História All Faces Of Love - Capítulo 25


Escrita por:

Postado
Categorias MasterChef Brasil
Personagens Ana Paula Padrão, Erick Jacquin, Henrique Fogaça, Paola Carosella, Personagens Originais
Tags Aluna, Ana Paula, Carosella, Masterchefbr, Masterchefbrasil, Padrão, Pana, Paola, Professora
Visualizações 500
Palavras 1.644
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, FemmeSlash, Ficção Adolescente, Orange, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 25 - Consequências


Fanfic / Fanfiction All Faces Of Love - Capítulo 25 - Consequências

Lisa’s Point Of View



 

Flashback On:



 

– Eu aceitei a proposta para Oxford e estou indo para a Inglaterra está tarde. - Ana Paula anuncia  na mesa de café da manhã deixando-nos boquiabertos sem entender o que estava acontecendo.




 

– Mas Ana.. - Papai tenta dizer algo, mas parecia estar muito em choque para formular uma frase.




 

– Como assim? De uma hora pra outra! E ainda é muito cedo para ir as aulas começam a daqui uns 2 meses! - Digo.




 

– Começa a daqui um mês e eu estou completamente certa da minha decisão, até mesmo já fiz a compra da passagem e minhas malas.




 

– Mas e a Paola? - Mamãe questiona e o rosto de Ana se contorce ao tempo em que seu olhar decidido se tornou triste e bravo ao mesmo tempo.



 

– Não vem ao caso. Eu vou para meu quarto terminar de arrumar minhas coisas, com licença. - Se levanta e sai. Nos entreolhamos ainda sem entender o que estava acontecendo e tentando acreditar que era tudo uma grande piada, e após alguns minutos em silêncio eu pedi licença para me levantar e fui atrás da minha irmã.



 

Chegando no seu quarto vejo a mesma com um quadro com a foto dela com Fran e Paola, Ana estava aos prantos e isso apenas confirmou minha suspeita de que Paola estava por trás disso tudo. Sentei-me ao seu lado e apenas a puxei para meus braços ficando em silêncio até que a mesma se acalmasse.




 

– O que aconteceu, Ana? - QUestiono quando vejo que estava mais calma.



 

– Eu não quero falar sobre isso, apenas saibam que acabou e eu não posso ficar aqui.





 

– Mas Ana, e eu? E nossos pais? - Meus olhos marejam.




 

– Eu sempre manterei contato e podemos conversar todos os dias se quiser.



 

– Promete que vai me ligar sempre? Todos os dias? Até mais de uma vez por dia se quiser.




 

– Eu prometo, nunca me afastaria de você.




 

– Cuidado, hein, nunca é muito tempo. - Beijo o topo de sua testa.



 

***




 

Após deixarmos Ana no aeroporto com muitas lágrimas e súplicas para que ela ficasse eu pedi minha mãe para usar o seu carro, pois precisava espairecer, a mesma concordou e eu agora estou a caminho da casa de Paola. Eu estava puta. Sabia que ela tinha feito algo e tirado minha irmã de mim. Quando cheguei, estacionei o carro de qualquer forma e fui a passos largos em direção a porta de entrada quase esmurrando a mesma quando cheguei, diante da falta de respostas e o carro dela estar na garagem além das luzes da casa estarem acesas eu tentei abrir a porta e a mesma estava destrancada. Entrei cautelosamente e quase dei um grito ao ver Paola desacordada no chão. Ao seu lado tinha uma garrafa de Whiskey deitada com o líquido já todo no chão a sua volta. Liguei desesperada para Rita e a mesma pediu para que eu me acalmasse e tentasse deitá-la no sofá que ela já estava a caminho. E realmente estava, pois exatos 5 minutos depois a mesma adentrou a porta.




 

– Meu Deus, Paola! O que você fez?! - Diz vendo a amiga agora deitada no sofá. A mesma colocou dois dedos no pulso de Paola e se assustou. - Pulsação muito fraca, quase não dá pra sentir, temos que correr com ela pro hospital. - E ao dizer isso pegou Paola em seus braços e corremos para fora. Fechei a porta trancando e peguei a chave junto a bolsa de Paola. Rita tinha ido na frente e havia me dito que iria para o UCSF Medical Center. Peguei o carro e segui rapidamente para o hospital. Chegando ao memso me identifiquei como cunhada de Paola e logo me encaminharam para a sala de espera onde Rita estava sentada digitando rapidamente no celular.




 

– Como ela está?




 

– Não sei, levaram-na às pressas, mas uma coisa eu sei e é que a culpa é da sua irmã!




 

– Oi??




 

– Olha não me entenda mal, eu gosto muito da Ana Paula, mas  depois do que aconteceu eu não mais no que pensar. Paola estava a semanas preparando uma noite especial com ela, seria depois do baile, tudo seria perfeito mas sua irmã estragou tudo. A meses Paola estava desconfiada da relação de Ana com a Marie Carter, mas sempre achava infindável, pois confiava de olhos fechados na sua irmã, só que todos víamos que não era bem assim. Ontem quando Ana chegou Paola ficou hipnotizada quase babando e quando ia falar com sua irmã ela simplesmente deu atenção para Carter e esqueceu a presença dela, mas Paola trouxa bastou receber uma mensagem da “amada” que faltou soltar fogos de felicidade. Ana foi para o jardim que havia ali, sabia que havia mandado Paola ir pra lá, elas tem um tipo de fetiche por árvore que eu realmente não entendo, mas a questão é que quando Paola foi embora, depois de mais uns 10 minutos Ana Paula entrou junto a Carter, que pelo visto estava lá desde antes de Paola ir, como se nada tivesse acontecido, recebeu a coroa de rainha do baile e dançou a valsa com Carter depois de ter dançado com o rei. O que aconteceu naquele jardim não é muito difícil de adivinhar, não é mesmo?!




 

– Eu não acredito que Ana Paula faria isso.. - Murmuro incrédula. - Ela amava Paola de um jeito que..





 

– Que não foi o suficiente para não trair Paola. - E o silêncio reinou por longos e incontáveis minutos.





 

– Parentes de Paola Florencia Carosella. - Levantamos rapidamente. - Bom a paciente teve um caso de overdose dada por misturar remédios muito fortes e bebida, mas conseguimos reverter seu quadro a tempo de uma fatalidade. O caso dela parece ser um caso de tentativa de suicídio, mas nós recomendamos esperá-la acordar para saber mais detalhes e ver se não ocorreram sequelas. A medida tomada nesses casos é chamar um psiquiatra para conversar com ela após os exames que ela terá de fazer quando acordar, mas aí precisaria do consentimento de vocês.




 

– A gente prefere conversar com ela antes, Paola não faria isso..




 

– É o que todos dizem. Com licença. - O médico se retira.




 

– Ela não faria. - A voz de Rita sai embargada e eu apenas a abraço me permitindo chorar junto a mesma.




 

***



 

Meia hora após falarmos com o médico nossa entrada no quarto foi liberada. Paola estava pálida, cheia de tubos e fios. Doeu. Doeu muito. E a única coisa que se passava em minha cabeça eram os pedidos a Deus que Rita estivesse equivocada, mas no fundo eu sabia que era verdade.



 

Ficamos quase uma hora ali esperando Paola acordar, decidi que eu passaria essa noite com ela e Rita ficaria amanhã a tarde. Enquanto eu avisava minha mãe e a acalmava quanto a situação da amiga, Rita ligou para Jason avisando-o e pedindo para que fique mais uns dias com Fran.



 

Logo Rita se foi e eu fiquei sozinha com Paola.




 

– Eu não sei se você pode me escutar, mas eu gostaria de dizer algumas coisas. Olha eu não sei o que aconteceu entre você e minha irmã, mas eu te peço perdão desde já caso ela tenha feito algo. Nada justifica uma tentativa de suicídio, eu tenho certeza que essa não era a sua intenção, então acorda logo para mostrar para esse povo o quão forte você é. - Passo a mão em seu cabelo macio sentindo algumas lágrimas molharem meu rosto. Me sento na poltrona reclinavel no canto do quarto e mexo no celular até o sono me pegar.




 

– Lisa. - Ouço meu nome e desperto. Abo um pouco os olhos por causa do incômodo da luz e vejo que era Rita. - Vá para casa descansar, qualquer coisa eu te ligo. - Diz com a voz baixa e eu assenti espreguiçando antes de levantar e pegar minhas coisas para ir.



 

***




 

Enquanto eu almoçava em casa, Rita me ligou avisando que Paola havia acordado, sem terminar de comer eu e mamãe saímos às pressas de casa para o hospital. Chegando lá informamos o nome e fomos liberadas. Quando estávamos chegando na porta do quarto parei mamãe com o braço ao escutar o nome de Ana Paula.




 

– Rita, por favor, a Ana me traiu sim, mas eu jamais praticaria tal atentado contra minha vida, eu apenas estava com uma crise de enxaqueca muito forte, me impedindo de pensar, estava quase delirando ai tomei três comprimidos ai eu bebi para fazer efeito mais rápido, não foi suicídio e sim estupidez.




 

– Chegamos. - Anunciei entrando com minha mãe.




 

– Que susto você nos deu, hein Carosella! - Mamãe disse se aproximando para abraçá-la. Conversamos um pouco amenidades e alguns minutos depois olhei para Rita e minha mãe e logo elas entenderam pedindo licença nos deixando sozinhas.



 

– Eu quero saber tudo, por favor.




 

– Eu não quero colocar você no meio disso Lisa..



 

– Paola minha irmã se mudou para o outro lado do oceano sem mais nem menos, sem ao menos olhar para trás, eu preciso de respostas!




 

– Ela o que.. - Diz sem reação. Paola amava minha irmã demais e eu pude ver assim que a frase terminou de sair da minha boca.





 

– Ana se for para Oxford ontem a tarde pouco antes de eu te encontrar. - Falo com a voz baixa e Paola ri baixo negando com a cabeça enquanto tentava conter as lágrimas que formavam em seus olhos. - Agora pode me contar, por favor?




 

– Na noite da festa ela me mandou uma mensagem pedindo para eu encontrá-la no jardim que havia lá e quando fui ela estava aos beijos com Carter, eu disse coisas que não deveria devido ao calor do momento e fui embora, é isto.




 

– Paola, eu.. - Antes que eu posso terminar ouvimos batidas na porta e a mesma se abriu.




 

– Boa tarde, eu a enfermeira Patrícia Pillar, prazer.


Notas Finais


Obrigada pelos comentários no cap passado vcs n sabem o quão significa pra mim saber a opnião de vcs, disgurpa os erros, see ya <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...