda não sei como explica-lo” –Não sabia como, mas por algum motivo, aquela garotinha, era como eu, ela também estava presa aqui.
-“Venha, quero te mostrar uma coisa” –disse ela enquanto pegava minha mão e me guiava floresta a dentro.
Fui guiado por ela por alguns minutos, até que finalmente cheguei em uma casinha, uma casinha de madeira que por coincidência ou não parecia muito com a cabana que passava alguns dias com minha família quando era pequeno, acho q pela primeira vez me senti bem naquele mundo. Entramos e para minha infelicidade, ao passarmos pela porta, me senti mal, era como se uma enorme pressão estivesse sendo jogada em cima de mim.
-“Você está bem” –disse a menininha.
Logo, minha visão ficou borrada, já mal podia ver o rosto da menininha, minhas pernas ficaram fracas, eu caí no chão, e a única coisa que pude ver, foi aquele maldito homem de terno com aquele sorriso desgraçado e sádico no rosto, ele estava ali, bem atrás da menininha e sorrindo para mim.

-“relatório número um”
-“meu nome é Jack Porter, sou psiquiatra no hospital psiquiátrico do estado de Illinois, no dia 9 do 11 chegou um paciente diagnosticado com transtorno de personalidade múltipla e esquizofrenia seu nome era Billy Miligan,  após uma análise entrevistada, foi revelado que as múltiplas personalidades do paciente residiam no mundo de Alice no pais das maravilhas, hoje, dia 11 do 11 o paciente cometeu suicídio, deixando uma carta com uma frase escrita.

 “Não devemos resistir às tentações: elas podem não voltar.”
 
 


Notas Finais


espero que tenham gostado, deixem o feedback


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...